Mostrando postagens com marcador jardim florido. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador jardim florido. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 13 de março de 2019

FLOR MARAVILHA - MIRABILIS JALAPA - FLOR BOA NOITE

Quer fazer um jardim florido? 
É fácil, esta planta pega de estacas, sementes, etc...
Resultado de imagem para MIRABILIS JALAPA


A FLOR MARAVILHA MIRABILIS JALAPA FLOR BOA NOITE pode ser cultivado em todo o país, inclusive em regiões mais frias, pois tem boa tolerância à baixas temperaturas.

A FLOR MARAVILHA MIRABILIS JALAPA FLOR BOA NOITE é um arbusto de textura semi-lenhosa, de folhagem perene, muito ramificado, de raízes tuberosas e flores ornamentais, com altura até 1,0 metro e formato irregular.

A FLOR MARAVILHA MIRABILIS JALAPA FLOR BOA NOITE é uma planta ornamental que disponibiliza a variedade de cores como a cor vermelha, rosa, amarela, branca, etc. Em seu nome, MIRABILIS JALAPA, do latim, significa maravilha ou admirável, e Jalapa é um nome de uma cidade mexicana, mas dizem que essa planta tem sido exportada a partir dos Andes Peruanos, em 1540.

Um aspecto curioso da flor maravilha mirabilis jalapa flor boa noite é uma planta ornamental que disponibiliza a variedade de cores como a cor vermelha Flor Maravilha é que as flores de diferentes cores podem ser encontradas simultaneamente em uma mesma planta. Além disso, uma flor sozinha pode ter manchas de cores diferentes. Outro ponto interessante é um fenômeno de mudança de cor, por exemplo, as flores amarelas, quando a planta amadurece, elas podem mudar gradualmente para uma cor rosa escura. Da mesma forma, as flores brancas podem mudar a luz violeta.

As folhas são ovais e opostas nos entrenós de sombra avermelhada.


Imagem relacionada

As flores tem formato de trombeta e podemos encontrar em diversas cores, como por exemplo branca, rosa, amarela e carmim, seguidas frutos globosos, pretos e duros.

Fecham as pétalas no final da tarde, daí um dos seus nomes populares.

A FLOR MARAVILHA MIRABILIS JALAPA FLOR BOA NOITE são cultivadas em canteiros em renques junto a muros, mas também em vasos em cultivo solitário ou em arranjos ornamentais com folhagens.
Seu florescimento vai do verão ao outono.


A FLOR MARAVILHA MIRABILIS JALAPA FLOR BOA NOITE origina da América do Sul tropical, mas tornou-se naturalizado em todas as regiões tropicais e regiões temperadas. Em regiões de clima temperado muito frias, maravilha morre nas primeiras geadas, na primavera seguinte, a partir das raízes tuberosas.

sábado, 22 de dezembro de 2018

Dicas de cultivo de orquídeas - orquidofilos.com

Fonte: orquidofilos.com

Cultivo de orquídeas
Cultivo de orquídeas em exposição (Foto: Harvey Barrison)
Você ama a natureza? Tem interesse especial pelo cultivo de orquídeas? Tem paciência para esperar um ano que uma planta floresça? Cultivar orquídeas é mais fácil do que se pensa. Leia nossa matéria especial e junte-se a nós. Seja um orquidófilo.

As 10 principais dicas de cultivo de orquídeas

1. Na grande maioria, as orquídeas brasileiras são epífitas

As orquídeas epífitas crescem presas às árvores, sem, contudo, roubar delas quaisquer nutrientes. As raízes são usadas apenas para fixar a planta no caule das árvores.

2. Não colete ou adquira plantas oriundas das matas

As orquídeas já foram bastante dilapidadas pelos mateiros e colecionadores gananciosos. Procure adquiri-las de empresas produtoras de mudas ou de orquidófilos que tenham plantas disponíveis. Diga não às orquídeas coletadas do mato.

3. Escolha espécies de orquídeas adaptadas à sua região

Como as orquídeas florescem apenas uma ou duas vezes por ano, é interessante possuir várias espécies diferentes (cujo ciclo de floração costuma ser também diferente). Isso aumenta as chances de ter sempre alguma planta florida. Ao escolher o que vai cultivar, dê preferência às espécies de orquídeas que crescem na sua região. Se você mora no Ceará, confira as orquídeas que já foram catalogadas na região.

4. Irrigação das orquídeas

Mantenha o vaso úmido, jamais encharcado. É mais fácil matar uma orquídea por excesso do que por falta d’água. Não colocar pratinho com água debaixo do vaso, pois as raízes poderão apodrecer. Molhe abundantemente duas ou três vezes por semana, deixando a água escorrer totalmente. Nos outros dias, basta vaporizar as folhas de manhã cedo ou no final da tarde, quando a planta não estiver sob o sol.

5. Luminosidade do ambiente

Instale suas plantas em locais onde elas possam ser banhadas pelo sol no horário da manhã (até as 9 horas) ou no final da tarde (depois das 16 horas). Se a planta não tomar sol, ela não vai florescer. As orquídeas podem ser fixadas também no tronco de árvores, desde que estas não tenham uma sombra muito densa, como as mangueiras. O problema é que, quando florescerem, elas não poderão ser levadas para dentro de casa. Aliás, é recomendável manter os vasos, o máximo possível, na mesma posição e local.

6. Ventilação do ambiente

As orquídeas necessitam de locais arejados. Evite, porém, a ventilação muito forte, que pode derrubar os vasos e danificar suas plantas.

7. Adubação das orquídeas

Utilize um desses adubos foliares (líquidos) que se encontram na seção de jardinagem de todos os supermercados. Adicionar algumas gotas à água com que será feita a vaporização, no caso de usar pequenos pulverizadores. Procure molhar sobretudo a parte inferior das folhas de sua orquídea, pois é aí que se encontram os estômatos, que absorvem água e nutrientes.

8. Pragas e doenças em orquídeas

Se as plantas forem cultivadas de uma forma adequada, elas estarão mais resistentes a pragas e doenças. Se não houver excesso de umidade, por exemplo, dificilmente os fungos irão atacar. De qualquer modo, previna-se. Um dos grandes inimigos do cultivo de orquídeas são as cochonilhas. Esses pequenos organismos sugam a seiva da planta e podem matá-la se não forem combatidos. Quem possui poucas plantas pode catá-los, um a um, antes que se propaguem. No caso de uma coleção maior, haverá necessidade de apelar para os defensivos. Dê preferência às fórmulas naturais, pois os produtos químicos industrializados costumam ser tão prejudiciais às plantas quanto a quem as cultiva. Veja esta receita para combater as pragas com um defensivo natural. É recomendável consultar uma pessoa que tenha experiência com produtos naturais.

9. Anote o nome da espécie de sua orquídea numa plaqueta

Também é interessante atribuir-lhe um código (numérico ou alfanumérico, como queira), para facilitar a identificação no caso de uma coleção de médio ou grande porte. Um desafio que os orquidófilos enfrentam é memorizar o nome de suas plantas, quase todos em Latim ou latinizados – raramente as orquídeas têm nomes populares. Mas isto termina se tornando um excelente exercício de memória. Desenvolva igualmente o hábito de anotar a data da floração de cada planta. Se ela não voltar a florescer na mesma época, no ano seguinte, isto pode ser um sinal de alerta: talvez ela esteja com algum problema. Examine, então, as condições de irrigação, luminosidade, ventilação, etc.

10. Freqüente uma associação de orquidófilos

É o local mais apropriado para trocar idéias, tirar dúvidas sobre o cultivo de orquídeas e, de quebra, fazer novas amizades. Procure tirar proveito do convívio com os orquidófilos mais experientes. Na grande maioria, eles adoram repartir seus conhecimentos (conhecimentos que, aliás, serão sempre incompletos, pois, em se tratando de orquídeas, eternamente, todos têm algo para aprender).

Quer aprender mais sobre cultivo de orquídeas?

Adquira a nossa Cartilha de Cultivo. Escrita pelo professor e jornalista Italo Gurgel – orquidófilo de longa data e estudioso das orquidáceas, que já proferiu palestras sobre o tema no Brasil e em Portugal – a Cartilha é uma obra essencial para quem está ingressando no universo das orquídeas. Você vai aprender, em linguagem simples e descomplicada, todas as informações necessárias para cuidar bem das suas orquídeas.
Cadastre-se para receber nossas notícias por e-mail. Acompanhando as notícias do Orquidofilos.com, você se mantém informado das principais notícias e exposições de orquídeas que acontecem no Brasil e em Portugal.

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Será o momento de renovar as suas mudas? 5 dicas.

    Fonte: jardim de ideias sthill
    Ter um jardim em casa não é apenas uma maneira de decorar o ambiente.  Elas nos trazem diversos benefícios, auxiliam na qualidade do ar e temperatura do ambiente, fornecem energia, são umidificadoras naturais, além de, é claro, deixar a casa mais convidativa e aconchegante. 

    É possível ter muitos tipos de plantas como palmeiras, samambaias, flores, suculentas e para elas sempre se manterem com uma boa aparência, separamos essas dicas para você identificar qual é o melhor momento para renovar suas mudas. 

    Folhas e caules murchos:
    Quando a planta apresentar esse aspecto, verifique se a terra não está seca demais. Caso estiver, afofe a superfície com um garfo de jardineiro. Se a muda estiver inserida no vaso, mergulhe-o numa bacia cheia de água e use o borrifador para umedecer as plantas. Após um tempo, retire-o e deixe escorrer o excesso de água.  

    Apodrecimento da raiz: 
    Quando a planta sofre dificuldades de drenagem, sua raiz pode apresentar sinais de apodrecimento; se você enxergar faça um replantio imediato.  Para evitar você deve usar vasos que possuem furos na parte inferior, para facilitar na drenagem e assim a planta poder respirar.

    Manchas nas folhas:
    Pode ser a consequência de excesso de nutrientes, e ele pode resultar em folhas manchadas e malformadas. O aparecimento de uma crosta branca na superfície da terra ou nos vasos de cerâmica são sinais também. 

    Queda de flores, botões e folhas:
    É reflexo da iluminação inadequada. Determinadas espécies não produzem floração quando colocadas em locais com baixa luminosidade. A queda das flores pode ser também pela condição de temperatura. O calor excessivo para as plantas de clima temperado ou ameno pode reduzir o tempo de floração e provocar a queda de botões e flores. 

    Folhas amareladas e crescimento lento: 
    A escassez de fertilizantes provoca a falta de nutrientes e por isso a planta pode apresentar um crescimento lento, hastes fracas e folhas amareladas. Neste caso é necessário que você troque de vaso e cuide para não sufocar a raiz, mantendo a planta regada e com nutrientes. 

    Observar é a melhor maneira de notar os primeiros sinais – que podem ser tratados rapidamente para que não se tornem muito graves –. Curtiu as dicas? Elas podem auxiliar você a cuidar melhor do seu jardim. Compartilhe com seus amigos e fique de olho no nosso blog! Até a próxima.

    quinta-feira, 28 de junho de 2018

    Cosmos amarelo, flor útil na apicultura!!

    CÓSMO-AMARELO - ( Cosmos sulphurea ) fonte: site cantinho verde


    CÓSMO-AMARELO - ( Cosmos sulphurea )
    NOME CIENTÍFICO: Cosmos sulphurea.

    NOME POPULAR: Cósmo-amarelo, picão-grande, áster-do-méxico, picão.

    SINONÍMIA: Bidens sulphurea

    FAMÍLIA: Asteraceae (Compositae).

    CICLO DE VIDA: Anual. 

    Nota: Ela nasce, cresce, dá flores e morre em 1 ano, mas antes disso, espalha ao seu redor muitas sementes que irão dar origem a novas plantas

    ORIGEM: América Central, México.

    PORTE: Até 2 metros de altura.

    FOLHAS: Folhas compostas, de coloração verde, com uma tonalidade mais escura na página (face) superior e um pouco mais clara na inferior.


    CÓSMO-AMARELO - ( Cosmos sulphurea ) - Folhas compostas

    CÓSMO-AMARELO - ( Cosmos sulphurea ) - Detalhe da folha

    FLORES: Inflorescência de coloração laranja ou amarela. No centro encontra-se o miolo, onde está às flores que produzem as sementes, cada flor tem apenas uma semente fértil.
     
    CÓSMO-AMARELO - ( Cosmos sulphurea ) - Inflorescência laranja

    CÓSMO-AMARELO - ( Cosmos sulphurea ) - Inflorescência amarela
    Nota:  Cada inflorescência (tipo mais comum) tem oito pétalas, e no centro flores onde irão ter em média 10 sementes.

    CÓSMO-AMARELO - ( Cosmos sulphurea ) - Detalhe das  flores

    CÓSMO-AMARELO - ( Cosmos sulphurea ) - Detalhe da flor

    TRONCO: Se caule é ereto, um pouco ramificado, com coloração verde arroxeado. 


    CÓSMO-AMARELO - ( Cosmos sulphurea ) - Detalhe do caule

    LUMINOSIDADE: Sol pleno.

    ÁGUA: Gosta de solo úmido, mas não encharcado, regar 2 vezes por semana no caso de ausência de chuvas.

    Nota: Após germinar é tolerante a seca, portanto os “jardineiros descuidados” podem ficar sossegados, mas neste caso, a planta não irá ter o desenvolvimento pleno.

    CLIMA: Quente e temperado.

    PODA: Não necessária.

    CULTIVO: Bastante rústica, de fácil cultivo, prefere solo areno-argiloso. Por ser uma planta anual, quando ela secar arranque a planta deixando no local as sementes que ainda não tenham caído, quando nascerem faça desbaste, deixando a quantidade que desejar.

    NOTA: Vejam foto abaixo, colocando um pouco de brita, as sementes que irão cair da planta irão se alojar de forma mais fácil e a germinação será mais fácil e garantida.

    CÓSMO-AMARELO - ( Cosmos sulphurea ) - Mudas

    FERTILIZAÇÃO: Por ocasião da preparação do canteiro aplique cerca de 5 colheres de sopa de NPK, fórmula 04-14-08 por metro quadrado.

    UTILIZAÇÃO: Ideal para ser usada como maciço.

    PROPAGAÇÃO: Por sementes. Ela é considerada uma planta daninha, devido à facilidade de propagação, normalmente onde foi plantada, as sementes irão cair e sem qualquer cuidado extra, irão dar origem a novas plantas.


    CÓSMO-AMARELO - ( Cosmos sulphurea )

    Nota: Agradecimento especial a botânica Fernanda, que me ajudou a entender o detalhe da flor.