Mostrando postagens com marcador sítio dos herdeiros. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador sítio dos herdeiros. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Plantio de Mirtilo, pimenta biquinho e pimentão no sítio.

Mesmo com muita chuva neste final de semana, consegui plantar Mirtilo, pimenta biquinho e pimentão no sítio. O Mirtilo está dentro de um pneu, para proteger a muda de futuras roçadas. Com o tempo vou adicionando humus e esterco no entorno da muda, evitando o acumulo de água dentro do pneu.
Muda de Mirtilo dentro do pneu.

Olhem só o tamanho das folhas de couve! Coloquei humus do minhocário!

8 benefícios incríveis do mirtilo para a saúde.

1. POUCAS CALORIAS

mirtilo contem poucas calorias. 100 g do fruto fresco fornece apenas 57 calorias. No entanto, mirtilopossui nutrientes benéficos para saúde, como fibras solúveis dietética, minerais, vitaminas e pigmentos antioxidantes.

2. ALTO VALOR ORAC

blueberry é uma das mais altas frutas valor antioxidantes. O valor ORAC de 100 g de mirtilo fresco é 5562 TE. O seu valor antioxidante, em grande parte derivada da antocianida poli- compostos fenólicos como o ácido clorogênico, taninos, miricetina, quercetina e kaempferol .

3. FONTE DE ANTIOXIDANTES

Além disso, o fruto têm outros antioxidantes tais como flavonóides caroteno-β, luteína e zea-xantina .

4. COMBATE AS CÉLULAS DE ENVELHECIMENTO

Ao todo, os compostos fito-químicos na ajuda mirtilo livrar os radicais livres nocivos derivados do oxigênio do corpo e, assim, proteger o corpo humano contra o câncer, envelhecimento, doenças degenerativas e infecções.

5. REDUZ OS NÍVEIS DE AÇÚCAR NO SANGUE

Além disso, estudos sugerem que o ácido clorogênico no  mirtilo ajudar a diminuir os níveis de açúcar no sangue e os níveis de glicose no sangue de controle na diabete tipo 2.

6. FORNECE VITAMINA E, A e C

Mirtilo contêm uma pequena quantidade de vitamina C, vitamina A e vitamina E. Ao todo essas vitaminas funcionam como potentes anti-oxidantes.

7. RICA FONTE DE VITAMINAS DO COMPLEXO B

mirtilo também contêm uma pequena quantidade de grupo complexo B de vitaminas tais como niacina, piridoxina, ácido pantoténico e folatos. Contém muito boas quantidades de B-6, niacina, riboflavina, ácido pantoténico e vitamina ácido fólico. Estas vitaminas estão atuando como co-fatores ajudam o corpo a metabolizar carboidratos, proteínas e gorduras.

8. FONTE DE MINERAIS

Além disso,  mirtilo contêm uma boa quantidade de minerais como potássio, manganês, cobre, ferro e zinco. O potássio é um componente importante de celulares e fluidos corporais que ajuda a controlar a frequência cardíaca e a pressão arterial. O manganês é usado pelo corpo como um co-fator para a enzima antioxidante superóxido dismutase . O cobre é necessário para a produção de células vermelhas do sangue. O ferro é necessário para a formação dos glóbulos vermelhos do sangue.

SOBRE O BLUEBERRY

mirtilo ou blueberry, é um fruto nativo do Norte da Europa e famoso desde muitos séculos pela sua eficácia terapêutica no sistema convencional de medicina Europeia. O fruto pertencente a espécie da família Ericaceae. Botanicamente, a planta do fruto é um arbusto de folha caduca que pertencem no seio da família de Ericaceae , do gênero: Vaccinium.

CULTIVO

Atualmente, o fruto é amplamente cultivado no norte da Ásia, Europa e América do Norte e está se tornando bastante popular como um delicioso ingrediente em conservas, tortas e doces, bem como por sua capacidade de tratar uma variedade de condições de saúde.
A arvore do blueberry cresce pouco, de folha caduca com ramos delgados com flores minúsculas rosadas e folhas verdes, ovais e pontiagudas brilhantes. A planta produz um fruto roxo escuro, são colhidos durante o verão e pode ser consumido fresco ou seco. Desde muitas décadas, antimicrobiana, antioxidante e propriedades anti-inflamatórias de mirtilo foram valorizados por sua eficácia em uma variedade de doenças, incluindo diabetes, câncer e danos no fígado e nos rins.

Confira no vídeo mais sobre os benefícios de mirtilo para a saúde!

Informações Nutricionais do Mirtilo

Mirtilo contém uma série de nutrientes essenciais, incluindo vitaminas tais como a vitamina A, vitamina C (ácido ascórbico), vitamina B1 (tiamina), vitamina B2 (riboflavina), vitamina E (alfa-tocoferol) e vitamina K (filoquinona). Existem um composto de minerais importantes presentes no fruto de mirtilo, como o cobre, cromo, manganês, zinco e ferro. Boldo é um rico fornecedor de alcalóides, ácidos carbônicos e um número de componentes fenólicos, como quercetina, antocianinas, taninos, pectina e catequinas.

Fontes:

Importante: Procure sempre a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado antes de começar qualquer tratamento novo ou fazer alguma mudança num eventual tratamento existente.

Fonte: http://formasaudavel.com.br/mirtilo/

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Como replantar a orquídea na árvore



Replantar uma orquídea que temos em casa e que já floresceu, em uma arvore, 
é devolve-la a seu habitat natural . Fixando esta planta no tronco ela poderá 
desenvolver o seu sistema radicular e viver em harmonia com a árvore e florescer novamente. 

A Orquídea não é uma planta parasita e portando não vai tirar os nutrientes da árvore. 

Ela simplesmente usa a casca da árvore para prosperar suas raízes que vão retirar do ambiente (ar úmido e chuvas) sua sobrevivência e esplendor !!


alexandre

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Bambu-verde-amarelo chega a ser tão resistente quanto o concreto

Fonte: site G1

A planta que está presente em todo o País e tem uma das maiores velocidades de crescimento do reino vegetal.


  •  
Essa espécie, também conhecida como bambu-brasileiro, tem grande apelo estético (Foto: Eulâmpio Vianna Neto / TG)Essa espécie, também conhecida como bambu-brasileiro, tem grande apelo estético (Foto: Eulâmpio Vianna Neto / TG)



O bambu-verde-amarelo (Bambusa vulgaris vittata), também conhecido como bambu-brasileiro e bambu-imperial, veio da Ásia, trazido pelos portugueses.

A planta está presente em todo o território brasileiro e tem grande apelo estético por causa das cores.

A espécie tem folhas e raramente frutifica. Quando isso acontece, a planta morre. O mesmo ocorre quando flores aparecem.

Na Amazônia brasileira há várias florestas de bambus, principalmente no Acre onde recobrem 35% do Estado.

Ao todo são cerca de 90 gêneros e mais de 1.250 espécies de bambu no mundo. Pesquisas mostram que a planta é tão durável e resistente quanto o concreto. Em relação à tração, é comparada ao aço. A variação de largura do caule é o que faz a planta flexível.

O bambu tem uma das maiores velocidades de crescimento do reino vegetal. A planta, que tem brotação anual espontânea, pode ser cortada aos 3 anos de idade
.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Agricultura orgânica: compromisso com a vida

Cerro Grande do Sul: família Stephanowski atribui o sucesso de seu trabalho o respeito com o consumidor | Foto: Kátia Marcon/Divulgação/CR


Certificação participativa integra cadeia produtiva, gera confiança e garante mercado



Produzir, consumir, integrar, confiar. Nessa relação, toda a cadeia produtiva do orgânico é beneficiada: produtor, natureza, consumidor, cultura, arte, vida e futuro. Para fortalecer essa confiança, os próprios agricultores, que têm essa visão da agroecologia e que se dedicam a essa prática de produzir alimentos em harmonia com a natureza, estão se organizando em redes participativas.
O propósito é a certificação da produção por parte dos próprios agricultores, técnicos e consumidores, que visitam uns aos outros e compartilham ideias e conhecimento, se ajudam. “É um trabalho colaborativo”, resume Ari Uriartt, assistente técnico estadual de Agroecologia da Emater/RS-Ascar. Na atualidade, o Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica (SisOrg) proporciona duas formas colaborativas de certificação: Organismo Participativo de Avaliação de Conformidade (Opac) e Organizações de Controle Social (OCS).
Entre Opacs e OCs, o Rio Grande do Sul tem vários grupos, com destaque para a Opac Rama, que integra 70 famílias de municípios da região Metropolitana, em especial Porto Alegre e Viamão, reconhecida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Mapa), e a Opac Litoral Norte, que reúne seis famílias de agricultores associados à Cooperativa Mista de Agricultores Familiares de Itati, Terra de Areia e Três Forquilhas (Coomafit), ambas com ação direta da Emater/RS-Ascar, na prestação de orientações e Assistência Técnica e Social.
Núcleos - No estado, há ainda A Rede, um núcleo da Rede Ecovida na região de Santa Rosa, “com presença marcante dos escritórios municipais da Emater”, garante Ari Uriartt, que cita também a Ecocitros, no Vale do Caí, cooperativa duplamente certificada: pelo Instituto Brasileiro Biodinâmico (IBD), considerada uma certificação de terceira parte, para exportação de óleos essenciais, e pela Rede Ecovida de Agroecologia, para o mercado interno, que historicamente conta com a Assistência Técnica e Extensão Rural Social pública realizada pela Emater/RS-Ascar, desde sua criação, em 1998.
Atualmente, a Rede Ecovida conta com 23 núcleos regionais, abrangendo cerca de 170 municípios, congrega em torno de 200 grupos de agricultores, 20 organizações não-governamentais (ONGs) e dez cooperativas de consumidores.
Já as OCSs estão organizadas com a finalidade de garantir a comercialização direta em feiras e para os programas federais de Alimentação Escolar (Pnae) e de Aquisição de Alimentos (PAA). “Há no estado um bom número de OCSs reconhecidas”, afirma Uriartt, ao citar as organizações de agricultores ecológicos/orgânicos sediadas em Pelotas, Lajeado, Porto Alegre e Soledade. “Hoje, mais de 50% das OCSs que estão operando passaram pelas mãos dos nossos colegas da Emater”, complementa, ao citar a OCS Rio Grande Ecológico, de Rio Grande, e a EcoNorte, de São José do Norte, que abrangem os pescadores da Ilha dos Marinheiros e do distrito Povo Novo, que comercializam na feira do Produtor do Cassino, realizada aos sábados, e cuja produção é também entregue para a merenda escolar.
Há ainda no RS as OCs de Arroio do Meio e de Sapiranga, que mantêm visitas periódicas de avaliação de conformidade de produção orgânica, garantindo, para os agricultores e principalmente para os consumidores, alimentos com a qualidade definida pelas normativas e pelo mercado, cada vez mais exigente.
“Produzir de forma ecológica requer conhecimento, dedicação e uma visão da propriedade como um todo, provocando mudanças inclusive de hábitos cotidianos de não desperdício de água e energia elétrica, até de aproveitamento integral dos alimentos”, observa o técnico estadual de Agroecologia. “Produzir orgânicos é uma questão de perfil e de compromisso com a qualidade de vida de todos”, destaca.

 
Produção orgânica no Brasil
A produção orgânica é registrada em 22,5% dos municípios brasileiros e vem crescendo. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em 2013 havia 6.700 unidades de produção orgânica. Hoje o número chega a 14.449 unidades.
Para a organização da produção orgânica brasileira, o Ministério conta com as Comissões de Produção Orgânica (CPOR) nos estados, formadas por 578 entidades públicas e privadas, entre elas a Emater/RS-Ascar, que coordenam ações de fomento à essa agricultura, sugerindo a adequação das normas de produção e o controle da qualidade, ajudando na fiscalização e propondo políticas públicas para o desenvolvimento do setor.================

solo equilibrado, alimento saudável

A produção orgânica de alimentos tem vários sinônimos, como agroecológica, da permacultura, natural, biodinâmica, ecológica e até mesmo proveniente de agroflorestas. Independente da denominação, produzir e consumir alimentos considerados limpos tem sido priorizado em vários países e inclusive no Brasil. Isso porque a produção de alimentos orgânicos traz consigo valores que ultrapassam o simples ato de produzir mais e com altas produtividades.
Na agricultura orgânica, a qualidade é o princípio fundamental. Nela se insere também o respeito à cultura e aos saberes locais, a preocupação com a preservação da biodiversidade, prioriza os mercados consumidores locais, a não aceitação de trabalho infantil e escravo e, principalmente, não utiliza agrotóxicos e produtos químicos solúveis e não contém Organismos Geneticamente Modificados (OGMs), ou transgênicos.
Hoje em dia, a produção orgânica engloba todos os alimentos, desde frutas, legumes, grãos e até criações. A avicultura colonial, por exemplo, está crescendo, baseada num sistema de criação em transição para o orgânico, ou seja, os animais são criados soltos e não estabulados, e há maior atenção para a densidade, que é menor do que a criação convencional de aves. Na região de Porto Alegre, há inclusive algumas propriedades com certificação de avicultura orgânica, respeitando o padrão da Instrução Normativa (IN) 46/2011, que estabelece o Regulamento Técnico para os Sistemas Orgânicos de Produção Animal e Vegetal.
O cultivo de morango em substrato orgânico também é outro trabalho que a Emater/RS-Ascar incentiva, assim como a agrofloresta, proposta que alia produção de hortigranjeiros, ou frutas, ou ainda criações, com a preservação da mata nativa. De acordo com dados do Cadastro Florestal do RS, de agosto de 2015, o estado possui sete Unidades Agroflorestais cadastradas, com registro de manejo junto à Divisão de Licenciamento Florestal (Debio), antigo Departamento de Florestas e Áreas Protegidas (Defap), vinculado à Secretaria Estadual do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. No total, são em torno de 110 hectares de sistemas florestais legalmente manejados.
A posse desse registro na Debio permite ao produtor manejar, cortar e aproveitar na propriedade produtos madeiráveis, como o louro, o angico branco, a cabriúva e a canjerana, e os não madeiráveis, como laranja e bergamota, de onde se extrai suco e óleo essencial, através do raleio, e também como as frutas nativas, como butiá da praia, araçá, pitanga e jabuticaba.
“Todas essas práticas fazem parte do Programa de Agricultura de Base Ecológica, que por sua vez é parte do Plano Estadual de Agroecologia e Produção Orgânica, também conhecido como Rio Grande Agroecológico, cujas ações são executadas pela Emater”, destaca Ari Uriartt, assistente técnico estadual de Agroecologia da Emater/RS-Ascar.

Espaço de comercialiazação promove cultura e proporciona troca-troca de sementes
Locais tradicionais para escoar essa produção agroecológica, Uriartt cita recente pesquisa que coordenou no estado e que constatou o aumento do número de feiras orgânicas ou ecológicas. Hoje, no Rio Grande do Sul, são 89 feiras no interior e sete em Porto Alegre, registradas e divulgadas pela Comissão Estadual da Produção Orgânica (Ceporg), por Organizações Não-Governamentais (ONGs) e pela Emater/RS-Ascar. “Está em negociação, pelos membros do Ceporg, a realização de um segundo levantamento para atualizar também o número de agricultores ecológicos e disponibilizar esses dados para o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec)”, ressalta Uriartt.
As feiras ecológicas têm atraído cada vez mais consumidores, pois são espaços de comercialização de alimentos saudáveis e promovem a cultura, proporcionando troca-troca de sementes e o turismo rural, divulgando atrativos e ainda a possibilidade do público consumidor vivenciar as lidas do campo e as práticas agroecológicas. Mas o principal motivo que fideliza o público é o contato direto entre produtor e consumidor, estreitando conhecimentos, interagindo e criando uma relação de confiança que só pode ser vivida e compreendida na prática.
São várias as oportunidades de ampliar o contato com as práticas ecológicas ou agroecológicas. Nos supermercados, esse consumo também se aplica na comercialização de hortaliças, grãos, farinhas, frutas e carnes, além de chocolates, ervas e cafés, todos produzidos de forma agroecológica e sendo disponibilizados para um público que não consegue ir às feiras, mas que não dispensa um alimento que, além de saudável, contribui com o bem-estar e a preservação do Planeta. “Interessante destacar que hoje 1,8% dos itens comercializados nos supermercados são ecológicos ou agroecológicos”, cita
No Rio Grande do Sul, cresceu o número de feiras orgânicas ou ecológicas. A afirmativa é de Ari Uriartt, assistente técnico estadual da Emater, citando recente pesquisa que coordenou no estado e que constatou esse aumento. Hoje são 89 feiras no interior e sete em Porto Alegre, registradas e divulgadas pela Comissão Estadual da Produção Orgânica (Ceporg), por Organizações Não-Governamentais (ONGs) e pela Emater/RS-Ascar.
“Está em negociação, pelos membros da Ceporg, a realização de um segundo levantamento para atualizar também o número de agricultores ecológicos e disponibilizar esses dados para o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec)”, adianta Uriartt.
As feiras ecológicas têm atraído cada vez mais consumidores, pois são espaços de comercialização de alimentos saudáveis e promovem a cultura, proporcionando troca-troca de sementes e o turismo rural, divulgando atrativos e ainda a possibilidade do público consumidor vivenciar as lidas do campo e as práticas agroecológicas.
Para o assistente técnico estadual da Emater, o principal motivo que fideliza o público é o contato direto entre produtor e consumidor, estreitando conhecimentos, interagindo e criando uma relação de confiança que só pode ser vivida e compreendida na prática.
Brasil - A produção orgânica é registrada em 22,5% dos municípios brasileiros e vem crescendo. De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em 2013 havia 6.700 unidades de produção orgânica. Hoje o número chega a 14.449 unidades.
Para a organização da produção orgânica brasileira, o Mapa conta com as Comissões de Produção Orgânica (CPOR) nos estados, formadas por 578 entidades públicas e privadas, entre elas a Emater, que coordenam ações de fomento a essa agricultura, sugerindo a adequação das normas de produção e o controle da qualidade, ajudando na fiscalização.
Redação Jornal Correio Riograndense

terça-feira, 24 de maio de 2016

Turismo rural terá roteiro também no feriado de Corpus Christi - Porto Alegre

Foto: Divulgação/PMPA

Passeio inclui pequenas propriedades com características nativas diversificadas.

Um passeio pela rota turística Caminhos Rurais de Porto Alegre é opção de lazer sugerida para o feriado de Corpus Christi nesta quinta-feira, 26. O roteiro conduzirá os participantes por pequenas propriedades com características nativas diversificadas, sendo por isso uma oportunidade para se conhecer sítios e atrativos naturais da zona Sul da capital gaúcha. A iniciativa de oferecer o roteiro para o feriado é da agência de receptivo local Rota Cultural, e tem o apoio da Secretaria Municipal de Turismo (SMTUR).
 
O trajeto será realizado em um ônibus de turismo com saída às 9h do estacionamento Haudi Park, localizado no Largo Vespasiano Júlio Veppo, 127. O passeio iniciará com uma visita ao Santuário Nª Sª Mãe de Deus, no alto do Morro da Pedra Redonda, com vista para a formação geográfica da cidade e seu entorno marcado por vários morros, o Lago Guaíba, ilhas do Delta do Jacuí e o início da Lagoa dos Patos. Após, o roteiro continuará com a visitação à Praça de Belém Velho, com suas figueiras centenárias e casas geminadas típicas açorianas. Em seguida, o grupo seguirá até a Cabanha La Paloma, no bairro Lageado. A propriedade possui 15 hectares e ensina como encilhar e o manejo de cavalos crioulos . No local, será servido almoço caseiro incluso no pacote, com exceção das bebidas.
 
Agroecologia - À tarde, o grupo conhecerá o Sítio dos Herdeiros, no bairro Lami. Um dos destaques da propriedade, que possuiu 18 mil metros quadrados, é a produção agroecológica. O agricultor e ecologista Salvador Rosa da Silva e sua esposa Vera há 12 anos produzem folhosas e frutas sem agrotóxicos, além de criarem ovelhas e gado. O casal também produz geleias e pastas para comercializar na tradicional Feira Ecológica do Parque da Redenção, que ocorre todos os sábados na avenida José Bonifácio. Depois da visita, os participantes embarcarão no ônibus para o retorno com desembarque no mesmo local de partida, com previsão de chegada até as 18h.
 
O passeio inclui guia de turismo, transporte, almoço, ingresso às propriedades e seguro. Os bilhetes devem ser adquiridos junto à agência de turismo, operadora do passeio. Mais informações estão disponíveis pelos telefones (51) 3348.1649 e (51) 9985.8303.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Visitando a banca do Sítio dos Herdeiros na feira agroecológica em Porto Alegre


Neste sábado pude dar aquele abraço nos amigos Dodo e Vera, do sítio dos Herdeiros, onde tive a grande oportunidade de estagiar, na conclusão da graduação em engenharia agronômica. 

Neste estágio surgiu a ideia de montar este Blog, partilhando e buscando soluções para a agricultura!

Parabéns ao Dodo e a Vera pelo trabalho desenvolvido no sítio e que inspire muitos outros!

alexandre