Mostrando postagens com marcador plantio. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador plantio. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Retirando mudas de Heliconias e Strelitzia

Neste sábado pela manhã, fui retirar umas mudas na casa de nossos amigos Anair e Eraldo . Há tempos tinha prometido que iria. Assim no sábado aproveitei que o solo estava muito úmido ( tem chovido muiyo em porto alegre) e seria mais fácil retirar. Engano meu, as mudas de strelizia causaram um suador, mais valeu a pena! Abaixo algumas informações sobre estas plantas:

Heliconia angusta, também conhecida como helicônia vermelha, ou ainda falsa ave-do-paraíso, é originária da mata atlântica do sul do Brasil, sendo bastante freqüente em Florianópolis. Trata-se de uma herbácea entouceirada, com folhas laminares, recurvadas e com tonalidade verde escura. 
A inflorescência em forma de barco apresenta brácteas vermelhas e flores brancas. Há ainda duas variedades: a \’Yellow Christmas”, que pode ser vista na galeria abaixo, e a \’Orange Christmas\’. O nome em inglês se dá porque, no hemisfério norte, a planta floresce nos últimos meses do ano.
Ideal para o cultivo como planta isolada ou em renques, é também muito utilizada como flor de corte. As floração se dá no inverno, tornando-a uma ótima pedida para quem deseja manter o jardim florido o ano inteiro.
Assim como ocorre com outras helicônias, a angusta decai após a floração, sendo recomendado, em muitos casos, o corte da planta “mãe” de forma a evitar o entouceiramento. Trata-se de uma recomendação para os casos em que a touceira já está bastante grande.
Em seu habitat natural, ocorre em floresta densa, populando as baixadas por onde passa o curso das águas da chuva. É, portanto, uma planta que necessita de solo úmido, bem fértil e bem drenado, com iluminação indireta. A multiplicação é feita por divisão de touceiras.

Cuidados básicos e adubação

O canteiro deve ser preparado com terra fértil, leve e bem drenada. A irrigação, nos meses de calor deve ser mais freqüente, de forma a manter o solo úmido, e, no inverno, pode ser levemente reduzida. 
A multiplicação pode ser feita por divisão de touceiras, método fácil e com bom resultado, feito normalmente após a última floração. Também multiplica-se por sementes. Nesse caso, é necessário deixar o pequeno fruto secar no pé, depois recolhê-lo e limpá-las para guardar. A semeadura é feita após o último frio, mas pode demorar algum tempo até germinar. 

Heliconia angusta Vell. no paisagismo 

Como outras helicônicas, essa espécie dá um toque tropical ao jardim, além de animá-lo durante os meses frios, quando a maioria das plantas não floresce. Por se tratar de uma espécie de pequeno porte (não atinge mais do que 1,7m) pode ser utilizada para compor grupos ou renques, ou até mesmo à guisa de forração, contornando elementos mais altos. Como se trata de uma espécie de meia-sombra, que não necessita de muita luz direta para se desenvolver, pode ser plantada junto a outras árvores de maior porte e com a copa frondosa, que lhes cubra do sol nos horários mais intensos.




Strelitzia reginae: a ave-do-paraíso



Ela é considerada a flor-símbolo de Los Angeles: é a strelitzia ‚ uma flor colorida e de longa duração, cujo formato lembra uma vivaz e colorida ave.

Popularmente, ela é mais conhecida como "ave-do-paraíso", apesar de receber também outros nomes, dependendo da região, mas seu nome botânico é Strelitzia reginae. Segundo se sabe, o nome 'strelitzia' foi escolhido em homenagem à rainha Charlotte Sophia, duquesa de Mecklenburg Strelitz e esposa do rei George III, da Inglaterra.
Nos jardins, a strelitzia faz muito sucesso, formando vistosos maciços sobre os gramados, mas é na composição de arranjos e decorações florais que ela mostra a sua maior glória: suas flores, belas e exóticas, dão um show de durabilidade, colorido e versatilidade.
 
Parente próxima da helicônia e da bananeira, a strelitzia apresenta folhagem exuberante, de coloração verde-escuro, que contrasta com as nervuras centrais das folhas, de tom avermelhado. Já as flores, um verdadeiro trabalho artístico da natureza, são protegidas por uma bráctea, em forma de barca, com colorações que variam do vermelho ao azul-violeta. As seis pétalas das flores formam dois grupos de três: as externas são ligeiramente lanceoladas e de cor alaranjada e, as três mais internas possuem o formato de uma flecha e apresentam tons de azul-metálico.

O resultado é um efeito exótico, elegante e extremamente belo, que tem o seu objetivo: a natureza cria estas composições de formas e cores, num esforço para atrair agentes polinizadores e, neste caso, são os beija-flores os visitantes mais freqüentes, em busca do néctar da strelitzia.

Outras espécies
O gênero Strelitzia pertence à família das Musáceas e compreende inúmeras espécies, todas originárias da África do Sul e introduzidas na Europa em 1770, de onde se disseminaram por todo o mundo. A espécie mais cultivada é a Strelitzia reginae, popularmente conhecida como estrelícia, rainha-do-paraíso, bico-de-tucano, flor-do-paraíso, flor-da-rainha, ave-do-paraíso ou bananeirinha-do-jardim. Trata-se de uma planta muito decorativa e, em razão de sua grande durabilidade, é bastante difundida tanto como flor de corte como para o plantio em jardins. Existem também outras espécies, como a Strelitzia alba, de flores brancas e a Strelitzia caudata, de coloração azulada.

De um modo geral, as strelitzias são de fácil cultivo e requerem poucos cuidados, sendo de grande utilidade para a composição de arranjos florais e decoração de ambientes, pois dificilmente são atacadas por problemas que possam danificar suas pétalas e folhas.

Como cultivar


Strelitzia reginae é uma planta herbácea perene que produz flores quase o ano inteiro, desde que cultivada sob sol luz solar plena. Sua propagação se dá por meio de sementes ou divisão de touceiras. Cultive-a em solo argiloso (2 partes de terra comum de jardim, 2 partes de terra vegetal e 1 parte de areia. A planta gosta de água mas não de solo encharcado. Em geral, pode-se regar duas vezes por semana. Em época seca, deve-se observar a superfície e regar sempre que apresentar-se seca.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

CULTURA DA ABOBRINHA-ITALIANA



abobrinha

1 – INTRODUÇÃO
A abobrinha-italiana, também conhecida como abóbora-de-tronco, abóbora-de-árvore ou abóbora-de-moita, é uma planta com hábito de crescimento ereto, porém com caule herbáceo semelhante ao das demais plantas da família das cucurbitáceas.
1.1 Dicas culinárias
A abobrinha contém Fósforo, Cálcio, Ferro e celulose, além de pequenas quantidades de vitamina A, importante à visão e à pele, e vitaminas do Complexo B, que ajudam no desenvolvimento e crescimento.
O Cálcio e o Fósforo participam da formação de ossos e dentes, evitam a fadiga mental e ajudam na transmissão dos impulsos nervosos. O Ferro forma os glóbulos vermelhos do sangue e produz energia. Já a celulose é importante para o bom funcionamento das funções intestinais.
Na hora de comprar, dê preferência a abobrinhas bem firmes, de cor verde-brilhante ou amarelada, conforme o tipo. Evita as que estejam com rachaduras ou picadas de insetos.
Quando for preparar, evite descascar a abobrinha. No máximo raspe a casca com uma faca. Pequenos ferimentos na casca, sem apodrecimento, não comprometem sua utilização. Remova a parte ferida com faca e utilize o restante. Os frutos são consumidos com as sementes quando estas estão bem pequenas e macias.
Esse tipo de legume deve ser cozido no máximo por 10 a 15 minutos, sem acrescentar água, pois a própria água da abobrinha é suficiente para cozinhá-la, sendo que ela fica mais saborosa e mais nutritiva quando mais consistente.
Coloque água apenas na preparação de sopas e caldos.
Incremente o sabor do macarrão acrescentado pequenos pedaços de abobrinha cozida ao molho.
Os seguintes temperos combinam com a abobrinha: alho, cebola, pimenta, cebolinha verde, azeite, limão, vinagre, gergelim, manjericão.
A abobrinha é bastante empregada em saladas, refogados, suflês, frita à milanesa, recheada com outras hortaliças, queijo, ovos cozidos ou qualquer tipo de carne. E é excelente nas papinhas dos bebês, por sua consistência e fácil digestão.
Cem gramas de abobrinha fornecem média de 20 calorias.
Quando a abobrinha está bem nova e pequena, pode ser servida crua e ralada em salada ou com patês à base de ricota, maionese ou requeijão cremoso.
 abobrinha
abobrinha1
2 – VARIEDADES E HÍBRIDOS
Os frutos das cultivares existentes possuem coloração verde-clara e devem ser colhidos ainda imaturos, pois possuem maior aceitação por parte do consumidor. O mercado dispõe de seleções melhoradas da cultivar  caserta, bem como de híbridos. A principal vantagem dos híbridos é a maior precocidade em relação às variedades selecionadas.
As plantas das variedades e dos híbridos apresentam folhas mosqueadas e vigoroso crescimento vegetativo em forma de moitas. Ao comprar as sementes, é importante verificar qual a cultivar mais indicada para a época do plantio.
No grupo das abóboras de moita (abobrinha), as que melhor se prestam para o cultivo são: “Caserta”, “Cocozelli” e “Zucchini”.

Abobrinha "Caserta"
Abobrinha “Caserta”
Abobrinha "Zucchini"
Abobrinha “Zucchini”
3 – ESCOLHA DO LOCAL
Preferir solos com boa drenagem, ricos em matéria orgânica, com baixa acidez – pH entre 5,5 e 6,5 – e, de preferência, locais que já tenham sido cultivados com outras hortaliças (prática de rotação de culturas).

Germinação
Germinação
4 – ÉPOCA DE PLANTIO
Como a abobrinha-italiana não tolera temperaturas baixas, a época ideal de plantio é de agosto a março, podendo ser plantada o ano todo em regiões de clima quente ou ameno.

5 – CORREÇÃO DA ACIDEZ
Para corrigir a acidez do terreno (calagem), fazer antes a análise do solo para saber a quantidade de calcário a ser aplicada. A abobrinha-italiana é muito exigente em cálcio e magnésio e não produz bem em solos ácidos (pH abaixo de 5,5). Por essa razão, usar calcário dolomítico de boa qualidade e procedência.
O calcário pode ser esparramado a lanço na área toda ou nos sulcos de plantio, com antecedência de 30 a 60 dias do plantio.

Correção do solo
Correção do solo
6 – PREPARO DO SOLO
Uma aração bem-feita é suficiente. Gradear, se necessário, principalmente se for incorporar calcário ao solo. Em casos de terreno com declividade superior a 5%, recomenda-se adotar práticas de conservação do solo, como plantio em nível e construção de terraços em nível ou em gradiente, ou até construir faixas de retenção (terraços ou curvas em nível).
Abrir sulcos com espaçamento de 1,5 m entre as fileiras e 20 a 25 cm de profundidade.
Fazer as covas de plantio a cada metro linear de sulco, de forma que o espaçamento seja de 1,5 m x 1,0 m.
No plantio do período seco poderá ser utilizado o espaçamento de 1,50 m entre as fileiras e 70 a 80 cm entre as plantas, colocando duas plantas por cova.
abobrinha

7 – ADUBAÇÃO BÁSICA DE PLANTIO
A adubação deve ser calculada em função do resultado da análise de solo. Na ausência da análise, de modo geral, recomenda-se a seguinte adubação por cova:
- 1,5 kg de composto orgânico;
- 70 g de termofosfato ou de superfosfato simples ou, então, 100 g de fertilizante NPK 04-14-08 ou 04-16-08.
Misturar bem os adubos com a terra das covas. Fazer irrigação e aguardar 3 a 4 dias para efetuar o plantio.
Plantas 37 dias após o plantio
Plantas 37 dias após o plantio
8 – PLANTIO
 A propagação da abobrinha-italiana é feita pela semeadura direta, utilizando-se de 3 a 4 sementes por cova. A profundidade é de 4 a 5 cm. Tempo de germinação: 3 a 5 dias.
O semeio também pode ser feito em bandejas de isopor de 128 e 200 células, as quais deverão estar abrigadas em estufas. As mudas estarão prontas para o transplante quando tiverem de 4 a 6 folhas definitivas.
Como em todas as plantas da família das cucurbitáceas, primeiro surgem às flores masculinas, depois aparecem às femininas. Isso acaba provocando problemas de polinização e aborto de frutos. Para melhorar o processo de polinização, faz-se o plantio em fileiras alternadas, de modo que haja uma diferença de 17 a 20 dias entre as datas das semeaduras das fileiras. Isso permite uma melhor polinização e, consequentemente, um aumento da produção e produtividade.
Dica: mergulhe as sementes na água e só plante as que afundarem, descartando as que boiarem.
Germinação
Germinação

Broto
Broto
Muda em desenvolvimento em bandeja
Muda em desenvolvimento em bandeja
Planta em desenvolvimento
Planta em desenvolvimento
Flor feminino
Flor feminino
Flor masculino
Flor masculino
Fruto vigando
Fruto vigando
8.1 Plantio em vaso, você precisa de:
Vaso 40 x 40 cm  (1 para cada duas plantas)
Perlita  (quantidade necessária)
Terra preta ou húmus quantidade necessária
Sementes de abobrinha (6 a 8 por vaso)
Passos
1 – Misture partes iguais de terra preta e perlita para manter o substrato poroso e rico em nutrientes.
2 – O vaso deve ter um furo no fundo para permitir a drenagem necessária.
3 – Encha o vaso com a mistura. Faça dois pequenos buracos equidistantes no centro e coloque de três a quatro sementes em cada um.
4 – Cubra as sementes com um pouco da mistura. As sementes devem ficar a uma profundidade três vezes maior do que o seu tamanho.
5 – Regue abundantemente e mantenha o substrato úmido durante todo o ciclo de crescimento da planta.
6 – Depois de dois meses as plantas terão a primeira floração, darão os primeiros frutos e entre os três e cinco meses as abobrinhas mudarão de cor e a casca endurecerá.
7 – Colha os frutos quando eles já estiverem com a cor e a consistência de uma abobrinha madura. Corte-os deixando um pedúnculo de 2 a 3 cm.
Plantio em vaso
Plantio em vasoPlantio em vaso
Plantio em vaso

9 – ADUBAÇÃO DE COBERTURA
É importante que a adubação de cobertura seja feita de acordo com a recomendação baseada na análise de solo. Na ausência da análise, recomenda-se fazer quatro adubações, com intervalos de 15 dias entre uma e outra.
Na primeira adubação, aos 15 dias após o plantio, usar 20 gramas de sulfato de amônio ou nitrocálcio, por cova, e, nas demais, adubar com fertilizante NPK 12-06-12, aplicando 20 gramas por cova. Espalhar o adubo ao redor da planta, após a irrigação.
plantio 2
10 – TRATOS CULTURAIS
Quando o plantio for direto na cova, fazer o desbaste das plântulas quando elas tiverem 2 folhas definitivas, deixando 1 a 2 , mais vigorosas, por cova.
Manter a lavoura no limpo para evitar a concorrência de ervas daninhas.
Irrigar com frequência, assegurando a umidade do solo e o bom desenvolvimento das plantas. Manter a água da irrigação sob controle, evitando o encharcamento.
Fazer controle de pragas e doenças somente com produtos registrados para a cultura.
Obedecer às dosagens e à carência dos produtos utilizados de acordo com as recomendações do fabricante e ou orientações de um técnico.
A rotação de culturas pode ser feita com hortaliças folhosas, quiabo, feijão e outras leguminosas. Não faça consorciação com outras cucurbitáceas e com as solanáceas (pimentão e batata), mas sim com milho, acelga, amendoim, taioba, vagem e chicória.
Irrigação
Irrigação
11 .PRAGAS E MOLÉSTIAS
Entre as pragas a serem combatidas destacam-se os PuIgões; a Broca das hastes (Margaronia nitidalis); vaquinhas, lagarta-rosca ou a minadora. A doença mais comun é o Oídio, representada por manchas brancas com pó nas folhas e no caule; folhas murchas e amareladas é sinal da Podridão das raízes; placas verdes nos frutos representa a Antracnose e folhas novas deformadas e pouco crescimento da planta significa o Mosaico.

Mosaico Amarelo
Mosaico Amarelo
Mosaico Amarelo _ Fruto com deformações, tipo bolhas superficiais
Mosaico Amarelo _ Fruto com deformações, tipo bolhas superficiais
Podridão de Fruto
Podridão de Fruto
12 – COLHEITA
Inicia-se aos 40 a 50 dias após o plantio quando os frutos atingirem cerca 20 a 22 cm de comprimento e 4 a 5 cm de diâmetro com os frutos verdes ou verdes-claros e tenros. Recomenda-se fazer 2 apanhas por semana. Mas vc pode colher sua abobrinha do tamanho que desejar.
Lembrando que a abobrinha é desenvolvido corretamente é que abobrinha precisam de uma temperatura entre 20 e 30°C a crescer bem e dar frutos.
Colheita
Colheita
13 – CLASSIFICAÇÃO E EMBALAGEM
A classificação da abobrinha deve ser em função do tamanho e da qualidade  do fruto, conforme orientação a seguir:
- Extra, quando a boca da caixa contiver mais de 10 frutos.
- Especial, quando a boca da caixa contiver 8 a 10 frutos.
As abobrinhas devem ser acondicionadas em caixas de madeira tipo k, com peso de 18 kg.
A arrumação dos frutos deve ser feita em camadas. Novas alternativas de embalagens como caixas de papelão ou de plástico devem ser testadas e utilizadas.
EmbalagemClassificação
Classificação
Embalagem
Fonte:
CULTURA DA ABOBRINHA-ITALIANA (Eng. Agr. Georgeton S. Ribeiro Silveira; Eng. Agr. Sérgio Pereira de Carvalho; Departamento Técnico da Emater–MG)