quarta-feira, 20 de março de 2019

Compostagem, transformando resíduos em recursos.



Sabe a calçada do vizinho cheia de goiabas maduras? pois é, juntei dois baldes de 20 litros para alimento das minhocas californianas para compostagem.

COMPOSTAGEM: A RECICLAGEM NA NATUREZA

A compostagem é um processo de transformação que pode ser executado com parte dos nossos resíduos domésticos orgânicos, resultando em um excelente adubo para ser utilizado em hortas, vasos de plantas, jardins ou algum terreno que você tenha disponível. Este é um dos métodos mais antigos de reciclagem onde imitamos os processos da natureza para melhorarmos a terra.
O conceito de resíduo na natureza passou a existir com a sua excessiva geração aliada à crescente produção e uso de materiais sintéticos que não se degradam facilmente, além da utilização de substâncias químicas perigosas, como tintas, solventes e metais pesados utilizados em baterias, entre outras (FIGUEIREDO, 1995).
orgânicos
Dos resíduos gerados no estado do Rio de Janeiro, cerca de 52% são orgânicos, contra 44% de recicláveis e 4% de rejeitos. Em 20 anos a porcentagem de lixo orgânico aumentou 16%. (COMLURB, 2001). É importante ressaltar que nem todos os 52% podem ser compostados. Devido à falta de separação prévia na fonte geradora (residências, restaurantes e outros) existem resíduos orgânicos que não são compostáveis misturados aos que são. Além disso, elementos químicos perigosos ao meio ambiente e à saúde contaminam o composto e comprometem a sua qualidade. Segundo estudos feitos na Usina de Compostagem de Irajá, no Rio de Janeiro, existe cerca de 5% de metais pesados por Kg de composto (AZEVEDO et all, 2003). Esse elevado percentual de metal pesado e de material orgânico não compostável em nosso lixo retrata o baixo percentual de resíduo orgânico que é transformado em composto, não só no Brasil, com somente 1%, mas em países que já fazem a separação prévia de seus materiais, como a Alemanha cujo índice chega a 5%. (BALERINI, 2000).

O QUE É COMPOSTO E COMPOSTAGEM?

O composto é um material escuro usado como um tipo de adubo também chamado de terra preta ou húmus.
Compostagem é o processo de decomposição biológica da matéria orgânica contida em resíduos animais ou vegetais. É feita por muitas espécies de microorganismos e animais invertebrados que em presença de umidade e oxigênio, se alimentam dessa matéria e propiciam que seus elementos químicos e nutrientes voltem à terra. Essa decomposição envolve processos físicos e químicos que ocorrem em matas, parques e quintais. Os processos físicos são realizados por invertebrados como ácaros, centopéias, besouros, minhocas, lesmas e caracóis que transformam os resíduos em pequenas partículas. Já os processos químicos, incluem a ação de bactérias, fungos e alguns protozoários que degradam os resíduos orgânicos em partículas menores, dióxido de carbono e água.
Essa técnica vem sendo utilizada há mais de cinco mil anos pelos chineses (FREIRE, 2003) e é uma prática utilizada em propriedades rurais.

terça-feira, 19 de março de 2019

Cobertura com amendoim forrageiro no pomar de pitaya

Maracajá investe em cultivo de pitaya orgânica

Técnicas de produção foram tema de "Tarde de Campo"

Uma prática de poda da planta, informações sobre fertilidade do solo e exigências nutricionais da cultura e cobertura do solo com o uso de adubos verdes, integraram o conteúdo de uma "Tarde de Campo", tendo como tema as principais técnicas e manejo para o cultivo da Pitaya orgânica. A atividade foi realizada na propriedade do agricultor Claudenir Euclides da Rocha, na comunidade do Cedro, em Maracajá, na última terça-feira,12.

Mais de 50 agricultores da região sul participaram do evento, quantificou o engenheiro agronômo da Epagri de Maracajá, Ricardo Martins, comemorando o sucesso da iniciativa. A "Tarde de Campo" foi realizada em parceria com o Grupo Frutos da Terra, grupo de certificação orgânica participativa da Rede EcoVida, com apoio das prefeituras de Maracajá e Forquilhinha.
Ricardo Martins destacou sobre a importância da cultura da Pitaya na região e entre os principais temas abordados foram preparo do solo, condução do pomar, adubação e tratos culturais. "Reforçamos a importância de se utilizar uma espécie para cobertura permanente do solo, como o amendoim forrageiro, que fornece nitrogênio ao pomar, adubar as plantas na época certa e conduzir o pomar de maneira adequada", disse o agrônomo.

O diretor do Departamento Municipal de Agricultura de Maracajá, Luiz Martinelo, o Neguinho, observou que a produção de Pitaya e, sobretudo de forma orgânica, se constitui em uma importante alternativa à agricultura familiar do município e da região. "São iniciativas como esta que têm o apoio permanente da administração do prefeito Arlindo Rocha", salientou Martinelo.
Fonte: Assessoria de Imprensa

Série Boas Ideias - Com soluções simples, frutas, hortaliças e até peixe...

Na Série Boas Ideias, canal Seridó vai buscar diversas reportagens dos
mais diversos veículos de comunicação com assuntos relevantes para o
homem do campo, tanto da região do seridó como de qualquer área do
Brasil.

Boas ideias para que o homem do campo produza mais, e com mais
qualidade, evitando assim o êxodo rural.

Essa reportagem é da Rede Globo para o programa Globo Rural, gravado no
município de Tabira e no município de Santa Teresa na região do sertão
do Pajeú, estado de Pernambuco.

CANAL SERIDÓ
Tudo sobre a região do Seridó.
Acesse: http://serido.openbrasil.org/

segunda-feira, 18 de março de 2019

Boas ideias - Criação de galinhas caipira gera renda para pequenos...



Na Série Boas Ideias, canal Seridó vai buscar diversas reportagens dos

mais diversos veículos de comunicação com assuntos relevantes para o

homem do campo, tanto da região do seridó como de qualquer área do

Brasil.



Boas ideias para que o homem do campo produza mais, e com mais

qualidade, evitando assim o êxodo rural.



Essa reportagem é da InterTV Cabugi, afiliada da Rede Globo para o

programa InterTV Rural, gravado no município de Santa Cruz / RN.

quinta-feira, 14 de março de 2019

Benefícios da carambola são muitos, mas cuidado com o excesso!!

Fonte: site ativo saúde


As caramboleiras não são árvores muito grandes, dão umas flores branquinhas ou meio roxas, crescem em qualquer quintal e, mais importante de tudo, são responsáveis pela carambola. Apesar de ser muito comum na mesa dos brasileiros, as pessoas em geral não param para pensar nos benefícios ou até nos perigos – sim, eles existem – de se consumir essa fruta.
Originária da região tropical da Ásia, a carambola chegou ao Brasil no século XIX, sendo introduzida no nordeste, e depois se espalhando pelo país.
Atualmente, Malásia e Estados Unidos são grandes produtores da fruta, enquanto que no Brasil ela é mais plantada no Vale do Rio São Francisco e no interior do estado de São Paulo.

Benefícios da carambola

A carambola é rica em minerais como cálcio, fósforo e ferro, além de vitaminas A, C e algumas do complexo B”, relata a nutricionista Paula Stempniewski. Esses nutrientes são muito úteis especialmente na prevenção de gripes e resfriados, porque fortalecem o sistema imunológico.
Assim como vários outros alimentos saudáveis, trata-se de uma fruta rica em antioxidantes. Assim, ela ajuda no combate do corpo contra os radicais livres, resíduos naturais do nosso metabolismo e que são considerados os vilões do envelhecimento precoce.
“As vitaminas do complexo B, como riboflavina e piridoxina, entre outras, estão muito presentes na carambola e favorecem o processo metabólico, além de várias outras funções dentro do organismo”, afirma Stempniewski. “Já o potássio da fruta ajuda no sistema sanguíneo, diminuindo a pressão e regulando os batimentos cardíacos”.
Ainda segundo a nutricionista, uma taça de carambola como sobremesa após o almoço pode ajudar a combater febre e diarreia. Um copo de suco de carambola ou uma chávena de chá da fruta uma vez ao dia também auxilia contra a retenção de líquidos por causa de seu efeito diurético.

É bom para emagrecer?

O primeiro sinal de que você deve incorporar a carambola na sua dieta de emagrecimento é o fato de que ela tem poucas calorias – aproximadamente 31 a cada 100 gramas.
“Além disso, ela ajuda a combater o colesterol alto, pois têm fibras que evitam que o corpo absorva grandes quantidades dele”, diz Paula.
Alguns ramos de medicina alternativa consideram a fruta e o chá das folhas da caramboleira uma fonte importante de diversas características medicinais.
A principal delas seria a função hipoglicemiante, o que significa que podem ajudar a diminuir os níveis de glicose no sangue.
“A presença do chá das folhas de carambola no organismo humano atua diretamente no metabolismo, dificultando a retenção de açúcar pelo corpo”, conta Paula Stempniewski.
A carambola, portanto, também ajuda a perder peso neste sentido, uma vez que a absorção de açúcar está diretamente ligada ao acúmulo de gordura corporal.

Como consumir?

Você pode simplesmente comer a fruta in natura, mas se quiser variar, a carambola pode ser encontrada em geleias, calda, sucos e compotas. Pode ser utilizada como guarnição para assados e como ingrediente em saladas.
Depende de como você gosta e de como você quer utilizar a fruta.

Cozinhas que utilizam a carambola

Como já lembramos, trata-se de uma fruta tropical que se espalhou especialmente na América e na Ásia. “Na literatura, as referências de maior uso da carambola se dá em países como Tailândia, China, Índia e Brasil”, diz a nutricionista Raisa Coelho.
Nos países orientais, ela é mais consumida como sobremesa, e inclusive as flores da caramboleira fazem parte da composição de diversos pratos. Também na Ásia, é onde ela é mais utilizada para fins medicinais.

Os perigos da carambola

Apesar dos benefícios da carambola, ela é uma fruta que deve ser consumida com responsabilidade e sem exageros. Como explica Raisa, “ela tem um teor elevado de oxalato e de uma substância conhecida como caramboxina, uma toxina específica da carambola”.
Segundo ela, ambas são potencialmente tóxicas para indivíduos com doença renal estabelecida ou que tenham elevado teor urêmico (síndrome que causa o acúmulo de ureia no sangue).
Isso acontece porque a pessoa com esses problemas tem a sua capacidade de eliminar essas substâncias tóxicas do corpo reduzida. A presença elevada das toxinas no sangue pode provocar sintomas como confusão mental, náuseas, vômitos, e, em situações mais graves, até convulsões.
No Brasil, a caramboxina foi catalogada pela Universidade de São Paulo (USP) em uma pesquisa publicada na revista especializada Angewandte Chemie International. O estudo foi um importante passo para confirmar e alertar contra os perigos dessa toxina nestes casos mais específicos.
Por fim, é preciso notar que a carambola contém grande quantidade de ácido oxálico em sua composição. Isso significa que, se consumida em excesso, ela poderá ajudar na formação de pedras nos rins.

Receitas que levam carambola

Doce de carambola

Ingredientes

  • 1 unidade de carambola;
  • 1 colher de açúcar de coco para cada unidade de carambola;
  • 1 pau de canela

Modo de preparo

Primeiro, lave as carambolas, corte fora as pontas duras da fruta e fatie horizontalmente, formando as “estrelas”. Depois, retire as sementes. Então, coloque o açúcar, o pau de canela e as fatias de carambola numa panela em fogo bem brando. A fruta irá soltar água e você deve seguir mexendo até notar a carambola amolecer. Coloque na geladeira e coma frio.

Chutney de carambola

Ingredientes

  • 1 colher (chá) de pimenta calabresa;
  • 3 unidades de carambolas picadas sem sementes;
  • 4 colheres (sopa) de açúcar demerara;
  • ½ colher (chá) de canela em pó.

Modo de preparo

Pique a carambola conforme explicado na primeira receita. Numa panela pequena, coloque todos os ingredientes e deixe cozinhar por 20 minutos ou até que o doce fique cremoso. Sirva com qualquer salgado ou até como acompanhamento para o seu almoço.

quarta-feira, 13 de março de 2019

Amendoim forrageiro ou Grama amendoim é ideal para ser cultivada em taludes e terrenos muito acidentados.

Grama amendoim, amendoim rasteiro, amendoinzinho e amendoim-forrageiro, conhecido por diversos nomes diferentes esta espécie leguminosa trata-se de uma planta rasteiras que apresente folhas na cor verde escuras em formato oval que nascem em pares com pequenas flores amarelas, que nascem durante toda a primavera e verão.



A espécie apresenta raízes entrelaçadas e profundas, que atingem de 10 á 30 cm de cumprimento; O que auxilia no combate da erosão e cria no terreno uma resistência contra deslizamentos. Essa característica torna a grama amendoim ideal para ser cultivada em taludes e terrenos muito acidentados.
Com raiz muito comprida a grama amendoim busca nutrientes e água no fundo do solo e com isto, tolera períodos extensos sem irrigação.
O sistema radicular da planta produz seu próprio nitrogênio, nutriente essencial para a formação das folhas. Assim só é necessário adubar a planta se quiser estimular a floração.
Com um desenvolvimento e rebrote muito rápidos a grama amendoim desempenha muito bem o papel de proteção contra ervas daninhas, com uma altura média de 30 cm, dispensa podas periódicas e assim reduz gastos com manutenção. Sua densa folhagem garante que o solo receba pouca ou nenhuma luz solar, impedindo que as ervas daninhas cresçam; Embora rústica em alguns aspectos apresenta resistência a geada, cultivo em sombra e pisoteio.
A grama amendoim se desenvolve muito bem em solos ácidos e com média ou pouca fertilidade e é utilizada para fazer correção de acidez do solo e na recuperação de solos muito degradados.
Ambiente ideal para o cultivo da grama amendoim:
  • A grama amendoim é muito utilizada em plantações de hortaliças e pomares devido aos grandes benefícios que ela traz ao solo e as plantas, onde ajuda reter umidade e fixar o nitrogênio no solo e realiza a adubação natural do solo, além de fazer a correção do pH da terra. Sendo considerada um adubo vivo ou adubo verde.
  • Na pastagem para gado, pois possui alto valor nutritivo.
  • Cultivo em gramado, pois é uma espécie bastante ornamental, introduzida na forma de forração, se adapta bem ao clima de todas as regiões do Brasil.

Dicas para o cultivo saudável da grama amendoim:

  • Cultive sob sol pleno ou meia sombra, porém a grama amendoim é uma planta que tolera bem o frio.
  • Regue a planta a cada 15 dias, pois a planta apresenta grande resistência a falta d’água.
  • A planta pode ser cultivada em solo pobre e ácidos.
  • Realize mudas através de divisão de ramagens.
  • Faça a poda de contenção da planta se houver necessidade, entre os meses de maio até agosto.
  • Adube com fertilizante rico em fósforo. Se desejar estimular a floração da planta.
Planta rasteiras que apresente folhas na cor verde escuras em formato oval que nascem em pares.

Grama amendoim é ideal para ser cultivada em taludes e terrenos muito acidentados.

FONTE: http://terracotajardinagem.com.br/?p=7712


FLOR MARAVILHA - MIRABILIS JALAPA - FLOR BOA NOITE

Quer fazer um jardim florido? 
É fácil, esta planta pega de estacas, sementes, etc...
Resultado de imagem para MIRABILIS JALAPA


A FLOR MARAVILHA MIRABILIS JALAPA FLOR BOA NOITE pode ser cultivado em todo o país, inclusive em regiões mais frias, pois tem boa tolerância à baixas temperaturas.

A FLOR MARAVILHA MIRABILIS JALAPA FLOR BOA NOITE é um arbusto de textura semi-lenhosa, de folhagem perene, muito ramificado, de raízes tuberosas e flores ornamentais, com altura até 1,0 metro e formato irregular.

A FLOR MARAVILHA MIRABILIS JALAPA FLOR BOA NOITE é uma planta ornamental que disponibiliza a variedade de cores como a cor vermelha, rosa, amarela, branca, etc. Em seu nome, MIRABILIS JALAPA, do latim, significa maravilha ou admirável, e Jalapa é um nome de uma cidade mexicana, mas dizem que essa planta tem sido exportada a partir dos Andes Peruanos, em 1540.

Um aspecto curioso da flor maravilha mirabilis jalapa flor boa noite é uma planta ornamental que disponibiliza a variedade de cores como a cor vermelha Flor Maravilha é que as flores de diferentes cores podem ser encontradas simultaneamente em uma mesma planta. Além disso, uma flor sozinha pode ter manchas de cores diferentes. Outro ponto interessante é um fenômeno de mudança de cor, por exemplo, as flores amarelas, quando a planta amadurece, elas podem mudar gradualmente para uma cor rosa escura. Da mesma forma, as flores brancas podem mudar a luz violeta.

As folhas são ovais e opostas nos entrenós de sombra avermelhada.


Imagem relacionada

As flores tem formato de trombeta e podemos encontrar em diversas cores, como por exemplo branca, rosa, amarela e carmim, seguidas frutos globosos, pretos e duros.

Fecham as pétalas no final da tarde, daí um dos seus nomes populares.

A FLOR MARAVILHA MIRABILIS JALAPA FLOR BOA NOITE são cultivadas em canteiros em renques junto a muros, mas também em vasos em cultivo solitário ou em arranjos ornamentais com folhagens.
Seu florescimento vai do verão ao outono.


A FLOR MARAVILHA MIRABILIS JALAPA FLOR BOA NOITE origina da América do Sul tropical, mas tornou-se naturalizado em todas as regiões tropicais e regiões temperadas. Em regiões de clima temperado muito frias, maravilha morre nas primeiras geadas, na primavera seguinte, a partir das raízes tuberosas.

terça-feira, 12 de março de 2019

Saúde das árvores de S.Paulo - IPT

FONTE: SITE IPT

Resultado de imagem para TIPUANAS

Pesquisador do IPT estuda ação de fungos e cupins em tipuanas. 

Sete bairros paulistanos foram analisados


A ocorrência de fungos apodrecedores em tipuanas na cidade de São Paulo foi mais significativa em comparação à presença de cupins subterrâneos na amostragem de 1.109 árvores avaliadas nos bairros de Alto da Boa Vista, Alto da Lapa, Alto de Pinheiros, Cerqueira César, Paraíso, Pacaembu/Sumaré e Vila Nova Conceição: essa é uma das informações contidas na tese de doutorado de Sergio Brazolin, pesquisador do Laboratório de Preservação de Madeiras e Biodeterioração de Materiais do CT-Floresta. “O cupim aproveita o lenho previamente apodrecido pelos fungos para se alojar nas árvores. Podemos então dizer que o problema está nesses organismos, que deixam o lenho em um estado que pode ser classificado como “pré-digerido” para a alimentação dos cupins”, completa o biólogo.
A avaliação da biodeterioração do lenho das tipuanas em passeios públicos e a sua relação com o risco de queda foi o objetivo principal do estudo. A escolha da tipuana foi feita em função de a árvore ser a mais frequente em seis das sete regiões a serem avaliadas: os projetos de arborização urbana na maior parte destes bairros foram executados na década de 1930 pela incorporadora City, que escolheu a espécie pela sua robustez e resistência a stress urbano, além da questão estética (grande quantidade de flores amarelas).

Para a avaliação dos 1.109 exemplares de tipuanas, o pesquisador partiu de uma abordagem macroscópica baseada em conceitos de biomecânica (biologia e engenharia) onde foram observadas as condições de entorno, posições de inserção, execução de poda de galhos e raízes, presença de barreiras e injúrias. O próximo passo do pesquisador envolveu os exames microscópicos do lenho das árvores.
 
  • Risco de queda em árvores
 

Foram estudadas em lâminas as alterações causadas pela atuação de fungos, cupins e brocas na anatomia do lenho e nas propriedades físico-mecânicas das tipuanas, com o intuito de mensurar modificações no grau de resistência das árvores provocadas pelos organismos xilófagos (que se alimentam de madeira). Em seguida à quantificação e qualificação dos estragos, o pesquisador simulou matematicamente pelo Método de Elementos Finitos (MEF) apodrecimentos em uma árvore hipotética para verificar a distribuição de forças frente a intempéries como ventos e chuvas.

No final do estudo, o pesquisador compilou todos os conhecimentos e criou parâmetros para um técnico responsável pela arborização de uma cidade tomar decisões em campo quanto ao risco de queda da árvore. As conclusões apontaram que uma tipuana com diâmetro à altura do peito (DAP) acima de 70 cm tem uma probabilidade de deterioração externa comprometedora de 67%. Isso torna necessário priorizar esse exemplar em situações de avaliação de risco, assim como a presença externa de fungos e cupins simultaneamente, que trazem uma probabilidade de 42% da árvore apresentar risco máximo de queda.

Morte da árvore

O estudo mostrou ainda que uma quantidade significativa (79%) das tipuanas está plantada em canteiros inadequados dos passeios públicos, em áreas inferiores a três metros quadrados – espaço reduzido para uma espécie cuja altura média na cidade é de 12 a 14 metros, mas pode alcançar 40 metros – e 57% delas encontram-se em vias de tráfego intenso. No entanto, do total de 1.109 árvores estudadas, nenhuma delas apresentou características de declínio, ou seja, sinais de que estava morrendo em razão da presença de fungos, despejo de produto químico ou falta de espaço para crescimento da raiz. Segundo o pesquisador, isso confirma a ideia de que a tipuana é uma espécie robusta, mas ele chama a atenção para a constatação de um estado crítico em relação aos cupins e fungos.

“Esses organismos não afetam a saúde da árvore porque crescem no cerne, que é uma área morta. A parte viva é somente a externa”, explica Brazolin. “Apesar de as árvores analisadas estarem repletas de folhas e flores, o estado delas era crítico. Assim, é bom ressaltar que os organismos estudados podem ocasionar a queda, mas não a morte da árvore”.

O cupim subterrâneo Coptotermes gestroi e o fungo apodrecedor Ganoderma sp foram os gêneros mais encontrados nas árvores estudadas. O primeiro, relatado como praga há pelo menos 40 anos, chegou ao Brasil da Ásia provavelmente pelo Porto de Santos e não encontrou seus predadores naturais, enquanto o segundo está normalmente associado a injúrias causadas pelo homem às árvores, o que traz a questão da necessidade de programas de educação ambiental, acredita o pesquisador.

Brazolin ressalta que o trabalho não buscou avaliar as diferenças entre bairros, mas sim transformar conceitos complexos em algo útil: “Espero que a tese auxilie os responsáveis pela arborização urbana a tomar decisões por meio de parâmetros simples, mas com todo um conhecimento acadêmico incorporado. Com parâmetros visuais e outros de prospecção, será possível inferir o risco de queda da árvore”.

segunda-feira, 11 de março de 2019

Neem: benefícios da raiz às folhas

O neem é uma planta que traz benefícios medicinais, químicos e industriais, além de gerar renda para famílias que vivem em pequenas propriedades agrícolas

Árvore de Neem

A planta neem (ou nim), conhecida cientificamente como Azadirachta indica, é uma árvore do sudeste da Ásia e do subcontinente indiano. O neem é uma árvore de clima tropical, que pode ser cultivada em regiões quentes e solos bem drenados; ela é resistente à seca, tem crescimento rápido, copa densa e pode alcançar até 20 metros de altura. O neem tem capacidade para suportar condições extremas de calor e poluição da água, melhora a fertilidade do solo e reabilita terras degradadas. Além disso, essa árvore desempenha um papel importante no controle da erosão do solo, da salinização e prevenção contra os efeitos de inundações.
Poluição, extinção de animais, esgotamento dos recursos naturais, catástrofes climáticas e efeito estufa são alguns dos problemas que a humanidade vem enfrentando por conta de sua irresponsabilidade perante o meio ambiente. Com isso, a busca por recursos naturais que sejam renováveis e menos impactantes tem sido uma prática incessante. Uma das mais surpreendentes descobertas é essa árvore que tem potencial para amenizar danos ambientais e sanitários em âmbito global: o neem, que pode ser usado de várias maneiras em diferentes tipos de produtos.
Atualmente, existem grandes plantações de neem na Nicarágua, Cuba, El Salvador, Chile, Guatemala, Costa Rica, República Dominicana e até na Alemanha e nos Estados Unidos. No Brasil, a planta foi introduzida por Belmiro Pereira das Neves, em 1993, na luta contra o uso de agrotóxicos. Segundo ele, o neem pode ser usado não só na produção de pesticidas, mas também na agricultura familiar, pois a árvore produz sombra e frutos. O especialista na árvore neem destaca ainda que o neem também está sendo utilizado em áreas que sofreram processo de desertificação e em projetos de reflorestamento, em substituição ao pinus e ao eucalipto, pois seus frutos atraem os animais.
O neem tem muitos benefícios: sua madeira, prima do mogno, é resistente e sua semente, casca e folhas podem ser utilizadas na fabricação de utensílios, pesticidas, repelentes, fármacos (de função terapêutica), cosméticos, além da vantagem de sua cultura ser considerada de baixo custo.

Os diversos usos do neem

Medicinal

O neem é considerado eficiente na cura e prevenção de várias doenças, segundo artigo publicado pelo departamento de bioquímica da Universidade Estadual de Maringá e as literaturas a respeito dos efeitos farmacológicos e médicos observados no corpo humano pelos extratos das várias partes da planta de neem.
As folhas de neem, solúveis em água, possuem atividades antissépticas, curativas, antiúlcera, anti-inflamatória, hipolipidêmica, que agem no controle dos níveis de colesterol, e são hepatoprotetoras. Tal estudo aponta que os extratos das folhas de neem, aplicados no creme dental, reduzem a placa bacteriana e têm bons efeitos no tratamento de gengivites e periodontites.
Sobre os efeitos do extrato da casca de neem, foram observadas ações gastroprotetoras e inibição da ulceração gástrica. Além disso, alguns estudos apontam o extrato da casca de neem como um forte aliado no tratamento de diabetes. O óleo de neem, por sua vez, tem demonstrado efeitos de anti-infertilidade, sendo usado como espermicida e com atividade antimicrobiana significativa contra patógenos sexualmente transmissíveis.
Os extratos das folhas e sementes de neem também funcionam como repelente natural no uso doméstico, a exemplo da citronela, auxiliando no combate à malária, dengue, podendo também afetar o desenvolvimento do protozoário Trypanosoma cruzi, parasita vetor da doença de chagas.

Indústria de cosméticos

Os benefícios do neem na cosmética vem através de seu óleo, que pode ser utilizado principalmente para a fabricação de sabão, xampu, óleo para os cabelos, tônico capilar e óleo fortalecedor para as unhas. Leia mais na matéria: "Óleo de neem: para que serve e como usar".

Agropecuária

A pasta de neem tem sido empregada, na Índia, nas culturas de arroz e cana-de-açúcar desde 1930, visando o combate à Diatraea saccharalis, considerada uma das principais pragas da cana-de-açúcar e contra o cupim. O neem e seus derivados chegam a afetar mais de 400 espécies de insetos pertencentes às ordens Coleoptera, Deptera, Heteroptera, Homoptera, Hymenoptera, Lepidoptera, Orthoptera, Thysanoptera, Neuroptera, alguns aracnídeos e alguns fungos. Popularmente pode-se dizer que o uso do neem atua contra pernilongo, piolho, pulga e carrapatos. A torta (confira o significado mais abaixo) do neem tem uso variado, como fertilizantes, pesticidas naturais e na produção da ração animal - ela tem função vermífuga.

Benefícios sociais

Por sua alta resistência, a árvore de neem se adapta facilmente a diversas situações. Ela produz muitos frutos e suas folhas são vastamente utilizadas para extração de compostos e aplicáveis a diversos setores, como o farmacêutico, industrial e químico. Em razão de suas várias possibilidades de uso, destaca-se a relevância da árvore neem na zona rural também na geração de emprego e renda ao pequeno agricultor, além dos diversos benefícios descritos.

Química: o motivo de tantos benefícios

Após algumas pesquisas iniciais, em 1963 um cientista indiano examinou a fundo a química dos princípios ativos do neem e descobriu, por meio de uma pesquisa com gafanhotos, um agente inibidor do impulso de ingerir alimentos. Desde então, as pesquisas acerca desse tema se intensificaram. Vários compostos foram isolados e caracterizados - a maioria deles de biogenética semelhante aos liminóides (azadiractina, meliantriol, salanin etc), princípios amargos encontrados também em outras espécies botânicas. De acordo com os dados divulgados pela organização Neem Foundation, as folhas novas da árvore de neem possuem propriedades curativas para feridas e sarna, pois produzem flavonoides, que contêm propriedades antibacterianas e antifúngicas, e nimbosterol. Os liminóides, aponta a mesma organização, afetam a fecundidade em moscas domésticas e podem causar desordem hormonal nos insetos. Veja, a seguir, as principais propriedades químicas das partes do neem:

Folhas

Possuem muitos componentes, incluindo proteínas (7,1%), hidratos de carbono (22,9%), minerais, cálcio, fósforo, vitamina C, caroteno e aminoácidos, como o ácido glutâmico, tirosina, alanina, ácido aspártico, glutamina, cistina e também ácidos graxos.

Flores

Contêm nimbosterol e flavonóides e também produzem material ceroso e ácidos graxos, como beênico (0,7%), araquídico (0,7%), esteárico (8,2%), palmítico (13,6%), oleico (6,5%) e linoleico (8,0%).

Pólen

Contém vários aminoácidos, como o ácido glutâmico, tirosina, arginina, metionina, fenilalanina, isoleucina e ácido aminocapróico.

Casca

Contém taninos - polifenóis que protegem as plantas de ataques de animais herbívoros ou de micro-organismos patogênicos - (12-16%) e não-tanino (8-11%) e também polissacarídeos anti-inflamatório - este é constituído por glicose, frutose e arabinose. Produz ainda um polissacarídeo antitumoral e vários polissacarídeos. O cerne da casca de neem contém cálcio, potássio e sais de ferro.

Madeira

Contém celulose, hemicelulose (14%) e lenhina (14,63%).

Seiva

Contém açúcares livres (glucose, frutose, manose e xilose), aminoácidos (alanina, ácido aminobutírico, arginina, asparagina, ácido aspártico, glicina, norvalina, pralina, etc) e ácidos orgânicos (ácido cítrico, malônico, succínico e fumárico). A seiva do neem também é útil no tratamento de fraqueza e de doenças de pele.

Semente

Possuem elevado teor de lipídios e um grande número de princípios amargos em quantidades consideráveis. O principal elemento descoberto até agora nas sementes de neem é a azadiractina, que é um princípio amargo e mostrou, em estudos, eficácia no combate a 200 espécies de insetos.

Torta

Material restante após a extração do óleo do miolo das sementes de neem, a torta é usada como adubo orgânico e contém muitos nutrientes para as plantas, como nitrogênio (2-3%), fósforo (1%) e potássio (1,4%). Apresenta também ácido tânico (1-1,5%) e tem o maior teor de enxofre, de 1,07-1,36% a mais, que as tortas do petróleo.
A educação a respeito dos efeitos terapêuticos e benefícios do neem ainda se mostra incipiente. Mas agora que você já conhece a planta e sabe para que serve, que tal adotar o uso de produtos derivados da espécie, como sabonetes, óleos essenciais, repelentes ou extratos? Espalhe essa ideia e pratique o consumo consciente ao reduzir o uso de químicos sintéticos nocivos, seus impactos sobre a saúde e o meio ambiente.

domingo, 10 de março de 2019

Viver em cidades arborizadas beneficia o cérebro

Imbuia: planta, provedora de sombra, foi incluída na lista de espécies ameaçadas no Brasil | Foto: Zig Koch/Divulgação/CR

Sólidas e serenas, vivas e vibrantes. As árvores produzem nas pessoas um efeito calmante e positivo. Mas viver perto desses gigantes verdes gera impacto muito concreto na saúde, especialmente nos habitantes das cidades, segundo novo estudo, divulgado pela BBC Mundo. E as consequências vão desde mudar a qualidade e a temperatura do ar a influir no funcionamento do cérebro.
O estudo destacou três efeitos saudáveis no corpo humanos ao se viver perto das árvores. O primeiro deles é a redução da matéria particulada, um dos piores tipos de contaminação.
Uma árvore reduz a chamada matéria particulada ao seu redor de 7% e 24%, segundo um estudo publicado recentemente pela The Nature Conservancy (TNC), organização não-governamental que trabalha em escala global para a conservação da biodiversidade. Sediada nos Estados Unidos, tem atuação em 69 países. A investigação avaliou o impacto das árvores em 245 cidades ao redor do mundo.
O contaminante material particulado pode ser classificado em dois tipos. O mais grosso tem 10 ou menos micrômetros (um micrômetro é a milésima parte de um milímetro) de diâmetro, ou PM 10, e resulta do pó da construção e das ruas, entre outras fontes. Mas o tipo mais prejudicial de material particulado é chamado PM 2,5. Ele tem diâmetro de 2,5 ou menos micrômetros e resulta da queima de combustíveis fósseis e madeira, entre outras fontes.
Essas partículas finas em suspensão podem penetrar profundamente nos pulmões e estima-se que causem 3,2 milhões de mortes por ano mundialmente, segundo o estudo. O material PM 2,5 está associado a um risco maior de acidentes vasculares cerebrais, problemas cardíacos e enfermidades respiratórias como a asma.
Trata-se de um problema verdadeiramente global. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou, neste ano, que cerca de 90% da população ao redor do planeta, que vivia em centros urbanos em 2014, foi exposta a níveis de material particulado que excederam as recomendações da organização.
O estudo publicado pela TNC destaca que, em ruas com muito tráfego, as árvores devem ser plantadas de maneira espaçada, para impedir que as copas reduzam a circulação de ar.
Graus - O segundo grande efeito é a redução da temperatura em até 2 graus centígrados. O impacto das árvores na temperatura é crucial, dado que as ondas de calor matam cerca de 12 mil pessoas por ano e dificultam a vida de milhões. “A mudança climática fará com que o impacto dessas ondas de calor nas cidades seja ainda mais severo”, afirma o documento.
A OMS estima que as mortes anuais por ondas de calor nas cidades podem chegar a 260 mil pessoas (leia-se 2015), a menos que os centros urbanos tomem medidas para se adaptar às novas condições.
“Muitos estudos científicos demonstraram que a sombra das árvores, além da transpiração durante a fotossíntese, contribuem para reduzir a temperatura do ar e consequentemente o consumo de eletricidade para ar condicionado”, afirma a investigação da organização não-governamental.
Espírito - O terceiro efeito positivo é o bem-estar psicológico. “Não posso cuidar da minha saúde e do meu espírito a menos que passe ao menos quatro horas por dia na floresta, totalmente livre de compromissos mundanos”, escreveu no século XIX o americano Henry David Thoreau em seu livro clássico Walden, que relata sua experiência de viver dois anos em uma cabana construída por ele mesmo às margens do lago do mesmo nome, em Massachusetts.
Um estudo já conhecido, liderado pelo psicólogo ambiental Roger Ulrich na década de 1980, comparou pacientes de um hospital da Pensilvânia que haviam sido operados da vesícula. Aqueles que estavam em quartos com vista para árvores se recuperaram mais rapidamente que aqueles que estavam em quartos com janelas voltadas para edifícios.
Cérebro - E um estudo recente de Gregory Bratman, da Universidade Stanford, na Califórnia, mediu o impacto no cérebro de caminhar durante 90 minutos na natureza. Um grupo que caminhou em meio a árvores foi comparado com outro que andou em uma rua com muito tráfego. As pessoas que andaram na rua tiveram um aumento da atividade de ‘ruminar’ criticamente sobre si mesmo ou sobre eventos do passado - padrão negativo de pensamento vinculado à depressão.
Aqueles que caminharam entre as árvores tiveram menos tendência de ruminar pensamentos. O estudo também incluiu análise por ressonância magnética do cérebro dos participantes e constatou que os que caminharam na natureza mostraram uma atividade menor na região do cérebro associada à autocrítica e ao isolamento social comum de quem ‘rumina em excesso’.
A importância das árvores nas cidades não pode ser subestimada. Ainda mais levando em conta que atualmente 54% da população mundial é urbana e que essa porcentagem chegará a 66% em 2050, conforme a Organização das Nações Unidas (ONU). “Em muitas cidades o departamento de saúde está de um lado e as árvores do outro”, observa Rob Mc Donald, um dos autores do estudo publicado pela TNC.
“Uma das metas do nosso estudo é recordar às cidades que esses dois departamentos devem colaborar. “Se isso acontecer, minha esperança é que veremos um renascimento das plantações de árvores em centros urbanos”, conclui Mc Donald.
Redação Jornal Correio Riograndense

sábado, 9 de março de 2019

Conheces o camu-camu?? Mais uma riqueza da amazônia.


Resultado de imagem para camu camu
Nome científico: Myrciaria dubia

O camu-camu, caçari, ou araçá-d'água é uma pequena árvore pertencente a família Myrtaceae. Disperso em quase toda a Amazônia, é encontrado no estado silvestre nas margens dos rios e lagos. Em seu habitat natural a planta pode permanecer submersa por 4 a 5 meses! Por isso seu bom desenvolvimento está atrelado à água. Na terra firme, onde o camu-camu tem demonstrado boa adaptação, a floração ocorre durante praticamente o ano inteiro.

A árvore frutifica de novembro a março e os frutos têm valor nutritivo e sabor ácido, motivo pelo qual na  Amazônia peruana sejam bastante consumidos no preparo de refresco, sorvete, picolé, geléia, doce, licor, ou para conferir sabor a tortas e sobremesas. Aqui no Brasil, é mais costume que sejam tidos apenas como tira-gosto ou isca para peixe, sendo este o principal dispersor das sementes.

O valor mais latente em se consumir os frutos está no alto teor de vitamina C (30 vezes mais do que a laranja), geralmente com 2800 mg/ 100g de fruto, podendo chegar a mais de 6.000 mg/ 100 g do fruto, contra uma média de 1.700 mg/ 100 g da acerola. A fruta com mais alto teor de vitamina C no mundo é a australiana Kakadu plum, após ela é o Camu-camu!

Pomar de caqui com cobertura de amendoim forrageiro

Pomar de caqui com cobertura de amendoim forrageiro
Emater-Rio estimula a produção de caqui em Trajano de Moraes




 Atualizado em 04/09/2012 - 13:22h



Dia de campo sobre a cultura da fruta reúne agricultores da microbacia Alto Macabu





A Emater-Rio, empresa vinculada à secretaria estadual de Agricultura, e a Prefeitura de Trajano de Moraes promoveram, na última sexta-feira (31/8), na localidade de Gravatá, na microbacia Alto Macabu, o terceiro encontro técnico do caqui. Os trabalhos foram conduzidos pelo engenheiro agrônomo e supervisor regional da Emater-Rio na Serra, Alexandre Jacintho Teixeira, autor de uma cartilha sobre cultivo do caqui, publicada pela Emater-Rio em parceria com o Sebrae-RJ.





Na ocasião, Alexandre explicou como é feito o controle fitossanitário e a prática de poda do caquizeiro. Durante a parte teórica, ele falou sobre as duas principais doenças que podem acometer a lavoura de caqui (cercosporiose e antracnose), além de algumas pragas como a lagarta dos frutos, tripes e cochonilhas.

A segunda parte foi prática, onde os participantes acompanharam as demonstrações de poda. Segundo Alexandre, após a poda é recomendável fazer dois procedimentos de pulverização no pé de caqui, utilizando defensivos agrícolas alternativos: o primeiro, com a calda bordalesa; e o segundo, após 30 dias, com a calda sulfocálcica.



- Essa técnica protege a planta e ajuda com eficiência no controle de pragas e doenças - afirmou.

Um das propriedades visitadas foi a da produtora rural Rosimar Fonseca Ouverney, que vive há 30 anos na região com a família. Há quatro anos, ela e o marido introduziram o amendoim forrageiro na lavoura do caqui, uma das técnicas sustentáveis de adubação incentivada pelo Programa Rio Rural.

- Se a poda não for realizada, os frutos tendem a ser mais fracos e suscetíveis a doenças. Além de facilitar a colheita, esse manejo aumenta a produtividade em longo prazo, já que a planta fica mais exposta à luminosidade - explicou a agricultora.

O próximo dia de campo sobre caqui está previsto para 6 de setembro (quinta-feira), às 10h, na localidade Tirol, em Trajano de Moraes.   fonte: http://www.rj.gov.br/web/seapec/exibeconteudo?article-id=1137457

quinta-feira, 7 de março de 2019

Iniciando o cultivo da Pitaya. Conheces??

 Ganhei umas mudas de pitaya do amigo Clóvis, vamos cultivar.Resultado de imagem para Pitaia

 

Cultivo da Pitaya


A planta que produz a pitaya é uma cactácea originária da América Tropical e Subtropical. A pitaya vermelha (Hylocereus undatus) é uma excelente alternativa para a diversificação da propriedade rural e aumento de renda do produtor.

 Apesar do custo elevado na implantação do pomar, o retorno ao produtor pode ser muito bom, pois a pitaya atinge preços elevados no mercado (Tabela 1), porém seu mercado ainda é pequeno. No Brasil, o cultivo da pitaya teve início na década de 90, tendo sua produção concentrada no Estado de São Paulo, principalmente na região de Catanduva.

É uma planta perene, trepadeira, com caule classificado morfologicamente como cladódio, de onde se originam várias raízes adventícias que ajudam na absorção de nutrientes e fixação da planta em um tutor. O fruto tem sabor adocicado e suave, aparência exótica, propriedades organolépticas, sendo rico em vitaminas, com polpa firme e rico em fibras, com excelentes qualidades digestivas e de baixo teor calórico, além de muitas sementes com ação laxante.

Segundo o conhecimento popular apresenta propriedades medicinais como melhora de gastrites, prevenção contra o câncer de cólon e diabetes, neutralização de substâncias tóxicas como metais pesados, redução dos níveis de colesterol e pressão alta, além dos cladódios e as flores serem utilizados contra problemas renais.


Existem diversos tipos de pitaya, sendo agrupados em quatro gêneros: Stenocereus, Cereus, Selenicereus e Hylocereus. As principais espécies comerciais são a pitaya vermelha com polpa branca (Hylocereus undatus), pitaya vermelha com polpa vermelha (Hylocereus costaricensis), pitaya amarela (Selenicereus megalanthus) que apresenta casca amarela e polpa branca e, a pitaya-do-cerrado ou saborosa (Selenicereus setaceus) que pode ser encontrada vegetando naturalmente em regiões do Brasil.

A pitaya é uma frutífera perene e possui expectativa de produção por aproximadamente 15 anos, por isso no planejamento devem ser levados em consideração diversos fatores para garantir o sucesso da implantação e condução do pomar. É necessário obter informações sobre a comercialização de frutas na região, definir o número de plantas de acordo com o tamanho da área e o espaçamento que será utilizado, evitar solos rasos sujeitos a encharcamento e regiões que ocorram geada e outros fatores que serão tratados no decorrer deste texto.

Ao preparar o solo, deve-se tomar cuidado para não se arrastar a camada fértil. São recomendadas duas arações profundas, seguidas de duas gradagens. Nesta ocasião, e, de acordo com os resultados da análise de solo, devem ser feitas as aplicações parceladas de calcário (50 % antes da aração e a outra metade na gradagem) e adubação fosfatada em área total.

A pitaya apresenta bom desenvolvimento em temperaturas médias entre 18 a 26ºC. A floração é estimulada por altas temperaturas, sendo que a maturação completa do fruto ocorre de 30 a 40 dias após a abertura da flor. Necessita de pluviosidade variando entre 1200 a 1500 mm ao ano, porém, por ser uma planta com boa rusticidade, também se adapta em climas mais secos.

O método mais utilizado de propagação da pitaya é através de estacas (cladódios). Normalmente utiliza-se cladódios de aproximadamente 25 cm, colocados em sacos de polipropileno preto (15 cm de diâmetro x 20 cm de altura) completos com substrato que apresente boa drenagem e umidade durante o período de enraizamento e desenvolvimento da muda. O substrato comumente utilizado para a formação das mudas é terra, areia peneirada e esterco bovino na proporção 3:3:1, e os sacos devem ser mantidos sob 50% de luminosidade e diariamente irrigados. A utilização de estavas mais jovens apresenta 35% mais raízes que estacas mais velhas.

Resultado de imagem para Pitaia

Marcação e preparação das covas

Deve-se definir o espaçamento, sendo recomendado os espaçamentos 3 m x 3 m ou 2 m x 3 m, e, após esta definição deve ser feita a demarcação das covas, que pode ser realizada com um alinhamento paralelo aos carreadores em terrenos planos e quando o terreno apresenta declive uniforme (Figura 1), podem-se utilizar linhas retas paralelas às linhas de nível (Figura 2). As covas podem ser feitas com sulcador, brocas mecânicas ou manualmente com dimensão mínima de 60 x 60 x 60 cm. Para assegurar um bom desenvolvimento da planta recomenda-se a utilização de 20 L de matéria orgânica (esterco de curral), 500 g de calcário dolomítico e adubação química com 300 g de superfosfato simples e 50 g de um composto de micronutrientes em cada uma das covas.


 

                        Figura 1 – Alinhamento em retas paralelas à linha de nível.  Fonte: Pasqual et al. (2000).

Plantio e tutoramento da muda

No tutoramento, podem ser utilizados mourões de madeira tratada, postes de concreto e até caules de frutíferas, com aproximadamente 1,80 m de altura com uma trave no topo, para dar sustentação às brotações produtivas (Figura 3).

O tutoramento da planta é feito através do amarrio com barbante ou fitilho ao mourão, conforme o crescimento da planta. Nesta fase de crescimento vertical ocorrerá o aparecimento de brotações laterais, que devem ser retiradas com o auxílio de uma tesoura de poda. Quando a planta alcançar a trave de sustentação que pode ser uma cruzeta de madeira ou mesmo pneu, deverão ser deixados todos os brotos acima desta, que penderão sobre a mesma, sendo responsáveis pela produção dos frutos da pitaya. É importante lembrar por absorver muita radiação solar, o pneu só é recomendado para plantios não comerciais, de fundo de quintal. Todas as brotações laterais abaixo da trave também devem ser retiradas, para que não haja competição com os ramos produtivos.




                      Figura 3 – Tutoramento da pitaia utilizando mourões. Fonte: Moreira et al. (2012).


Colheita e pós-colheita

O pico de produção destas frutas ocorre entre os meses de dezembro a maio. O ponto de colheita da pitaya vermelha é determinado quando o fruto atingir a coloração de rosa a vermelho intenso da casca, polpa branca, e com textura ainda firme. Este período pode ter variações dependendo da variedade da pitaya cultivada.

É importante que a colheita da pitaya seja realizada na época correta, pois caso contrário, ela não completará seu amadurecimento após a separação da planta. O fruto colhido pode resistir, sem que haja perda da qualidade, durante 6 a 8 dias em armazenamento em temperatura ambiente, devendo-se tomar cuidados no manuseio do fruto, no momento da colheita e transporte, para evitar danos físicos, como abrasões, cortes ou esmagamento, fatores que podem diminuir a qualidade após a colheita. O armazenamento do fruto em temperaturas de 8°C pode aumentar o tempo de prateleira do fruto.

Referências

CAVALCANTE, Í. H. L. Pitaya: Propagação e crescimento de plantas. 2008. 94 p. Dissertação (Doutorado em Produção Vegetal) - Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Jaboticabal, 2008.

LIMA, C. A. Caracterização, propagação e melhoramento genético de pitaya comercial e nativa do Cerrado. Brasília: Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, 2013, 124p. Tese de Doutora.

MARQUES, V.B. Propagação seminífera e vegetativa de Pitaia (Hylocereus undatus (Haw.) Britton & Rose). Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG. 2007. p. 36-47. Disponível em: .
Acesso em: 13 ago. 2013.

MOREIRA, R. A.. Cultivo da pitaia: implantação. Boletim Técnico - n.º 92 - p. 1-16 ano 2012, Lavras/MG. Disponível em:
.
Acesso em: 13 ago. 2013.

PASQUAL, M.; CHALFUN, N. N. J.; RAMOS, J.D.; VALE, M. R. do; C. R. R. Implantação de pomares e tratos culturais especiais. 2007. 107 p. Curso de Pós-Graduação “Lato Sensu” (Especialização em Fruticultura Comercial) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2000.


Nilo Corrêa da Silva Rossetti
Graduando em Engenharia Agronômica
Estagiário da Casa do Produtor Rural
Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” – ESALQ/USP

Orientação: Profa. Dra. Simone Rodrigues da Silva, Departamento de Produção Vegetal - LPV, ESALQ/USP.
Colaboração: Gabriel Vicente Bittencourt de Almeida – CEAGESP – SP.
Acompanhamento técnico: Fabiana Marchi de Abreu – Casa do Produtor Rural.
Coordenação editorial: Marcela Matavelli – Casa do Produtor Rural.

É proibida a reprodução, total ou parcial, deste conteúdo sem prévia autorização da Casa do Produtor Rural – ESALQ/USP.

Pitaia: A fruta da moda! Conheça mais sobre os seus benefícios para a saúde!!

Fonte: site conquiste sua vida





A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
 
 
Fruta exótica, gostosa e muito atraente, as qualidades da pitaia (ou pitaya) são gigantescas para saúde e, por isso, se tornou uma nova moda das dietas. Com sua cor forte e sabor adocicado, o alimento é uma fonte inesgotável de nutrientes para o nosso organismo, ajudando a torná-lo mais saudável e nutrido. Conheça os benefícios da pitaia e descubra as melhores formas para consumi-la em um plano alimentar equilibrado.

Originada da América Central e América do Sul, a pitaia pertence a família Cactaceae. Também conhecida como "Fruta do Dragão", por ser um fruto rústico e atrativo, ela possui algumas variações em sua aparência, podendo aparecer com a casca vermelha e polpa branca, casca e polpa vermelha e casca amarela com espinhos e polpa branca. Segundo a nutricionista Sheila Basso, a pitaia atrai a curiosidade das pessoas pelo seu aspecto peculiar, porém, além da sua apresentação, ela também é uma boa fonte de substâncias benéficas e importantes que proporcionam o bem-estar do nosso organismo:

"A pitaia possui ações benéficas em pessoas que possuem gastrite, ajuda a reduzir os níveis de colesterol, diminui a pressão arterial, também ajuda na prevenção de câncer de cólon e nos problemas renais. Esses benefícios são devidos, principalmente, ao elevado teor de vitaminas e à ação laxativa", explica a profissional destacando outros benefícios da fruta:


A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar

5 benefícios da pitaia para sua saúde

1 - Ajuda no processo digestivo: Por ser rica em fibras alimentares, o consumo da pitaia favorece o trânsito intestinal, proporciona saciedade e diminui a propensão da constipação. As fibras ainda são responsáveis por prevenirem as doenças cardiovasculares e deixar o nosso coração saudável.

2 - Favorece o emagrecimento saudável: Além de ser extremamente saborosa, a pitaia possui um baixo teor calórico, podendo ser consumida sem peso na consciência, principalmente pelas pessoas que desejam perder os indesejáveis quilinhos.

3 - Fortalece o sistema imunológico: Fonte de vitamina C, o consumo da pitaia ajuda a deixar nosso organismo mais saudável, livre de gripes e resfriados. Além disso, impulsiona o sistema de defesa do nosso corpo, impedindo as ações dos radicais livres e diminuindo os riscos de doenças como câncer, por exemplo.

4 - Previne o diabetes: As fibras alimentares encontradas na composição da fruta ajudam no controle dos níveis de açúcar na corrente sanguínea, reduzindo os riscos de diabetes. Outro destaque é que, após o consumo de alimentos de alto índice glicêmico, a pitaia previne os picos de açúcar no sangue.

5 - Combate a anemia: Rica em ferro, o consumo regular da pitaia pode ajudar na prevenção da anemia. O mineral é fundamental para o bem-estar do nosso corpo, pois atua na síntese das células vermelhas do sangue e no transporte de oxigênio para todas as células.


 A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar

Como consumir a pitaia? In natura, como suco e smoothie!

Saudável e muito saborosa, não faltam maneiras de consumir a fruta e acrescentá-la no seu dia a dia. Confira algumas maneiras bem práticas:

- In natura: A fruta é gostosa e pode ser consumida em sua forma natural. Apenas a polpa deve ser consumida.

- Suco da fruta: Você pode preparar um suco com a polpa da pitaia e incluir diversos outros ingredientes. Pode ser feito com água de coco, por exemplo, acrescendo folhas de hortelã ou pedaços de gengibre.

- Smoothie de pitaia: Com bananas congeladas, o smoothie da fruta é extremamente saboroso. Ao acrescer as bananas, você torna a bebida mais cremosa. Experimente!

*Sheila Basso (CRN 21.557) é especialista em nutrição clínica e em obesidade, emagrecimento e saúde pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).



A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
A pitaia é uma fruta exótica e que, cada vez mais, faz parte do dia a dia de quem se preocupa com a saúde alimentar
Fruta exótica, gostosa e muito atraente, as qualidades da pitaia (ou pitaya) são gigantescas para saúde e, por isso, se tornou uma nova moda das dietas. Com sua cor forte e sabor adocicado, o alimento é uma fonte inesgotável de nutrientes para o nosso organismo, ajudando a torná-lo mais saudável e nutrido. Conheça os benefícios da pitaia e descubra as melhores formas para consumi-la em um plano alimentar equilibrado.
Originada da América Central e América do Sul, a pitaia pertence a família Cactaceae. Também conhecida como "Fruta do Dragão", por ser um fruto rústico e atrativo, ela possui algumas variações em sua aparência, podendo aparecer com a casca vermelha e polpa branca, casca e polpa vermelha e casca amarela com espinhos e polpa branca. Segundo a nutricionista Sheila Basso, a pitaia atrai a curiosidade das pessoas pelo seu aspecto peculiar, porém, além da sua apresentação, ela também é uma boa fonte de substâncias benéficas e importantes que proporcionam o bem-estar do nosso organismo:
"A pitaia possui ações benéficas em pessoas que possuem gastrite, ajuda a reduzir os níveis de colesterol, diminui a pressão arterial, também ajuda na prevenção de câncer de cólon e nos problemas renais. Esses benefícios são devidos, principalmente, ao elevado teor de vitaminas e à ação laxativa", explica a profissional destacando outros benefícios da fruta:

5 benefícios da pitaia para sua saúde

1 - Ajuda no processo digestivo: Por ser rica em fibras alimentares, o consumo da pitaia favorece o trânsito intestinal, proporciona saciedade e diminui a propensão da constipação. As fibras ainda são responsáveis por prevenirem as doenças cardiovasculares e deixar o nosso coração saudável.
2 - Favorece o emagrecimento saudável: Além de ser extremamente saborosa, a pitaia possui um baixo teor calórico, podendo ser consumida sem peso na consciência, principalmente pelas pessoas que desejam perder os indesejáveis quilinhos.
3 - Fortalece o sistema imunológico: Fonte de vitamina C, o consumo da pitaia ajuda a deixar nosso organismo mais saudável, livre de gripes e resfriados. Além disso, impulsiona o sistema de defesa do nosso corpo, impedindo as ações dos radicais livres e diminuindo os riscos de doenças como câncer, por exemplo.
4 - Previne o diabetes: As fibras alimentares encontradas na composição da fruta ajudam no controle dos níveis de açúcar na corrente sanguínea, reduzindo os riscos de diabetes. Outro destaque é que, após o consumo de alimentos de alto índice glicêmico, a pitaia previne os picos de açúcar no sangue.
5 - Combate a anemia: Rica em ferro, o consumo regular da pitaia pode ajudar na prevenção da anemia. O mineral é fundamental para o bem-estar do nosso corpo, pois atua na síntese das células vermelhas do sangue e no transporte de oxigênio para todas as células.

Como consumir a pitaia? In natura, como suco e smoothie!

Saudável e muito saborosa, não faltam maneiras de consumir a fruta e acrescentá-la no seu dia a dia. Confira algumas maneiras bem práticas:
- In natura: A fruta é gostosa e pode ser consumida em sua forma natural. Apenas a polpa deve ser consumida.
- Suco da fruta: Você pode preparar um suco com a polpa da pitaia e incluir diversos outros ingredientes. Pode ser feito com água de coco, por exemplo, acrescendo folhas de hortelã ou pedaços de gengibre.
- Smoothie de pitaia: Com bananas congeladas, o smoothie da fruta é extremamente saboroso. Ao acrescer as bananas, você torna a bebida mais cremosa. Experimente!
*Sheila Basso (CRN 21.557) é especialista em nutrição clínica e em obesidade, emagrecimento e saúde pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).