Mostrando postagens com marcador #folhasecanãoélixo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #folhasecanãoélixo. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Importância da compostagem para o Meio Ambiente e Saúde das pessoas!!


A compostagem é um processo de transformação de matéria orgânica, encontrada no lixo, em adubo orgânico
·    
·           


·           

·           
Você já imaginou a quantidade de resíduos (lixo) que são descartados e enviados diretamente às unidades de tratamento de resíduos sólidos inviabilizando a longevidade dessas estações de tratamento ou de forma mais costumeiramente prejudicial ao meio ambiente?
A compostagem é um processo de transformação de matéria orgânica, encontrada no lixo, em adubo orgânico (composto orgânico). É considerada uma espécie de reciclagem do lixo orgânico, pois o adubo (composto) gerado pode ser usado na agricultura ou em jardins e plantas.
A compostagem é realizada com o uso dos próprios microorganismos presentes nos resíduos, em condições ideais de temperatura, aeração e umidade. A compostagem é de extrema importância para o meio ambiente e para a saúde dos seres humanos.
O lixo orgânico, muitas vezes, é descartado em lixões, ruas, rios e matas, poluindo o meio ambiente. Além disso, o acúmulo de resíduos orgânicos a céu aberto favorece o desenvolvimento de bactérias, vermes e fungos que causam doenças nos seres humanos. Além disso, favorece o desenvolvimento de insetos, ratos e outros animais que podem transmitir doenças aos homens.
Com a compostagem, além de se evitar a poluição e gerar renda, faz com que a matéria orgânica volte a ser usada de forma útil. Para que ocorra a compostagem de forma adequada, é necessário que as pessoas realizem a coleta seletiva do lixo, encaminhando o lixo orgânico para usinas de compostagem e os resíduos sólidos para recicladores. A compostagem também pode ser realizada em casa, seguindo algumas orientações técnicas básicas.





https://jeonline.com.br/coluna/140/importancia-da-compostagem-para-o-meio-ambiente-e-saude-das-pessoas

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Paris irá plantar florestas urbanas para combater calor !! #arborização

Fonte: site conexão planeta

Paris irá plantar florestas urbanas para combater calor
Para reduzir o calor e melhorar a qualidade do ar da capital parisiense, que anda batendo temperaturas recordes neste verão europeu, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, anunciou um projeto de 72 milhões de euros com o objetivo de plantar florestas urbanas ao redor de algumas das principais regiões da cidade.
Os novos parques e jardins devem abranger uma área de 30 hectares, com o plantio de 20 mil árvores até o final de 2020. Atualmente, apenas 9,5% da capital possui cobertura de vegetação.  
A princípio foram escolhidos quatro locais da cidade para receber as florestas urbanas: Hôtel de Ville, L’opéra Garnier, Gare de Lyon e as margens do Rio Sena.
Um projeto específico para a Torre Eiffel também foi desenvolvido, especificamente para a realização dos Jogos Olímpicos de Paris, em 2024. Mais árvores, jardins e gramados serão plantados no entorno da mais famosa atração turística do país.
“Temos a obrigação de agir agora para evitar que essa cidade se torne impossível de morar”, disse Hidalgo, em entrevista ao Le Parisien.
Projeto vencedor de escritório britânico de arquitetura
para levar mais verde para a região da Torre Eiffel
Em junho, a temperatura esteve 10ºC acima da média na Europa. Na França, os termômetros registraram 45,9oC, em Gallargues-le-Montueux. O calor foi tanto, devido a uma massa de ar quente vinda do Deserto do Saara, que o governo cancelou as aulas nas escolas e suspendeu um exame nacional que aconteceria. A prefeitura de Paris espalhou bebedouros e vaporizadores de água por toda a capital. E julho não foi diferente: foi o mais quente da história.
A construção de mais áreas verdes em Paris faz parte de um projeto maior, lançado em 2018, o Plan Climat, que, até 2050, pretende que a cidade tenha 50% de sua superfície coberta com vegetação, e nos próximos 30 anos, se torne carbono neutra.

Cidades precisam de árvores

A presença de vegetação em grandes metrópoles é importantíssima porque serve para minimizar o fenômeno chamado de “ilha de calor”, que acontece em cidades com muitas construções e edifícios. Nesses lugares a temperatura é sempre mais alta porque o calor fica ‘preso’ ali e não consegue se dissipar.
As altas temperaturas matam mais de 12 mil pessoas por ano no planeta e, por isso, são um dos eventos mais ameaçadores, relacionados ao clima. Os idosos são as maiores vítimas, seguidos pelas crianças.
Além de reduzir a temperatura, já que oferecem sombra e liberam vapor d’água, árvores melhoram a qualidade do ar em centros urbanos e ajudam a diminuir os estragos provocados por enchentes, ao fazer com que o solo escoe a água da chuva mais rapidamente.
Em 2016, mostramos aqui, nesta outra matéria, como um estudo da ONG The Nature Conservancy revelou que basta investir 4 dólares/ano por habitante no plantio de árvores para salvar 4 milhões de pessoas.
*Com informações do Le Parisien e Deutsche Welle
Leia também:Projeto Pomar Urbano plantará 30 mil mudas de árvores nas margens do Rio Pinheiros, em São Paulo
Juntos, moradores e prefeitura de NY plantam um milhão de árvores
Cidade inglesa vai plantar 3 milhões de árvores: uma para cada homem, mulher e criança que vive nela
As árvores mais indicadas para plantar na cidade de São Paulo
‘Quando nos conectamos com as árvores, caminhamos em direção aos nossos sonhos’, diz Satish KumarMapa colaborativo de árvores frutíferas dissemina conhecimento e incentiva plantio

Foto: @42north on unsplash e ilustração divulgação/cortesia Gustafson Porter + Bowman
Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Pesquisa resgata gene do #tomate selvagem para aumentar valor nutricional do fruto

Fonte: jornal da USP

Com maior concentração de vitamina E e açúcares, planta transgênica teve reinserido o gene GLK2, eliminado do tomate pela domesticação.

Pesquisadores produziram um tomate transgênico reintroduzindo o gene GLK2 selvagem,
perdido durante o processo de domesticação e melhoramento do fruto – Foto: Marcos Santos/ Jornal da USP
. O gene responsável por amadurecer o tomate uniformemente dando-lhe um aspecto mais atraente aos olhos do consumidor é o mesmo que faz dele um fruto com menor valor nutricional. Tomates vistosos encontrados nas feiras têm menos vitamina E e baixo nível de açúcares, o que impacta, inclusive, na qualidade e densidade de polpas, extratos e molhos. Os estudos que evidenciam este fato envolvendo a transcrição da proteína GOLDEN 2-LIKE 2 (GLK2) foram tema de artigo científico publicado na PlosOne por pesquisadores do Laboratório e Genética Molecular de Plantas do Instituto de Biociências (IB) da USP.
Segundo a bióloga Maria Magdalena Rossi, coordenadora do projeto temático que trabalha com a compreensão e manipulação do metabolismo vegetal, os pesquisadores produziram um tomate transgênico reintroduzindo um gene GLK2 selvagem, perdido durante o processo de domesticação e melhoramento do fruto. A experiência foi feita com o objetivo de demonstrar que a mutação em GLK2, selecionada para proporcionar amadurecimento uniforme ao fruto – uma demanda do setor agroindustrial – comprometeu o sabor e suas propriedades nutricionais. O tomate com o gene selvagem possui 25% mais vitamina E que os convencionais, além de polpa mais densa. .
Maria Magdalena Rossi, pesquisadora da USP e coordenadora do projeto temático GLK2 – gene que afeta a qualidade nutricional dos tomates – Foto: Marcos Santos/ Jornal da USP
.
Ao longo dos anos, o tomate passou por um processo de domesticação e melhoramento até chegar ao que ele é hoje. Os tomates selvagens, originários dos Andes Peruanos, são menores e, a maioria, não acumula carotenoides (compostos de importância nutricional que conferem coloração laranja/vermelha). E os que possuem carotenoides, não amadurecem de forma uniforme, sendo o “ombro” ou a parte de cima do fruto a última a ganhar cor avermelhada. Essa característica nativa tornou-se um problema para a colheita mecanizada e fez com que os frutos perdessem apelo do consumidor, relata a professora Magdalena.

O foco do trabalho era saber se a mutação em GLK2 introduzida na maioria das variedades cultivadas hoje estaria afetando os compostos nutricionais, em particular os açúcares e a vitamina E. E se fosse comprovada esta hipótese, os pesquisadores consideravam que se o GLK2 fosse reintroduzido ao fruto, se recuperaria o valor nutricional, explica.

Tomate transgênico tem 25% mais
vitamina E que os convencionais

A solução foi sobre-expressar a proteína, ou seja, desenvolver uma planta que produzisse fruto com maior quantidade de GLK2. Assim seguiram as experiências e foram cultivadas mudas transgênicas, mutantes (tomates convencionais) e outras com o gene selvagem. Depois, em laboratório, foram feitas análises bioquímicas de amostras das três variedades. A hipótese se confirmou: “Com a reintrodução do gene GLK2, o tomate da planta transgênica apresentou tanta vitamina E quanto a planta selvagem e 25% mais do que os tomates convencionais. Em relação ao nível de açúcar, a planta geneticamente modificada teve grau Brix (medida de conteúdo sólidos e solúveis) mais elevado que o tomate selvagem e o convencional. O grau Brix é utilizado para identificar a qualidade da polpa do fruto que influi na densidade de extratos, massas e molhos, parâmetro de valor econômico bastante considerado pela indústria alimentícia. .
As três variedades cultivadas no Laboratório de Genética Molecular do Instituto de Biociências da USP – Foto: Marcos Santos/ Jornal da USP
.
A pesquisadora lembra que não é necessário produzir plantas transgênicas para restaurar o conteúdo nutricional dos frutos para o consumo humano, e que a planta transgênica produzida no IB serviu apenas de ferramenta de pesquisa para demonstrar que as modificações feitas nos tomates ao longo do tempo acabaram prejudicando a qualidade nutricional do fruto. “Um tomate mais nutritivo pode ser obtido resgatando o GLK2 por meio de cruzamentos”, reforça.

Mais informações: (11) 3091-7556 ou mmrossi@usp.br, com Maria Magdalena Rossi, ou bslbsl@usp.br, com Bruno Silvestre Lira

quinta-feira, 4 de julho de 2019

Húmus de minhoca pode ser um grande parceiro do pequeno produtor rural!! PRODUZA JÁ!!

FONTE CANALRURAL
Adubo caseiro contém hormônios vegetais que fortalecem as plantações.Uma alternativa simples e barata para pequenas propriedades rurais adubarem o solo é investir em um minhocário campeiro. 





Com a produção de húmus de minhoca é possível obter um produto de qualidade para fertilizar hortas, pomares, flores e plantas em geral sem o uso de adubos químicos e industrializados.

Húmus é todo material orgânico degradado no solo. Já o húmus de minhoca é a excreção do próprio anelídeo, que come material orgânico e acaba fertilizando a terra. Este tipo de adubo melhora a porosidade dos terrenos, reduz o risco de erosão e acelera o processo de humificação dos demais resíduos de matéria orgânica presentes no solo. Por não ser tão solúvel quanto os fertilizantes industrializados, o húmus não é levado junto com a água da chuva e possui praticamente todos os nutrientes necessários às plantas, mantendo a planta em boas condições ao longo do cultivo.


– O húmus de minhoca possui praticamente todos os nutrientes que tem o adubo mineral, desses comprados em agropecuárias Nele contém nitrogênio, fósforo, potássio, magnésio, cálcio e uma série de micronutrientes. Quando o húmus é produzido a partir de esterco, ele contém também uma serie de hormônios vegetais que fortalecem as plantações – explica o pesquisador da Embrapa, Gustavo Schiedeck.

A produção de adubo de minhoca também proporciona a sustentabilidade na propriedade rural, especialmente na agricultura familiar. Segundo o pesquisador, o húmus pode ser uma prática integradora de outras atividades, pois pode ser feito a partir de excrementos de animais, como vacas, porcos e aves, quanto de restos de colheita, capina, misturados ou não, da própria propriedade. Sem a necessidade de alta mão de obra, construir e manter um minhocário pode ser uma boa saída para pequenas fazendas.

A espécie de minhoca mais utilizada para a formação de um minhocário é a “Vermelha da Califórnia”. Essas são indicadas para a prática porque comem rápido e em grande quantidade (por dia, ingerem uma quantia de alimento que equivale ao seu peso) e reproduzem-se com facilidade (quando duas minhocas acasalam, por serem hermafroditas, ambas saem fecundadas). 



– A cada três dias a minhoca coloca um casulo, onde vão nascer até três minhocas. Em 90 dias, elas estarão adultas, prontas para começar a se reproduzir. Em três ou quatro meses, o número de minhocas pode quintuplicar – assegura Gustavo. 

Schiedeck também dá algumas dicas sobre como deve ser a construção e o manejo do minhocário. A primeira camada a ser colocada deve ser de minhoca e, por cima dessa, uma outra camada de aproximadamente 15 cm de esterco. Quando o esterco, ou qualquer material orgânico escolhido, tiver sido transformado em humos é hora de pôr uma nova leva de matéria prima. O húmus estará pronto quando estiver em forma granulada e quando perder o cheiro forte de esterco e ganhar um aroma de terra após a chuva.

segunda-feira, 1 de julho de 2019

Húmus: o que é e quais são suas funções para o solo !! Produza você!!!

Fonte: ecycle

Húmus é a matéria orgânica estável presente em vários tipos de solos, essencial para a vida na Terra.

húmus
Húmus, humo, ou erroneamente escrito, "humus", é um termo que remonta ao tempo dos antigos romanos, quando era usado para designar o solo como um todo. Hoje, o termo "húmus" designa toda a matéria orgânica estabilizada (que não sofre mudanças químicas ou físicas significativas) presente nos mais diversos tipos de solos (argilosos, arenosos, entre outros). Ollech, cientista estudioso do tema, definiu o húmus, em 1890, como "todas as substâncias que são formadas na decomposição e fermentação da matéria orgânica de origem vegetal e animal, ou por meio da ação de certos agentes químicos sobre essa matéria orgânica, na forma de compostos orgânicos amorfos [que não tem forma determinada], não voláteis, não gordurosos, mais ou menos escuros".
Apesar do húmus ser estável, ele não é estático, e sim dinâmico, uma vez que é formado constantemente a partir de resíduos vegetais e animais que são continuamente decompostos por micro-organismos.

Importância do húmus

húmus
A importância do húmus para a o solo é múltipla. Ele fornece nutrientes para as plantas, regula as populações de micro-organismos e torna os solos férteis. O húmus também é fonte de carbono, nitrogênio, fósforo, cálcio, ferro, manganês, entre outras substâncias essenciais para o crescimento saudável dos vegetais.
Ele é capaz de impedir a penetração de substâncias tóxicas do solo nas plantas; retém umidade e mantém a temperatura do solo equilibrada. A função do húmus para a vida aquática vegetal e animal ainda é pouco estudada, entretanto, sua importância é amplamente reconhecida.
O húmus define a cor, textura, estrutura, retenção de umidade e a aeração do solo. Quimicamente, ele influencia a solubilidade de minerais do solo, formando compostos com certos elementos como o ferro, o que os torna mais facilmente disponíveis para o crescimento das plantas e aumenta as propriedades tampão do solo. Biologicamente, o húmus serve como fonte de energia para o desenvolvimento de micro-organismos e melhora o ambiente para ao crescimento de plantas superiores. Entretanto, as funções do húmus para as plantas ainda não foram completamente estudadas pela ciência e, apesar de haver a possibilidade de alguns efeitos prejudiciais do húmus para as plantas, o consenso científico é de que os benefícios superam os malefícios.

Micro-organismos

Sem os micro-organismos não haveria húmus, e sem húmus a vida no planeta Terra como a conhecemos seria impossível.
São os micro-organismos os principais responsáveis pela formação do húmus a partir de resíduos vegetais e animais. Eles produzem húmus continuamente por meio da decomposição e mineralização (transformação da matéria orgânica em minerais). O papel dos micro-organismos no ciclo da matéria orgânica no solo, bem como na natureza, em geral, é indispensável. Sem a transformação dos restos animais e vegetais em húmus, todos os elementos essenciais ficariam armazenados nesses organismos mortos e não poderiam ser reutilizados.

Tipos de húmus

húmus
As formas mais conhecidas de húmus são aquelas encontradas em jardins. Entretanto, existem diferentes tipos de húmus, até mesmo variedades que não são utilizadas para plantio, mas para fins industriais.
O húmus presente no carvão e na turfa é usado como fonte de combustível e tem sido um dos principais agentes no desenvolvimento da civilização industrial moderna. O húmus presente no petróleo, por exemplo, tem uma importante função econômica. Mas, de maneira geral, o húmus é separado em quatro categorias:

Húmus marrom:

Encontrado na vegetação viva, na matéria orgânica recentemente caída (serrapilheira), na turfa, em ervas marinhas em decomposição nas margens dos corpos d'água e onde crescem os fungos.

Húmus preto:

Geralmente encontrado em um estado ativo de decomposição nas camadas mais profundas do solo, na decomposição de folhas e madeiras de florestas, em estrumes de animais, em turfa de pântanos e em lamas.

Húmus de transferência:

É o encontrado nas água dos rios, lagos, nascentes e água da chuva.

Húmus fóssil:

É o húmus encontrado sob a forma de lignite, carvão marrom e outros depósitos de carbono, bem como em muitos minerais, como minérios hidratados de ferro e manganês.

Húmus de minhoca

húmus de minhoca
Imagem: Compost with earthworms por SuSanA Secretariat está licenciado sob (CC BY 2.0)
"Húmus de minhoca" é a expressão utilizada para designar o húmus resultante da matéria orgânica decomposta por meio do processo digestório das minhocas, formando uma compostagem natural. As minhocas facilitam o trabalho dos micro-organismos fragmentando a matéria orgânica em pedaços menores; e por isso elas têm sido utilizadas como uma forma de potencialização da formação do húmus, prática conhecida como vermicompostagem. Saiba mais sobre esse tema nas matérias: "Vermicompostagem: conheça as vantagens dessa técnica que reduz o lixo orgânico", "Minhoca: importância ambiental na natureza e em casa" e "Como criar minhocas californianas de composteira".

sexta-feira, 31 de maio de 2019

Cinco etapas para fazer um ótimo composto

Fonte: site TEARFUND

Os agricultores e jardineiros usam composto para melhorar seu solo e aumentar o crescimento das plantas. O composto é feito a partir de resíduos vegetais e alimentares, que são decompostos por minhocas e outros organismos. Ele precisa de oxigênio suficiente (do ar) e da quantidade certa de umidade. Abaixo está um método para fazer composto.
Cinco etapas para fazer um ótimo composto. Ilustração: Petra Röhr-Rouendaal, Where there is no artist (segunda edição)
Ilustração: Petra Röhr-Rouendaal, Where there is no artist (segunda edição)

1 faça um pilha

A pilha de composto não precisa estar contida dentro algo, mas será mais fácil manejá-la se estiver. Você pode usar um buraco, uma caixa de ripas ou malha de arame. Procure fazê-la com um mínimo de 1 metro em cada direção. É útil ter duas ou três pilhas para que se possa acrescentar materiais a uma pilha enquanto a outra estiver se decompondo. Em áreas secas, faça o composto em um buraco. Em áreas mais úmidas, faça a pilha acima do solo. Em climas mais frios, faça o composto em uma posição ensolarada. Em climas quentes e secos, faça-o longe da luz direta do sol. Faça pilhas em solo bem drenado ou na grama, evitando o concreto.

2 empilhe

Use uma boa mistura dos chamados materiais “marrons” e “verdes” (veja abaixo). Se você mora em uma área úmida, coloque uma camada de pedras e galhos como base para permitir a drenagem. Comece com uma camada de materiais marrons seguida de uma camada de materiais verdes. Se tiver disponível, você pode acrescentar uma camada fina de estrume e uma camada fina de solo superficial. Em seguida, repita essas camadas. Coloque água se os materiais estiverem secos. Não use: resíduos não orgânicos, carne, ossos, óleos, laticínios ou fezes de animais que comem carne (por exemplo, cães e gatos) ou de humanos, pois estes contêm bactérias nocivas. Evite colocar ervas daninhas recorrentes ou plantas doentes.

3 deixe aquecer

Cubra o composto com uma lona, lama ou folhas largas (por exemplo, de bananeira). Isso ajudará a manter a umidade quando estiver quente e evitará que o composto fique encharcado quando chover. Não deixe secar – coloque água, se necessário. A pilha deve ficar quente no meio.

4 revolva regularmente

Mantenha o composto oxigenado revolvendo-o a cada poucas semanas. Não há necessidade de manter as camadas separadas.

5 misture o composto no solo

Quando a mistura ficar marrom escura/preta e quebradiça, com cheiro de terra, o processo estará concluído. Isso pode levar de dois meses a um ano. Misture o composto no solo e aproveite os resultados! Você poderia tentar vender seu composto a agricultores ou lojas agrícolas (peneire-o para que ele esteja fino o suficiente).
Cinco etapas para fazer um ótimo composto. Ilustração: Petra Röhr-Rouendaal, Where there is no artist (segunda edição)
Ilustração: Petra Röhr-Rouendaal, Where there is no artist (segunda edição)

resolução de problemas

Se o composto tiver um odor ruim e estiver molhado, é porque há muito nitrogênio e/ou água.
  • Coloque mais materiais marrons. Cubra o composto para evitar que ele fique muito molhado.
Se o processo for muito lento, é porque não há nitrogênio, oxigênio ou água suficiente.
  • Coloque mais materiais verdes. Pique os materiais marrons em pedaços menores. Revolva o composto para acrescentar oxigênio. Coloque água, se necessário.
Se o seu composto estiver atraindo insetos e roedores...
  • Cubra os restos de alimentos recém-acrescentados com materiais marrons. Use tela de arame ao redor da base para evitar que os roedores entrem.

Jude Collins é a Coordenadora de Informações sobre Projetos da Tearfund. E-mail: jude.collins@tearfund.

segunda-feira, 13 de maio de 2019

Fertilizante natural é fonte de nutrientes e reduz custos no cultivo da horta

Como transformar resíduos de alimentos em adubo para horta?

composteira - foto alexandre panerai

Fertilizante natural é fonte de nutrientes e reduz custos no cultivo de hortaliças


Qual destino você dá para os restos de alimentos na sua casa? Sabia que eles podem virar adubo para as plantas? Cascas que seriam descartadas no lixo, como de frutas, leguminosas, vegetais, borra de café, além de substratos provenientes de poda e limpeza do jardim, funcionam como fertilizantes naturais e dão vida às hortas. 
Os resíduos, quando submetidos à técnica de compostagem realizada por micro-organismos, geram nitrogênio, fósforo e potássio — os três principais nutrientes necessários para o cultivo. A técnica ainda dá origem a dois produtos estimulantes: húmus e chorume. O primeiro, de acordo com o engenheiro agrônomo e assistente técnico estadual de manejo de recursos naturais da Emater, Ari Uriartt, melhora a estrutura do solo. Já o chorume, parte líquida resultante da decomposição, ao ser diluído em água, serve como biofertilizante. 
Benefícios dos nutrientes para as plantas
  • Potássio: Favorece a formação de raízes e amadurecimento dos frutos.
  • Nitrogênio: Atua no crescimento, floração e frutificação.
  • Fósforo: intervém na formação de compostos orgânicos, produção de energia, na respiração, divisão celular e em outros processos metabólicos.
 Fonte: Professora Magnólia da Silva, da Faculdade de Agronomia da UFRGS
— Se simplesmente dispensarmos os resíduos, sem a utilização do método de compostagem, estaremos favorecendo a proliferação de vetores, como moscas, baratas e ratos — afirma Uriartt. 
O único insumo que pode ser utilizado sem passar pelo processo, de acordo com a professora do Departamento de Horticultura e Silvicultura, da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Magnólia da Silva, é a casca de ovo. Porém, o alimento, que fornece cálcio às plantas, precisa estar “bem moído e em pouca quantidade”. 
A professora também alerta para os riscos de uso de produtos como laranja, limão e bergamota, que baixam o pH (acidez) do solo, e folhas de eucalipto, que podem matar microrganismos importantes na fermentação da compostagem
Evite utilizar na compostagem 
  • Laranja
  • Limão 
  • Bergamota
  • Folha de eucalipto
  • Alimentos cozidos com sal e/ou gordura
  • Laticínios 
  • Esterco de cães e gatos
  • Papel
Fonte: Professora Magnólia da Silva, da Faculdade de Agronomia da UFRGS
Karen Viscardi / Agencia RBS
Chorume, resultado da compostagem, serve como biofertilizante para a salsa

Quais as vantagens?

Utilizar restos de alimentos na terra traz benefícios, como a redução de custos com químicos, pois o adubo é “gratuito”. A aplicação do fertilizante natural, segundo a professora da UFRGS, Magnólia da Silva, também melhora a qualidade do solo e evita excesso de nutrientes solúveis causadores de doenças. 
A iniciativa possibilita ainda o reaproveitamento do lixo, minimizando o impacto dos resíduos no ambiente. 
— Melhora a qualidade do solo pelo acréscimo de matéria orgânica e pela retenção de água para as plantas — detalha a professora. 
De acordo com o engenheiro agrônomo Ari Uriartt, este adubo também é fonte de micronutrientes essenciais para o desenvolvimento do cultivo. Ou seja, são medidas fáceis de colocar em prática que beneficiam as plantas, a população e o planeta.
Colaborou Leticia Szczesny 

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Consórcio com guandu é alternativa para recuperar pastagens

Em área degradada, pesquisadores conseguiram aumento de 46% no ganho de peso médio por novilha usando a tecnologia

Marina Salles
Imagine uma área de braquiária com alta degradação, em solo arenoso, infestada de grama batatais e outras ervas daninhas. Que eficiência ela teria como pastagem? Pois foi numa área assim que dois anos depois de plantar feijão guandu BRS Mandarim, a pesquisadora Patrícia Anchão, da Embrapa Pecuária Sudeste, São Carlos, SP, conseguiu  alcançar lotação média de 3,4 novilhas/ha e ter ganho de peso médio diário de 429 g/ animal.
De acordo com ela, enquanto isso, a área de controle registrou lotação de 1, 8 novilhas/ha e proporcionou ganho de peso médio diário de 293 g/dia no final do biênio.
O incremento no ganho de peso com os animais tratados no pasto consorciado foi de 46%. E os benefícios foram além. 
Consórcio x pastagem degradada - “Com a implantação da leguminosa, foi possível ainda dispensar o uso de fertilizantes nitrogenados, que são aqueles de maior custo para o produtor”, afirma a pesquisadora.
Ela explica que isso acontece porque o guandu é capaz de fixar nitrogênio no solo e funciona muito bem como adubo verde, especialmente após o segundo ano de sua introdução na pastagem.
“No primeiro ano o que a gente tem é o efeito da leguminosa por si só”, conta Patrícia, “que embora seja positivo, vai se potencializar no segundo ano, com a massa verde que fica depositada no pasto”, diz. A matéria orgânica enriquece o solo, enquanto o guandu rebrota.
No entanto, a dispensa no uso de fertilizantes se restringe aos nitrogenados. “Para ter sucesso no uso da tecnologia, é preciso fazer uma calagem e correção dos níveis de fósforo e potássio no solo”, afirma Patrícia. “A recomendação fica a cargo de um engenheiro agrônomo, sempre mediante análise de solo”.
Responsável pelo desenvolvimento da cultivar da Embrapa, o pesquisador Rodolfo Godoy lembra de outros benefícios: “Por ter um sistema radicular grande e profundo, ela também melhora as características físicas do solo, e permite que nutrientes que não estariam disponíveis para outras espécies passem a estar”, diz, o que se estende durante o período de sua permanência, que é de até três anos. 
Segundo Patrícia, também vale destacar que a leguminosa permite a eliminação do gasto com sal mineral proteinado. “Além de melhorar o desempenho de ganho de peso dos animais, ela supre a demanda por esse tipo de suplemento e permite ao produtor fazer uso do sal mineral comum”, afirma a pesquisadora.
No balanço geral, com a cultivar sendo plantada em consórcio com uma pastagem de braquiária Marandu e decumbens o resultado foi de ganho de peso, por novilha, de 475 kg/ha/ano no primeiro ano e de 661 kg/ha no ano seguinte. Isso variou de 306 kg/ha/ ano para 244/kg/ ha/ ano, no caso da pastagem degradada. “A diferença é maior no segundo ano por conta daquele efeito da massa sobre o solo”. 
Para Patrícia, mesmo tendo sido desenvolvida como técnica para recuperação de pastagens, a tecnologia pode ser aplicada para proporcionar redução de custos e aumento de produtividade em sistemas semi-intensivos.
Abaixo, conheça a época adequada para fazer a semeadura do guandu e o passo a passo da técnica de manejo:
Fonte: Portal DBO

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Consórcios de espécies: lucro certo para pequenas propriedades



Milho mais leguminosa
O plantio de culturas consorciadas é uma prática da qual, principalmente o agricultor familiar não pode abrir mão. Com o consórcio o produtor minimiza os riscos de seu trabalho, em especial, onde as condições climáticas não são regularmente favoráveis. A monocultura não deve existir para ele, diversificar é uma questão de sobrevivência.

O cultivo de duas espécies numa mesma área, entre uma gramínea e uma leguminosa, conhecido como consórcio, é uma forma de aumentar a quantidade de nitrogênio no solo, através da fixação biológica do nitrogênio atmosférico pela leguminosa, com evidente aumento de produtividade pelas duas culturas.

Milho e feijão formam o consórcio mais antigo e também conhecido por pequenos agricultores, no entanto a incorporação de nitrogênio é pequena e as duas culturas têm ciclo curto, deixando o solo descoberto pelo restante do ano. O consórcio de milho com mucunas, feijão de porco ou feijão guandu tem se mostrado eficiente em diversos aspectos, principalmente para pequenos agricultores, no sentido de manter o solo coberto durante o ano todo, evitando a incidência de plantas daninhas e melhorando as propriedades do solo.
Gessi Ceccon, pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, participa do programa e destaca  que, com o consórcio, o agricultor terá a produção de grãos e de sementes de adubo verde além dos benefícios que a leguminosa traz para o solo da sua propriedade. “Um dos grandes problemas das pequenas propriedades é adquirir essa semente de adubo verde. É difícil alguém que seja produtor de sementes de adubo verde. Aí está o diferencial que garante um lucro certo nesse modelo de consórcio”, explica.
crotalária
A produção de sementes de adubos verdes em consórcio com milho é uma tecnologia que pode viabilizar o cultivo de grãos nas pequenas propriedades, além de aumentar o aporte de matéria orgânica ao solo, com maior fornecimento de nitrogênio e incremento na produtividade das culturas.

2007/07/16
15
Dalízia Aguiar
Email: dalizia@cpao.embrapa.br
Telefone: (67) 3425-5122
Embrapa Agropecuária Oeste

segunda-feira, 8 de abril de 2019

O que é compostagem e como fazê-la em casa


Fonte: revista Globo Rural

Com ou sem minhoca, a compostagem doméstica é uma opção para quem quer dar um melhor fim para o lixo orgânico

Por Karina Campos com edição de Cassiano Ribeiro
compostagem doméstica  (Foto: Thinkstock)
 A compostagem, conhecida como o processo de reciclagem do lixo orgânico, transforma a matéria orgânica encontrada no lixo em adubo natural, que pode ser usado na agricultura, em jardins e plantas, substituindo o uso de produtos químicos. 

O processo também contribui para a redução do aquecimento global. Só em 2015, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente, foram geradas cerca de 32 milhões de toneladas de resíduos orgânicos no Brasil, o que equivale a 88 mil toneladas de lixo diário. Todo este material quando entra em decomposição, seja nos lixões ou aterros sanitários, gera o gás metano, um dos principais causadores do efeito estufa.


Produzir uma composteira doméstica pode ser uma ótima opção para quem quer dar um melhor fim para o lixo orgânico e contribuir para o meio ambiente. Mas, existem algumas regras que devem ser seguidas durante o processo e por isso a Globo Rural montou um manual para quem se interessa pelo assunto. 
Composteira com minhocas

Quem procura um processo de compostagem mais rápido pode optar pela compostagem com minhocas, ou vermicompostagem, que também pode ser feita em casas e apartamentos com o uso da composteira doméstica.  O vermicomposto, adubo orgânico gerado a partir desse processo, conhecido também como o húmus de minhoca, é rico em flora bacteriana e ajuda a fornecer às plantas uma nutrição equilibrada e maior resistência a doenças.


Como fazer
Para montar uma vermicomposteira doméstica são necessárias 3 caixas plásticas escuras (sendo uma com tampa), folhas secas e galhos pequenos e cerca de 100 minhocas. (veja abaixo como montar uma composteira sem minhocas).
As caixas deverão ser empilhadas em três níveis. Nas duas superiores devem haver pequenos furos, que serão responsável pela comunicação entre uma caixa e outra. São nessas caixas que será feita a compostagem (processo de decomposição natural). A última caixa será utilizada apenas para coletar o resíduo líquido orgânico, que, se diluído, pode ser utilizado para regar plantas e hortas.

O primeiro passo é forrar o fundo da caixa superior com folhas secas e pequenos galhos ou serragem. Esta primeira camada vai funcionar como dreno para a composteira. Em seguida deve-se colocar a terra com as minhocas e logo acima os resíduos orgânicos.
É importante que os resíduos sejam cobertos com outra camada de folhas secas para contribuir com a oxigenação. Isso também garante que não se gere um mal odor pelo processo.
Composteira sem minhocas
Outra opção é a compostagem sem minhocas. O processo é quase o mesmo, mas ela pode, diferente do outro receber casca de alho e cebola. Porém, o desenvolvimento do adubo tende a ser mais lento e pode desenvolver um cheiro não tão agradável, principalmente caso o processo dê errado. É comum que a falta de oxigenação nesse tipo de compostagem gere mofo e a falta de material seco pode causar o mal cheiro.


Dicas
Os depósitos de lixo orgânico devem ser feitos diariamente.
Quando a caixa de cima estiver cheia é necessário trocar as posições, passando-a para baixo e colocar a vazia em seu lugar para recomeçar o processo. Não é necessário colocar novas minhocas.
O adubo orgânico pode ser coletado em média a cada três meses.
Na hora de escolher o que colocar na composteira é necessário ficar atento. Alguns materiais comprometem a degradação da matéria orgânica e prejudicam o desenvolvimento do adubo. Confira o que você deve colocar ou não em sua composteira:
info-compostagem-doméstica (Foto: Redação Globo Rural)
Gosta das matérias da Globo Rural? Então baixe agora nosso aplicativo e receba alertas de notícias no seu celular, além de acessar todo o conteúdo do site e da revista. E se você quiser ler todas as publicações da Globo, baixe agora o Globo Mais.

Fornecemos minhocas e minhocários. agropanerai@gmail.com

quarta-feira, 3 de abril de 2019

A poda da Jabuticabeira - aproveite o inverno

no verão antes da poda


O melhor período para fazer a poda da jaboticabeira é no inverno antes da floração. 

Como instrumentos podem ser utilizados tesoura de poda, tesourão e serrote de poda. O importante é que a árvore não seja danificada,lascada. Também pode ser utilizada uma serra elétrica que auxilia no rendimento do trabalho.

no verão antes da poda
A poda é muito útil para indivíduos muito sombreados e varia de planta para planta porque depende do crescimento da árvore.

Os cortes auxiliam no controle de pragas e doenças, como a ferrugem da jabuticaba. A pode pode ser feita uma vez ao ano, com a retirada de até 30% da copa da árvore. Mais que isso pode trazer prejuízos à planta.

inverno após a poda
Os ramos retirados pode ser aproveitados como lenha (parte mais grossa) e como adubo (parte mais fina repicada). No caso da jabuticabeira, pode ser dispensado o uso de fungicida nos cortes.

Fonte: poda de frutíferas - EMBRAPA

terça-feira, 2 de abril de 2019

Como fazer mudas da Dama da Noite – Cestrum Nocturnum

Fonte: http://construindodecor.com.br/dama-da-noite-cestrum-nocturnum/


A dama da noite é uma planta de textura semi-lenhosa, de tipo arbustiva e muito conhecida por conta do perfume de suas flores.
De nome científico Cestrum nocturnum, a dama da noite tem é popularmente conhecida como flor da noite, coerana, jasmim da noite, coirana, rainha da noite e jasmim verde. Originária da América do Sul, América Central e América do norte, prefere clima equatorial, tropical e subtropical.
Não é indicada em decoração de festas com flores devido ao perfume que pode incomodar alérgicos e crianças, mas fica muito bem em jardim.
Dama da Noite

Significado da Dama da Noite

De acordo com os contos populares a dama da noite é uma planta poderosa e tem o poder de realizar desejos.
Segundo o mito, se alguém lhe faz um pedido na época da sua floração, certamente ele será atendido.

Tipos de Dama da Noite

Confira agora quais são os tipos da flor da dama da noite:

Dama da Noite Vermelha

Dama da Noite vermelha
A dama da noite com flores de coloração vermelha são, sem dúvidas, as mais bonitas e desejadas. A mesma possui o miolo amarelo e as pétalas em formato ovalado com as pontas mais afinadas.
Por outro lado, é das mais raras e seu cultivo exige um pouco mais de cuidado.

Dama da Noite Fucsia

Quando plantadas por semente podem demorar entre 7 e 10 anos para começarem a florescer, por isso as pessoas preferem comprar mudas feitas por meio de estacas.
Esse tipo é com toda a certeza a mais interessante e original, pois além de ter flores grandes e vistosas, ela é de cor fucsia por dentro e vermelha por fora

Dama da Noite Rosa

Com flores extremamente perfumadas, a versão rosa da planta possui flores que medem até 15 centímetros de diâmetro e produz diversas flores em um mesmo ramo.
Dama da Noite rosa
Veja Também:

Como Plantar Dama da Noite

Veja um passo a passo simples de como plantar damas da noite:
  1. A princípio, você deve escolher o local onde cultivará sua planta. Tenha em mente que a mesma não suporta temperaturas baixas.
    Portanto, deve ser protegida do frio, principalmente se você mora em uma região muito friorenta.
  2. Em relação às regas, ela não faz muitas exigências, pois deve receber água duas vezes por semana no inverno e 1 vez a cada dois dias durante o verão.
    Desse modo, vale ressaltar que a planta não gosta de solo encharcado.
    Por isso, molhe o suficiente para deixar a terra úmida, mas cuidado para que não seque totalmente.
  3. As mudas devem ser feitas a partir de uma planta adulta e 100% saudável.
  4. Use fertilizante líquido de qualidade

Como Fazer Mudas de Dama da noite

Sem dúvida, fazer mudas dessa planta é uma das coisas mais fáceis e a melhor maneira é por mio de estaquia.
Você precisará de uma planta adulta e saudável, como falei anteriormente.
  • Analise a mesma e descubra os ramos mais bonitos e saudáveis. Estes serão as suas mudas.
  • É importante lembrar que você só poderá realizar tal processo durante a estação da primavera.
  • Corte o ramo de sua preferência, coloque-o sobre um jornal e espere até que se forme uma película no local do corte.
  • Assim que isso acontecer, plante-a.