quarta-feira, 17 de julho de 2019

Pó de Rocha: ADUBO com Tecnologia de ponta; saiba mais

Extraído de :http://www.radiocoracao.org/noticias/po-de-rocha-tecnologia-de-ponta-saiba-mais

Os solos mais ricos e férteis do mundo tiveram sua origem numa rocha vulcânica e extremamente dura: o basalto!

Na natureza, para se formar um centímetro de solo a partir da decomposição da rocha, os geólogos e pedólogos afirmam serem necessários cerca de 500 a 1.200 anos, dependendo da intensidade das reações químicas e biológicas de decomposição.
É fantástica a quantidade de elementos minerais nutritivos encontrados no basalto. Aqui no Brasil são poucas ainda as referências de sua utilização em escala comercial na agricultura. Na Europa, sua utilização pode ser considerada uma prática convencional de muitos agricultores.

Mais impressionante ainda é a capacidade que o pó de basalto possui em recuperar solos que foram empobrecidos pelos processos de erosão, lixiviação, acidificação natural ou pela aplicação de fertilizantes químicos, e principalmente pela exportação contínua de nutrientes pelas colheitas.

Num processo convencional de produção de alimentos, são fornecidos às plantas apenas nitrogênio, fósforo e potássio, chamados de NPK, tornando o solo e sua produção desequilibrados e enfermos. Sabemos que, para uma planta desenvolver-se sadia e equilibrada necessita de 45 micro e macronutrientes, dos quais podemos encontrar no pó de basalto.
A importância do solo é muito grande, para toda cadeia alimentar, dentro desta cadeia está o homem, que depende totalmente dele para se alimentar. Do equilíbrio do solo depende toda a vida na Terra. Assim, as plantas crescerão sadias e sem doenças, biologicamente completas. Terão quantidades e proporções ideais de minerais para alimentar qualquer animal e mantê-lo sadio, sem doenças e com vitalidade.
Só para dar um exemplo da importância do solo na cadeia alimentar do homem, os solos carentes de magnésio vão produzir culturas deficientes deste mineral, e os animais que delas se alimentarem tornar-se-ão carentes. No homem, as carências de magnésio provocam doenças como: hipertensão, artrose, artrite e muitas outras, uma vez que efetua mais de 300 funções no organismo humano.
A presença de uma ampla diversidade de elementos químicos no pó de rocha, com destaques para os elevados teores de fósforo (cerca de 60 vezes mais que um solo de ótima fertilidade), cálcio (10 vezes mais), magnésio (20 a 40 vezes mais), enxofre, potássio, boro, ferro e principalmente o silício, numa proporção elevada de óxidos de silício (7,8%), além de titânio, lítio, cobalto, iodo e tantos outros elementos que a ciência agronômica ainda não estudou os efeitos sobre as plantas.

O resultado imediato da aplicação do pó de basalto é o desenvolvimento abundante de raízes das plantas, tornando-as capazes de aumentarem a absorção de nutrientes e conseqüentemente sua capacidade produtiva. 

Estudos recentes no Brasil o indicam como potencial recuperador de pastagens e de canaviais. A liberação dos nutrientes do pó de basalto é gradual e contínua. As pesquisas apontam que os melhores efeitos são obtidos com o pó de basalto de granulometrias variáveis, isto é, uma mistura de grãos finos e grãos mais grossos.
As partículas mais finas têm uma liberação mais rápida de nutrientes, enquanto que os grãos maiores vão liberando seus nutrientes lentamente, de forma homeopática.
Mas o maior benefício do basalto é mesmo a produção de alimentos muito mais sadios e riquíssimos em nutrientes, tornando as pessoas e os animais que deles se alimentam igualmente sadios e bem nutridos. Plantas mais sadias, resistentes ao ataque de doenças e pragas.
O pó de pedra ou de rocha, não deve ser e não é apresentado como uma receita pronta e completa para o desenvolvimento da agricultura, como foi implantada pelas grandes empresas a revolução verde, com o uso de adubos químicos e venenos. O maior ou menor resultado do uso de pó de rocha nas culturas, não depende exclusivamente do seu uso ou não, mas também da vida biológica do solo. Num solo muito pobre e desgastado, a reação será menor, ao contrário que num solo vivo, que contenha matéria orgânica, sem uso de químicos, venenos e adubação verde.
A idéia de que existe uma receita pronta, deve ser desmistificada, as dosagens de pó de rocha devem ser testadas em cada propriedade, começando com pequenas quantidades e ir aumentando até obter o resultado esperado.

Antonio Weber – Agroecologista com certificação orgânica (IBD
Cultivamos idéias, ideais & plantas...
O maior ou menor resultado do uso de pó de rocha nas culturas, não depende exclusivamente do seu uso ou não, mas também da vida biológica do solo.

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Fisalis resiste ao frio de Porto Alegre!


Olhem só plantei esta muda no meu trabalho e ela segue produzindo mesmo sob um outono com acentuado frio.
Quer saber mais sobre fisalis?


Camapu ou fisalis , planta da região amazônica, estimula produção de novos neurônios



SUSTÂNCIA ENCONTRADA EM PLANTA DO CAMAPU PODERÁ SER USADA EM FITOTERÁPICOS PARA O COMBATE DE DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS COMO O MAL DE ALZHEIMER





Reprodução
A planta do camapu, fruto muito comum no Norte do País, pode estimular a criação de neurônios


Astrapéia – Dombeya wallichii sofre com a geada!!!



Astrapéia – Dombeya wallichii

Fonte: site jardineiro
 
 Dombeya wallichii, Astrapéia-rosa, Dombéia, Flor-de-abelha
A astrapéia é uma arvoreta ou arbusto de ótimas características ornamentais, que se espalhou pelo mundo por sua exuberância e popularidade. Ela apresenta ramos pubescentes, e porte pequeno para um árvore, alcançando cerca de 2 a 5 metros de altura. As folhas são grandes, cordiformes, perenes, de cor verde brilhante e pubescentes na página inferior. As inflorescências surgem no outono e inverno, e são umbeliformes, sustentadas por longos pedúnculos, pendentes, globosas e com numerosas flores de cor rosa a avermelhada, ricas em néctar e delicadamente perfumadas. Produz frutos do tipo cápsula, que se dividem em cinco partes.
A astrapéia é uma árvore de rápido crescimento e baixa manutenção, que se destaca principalmente em plantios isolados, mas que pode ser parcialmente sombreada por outras árvores ou construções. As inflorescências pendentes atraem muitas abelhas e possuem perfume agradável e suave, que lembra o côco. As flores velhas permanecem nos ramos, adquirindo uma cor amarronzada e devem ser removidas para um melhor aspecto da planta. Além disso essas flores velhas podem desprender um odor desagradável e atrair moscas. Com podas regulares de formação, é capaz de adquirir porte e formato arbustivo. Há diversos híbridos comerciais disponíveis.

Que tal ganhar dinheiro fazendo o que mais ama?

Jardinagem e Paisagismo

Se você adora estar entre as plantas e sujar as mãos de terra como eu, pode transformar a sua vida agora mesmo através da profissionalização. Seja feliz hoje, não deixe para depois.
Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia sombra, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Sendo de clima subtropical, a folhagem da astrapéia não é muito resistente a geadas fortes. Fertilizações na primavera e verão estimulam um crescimento saudável e florações exuberantes. Multiplica-se por sementes e mais facilmente por alporquia e estaquia de ramos semi-lenhosos ou de ponteiros.

segunda-feira, 8 de julho de 2019

O Manacá da Serra

Lindo exemplar plantado por moradores na ru Fernando Machado em Porto Alegre RS.

Site: Ponto Garden

O manacá-da-serra (Tibouchina mutabilis) é uma árvore originária do Brasil, é uma Angiosperma e pertence à família Melastomataceae, ao gênero da quaresmeira.
manacadaserra.jpgO Manacá-da-serra (Tibouchina mutabilis) é uma arvore originária do Brasil, é uma Angiosperma e pertence à família Melastomataceae, ao gênero da quaresmeira (Tibouchina granulosa) e da orelha-de-onça (Tibouchina holosericea). Pode atingir de 2 até 15 m de altura. Possui flores brancas e rosas. A flor de centro branco e pétalas azuis muda de cor após fecundada. Floresce durante o inverno e podendo florescer na primavera e no verão, com flores que variam do branco ao lilás colorindo a mata.

A multiplicação pode ser feita por sementes ou por estacas. Devido ao porte alto e sistema radicular não agressivo, é muito usada como ornamental em jardins e ainda na arborização urbana, não danificando as calçadas. Podemos encontrar também o manacá-da-serra-anão, que possui flores menores, assim como o porte, em torno de 3 metros, muito recomendado para áreas menores, como pequenos jardins e vasos grandes.

Como cuidar – quando plantar no chão recomenda-se a utilização de um substrato ou terra preparada com adubo que contenha mais fósforo para agilizar o enraizamento. Regar todos os dias até o seu enraizamento (aproximadamente 1 mês). Após 1 mês iniciar a adubação com N-P-K mais micronutrientes, na dosagem recomendada pelo fabricante.
No caso de ser plantada em vaso, o cuidado deve ser maior, a freqüência de rega deve ser aumentada, principalmente quando a planta estiver mais desenvolvida. A adubação segue o mesmo princípio da rega, quanto maior a planta, maior a freqüência. Recomenda-se a adubação a cada 15 dias conforme a dosagem do fabricante, detalhe importante é escolher o adubo com N-P-K mais micronutrientes.

Pode ser podada para deixar na altura desejada. Recomenda-se fazer a poda sempre após a floração, deixando sempre algumas folhas para a árvore continuar sobrevivendo, se possível utilizar uma tesoura bem afiada e em seguida utilizar calda bordaleza para a cicatrização e evitar fungos.

sábado, 6 de julho de 2019

Sete cuidados especiais para ter com as plantas no inverno!!

Fonte site plantei 




Diferentes estações do ano requerem diferentes cuidados com as plantas da casa. No inverno a importância dos cuidados é ainda maior, já que as plantas se tornam sensíveis nessa época do ano.
O Brasil, sendo um país muito grande, apresenta ainda diferentes invernos. Alguns são secos, outros são úmidos, alguns demoram bastante para passar e outros não possuem mais que algumas semanas de frio. Em especial naqueles que ocorrem ventos e temperaturas baixas durante a noite, é fundamental proteger as plantas dessas intempéries.

Como o frio danifica as plantas

A quantidade de frio que um vegetal tolera depende de sua espécie. Plantas mediterrâneas toleram temperaturas entre 10 e 12ºC, já plantas tropicais entre 20 e 22ºC. As que são adaptadas à ambientes frios chegam a aguentar até -5ºC sem apresentar problemas.
Primeiramente é necessário sabermos como o frio machuca sua planta. Dessa forma saberemos como proceder se uma eventual situação diferente das que citarmos mais para frente ocorrer.
Os vegetais possuem 80% de seu peso constituído por água. Este elemento influencia o crescimento, desenvolvimento e reprodução das plantas. Baixas temperaturas afetam o fluido, congelando-o e consequentemente as células das plantas.
Em climas mais frios onde ocorre geadas, a fina película de gelo que se forma com a queda da temperatura acaba cobrindo toda a planta e faz com que a radiação solar tenha seus efeitos amplificados, queimando sua superfície. O vento também faz com que a temperatura sentida pela planta seja menor ainda que a temperatura do ambiente.
Vamos então às dicas para manter suas plantas saudáveis e vigorosas durante os períodos de frio:

1. Traga suas plantas para dentro.

Flores em vasos e plantas suspensas podem ser trazidas para dentro de casa. Coloque as que necessitam de sol mais perto da janela, mas se lembre que temperaturas extremas deixam as janelas bem frias o que pode danificar sua planta.
Antes de trazê-las para dentro de casa certifique-se que as plantas não possuem pragas, estejam limpas e sem ramos ou folhagem mortas ou doentes.

2. Cubra o solo com folhas (cobertura morta).

Isso mantem o solo quente e retém a umidade. Essa dica vale para arbustos, folhagens e também para gramados. Especialmente nos gramados, evite regar constantemente, fazendo isso apenas quando as folhas começarem a se enrolar.

3. Cubra suas plantas durante a noite com cobertores, lonas ou tecidos de tnt.

Esta dica é direcionada à plantas tropicais, que são bem sensíveis a temperaturas baixas. Os cobertores previnem a formação da geada e inibem a ação do vento. Não se esqueça de destapá-las durante o dia.

4. Construa uma “casinha” para suas plantas ou uma estufa.

Barreiras totalmente sólidas inibem completamente a ação dos ventos gélidos. Esta é uma boa solução para hortas e pequenos jardins que podem ser manipulados.

5. Regue abundantemente o solo (e não as folhas e flores).

Faça isso pela manhã, pois a rega pela tarde e pela noite deixa o solo muito úmido favorecendo o aparecimento de pragas. Regar no período correto também causa o derretimento da geada antes da incidência do sol e a consequente queimadura (aqui vale regar as folhagens).
Sabe como facilitar esse tipo de rega? Com os produtos auto irrigáveis, mais tranquilidade para você e sua plantinha 🙂 Confira > Vaso Auto Irrigável

6. Forneça uma fonte de calor.

Lâmpadas ou um melhor posicionamento são as sugestões. Realizar a poda de galhos mortos, malformados ou doentes também melhoram a incidência solar sobre a planta.

7. Escolha plantas adaptadas ao frio.

Essas plantas possuem maneiras de criar uma “bolsa de ar” em seu exterior, aguentar uma maior formação de gelo intracelular e tem suas folhas com uma menor área de exposição. Camélia, amor-perfeito, boca-de-leão e hamamélis (ou flor-do-inverno) são algumas sugestões de plantas para cultivo em climas frios.
Ao adquirir uma planta nova, não se esqueça de perguntar ao vendedor sobre suas características e cuidados no cultivo em todas estações.
Mantenha os cuidados de temperatura todo o ano através das previsões do tempo. Não é apenas no inverno que as temperaturas podem cair e o melhor é não ser surpreendido.

sexta-feira, 5 de julho de 2019

Qual a diferença entre geada branca e geada negra?

Fonte:clima tempo

A geada é um fenômeno tipicamente de dias muito frios, em geral com temperatura do ar abaixo de 5°C e pode causar grandes prejuízos para a agricultura e pecuária, pois queima os pastos. Existe geada branca e geada negra. Qual a diferença entre estes dois fenômenos?


O que é a geada?

Geada é o congelamento do orvalho sobre qualquer superfície. A camada de gelo que se forma danifica a pintura dos carros e outros metais e queima a vegetação, podendo causar grandes prejuízos para a agricultura e pecuária dependendo de sua intensidade e frequência de ocorrência.





A geada é um fenômeno associado ao forte resfriamento do ar e do solo e por isso a época mais comum de ocorrência no centro-sul do Brasil é durante o outono e o inverno. Porém,  o fenômeno pode ocorre em qualquer lugar e em qualquer época do ano, desde que as condições atmosféricas sejam adequadas.





A geada branca é a mais comum e, quando acontece com moderada a forte intensidade, deixa os gramados e os capôs dos carros branquinhos. Este é um fenômeno típico de noites calmas, com vento fraco, com pouca ou nenhuma nebulosidade no céu. Pode gear em cidades litorâneas, mas não na areia da praia.





A geada branca derrete pouco a pouco com o calor do sol. Quando há muita geada, numa grande área, o derretimento pelo sol cria uma paisagem esfumaçada, como se muitas chaminés estivessem soltando fumaça.  Telhados e gramados ficam enfumaçados.





O que é geada negra?

A geada negra é a queima da vegetação por ação de ventos frios muito fortes. Pode ocorrer mesmo durante o dia.  É um fenômeno pouco comum associado com a ocorrência de ventos moderados a fortes e muito frios provocados pela chegada de fortes massas frias de origem polar. Quando ocorre a geada negra, a vegetação fica escurecida, com aspecto queimado. A geada negra é muito mais danosa do que a geada branca, pois queima a seiva no interior das plantas, o que impede a sobrevivência da planta.
Um raro e muito forte evento de geada negra ocorreu no estado do Paraná em 18 de julho de 1975. Este é um fato meteorológico histórico e dramático para o estado do Paraná, pois dizimou as plantações de café do norte paranaense. A perda total das lavouras gerou também uma grave crise financeira e social no estado do Paraná.

Onde ocorre geada no Brasil?

No Brasil, a geada branca um fenômeno muito comum no Sul do Brasil. Pode ocorrer várias vezes no período de outono-inverno. Estados como São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro também registram eventos de geada com frequência na época do do outono/inverno. Mas a geada pode ocorrer até no verão, desde que as condições atmosféricas sejam adequadas.
Em junho de 2016, durante a passagem de uma massa de polar muito forte sobre o Brasil, a região metropolitana de São Paulo registrou geada por cinco dias consecutivos. Foi uma situação rara!
Frio histórico na Grande SP - junho de 2016
,




quinta-feira, 4 de julho de 2019

Húmus de minhoca pode ser um grande parceiro do pequeno produtor rural!! PRODUZA JÁ!!

FONTE CANALRURAL
Adubo caseiro contém hormônios vegetais que fortalecem as plantações.Uma alternativa simples e barata para pequenas propriedades rurais adubarem o solo é investir em um minhocário campeiro. 





Com a produção de húmus de minhoca é possível obter um produto de qualidade para fertilizar hortas, pomares, flores e plantas em geral sem o uso de adubos químicos e industrializados.

Húmus é todo material orgânico degradado no solo. Já o húmus de minhoca é a excreção do próprio anelídeo, que come material orgânico e acaba fertilizando a terra. Este tipo de adubo melhora a porosidade dos terrenos, reduz o risco de erosão e acelera o processo de humificação dos demais resíduos de matéria orgânica presentes no solo. Por não ser tão solúvel quanto os fertilizantes industrializados, o húmus não é levado junto com a água da chuva e possui praticamente todos os nutrientes necessários às plantas, mantendo a planta em boas condições ao longo do cultivo.


– O húmus de minhoca possui praticamente todos os nutrientes que tem o adubo mineral, desses comprados em agropecuárias Nele contém nitrogênio, fósforo, potássio, magnésio, cálcio e uma série de micronutrientes. Quando o húmus é produzido a partir de esterco, ele contém também uma serie de hormônios vegetais que fortalecem as plantações – explica o pesquisador da Embrapa, Gustavo Schiedeck.

A produção de adubo de minhoca também proporciona a sustentabilidade na propriedade rural, especialmente na agricultura familiar. Segundo o pesquisador, o húmus pode ser uma prática integradora de outras atividades, pois pode ser feito a partir de excrementos de animais, como vacas, porcos e aves, quanto de restos de colheita, capina, misturados ou não, da própria propriedade. Sem a necessidade de alta mão de obra, construir e manter um minhocário pode ser uma boa saída para pequenas fazendas.

A espécie de minhoca mais utilizada para a formação de um minhocário é a “Vermelha da Califórnia”. Essas são indicadas para a prática porque comem rápido e em grande quantidade (por dia, ingerem uma quantia de alimento que equivale ao seu peso) e reproduzem-se com facilidade (quando duas minhocas acasalam, por serem hermafroditas, ambas saem fecundadas). 



– A cada três dias a minhoca coloca um casulo, onde vão nascer até três minhocas. Em 90 dias, elas estarão adultas, prontas para começar a se reproduzir. Em três ou quatro meses, o número de minhocas pode quintuplicar – assegura Gustavo. 

Schiedeck também dá algumas dicas sobre como deve ser a construção e o manejo do minhocário. A primeira camada a ser colocada deve ser de minhoca e, por cima dessa, uma outra camada de aproximadamente 15 cm de esterco. Quando o esterco, ou qualquer material orgânico escolhido, tiver sido transformado em humos é hora de pôr uma nova leva de matéria prima. O húmus estará pronto quando estiver em forma granulada e quando perder o cheiro forte de esterco e ganhar um aroma de terra após a chuva.

terça-feira, 2 de julho de 2019

Descubra os benefícios da planta Ginkgo biloba

Fonte: saúdeabril

Pesquisas alimentam a esperança de que a planta previna tumores no ovário, na mama, no cérebro e no fígado. Veja o que é e como usar.


A gingko biloba foi a primeira planta (medicinal) a brotar após a destruição provocada pela bomba atômica na cidade de Hiroshima, no Japão e é famosa por suas façanhas. O extrato obtido de suas folhas comprovadamente reduz as tonturas, refresca a memória, alivia as dores nas pernas e nos braços e acaba com o zumbido no ouvido.
Por tudo isso ela arrebanhou uma vasta clientela, composta na maior parte por idosos. Mas suspeita-se que o poder dessa planta de folhas de formato de leque vá além. Estudos realizados em laboratório e com seres humanos sugerem sua capacidade de prevenir e atacar tumores — mais um importante item que se acrescenta ao seu currículo.
A maneira como a ginkgo e seus componentes agem em escala celular ainda não foi totalmente decifrada, mas há algumas hipóteses. “Talvez a planta esteja envolvida com a habilidade do organismo de causar apoptose, a morte programada de células defeituosas”, diz Daniel Cramer, diretor de Obstetrícia e Ginecologia Epidemiológica do Brigham and Women`s Hospital, ligado à Escola Médica Harvard, nos Estados Unidos.
Outras estratégias descritas em diferentes trabalhos são sua habilidade para inibir os vasos que alimentam o câncer e sua capacidade de evitar danos ao DNA. Esses efeitos são obtidos por meio da ação de duas substâncias, os terpenóides e os bioflavonóides. Os primeiros viraram objeto de estudo mais recentemente. Os bioflavonóides, contudo, são conhecidos de longa data. Agem como antioxidantes, combatendo os radicais livres e impedindo o envelhecimento. Ambos fazem parte do mesmo extrato, o EGb 761 — matéria-prima dos comprimidos vendidos em farmácias.
O comprimido de ginkgo biloba desencadeia diversas reações que vão desde os pés até os ouvidos. Os vasos sangüíneos se dilatam e o sangue fica menos viscoso (mais “fino”, como se diz). Assim, corre mais rápido, com mais facilidade, e alcança melhor os lugares mais distantes do coração.
O labirinto, estrutura que pertence ao ouvido, passa a ser mais bem irrigado e oxigenado, o que ajuda a acabar com tonturas e zumbidos. As áreas do cérebro responsáveis pela memória e pelo raciocínio ficam mais despertas. O fluxo mais intenso também acaba com as dores nos braços e nas pernas, comuns na terceira idade.

Efeitos colaterais

São raros os casos de efeitos colaterais advindos da ingestão de ginkgo, mas não se pode ignorá-los. O remédio possui tarja vermelha e só pode ser vendido com receita médica (a dose máxima recomendada é de 240 mg/dia). Esse cuidado existe porque, ao dilatar os vasos sanguíneos, a ginkgo pode provocar enxaqueca e aumentar a sensibilidade da pele, causando alergias.
Esse problema é maior nas cápsulas de pó macerado e nas folhas para chá, vendidas em lojas de produtos naturais. Além de ter a eficiência questionada, elas possuem grandes quantidades de um ácido capaz de irritar a pele. Ao afinar o sangue, a planta também pode causar sangramentos (antes de submeter um paciente a cirurgia, os médicos costumam pedir que cesse a ingestão do comprimido).
Na bula do medicamento há ainda advertências com relação a distúrbios gastrointestinas e queda de pressão arterial. “A ginkgo é uma planta segura, mas deve ser usada com cautela”, resume o americano Daniel Cramer.

segunda-feira, 1 de julho de 2019

Húmus: o que é e quais são suas funções para o solo !! Produza você!!!

Fonte: ecycle

Húmus é a matéria orgânica estável presente em vários tipos de solos, essencial para a vida na Terra.

húmus
Húmus, humo, ou erroneamente escrito, "humus", é um termo que remonta ao tempo dos antigos romanos, quando era usado para designar o solo como um todo. Hoje, o termo "húmus" designa toda a matéria orgânica estabilizada (que não sofre mudanças químicas ou físicas significativas) presente nos mais diversos tipos de solos (argilosos, arenosos, entre outros). Ollech, cientista estudioso do tema, definiu o húmus, em 1890, como "todas as substâncias que são formadas na decomposição e fermentação da matéria orgânica de origem vegetal e animal, ou por meio da ação de certos agentes químicos sobre essa matéria orgânica, na forma de compostos orgânicos amorfos [que não tem forma determinada], não voláteis, não gordurosos, mais ou menos escuros".
Apesar do húmus ser estável, ele não é estático, e sim dinâmico, uma vez que é formado constantemente a partir de resíduos vegetais e animais que são continuamente decompostos por micro-organismos.

Importância do húmus

húmus
A importância do húmus para a o solo é múltipla. Ele fornece nutrientes para as plantas, regula as populações de micro-organismos e torna os solos férteis. O húmus também é fonte de carbono, nitrogênio, fósforo, cálcio, ferro, manganês, entre outras substâncias essenciais para o crescimento saudável dos vegetais.
Ele é capaz de impedir a penetração de substâncias tóxicas do solo nas plantas; retém umidade e mantém a temperatura do solo equilibrada. A função do húmus para a vida aquática vegetal e animal ainda é pouco estudada, entretanto, sua importância é amplamente reconhecida.
O húmus define a cor, textura, estrutura, retenção de umidade e a aeração do solo. Quimicamente, ele influencia a solubilidade de minerais do solo, formando compostos com certos elementos como o ferro, o que os torna mais facilmente disponíveis para o crescimento das plantas e aumenta as propriedades tampão do solo. Biologicamente, o húmus serve como fonte de energia para o desenvolvimento de micro-organismos e melhora o ambiente para ao crescimento de plantas superiores. Entretanto, as funções do húmus para as plantas ainda não foram completamente estudadas pela ciência e, apesar de haver a possibilidade de alguns efeitos prejudiciais do húmus para as plantas, o consenso científico é de que os benefícios superam os malefícios.

Micro-organismos

Sem os micro-organismos não haveria húmus, e sem húmus a vida no planeta Terra como a conhecemos seria impossível.
São os micro-organismos os principais responsáveis pela formação do húmus a partir de resíduos vegetais e animais. Eles produzem húmus continuamente por meio da decomposição e mineralização (transformação da matéria orgânica em minerais). O papel dos micro-organismos no ciclo da matéria orgânica no solo, bem como na natureza, em geral, é indispensável. Sem a transformação dos restos animais e vegetais em húmus, todos os elementos essenciais ficariam armazenados nesses organismos mortos e não poderiam ser reutilizados.

Tipos de húmus

húmus
As formas mais conhecidas de húmus são aquelas encontradas em jardins. Entretanto, existem diferentes tipos de húmus, até mesmo variedades que não são utilizadas para plantio, mas para fins industriais.
O húmus presente no carvão e na turfa é usado como fonte de combustível e tem sido um dos principais agentes no desenvolvimento da civilização industrial moderna. O húmus presente no petróleo, por exemplo, tem uma importante função econômica. Mas, de maneira geral, o húmus é separado em quatro categorias:

Húmus marrom:

Encontrado na vegetação viva, na matéria orgânica recentemente caída (serrapilheira), na turfa, em ervas marinhas em decomposição nas margens dos corpos d'água e onde crescem os fungos.

Húmus preto:

Geralmente encontrado em um estado ativo de decomposição nas camadas mais profundas do solo, na decomposição de folhas e madeiras de florestas, em estrumes de animais, em turfa de pântanos e em lamas.

Húmus de transferência:

É o encontrado nas água dos rios, lagos, nascentes e água da chuva.

Húmus fóssil:

É o húmus encontrado sob a forma de lignite, carvão marrom e outros depósitos de carbono, bem como em muitos minerais, como minérios hidratados de ferro e manganês.

Húmus de minhoca

húmus de minhoca
Imagem: Compost with earthworms por SuSanA Secretariat está licenciado sob (CC BY 2.0)
"Húmus de minhoca" é a expressão utilizada para designar o húmus resultante da matéria orgânica decomposta por meio do processo digestório das minhocas, formando uma compostagem natural. As minhocas facilitam o trabalho dos micro-organismos fragmentando a matéria orgânica em pedaços menores; e por isso elas têm sido utilizadas como uma forma de potencialização da formação do húmus, prática conhecida como vermicompostagem. Saiba mais sobre esse tema nas matérias: "Vermicompostagem: conheça as vantagens dessa técnica que reduz o lixo orgânico", "Minhoca: importância ambiental na natureza e em casa" e "Como criar minhocas californianas de composteira".

sexta-feira, 28 de junho de 2019

Conhece a Laranja Sanguinea ??

Fonte: sitio da mata

De polpa vermelha, ainda é pouco consumida no Brasil.

Nome popular: Laranja Sanguinea
Nome científico: Citrus Sinensis
Família: Rutaceae
Origem: originária possivelmente do sul da China e nordeste da Índia.
Ciclo de vida: Perene
Folha: Folhas subcoriáceas, glabras e lustrosas, aromáticas, de 7 a 15 cm de comprimento, com pecíolo variavelmente alado.
Crescimento da planta: É uma árvore perenifólia, espinescente, de 5 a 10 m de altura.
Quando da frutos: verão ao inverno
Frutos: É uma variedade de laranja com uma profunda cor vermelha no interior. O fruto é menor do que uma laranja média, de sabor doce e levemente acidulado. Frutos globosos ou subglobosos, com casca aromática de difícil remoção, com polpa de 10 a 14 gomos, subácida a doce, com ou sem sementes.
Quando da flores: agosto-setembro
Flores: Flores muito perfumadas, solitárias ou em agrupamentos de 2 a 6.
Como adubar essa planta: ➜ No plantio recomenda-se usar 15 litros de esterco de curral ou de composto orgânico; ou 5 litros de esterco de galinha já curtido, mais 200 gramas de superfosfato simples e 500 gramas de calcário dolomítico (usar calcário só em solos que tenham pH ácido). Misturar esses adubos na terra retirada dos primeiros 20 centímetros da cova. Essa mistura deverá ir para o fundo da cova. ➜ Para manutenção, caso não faça análise de solo e análise foliar, pode-se aplicar de 3 a 4 vezes por ano, durante o período de chuvas, 200 a 400 gramas de NPK 10-10-10 para plantas pequenas e de 500 a 1000 gramas para plantas adultas. Se preferir utilizar adubos orgânicos, aplicar de 20 a 60 litros de composto orgânico por planta adulta.
Como regar essa planta: Enquanto a muda for jovem, regue a cada 2 dias, uma vez a planta estabelecida, só em épocas de estiagens prolongadas.
Vai em qual clima: Tropical, subtropical
Nativa de qual clima: Tropical
Aceita poda? - Poda não necessária, realize durante o inverno, a retirada dos ramos-ladrão, doentes e secos.
Vai na sombra? - Sol pleno
Altura das mudas: 30 cm
Atrai pássaros? - Atrai passaros
Atrai borboletas? - Atrai borboletas

terça-feira, 25 de junho de 2019

A Astrapéia-rosa (Dombeya wallichii) flor melífera


Fonte:abelhasjatai


Também conhecida por Astrapéia, Astrapéia-rosa, Dombéia e Flor-de-abelha é uma árvore ornamental originária de Madagascar que pode chegar até a 7 metros de altura. É uma planta de clima Equatorial, Mediterrâneo, Subtropical, Tropical e deve ser cultivada em meia sombra ou sol pleno, e seu ciclo de vida é perene.

A astrapéia se espalhou pelo mundo por sua exuberância e popularidade. Ela apresenta ramos pubescentes, e porte pequeno para um árvore, alcançando cerca de 2 a 5 metros de altura. As folhas são grandes, cordiformes, perenes, de cor verde brilhante e pubescentes na página inferior. As inflorescências surgem no outono e inverno, e são umbeliformes, sustentadas por longos pedúnculos, pendentes, globosas e com numerosas flores de cor rosa a avermelhada, ricas em néctar e delicadamente perfumadas. Produz frutos do tipo cápsula, que se dividem em cinco partes.




A astrapéia é uma árvore de rápido crescimento e baixa manutenção, que se destaca principalmente em plantios isolados, mas que pode ser parcialmente sombreada por outras árvores ou construções. As inflorescências pendentes atraem muitas abelhas e possuem perfume agradável e suave, que lembra o côco. As flores velhas permanecem nos ramos, adquirindo uma cor amarronzada e devem ser removidas para um melhor aspecto da planta. Além disso essas flores velhas podem desprender um odor desagradável e atrair moscas. Com podas regulares de formação, é capaz de adquirir porte e formato arbustivo. Há diversos híbridos comerciais disponíveis.


Deve ser cultivada sob sol pleno ou meia sombra, em solo fértil, drenável, enriquecido com matéria orgânica e irrigado regularmente. Sendo de clima subtropical, a folhagem da astrapéia não é muito resistente a geadas fortes. Fertilizações na primavera e verão estimulam um crescimento saudável e florações exuberantes. Multiplica-se por sementes e mais facilmente por alporquia e estaquia de ramos semi-lenhosos ou de ponteiros.
Esta espécie é diferente da Astrapéia (Dombeya burgessiae) que é originária da África e tem flores claras com base rosa-intenso e da Astrapéia-branca (Dombeya natalensis).
Abelhas observadas nessa espécie de planta coletando pólen e néctar:
• Abelha européia ou africanizada (Apis mellifera)
• Irapuá (Trigona spinipes)
• Jataí (Tetragonisca angustula)
• Jataí-da-terra (Paratrigona subnuda)
• Mirim (Plebeya emerina)
• Mirim (Plebeya saiqui)
• Mandaçaia (Melipona quadrifasciata)
Floração: Junho a Outubro.

Bibliografia:
- Jardineiro.net – http://www.jardineiro.net/plantas/astrapeia-dombeya-wallichii.html
- Flores e abelhas em São Paulo, José Rubens Pirani e Marilda Cortopassi-Laurino.

Após publicação de norma, 2 mil árvores serão cortadas em Belo Horizonte


 

 Fonte: Jornal Estado de Minas

PBH inicia planejamento para suprir espécimes espalhados pelas nove regionais que se enquadram nos parâmetros considerados de risco listados em regra publicada ontem. Março 2018







Estufamento da calçada ao redor da árvore está entre os problemas listados para análise dos técnicos (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS)
A partir de hoje, os técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Belo Horizonte deverão se pautar por 38 quesitos na hora de fazer uma análise em qualquer uma das cerca de 500 mil árvores da cidade. O objetivo é verificar se o exemplar tem ou não risco de queda, levando em consideração questões como cavidades, sinais de morte, rachaduras, presença de pragas, inclinação do tronco, efeitos colaterais em calçadas, entre outros (veja quadro). Já de início, 2 mil árvores que já têm um parecer com indicação de supressão serão reavaliadas dentro dos novos parâmetros para que possam ser cortadas. Um planejamento nesse sentido está sendo fechado entre a pasta e a Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura (Smobi). Os espécimes estão espalhados pelas nove regionais da capital mineira.

Entre os 38 pontos, há questões ligadas diretamente à saúde da árvore e também a desdobramentos nos espaços públicos, além de situações do histórico de reclamações da vizinhança. Cinco itens são considerados prioritários, e caso qualquer um deles apareça, a árvore em questão deverá ser cortada obrigatoriamente. É o caso de estufamento na calçada acompanhado de inclinação do tronco no sentido oposto, desequilíbrio irreversível da copa, pragas que comprometam a estabilidade, como besouro metálico, presença de qualquer outro defeito que interfira no equilíbrio e obstrução total da calçada em conjunto com bloqueio, mesmo que parcial, de uma via de trânsito de veículos. Outros quatro pontos trazem a indicação preferencial de corte e, portanto, devem ser acompanhados de demais análises.

O objetivo da medida é tentar evitar tragédias, como a que matou o motorista Fábio Teixeira Mageste, em 2 de outubro. Na ocasião, uma tripla palmeira despencou sobre um táxi no cruzamento da Avenida João Pinheiro com a Rua dos Timbiras e matou o homem de 35 anos. Além disso, dados da Prefeitura de BH mostram que, em 2018, a média de queda de árvores na capital mineira é de 1,5 por dia, o que liga o alerta para o risco de novos desastres. O secretário de Meio Ambiente de BH, Mário Werneck, já havia adiantado a edição de uma Deliberação Normativa para trazer critérios padronizados na hora de se definir pela supressão das árvores, que foi publicada ontem no Diário Oficial do Município e por isso já está valendo na cidade. Conforme o documento, em cada uma das inspeções nos espécimes de BH deverão ser observados obrigatória e minunciosamente os itens relacionados na Deliberação Normativa.

 


“Queremos explicitar o máximo possível quando a supressão é necessária. Alguns técnicos ficam até constrangidos de fazer um laudo de supressão, pois já vimos lugares em que de pessoas se acorrentam às árvores em reação ao procedimento. Nossa missão é proteger o arbóreo, mas também temos que proteger as pessoas que vivem embaixo dessas árvores. Temos que garantir o conforto, mas em primeiro lugar a segurança da população”, defendeu Afonso Fraga, diretor de Gestão Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

O texto da Deliberação Normativa destaca 25 pontos relacionados diretamente às condições da árvore. Mas também devem ser levados em consideração outros sete quesitos antes de se determinar se um exemplar é passível de corte ou não: histórico de ocorrências, reclamações ou relatos de vizinhos, conflitos com outros elementos do espaço urbano, presença de plantas maiores ao redor da árvore em questão que obstruam a visão integral do colo, desenvolvimento do exemplar aquém do esperado para a espécie e o porte da árvore. De acordo com a Deliberação Normativa 92, existem ainda outros dois grupos de critérios, que totalizam 10 quesitos, que apontam para um corte preferencial ou obrigatório.

Todos esses aspectos vão permitir aos técnicos chegar a três conclusões: se a árvore está com as condições normais, alteradas ou é considerada senil ou morta. No primeiro caso, não haverá intervenção. No segundo, a planta pode ser mantida do mesmo jeito, podada ou cortada. No último caso ela será suprimida. Alguns dos problemas têm ligação direta com atitudes da população. Como, por exemplo, a colocação de aros nos troncos das árvores, o plantio de plantas ao redor do espécime, o excesso de rega, entre outros. Por isso, os moradores devem ter atenção e procurar entender como é a vida de cada uma delas. “A população poderia usar mais a secretaria como consultoria. Temos técnicos doutores aqui. É muito legal ter uma árvore e plantar na porta de casa, mas para plantar há uma gama de critérios que temos que obedecer”, disse Fraga. As informações podem ser obtidas nas próprias regionais, por meio do telefone 156, ou por meio da Ouvidoria do município.


Tocos deverão ser retirados preferencialmente no momento do corte (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A PRESS)


REPLANTIO Todas as árvores cortadas das ruas e calçadas de Belo Horizonte serão replantadas, com base na norma publicada ontem no DOM. Se possível, a nova muda será colocada no mesmo ponto. Se não, o local escolhido será o mais próximo possível do endereço do exemplar antigo. Conforme a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, esse replantio vai garantir o planejamento das espécies mais adequadas a cada ponto da cidade. “Tem uma legislação para o replantio com especificações mínimas. Vamos escolher a melhor espécie com melhor porte para o determinado lugar”, afirmou o diretor de Gestão Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

“Em nosso sistema viário as árvores estão sofrendo, devido às raízes noveladas, ao sistema radicular que não consegue crescer porque não tem espaço, à interferência da rede elétrica, que força as podas além do necessário devido à interrupção no sistema elétrico. Hoje em dia, então, para plantar uma nova árvore tem-se que avaliar critérios para que ela sobreviva da melhor maneira possível”, completou.  Outra determinação é a retirada preferencial do toco da árvore que precisar de supressão no mesmo momento do corte. “Caso não seja possível a retirada integral do toco, esse deverá ser rebaixado, de tal forma a permitir a imediata recomposição do piso”, de acordo com a publicação. Um fator agravante ao risco associado ao exemplar em questão é a localização. Se estiver em um lugar de grande movimentação de pessoas, isso deve ser levado em conta.
DE OLHO NAS PLANTAS
Normas para vistorias, podas e cortes

Critérios para supressão obrigatória
1) Estufamento na calçada em apenas um dos lados ao redor da árvore quando não associado a outra causa não relacionada à própria árvore e se acompanhada de inclinação do tronco no sentido oposto
2) Desequilíbrio irreversível da copa que não possa ser mitigado
3) Pragas que comprometam a estabilidade das árvores, como o besouro metálico
4) Presença de outros problemas e defeitos que comprometam a estabilidade
5) Obstrução total de calçada pela árvore, quando estiver acompanhada, mesmo que parcialmente, de bloqueio da via de trânsito de veículos, ou esteja ligada a interferências estruturais no imóvel, ou ainda à existência de solicitação para a solução de algum desses problemas.

Critérios que devem ser considerados indicar preferencialmente a supressão

1) Presença de corpos de frutificação de fungo na base do tronco, colo ou raízes superficiais
2) Presença de cupins xilófagos na base do tronco ou na raiz
3) Rachaduras no colo ou tronco, principalmente se forem transversais em relação às fibras
4) Descalçamento do sistema radicular
5) Inclinação do tronco maior do que 30° em relação a seu eixo vertical

Critérios obrigatórios a serem observados em todas as vistorias de árvores
1) Vigor da árvore, com atenção especial ao amarelecimento de folhas, desfolha, quebra expressiva de galhos e descolamento de casca, entre outros.
2) Sinais de senilidade ou morte, como a presença de grande quantidade de galhos mortos
3) Possíveis danos ao sistema radicular ou colo, como podas e outras agressões. Esta situação ocorre, por exemplo, quando são feitas obras de canalização ou de rede de gás e parte da raiz é cortada.
4) Raízes enoveladas. Quando a raiz da árvore não consegue espaço para crescer e se torna uma espécie de novelo que prejudica a sustentação.
5) Descalçamento do sistema radicular com perda de solo. Ocorre, por exemplo, quando uma tubulação estoura próximo à raiz e o solo é carreado. Assim a raiz fica descalçada.
6) Estrangulamento do sistema radicular ou colo. Ocorre quando estruturas metálicas, como aros, são colocadas no entorno da árvore. Ela cresce mais que a estrutura ou não consegue rompê-la e fica estrangulada.
7) Soterramento do colo. Esta situação ocorre quando moradores fazem jardineiras no entorno do colo, que é a base da árvore, e a enchem de terra ou entulho. Isso pode apodrecer o colo.
8) Elevação do solo, principalmente se for verificada inclinação do tronco no sentido oposto
9) Inclinação ou deformação no tronco
10) Rachaduras no colo ou tronco, com atenção especial para as que forem transversais em relação às fibras
11) Presença de fungos xilófagos no colo ou sistema radicular. O fungo se alimenta da madeira e trás perda na estrutura
12) Presença de cupins xilófagos, que também se alimentam da madeira
13) Presença de larvas de madeira
14) Presença de formigas
15) Presença de parasitas que possam indicar a existência de cavidades nas árvores
16) Presença de casa de abelhas nativas, que também pode indicar cavidade
17) Infestação severa de erva-de-passarinho
18) Outras pragas e doenças que possam comprometer a estrutura ou a sanidade das árvores
19) Cavidades de origens diversas
20) Casca inclusa provocada por galhos bifurcados em ângulo agudo
21) Estufamento de casca
22) Copa assimétrica, principalmente junto com outros elementos que comprometam a estrutura
23) Brotação da base do tronco. Dependendo do crescimento do broto, acaba se tornando um tronco secundário que pode causar instabilidade
24) Volume e posição de galhos epicórmicos
25) Confinamento do sistema radicular. Ocorre quando uma folheira é feita no entorno da árvore. Com isso, ela não consegue se desenvolver e fica estrangulada em um pequeno espaço, o que provoca instabilidade.

Critérios que também podem influenciar na tomada de decisão
1) Histórico de ocorrências com a árvore ou com exemplares da mesma espécie existentes à sua volta
2) Relatos diretos de vizinhos ou em solicitações à PBH
3) Ocorrência de conflitos com outros elementos do espaço urbano
4) Presença de plantas maiores ao redor da árvore, causando obstrução à visão integral de seu colo
5) Ocorrência de regas constantes em outras plantas ao redor da árvore, que podem ocasionar em podridão em seu colo
6) Nível de desenvolvimento da árvore aquém do esperado para a espécie
7) O porte e a espécie da árvore