Mostrando postagens com marcador apicultura. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador apicultura. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Super planta é considerada a carne dos pobres

Resultado de imagem para ora pro nobis



Ela pode ser usada como cerca viva, ornamentação ou alimento. Mas uma coisa é fato: a ora-pro-nóbis vem conquistando cada dia mais as pessoas. Em especial, os veganos. 

      A planta é originária do continente americano e seu nome
científico é Pereskia aculeata.
      Do latim, seu nome significa “rogai por nós”, e segundo tradições, esse nome foi dado por algumas pessoas que a colhiam no quintal de um padre enquanto ele rezava em latim.
      É encontrada em abundância na região Sudeste do Brasil e muito usada na culinária.
      Seu cultivo é fácil e seu valor nutricional muito alto. Adapta-se facilmente a diversos tipos de solo e climas. Ela pertence à família das cactáceas. Na idade adulta, sua estrutura em forma de arbusto torna-se uma excelente cerca viva, tanto para ser usada como quebra-vento quanto como barreira contra predadores. A existência de espinhos pontiagudos nos ramos inibe o avanço dos invasores.
      Sua floração ocorre por apenas um dia, podendo ocorrer de janeiro a abril com flores pequenas e perfumadas de coloração branca. A produção de seus frutos ocorre de junho a julho apenas, e são amarelos e redondos. A generosa e bela floração é um ornamento ao ambiente, ideal para decoração natural de propriedades rurais, como chácaras, sítios e fazendas. Suas propriedades já são bastante conhecidas justamente pelas pessoas que vivem nas zonas rurais, e a cultivam em seu quintal como remédio e alimento. Foi a partir desse conhecimento popular que a Ora-pro-nobis passou a chegar às grandes cidades, ainda de forma bastante tímida.
orapronobis-cursos-cpt

     Mudas de  Ora-pró-nobis?

Em porto alegre agropanerai@gmail.com

terça-feira, 25 de junho de 2019

A Astrapéia-rosa (Dombeya wallichii) flor melífera


Fonte:abelhasjatai


Também conhecida por Astrapéia, Astrapéia-rosa, Dombéia e Flor-de-abelha é uma árvore ornamental originária de Madagascar que pode chegar até a 7 metros de altura. É uma planta de clima Equatorial, Mediterrâneo, Subtropical, Tropical e deve ser cultivada em meia sombra ou sol pleno, e seu ciclo de vida é perene.

A astrapéia se espalhou pelo mundo por sua exuberância e popularidade. Ela apresenta ramos pubescentes, e porte pequeno para um árvore, alcançando cerca de 2 a 5 metros de altura. As folhas são grandes, cordiformes, perenes, de cor verde brilhante e pubescentes na página inferior. As inflorescências surgem no outono e inverno, e são umbeliformes, sustentadas por longos pedúnculos, pendentes, globosas e com numerosas flores de cor rosa a avermelhada, ricas em néctar e delicadamente perfumadas. Produz frutos do tipo cápsula, que se dividem em cinco partes.




A astrapéia é uma árvore de rápido crescimento e baixa manutenção, que se destaca principalmente em plantios isolados, mas que pode ser parcialmente sombreada por outras árvores ou construções. As inflorescências pendentes atraem muitas abelhas e possuem perfume agradável e suave, que lembra o côco. As flores velhas permanecem nos ramos, adquirindo uma cor amarronzada e devem ser removidas para um melhor aspecto da planta. Além disso essas flores velhas podem desprender um odor desagradável e atrair moscas. Com podas regulares de formação, é capaz de adquirir porte e formato arbustivo. Há diversos híbridos comerciais disponíveis.


Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia sombra, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Sendo de clima subtropical, a folhagem da astrapéia não é muito resistente a geadas fortes. Fertilizações na primavera e verão estimulam um crescimento saudável e florações exuberantes. Multiplica-se por sementes e mais facilmente por alporquia e estaquia de ramos semi-lenhosos ou de ponteiros.
Esta espécie é diferente da Astrapéia (Dombeya burgessiae) que é originária da África e tem flores claras com base rosa-intenso e da Astrapéia-branca (Dombeya natalensis).
Abelhas observadas nessa espécie de planta coletando pólen e néctar:
• Abelha européia ou africanizada (Apis mellifera)
• Irapuá (Trigona spinipes)
• Jataí (Tetragonisca angustula)
• Jataí-da-terra (Paratrigona subnuda)
• Mirim (Plebeya emerina)
• Mirim (Plebeya saiqui)
• Mandaçaia (Melipona quadrifasciata)
Floração: Junho a Outubro.

Bibliografia:
- Jardineiro.net – http://www.jardineiro.net/plantas/astrapeia-dombeya-wallichii.html
- Flores e abelhas em São Paulo, José Rubens Pirani e Marilda Cortopassi-Laurino.

segunda-feira, 22 de abril de 2019

Ora-pro-nobis, o bife dos pobres






Ora-pro-nóbis, a planta que contém 25% de proteína

      Ela pode ser usada como cerca viva, ornamentação ou alimento. Mas uma coisa é fato: a ora-pro-nóbis vem conquistando cada dia mais as pessoas. Em especial, os veganos.
      A planta é originária do continente americano e seu nome
científico é Pereskia aculeata.
      Do latim, seu nome significa “rogai por nós”, e segundo tradições, esse nome foi dado por algumas pessoas que a colhiam no quintal de um padre enquanto ele rezava em latim.
      É encontrada em abundância na região Sudeste do Brasil e muito usada na culinária.
      Seu cultivo é fácil e seu valor nutricional muito alto. Adapta-se facilmente a diversos tipos de solo e climas. Ela pertence à família das cactáceas. Na idade adulta, sua estrutura em forma de arbusto torna-se uma excelente cerca viva, tanto para ser usada como quebra-vento quanto como barreira contra predadores. A existência de espinhos pontiagudos nos ramos inibe o avanço dos invasores.
      Sua floração ocorre por apenas um dia, podendo ocorrer de janeiro a abril com flores pequenas e perfumadas de coloração branca. A produção de seus frutos ocorre de junho a julho apenas, e são amarelos e redondos. A generosa e bela floração é um ornamento ao ambiente, ideal para decoração natural de propriedades rurais, como chácaras, sítios e fazendas. Suas propriedades já são bastante conhecidas justamente pelas pessoas que vivem nas zonas rurais, e a cultivam em seu quintal como remédio e alimento. Foi a partir desse conhecimento popular que a Ora-pro-nobis passou a chegar às grandes cidades, ainda de forma bastante tímida. 

TENHO MUDAS EM PORTO ALEGRE. agropanerai@gmail.com
orapronobis-cursos-cpt

   

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Pasto Apícola e Medicinal no Brasil



(algumas das variedades mais conhecidas)
Alexandre Montenegro, E-mail: a.montenegro@uol.com.br )

Ainda não dispomos de um conhecimento sistêmico, regionalizado, das espécies nectaríferas e fornecedoras de substâncias para própolis. Pouco sabemos da excelência, propriedades, maior ou menor teor de glicose e frutose. As listagens disponíveis em literatura apícola, são fruto da observação de poucos apicultores.

O desmatamento e o monocultivo em áreas extensivas com uso de agrotóxicos, desperta para a necessidade de formar pasto apícola onde possível, unido à mata natural, primária ou secundária, promovendo o reflorestamento e garantindo o abastecimento de pólen e néctar sadios, durante todo o ano.

Consultando apicultores e estudiosos, organizamos esta lista, com algumas espécies que podem rodear os apiários, para a felicidade das abelhas e para uma futura apicultura profissional.

FRUTIFERAS


Abacate


Persa gratissima


óleos, perseitol, proteínas, vitaminas, sais minerais, clorofila, carotenóides


Amexeira


Eriobothria japonica





Araçá


Psidium araca





Cajú


Anacardium occidentale


Taninos, resinas, saponina


Coqueiro


Cocus nucifera


Glicose, frutose, proteínas, sais minerais, tanino


Carambola


Averrhoa carambola


Alcalóides, glicosídeos


Castanha portuguesa ou da India


Aesculus hippocastanus


Flavonóides, vitaminas, fitosterol


Goiaba


Psidium guayava


Mucilagens, minerais, pectina, taninos


Ingá


Ingá edulis





Jambo


Eugenia malaccensis





Jambolão


S. ambolanum





Jaboticaba


M. cauliflora


Ácido cítrico, açúcares, vitamina C


Laranja


Citrus sinensis


Flavonóides, vitamina C


Maçã


Malus sp.


Vitaminas, ácidos orgânicos sais minerais


Marmelo


Cidonia vulgaris





Mexerica, Tangerina


Eucitrus reticulata





Lima


Citrus bergamia





Pera


Pyrus communis





Pessegueiro


Prunus persica





Pitanga


Eugenia uniflora





Tamarindo


Tamarindus indica





Uva do Japão


Hovenia dulcis





Limão


Limão







REFLORESTAMENTO


Assa Peixe


Vernonia polyanthes


Flavonóides, glicosídeos, flavonóides, sais minerais


Capinxingui


Cróton foribunda





Canela branca


Mectandra cuspidata





Pau Brasil


Cesalpinia echinata





Pau ferro


Cesalpinia férrea





Sibipiruna


Cesalpinia peltophoroides





Guassatonga


Caesaria sylvestris


Óleo essencial, saponinas, taninos, antocianinas


Palmito Juçara


Euterpe edulis





Sangue de dragão


Cróton umuarama





Astrapéia


Dombeia natalensis–branca. 
Dombeia wallichii – rosa





Maria mole


Senecio pinniatus





Cedrinho


Cupressus sempervirens





Mamona ou Carrapateira


Ricinus communis


Proteínas, ácido ricinoléico, saponinas, taninos


Vassourinha


Baccharis dracunculifolia


Flavonóides, propolis, néctar


Pata de Vaca


Bauhinia forficata


Glicosídeos, flavonóides, quercetina, minerais, tanino


Leucena


Leucaena leucocephala


Proteinas, Vitamina A, mimosina




MEDICINAIS CULTIVADAS E INVASORAS, HORTA E JARDIN


Alfavaca anis


Oncimun selloii


Anetol, saponinas, taninos


Alecrim


Rosmarinus officinalis


Pineno, diterpeno, flavonóides


Amor agarradinho


Antigonus leptopus


Flores ano inteiro, 30% de néctar


Anis, Erva doce


Pimpinela anisum


Anetol


Babosa


Aloe Vera. 
Aloe barbadensis


Glicosídeos, mucilagens, taninos


Camomila


Matricaria camomilla


Flavonoides, azuleno, cumarinas, minerales


Calêndula


Calendula officinalis


Carotenóides, flavonóides


Carquejo


Baccharis genistelloides


Mirosina, glicose, frutose, pectina, minerales, antibióticos


Chagas ou Capuchinha


Tropaeolum peregrinum


Glicose, frutose, pectina, antibióticos


Chapéu-de-couro


Echinodorus macrophyllus


Flavonóides, minerais, saponinas, alcalóides


Cosmos


Cosmea bipinata


Pólen ano inteiro


Dente-de-leão


Taraxacum officinale


Látex, resina, carotenóides, fitosterol, colina


Guaco


Mikania speciosa


Resinas, taninos, ácidos orgânicos, néctar


Guandú


Cajanus indicus


Proteínas, minerais (fósforo), vitaminas A, B1, B2 e C


Jurubeba


Solanum paniculatum


Glicoalcalóides, flavonóides, resinas, ceras, saponinas


Manjericão


Ocimum basilicum


Eugenol, estragol, linalol e terpenos


Margaridão


Montanoa bipinnatifida


Pólen (outono e inverno)


Malva branca


Sida glaziovii


Mucilagem, antocianinas


Ora pro nobis


Pereskia aculeiaya


Vitaminas A, B, C, minerais, néctar


Sabugueiro


Sambucus albis. 
Sambucus nigra


Sais minerais, flavonóides


Serralha


Sonchus olaraceus


Látex, minerais, flavonóides, esteróis, resinas


Sete sangrias


Cuphea cartaginensis


Resina, óleo, flavonóides


Tanchagem


Plantago major


Xilose, galactose, taninos, minerais, saponinas


Urucum


Bixa orellana


Carotenóides, flavonóides, néctar


Bibliografia:
Neif P. Guimarães - Apicultura, a Ciência da Longa Vida, 1989.
Nei B. de Mello - Guia Prático do Apicultor, 1989.
Guia Rural Plantar, Dezembro, 1991.
Monsenhor Agenor Neves Marques - Abelha Maravilha, 1993.
Sylvio Paniza - Plantas que curam, 6ta. Edição, 1997.
Otto Andersen, Verônica U. Andersen - As Frutas silvestres Brasileiras, 1988