Mostrando postagens com marcador rock powder. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador rock powder. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Princípios da Biomineralização ou a utilização de rochas moídas como adubo

Na história recente da agricultura ecológica do estado do Rio Grande do Sul, a partir dos anos 70, o uso das rochas era reconhecido, com destaque as rochas basálticas. Primeiro por serem abundantes no estado, segundo, porque era a mais citada na literatura técnica permitida na época. Somente ao final da década de 90 é que começaram os experimentos com composições de diversas rochas moídas de diferentes regiões de dentro como fora do estado. Destaque-se o trabalho pioneiro da Fundação Juquira Candiru e do Núcleo Técnico de Agricultura da Cooperativa Ecológica Coolmeia.

O uso regular de compostos de rochas moídas está consagrado. É reconhecido pelos órgãos federais, pelo mercado orgânico e por algumas academias. Hoje faz parte dos interesses estratégicos dos países do primeiro mundo em virtude da capacidade de seqüestro de carbono das rochas e de remineralizar sua população, vitimada pelos alimentos desmineralizados em virtude dos solos empobrecidos e ou pela forma como foram industrializados


A biomineralização parte de três princípios básicos.

O primeiro é a mineralização do solo através da composição de rochas moídas em diferentes granulometrias objetivando a presença de todos os elementos minerais existentes na natureza.

O segundo princípio é do uso dos biofertilizantes, enriquecidos com compostos de rochas moídas, que aceleram a comunicação das raízes das plantas com os novos minerais introduzidos no solo.

E, por último o manejo ecológico do solo, da água, da fauna e flora buscando o equilíbrio dinâmico do sistema onde o agricultor está inserido.

Com a biomineralização objetivamos copiar como se processa a vida no planeta.

Entendendo o solo como um organismo vivo onde vivem nematóides, algas, amebas, fungos e bilhões de bactérias. Sendo resultado da transformação das energias do sol e água, ação da gravidade e reação antigravitacional dos micróbios que agem na meteorização das rochas superficiais e de forma muito especial junto à rocha-mãe. Este processo geológico onde a integração dos fenômenos físicos, químicos, biológicos e seres vivos atuam sobre influência do clima e evolucionam constituindo uma flora e fauna específica e uma teia de vida que busca um equilíbrio dinâmico e que faz parte também deste solo e seu ecossistema.

Cada um deles evoluiu especializado em aproveitar a energia contida nas três esferas para seu metabolismo, deixando para as espécies ou redes sucessoras um substrato, onde outras espécies possam extrair sua energia e assim até a formação do solo. Através da biomineralização repomos o que é retirado pelas colheitas, mantendo a vida no solo, levando ao enriquecimento com macro-, micro-, traços- e subtraços minerais, conteúdo de vitaminas, pigmentos antioxidantes, aroma, cor, perfume, durabilidade, paladar, densidade das plantas e criações. Livres dos radicais livres, metais pesados, proteínas incompletas e excesso de água.


O uso dos Compostos de Rochas Moídas

- Bioprogramação de sementes – peletização;

- Recuperação dos solos ácidos, salinos e ou depauperados;

- Remineralização do sistema – solo, plantas e animais com elementos traços e sub-traços;

- Mineralização para as criações;

- Revitalização das fermentações no solo;

- Ampliação da biodiversidade – fauna e flora;

- Refrigeração e oxigenação do solo;

- Seqüestro de carbono.

Nelson Dias Diehl
Coordenador do Núcleo Ecologia e Agriculturas da Guayí.
Administrador de Empresas e Ecologista.

quarta-feira, 15 de março de 2017

Agricultura com a força das rochas

Fonte: jornal Zero Hora

Pesquisa indica culturas que se beneficiam com insumo abundante no Estado

Por: Cadu Caldas
06/01/2017 - 
Pesquisas desenvolvidas pela Embrapa e o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) vem apontando vantagens na utilização de pó de rocha para a produção agrícola. Mais do que uma prática de nicho, voltada a produtores de orgânicos, a economia gerada com a diminuição do uso de fertilizantes convencionais também deve chamar atenção de proprietários de grandes lavouras. Além de diminuir a dependência brasileira de insumos vindos do Exterior, a adoção da matéria-prima ajuda a reduzir a presença de substâncias químicas nos alimentos.
Délcio Donemann nota que não há diferença visível entre o morango cultivado com pó de rocha e outro adubo Foto: Omar Freitas / Agencia RBS
Parte da pesquisa é desenvolvida no Rio Grande do Sul, na propriedade de 22 hectares de Délcio Donemann, no interior de Pelotas. Lado a lado com a produção de aproximadamente 8 mil plantas de morangos do produtor, técnicos da Embrapa Clima Temperado cultivam a fruta adotando o mesmo manejo, mas utilizando o pó de rocha para fertilização.
— No ano passado, produzimos, em média, 400 gramas por planta, resultado semelhante ao que o produtor alcançou no sistema convencional, ambos impactados pelo clima. Por isso, é fundamental o cultivo próximo — explica Vanessa Fernandes Araujo, que analisou os efeitos do uso do fertilizante natural na produção de morangos no mestrado e no doutorado.
— Fizemos levantamento de custo de produção de um hectare de morango. Nosso manejo de adubação custou R$ 5 mil. Seu Délcio gastou aproximadamente R$ 15 mil, três vezes o valor — completa Vanessa.
Desenvolvida há pelo menos seis anos, a pesquisa respeita a rotação de culturas na propriedade e também é aplicada no cultivo de melão e alface, com resultados de produtividade semelhantes.
Leia mais:
Incêndio atinge unidade da Vale Fertilizantes em Cubatão
Ação do MP combate falsificação de fertilizantes no RS, PR e SC
Yara mantém investimento de R$ 1 bilhão no Rio Grande do Sul

De acordo com os pesquisadores, a técnica logo poderá ser replicada para produção familiar no Estado que, em geral, cultiva o morango no solo. Para a produção industrial da fruta, porém, bastante comum em municípios como Feliz e Montenegro, ainda é cedo para falar em fertilização natural. A adubação em estufas costuma ser diferente.
Redução de custos é atrativa
Em um primeiro momento o uso do pó de rocha como adubo natural atrai agricultores que cultivam orgânicos, nicho de mercado cada vez mais lucrativo para trabalhadores do campo graças ao interesse crescente dos consumidores. Mas, ao mostrar a alternativa mais barata abre-se novas oportunidades, principalmente para os produtores de grãos do Centro-Oeste, que têm grandes custos de logística para transportar o fertilizante do porto até a fazenda.
Remineralização das lavouras é uma das vantagens, segundo os pesquisadores Adilson Bamberg, Vanessa Araujo e Carlos Posser (d) Foto: Omar Freitas / Agencia RBS
Ao adotar fontes naturais, a perda de produtividade, observada em um primeiro momento, seria compensada pela redução de despesas com insumos.
— Produzir pensando só na produtividade está com os dias contados. O consumidor quer saber como é cultivado o alimento que consome, o que abre espaço para outros tipos de insumos, com menos químicos. Isso tanto nas lavouras de grãos quanto nas de frutas — afirma o pesquisador da Embrapa, Carlos Augusto Posser, um dos orientadores de Vanessa.
Retorno às origens - Hoje totalmente disseminado no cultivo de grandes culturas, o uso de fertilizantes solúveis só começou a ser empregado na agricultura brasileira a partir de 1960. A "descoberta" de produtos que ajudavam a tornar o solo mais fértil só aconteceu na década de 1940 a partir da pesquisa do uso de nitrogênio e enxofre para armamento durante a 2ª Guerra Mundial. Até então, a única alternativa de produtores para fertilizar a lavoura era investir na adoção de insumos naturais, entre os quais o pó de rocha. A prática é adotada até hoje em larga escala em países africanos, muito populosos e sem grande volume de recursos para investir em produção.
Cuidado com falsificados
Produtores interessados em utilizar pó de rocha para fertilizar o solo encontram dificuldades para comprá-lo no país de maneira legal.
Até o momento, apenas uma empresa, de Minas Gerais, tem o produto liberado para comercialização pelo Ministério da Agricultura. Pelo menos outras oito indústrias, entre as quais, duas gaúchas, a Fida, de Caçapava do Sul, e a Caxiense, de Caxias do Sul, contam com insumos em fase final de testes junto a órgãos de fiscalização. No entanto, ainda não estão disponíveis no mercado.
É comum encontrar no interior do Estado pessoas vendendo pó extraído de pedreiras como insumo para agricultura. Mas sem um selo oficial é impossível garantir a qualidade do fertilizante comercializado.
No médio prazo, produtividade semelhante
Os resultados obtidos nas pesquisas desenvolvidas pela Embrapa até agora indicam que no médio prazo os solos onde o pó de rocha é aplicado alcançam índices de produtividade semelhantes a terrenos onde são adotados fertilizantes convencionais. No longo prazo, o efeito é mais positivo: propicia a remineralização das lavouras, estimulando a formação de novos minerais em solos antigos, que já tinham perdido boa parte dos seus nutrientes. Maior qualidade nutricional dos frutos também tem sido observado.
Outra vantagem apontada por pesquisadores é a redução do impacto ambiental. Ao privilegiar o uso de rochas encontradas na região, produtores evitariam o gasto energético empregado no deslocamento do insumo ao redor do mundo. Hoje, a maior parte dos fertilizantes usados no país vem do outro lado do oceano, de países como Marrocos e Alemanha.
O projeto seria usar pedreiras regionais para ajudar na agricultura local, assim o produtor não precisaria se deslocar mais de 100 quilômetros para adquirir o insumo.
— Não acho que o pó de rocha vá substituir totalmente o uso de fertilizantes solúveis algum dia. Mas é uma alternativa importante. Aliás, um não exclui o outro. Pelo contrário, o uso de diferentes fontes orgânicas aumenta o seu potencial — explica o pesquisador Carlos Augusto Posser.
Segundo Posser, o pó de rocha pode ser usado associado à compostagem, por exemplo, misturado com esterco de aves ou de suínos. Exemplo é a Cooperativa dos Citricultores Ecológicos do Vale do Caí (Ecocitrus), de Montenegro, que mistura resíduos orgânicos ao pó de rocha encontrado no município.
AS ETAPAS DA PESQUISA
Coleta das rochas — Junto com profissionais do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), pesquisadores da Embrapa saem a campo em busca de rochas com indícios de potencial nutritivo para a agricultura. Investigação prévia mostra alvos potenciais.
Análise do material — Após a coleta, é feita a caracterização do material, com levantamento das propriedades da pedra. São apontados os nutrientes presentes e descrito o tipo de solo que se forma sobre a rocha, por exemplo.
Pesquisa em estufas — Começam os estudos em estufas. Pesquisadores conferem se o potencial nutritivo se confirma na prática, ou seja, se a planta consegue, de fato, absorver os nutrientes presentes na pedra. Outro ponto importante observado é a velocidade de absorção das substâncias. É preciso que o tempo de sucção seja compatível com a produção agrícola. Quando muito lento, o efeito é bastante limitado.
Ensaios de granulometria — São realizados ensaios para descobrir a forma mais efetiva de colocar a planta em contato com os nutrientes presentes na rocha. Em alguns casos, o indicado é transformar a pedra em pó, em outros, em pequenas partículas (grânulos).
Teste de comparação — Depois de uma triagem de pelo menos quatro anos nas estufas, o pó de rocha começa a ser aplicado em uma propriedade. São levados a campo apenas os materiais que apresentaram alto desempenho. Em alguns canteiros são aplicados fertilizantes convencionais e em outros, próximos, o pó de rocha. Assim, fica mais fácil para o pesquisador analisar a qualidade do fruto e custos de manejo das duas práticas.
Pedido de registro — Se o resultado é satisfatório, é encaminhado um pedido de registro do fertilizante ao Ministério da Agricultura. Só depois disso, o produto começa ser fabricado em escala e chega ao mercado.
Rochas amigas da agricultura
Dacito

Comum na Serra gaúcha, é rica em potássio.
Xisto
Potencializa a disponibilidade de nutrientes de outras rochas.
Fonolito
É uma fonte alternativa ao cloreto de potássio.

terça-feira, 14 de junho de 2016

BIOMINERALIZAÇÃO, Pó de Rocha - Uma agricultura com base em princípios ecológicos

Você já utilizou pó de rocha em sua propriedade?? envie sua experiência.

boa tarde! Alexandre


O uso das rochas moídas é uma prática que acompanha a história do homem na agricultura. Mas no século XIX teve em Julius Hensel um marco. Primeiro por sistematizar e organizar em publicações a importância do uso dos compostos de rochas moídas para a agricultura e para alimentação humana. Segundo por ligar, sabiamente, a produção de alimentos com questões éticas e de justiça social.

O Estado do Rio Grande do Sul possui rochas de ótima qualidade para uso na agropecuária. Hoje podemos formular composições de rochas moídas atendendo as necessidades específicas para criação animal e para a agricultura de cada região.

Os resultados agronômicos positivos, a redução dos custos de produção, a ampliação da margem de segurança das colheitas, a melhoria das condições do solo e a ampliação das qualidades nutricionais do produto estão viabilizando agricultores familiares de forma sustentável ecológica, econômica e social.

Um pouco de história Julius Hensel foi um cientista visionário contemporâneo de Justos Von Liebig, o inventor dos adubos químicos solúveis sintéticos, NPK. Dois grandes cientistas que travaram radical debate, onde Julius Hensel terminou banido da academia e tendo sua obra censurada e Liebig consagrado, devido aos interesses do estado militarista, do capitalismo monopolista e da academia reducionista.

Julius Hensel de forma profética pergunta e afirma:
O que se conseguirá ao fertilizar com as farinhas de rochas?
Converter pedras em “alimento”, e transformar regiões áridas em frutíferas.
Alimentar ao faminto.
Conseguir que sejam colhidos cereais e forragens sãs, e desta maneira, prevenir epidemias e enfermidades entre homens e animais.
Tornar a agricultura novamente um ofício rentável e economizar grandes somas de dinheiro, que hoje em dia são investidas em fertilizantes que em parte são prejudiciais e em parte inúteis.
Fazer que o desempregado regresse à vida do campo, ao instruí-lo sobre as inesgotáveis forças nutritivas que, até agora desconhecidas, encontram-se conservadas nas rochas, no ar e na água.
Isto é o que se conseguirá.

Tradução de Sebastião Pinheiro do Livro Pães de Pedra.
 

domingo, 13 de setembro de 2015

Seminário apresenta possibilidades de uso do Pó de Rocha na agricultura




O uso de pós de rocha na agricultura ainda é recente no Brasil. Mas já chama a atenção de muitos produtores pelos benefícios que pode trazer. Para tratar das possibilidades de uso deste material na produção de alimentos, a Embrapa realizou um seminário estadual em parceria com o Instituto Padre Josimo, com o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e com cooperativas aqui da região de Pelotas/RS.


Reportagem: Elise Souza
Imagens: Bruno Corrêa, Paulo Lanzetta, Sérgio Tuninho
Edição: Elise Souza

Exibido em: 05/09/2015.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

NA SALA COM GISMONTI : O Que é Rochagem ?

NA SALA COM GISMONTI Assuntos sobre Agronomia: O Que é Rochagem ?: Rochagem vem a ser uma prática de recuperar a fertilidade em solos pobres e lixiviados pela utilização de misturas de rochas, o pó de ro...



O pó de rocha apresenta uma série de vantagens como a liberação lenta e contínua de nutrientes durante todo o ciclo da cultura. Isto tem a vantagem da planta encontrar durante todo o seu ciclo os nutrientes liberados pelo pó de rocha. Além de reduzir os custos de adubação, pois se aduba menos frequentemente, e o pó  de  rocha  tem  um efeito residual maior, o que beneficia as culturas seguintes.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Rock Dust Primer -

 img_primer01.gif



What type of rock dust is best?

Feeding poor soil with mixed rock dust may be compared to feeding an ill person a varied diet of unrefined, natural food. If no one single food is a panacea, it might follow that no single rock type is "ideal." Indeed, the virtue of glacial gravel is said to lie in its broad spectrum of rock types. The late John Hamaker advocated the use of glacial gravel dust, ideally followed by river and seashore gravels and mixtures of single rock types.
In the book The Survival of Civilization, John Hamaker suggests finely-ground glacial gravel because that is nature's way throughout millennia to create fertile soils. Glacial gravel, which is a natural mixture of rocks, will create a broad spectrum of minerals in the soil in a natural balance.
Much of value can also be gleaned from Europe and the research and experiences there where single rock types and combinations of single rock types such as basalt are used.
Hamaker asserts that "Micro-organisms select what they need to make the compounds of life, and reject to the subsoil what is not needed, [such as] aluminum, silicon, iron, etc., which are generally in excess [in gravel dust]," further pointing to "the Kervran research on biological transmutations", which suggests that biological organisms may play an active role not only in selecting specific elements, but also in modulating their elemental nature to create needed materials where they are in short supply. Hamaker says "As long as the soil is neutral [in pH] or close to it, microorganisms will control what goes into the plant roots. These controls are off when the soil is acid or acidic chemicals are added."

Composting with rock dust

Combining gravel dust with organic materials in compost is a great way to solve application problems and speed up the process. Don't forget a handful of soil to inoculate with organisms. Gravel dust improves aeration and structure and therefore prevents rotting. Gravel dust is assimilated even more quickly in compost than in poor soils.
Compost and gravel dust are a symbiotic combination: the compost provides an excellent medium for the "microorganism population explosion" promoted by the dust, and the gravel dust will not only help create more organic matter, but will also help hold it in place, reduce odors and conserve it.
Add 2-20 lb. of rock dust per cubic yard of compost, if one is doing pile or windrow composting.

img_primer02.gifSoil acidity

Soil pH should be measured annually. If the soil is acidic, agricultural limestone may be added together with the rock dust to bring the soil pH to neutral. Gravel dust will also neutralize soils to a great degree, but limestone is a quick remedy for agricultural soils. Limestone is not recommended for forests as it will destroy the humus-building complex in the long term.

Keep insects in natural balance in your garden

For short-term rescue, very fine dust sprayed directly on plants and trees has been shown in research in Germany to deter insect infestations very effectively. Trails of rock dust around the garden help keep slugs out. And healthy remineralized plants will not be plagued by insect infestations in the future as they become healthier and more insect resistant.

http://remineralize.org/a-rock-dust-primer

segunda-feira, 4 de junho de 2012

SC: adubação com pó de rocha é barata e ecologicamente correta



No lugar do adubo convencional, ele começou a aplicar basalto moído e se surpreendeu com o resultado. Os custos de produção caíram e, hoje, ele planta milho, feijão, soja e cebola no sistema agroecológico usando basalto misturado com adubo orgânico.

Wilfrit associa essa técnica com adubação verde de inverno, plantio direto e rotação de culturas. O sistema tem aumentado a p rodutivide: no primeiro ano com pó de rocha, o agricultor colheu 180 sacas de milho por alqueire. No ano seguinte, colheu 220 sacas na mesma área.

Para o agrônomo Daniel Dalgallo, extensionista do Escritório Municipal da Epagri, o pó de basalto pode substituir com vantgens a adubação sintética. “Com o adubo químico, o produtor se limita a 6 ou 7 nutrientes. O basalto tem 108 elementos químicos. Desses, 42 são importantes para o metabolismo da planta. Com uma nutrição equilibrada, a planta fica mais resistente a doenças”, destaca. Em Porto União, também há testes de aplicação do pó com adubo orgânico em pastagens, no plantio de grãos e na fruticultura. Na região, mais de 400 agricultores já usam a técnica.

De acordo com o biólogo Bernardo Knapik, que há mais de 20 anos estuda o pó de basalto, análises foliares das plantas que receberam a técnica apontam que elas são mais ricas em nutrientes. “O pó de rocha não agride o meio ambiente porque não se dissolve rapidamente. Ele é trabalhado pelos microrganismos e pelas raízes e, assim, o solo se regenera. Já o adubo sintético é solúvel, a planta aproveita o que pode, e o que ela não absorve pode causar problemas ambientais”, compara.

Em Guaraciaba, no Extremo-Oeste, o basalto é usado misturado com adubo orgânico em pastagens perenes de verão. “Houve um desenvolvimento de rebrota em menor período de tempo e diminuiu a incidência de pragas”, conta o agrônomo Clístenes Guadagnin, extensionista do Escritório Municipal da Epagri. Os resultados estão associados a um melhor manejo do gado, da pastagem e do solo, com a divisão em piquetes. Em testes realizados com lavouras de arroz sequeiro e milho, houve menor incidência de doenças foliares, maior produção e rsisência das plantas a períodos de estresse hídrico.

Em Ituporanga, no Vale do Itajaí, o pó de ardósia é usado na produção de cebola. “Usamos esse material associado à adubação verde e percebemos que o teor de potássio subiu rapidamente. Além disso, a acidez do solo diminuiu”, conta o agrônomo Hernandes Werner, pesquisador da Estação Experimental de Ituporanga.

Para ser usada na agricultura, a rocha é moída até se transformar em um pó semelhante ao cimento.Mas antes de usar esse material na lavoura, o agricultor deve fazer uma análise do solo e buscar o acompanhamento de um engenheiro agrônomo ou técnico agrícola.

Fonte: Epagri

http://www.portaldecanoinhas.com.br/noticias/6711

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Farinha de rochas pode substituir adubos ou fertilizantes

Apesar de ser uma prática bastante antiga no Japão e Europa, agora que o Brasil começa a conhecer mais sobre a aplicação de farinha de rochas para a recuperação, rejuvenescimento e manutenção da fertilidade do solo. Muitas vezes confundida com calcários e rochas fosfálticas (fosfato natural), que não deixam de ser pós-de-rocha, a diferença é que as farinhas de rochas são um conjunto de diversas rochas.



Na primeira reportagem, você vai saber como as rochas podem, num futuro próximo, substituir parte dos fertilizantes utilizados no país.