Mostrando postagens com marcador voçorocas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador voçorocas. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Bambu-verde-amarelo chega a ser tão resistente quanto o concreto

Fonte: site G1

A planta que está presente em todo o País e tem uma das maiores velocidades de crescimento do reino vegetal.


  •  
Essa espécie, também conhecida como bambu-brasileiro, tem grande apelo estético (Foto: Eulâmpio Vianna Neto / TG)Essa espécie, também conhecida como bambu-brasileiro, tem grande apelo estético (Foto: Eulâmpio Vianna Neto / TG)



O bambu-verde-amarelo (Bambusa vulgaris vittata), também conhecido como bambu-brasileiro e bambu-imperial, veio da Ásia, trazido pelos portugueses.

A planta está presente em todo o território brasileiro e tem grande apelo estético por causa das cores.

A espécie tem folhas e raramente frutifica. Quando isso acontece, a planta morre. O mesmo ocorre quando flores aparecem.

Na Amazônia brasileira há várias florestas de bambus, principalmente no Acre onde recobrem 35% do Estado.

Ao todo são cerca de 90 gêneros e mais de 1.250 espécies de bambu no mundo. Pesquisas mostram que a planta é tão durável e resistente quanto o concreto. Em relação à tração, é comparada ao aço. A variação de largura do caule é o que faz a planta flexível.

O bambu tem uma das maiores velocidades de crescimento do reino vegetal. A planta, que tem brotação anual espontânea, pode ser cortada aos 3 anos de idade
.

domingo, 14 de junho de 2015

Manejo de sistemas agroflorestais com espécies nativas e culturas anuais...





A união dos projetos: "Desenvolvimento de tecnologias em sistesmas agroflorestais voltadas para agroenergia e segurança alimentar" da Embrapa e "Fruteiras do Cerrado" da Emater/GO, destinados a agricultores familiares têm objetivos que excedem a simples recuperação de áreas degradadas, as chamadas voçorocas.
As ações dos projetos promovem o manejo de sistemas agroflorestais por meio de duas propostas: a revalorização da vegetação do Cerrado com o plantio de árvores frutíferas nativas, como Murici, Mamacadela, Cajazinho, Baru e Pequi. E a outra, voltada para segurança alimentar, é a adoção de culturas anuais como arroz, feijão, milho, mandioca e fruteiras.

Produção: Embrapa Informação Tecnológica e Embrapa Arroz e Feijão
Responsável pelo conteúdo técnico: Agostinho Dirceu Didonet, pesquisador da Embrapa Arroz e Feijão
Jornalista: Henrique de Oliveira

sábado, 2 de novembro de 2013

Tampando Buraco: Recuperando Voçorocas



A voçoroca, boçoroca ou barranco é um fenômeno geológico que consiste na formação de grandes buracos de erosão, causados pela água da chuva e intempéries, em solos onde a vegetação é escassa e não protege mais o solo, que fica cascalhento e suscetível de carregamento por enxurradas. Pobre, seco e quimicamente morto, nada fecunda.

São causadas pelo intemperismo físico da ação pluvial e são considerados ações erosivas. Os sedimentos decorrentes dessas ações climáticas são deslocados para as partes mais baixas e ali depositados. Formam-se assim os colúvios e depósitos de encosta, caracterizando o processo de sedimentação.1 2 3

O termo "voçoroca" tem origem no termo tupi ibysoroka, que significa "rasgo de terra", de yby ("terra") e sorok ("rasgar")4 .

A voçoroca pode ser prevenida com a plantação de árvores na beira dos buracos, para evitar que o fluxo da água leve consigo, terra e sedimentos, que são retidos por suas raízes.5 . Devem também ser escavadas caixas de retenção ou drenagem da água para interromper o caudal.
É um fenômeno prejudicial, pois destrói terras cultiváveis e colabora para o assoreamento de rios.6

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Como conter a evolução de voçorocas no meio rural



Voçorocas são crateras nos morros provocadas pela erosão devido as fortes chuvas de verão. Quase sempre, a causa está na retirada da floresta, num solo susceptível à erosão, sendo mal utilizado com atividade agrícola desordenada, queimadas, pisoteio do gado em fortes declividades, excesso de animais na pastagem, que aliado a ação das chuvas culmina em situação mais extrema da degradação natural.