Mostrando postagens com marcador separação do lixo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador separação do lixo. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Projeto quer distribuir 500 kits de compostagem com minhocas para os moradores de Florianópolis

Matéria extraída do Diário Catarinense

http://dc.clicrbs.com.br/sc/estilo-de-vida/noticia/2017/10/projeto-quer-distribuir-500-kits-de-compostagem-com-minhocas-para-os-moradores-de-florianopolis-9920847.html

Acúmulo de lixo e o que fazer com ele tem se tornado cada vez mais um problemão para as cidades. Só em Florianópolis são produzidos 183 mil toneladas de lixo convencional por ano, mô quirido. E só 6,85% desse total, segundo estudos da Comcap, são desviados do aterro sanitário, ou seja, que puderam ser reciclados. Ainda há um mundaréu de resíduo que poderia ter um destino melhor. E o lixo orgânico tem tudo para ser um deles.
Os moradores da Capital geram 65 mil toneladas por ano de lixo orgânico, o que corresponde a 35% do total. Desses, 24% são de restos de alimentos e 11% de resíduos verdes como podas, restos de jardinagem e folhas varridas durante a limpeza pública. Bom, com esses números em mãos e com experiências positivas desenvolvidas pela própria Comcap em escolas e associações de moradores, como o trabalho de compostagem de lixo orgânico, por que não ampliar a ideia e atingir ainda mais moradores? Imagina, quirido, uma cidade inteira reciclando seu próprio lixo orgânico e o transformando em adubo, que poderá ser utilizado em hortas comunitárias, hortinha de apartamento e pomares?
 FLORIANOPOLIS, SC, BRASIL, 29.09.2017: Comcap irá distribuir composteiras a base de minhoca. (Foto: Diorgenes Pandini/Diário Catarinense)
Equipe da Comcap promoverá oficinas para treinamentoFoto: Diorgenes Pandini / Diario Catarinense
Como sonhar não é proibido, a direção da Comcap recebeu um desafio e repassou aos demais encarregados: era preciso trazer ideias inovadoras. O gerente da divisão de informática da autarquia, Marildo Peixe, lançou uma ideia que praticava em casa: vamos distribuir kits de composteiras com minhocas para mais pessoas, e ensiná-las a como reaproveitar seu próprio lixo e, assim, diminuir o envio desse material ao aterro.
Pronto. Estava criada a proposta Minhoca na Cabeça (criada pelo Peixe, que ironia, hein?), e que agora está tendo seu projeto metodológico desenvolvido pela engenheira sanitarista e gerente do departamento de planejamento de gestão e projetos, Karina da Silva de Souza. A ideia é distribuir 500 kits de compostagem com minhocas californianas – que são as ideais para a proposta – para o processo de compostagem de orgânicos. E tudo isso de forma gratuita.
— Estamos montando o projeto e abriremos um cadastro para inscrição no site da Comcap. Os interessados devem se inscrever para receber os kits. Mas não só isso: vamos avaliar se a pessoa já pratica alguma atividade em prol do meio ambiente, se tem esse perfil. Porque não podemos entregar o kit para uma pessoa e ela não usufruir do benefício que ele traz — explicou Karina.

Moradores selecionados passarão por um curso preparatório
Os inscritos serão chamados para uma oficina de compostagem na Comcap, com os educadores ambientais Gilson Kiyzanoski e Guilherme Carioni, que já desenvolvem a atividade no Jardim Botânico de Floripa, no Itacorubi. Segundo Karina, estima-se que serão realizadas em torno de 25 oficinas para os 500 inscritos.
 FLORIANOPOLIS, SC, BRASIL, 29.09.2017: Comcap irá distribuir composteiras a base de minhoca. (Foto: Diorgenes Pandini/Diário Catarinense)
Kits serão entregues para pessoas que tenham perfil de reciclagem de lixo Foto: Diorgenes Pandini / Diario Catarinense
— Os moradores vão fazer sua composteira na oficina e sairão daqui com elas prontas. A ideia é que elas repassem também o conhecimento para outras pessoas. Que isso se transforme num ciclo — complementou Karina.
O projeto será todo acompanhado por uma equipe de especialistas que será montada pela Comcap. Porque a ideia não é só ensinar a prática, mas sim observar o sucesso dela e contabilizar, ao fim do ano, o quanto foi possível desviar de lixo orgânico dos aterros.
A ideia será apresentada nesta semana ao prefeito Gean Loureiro e o objetivo, contou o presidente da Comcap, Carlos Alberto Martins, é transformar o projeto Minhoca na Cabeça numa política pública. Se tudo ocorrer conforme o desejado pela equipe, e com base na produção média de 1,6 quilo de resíduos orgânicos por família por dia na cidade, os 500 moradores vão desviar 292 toneladas de resíduos orgânicos por ano com uma economia direta de R$ 43 mil em transporte até o aterro e redução de 70% na emissão de carbono. Côsa linda, não?

Como funciona a ideia da composteira
Peixe já realiza a compostagem de seu lixo orgânico há cerca de dois anos em casa. Aprendeu a técnica na própria Comcap e afirma: o adubo e o chorume da composteira têm deixado sua horta verdinha, verdinha. Cascas de frutas, restos de comida – sem temperos – casca de ovo, tudo vai para a composteira – que pode ser uma caixa de plástico ou até baldes. Para a mágica acontecer, deve-se misturar o material com folhas secas, por exemplo. E colocar ali as minhocas californianas. Elas são as responsáveis pelo serviço.
 FLORIANOPOLIS, SC, BRASIL, 29.09.2017: Comcap irá distribuir composteiras a base de minhoca. (Foto: Diorgenes Pandini/Diário Catarinense)
Objetivo é reduzir a quantidade de lixo orgânico que vai parar no aterroFoto: Diorgenes Pandini / Diario Catarinense
— Como elas comem o material ainda vivo, ou seja, ela não precisa esperar as cascas apodrecerem para comê-las, o processo é mais rápido. Em torno de três meses elas transformam o material em um riquíssimo adubo e, em seguida, em um líquido que contém uma porção de nutrientes importantes — contou Peixe.
O chorume, o líquido do material orgânico, cai para a terceira caixa da composteira, e para usar como adubo, ele deve ser misturado com uma grande porção de água. São tantos nutrientes, que se jogado purinho na terra, pode até matar as plantas. A medida é de 1 por 10, ou seja, para um litro de chorume, misture 10 litros de água, e aí sim, aplique na terra que quiser.
— A gente vê todos os dias como a compostagem é importante. E se as pessoas começarem a fazer isso em suas casas, será um ciclo. Elas vão ver como é bom cuidar do seu próprio lixo, vão ver a ação da natureza acontecer. E, assim, terão até, quem sabe, vontade de montar uma hortinha — avalia o educador ambiental Gilson.
Segundo Karina, até quem mora em apartamento poderá ter uma composteira do projeto Minhoca na Cabeça. Claro, o ideal é que seja um apezinho com uma sacada ao menos. E não precisa ficar receoso. O adubo e o chorume não possuem cheiro ruim. Com este método, com as minhocas californianas, dificilmente se atrai outros bichos como ratos e baratas.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Como fazer uma composteira domestica para reciclar o próprio lixo e produzir humus!



 Forneço 100 unidades por R$30,00 (é o suficiente para começar) + taxa sedex R$ 20,00 . Envio para RS;SC e Paraná.

“Comece de onde você está. Use o que você tiver. Faça o que você puder.” ARTHUR ROBERT ASHE JR


As minhocas ao se locomoverem por entre as camadas do solo, cavam galerias fazendo passar por seu tubo digestivo grande quantidade de terra e restos vegetais, formando desta maneira o "húmus".
Além de arejar, a minhoca aumenta a porosidade e a homogeneização dos solos, tendo ainda eficiente atuação sobre os sais, deixando-os sob forma assimilável aos vegetais.
O húmus transmite "vida"as plantas, promove a mineralização do potássio, fósforo, boro, magnésio, cobre e possui bactérias fixadoras de nitrogênio atmosférico, que transmite saúde às plantas.
O húmus possui constituição casulos e pequenas minhocas que vão multiplicar-se na área em que for aplicado, produzindo assim, vida na terra.
Este húmus foi produzido por minhocas vermelhas da Califórnia (Eisenia Foetida). E a gigante africana (Eudrilus Eugeniae), a partir do esterco bovino.
Composto Produzido por Minhocas
Vermicompostagem é o processo de preparo do adubo orgânico ou fertilizante orgânico denominado composto. O composto produzido pelas minhocas contém 20 a 30% da matéria orgânica por elas ingerida e não digerida ou assimilada e que, por isso, é eliminada com as fezes. É nesse meio que se desenvolvem os “ovos” que se encontram dentro das cápsulas, as minhoquinhas que deles vão nascendo e as que vão junto com o húmus.
O húmus e o composto não têm cheiro, não atraem moscas e podem ser aplicados diretamente nas lavouras, campos, outras lavouras e pastagens, pois não prejudicam as plantas. Podem, também, ser armazenados durante 3 a 4 meses, desde que em local coberto e ventilado.
Existe à venda, no comércio, um secador para húmus, que facilita muito os serviços no minhocário. A diferença entre o húmus e o composto orgânico, segundo alguns autores e criadores, é que o primeiro é um material fino e uniforme, enquanto que o segundo é mais grosseiro.
Para fazer o composto orgânico, o criador pode utilizar as minhocas nativas que, ao contrário das vermelhas da Califórnia, transformam em adubo todo o material orgânico, como jornais, papéis, papelões, folhas, restos de culturas e podas, lixo doméstico, etc. Só não servem para a produção do composto, os plásticos, vidros e metais.
A única desvantagem das minhocas nativas é que elas são menos produtivas, sua produtividade é menor do que a das vermelhas da Califórnia e o composto leva 90 dias para ficar pronto.
Como, normalmente, há sempre um excesso de minhocas nos canteiros, é melhor que o criador as venda ou então que as aproveite em criações de rãs, pássaros, peixes ou de qualquer outro animal ou as industrialize, fabricando farinha de carne, por exemplo, pois com o aumento da produção, terá maiores lucros.
As terras dos canteiros devem ser afofadas, de tempos em tempos, para melhorar suas condições físicas.
Definições
– O que é a minhoca?
Já foram catalogados 8.000 espécies de minhocas. Vivem em terrenos úmidos, porém pouquíssimas podem ser criadas em cativeiro, pois foi na Califórnia que, por volta de 1930, foi desenvolvido o projeto para a criação em cativeiro, para objetivar a longevidade, bons índices de produção, bem como de produção de húmus.
– O que é húmus?
O húmus é a produção da minhoca. É o seu excremento. É a transformação do esterco (alimento da minhoca), no mais completo e rico adubo orgânico existente. Podemos mesmo afirmar que a minhoca é uma micro-usina de transformação.
– Qual a aplicação do húmus?
Esse adubo vivo, cientificamente preparado, que contém microorganismos unificantes alcalinos, Rhizobium, fixadores de nitrogênio atmosférico, bactérias que constituem algo parecido com anticorpos naturais contra pragas, doenças e vírus, que transmitem saúde às plantas e promovem a mineralização do potássio, fósforo e outros elementos menores como o boro, o magnésio e o cobre, tem seu campo de atuação nas hortas, plantas, capineiras, pastagens, assim como qualquer cultura ou ainda em terras estéreis ou cansadas.
– Qual a diferença entre o adubo químico e o húmus?
O adubo químico indiscriminadamente ou constantemente, leva o solo à doença e à esterilidade. O adubo químico responde imediatamente. O adubo químico não leva vida ao solo.
O húmus é neutro ou levemente alcalino, sendo um meio ambiente favorável ao cultivo.
O húmus leva ao solo minerais em forma orgânica, levando-o, vitaminando-o, enriquecendo-o, a longo prazo.

Publicado por: Equipe Brasil Escola

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Coleta Seletiva de Lixo, comemora 27 anos em Porto Alegre!

 

A visita à Unidade de Triagem e Compostagem (UTC) do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), por estudantes universitários, na tarde desta terça-feira, 4, na Lomba do Pinheiro, foi mais uma atividade da Semana de Aniversário de 27 anos da Coleta Seletiva, promovida pela Secretaria de Serviços Urbanos (Surb). A ação é parte integrante do Curso de Formação Ambiental em Segregação de Polímeros Plásticos, realizado pelo Sindicato das Indústrias de Material Plástico no Estado do Rio Grande do Sul (Sinplast) e pelo Centro Universitário Ritter dos Reis (Uniritter). (fotos)

Os alunos tiveram a oportunidade de conhecer a maioria dos processos realizados no local, desde a área de compostagem, onde é feito o reaproveitamento de resíduos orgânicos arbóreos, até a Unidade de Triagem de Resíduos Hospitalares (UTH), que faz a separação dos resíduos hospitalares não contaminados e com possibilidade de reciclagem. Durante a passagem pela Unidade de Triagem de Resíduos Domiciliares, foram orientados sobre como são feitos os processos de segregação dos materiais.
 
A comemoração do aniversário da Coleta Seletiva começou na segunda-feira, 3, e se estende até sexta-feira, 7, com diversas atividades com o objetivo de sensibilizar sobre a importância do serviço disponibilizado pelo DMLU, e como o descarte correto dos resíduos recicláveis traz benefícios ao ambiente, à saúde e gera emprego e renda para cerca de 700 pessoas. Nesta quarta-feira, 5, serão realizadas implantações de estações integradas de compostagem nas escolas municipais de Educação Infantil Protásio Alves e de Ensino Fundamental Moradas da Hípica.
 
A Semana da Coleta Seletiva conta com o apoio da Secretaria Municipal de Relações Institucionais e Articulação Política (SMRI), da Secretaria Municipal do Meio Ambiente e da Sustentabilidade (Smams) e da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico (SMDE), por meio do Departamento de Turismo.Resultado de imagem para Coleta Seletiva de Lixo, comemora 27 anos em Porto Alegre!
 
Programação
5 de julho - quarta-feira:
9h: Implantação de Estação Integrada de Compostagem na Escola Municipal de Educação Infantil Protásio Alves. Local: Rua Aracy Froes, 210 - Jardim Itu Sabará
14h: Implantação de Estação Integrada de Compostagem na Escola Municipal de Ensino Fundamental Moradas da Hípica. Local: Rua Geraldo Tollens Linck, 01 - Hípica
 
6 de julho - quinta-feira:
12h às 16h: Estação ReciclaPOA
14h: Encontro do GT de Educação Ambiental. Local: Largo Glênio Peres - Centro Histórico
14h: Intervenção Urbana e Humana Reciclando Atitudes na Comunidade Humaitá. Local: Rua Graciano Camozzato, 185
 
7 de julho - sexta-feira:
Aniversário de 27 anos da Coleta Seletiva
10h às 16h: Estação ReciclaPOA. 
14h30: Roda de conversa com triadores das Unidades de Triagem
15h: Cerimônia com Premiação às escolas municipais vencedoras da Gincana das Tampinhas. Local: Largo Glênio Peres - Centro Histórico
 
Histórico - Desde 7 de julho de 1990, quando iniciou como projeto-piloto no bairro Bom Fim, o sistema de coleta seletiva foi sendo aperfeiçoado pelo DMLU e tornou-se referência na América Latina. O serviço foi ampliado em setembro de 2015, passando a atender três vezes por semana os bairros beneficiados pela coleta automatizada. No restante da cidade, o caminhão realiza a coleta duas vezes por semana. Os roteiros foram reprogramados para não coincidirem com os horários da coleta domiciliar e são feitos nos turnos do dia ou da noite, atendendo 100% da cidade. A consulta, atualmente, é por endereço completo, não por bairro. Para verificar os dias e horários, acesse aqui.
 
Vantagens - Além dos benefícios sociais, a entrega dos resíduos recicláveis à Coleta Seletiva traz vantagens ambientais e econômicas. Diariamente, o DMLU recolhe cerca de 1.200 toneladas de resíduos domiciliares. Desse total, de 70 a 100 toneladas são de resíduos recicláveis que são recolhidos pela Coleta Seletiva. As 1.100 toneladas restantes são de resíduos orgânicos, rejeitos e recicláveis misturados na coleta domiciliar.

Estima-se que em torno de 260 toneladas de recicláveis são descartadas, indevidamente, junto com os orgânicos e rejeitos, e, com isso, acabam sendo enviadas para o aterro sanitário de Minas do Leão (RS). O custo total para enviar esses resíduos para o aterro é de, aproximadamente, R$ 770 mil por mês, valor que poderia ser investido em outras melhorias para a cidade, se a maioria da população separasse os recicláveis e os encaminhassem à Coleta Seletiva do DMLU.
 
Fonte: site da prefeitura de porto alegre

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Clientes podem trocar lixo reciclável por alimentos em supermercado brasileiro



supermercadoalimentos-ecod.jpg
O Acre existe SIM – e está dando um banho de sustentabilidade nos demais estados do Brasil. A unidade federativa acaba de ganhar o primeiro supermercado brasileiro em que é possível comprar comida com lixo reciclável. Isso porque o estabelecimento, batizado de TrocTroc, oferece aos clientes a possibilidade de trocar PETs, latas de alumínio e lacres de garrafas plásticas por qualquer produto vendido no mercado.
Cada quilo de material reciclável vale R$ 0,50 em compras. Caso o cliente traga os resíduos já limpos e amassados, facilitando sua reciclagem, o valor do bônus tem acréscimo de 20%.
Nas prateleiras, artigos como frutas, grãos, legumes e verduras – tudo produzido localmente, a fim de valorizar os produtores rurais da região.
Aliás, não são só eles que estão sendo empoderados com a iniciativa. O TrocTroc foi idealizado por Marcelo Valadão, presidente da House of Indians Foundation – uma entidade internacional que luta pelo respeito e preservação da cultura indígena e que, não por acaso, deixou o supermercado aos cuidados de membros da tribo Ashaninka, a fim de fomentar a economia local e valorizar seus costumes de troca.
Já pensou quantas pessoas Brasil afora que, atualmente, estão em situação de vulnerabilidade – como moradores em situação de rua – poderiam ser ajudadas, caso a moda do supermercado TrocTroc pegasse?
(Por Débora Spitzcovsky, do The Greenest Post)


Fonte: EcoD 

terça-feira, 19 de julho de 2016

JÁ PENSOU EM TER UM MINHOCÁRIO PARA RECICLAR O SEU LIXO?

JÁ PENSOU EM TER UM MINHOCÁRIO PARA RECICLAR O SEU LIXO ORGÂNICO DOMÉSTICO?

Cuidar do lixo que produzimos para que seja o menos agressivo possível ao meio ambiente, dando-lhe o destino adequado é nossa responsabilidade, caso contrário, ficaremos literalmente submersos a ele.
Numa cidade como São Paulo, aproximadamente 60% do lixo coletado consiste em material orgânico, diariamente descartado de nossas cozinhas. Ter um minhocário urbano pode auxiliar a reciclar estes restos de comida, produzir o húmus, valioso para os vasos  e obter também um biofertilizante excepcional para a nutrição das plantas.
Saiba como funciona o minhocário:


http://www.dicasdoitaim.com.br/tag/minhocario/
Mariangela

terça-feira, 12 de abril de 2016

Dez conselhos do Papa Francisco para cuidar do meio ambiente

Em sua primeira grande encíclica – carta papal endereçada aos bispos – voltada para o meio ambiente, o Papa Francisco pede uma “ação decisiva, aqui e agora” para deter a degradação ambiental e o aquecimento global. No documento “Laudato Si [Seja Louvado] – Cuidados de Nosso Lar Comum”, o Papa também pede por uma mudança do estilo de vida dos países ricos e da cultura do consumo “descartável”. Confira alguns conselhos que o papa Francisco listou para que os cidadãos comuns possam ajudar na preservação do planeta.

1. Aquecimento
Mesmo que suas economias permitam, evite ligar o aquecedor. Prefira usar agasalhos
2. Papel e plástico
Evite o uso de materiais como papel e plástico
3. Água
O papa aconselha também que os cidadãos reduzam o consumo de água
5. Comida
Cozinhe somente os alimentos que irá consumir e evite o desperdício
6. Seres vivos
Para o papa, é muito importante tratar todos os seres vivos com cuidado e compaixão
7. Transporte
Papa Francisco recomenda usar o transporte público sempre que possível ou pegar caronas e compartilhar seu carro com outros amigos
8. Energia
Apagar as luzes quando não for necessário auxilia na economia de energia
9. Ar Condicionado
Tente moderar no uso do ar condicionado, aconselha o papa

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Cada vez mais os resíduos são e deverão ser vistos não como lixo, mas como recurso.


Cada vez mais os resíduos são e deverão ser vistos não como lixo, mas como recurso.
Assim, a recuperação e reciclagem dos materiais é fundamental para a valorização dos resíduos.

Regras a seguir:
  • Escorra e enxague as embalagens usadas para evitar maus-cheiros;
  • Sempre que possível, amasse as embalagens usadas para reduzir o espaço que ocupam e facilitar o transporte;
  • Retire as rolhas e tampas pois são, normalmente, de material diferente da embalagem.
    Reduzir a quantidade de lixo que cada um de nós produz.
    Reutilizar, escolhendo produtos e embalagens que possam ser utilizadas várias vezes.
    Reciclar alguns componentes do lixo, de preferência se o separarmos na origem.

Plástico


Depositar:
Garrafas, garrafões e frascos de:

- água
- sumos e refrigerantes
- vinagre
- detergentes e produtos de higiene
- óleos alimentares

Sacos de plástico
Esferovite
Pacotes de leite e bebidas (ECAL)*
Iogurtes

*embalagens de cartão para alimentos líquidos

Não depositar:
Embalagens de produtos tóxicos ou perigosos, por ex.: combustíveis e óleo de motor.


Metal




Depositar:                                          Não Depositar:
- latas de bebidas                              Electrodomésticos
- latas de conserva                             Pilhas e baterias
- tabuleiros de alumínio                      Objectos que não sejam embalagens, por ex:
- aerossóis vazios                              tachos e panelas, talheres, ferramentas, etc.
- metalizados

Papel e Cartão


Depositar:
- embalagens de cartão, por ex.: caixas de cereais; bolachas, etc
- sacos de papel
- papel de embrulho
- jornais e revistas
- papel de escrita

Não depositar:
- embalagens de cartão com gordura, por ex.: pacotes de batatas fritas, caixas de pizza
- sacos de cimento
- embalagens de produtos químicos
- papel de alumínio
- papel autocolante
- papel de cozinha, guardanapos e lenços de papel sujos
- toalhetes e fraldas


Vidro

Depositar:                         Não depositar:
- Garrafas                       - Louças e cerâmicas (pratos, copos, chávenas, jarras, etc.)
- Garrafões                     - Materiais de construção civil
- Frascos                       - Janelas, vidraças, espelhos, etc.
- Boiões                         - Lâmpadas

Pilhas
Depositar:

Pilhas (salinas e alcalinas, de botão, de lítio e recarregáveis) e acumuladores - baterias recarregáveis (baterias de níquel cádmio, níquel metal híbrido e de iões de lítio).

Estas pilhas e acumuladores serão armazenados em condições de segurança e encaminhadas para valorização onde, através de vários processos, se separam e recuperam os diversos materiais que as constituem.
Nota: As pilhas são resíduos perigosos. Uma simples pilha pode contaminar 3000 litros de água!
Alguns aspectos negativos das lixeiras

- Contaminação das águas.
- Contaminação dos solos.
- Maus cheiros.
- Provocam incêndios.
- Formação de focos de doenças.
- Problemas paisagisticos.
- Problemas de sobrevivência de alguns seres vivos.



Algumas vantagens da Reciclagem:



- Economiza e reduz a procura de energia;
- Reduz a quantidade de matérias-primas necessárias para o fabrico de novos produtos;
- Reduz a quantidade de resíduos depositados em aterro;
- Protege a biodiversidade;
- Reduz o aquecimento global;
- Reduz a poluição da água;
- Reduz a poluição do ar;
- Reduz a quantidade de resíduos sólidos;
- Reduz a destruição de habitat


Por um Mundo melhor...
 Pedro Gonçalo C. S. Silva

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Composteira caseira reduz descarte de lixo doméstico em até 51%

Composteira um outro modelo


A utilização de composteiras domésticas para a destinação adequada de resíduos orgânicos é uma opção que vem ganhando força na busca por sustentabilidade. “Compostar orgânicos, em qualquer casa, significa poder reciclar 51% dos materiais que normalmente vão para aterro sanitário. A prática minimiza a necessidade de transporte e uso dos aterros, diminuindo a emissão de gases de efeito estufa”, explica o gestor ambiental Marcos Alejandro Badra, da Inambi.
A empresa é parceira da CasaE, Casa de Eficiência Energética da BASF, que montou uma composteira doméstica. Além do detrito orgânico produzido na cozinha da CasaE, também podem ser depositados no local os restos de jardinagem, papel de guardanapo e os plásticos compostáveis. O adubo produzido poderá ser usado no próprio jardim da residência.
Segundo Badra, quase a metade dos resíduos gerados nas cidades é orgânico e enviado, inadequadamente, para aterros sanitários ou lixões. A degradação desses resíduos no ambiente gera gás metano, com potencial de aquecimento global 25 vezes superior ao dióxido de carbono, segundo o IPCC, Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas. Essa é a principal causa do efeito estufa relacionada ao lixo urbano. “O descarte inadequado de resíduos é responsável por 30% dos gases-estufa gerados no País, segundo o IPCC”, diz Badra.
A prática da compostagem contribui com as diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), Lei 12.305/2010 aprovada em agosto de 2010, e o Decreto 7404/2010, de dezembro do mesmo ano, com o propósito de enfrentar o desafio que o Brasil tem neste sentido. A PNRS prevê a redução na geração de resíduos, tendo como proposta a prática de hábitos de consumo sustentável e um conjunto de instrumentos para propiciar o aumento da reciclagem e da reutilização dos itens que têm valor econômico e podem ser reaproveitados. Além disso, trata da destinação ambientalmente adequada dos rejeitos, que não podem ser reutilizados.
Como fazer uma composteira doméstica
A compostagem é uma prática milenar, realizada de formas variadas em muitas culturas e destinada a melhorar a fertilidade e saúde do solo usado para a produção de alimentos. O método imita os processos dos ecossistemas naturais.
Recipiente
Há vários tipos de composteiras para uso doméstico. A escolha dependerá do tipo de local onde será instalada (casa, apartamento etc.) e a capacidade para receber resíduos em relação à quantidade de pessoas. Qualquer um dos modelos, desde que usado corretamente, é bom.
Tipos de resíduos
Dependerá do tipo de composteira. Em todas elas podem ser depositados resíduos orgânicos de cozinha. Na composteira instalada na CasaE, pode ser incluído papel de guardanapo, plásticos compostáveis, filtro de café, entre outros.
Manejo
Distribua na composteira os resíduos orgânicos compostáveis e cubra-os com biomassa (restos de folhas, grama ou serragem). A composteira deverá permanecer fechada, sendo aberta somente para adicionar resíduos ou retirar o composto. Após 60 dias o composto pode ser retirado pela parte inferior da composteira. Importante: o composto deverá ser escuro e úmido, com o aspecto de borra de café, odor semelhante ao solo de floresta e sem insetos.
Uso
O resultado da compostagem é um adubo que pode ser utilizado na fertilização do solo e vasos de plantas.


sexta-feira, 17 de outubro de 2014

VIDA SUSTENTÁVEL - 19 coisas que só quem tem uma composteira caseira vai entender




Ter uma composteira caseira é um ótimo jeito de produzir o seu próprio fertilizante natural e ainda reduzir a quantidade de resíduos orgânicos jogados no lixo. O sistema é simples, basicamente são caixas com terra e minhocas, onde, junto com os restos de alimentos, acontece a produção de chorume. Se você ainda não tem uma composteira, mas deseja ter, clique aqui e saiba como fabricar a sua própria estrutura.
Se você já tem, provavelmente se identificará com a lista abaixo:
1. Após jantar na casa de um amigo, você vai querer levar todo o resto de comida para alimentar as suas minhocas em casa. O mesmo acontece com os restos de frutas e cascas que os colegas do trabalho iam jogar no lixo, mas você apareceu bem na hora para impedir tamanho desperdício.

Foto: Renata Borges Alves / Grupo Composta São Paulo
2. Você vai sonhar com minhocas.
3. E sempre vai achar que as suas minhocas estão passando fome.
4. As minhocas são tão importantes, que você começa a ficar neurótico quando não as vê vagando pelo seu solo. Pode até acordar à noite para tentar encontra-las e garantir que estão vivas, sãs e salvas.

Foto: Gabriela Fernandes Leite / Grupo Composta São Paulo
5. A retirada do chorume é quase tão aguardada quanto o feriado prolongado, o natal ou o carnaval.
6. Quando esse dia chega e você vê aquele líquido lindo saindo de sua composteira dá vontade de chorar de emoção ou ligar o som no último volume e dar uma festa, mesmo que os convidados seja apenas você (e as minhocas, claro).

Foto: Mayra Rosa / Altair Oliveira / Grupo Composta São Paulo
7. O lixo da sua casa foi reduzido em pelo menos 1/3 ou até mais.
8. Quem não conhece você muito bem e ouve dizer que tem um minhocário em casa, acha que você é muito hippie, alternativo e até um pouco louco.
9. Sempre que você vê alguém jogando fora os resíduos orgânicos o seu coração dói (e muito). Aí você pensa nas minhoquinhas passando fome.
10. O seu jeito de enxergar e aproveitar os alimentos muda muito depois de uma composteira. Por ter que picar tudo antes de colocar na terra, você percebe que muitos talos e folhas ainda podem ser aproveitados em alguma receita.
11. Você reduz o desperdício. Após ver que uma fruta estragou, antes mesmo de ser consumida, você pensa melhor quando vai às compras.
12. Esqueça as suas inimizades. Os seus maiores inimigos agora são as mosquinhas da banana e os pulgões.
13. Você também tem um novo melhor amigo, o Neem, um repelente natural usado em toda a composteira.
14. O seu radar pessoal é acionado a cada mudança na composteira. Uma larva faz todos os seus alertas apitarem. Você vai entra em pânico, achando que este é o fim do mundo.
Até alguém mais experiente dizer que é totalmente normal, “isto é apenas o ecossistema”, a vida e a natureza.
15.  A matéria orgânica seca (serragem e folhas secas) vale mais do que ouro para você.

Foto: Francisco Bocchini / Grupo Composta São Paulo
16. Todos os dias você quer conferir se tem alguma mudinha nova aparecendo na sua terra.
17. E depois você fica na expectativa para tentar descobrir qual era a origem da plantinha e o que ela vai virar.

Foto: Evorah Cardoso / Grupo Composta São Paulo
18. Sua nova terapia são os grupos de “composteiros” no Facebook. Lá você desabafa, conta os seus problemas, dá dicas, depoimentos, manda fotos, vídeos e recarrega as energias para picar mais alimentos para as minhoquinhas.
19. Assim você também ganha centenas de novos amigos, já que estão todos no mesmo barco.
No final você descobre que não pode mais viver sem fazer compostagem, essa possibilidade simplesmente não existe!
Redação CicloVivo

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Horta caseira adubada com lixo orgânico pode diminuir impacto ambiental!

Através do projeto Lixeira Viva, os organizadores de Curitiba (PR) demonstram que é possível transformar o lixo orgânico caseiro em um poderoso adubo para hortas. Através dessa medida simples é possível cultivar hortaliças em casa e ajudar o impacto ambiental causado pelo excesso de lixo descartado diariamente por nós.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Nova York anuncia programa de reciclagem de resíduos orgânicos



Nova York pode se tornar um exemplo para outras cidades no mundo no quesito reciclagem. A prefeitura local prepara um projeto que tornará obrigatória a separação de resíduos orgânicos, que serão usados para a produção de energia.
Este é mais um dos esforços anunciados pelo prefeito Michael Bloomberg para reduzir a quantidade de lixo que é destinado diariamente aos aterros sanitários. Em abril deste ano, a população já havia sido informada sobre a expansão no sistema, que passou a coletar os plásticos rígidos. Agora, a atenção com a separação dos itens descartados deve ser ainda maior.
Os resíduos orgânicos serão destinados à compostagem. Em consequência disso, a cidade se beneficiará com um aumento na produção de adubo orgânico e com a produção do biogás, usado para a produção de energia limpa.
Conforme informado pela Folha, o sistema de reaproveitamento do material orgânico já acontece em cidades menores norte-americanas, entre elas San Francisco e Seattle. A principal mudança a ser feita, além do trabalho cultural, é de logística, mas Nova York já passa por reestruturações.
O prefeito Bloomberg explica que, inicialmente, o sistema será voluntário, mas é possível que com o desenvolvimento do programa, ele se torne obrigatório e resulte em multa para quem não cumprir a norma.
Redação CicloVivo