terça-feira, 29 de março de 2016

Após 60 dias do temporal em Porto Alegre, o que mudou???

Prefeitura não tem condições de evitar caos em temporais, denunciam funcionários


Os técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Porto Alegre alertam a população que os transtornos ocorridos após a tempestade do dia 29 de janeiro – quando milhares de habitantes ficaram sem água e luz durante dias por conta da queda de mais de três mil árvores sobre as redes de abastecimento da cidade – voltarão a acontecer “sem que a Prefeitura consiga dar uma resposta ágil e tecnicamente eficiente à população porto-alegrense”.
O manifesto, assinado por duas associações de classe (Sindicato dos Engenheiros do Rio Grande do Sul, Senge, e Associação dos Técnicos de Nível Superior do Município de Porto Alegre, Astec), denuncia que o manejo da arborização urbana, necessário para manter os vegetais sadios e em condições de resistir aos efeitos do clima é feito de forma precária porque não há reposição de funcionários da área operacional – o último concurso ocorreu há mais de 20 anos, em 1993 – e a terceirização dos serviços é “ineficiente e subdimensionada”.
Os técnicos apontam ainda a falta de manutenção de veículos e equipamentos e também da infraestrutura necessária para o trabalho. “Uma parcela considerável dos danos e prejuízos causados à população poderia ser evitada caso a Smam dispusesse das condições mínimas necessárias para desenvolver ações programadas de manutenção preventiva da arborização da cidade”, lamenta a nota.
Manifesto foi ignorado pelos jornais
O manifesto foi divulgado na semana passada mas não recebeu atenção da imprensa gaúcha, que preferiu comprar a tese de que as árvores da cidade estavam velhas ou que eram inadequadas para uma cidade grande.
Os técnicos sabem que eventos extremos como o daquela sexta-feira a noite – com ventos que ultrapassaram os 120 km/h – serão cada vez mais comuns em razão do aquecimento global e “evidenciam que o processo de sucateamento do órgão ambiental de Porto Alegre pode se refletir negativamente na capacidade de resposta da cidade” frente a situações adversas.
Para alertar as autoridades sobre a necessidade de manter a pasta em condições de atender eventos como o do dia 29 de janeiro, um grupo de ambientalistas vai pedir à Câmara Municipal uma audiência pública sobre o tema. Uma reunião no Legislativo foi marcada para as 14 horas desta quinta-feira.

JORNAL JÁ 10 de fevereiro de 2016