segunda-feira, 8 de outubro de 2012

O modelo da Agricultura Natural em solos arenosos.

 por Adriana Otutumi
 Vista geral da área com os canteiros em produção – Marracuene, Moçambique
A Agricultura Natural em solo arenoso é viável. Uma vez que existem muitos solos desta natureza em todo continente africano, a agricultura neste tipo de solo tornou-se um grande desafio, pelo fato de muitas pessoas não acreditarem no potencial deste solo, classificado como Areia Quartzosa, passando a defini-lo como terra improdutiva.
Cientificamente este tipo de solo apresenta baixa capacidade produtiva, pouca retenção de água e uma pobreza natural em nutrientes para as plantas. Por serem muito arenosos, com baixa capacidade de agregação de partículas, condicionada pelos baixos teores de argila e de matéria orgânica, esses solos são muito suscetíveis à erosão e lixiviação dos nutrientes. Ao mesmo tempo, estes solos apresentam a vantagem de apresentar uma alta permeabilidade o qual facilita o trabalho de manejo do solo.
Aproveitamos este potencial do solo e aprofundamos na sua aptidão agrícola, buscando estudar quais as culturas melhor se adaptavam a ele. Assim, iniciamos a implantação de um modelo de Agricultura Natural em Moçambique, buscando aproveitar o máximo do potencial existente neste solo, através de um manejo onde a biodiversidade de culturas, a proteção do solo e o manejo da matéria orgânica fossem levados em consideração para o sucesso da produção agrícola.
O manejo do solo é feito através da incorporação de muita matéria orgânica, composta por restos de folhas, restos de culturas e podas de árvores durante o preparo do solo e na adubação de manutenção das culturas. Outra prática importante, é manter o solo sempre com uma cobertura morta, de forma a permitir a manutenção da umidade do solo, favorecer a economia de água e garantir sua proteção contra os raios solares intensos.
Introdução de adubação verde em alguns canteiros para permitir um equilíbrio do ambiente
Dentre as hortícolas, fazer um consórcio das mesmas, ou seja, plantar mais de uma cultura em um mesmo canteiro, de forma que as mesmas possam se beneficiar mutuamente é uma boa opção. Veja a experiência abaixo:
Consórcio de alface x rúcula e consórico de diversas variedades de alface no solo arenoso
Vale ressaltar, que existem culturas que não se desenvolvem bem quando são plantadas juntas, então é necessário fazer um estudo prévio das culturas que podem ser consorciadas.
Constatamos também o potencial para a produção de alface, amendoim, batata-doce, beterraba, caju, cebola, cenoura, coco, couve, mandioca, milho, entre outras. Verificadas a melhor época de produção de cada cultura, devemos favorecer a biodiversidade de culturas na produção, introduzindo espécies frutíferas, florestais e hortícolas.
FONTE:
http://www.africarte.org/Cases_Ler.aspx?id=2