terça-feira, 18 de setembro de 2012

Urgência de modelos alternativos na agricultura! Horta Mandala

Experiências confirmam que o sistema agroecológico de produção de alimentos pode ser um modelo viável e rentável.

por Carolina Goetten, do Brasil de Fato

Foto: Joka Madruga

m3 300x188 Urgência de modelos alternativosSegundo o Instituto Internacional de Investigação sobre Políticas Alimentares, em pesquisa realizada em 2010, mais de um bilhão de pessoas passam fome em todo o mundo. A informação escancara a crise alimentar do agronegócio: sobram alimentos, mas a lógica do capital impede o acesso a itens básicos de alimentação. Como alternativa ao cenário, surge o debate teórico e a aplicação prática da soberania alimentar, por meio da agroecologia.
O agronegócio é um modelo excludente, que prioriza o latifúndio, a monocultura, a produção em larga escala, usa agrotóxicos, destrói o meio ambiente e gera violência e pobreza no campo. Segundo o professor do Departamento de Economia da Universidade Federal do Paraná, Victor Pelaez, difundiu-se o discurso de que o agronegócio é mais rentável economicamente para o país, mas a agroecologia pode ser uma alternativa à lógica do capital, inclusive com benefícios financeiros. “Mas nenhuma transformação ocorre da noite para o dia. É um processo longo de investimento e demanda políticas públicas”, avalia.
O professor explica que os movimentos sociais não são atendidos na perspectiva do agronegócio. Por isso, segundo ele, a luta contra o agronegócio deve ser bandeira prioritária dos movimentos sociais. A lógica do capital é de acumulação e concentração; o agronegócio emprega tecnologia de alto custo, inacessível aos pequenos produtores. “É preciso buscar e construir modelos como a agroecologia, que sejam compatíveis com a produção em menor escala e com a agricultura familiar”, enfatiza.
Aplicação prática
Experiências práticas da agroecologia são uma forma de ir além do discurso teórico, com ações reais para aumentar a produção de orgânicos e resistir contra o agronegócio. No pré-assentamento Emiliano Zapata, localizado no município de Ponta Grossa, toda a produção é orgânica. “Desde o começo da ocupação, já concordamos que a área seria 100% agroecológica”, conta o morador Célio Rodrigues. “Somos 48 famílias e ninguém utiliza adubo químico ou agrotóxicos”, afirma.
O Emiliano Zapata também tem uma horta coletiva de 1,5 hectares, cuja produção é destinada à subsistência e o excedente é vendido numa feira de orgânicos da Universidade Estadual de Ponta Grossa, a cada 15 dias. “Como ainda não somos assentamento reconhecido pelo Incra e estamos em processo de conquista da terra, não temos acesso a programas de incentivo. A produção orgânica nos ajudou a sobreviver aqui”, lembra Célio. Ele cita a importância da agroecologia nos mais diversos aspectos. “Só na questão técnica, já temos certeza de que estamos preservando o solo e que ele vai se manter saudável por mais tempo. Economicamente, a produção tem baixo custo, porque veneno é caro, controlado por cinco transnacionais no país. E sem considerar que estamos combatendo a ideologia capitalista”, explica Célio.
O que mantém parte da renda das famílias do Emiliano Zapata é um programa em parceria com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), dentro do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Tudo o que se produz é repassado para um banco de alimentos, que distribui a produção a creches e instituições de caridade no município de Ponta Grossa. O projeto paga R$ 4,5 mil por ano a cada família, valor dividido em parcelas mensais. Estes programas garantem a comercialização dos produtos da agricultura familiar e são um incentivo à manutenção da produção agroecológica e diversificada. “Facilita a diversificação da produção e já não conflui apenas para a cultura de mercado. Produtos que não tinham uma garantia de preços passaram a ter um espaço de comercialização garantido. Isso ajudou a diversificar as propriedades nos locais. O agricultor tem uma horta e também se alimenta dela, dentro da segurança alimentar”, afirma Jean Carlo Pereira, do setor de produção do MST-PR.


Hortas mandala
Outro exemplo de aplicação da agroecologia no Paraná é o assentamento Contestado, na cidade da Lapa, onde também são cultivados apenas alimentos orgânicos. Como o solo é raso, as famílias têm dificuldade para produzir arroz; o clima instável também é fator negativo na lavoura, principalmente nos lotes das famílias vindas de outras regiões, desacostumadas às variações climáticas de Curitiba e região. Uma alternativa para superar estas dificuldades foi o sistema de administração coletiva de hortas mandala.
A palavra mandala vem do sânscrito e significa “círculo mágico”. Nesse modelo, os canteiros são construídos em círculos em vez da linha reta tradicional (como os traços arredondados da própria natureza, em que não existe nada impecavelmente reto).
A horta aproveita melhor o espaço da terra em relação aos canteiros retangulares, trabalha com diversidade e alternância de plantas, poupa o solo e economiza água. “Cada horta é cultivada por grupos de duas a três famílias, para estimular a cooperação e aproximar os moradores”, explica um dos dirigentes do assentamento, Antônio Capitani.
Em três meses de trabalho, as famílias do Contestado produziram cerca de 500 pés de hortaliças, além das frutas, ervas e cereais. O que contribui para a saúde do solo é a rotatividade das plantas. Como cada espécie utiliza um nutriente específico, a alternância permite que o solo permaneça rico e não esgote esse nutriente. Além disso, a diversidade atrai insetos polinizadores de espécies variadas, contribuindo com o equilíbrio ambiental.
A geógrafa Rosa Mara Santos explica que a horta mandala adota por princípio algo como “seja amigo da natureza”. “É uma ideia da permacultura que diz que podemos habitar o planeta com harmonia, utilizando a sua energia e todos os seus recursos de modo equilibrado. No caso da horta, precisamos respeitar os ciclos, tempo de plantar, tempo de colher e tempo de repouso, quando o solo se recupera para um novo ciclo”, define. Como o espaço circular permite o uso de áreas pequenas de terra, a horta mandala é ideal para a agricultura familiar, pois produz para a subsistência e o excedente pode ser comercializado e ajuda a complementar a renda da família.
No Contestado, são usados apenas fertilizantes orgânicos, que respeitam a agricultura ecológica. “A saúde vem muito da alimentação: se você precisa de ferro, coma beterraba, não precisa ir à farmácia comprar sulfato ferroso”, diz Maria Lima, moradora do assentamento. “A gente tem que se somar, lutar contra tudo isso que tá gerando o câncer, as alergias, a depressão”, conclui.
Princípios para trabalhar com a horta mandala
1. Cultivar o máximo possível, utilizando o menor espaço;
2. Usar o mínimo de energia, para a máxima produção;
3. Promover o envolvimento de toda a comunidade;
4. Nada se perde, tudo se aproveita;
5. Trabalhar com a natureza e não contra ela.
Princípios enumerados segundo informações do projeto Mão na Terra, de São José dos Campos (SP).
* Publicado originalmente no site Brasil de Fato.
(Brasil de Fato)