Mostrando postagens com marcador pragas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pragas. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Nim -Vantagens no manejo integrado de pragas

Extraído do blog CPT Cursos

Nim - 6 vantagens da Azadiractina no manejo integrado de pragas
Azadiractina, ou os extratos de nim que a contêm, são bastante promissores para uso em programas de manejo integrado de pragas.

6 Vantagens do uso do Nim no manejo integrado:

1.Possui toxidade bastante baixa aos vertebrados, o que a torna pouco prejudicial ao ambiente.

2.Prolonga o período de desenvolvimento dos insetos, com redução do consumo alimentar, que, aliado à postura reduzida e tardia, diminui o aparecimento de altas populações.

3.É letal para grande número de espécies de pragas.

4.O fato de a Azadiractina ser mais eficiente por ingestão que por contato pode favorecer seu uso associado a controle biológico. A isso, soma-se a rápidaeliminação da Azadiractina no organismo do inseto (cerca de 24 h, tempo suficiente para que o desenvolvimento do inseto já esteja comprometido), o que evita a exposição dos predadores à mesma dose a que as presas foram submetidas.

5.A Azadiractina mostrou também afetar a síntese de proteínas, o que podedificultar o desenvolvimento de resistência.

6.O fato de a Azadiractina não causar mortalidade imediata, e sim por efeitos múltiplos indiretos, pode contribuir para prevenir o desenvolvimento da resistência, pois vários locais de ação estão envolvidos. Além disso, otratamento com Azadiractina, produz sobreviventes com baixo vigor e com distúrbios no comportamento, como reduzida habilidade de se alimentar, locomover e copular. Populações de insetos com tais níveis de estresse são menos capazes de produzir descendentes resistentes em um curto período de tempo do que populações de insetos que sobrevivem à ação de produtos de toxidade aguda.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

COCHONILHA - PRAGA DE JARDIM: COMO RECONHECER E COMBATER

fonte site:https://www.greenme.com.br/

cochonilha-capa
A cochonilha (Dactylopius coccus) está entre as pragas de jardim que mais estragos fazem ao lado dos pulgões e caramujos.
Aqui recolhi algumas receitas antigas, da vovó, que dão muito certo e outras mais modernas, mas nenhuma usa agrotóxicos. Experimente e combata suas cochonilhas sem medo de se intoxicar.
Esse é um inseto pequeno, tem 3 a 5 milímetros de comprimento, marrom ou amarelo, e que se alimenta parasitando a seiva de plantas.
Este inseto não gosta de chuva mas adora calor.
Então, no tempo seco e quente é quase certo que você vai encontrar cochonilhas em suas plantas, seja em vasos ou nos canteiros.

Como saber que tem cochonilha na sua horta?

Você saberá que sua planta está infetada por cochonilhas quando encontrar, nos caules, brotos, ramos ou folhas, no veio, uns amontoadinhos esbranquiçados parecendo bolinhas de algodão. Esse inseto, quando se sente atacado, secreta um pigmento de cor carmim (ácido carmínico), muito usado na indústria alimentar e bastante questionado por causar alergias e ser produto animal, portanto, não do agrado de veganos e vegetarianos. Mas, é isso aí, tudo que é cor vermelha dos alimentos industrializados pode conter, sim, esse subproduto orgânico da cochonilha.
A ocorrência de cochonilha nas plantas faz com que essas apresentem as folhas lustrosas, enceradas, resultado de um óleo que o inseto expele, e que as torna especialmente suscetíveis do ataque de fungos diversos. Observe então, suas plantas, com lupa, se preciso for e, se tiver cochonilha, atue rápido antes que a infestação dê cabo do vaso, ou mesmo, do jardim todo.

Alguns dos remédios naturais para eliminar a cochonilha

Os tratamentos antigos, e eficazes, contra a cochonilha são à base de sabão, óleo mineral e fumo de tabaco macerado. Estes são os jeitos mais efetivos pois, ao serem pulverizados nas plantas doentes, entopem os poros dos insetos causando-lhes a morte. Porém, é indispensável que você retire as partes infetadas das plantas caso já esteja ocorrendo ataques de fungos ou vírus.

1) Sabão em barra

Rale um sabão em barra em 2 ou mais litros de água, misture bem até formar uma pasta fluída e cremosa. Essa água de sabão você deverá pulverizar, à noite, na planta atacada, fartamente. O sabão diluído não fará mal à planta mas exterminará as cochonilhas.

2) Calda de fumo

Um pedaço de fumo de rolo, ralado e macerado em um litro de água é um remédio muito antigo e que apresenta bons resultados. O fumo é antifúngico e bactericida. Mas, para que a água de fumo permaneça sobre os insetos, junte um pouco da calda de sabão que ensinei no item anterior ou rale um pedaço de sabão dentro do macerado de fumo. Outro jeito é juntar ao macerado de fumo um tanto de óleo mineral. O óleo mineral, assim como o sabão diluído têm por objetivo criar uma película sobre o corpo do inseto, levando-o à morte. O fumo tem como efeito sanar a planta de qualquer “infecção secundária” e ajudar na cicatrização das feridas causadas pelos insetos sugadores.

3) Cerco de alho

Plantar alho em volta dos canteiros, nos vasos, em todo lado, é um excelente método para controlar biologicamente as pragas de jardim já que, este é repelente contra insetos. Pegue uma cabeça de alho e plante, dente a dente, em volta das plantas mais suscetíveis. Você também pode fazer uma decoção de alho (ferva 1 litro de água com 3 dentes grandes de alho até dissolvê-los, bata essa mistura, junte mais 1 litro de água e, quando estiver fria, pulverize na planta doente lavando-lhe as folhas e ramos). O alho é bactericida, antibiótico e inseticida.

4) Própolis

Você também poderá tentar o seguinte: 1 a 2 colheres de chá de própolis diluídas em 1 litro de água, agite bem e ponha tudo em um pulverizador manual. Pulverize as plantas infestadas de cochonilha.

5) Óleo de Neem

Uma solução com óleo de neem também é muito adequada para o combate à cochonilha.

6) Poda de plantas infestadas

Pode as partes danificadas pela cochonilha e remova tudo do seu jardim - não deixe para trás nem folha, nem frutos, nem ramos. O ideal será queimar esses resíduos mas, se não for possível, picote ao máximo e junte uma porção de cal. Ponha num saco plástico e mande para o lixo, sem medo de aumentar a infestação, em sua casa ou em outro lugar.

7) O álcool desnaturado

Álcool desnaturado é álcool de limpeza e não serve para beber pois está composto por outros ingredientes desinfetantes. Enfim, você pode lavar as partes afetadas de sua planta com um algodão embebido em álcool de limpeza. Está técnica é mais agressiva para a planta mas, é bem melhor para você do que lançar mão de algum inseticida químico.

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Plantas Repelentes: plante-as perto de outras para protegê-las dos ataques de pragas

As plantas anti-pragas ajudam a proteger contra fungos e insetos as plantas mais vulneráveis

As plantas anti-pragas colocadas junto a espécies mais vulneráveis ​​são capazes de repelir os ataques de fungos e insetos aos nossos jardins e áreas cultivadas. Além disso, estas associações de plantas são benéficas porque consumem diferentes nutrientes sem competir umas com as outras. Quer saber quais são essas plantas?
Fritillaria contra roedores:
Fritillaria_-1024x767

odor vindo do bulbo da coroa imperial (Fritillaria imperialis) é tão desagradável para toupeiras e ratos que impede que se aproximem a pouca distância desta planta. Aconselhamos que plante perto de outras plantas que queira proteger de ataques de roedores, como os cultivos da horta. E é decorativo!
Tagetes para repelir vermes:
Tagetes_-_Botanical_Garden_of_Bangalore-1003x1024

As Tagetes não são apenas decorativas. Além de oferecer muitas variedades de tons, a substância desprendida das suas raízes mantém afastados os fungos, bactérias e os nematóides, que são vermes microscópicos que parasitam as raízes das plantas. Plantando vários exemplos de tagetes conseguirá mantê-los afastados das suas roseiras e batatas.
Manjericão para afastar o bolor
albahaca1-1024x885

O manjericão repele o bolor: as plantas que retêm gotas de água do orvalho ou chuva podem desenvolver bolor, um fungo que pode ser combatida com o plantio de manjericão que capturará todas essas gotas de água.
Plantas para eliminar o pulgão:
dedalera

Existem várias plantas resistentes ao pulgão que pode colocar junto daquelas mais sensíveis, como as roseiras. As dedaleiras acolhem os pulgões sem ficarem afetadas, protegendo do seu ataque outras plantas próximas.
A planta Cinco-chagas age como armadilha que atrai os pulgões e evitam que aproximem-se de árvores e hortaliças. Plantas aromáticas, tais como salva, rosmaninho e erva-cidreira também repelem os pulgões.

Fonte: Jardiland

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

EMBRAPA - Publicação facilita a identificação de inimigos naturais de pragas agrícolas (22/10/2013)

Publicação facilita a identificação de inimigos naturais de pragas agrícolas
Uma grande dificuldade do agricultor que deseja utilizar a técnica de controle biológico é saber quem são e como agem os insetos que contribuem para a redução das pragas nas lavouras. Para auxiliar essa identificação no campo, a Embrapa Agrobiologia (Seropédica, RJ) está lançando o Guia para reconhecimento de inimigos naturais de pragas agrícolas.


Trata-se de uma publicação de bolso com fotos e informações básicas sobre os agentes naturais mais comuns utilizados no controle de pragas. Características necessárias para o seu reconhecimento, como por exemplo, tamanho e coloração são descritas no guia, que informa ainda qual a função de determinado inimigo natural no controle de pragas. A pesquisadora Alessandra de Carvalho Silva, especialista no assunto e editora da publicação, acredita que pelo caráter didático e pela facilidade com que pode ser levado para o campo, o livreto será bastante útil para os agricultores que pretendem fazer uso do controle biológico de pragas.

O controle biológico é uma alternativa ao uso de inseticidas que tanto mal podem causar à saúde do trabalhador rural, de consumidores dos produtos e ao meio ambiente. A técnica caracteriza-se pelo uso de organismos vivos, presentes na natureza, como por exemplo, os insetos que se alimentam ou parasitam, e os patógenos que causam doenças em insetos. A utilização dos insetos chamados de inimigos naturais pode ocorrer de duas formas: liberando-os na área de produção ou fazendo com que os insetos já presentes na área aumentem em número e permaneçam próximos aos cultivos agrícolas.

Entretanto, em ambos os casos, o agricultor precisa saber distingui-los dos insetos que se alimentam de plantas, visando a sua conservação no local. “De nada adianta a presença de insetos benéficos nas lavouras se o agricultor confundi-los com os insetos que podem causar danos às plantas e não souber qual o papel deles na redução dos problemas fitossanitários”, diz Alessandra Carvalho.

Segundo a pesquisadora da Embrapa, além de reconhecer os agentes naturais de controle, é preciso deixar claro que nem todos os insetos que se alimentam de plantas são pragas. “Muitos podem alimentar-se da lavoura sem colocar em risco a produção ou causar prejuízos econômicos ao agricultor, servindo apenas de alimento para os inimigos naturais.

O risco de um inseto, que alimenta-se de planta, tornar-se uma praga é proporcional ao grau de desequilíbrio que nós, homens, causamos na natureza ao escolhermos as práticas agrícolas”, esclarece Alessandra. Com o guia em mãos, o agricultor vai poder identificar o papel de diferentes insetos tão comuns nas lavouras como as joaninhas, tesourinhas, moscas, besouros e vespas que não causam mal algum aos cultivos e só auxiliam no controle de pragas como cochonilhas, pulgões, ácaros, lagartas e outros.

O Guia para reconhecimento de inimigos naturais de pragas agrícolas não será vendido. A publicação está disponível para download no site da Embrapa Agrobiologia, na Infoteca da Embrapa e também será distribuído gratuitamente para agricultores em ações de transferência de tecnologia como dias de campo, cursos e treinamentos.



Ana Lucia Ferreira – Jornalista (MTB 16913/RJ)
Embrapa Agrobiologia
E-mail: analucia.ferreira@embrapa.br
Tel: (21) 3441-1596

CARTILHA EM:
http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/963933/1/ALESSANDRA2013CARTILHAGUIAINIMIGOSNATURAISIMPRESSAO02AGOSTO2013.pdf

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Criando obstáculos para os insetos - Dificultando sua chegada e ação nos cultivos - permacultura pedagógica


Antônio Roberto Mendes Pereira
Em muitas visitas que fiz durante o período do curto inverno que vem acontecendo este ano às propriedades de alunos, percebi que em muitos roçados havia ataque de lagartas. Em algumas propriedades pequenos ataques, em outras intensos, podendo gerar safras de baixa qualidade. Mas também percebi muitos enganos no manejo dados aos roçados que de forma direta contribuem para aumentar os desequilíbrios do agroecossistema facilitando que algumas espécies de insetos venham a causar ataque as estas plantas cultivadas. Conversando com alguns agricultores pais destes alunos investiguei qual seria para eles a causa destes surgimentos de pragas nas suas lavouras. Para a maioria destes agricultores o problema é do tempo, não conseguem relacionar estes ataques a problemas de fertilidade de solo, de manejo errado utilizado por eles no plantio. Sempre as causas são de outra natureza. Uns até alegam que Deus quer assim, logo ele não pode fazer nada. Outros alegam que ele resolve facilmente “é só colocar veneno que tudo se resolve”. Quando falo que os insetos são indicadores de problemas que estão acontecendo no solo ou em outros extratos, me olham com olhos de espanto e de descrédito.
Os insetos precisam ser entendidos e compreendidos como aliados e não como inimigos, eles são responsáveis por uma infinidade de funções nos ecossistemas. Os insetos são também um dos responsáveis pelo equilíbrio saudável dos agroecossistemas. Nos nossos cultivos sua presença em pouca quantidade e em grande diversidade nos é favorável, mas quando sua quantidade aumenta descontroladamente de forma única, estes com certeza vão causar problemas irreparáveis. Todo excesso ou escassez trás conseqüências que muitas vezes são desagradáveis.
Os insetos exercem várias funções nos ecossistemas naturais, porém algumas nos chamam mais atenção. Em muitos momentos os insetos podem ser indicadores de situação. Situações estas que nos mostram como se encontra o ambiente, quer seja do solo, da planta, do clima, entre outros onde possa se desenvolver formas de vida relacionada a produção.
Em muitos momentos servem como fonte de alimento para muitas espécies de animais inclusive o homem, servindo como grande fonte de proteína altamente digestível. Esta função aqui no Brasil é pouco explorada, poderia ser mais utilizada pelo menos nos ecossistemas cultivados como fonte de alimento para muitos animais domésticos, mas a cultura do povo termina por não aproveitar tal presente da natureza. 
Entender e encarar os insetos como aliados exige conhecimentos que muitas vezes nas escolas não são ensinados, quando se fala neste assunto é de forma muito superficial dependendo da série. Fala-se em cadeia e teia alimentar mais não se consegue trazer exemplos do nosso dia a dia, ficando meramente uma idéia muito distante e vaga da compreensão de muitas pessoas. É como se aquilo só acontecesse na floresta, na mata, mas nunca nas nossas casas, nas nossas hortas. E este comportamento termina por passar a idéia de que os insetos são os vilões das plantações, são os responsáveis pelos danos nas lavouras e nos prejuízos. Não consegue entender que os insetos são uma conseqüência de erros ou desequilíbrios causados pelos seres humanos. Eles aparecem na tentativa de concertar estes erros, e logo pode nos servir dependendo do conhecimento que se tenha como indicadores, são como um sinal amarelo de um semáforo nos chamando atenção. É como se quisesse nos dizer “Psiu, você esta cometendo erros utilizando este manejo, repense”. Saber entender estes sinais pode ajudar, observando e não repetindo mais tal ou tais enganos.
Este texto tem a pretensão de mostrar algumas formas de se criar obstáculos para que estes insetos não consigam efetuar ações nefastas e tão devastadoras, até que você entenda e descubra os erros e enganos cometidos, amenizando-os a tempo e evitando reincidir estes mesmos erros nos próximos plantios. Que estas propostas sejam entendidas não como soluções, mas como meros paliativos emergenciais e nunca como soluções repetitivas de forma permanente. Procure descobrir as causas, os porquês, o que vem contribuindo para que este desequilíbrio esteja acontecendo. Seja o pesquisador da sua área de intervenção.
O QUE DEVEMOS OBSERVAR PARA ENTENDER AS POSSÍVEIS CAUSAS DE ATAQUE DOS INSETOS
· Local não adequado para a planta;
· Clima não tolerável para aquela espécie;
· Solo com desequilíbrios de nutrientes, ou excesso ou escassez de algum mineral;
· Falta de umidade suficiente para a espécie;
· Muita radiação solar para a espécie;
· Solo compactado, muito duro;
· Sementes provindas de outros espaços, climas e solos diferentes;
· Falta de matéria orgânica no solo;
· Superpopulação de plantas em um pequeno espaço;
· Monocultivo facilita o ataque de insetos;
· Área anterior de monocultivo;
· Sombreamento excessivo;
· Repetição da mesma espécie no mesmo local sem fazer rotação nem de área e nem da espécie da planta;
· Área com excesso de ventos inibe ou diminuem a fotossíntese.
CRIANDO OS OBSTÁCULOS
A diversidade de alimento provoca a diversidade dos insetos – logo com toda certeza irá surgir insetos que tem a função de controlar possíveis descontroles de qualquer outra espécie. Um dos grandes obstáculos para o não crescimento demasiado e ou sem controle de vários insetos é aumentando a biodiversidade de vegetais nos cultivos.

Tudo junto e misturado – É outra forma de aumentar os obstáculos, pois quanto mais aleatório e disperso for o plantio mais dificuldade os insetos irão ter para encontrar outra planta da mesma espécie para se alimentar. O plantio em linhas com plantas da mesma espécie contribui enormemente para a disseminação dos insetos com mais facilidade.


Plantas aromáticas – Muitos aromas também criam obstáculos para alguns insetos, afugentando e ou afastando algumas espécies dos plantios. Pode-se utilizar esta estratégia nos plantios, fazendo bordas ou barreiras vivas com estas plantas aromáticas. Muitas plantas de cheiros ativos e facilmente podem ser utilizadas, como exemplo podemos citar arruda, determinadas hortelãs, entre outras.

Plantas trampas ou atrativas – É outra estratégia bastante interessante para criar obstáculos para os insetos, tirando a atenção da cultura principal. Estas plantas são escolhidas e plantadas no meio dos cultivos ou até nas bordas atraindo os insetos como fonte principal de alimento, deixando a cultura de lado. Estas plantas podem ser encontradas com muita facilidade quando andamos pelos plantios fazendo inspeção observamos plantas que não são as culturas sofrendo ataques intensos de insetos. Este pode ser um grande indicativo para a escolha desta para ser uma planta trampa.



Lâmpadas atrativas – Muitos insetos são atraídos pela luz, logo esta é outra estratégia que pode ser utilizada nos plantios principalmente durante as noites, como medida de controle através deste obstáculo atrativo com morte certa. Pois próximo desta lâmpada ou luminosidade deverá existir um recipiente com água para o controle de parte destes insetos que foram atraídos. Precisa-se ter cuidado com este sistema, pois podemos colocar em risco atraindo também insetos predadores tão necessários nos ambientes de cultivos.

Iscas atrativas – Pode-se também utilizar-se de iscas de fácil montagem para servir de controle nos cultivos. Estas iscas podem utilizar desde açúcares, aromas, ou até feromônio atrativos. No comércio já existem muitos elementos comerciais com estas características.



Barreiras verdes de vegetação nativa – Ótima estratégia deixando-se entre uma faixa de plantio uma faixa de vegetação nativa, criando avenidas de plantios alternadas com mato nativo, como fonte de alimento para os insetos. Porém também pode correr o risco de estas faixas servirem de abrigos para os insetos dificultando o controle nas faixas de plantio. Logo, é uma ótima estratégia, porém exige certos cuidados e observação atenta.
Pulverização com cheiro de insetos mortos – O cheiro de morte da mesma espécie afugenta os indivíduos. Coletando-se certa quantidade de insetos que estão causando transtornos nos plantios e fazendo-se um macerado com os mesmos pode-se ter um ótimo espanta insetos.

Embalando os frutos – É uma estratégia de obstáculos muito eficiente, porém trabalhosa dependendo da espécie que se está cultivando. Evita o uso de agrotóxicos e necessita de alguns conhecimentos sobre a cultura para saber em qual é o momento ideal para se fazer o ensacamento dos frutos e com que material. A dificuldade de ter acesso aos frutos diminui e impede o ataque.



Rotação de área e de cultura – Esta com certeza é uma das melhores formas de controles de insetos/pragas. Pois a troca de área e de cultivos quebra o ciclo não só dos insetos, mas também de problemas com determinadas enfermidades. Lembre-se de quando for utilizar a troca de cultura não escolher plantas da mesma espécie e da mesma família, este procedimento facilitará a ataque dos insetos, que quando da mesma família tem mais ou menos as mesmas preferências alimentares. 
Disseminando predadores naturais criados – Atualmente muitas empresas optaram pela biotecnologia. E muitos produtos estão sendo projetados para serem industrializados como é o caso de predadores criados de forma comercial. Já existe no mercado várias espécies de predadores para algumas variedades de cultivos, principalmente para as commodities. Funcionam bem, mas continua a mesma lógica apresentada anteriormente, se estes insetos tão causando problemas é porque algo de errado está acontecendo, necessitando-se descobrir as causas para sanar as mesmas no mais curto período de tempo, pois de outra forma a compra destes produtos vão se prolongar.



Como podemos ver existem muitas estratégias para criar obstáculos para os insetos, porém a melhor forma de controlá-los é através de um manejo ecológico dado ao ambiente em especial ao solo. Um solo com uma boa bioestrutura, e com um permanente retorno de matéria orgânica diversificada, cria um equilíbrio onde os insetos são aliados no manejo saudável dos cultivos. Crie formas de dá alimento para este solo, o ciclo deve ser: animais inclusive o homem alimenta solo, solo alimenta planta e planta alimenta animais.

VISITE O BLOG: