Mostrando postagens com marcador #horta. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #horta. Mostrar todas as postagens

sábado, 21 de setembro de 2019

11 adubos e repelentes feitos em casa



Extraído do blog plantei

 


      Para quem tem desejo de cultivar, não importa se em uma varanda, um jardim ou em uma horta, o importante é fazê-lo. Mas muitas vezes plantar não é fácil e para complicar o trabalho, já duro e cansativo, chegam uma infinidade de insetos e parasitas que, se não forem controlados, podem estragar nossas plantas e frustrar nossos esforços.
      Abaixo sugerimos algumas “receitas” para fazer fertilizantes e repelentes 100% orgânicos, que vão ajudar você a manter afastados insetos indesejáveis, respeitando plenamente a natureza.
1. O estrume
      Existe maneira melhor para enriquecer o solo do seu jardim ou quintal que o bom e velho esterco? Você pode comprá-lo em lugares especializados ou, melhor ainda, produzi-lo, se você tiver animais como galinhas, cabras e coelhos. As fezes deste último são aquelas com a maior taxa de nitrogênio e podem ser usadas espalhando-as diretamente à terra. As dos outros animais, em geral, devem ser bem curtidas antes (composteiras).
2. Inseticida spray de alho
      O alho é um poderoso repelente natural, capaz de desencorajar muitos insetos e espantá-los para outros lugares. Para preparar o nosso inseticida, batemos no liquidificador uma cabeça de alho com alguns cravos da índia, juntamente com dois copos de água até obter um composto bem homogêneo. Deixe-o descansar por um dia para depois ser misturado em 3 litros d’água. A mistura assim obtida pode ser vaporizada com um spray, diretamente sobre as folhas das plantas.
3. Chá de urtiga
      Já tocou sem querer numa folha de urtiga e ficou sentindo uma coceira super irritante? Bem, a urtiga pode não ser tão irritante assim quando se torna uma grande aliada para seus cultivos. Calce um par de luvas grossas e colha um pouco de urtiga. Coloque-as de molho em um balde cobrindo-as com água e deixe-as descansar por pelo menos uma semana e estará pronto o seu novo fertilizante líquido 100% orgânico.
4. Inseticida spray de tomate
      As folhas de tomate são ricas em alcalóides, excelentes repelentes para pulgões, vermes e lagartas. Encha dois copos com folhas de tomate picadas e adicione água. Deixe descansar por pelo menos uma noite e dilua a mistura em outros dois copos d’água. Pronto! pode pulverizar seu spray de tomate sobre as plantas. Mantenha o repelente longe dos animais domésticos pois, pode ser tóxico à eles.
5. Cascas de ovos
      As cascas de ovos são um ingrediente interessante para o nosso jardim. Elas possuem um duplo benefício, podem ser usadas seja como fertilizantes seja como repelentes, em pedaços ou trituradas. Se trituradas, polvilhe o pó sobre a base das suas plantas, ou use pedaços, criando uma espécie de anel na base da planta: esta barreira pode afastar os caracóis e algumas lagartas.
6. Tabaco macerado
      A nicotina presente nas folhas de tabaco não cria dependência apenas em seres humanos, mas também em insetos, agindo como um ótimo repelente. Para preparar o tabaco macerado coloque 3 ou 4 cigarros em meio litro d’água. Deixe macerar por dois dias e depois filtre, ou passe o líquido obtido por uma peneira fina. Coloque-o em um spray e está pronto o seu inseticida natural.
7. Inseticida spray de pimenta
      A pimenta é um excelente repelente natural contra pragas. Para preparar o spray, bata no liquidificador em alta velocidade por 2 minutos, cerca de 6 a 10 pimentas (qualquer tipo, mas preferencialmente as mais fortes) com dois copos d’água. Deixe a mistura descansar durante a noite. No dia seguinte, filtre-a e adicione um copo d’água. Despeje o líquido no pulverizador e pronto!
8. Adubação verde
      Seu gramado não está tão verde como você gostaria? Não se preocupe, basta apenas um simples cuidado: quando você cortar a grama não a recolha, deixe-a no chão! Será uma valiosa fonte de nitrogênio. A grama recém-cortada, por ser muito curta, decompõe-se rapidamente, enriquecendo o solo de nutrientes e fazendo o seu gramado ficar ainda mais verde.
9. Adubação com borra de café
      Se você adora e bebe muito café, não jogue fora sua borra que é uma excelente fonte de nitrogênio para o solo, além de ser rica em antioxidantes. Adicione a borra à sua compostagem ou polvilhe-a diretamente sobre o solo.
10. Nematóides amigos
      Eu sei, pode parecer estranho existirem vermes amigos de seu jardim, mas è verdade! Muitas vezes, para controlar a população de pragas são necessárias outras pragas, ou melhor, outros insetos antagonistas. Este tipo de Nematóide bom é capaz de matar muitas pragas do seu jardim, incluindo besouros, gorgulhos e muitos outros. Você pode comprá-los em lojas especializadas.
11. Compostagens
      A compostagem é definitivamente um dos métodos mais simples e eficazes para enriquecer o solo e fazer o seu jardim florescente e produtivo. O que você precisa é de restos de comida e de todas as substâncias ricas em nitrogênio, como grama, folhas ou palha. Você pode fazer a compostagem mesmo vivendo na cidade.
Podemos fazer muito para preservar nossos cultivares sem o uso de produtos químicos e poluentes.
      Bom crescimento à todos!😉
Fonte – GreenMe

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Plante, cultive e colha couve com sucesso!!


Extraído: blog plantei


      As couves (Brassica oleracea) são plantas da mesma espécie que a couve-flor, brócolis e o repolho. Porém, ascouves não formam cabeças compactas como repolho. Suas folhas são livres. Há cultivares de diversas formas e cores. Crespas, lisas, largas, estreitas, verde-escuras, verde-claras, roxas, rosas e esbranquiçadas.
      Alguns cultivares são conhecidos como couve-ornamentais e são muito apreciados para decoração de mesas, devido as cores e padrões de suas folhas. Alguns outros tipos são cultivados para consumo humano ou de animais. São as couves-manteiga ou galegas, portuguesas, crespas, forrageiras e as couves-palmeira.
     couve_refogada_easy_light_foto
      As folhas da couve são consumidas cozidas ou refogadas, mas também podem ser consumidas cruas, especialmente as folhas mais jovens.
      As folhas são muito nutritivas e contém glicosinolatos que são convertidos em sulforafano quando cortadas ou picadas, sendo esta uma substância que pode prevenir o surgimento de cânceres.
couve
Quanto ao clima
      A couve é uma hortaliça que cresce melhor em clima ameno ou frio. Alguns cultivares podem sobreviver mesmo quando a temperatura chega a -10ºC se as plantas já estiverem bem desenvolvidas. Outros cultivares de couvetoleram altas temperaturas, mas a couve é cultivada normalmente durante o outono e o inverno em regiões de clima mais quente.
      Durante períodos de calor a couve reduz seu crescimento e a qualidade das folhas produzidas é pior, tanto no tamanho e aparência, quanto em sabor. Em regiões de clima ameno, acouve pode ser cultivada durante o ano todo, embora não sejam semeadas no inverno em locais onde este é rigoroso.
Sobre a luminosidade
      O cultivo deve ser realizado em condições de alta luminosidade, com sol direto. Nas estações mais quentes, faz-se necessário prover sombra parcial, pois isso pode ser benéfico para as plantas.
Referente ao solo
      O solo deve reter bem a umidade mas deve ser bem drenado, fértil, com boa disponibilidade de nitrogênio e rico em matéria orgânica. O pH do solo deve estar entre 6 e 7,5.
banner_20110125_151155621244776a80f50ea30c634508df5e98
E a irrigação?
      O solo deve ser mantido sempre úmido, mas nunca encharcado, pois isso pode prejudicar as raízes e favorecer o surgimento de doenças.
Vamos então ao plantio
      O plantio pode ser realizado através de sementes, mas há cultivares que podem também ser propagados por rebentos retirados de plantas adultas. Estes rebentos surgem de gemas axilares no caule principal, e devem ser retirados preferencialmente da base da planta, já com aproximadamente 20 cm de comprimento ou mais. Os rebentos laterais da couve enraízam facilmente em solo úmido.
      Se o plantio for realizado por sementes, podem ser semeadas diretamente na horta ou em sementeiras e vasos. No caso dos vasos, recomendamos o autoirrigável, que umidifica a planta na medida ideal e previne contra o mosquito da dengue.
      Caso queira transplantar futuramente, deverá realizar o procedimento quando as mudas estiverem com pelo menos 10 cm de altura e de 4 a 6 folhas verdadeiras. O transplante deve ser feito preferencialmente em dias nublados e chuvosos ou no fim da tarde, irrigando logo em seguida.
      Semeie as sementes a aproximadamente 1 cm de profundidade. A germinação ocorre normalmente dentro de uma semana ou duas.
      O espaçamento ideal pode variar com o cultivar e as condições de cultivo, mas geralmente um espaçamento de 50 cm a 1 m entre as linhas de cultivo e de 25 a 50 cm entre as plantas é o adequado.
      Normalmente, quanto maior o espaçamento, maiores serão as plantas e suas folhas.
couve-folha
       É importante lembrar de sempre retirar as ervas invasoras que estiverem concorrendo por recursos e nutrientes.
      Dependendo do cultivar a planta pode ficar muito alta. Neste caso, pode-se cortar a extremidade do caule principal para favorecer o desenvolvimento dos brotos laterais e manter assim a planta em uma altura que você considere confortável para o manuseio e a colheita. Por outro lado, excluir ou limitar o número dos brotos laterais pode estimular o crescimento das folhas no caule principal.
Chegamos então a colheita
      A colheita das folhas da couve inicia-se normalmente de 10 a 16 semanas após o plantio. Plantas mais jovens podem ter suas folhas colhidas, mas isso pode prejudicar o crescimento das plantas. Evite colher as folhas nas horas mais quentes do dia e deixe pelo menos as 5 folhas mais jovens no caule. Acredita-se que as folhas colhidas após a ocorrência de uma geada têm melhor sabor. Em condições adequadas, a couve pode produzir por alguns poucos anos sem necessidade de replantio.
Couve-o-bife-vegetal-2
      Depois da colheita é só aproveitar essa folhuda deliciosa, seja numa saborosa salada ou acompanhando aquela maravilhosa feijoada.
      Pronto para começar a produção de couve? Deixe seu comentário!😉

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Irrigação por Gotejamento: Dobre a sua produtividade.

Fonte:tecnologia no campo

Em muitas regiões a água é um recurso escasso e caro para o produtor agrícola. A irrigação por gotejamento pode ser a solução perfeita para quem quer economizar na plantação, aumentar a eficiência e colaborar com a preservação do meio ambiente.

O modelo de irrigação por gotejamento é um método que tem como característica a economia de recursos hídricos. Esse fator se deve principalmente pela proximidade da fonte de água com a raiz da planta, evitando o desperdício através da evaporação e aumentando o aproveitamento geral da água e nutrientes.
Se você quer entender quais os diferenciais e como implementar o modelo de irrigação por gotejamento esse artigo é para você. Se você ainda está buscando o melhor método de irrigação recomendamos a leitura do nosso artigo Irrigação: o que considerar antes de escolher o melhor método?
  •         O que é irrigação por gotejamento
  •         Implementando a irrigação por gotejamento
  •         Vantagens da irrigação por gotejamento
  •         Desvantagens da irrigação por gotejamento

O que é irrigação por gotejamento?

“A irrigação por gotejamento consiste na aplicação da água diretamente na raiz da planta. O método é executado em aplicações localizadas de gotas, através dos gotejadores dispostos ao longo do sistema.”
Quando a água começou a se tornar um problema para a agricultura foi necessário buscar meios mais eficientes de irrigar a terra. A irrigação por gotejamento é um dos melhores métodos no quesito rendimento. Dependendo da cultura e do modelo de implementação o produtor pode aumentar em até 2 vezes a sua capacidade da produção.   

Implementando a irrigação por gotejamento:

O sistema de irrigação por gotejamento pode ser implementado de duas maneiras: fazendo o gotejamento na superfície do solo, ou por um mecanismo enterrado que libera a água. Nos dois casos a emissão é feita em alta frequência e em baixa intensidade.
A quantidade de gotejadores ao longo do sistema vai depender basicamente das características do solo. Nesse sistema a terra é a grande responsável pela distribuição da água para as raízes das plantas. Em solos mais duros o espaçamento entre os orifícios deve ser maior. Em solos macios o ideal é um pequeno espaçamento entre os furos, podendo até ser 1 gotejador para cada planta.  
Devido ao custo dos equipamentos, a maior dificuldade de implementação, e a complicada manutenção do sistema, seu uso é mais comum em culturas que não sofrem rotação frequentemente, ou seja, se mantém por mais tempo. As principais culturas que utilizam desta técnica são as de hortaliças-fruto, fruticultura e floricultura.
A quantidade de peças necessárias para montar o sistema por gotejamento vai depender do tamanho da lavoura, do tipo de cultura, assim como do capital disponível para investimento. A complexidade do sistema pode variar, mas no geral é composto de mangueiras próprias para gotejamento, gotejadores, conectores para a mangueira e válvulas para controle de pressão.

Vantagens da irrigação por gotejamento:

  • Economia de nutrientes e fertilizantes devido à proximidade da aplicação.
  • Reduz desperdício de água.
  • Minimiza a proliferação de ervas daninhas que se beneficiam da aspersão de água.
  • É possível realizar a fertilização junto a irrigação, diluindo o fertilizante na água (fertirrigação).
  • Permite o uso de água reciclada e não potável, já que não há grande contato da água com o ar.
  • Previne eventuais doenças causadas pelo contato da água com as folhas da planta.
  • Não necessita de nivelamento do solo.
  • Evita formação de barro.
  • Uniformidade na distribuição de água, que pode ser controlada através dos gotejadores.

Desvantagens da irrigação por gotejamento:

  • Maior custo inicial de implementação quando comparado a outros métodos.
  • Mangueiras expostas ao sol tem sua vida útil reduzida.
  • Necessita de água filtrada, para evitar entupimentos nos equipamentos.
  • No caso de equipamentos enterrados, a não visualização da quantidade de água pode fazer com que uma quantidade muito alta ou muito baixa seja aplicada.
  • Não permite aplicação de alguns químicos (especialmente aqueles que necessitam ser pulverizados).
  • Deve ser implementado com cuidado para evitar desperdícios ou variações na quantidade de água aplicada


quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Plante, cultive e colha couve, fácil e com sucesso!!

Fonte: blog plantei
 

      As couves (Brassica oleracea) são plantas da mesma espécie que a couve-flor, brócolis e o repolho. Porém, as couves não formam cabeças compactas como repolho. Suas folhas são livres. Há cultivares de diversas formas e cores. Crespas, lisas, largas, estreitas, verde-escuras, verde-claras, roxas, rosas e esbranquiçadas.
      Alguns cultivares são conhecidos como couve-ornamentais e são muito apreciados para decoração de mesas, devido as cores e padrões de suas folhas. Alguns outros tipos são cultivados para consumo humano ou de animais. São as couves-manteiga ou galegas, portuguesas, crespas, forrageiras e as couves-palmeira.
     
      As folhas da couve são consumidas cozidas ou refogadas, mas também podem ser consumidas cruas, especialmente as folhas mais jovens.
      As folhas são muito nutritivas e contém glicosinolatos que são convertidos em sulforafano quando cortadas ou picadas, sendo esta uma substância que pode prevenir o surgimento de cânceres.

Quanto ao clima
      A couve é uma hortaliça que cresce melhor em clima ameno ou frio. Alguns cultivares podem sobreviver mesmo quando a temperatura chega a -10ºC se as plantas já estiverem bem desenvolvidas. Outros cultivares de couve toleram altas temperaturas, mas a couve é cultivada normalmente durante o outono e o inverno em regiões de clima mais quente.
      Durante períodos de calor a couve reduz seu crescimento e a qualidade das folhas produzidas é pior, tanto no tamanho e aparência, quanto em sabor. Em regiões de clima ameno, a couve pode ser cultivada durante o ano todo, embora não sejam semeadas no inverno em locais onde este é rigoroso.
Sobre a luminosidade
      O cultivo deve ser realizado em condições de alta luminosidade, com sol direto. Nas estações mais quentes, faz-se necessário prover sombra parcial, pois isso pode ser benéfico para as plantas.
Referente ao solo
      O solo deve reter bem a umidade mas deve ser bem drenado, fértil, com boa disponibilidade de nitrogênio e rico em matéria orgânica. O pH do solo deve estar entre 6 e 7,5.

E a irrigação?
      O solo deve ser mantido sempre úmido, mas nunca encharcado, pois isso pode prejudicar as raízes e favorecer o surgimento de doenças.
 

Vamos então ao plantio
      O plantio pode ser realizado através de sementes, mas há cultivares que podem também ser propagados por rebentos retirados de plantas adultas. Estes rebentos surgem de gemas axilares no caule principal, e devem ser retirados preferencialmente da base da planta, já com aproximadamente 20 cm de comprimento ou mais. Os rebentos laterais da couve enraízam facilmente em solo úmido.
      Se o plantio for realizado por sementes, podem ser semeadas diretamente na horta ou em sementeiras e vasos. No caso dos vasos, recomendamos o autoirrigável, que umidifica a planta na medida ideal e previne contra o mosquito da dengue.
      Caso queira transplantar futuramente, deverá realizar o procedimento quando as mudas estiverem com pelo menos 10 cm de altura e de 4 a 6 folhas verdadeiras. O transplante deve ser feito preferencialmente em dias nublados e chuvosos ou no fim da tarde, irrigando logo em seguida.
      Semeie as sementes a aproximadamente 1 cm de profundidade. A germinação ocorre normalmente dentro de uma semana ou duas.
      O espaçamento ideal pode variar com o cultivar e as condições de cultivo, mas geralmente um espaçamento de 50 cm a 1 m entre as linhas de cultivo e de 25 a 50 cm entre as plantas é o adequado.
      Normalmente, quanto maior o espaçamento, maiores serão as plantas e suas folhas.
       É importante lembrar de sempre retirar as ervas invasoras que estiverem concorrendo por recursos e nutrientes.
      Dependendo do cultivar a planta pode ficar muito alta. Neste caso, pode-se cortar a extremidade do caule principal para favorecer o desenvolvimento dos brotos laterais e manter assim a planta em uma altura que você considere confortável para o manuseio e a colheita. Por outro lado, excluir ou limitar o número dos brotos laterais pode estimular o crescimento das folhas no caule principal.
Chegamos então a colheita
      A colheita das folhas da couve inicia-se normalmente de 10 a 16 semanas após o plantio. Plantas mais jovens podem ter suas folhas colhidas, mas isso pode prejudicar o crescimento das plantas. Evite colher as folhas nas horas mais quentes do dia e deixe pelo menos as 5 folhas mais jovens no caule. Acredita-se que as folhas colhidas após a ocorrência de uma geada têm melhor sabor. Em condições adequadas, a couve pode produzir por alguns poucos anos sem necessidade de replantio.
      Depois da colheita é só aproveitar essa folhuda deliciosa, seja numa saborosa salada ou acompanhando aquela maravilhosa feijoada.

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Paris irá plantar florestas urbanas para combater calor !! #arborização

Fonte: site conexão planeta

Paris irá plantar florestas urbanas para combater calor
Para reduzir o calor e melhorar a qualidade do ar da capital parisiense, que anda batendo temperaturas recordes neste verão europeu, a prefeita de Paris, Anne Hidalgo, anunciou um projeto de 72 milhões de euros com o objetivo de plantar florestas urbanas ao redor de algumas das principais regiões da cidade.
Os novos parques e jardins devem abranger uma área de 30 hectares, com o plantio de 20 mil árvores até o final de 2020. Atualmente, apenas 9,5% da capital possui cobertura de vegetação.  
A princípio foram escolhidos quatro locais da cidade para receber as florestas urbanas: Hôtel de Ville, L’opéra Garnier, Gare de Lyon e as margens do Rio Sena.
Um projeto específico para a Torre Eiffel também foi desenvolvido, especificamente para a realização dos Jogos Olímpicos de Paris, em 2024. Mais árvores, jardins e gramados serão plantados no entorno da mais famosa atração turística do país.
“Temos a obrigação de agir agora para evitar que essa cidade se torne impossível de morar”, disse Hidalgo, em entrevista ao Le Parisien.
Projeto vencedor de escritório britânico de arquitetura
para levar mais verde para a região da Torre Eiffel
Em junho, a temperatura esteve 10ºC acima da média na Europa. Na França, os termômetros registraram 45,9oC, em Gallargues-le-Montueux. O calor foi tanto, devido a uma massa de ar quente vinda do Deserto do Saara, que o governo cancelou as aulas nas escolas e suspendeu um exame nacional que aconteceria. A prefeitura de Paris espalhou bebedouros e vaporizadores de água por toda a capital. E julho não foi diferente: foi o mais quente da história.
A construção de mais áreas verdes em Paris faz parte de um projeto maior, lançado em 2018, o Plan Climat, que, até 2050, pretende que a cidade tenha 50% de sua superfície coberta com vegetação, e nos próximos 30 anos, se torne carbono neutra.

Cidades precisam de árvores

A presença de vegetação em grandes metrópoles é importantíssima porque serve para minimizar o fenômeno chamado de “ilha de calor”, que acontece em cidades com muitas construções e edifícios. Nesses lugares a temperatura é sempre mais alta porque o calor fica ‘preso’ ali e não consegue se dissipar.
As altas temperaturas matam mais de 12 mil pessoas por ano no planeta e, por isso, são um dos eventos mais ameaçadores, relacionados ao clima. Os idosos são as maiores vítimas, seguidos pelas crianças.
Além de reduzir a temperatura, já que oferecem sombra e liberam vapor d’água, árvores melhoram a qualidade do ar em centros urbanos e ajudam a diminuir os estragos provocados por enchentes, ao fazer com que o solo escoe a água da chuva mais rapidamente.
Em 2016, mostramos aqui, nesta outra matéria, como um estudo da ONG The Nature Conservancy revelou que basta investir 4 dólares/ano por habitante no plantio de árvores para salvar 4 milhões de pessoas.
*Com informações do Le Parisien e Deutsche Welle
Leia também:Projeto Pomar Urbano plantará 30 mil mudas de árvores nas margens do Rio Pinheiros, em São Paulo
Juntos, moradores e prefeitura de NY plantam um milhão de árvores
Cidade inglesa vai plantar 3 milhões de árvores: uma para cada homem, mulher e criança que vive nela
As árvores mais indicadas para plantar na cidade de São Paulo
‘Quando nos conectamos com as árvores, caminhamos em direção aos nossos sonhos’, diz Satish KumarMapa colaborativo de árvores frutíferas dissemina conhecimento e incentiva plantio

Foto: @42north on unsplash e ilustração divulgação/cortesia Gustafson Porter + Bowman
Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Pesquisa resgata gene do #tomate selvagem para aumentar valor nutricional do fruto

Fonte: jornal da USP

Com maior concentração de vitamina E e açúcares, planta transgênica teve reinserido o gene GLK2, eliminado do tomate pela domesticação.

Pesquisadores produziram um tomate transgênico reintroduzindo o gene GLK2 selvagem,
perdido durante o processo de domesticação e melhoramento do fruto – Foto: Marcos Santos/ Jornal da USP
. O gene responsável por amadurecer o tomate uniformemente dando-lhe um aspecto mais atraente aos olhos do consumidor é o mesmo que faz dele um fruto com menor valor nutricional. Tomates vistosos encontrados nas feiras têm menos vitamina E e baixo nível de açúcares, o que impacta, inclusive, na qualidade e densidade de polpas, extratos e molhos. Os estudos que evidenciam este fato envolvendo a transcrição da proteína GOLDEN 2-LIKE 2 (GLK2) foram tema de artigo científico publicado na PlosOne por pesquisadores do Laboratório e Genética Molecular de Plantas do Instituto de Biociências (IB) da USP.
Segundo a bióloga Maria Magdalena Rossi, coordenadora do projeto temático que trabalha com a compreensão e manipulação do metabolismo vegetal, os pesquisadores produziram um tomate transgênico reintroduzindo um gene GLK2 selvagem, perdido durante o processo de domesticação e melhoramento do fruto. A experiência foi feita com o objetivo de demonstrar que a mutação em GLK2, selecionada para proporcionar amadurecimento uniforme ao fruto – uma demanda do setor agroindustrial – comprometeu o sabor e suas propriedades nutricionais. O tomate com o gene selvagem possui 25% mais vitamina E que os convencionais, além de polpa mais densa. .
Maria Magdalena Rossi, pesquisadora da USP e coordenadora do projeto temático GLK2 – gene que afeta a qualidade nutricional dos tomates – Foto: Marcos Santos/ Jornal da USP
.
Ao longo dos anos, o tomate passou por um processo de domesticação e melhoramento até chegar ao que ele é hoje. Os tomates selvagens, originários dos Andes Peruanos, são menores e, a maioria, não acumula carotenoides (compostos de importância nutricional que conferem coloração laranja/vermelha). E os que possuem carotenoides, não amadurecem de forma uniforme, sendo o “ombro” ou a parte de cima do fruto a última a ganhar cor avermelhada. Essa característica nativa tornou-se um problema para a colheita mecanizada e fez com que os frutos perdessem apelo do consumidor, relata a professora Magdalena.

O foco do trabalho era saber se a mutação em GLK2 introduzida na maioria das variedades cultivadas hoje estaria afetando os compostos nutricionais, em particular os açúcares e a vitamina E. E se fosse comprovada esta hipótese, os pesquisadores consideravam que se o GLK2 fosse reintroduzido ao fruto, se recuperaria o valor nutricional, explica.

Tomate transgênico tem 25% mais
vitamina E que os convencionais

A solução foi sobre-expressar a proteína, ou seja, desenvolver uma planta que produzisse fruto com maior quantidade de GLK2. Assim seguiram as experiências e foram cultivadas mudas transgênicas, mutantes (tomates convencionais) e outras com o gene selvagem. Depois, em laboratório, foram feitas análises bioquímicas de amostras das três variedades. A hipótese se confirmou: “Com a reintrodução do gene GLK2, o tomate da planta transgênica apresentou tanta vitamina E quanto a planta selvagem e 25% mais do que os tomates convencionais. Em relação ao nível de açúcar, a planta geneticamente modificada teve grau Brix (medida de conteúdo sólidos e solúveis) mais elevado que o tomate selvagem e o convencional. O grau Brix é utilizado para identificar a qualidade da polpa do fruto que influi na densidade de extratos, massas e molhos, parâmetro de valor econômico bastante considerado pela indústria alimentícia. .
As três variedades cultivadas no Laboratório de Genética Molecular do Instituto de Biociências da USP – Foto: Marcos Santos/ Jornal da USP
.
A pesquisadora lembra que não é necessário produzir plantas transgênicas para restaurar o conteúdo nutricional dos frutos para o consumo humano, e que a planta transgênica produzida no IB serviu apenas de ferramenta de pesquisa para demonstrar que as modificações feitas nos tomates ao longo do tempo acabaram prejudicando a qualidade nutricional do fruto. “Um tomate mais nutritivo pode ser obtido resgatando o GLK2 por meio de cruzamentos”, reforça.

Mais informações: (11) 3091-7556 ou mmrossi@usp.br, com Maria Magdalena Rossi, ou bslbsl@usp.br, com Bruno Silvestre Lira

terça-feira, 30 de julho de 2019

Biocompostagem Doméstica com Minhocas, transforme lixo em #humus!




EcoMinhocas é a empresa de Paulo Diogo.  Pedimos ao Paulo Diogo se nos podia ceder alguma informação para colocarmos aqui no site do Terra Solta, de modo a podermos também contribuir para o conhecimento da Bio-Compostagem com minhocas, um método afinal tão simples, mas que suscita algumas duvidas na sua utilização doméstica como os cheiros, higiene, localização. O texto do Paulo Diogo esclarece-nos sobre essas duvidas.
Colocamos excertos do documento que o Paulo costuma ceder nos seus workshops.
"Através da criação da "Minhoca Vermelha Californiana" em modo intensivo,  fornece soluções para instalação de unidades de produção de "Humus de Minhoca" em explorações agricolas que pretendam substituir os adubos químicos por adubo orgânico, ou melhorar a qualidade do adubo orgânico utilizado, pois o "Humus de Minhoca" é o mais rico fertilizante natural existente, 100% biológico e totalmente higiénico." - Paulo Diogo
Porquê as Minhocas ?

As minhocas alimentam-se de matéria orgânica pútrida, são por isso saprófogas, nunca ingerindo matéria viva (algumas pessoas confundem-nas com lagartas e por isso têm medo que elas comam as raízes das plantas). Ingerem por dia o equivalente ao seu peso, em material húmido, previamente “cozinhado” por bactérias e fungos, tão importantes como as minhocas neste processo, sorvem a matéria pois não possuem dentes (não mordem). Dejectam sessenta por cento do que ingerem, sob a forma de minúsculos grãos negros, o Húmus!
Apesar do ar frágil e indefeso das minhocas, estas segregam através da pele, elementos químicos altamente complexos, que permitem eliminar patogénicos e higienizam o ambiente em que se encontram, eliminando por exemplo o odor.
De notar que da pele das minhocas são extraídos compostos conhecidos na medicina e na farmacologia pela sua grande capacidade de cicatrização e regeneração dos tecidos, bem como no tratamento de bronquite, asma e hipertensão. Até hoje, os cientistas, não descobriram nenhuma doença de que as minhocas possam sofrer.
Na “Biocompostagem Doméstica com Minhocas” assistimos a uma solução ambientalmente correcta em vários aspectos:
  • Os resíduos são reciclados junto ao local onde são produzidos, não criando assim mais custos no seu transporte e sobrecarga nos aterros.
  • Por outro lado, criamos uma forte valorização desses resíduos, tornando-os em produtos biológicos de alto interesse na revitalização dos solos, na fertilização biológica das plantas e protecção integrada de todo o ecossistema.
  • Todo este processo funciona em aerobiose (presença de oxigénio) não contribuindo para emissões de metano, como acontece em processos industriais de compostagem anaeróbica.
  • Tem ainda uma função fortemente reeducadora e responsabilizadora no ser humano, sobre os processos de reciclagem da matéria orgânica na Natureza, dando especial importância ao princípio do retorno (nos processos da Natureza não há lixo nem desperdício).

Biocompostagem de jardim com minhocas

Pode ser realizada em diversas caixas e contentores de diversos materiais e ainda em compostores de jardim em plástico.
Em termos práticos e para um jardim e ou horta, o melhor funcionamento consegue-se com caixas em madeira, podendo-se usar estrados de madeira tratada 1x1m à venda nas lojas de jardinagem e bricolage, estes têm espaços entre as ripas que permitem a respiração.
 É importante que a sua localização permita um fácil acesso, tanto na proveniência dos resíduos, como na utilização do produto final. A distância é um inimigo fata que com o tempo desencoraja a sua regular utilização.
Também muito importante é a disponibilidade de água, esta não tem de ser potável, mas desde que os animais domésticos a bebam, é boa. Nunca serão necessárias quantidades significativas, desde que se adoptem as protecções necessárias tendo em conta o clima da época, no entanto vai ser necessário certamente manter a cama húmida nos meses mais secos. Deve-se dar preferência a um local sombreado no verão e com sol no inverno. O sistema comprovadamente mais prático e que garante uma utilização continua, é constituído por dois biocompostores contíguos, em que as minhocas circulam livremente entre eles pelos intervalos da madeira.

Biocompostagem de interior com minhocas

Para mais Informações :
Ecominhocas - Minhocoeste - Bombarral ecominhocas@gmail.com 

O nosso obrigado ao Paulo , e é esperar que este texto se propague na Internet e contribua de alguma forma para mudar a consciência ecológica da sociedade.

segunda-feira, 29 de julho de 2019

Como acabar com as formigas em casa e no jardim


    Fonte: site da greenme

    formigas

    Quem tem horta, plantio caseiro, ou mora perto de áreas verdes, sabe como é difícil manter pragas, insetos e formigas afastadas da casa. Sabendo desta dificuldade, decidimos procurar as melhores dicas para afastar as formigas em casa e no jardim!

    Para começar, devemos lembrar que as formigas, por mais chatas que pareçam, também têm o seu papel na biodiversidade e na cadeia alimentar, então, em vez de matá-las, vamos afastá-las para acabar com os problemas que elas possam causar em nossas e ou jardins.

    É importante saber do que as formigas gostam e do que não gostam, a dica fundamental que podemos dar é que elas adoram coisas doces, desde açúcar até folha e flores, e odeiam cheiros fortes. Sabendo disso, temos muitas chances de ganhar esta batalha!

    1. Como acabar com as formigas em casa

    formigas em casa
    foto: freeimages

    2. Limpeza e higiene

    Antes de tudo, é importante lembrar que as formigas são muito gulosas, e comem de tudo, então é muito importante manter a casa limpa, evitando deixar restos de comida espalhados, lixos muito cheios ou louças sujas.

    3. Cravo, Canela e Louro

    Caracterizados por seu forte odor, podem ser comprados secos em quase qualquer mercado. Este método espanta as formigas.
    Recomendamos que se coloque a canela, o cravo ou o louro em saquinhos feitos com uma meia-calça velha. Eles devem ser espalhados pela casa nos lugares onde as formigas costumam passear, e devem ser trocados a cada duas semanas para que o cheiro permaneça forte.

    4. Óleos Essenciais de Cravo ou Hortelã Pimenta

    Os óleos essenciais geralmente são feitos com folhas ou pétalas secas, das quais suas essências são extraídas. Podem ser comprados em farmácias ou lojas de produtos naturais.
    Por serem essências, possuem odor forte e desagradável para os insetos. Recomenda-se que se borrife um pouco dos óleos nas superfícies onde as formigas costumam trilhar, como bordas, janelas, pisos ou portas. O processo deve ser feito de 3 a 4 dias, deixando os ambientes perfumados.

    5. Vaselina

    O uso da vaselina é recomendado por conta de sua consistência. Deve ser usado em pequena quantidade nas bordas de recipientes, potes, ou áreas específicas nas quais as formigas costumam trilhar. Ela é útil para afastar as formigas nas pequenas áreas.

    6. Alfazema e cânfora

    Em lugares fechados como armários e gavetas, pode-se colocar as folhas de cânfora ou alfazema, seu odor afasta as formigas, perfuma o espaço e as roupas.

    7. Misturas líquidas para usar com borrifador

    7.1. Farinha de milho com vinagre

    Para espaços grandes e fechados, muitas vezes é melhor afastar as formigas com líquidos que não ocupem espaços.
    Para fazer a mistura de farinha de milho e vinagre, é necessário adicionar 1 colher de chá de farinha de milho e 2 de sopa de vinagre, pode-se diluir um pouco a mistura com mais 1 colher de água. Colocar a mistura no borrifador e espalhar pelo ambiente.

    7.2. Vinagre e detergente

    As proporções da mistura são as seguintes: ½ copo de água, 2 colheres de detergente biodegradável, 2 de vinagre (recomenda-se o uso de vinagre branco, mas não é essencial.) Borrifar a mistura nos pisos limpos.

    7.3. Suco de Limão

    Pode-se usar a quantidade de limão que quiser, mas é melhor fazer com 1 ou 2 limões com um pouco de água, para que a mistura seja refeita, mantendo a frescura e o odor. Quando pronto, borrifar em frestas e bordas como portas e janelas.

    7.4. Detergente

    Em um copo de 200 ml, acrescente metade de água e metade de detergente biodegradável. Coloque o conteúdo em um borrifador, e aplique nos cantos, frestas e outros possíveis espaços onde possa haver caminhos de formiga.

    7.5. Algumas das dicas podem ser usadas tanto no jardim, quanto na casa, como:

    7.5.1. 1. Casca de limão, laranja ou pepino

    O aroma das cascas espanta as formigas temporariamente, mas elas devem ser trocadas a cada semana, pois perdem seu frescor. As cascas podem ser espalhadas pelos cantos da casa ou do jardim

    7.5.2. 2. Pimenta

    A pimenta não é ardida só pra gente! As formigas também não aguentam seu calor, então ela pode ser espalhada na casa depois de estar limpa, ou pelo jardim nos lugares onde as formigas fazem suas trilhas e perto das plantas. É bom usar pimenta em pó, mas não obrigatório.

    8. Como acabar com as formigas no jardim

    foto
    foto: freeimage
    Antes de tudo, gostaria de dar uma dica muito importante: no caso do combate às formigas direto na terra, não é recomendado o uso de sal e vinagre, pois prejudica o crescimento das plantas e a qualidade da terra.

    9. Barreiras físicas

    Para afastar as formigas das árvores e das plantas, a barreira física é muito eficaz, pois impede que as formigas cheguem às folhas e flores.
    A técnica é a seguinte: use um material circular um pouco maior que a área que quer proteger, como baldes, sobras de cano de esgoto, entre outros, e coloque a esfera no lugar requerido, cortando o fundo e lateral para encaixar no entorno da planta ou árvore. Enterre um pouco abaixo da terra o material circular, usado, aproximadamente 1 cm.

    10. Plantio de hortelã, batata-doce, salsa, cenoura, mamona e gergelim preto

    Se o problemas com as formigas for direto na terra, é muito importante cuidar bem do espaço. Pode-se fazer uma cerca viva com uma variedade enorme de plantas para evitar pequenas infestações de formiga, tais como hortelã, batata-doce, salsa, cenoura, mamona e gergelim preto.

    11. Talco ou Cal

    O pó deve ser espalhado perto das plantas, ou do formigueiro, o que deve espantar as formigas.

    12. Borra de café

    A borra do café usado (não solúvel) ou os grãos triturados, além de nutrirem a terra, afastam as formigas.

    13. Lembrete

    O uso de formicidas e outros venenos, além de serem muito prejudiciais às pessoas, especialmente às crianças, podem danificar o meio ambiente pois acabam indo parar nos lençois freáticos através da irrigação. Com paciência, as formigas podem ir viver em lugares onde não atrapalhem a convivência com humanos.