quarta-feira, 16 de abril de 2014

come-se: Quintal produtivo

 Hoje forneci mais algumas mudas para um cliente, que tem sítio em Gravataí-RS. Ora-pro-nobis, fisális e marcujá (suco).

 Vamos multiplicando várias espécies vegetais com alto valor nutricional.

Neste feriado já vou iniciar novo plantio de mudas e fazer prateleiras, para acondicionar melhor os vasos.

Sucesso a todos!

Leia o artigo: come-se: Quintal produtivo: Chuchu, cúrcuma, cruá, cará-moela e muita orelha-de-padre - fresca e seca, de um mero quintalzinho Por causa da reforma, tivemos que fazer...


Espécies que também vou multiplicar.

Taioba

Manjericão-anis


Ora-pro-nobis. Quanto mais se poda, mas se colhe

Florada ORA-PRO-NOBIS 2014 2

terça-feira, 15 de abril de 2014

Plante Uma Vida, Plante Uma Árvore: Glifosato, um herbicida que está junto com os noss...

Glifosato é o princípio ativo do Roundup
Plante Uma Vida, Plante Uma Árvore: Glifosato, um herbicida que está junto com os noss...: Por Darci Bergmann





    O alarme disparou. 





Novos estudos revelaram que o herbicida glifosato é mais nocivo à saúde do que se supunha. Lar...

Húmus de minhoca pode ser um grande parceiro do pequeno produtor rural

TÉCNICA RURAL

Adubo caseiro contém hormônios vegetais que fortalecem as plantações


Divulgação/Itaipu Binacional
Foto: Divulgação/Itaipu Binacional
Húmus de minhoca melhora a porosidade dos terrenos.
Uma alternativa simples e barata para pequenas propriedades rurais adubarem o solo é investir em um minhocário campeiro. Com a produção de húmus de minhoca é possível obter um produto de qualidade para fertilizar hortas, pomares, flores e plantas em geral sem o uso de adubos químicos e industrializados.

Húmus é todo material orgânico degradado no solo. Já o húmus de minhoca é a excreção do próprio anelídeo, que come material orgânico e acaba fertilizando a terra. Este tipo de adubo melhora a porosidade dos terrenos, reduz o risco de erosão e acelera o processo de humificação dos demais resíduos de matéria orgânica presentes no solo. Por não ser tão solúvel quanto os fertilizantes industrializados, o húmus não é levado junto com a água da chuva e possui praticamente todos os nutrientes necessários às plantas, mantendo a planta em boas condições ao longo do cultivo.

– O húmus de minhoca possui praticamente todos os nutrientes que tem o adubo mineral, desses comprados em agropecuárias Nele contém nitrogênio, fósforo, potássio, magnésio, cálcio e uma série de micronutrientes. Quando o húmus é produzido a partir de esterco, ele contém também uma serie de hormônios vegetais que fortalecem as plantações – explica o pesquisador da Embrapa, Gustavo Schiedeck.

A produção de adubo de minhoca também proporciona a sustentabilidade na propriedade rural, especialmente na agricultura familiar. Segundo o pesquisador, o húmus pode ser uma prática integradora de outras atividades, pois pode ser feito a partir de excrementos de animais, como vacas, porcos e aves, quanto de restos de colheita, capina, misturados ou não, da própria propriedade. Sem a necessidade de alta mão de obra, construir e manter um minhocário pode ser uma boa saída para pequenas fazendas.

A espécie de minhoca mais utilizada para a formação de um minhocário é a “Vermelha da Califórnia”. Essas são indicadas para a prática porque comem rápido e em grande quantidade (por dia, ingerem uma quantia de alimento que equivale ao seu peso) e reproduzem-se com facilidade (quando duas minhocas acasalam, por serem hermafroditas, ambas saem fecundadas).

– A cada três dias a minhoca coloca um casulo, onde vão nascer até três minhocas. Em 90 dias, elas estarão adultas, prontas para começar a se reproduzir. Em três ou quatro meses, o número de minhocas pode quintuplicar – assegura Gustavo.

Schiedeck também dá algumas dicas sobre como deve ser a construção e o manejo do minhocário. A primeira camada a ser colocada deve ser de minhoca e, por cima dessa, uma outra camada de aproximadamente 15 cm de esterco. Quando o esterco, ou qualquer material orgânico escolhido, tiver sido transformado em humos é hora de pôr uma nova leva de matéria prima. O húmus estará pronto quando estiver em forma granulada e quando perder o cheiro forte de esterco e ganhar um aroma de terra após a chuva.



Aprenda a fazer um minhocário de baixo custo

domingo, 13 de abril de 2014

Síntese VIII CBA-Agroecologia

Em novembro de 2013, Porto Alegre sediou o VIII Congresso Brasileiro de
Agroecologia (CBA-Agroecologia), principal evento sobre o tema no
Brasil, espaço fundamental para a consolidação do conhecimento
acadêmico, científico e empírico em Agroecologia. Veja como foi o
congresso, nesta breve síntese.
A trilha sonora do vídeo é composta
por: Lavrador, de Giancarlo Borba; Canção da Terra, de Pedro Munhoz; Lua
Nova Temporal, de Roger Canal.
Produção: Fita Rec
Para saber mais sobre VIII CBA-Agroecologia: http://goo.gl/ZJoEOK

Como cuidar de orquídeas - Dona Flor

sábado, 12 de abril de 2014

Urban Agroecoloy: 6,000 lbs of food on 1/10th acre - Urban Homestead - U...

Como fazer mudas de rosa com uma batata crua

Joaninhas no combate natural aos pulgões

Eu consegui na frente da minha casa que tem um pomar com algumas joaninhas,pois elas comem 100 pulgões por dia

eu coloquei dentro da estufa e elas se reproduziram e estão colocando
mais ovos nas folhas e logo nascerá mais joaninhas pra combater os
pulgões na minha horta que se multiplicam muito rápido, espero que as
joaninhas de conta deles, pra quem não conhecia mostrei os estágios do
crescimento até virar uma joaninha, espero que tenham gostado e muito
obrigado

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Frutas Raras- Repórter ECO 31/07/2011





UM CIDADÃO , APAIXONADO PELA NATUREZA, TRANSFORMOU UM SÍTIO 

ONDE VIVE EM UM BERÇÁRIO DE FRUTAS RARAS. 
MUITAS DELAS SÃO ESPECIES NATIVAS DO BRASIL, 
MAS SÃO POUCO CONHECIDAS PELA POPULAÇÃO.

Como fazer mudas de jabuticaba, a partir de sementes, Myrciaria caulifl...

Polinização das abelhas representam 10% do valor da produção agrícola mundial



A humanidade tem explorado colônias de abelhas produtoras de mel desde a pré-história, mas somente nos últimos anos se deu conta de que a importância desses insetos para a sua alimentação vai muito além da fabricação do poderoso adoçante natural.
“O mel é, na verdade, um subproduto pequeno quando comparado ao valor do serviço de polinização prestado pelas abelhas, que corresponde a quase 10% do valor da produção agrícola mundial”, destacou a professora da Universidade de São Paulo (USP) Vera Lúcia Imperatriz Fonseca, durante palestra no segundo encontro do Ciclo de Conferências 2014 do programa BIOTA-FAPESP Educação, realizado no último dia 20, em São Paulo.
Cientistas estimam que no ano de 2007, por exemplo, o valor global do mel exportado tenha sido de US$ 1,5 bilhão. Já o valor dos serviços ecossistêmicos de polinização em todo o mundo era calculado em US$ 212 bilhões. Os dados foram levantados em diversos estudos e estão reunidos no livro Polinizadores no Brasil: contribuição e perspectivas para a biodiversidade, uso sustentável, conservação e serviços ambientais, um dos vencedores do Prêmio Jabuti de 2013.
As verduras e frutas lideram as categorias de alimentos que necessitam de insetos para polinização (cada uma das produções tem valor estimado de 50 bilhões de euros). Seguem as culturas oleaginosas, estimulantes (café e chá), amêndoas e especiarias. Em média, segundo os estudos, o valor das culturas que não dependem da polinização por insetos é de 151 bilhões de euros por ano, enquanto o das que dependem da polinização é de 761 bilhões.
“Cerca de 75% da alimentação humana depende direta ou indiretamente de plantas polinizadas ou beneficiadas pela polinização animal. Dessas, 35% dependem exclusivamente de polinizadores. Nos demais casos, insetos como as abelhas ajudam a aumentar a produtividade e a qualidade dos frutos”, afirmou Vera Lúcia, que atualmente é professora visitante na Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa), no Rio Grande do Norte.
Pesquisas recentes, contou Fonseca, mostraram que mesmo culturas como a canola (polinizadas pelo vento) e a soja (considerada autofértil) produzem entre 20% e 40% a mais por hectare quando recebem apoio de colônias de abelhas da espécie Apis mellifera ou quando a plantação é feita ao lado de áreas com remanescentes de vegetação nativa.
“Quando se usam abelhas, jataí por exemplo, na polinização do morangueiro em ambientes protegidos, diminui em 70% o número de frutos malformados em alguns cultivares. Outra cultura que se beneficia da polinização em ambientes protegidos é a do tomateiro, que precisa de abelhas que vibram nas flores, como as do gênero Melipona. Em geral, as abelhas aumentam a produção de sementes, atuam na qualidade do habitat, tornam os sistemas agrícolas mais sustentáveis e trazem benefícios amplos ao meio, favorecendo outros serviços ecossistêmicos que permitem a preservação da biodiversidade e dos recursos hídricos”, disse Fonseca.
Veja aqui a matéria completa.

Click here

quinta-feira, 10 de abril de 2014

Os lucros do abacate -video

Belo Horizonte entre as 10 cidades mais verdes na América Latina e no Caribe - hortas escolares

Um relatório divulgado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), indicou um aumento da agricultura urbana e periurbana (AUP) na América Latina e Caribe. O documento, intitulado "Cidades mais verdes na América Latina e no Caribe", foi apresentado no dia 8 de abril de 2014, no Fórum Urbano Mundial, que acontece em Medellín, na Colômbia.
Créditos: FAO
Clique na imagem para vê-la no seu tamanho original.

O relatório contém perfis das 10 capitais mais verdes da região, selecionadas após uma pesquisa da FAO conduzida em 23 países, e com dados de 110 cidades e municípios.

Entre elas está Belo Horizonte, em Minas Gerais. Segundo o documento, um dos meios mais eficazes para promover a agricultura urbana na cidade mineira foram as hortas escolares, que passaram de 60 para 126 entre 2008 e 2012.

A atividade, que envolve um total de 96 mil alunos, recebe assistência da Secretaria Municipal Adjunta de Segurança Alimentar e Nutricional (Smasan). A Smasan oferece também treinamento em microhorticultura a grupos comunitários, entre outros programas.

Apoio

As outras nove cidades escolhidas são Havana, em Cuba; Cidade do México, no México; Antigua e Barbuda, no Caribe; Tegucigalpa, em Honduras; Manágua, na Nicarágua; Quito, no Equador; Lima, no Peru; El Alto, na Bolívia; e Rosário, na Argentina.

A FAO diz que para criar cidades mais verdes, é preciso de mais apoio dos governos nacionais, estatais e locais. Apenas 12 dos 23 países estudados têm políticas nacionais específicas para a promoção da agricultura urbana e periurbana.

A agência da ONU também constatou que esse tipo de agricultura muitas vezes não faz parte do planejamento e gestão do uso do solo nas cidades da América Latina e do Caribe.

FONTE

Rádio ONU
Michelle Alves