Seja Bem Vindo!

"Muita gente pequena, em muitos lugares pequenos, fazendo coisas pequenas, mudarão a face da Terra". provérbio africano

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Aprenda a podar frutíferas. Tire suas dúvidas


 Uma dúvida que muitas pessoas tem em comum: Como podar uma frutífera?

      Pensando nessa pergunta, resolvemos ajudar você a conseguir podar sua árvore.
      O processo da poda em árvores frutíferas é muito importante, pois além de um recurso estético, também estimula o crescimento e aumenta sua produção de frutas. Portanto, é especialmente importante podá-las corretamente para que cresçam fortes e produzam bastante.
      Temos como objetivo das podas:
1º- Modificar o vigor da planta;
2º- Produzir mais e melhor fruta;
3º- Manter a planta com um porte conveniente ao seu trato e manuseio;
4º- Modificar a tendência da planta em produzir mais ramos vegetativos que frutíferos ou vice-versa;
5º- Conduzir a planta a uma forma desejada;
6º- Suprimir ramos supérfluos, inconvenientes, doentes e mortos;
7º- Regular a alternância das safras, de modo a obter anualmente colheitas médias com regularidade.
fichero_120203_20141215
      Há quatro principais tipos de poda: de formação, limpeza, verde e de frutificação.
      As podas de formação, limpeza e verde são indicadas para todas as frutíferas. Já a poda de frutificação é indicada para algumas frutíferas, como a figueira, videira e pessegueiro.
      A poda de formação leva este nome pois é feita quando a muda está ganhando corpo. Serve para orientar o crescimento e fazer com que desde cedo os ramos sejam bem distribuídos, o que futuramente fará com que a planta receba toda a luz e ventilação necessária que ela precisará para total desenvolvimento.
      A poda de limpeza (que vale lembrar que serve para todas as frutíferas) deve ser feita durante toda a vida da árvore. Essa poda tem como objetivo revigorar a árvore antes de cada safra. Recém plantada a árvore, devemos eliminar os brotos que surgem logo abaixo da copa e do ponto de enxertia. Esses brotos são ladrões e se alimentam da seiva da planta enfraquecendo-a. Quando a planta estiver mais velha, com cerca de quatro anos ou mais, devemos eliminar todos os galhos secos, mal-formados e doentes que a árvore apresentar.
      A poda verde  deve ser realizada após o terceiro ano de vida, quando a planta está bem viçosa, no auge do crescimento. Se a folhagem for muito densa a ponto de comprometer a ventilação e a penetração de luz na árvore a safra será prejudicada. A poda verde é um raleio de folhas, excesso de ramos e brotações com poucos ou nenhum fruto.
      E a poda de frutificação, que é utilizada somente nas frutíferas de clima temperado. É realizada quando as plantas estão em repouso, serve para eliminar ramos antigos, que deram frutos no ano anterior, permitindo que os ramos novos carreguem a safra com mais força e vigor.
FOTO02_POMAR_podas-500x340
      E qual a época que se deve podar?
      As frutíferas devem ser podadas no inverno, pois neste período a árvore não estará em processo de produção de folhas e frutos, mas sim em dormência. Isto torna mais fácil o processo, e não causa danos a planta.
Obs: se quiser retardar o crescimento de uma árvore, deve realizar a poda no início do verão.
      Corte os ramos secundários do caule principal da planta, em seus primeiros anos de vida e crescimento. Desta forma, a árvore se desenvolverá melhor e ficará mais vistosa. Podar as árvores jovens nos três primeiros anos pode significar uma menor produção de frutos no início, mas a longo prazo, suas árvores crescerão fortes e produtivas.
      Aprendendo a Técnica Básica
      A ferramenta adequada é o primeiro passo. Use tesourasafiadas em árvores jovens, com ramos de poucos centímetros de diâmetro ou menores. Serrotes e serrilhas de jardinagem são indicados para árvores mais maduras.
      Manutenção da Poda
      Observe suas árvores frutíferas no início da primavera, logo após os botões aparecerem.
      Se vários ramos verticais estiverem competindo para ser o líder, selecione um único galho e pode os outros.
      Pode o topo do ramo vertical da planta. Desta forma você incentivará o crescimento e o desenvolvimento global de árvore. Quanto mais frondosa uma arvore é, mais ela aproveita da luz solar. Não faça isto até que a árvore tenha atingido a altura desejada.
      Para uma boa saúde de sua árvore frutífera, remova todos os galhos ruins. São eles os secos, doentes, descoloridos ou quebrados.
       Pode também os ramos que apresentarem pouco crescimento. Remova todos os ramos que estão crescendo juntos ou competindo por espaço.
      Tente podar tanto o topo da árvore quanto sua vegetação mais abaixo (ao alcance da tesoura). Isso permite que mais luz do sol alcance os galhos sombreados, incentivando-os a produzir frutos.
podando frutifera
      É importante lembrar que técnicas de corte inadequadas podem levar a doenças e infestações de pragas. Faça cortes limpos e rentes, e não deixe tocos para trás, no caule da árvore.
      Após a poda, o local fica exposto à entrada de fungos ou pragas pelos cortes. O Forth Cobre concentrado tem a função de proteger os cortes contra a entrada de doenças ou pragas. Pincele o Forth Cobre diretamente nos cortes. Ele cria uma camada de cobre, cálcio e enxofre que sela os cortes. Assim, o Forth Cobre protege suas plantas evitando o apodrecimento de galhos após a poda. Utilizamos e recomendamos.

Como plantar batata Yacon

Extraído do sítio hortas.info

Como plantar yacon

Yacon
Yacon - imagem original: Hajime Yoneya - Licença Creative Commons
O yacon (Smallanthus sonchifolius), também conhecido como batata yacon, é uma planta cujas raízes tuberosas são consumidas normalmente cruas ou na forma de suco. As raízes tuberosas do yacon são ricas em inulina (polissacarídeos de frutose), o que lhes proporciona um sabor adocicado. As folhas e as pontas dos ramos podem ser consumidas cozidas. Também é uma planta usada para fins medicinais, especialmente por suas folhas apresentarem propriedades anti-hiperglicêmicas.
Yacon florido
Inflorescência do yacon - imagem original: Rob Hille - Licença Creative Commons

Clima

O ideal são regiões que apresentam temperaturas entre 10°C e 26°C durante o ano todo. Geadas podem matar a parte aérea da planta, mas esta rebrota posteriormente.
Esta planta produz melhor em alta altitude, embora também possa ser cultivada ao nível do mar, podendo também se adaptar a diversas condições climáticas.

Luminosidade

Pode ser cultivado tanto com luz solar direta quanto em sombra parcial.
Plantação de yacon
O yacon pode atingir mais de dois metros de altura - imagem original:Rob Hille - Licença Creative Commons

Solo

O ideal é cultivar em solo bem drenado, profundo, sem pedras e outros detritos, fértil e rico em matéria orgânica. Embora possa tolerar solos mais ácidos, o pH ideal do solo é de 6 a 7,5.

Irrigação

Irrigue de forma a manter o solo sempre úmido, sem que fique encharcado. A falta de água é prejudicial, principalmente se a temperatura estiver acima de 26°C.
Mudas de yacon
Mudas de yacon - imagem original: peganum - Licença Creative Commons

Plantio

O plantio do yucon é geralmente feito a partir de pedaços do rizoma, que são retirados e cortados quando ocorre a colheita das raízes tuberosas. Os pedaços de rizoma devem ter pelo menos quatro gemas ou brotos cada um. Plante cada pedaço de rizoma a não mais do que 5 cm de profundidade.
Outro método de propagação é a estaquia. Para isso devem ser selecionadas plantas saudáveis que não estejam florindo. Os ramos utilizados não devem ser muito lenhosos, e devem ser cortados em pedaços de 15 a 20 cm, deixando pelo menos dois nós em cada pedaço. As folhas podem ser retiradas e os pedaços de ramos podem ser plantados em um canteiro de terra fofa ou areia, que deve ser mantida bem úmida até o enraizamento. O pedaços de ramos devem ficar em uma posição vertical ou levemente oblíqua (inclinados), e de forma que metade dos nós presentes no pedaço de ramo fique enterrada no solo. Leva aproximadamente 45 dias para que as mudas estejam bem enraizadas, quando podem então ser transplantadas.
Pedaços de ramos com 4 ou 5 cm e apenas um nó também podem ser usados na propagação, mas neste caso os pedaços devem ser deixados na posição horizontal, enterrados a uma profundidade de cerca de 1 cm.
Embora menos comum, o plantio também pode ser feito por sementes. Estas podem ser semeadas no local definitivo ou em sementeiras e outros contêineres, e as mudas transplantadas quando estiverem grandes o bastantes para serem manuseadas.
O espaçamento recomendado é de 90 cm a 100 cm entre as linhas de plantio, com 60 cm a 70 cm entre as plantas.
Tubérculos de yacon
Raízes tuberosas do yacon, com rizomas logo acima das raízes - imagem original: Awkiku - Licença Creative Commons

Tratos culturais

Retire plantas invasoras que estejam concorrendo por nutrientes e recursos.

Colheita

A colheita das raízes tuberosas do yacon ocorre de 6 a 12 meses após o plantio, dependendo das condições de cultivo. A planta inteira pode ser retirada ou pode-se cavar em volta e retirar apenas os tubérculos necessários, pois esta planta é perene. Embora a colheita seja geralmente feita quando a parte aérea fica completamente seca, para que os rizomas utilizados na propagação estejam bem desenvolvidos, esta pode ser realizada antes disso, ou a qualquer momento em plantas mais velhas.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

O aplicativo Plantit (Horta em Casa) ajuda a plantar uma horta em casa


Extraído do Blog Lado Natureba - Clic RBS

Aplicativo de celular ajuda a cultivar horta em casa

16 de junho de 20160
Dica! O aplicativo Plantit (Horta em Casa) ajuda a plantar uma horta em casa. Dicas simples e básicas no celular e – o melhor – grátis. Tem na Apple e na Google Play para download.

image1


São 28 alimentos. Desde a básica salsa até o morango, passando pelo delicioso e nem sempre fácil de achar coentro.
O aplicativo traz um breve histórico da planta e as características básicas. Mas também tem um calendário que indica a melhor época para semear, plantar e colher. Dá ainda o prazo entre plantio e colheita.

image2image3

Para finalizar, o app fornece dicas como colocação das sementes, como regar e até a conservação do alimento depois de colhido.
Este aplicativo é muito Lado Natureba!
Leia mais:

===
Siga o @ladonatureba no Twitter.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Pó de basalto adubando sua lavoura ou pomar, substituindo adubação industrial (NPK)



UTILIZAÇÃO DE PÓ BASALTO COMO SUBSTITUTO A ADUBAÇÃO QUÍMICA NO PLANTIO DE SOJA

 RESUMO Com a finalidade de testar o pó de basalto como alternativa a adubação NPK, foi instalado em junho de 2004 um experimento no município de Paulo Frontin - PR. A cultura testada foi a soja, sendo esta plantada posteriormente ao cultivo de adubação verde. Os tratamentos aplicados foram: testemunha; 0,5 kg/m² de pó de basalto; 2 kg/m² de pó de basalto e NPK (2-20-20). As avaliações realizadas incluíram análises de solo, nutrientes e peso seco das sementes de soja. Os resultados evidenciam a possibilidade da utilização do pó de basalto como matéria-prima alternativa à adubação NPK, principalmente porque possibilita a elevação do pH, e disponibiliza os nutrientes de forma gradativa.

terça-feira, 21 de junho de 2016

Fisalis resiste ao frio de Porto Alegre!


Olhem só plantei esta muda no meu trabalho e ela segue produzindo mesmo sob um outono com acentuado frio.
Quer saber mais sobre fisalis?


Camapu ou fisalis , planta da região amazônica, estimula produção de novos neurônios


SUSTÂNCIA ENCONTRADA EM PLANTA DO CAMAPU PODERÁ SER USADA EM FITOTERÁPICOS PARA O COMBATE DE DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS COMO O MAL DE ALZHEIMER




Reprodução
A planta do camapu, fruto muito comum no Norte do País, pode estimular a criação de neurônios


Dia da Araucária será comemorado com um evento especial no Jardim Botânico RS


Dia da Araucária Dia da Araucária - Foto: José Fernando Vargas

12/06/2016

O Dia Nacional da Araucária, celebrado em 24 de junho, terá atividades educativas no Jardim Botânico, em Porto Alegre.

Serão exibidos os documentários “Araucária” (26 minutos) e “Bosque de Canela na escola” (5 minutos), ambos dirigidos por Júlia Aguiar, do coletivo gaúcho Catarse.

Após a exibição haverá um bate papo sobre conservação e uso sustentável da araucária. O mediador será Cilon Estivalet que, desde 1989, é ativista, administrador da RPPN Bosque de Canela, mediador do programa “Bosque de Canela na Escola” e voluntário da ASSECAN (Associação Ecológica Canela-Planalto das Araucárias).

Para encerrar a tarde haverá exposição de artesanato em nó de pinho do artista Zé do Passarinho e visita à coleção botânica que representa a Mata com Araucária no Jardim Botânico.

A atividade é uma realização da Associação Ecológica Canela-Planalto das Araucárias (ASSECAN) e da Reserva Particular de Patrimônio Natural Bosque de Canela em parceria com o Jardim Botânico.

SERVIÇO

Quando: 24 de junho às 14 horas
Local: Auditório do Centro de Visitantes do Jardim Botânico
Inscrições: gratuitas, sem necessidade de inscrição antecipada
Observação: será cobrado ingresso no Jardim Botânico (R$ 6,00 para adultos e R$ 3,00 para estudantes e pessoas acima de 60 anos)

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Uma pitada de biodiversidade EMBRAPA

Cultive uvas! Como implantar um vinhedo doméstico.




No Prosa Rural desta semana, o pesquisador Samar Velho da Silveira, da Embrapa Uva e Vinho (Bento Gonçalves/RS), aborda todas as questões relacionadas à implantação de um parreiral doméstico, ou seja, quais são os passos necessários para se ter videiras que produzam frutos de qualidade para o consumo em família.

As principais características de um parreiral doméstico são o cultivo das videiras em áreas reduzidas, a necessidade de um planejamento mais simplificado e o destino da produção para o consumo da própria família produtora. Aqueles moradores das regiões de clima temperado e sub-tropical (região que vai do Estado do Rio Grande do Sul até algumas áreas dos estados de São Paulo e Minas Gerais) terão maiores chances de sucesso no cultivo, pois as baixas temperaturas auxiliam no bom desenvolvimento dos frutos.



Segundo o pesquisador Samar, as variedades de videiras mais recomendadas para o cultivo são as de mesa comum, as ditas americanas, tais como a Niágara Branca e Rosada, a Isabel e a Concord. Cuidados na escolha das mudas e do sistema de condução também são fundamentais para o sucesso do cultivo. Além disso, o solo precisa receber o tratamento adequando “é importante que quatro meses antes do plantio se realize uma análise do solo, para verificar os níveis de Ph, macro e micro nutrientes e dessa forma, com uma orientação de um engenheiro agrônomo, realizar a adubação para a correção destes níveis”, ressalta o pesquisador.



Questões referentes ao tamanho da cova, os cuidados a serem tomados no momento do plantio, os cuidados iniciais e recomendações gerais também serão abordadas no Prosa Rural desta semana.



O Prosa Rural é o programa de rádio da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O programa conta com o apoio do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.



Data/Hora: 2011/05/09

Duração: 15'

Responsável: Anelise Sulzbach

Email: anelise@cnpuv.embrapa.br

Telefone: (54) 3455-8135

Unidade: Embrapa Uva e Vinho

Colaboradores:

Colaborador URL

Embrapa Informação Tecnológica http://www.sct.embrapa.br
http://hotsites.sct.embrapa.br/prosarural/programacao/2011/como-implantar-um-vinhedo-domestico/?searchterm=vinhedo





sábado, 18 de junho de 2016

Cultivando frutas no jardim. POMAR DOMÈSTICO

 Texto da Eng.Agr.Miriam Stumpf.



Cultivo de frutiferas Lembranças de infância de subir na laranjeira ou jabuticabeira para pegar frutas?
Retirar do pé e comer, mesmo sem lavar, nada fazia mal e a gente nem se preocupava com isto, somente em espiar e ver se a goiaba não tinha bichinhos caminhando.

O tempo passou, lugares com quintais grandes diminuiram e somente no interior ainda é possível achar pomares domésticos com produção para a família.
Para quem possui o desejo de fazer do seu espaço um local aprazível, belo e de repente produtivo, estamos trazendo a idéia para dar início a este desejo.

Vamos fazer um pomar! Para a família saborear frutas produzidas sem agrotóxicos, amadurecidas no pé, com mais sabor. Para fazer doces, geléias e sucos das frutas colhidas em casa.


O que é preciso para fazer um pomar caseiro?
Para iniciar um pomar, devemos pensar em diversos fatores antes de sair a comprar mudas.
Primeiro, se estará disposto a cuidar do pomar, mantendo as plantas sadias e produtivas, limpando o terreno de inços e frutas caídas.

Nada mais triste que um pomar abandonado, com as plantas sem regas e doentes, com insetos, frutas apodrecidas no chão e o mato tomando conta de tudo.
Depois em fatores externos, como clima, luminosidade, solo e água disponível.

O fator clima na escolha das frutíferas

Vamos estudar o clima da região. Isto determinará que tipo de árvore frutífera iremos plantar.
As espécies de clima tropical não podem ser cultivadas em regiões de invernos frios e sujeitos às geadas.

As frutíferas de clima temperado necessitam de um período de temperaturas mais baixas no inverno para que entrem em dormência, que é o seu repouso vegetativo para depois voltarem a se desenvolver, florescer e frutificar.
Então, o que é importante conhecer: temperatura, umidade relativa, luminosidade e ventos.
As plantas frutíferas são separadas em grupos de clima tropical, subtropical e temperado.
Cada um deles tem exigências diferentes para crescimento, florescimento e frutificação.

Quer saber mais sobre pomar doméstico?
abraço
alexandre panerai

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Preparação da calda sulfocálcica


Cuidados a serem observados
• Recomenda-se usar cal virgem de boa qualidade, com o mínimo de impurezas e bem-calcinada;
• Na ocasião de misturar o sulfato de cobre e a cal, as duas soluções devem estar com a mesma temperatura, sendo que, quanto mais baixa, melhor. Portanto, deve-se esperar esfriar completamente a solução de cal até ficar com a mesma temperatura da solução de sulfato de cobre;
• Não diluir a solução com água depois de preparada;
• Quando for necessário, depois de preparada a calda, adicionar espalhante-adesivo ou qualquer outro produto;
• A qualidade da calda preparada é representada pela sua capacidade de manter seus componentes em suspensão. Para avaliar isso, coloca-se um pouco de calda em um copo de água e mede-se a velocidade da sedimentação. Quanto mais lenta, melhor será a qualidade da calda.


Calda sulfocálcica concentrada (30 a 32˚ Bé)
A calda sulfocálcica é encontrada pronta no comércio. Pode ser conservada por 30 dias em vasilhame bem fechado, tendo-se o cuidado de cobrir o líquido com uma camada de óleo mineral para isolar a ação do ar. Junta-se a calda à água, de acordo com a orientação da embalagem, agitando e tomando o cuidado de não aplicar em dias ou horários quentes.
Se preferir, a calda pode ser preparada na propriedade, conforme segue:
Produtos
25 kg de enxofre em pó 12,5 kg de cal 100 litros de água
• Colocar a cal em um tambor ou recipiente de ferro ou cobre de 200 litros de capacidade. Em outro tambor, colocar 120 litros de água e levar ao fogo até ferver. Com a água fervendo, hidratar aos poucos a cal do tambor de 200 litros, juntando-se, em seguida, água e enxofre até que se forme uma pasta, sempre a mexendo;
• Despejar água fervente sobre a pasta, até completar 100 litros. Levar então o tambor ou recipiente ao fogo, fervendo a calda por meia hora, sem parar, sempre mantendo constante o volume de 100 litros (completando com água quando necessário). Durante a fervura, agitar a calda constantemente com uma pá de ferro ou madeira;
• Após 30 a 40 minutos, ficará com uma coloração amarelo-âmbar e deverá ser, então, retirada do fogo. Deixar esfriar e coar, separando-a da “borra” que se forma;
• A calda assim preparada pesa, geralmente, 30-32˚ Bé, o que pode ser verificado através de um aerômetro. Para usá-la, misturar com água, na proporção indicada, conforme a Tabela 1.
Tabela 1 – Quantidade da solução concentrada (litro) a ser acrescentada a 100 litros de água.







Observações:
• Para armazenar a calda sulfocálcica, utilizar recipiente de vidro ou bombona plástica, desde que bem-vedados e não armazená-la por mais de 30 dias;
• A calda diluída deve ser utilizada no mesmo dia;
• É recomendada a adição de espalhante adesivo à calda (20 mL para 100 litros de calda);
• Obedecer ao intervalo de 20 dias entre a aplicação da calda sulfocálcica e a aplicação da calda bordalesa;
• Após a aplicação da calda sulfocálcica, lavar bem os equipamentos com vinagre, na proporção de 1:10 de água, por ser um produto cáustico, não se devem lavar os equipamentos e nem jogar restos de caldas em rios, córregos, lagos, açudes ou em áreas próximas a cursos de água;
• Para aplicação da calda, é obrigatória a utilização de Equipamento de Proteção Individual (EPI), pois a calda pode não só estragar roupas bem como provocar irritações na pele.

Origem: Instituto Biológico - www.biologico.sp.gov.br
Eduardo Monteiro de Campos Nogueira é Pesquisador Científico do Centro de P&D de Sanidade Vegetal do Instituto Biológico.
Contato: nogueira@biologico.sp.gov.br

Josiane Takassaki  Ferrari é Pesquisador Científico do Centro de P&D de Sanidade Vegetal do Instituto Biológico.
Contato: takasaski@biologico.sp.gov.br



Reprodução autorizada desde que citado a autoria e a fonte



Dados para citação bibliográfica(ABNT):
NOGUEIRA, E.M.C.; FERRARI, J.T.  Como cuidar das árvores frutíferas no inverno. 2009. Artigo em Hypertexto. Disponível em: <http://www.infobibos.com/Artigos/2009_3/frutiferas/index.htm>. Acesso em: 7/5/2013

Horta da Heloisa Schurmann no veleiro. Uma horta em alto mar

Como fazer inseticidas naturais!!Bom para: Pulgão, vaquinha, grilos e lagartas.

 Inseticidas naturais

Agora que você já aprendeu a fazer uma horta dentro de casa, está na hora de conhecer formas de cuidar melhor dela. O Vida e Saúde e a agrônoma Elisa Vidal te ensinam a fazer inseticidas naturais, com produtos que você com certeza tem em casa. Ou seja, muito simples e barato! Tudo pra evitar aqueles bichinhos indesejáveis e, claro, os temidos agrotóxicos tão prejudiciais para a nossa saúde.

Vamos às nossas receitinhas! Você pode usá-las tanto para espantar insetos e fungos, quanto de forma preventiva.


ÁGUA E SABÃO DE COCO

Bom para: Pulgão, cochonilha e lagarta
Misture 1 barra de sabão de coco ralado (100 gramas) com 2 litros de água aquecida. Dilua bem o sabão na água quente. Depois, borrife a solução na sua plantinha. Quando for consumir a verdura, é só lavar e fazer aquela salada!

SOLUÇÃO DE PIMENTA

Bom para: Pulgão, vaquinha, grilos e lagartas
Como a pimenta é um repelente natural, só de plantar ela junto com as suas verduras, ela já estará ajudando a espantar os insetos. Fazer uma solução de pimenta também é uma boa opção. Se a sua horta for grande, use 1 xícara de pimenta para render 20 litros de solução. Porém, para uma horta pequena, bata ½ xícara de pimenta com um pouco de água. Depois de coado o líquido, dilua em 5 litros de água e borrife nas plantinhas. Após borrifada a solução, espere cerca de 12 dias para consumir o alimento.

SOLUÇÃO DE ALHO

Bom para: Pulgão, cochonilha e ácaro
O alho, além de repelente, é fungicida e bactericida. Você pode fazer uma solução batendo 10 gramas de alho com 1 litro de água. Ja para ajudar no combate ao míldio, uma espécie de bolor, coloque 5 colheres de óleo mineral em 250 gramas de alho triturado. Deixe agir por 24 horas. Após esse tempo, bata com um pouco de água no liquidificador. Você pode adicionar até 5 litros de água. Adicione também sabão de coco. Depois de borrifada a solução, aguarde cerca de 36 dias para consumir a verdura.

fonte:  http://novotempo.com/vidaesaude/como-fazer-inseticidas-naturais/#comment-17288

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Contra lagartas use calda de angico




Se suas plantas estão sendo atacadas por lagartas, uma maneira ecologicamente aceitável para combatê-las, desde que a infestação não seja muito intensa, seria o uso da calda de angico.

Como proceder:
Coloque 100 gramas de folhas novas e vagem de angico em 1 litro de água e deixe descansar por 10 dias. Passado esse prazo, coe a solução, e coloque a calda em um recipiente de vidro limpo com tampa.
Para aplicação, dilua a calda em água na proporção de 1 parte de calda para 10 partes de água, e pulverize sobre as plantas atacadas.
http://www.jardimdeflores.com.br/DICAS/A37angico.htm

VOCÊ PODE GOSTAR DO LIVRO DE IDENTIFICAÇÃO DE PRAGAS DA EMBRAPA, ACESSE : http://estagiositiodosherdeiros.blogspot.com.br/2015/06/guia-para-reconhecimento-de-inimigos.html

Como fazer vasos de plantas com pneus (Minutos Extras) e composteira de pneus



Composteiras de pneu


A compostagem é um processo biológico de transformação de 
matéria 
orgânica, como restos de alimentos, papéis, galhos e folhas em
 terra 
(composto). 

Em locais onde não é possível fazer a composteira ao ar livre (como é
 ideal), 
e revirá-la frequentemente, podemos utilizar pneus dessa forma aí em 
cima!!

Primeiro começa com 1 pneu, 
onde colocamos folhas secas e papelão picado para forrar a base.

Depois colocamos os restos de alimentos e papéis da casa.

 Por cima, colocamos uma boa camada de folhas secas 
até cobrir bem todo o material, e não ficar NADA sem ser coberto.

Depois molhamos.

E assim, todos os dias, os resíduos orgânicos produzidos na cozinha,
podem ser separados dos resíduos secos (lata, vidro, plástico, etc),
e colocados na composteira, repetindo esse mesmo processo.

Quando o pneu estiver cheio, coloca-se outro em cima,
até que fique com uma altura que você possa olhar dentro sem esforço.

No final, sempre colocar folhas secas em boa quantidade!!
Isso que vai impedir o mal cheiro e a presença de mosquitos e moscas.

Com o tempo, a mistura (restos orgânicos e folhas) vai diminuindo
e descendo. Aí você pode escolher continuar colocando 
novos restos em cima (assim eu faço), ou tirar os pneus que sobrarão
vazios em cima.

Essa composteira não tem o material revirado,
então o processo se torna um pouco mais lento 
do que aquelas que são reviradas com frequencia,
mas continua ocorrendo.

Em alguns meses vc pode ter terra para colocar nas plantas
ou iniciar novos vasos produtivos!!

Sempre lembrar de molhar (não muito!), 
para que fique úmido e a decomposição aconteça.


E o mas importante é a iniciativa de separar os resíduos em casa, 
não jogar a riqueza no lixo, poluindo os ambientes 
e SIM
criar espaços produtivos, terra, VIDA!!!

E que o mundo todo posso de novo florescer!





Extraido do blog http://recriandoambientes.blogspot.com.br/2012/12/composteiras-de-pneu.html