Mostrando postagens com marcador orquídeas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador orquídeas. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Orquídea Olho-de-Boneca (Dendrobium nobile)

Nome Técnico: Dendrobium nobile Lindl. Sin.Dendrobium formosoanum (Rchb.) Masam.
Nomes Populares: orquídea olho-de-boneca
Família: Família Orchidaceae
Origem: Originária da China

Descrição

Planta herbácea de hábito epífita, forma grandes touceiras em geral de 0,45 m de altura. Possui pseudobulbos sulcados, com nós e entrenós bem marcados na cor verde.
As folhas são curtas, flexíveis e finas e estão inseridas nestes nós, ao longo dos pseudobulbos de onde também surgem as flores. Estas são de cores variadas, inclusive bicolores, de tamanho 6cm x 6,5 cm, sobre haste floral de 2 cm.
A flor tem duração de aproximadamente 30 dias, conforme a região e a temperatura, na época da primavera. O nome Dendrobium do grego significa planta que vive nas árvores.
É um dos gêneros que mais tem espécies, cerde 1000 a 1400.

Como Plantar

Orquidea Dendrobium NobileNa época de crescimento esta planta necessita de regas freqüentes e abundantes, principalmente no verão. Deixa-se secar entre regas para que as raízes não fiquem encharcadas e não percam a capacidade de respiração.
O local de cultivo deve ser bem arejado com muita luz, portanto o sobreamento do ripado deve ter pelo menos 30%. Em lugares de verões fortes, evitar o sol da tarde que poderá queimar as folhas.
Para adubar a planta, durante o período de crescimento, usar adubo granulado tipo NPK fórmula 10-10-10, dissolvido, regando o substrato. Um dia antes não esquecer de regar bem, evitando a concentração de sais que podem prejudicar a planta.
Como o Dendrobium floresce no fim da primavera até a entrada de verão, na início da primavera adubar com fertilizante com mais fósforo, tipo NPK 4-14-8. Existem muitas recomendações de adubos de formulação mais pesada, mas acreditamos que na natureza isto não ocorra, e quem é mais leigo no assunto deve evitar experimentações com suas plantas. Menos significam doses mais homeopáticas como a planta tem nas matas.
Excesso de adubo em orquídeas acaba no chão, sendo percolado no perfil do solo contaminando lençóis freáticos, com toda a implicação danosa ao meio ambiente que sabemos.
orquidea dendrobiumPode ser multiplicado pela divisão de touceira e por pequenas brotações que aparecem nas laterais dos pseudobulbos. Aguardar até que estas brotações tenham raízes para retirar e então preparar o vaso conforme explicado no passo a passo.
Para fazer a propagação desta planta, separe a muda da planta-mãe, faça a preparação do vaso colocando isopor e argila expandida no fundo e por cima fibra de coco ou musgo seco e acomode a planta.
Prenda um tutor e fixe com atilho. Coloque arame para pendurar no ripado e regue bem. Veja as fotos do passo a passo.

Paisagismo


dendrobium em árvore
É um dos gêneros mais apreciados e pode ser cultivado em vasos pequenos ou ser fixado a troncos de árvores, cyccas e palmeiras.

Fotos utilizadas sob licença Creative Commons: orchidgalore (200K+ views, yippee!!), orchidgalore, orchidgalore


Entende disso? Deixe aqui uma dica sobre esse assunto:



sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Como transplantar sua orquídea?





Uma planta conhecida por sua bela flor, que pode ser de variadas cores, é a orquídea. Esta é uma planta que pode ser encontrada em quase todos os lugares do mundo – a única exceção é a Antártida. Por ser uma planta que se dá muito bem com o clima tropical, é uma ótima ideia cultivá-la nas terras brasileiras.
Uma orquídea bem tratada é uma planta que dá vida e cor para a casa. Mas, para chegar a este efeito, é necessário tomar alguns cuidados. Sobretudo com o replantio. Isso deve ser feito em algumas situações: quando o substrato está velho, quando a planta já não cabe no vaso ou quando a orquídea apresenta alguma doença.

Como transplantar a orquídea

Resultado de imagem para Como transplantar sua orquídea? 1. Escolha bem o vaso

Antes de tudo é preciso garantir que a planta se desenvolverá como o esperado no novo ambiente. Para isso, a dica é escolher o vaso certo. Para as orquídeas, o ideal é optar por um recipiente de material poroso, que drena bem a água.
Hoje temos algumas opções no mercado, para todos os gostos, como vasos auto irrigáveis e estacas de fibra de coco. É só usar a imaginação!

2. Prepare a orquídea

Antes de fazer o replantio, deixe sua planta de molho. O ideal é que a orquídea fique assim por algumas horas. Isso importante para que as raízes presas no antigo vaso se soltem com maior facilidade na hora de fazer a troca de recipiente.

3. Prepare o novo vaso

Enquanto a orquídea está de molho, aproveite para preparar o novo vaso. Faça uma camada com pedras pequenas no fundo. Isso vai ajudar a drenar a água. Depois, coloque terra especial para orquídeas no vaso. Para garantir uma planta vistosa e saudável, coloque também musgo lavado ou chips de fibra de coco no vaso. Molhe o solo do novo recipiente antes de fazer o replantio.

4. Remova a planta

Agora, é hora de trocar a orquídea de vaso. Segure a base da orquídea com as mãos e vire o vaso. A planta deve sair do vaso com facilidade. Caso alguma raiz fique presa, retire-a delicadamente com os dedos. Depois, é hora de preparar a planta para o replantio. Sacuda as raízes, para retirar todo o substrato velho. Você também pode enxaguar a planta em água corrente.

5. Retire as folhas danificadas

Também é importante retirar todas as folhas e caules que estejam danificados ou podres. Uma dica é passar um pouco de pó de canela, que é um cicatrizante natural, nos locais de corte.

6. Coloque a orquídea no novo vaso

Agora, é o momento de transplantar a orquídea. Para isso, encoste a parte posterior da planta no vaso, para firmar seu desenvolvimento. Como saber que parte é essa? É o oposto do lado em que nascem os novos brotos.

7. Espere que a planta se adapte ao novo ambiente

A orquídea demora cerca de sete dias para se adaptar ao novo ambiente. Nesse tempo, deixe a planta na sombra e use um borrifador para regá-la. Passado este tempo, a planta pode ser levada ao sol e molhada normalmente.
Dica de Fertilização:

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Garoto de 4 anos ensina a por orquídea na árvore (+playlist)




Cultivar uma orquídea em árvore é uma boa maneira de enfeitar a casa com plantas 
sem precisar de muito paparico - nos primeiros meses, você vai regá-la mais vezes, 
mas, com o tempo, as raízes novas surgem e a orquídea quase não precisa de cuidados. 
A jardineira Carol Costa, do site Minhas Plantas, convidou o pequeno Fabricio para mostrar
 como é fácil prender uma Phalaenopsis num galho. 
Quem sabe agora o pessoal nos supermercados 
e floriculturas para de jogar planta no lixo e
 começa a doar para que elas enfeitem ruas e praças da cidade? 
Mais vídeos e informações sobre orquídeas em http://www.minhasplantas.com.br.



quinta-feira, 13 de julho de 2017

Adube suas orquídeas com Extrato pirolenhoso!

Fonte: faberge orquídeas

Hoje vamos falar sobre esse produto maravilhoso em nosso blog, o extrato pirolenhoso. O texto é longo, mas o assunto é um pouco complexo, então precisamos nos prolongar um pouco.
DSCN0627
Coloração e aspecto do extrato pirolenhoso
Escutamos sempre muitas opiniões sobre os produtos utilizados em orquídeas. Há muitas coisas que as pessoas usam de invenção própria e acabam prejudicando o desenvolvimento das plantas. Isso acabou deixando muita gente com medo de usar isso ou aquilo, sendo que já escutei muita gente falando que não usa o extrato pirolenhoso por medo de prejudicar a planta, ou por não acreditar nos resultados.
O teste de produtos é algo que é feito cientificamente, ou seja, com método correto e que mensura os resultados de maneira palpável e muitas vezes matemática e que possibilite a comparação dos mesmos. E o extrato pirolenhoso já foi alvo de alguns desses estudos, que serão apresentados mais a frente no texto para consulta.
O que é o extrato pirolenhoso
Na verdade, trata-se de um conjunto de ácidos (por isso também é conhecido como ácido pirolenhoso) e compostos fenólicos e aldeídos, que são obtidos pela condensação de fumaça, sendo, portanto, fumaça líquida. Após a condensação da fumaça, o produto é decantado, filtrado e até destilado para sua purificação.
E o que o extrato pirolenhoso faz??
Há inúmeros efeitos do extrato pirolenhoso nas orquídeas e também em outras plantas, conforme listado a seguir:
  • Estimula a brotação e enraizamento;
  • Corrige o pH da água de irrigação;
  • Melhora a absorção de nutrientes, melhorando o crescimento das plantas;
  • Ativa a microbiota (em solos e também substratos); e
  • Atua como repelente de insetos e pragas.
Incrível, não acham? Mas isso tudo não somos nós que estamos dizendo, existem alguns estudos científicos de renomadas universidades que estudaram especialmente a brotação e crescimento das plantas. Além disso, esse produto é natural e aceito pela agricultura biológica e até orgânica, não sendo danoso ao meio ambiente. Esse produto é utilizado pela cultura japonesa na agricultura a séculos (inclusive para plantas comestíveis), o que por observações empíricas deve ter se mostrado bem vantajoso!
Como usar o extrato pirolenhoso?
O extrato pode ser utilizado juntamente com a adubação solúvel, inclusive, ele auxilia na melhor absorção do adubo pelas plantas, pois ele dilata os poros da planta. Adiciona-se a dose recomendada do extrato pirolenhoso (costumamos recomendar de 3 até 6ml/l) e do adubo utilizado. Quer saber mais sobre a adubação de orquídeas, leia este artigo.
kit_semi_prof
Recomenda-se o uso em conjunto com adubos
Caso você tenha um sistema automático de irrigação, você pode adicioná-lo nos seus reservatórios ou adicionar as doses no irrigador manual, não tendo problema algum com entupimento  (com extratos de boa qualidade). Indicamos que seja aplicado molhando a planta toda da folha à raiz e, claro, tentar evitar o contato com botões de flores quando houver.
Como o produto é muito estimulante, recomendamos também que seja utilizado com parcimônia. Aqui utilizamos em média uma vez ao mês no inverno e quinzenalmente no verão e primavera. Para plantas mais debilitadas você pode fazer uma aplicação semanal para estimular uma rápida brotação, enraizamento e recuperação da planta e, após a recuperação da mesma, voltar à rotina normal.
pic_59a3939c-665d-4e2f-9ad8-df63e5daea55-9e2f4a94a1a9cbc30881e251f27900dd-1024-1024
Super brotação em Cattleya após apenas 3 semanas de aplicação de 5ml/l com adubo plant prod 20-20-20

Após preparada a mistura, no caso de pessoas que possuem muito poucas plantas, e fazem uma adubação manual e com borrifadores pequenos, caso sobre algum resquício do preparado, ele pode ser armazenado por até 15 dias, não perdendo todo seu efeito, mas pode haver uma redução da potencialidade do mesmo. Caso você tenha um jardim também poderá colocar um pouco nas suas outras plantas, sem problemas algum!
Efeito observado nas orquídeas
Um dos principais estudos brasileiros sobre o assunto é uma dissertação de mestrado feito pela Jenniffer Aparecida Schnitzer na Universidade Estadual de Londrina, que avaliou o efeito do extrato pirolenhoso em duas espécies de Cattleya (loddigesii e intermedia). Em suma, o estudo concluiu que o extrato pirolenhoso foi efetivo no cultivo dessas espécies, melhorando diversos aspectos das plantas, aumentando também a quantidade de brotos.
Foi indicado, para estas espécies o uso da concentração entre 0,3 e 0,4% em Cattleya intermedia e 0,6% em Cattleya loddigesii, que promoveu os melhores resultados. O estudo completo pode ser baixado gratuitamente no seguinte endereço: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp086513.pdf
A mesma autora voltou a realizar estudos com o produto, agora comparando a Cattleya intermedia com a Miltonia clowesii e o uso de diferentes subtratos de cultivo, estudo disponível neste link: http://www.scielo.br/pdf/asagr/v32n1/v32n1a20.pdf
A conclusão deste segundo estudo foi:”O extrato pirolenhoso adicionado ao substrato incrementou o desenvolvimento vegetativo e radicular das espécies estudadas. Para C. intermedia e Milt. clowesii, a combinação de casca de pinus, fibra de coco, casca de arroz carbonizada e carvão vegetal imerso no extrato pirolenhoso (PiCoCaCarEP) proporcionou os melhores resultados.”
Dessa forma, podemos dizer que não há dúvidas que o extrato pirolenhoso pode ajudar muito no cultivo de orquídeas, não é mesmo?
Mas posso usar também nas micro-orquídeas e no EcoTronco?
Não foram realizados estudos científicos com espécies de micro-orquídeas com a aplicação da substância, entretanto, temos utilizado nas nossas micro-orquídeas no EcoTronco com resultados interessantes. Utilizamos a concentração média de 5ml/L combinada com a adubação foliar e estamos felizes com os resultados.
Parece até mágica, não é? Mas vamos nos lembrar que a diferença entre o remédio e o veneno pode ser a dose. Por isso, nunca utilize dosagem superior à indicada!!!!
Bom cultivo…
PS. Não é a toa que decidimos comercializar este produto fracionado em nossa loja on-line, clique aqui e visite nossa loja! Tem muita coisa boa pras suas orquídeas.
Veja aqui um vídeo sobre como preparar a adubação para sua orquídea.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Como replantar a orquídea na árvore



Replantar uma orquídea que temos em casa e que já floresceu, em uma arvore, 
é devolve-la a seu habitat natural . Fixando esta planta no tronco ela poderá 
desenvolver o seu sistema radicular e viver em harmonia com a árvore e florescer novamente. 

A Orquídea não é uma planta parasita e portando não vai tirar os nutrientes da árvore. 

Ela simplesmente usa a casca da árvore para prosperar suas raízes que vão retirar do ambiente (ar úmido e chuvas) sua sobrevivência e esplendor !!


alexandre

domingo, 9 de abril de 2017

Onde Plantar Orquídeas



Orquídeas são todas as plantas que compõem a família Orchidaceae, pertencente à ordem Asparagales, uma das maiores famílias de plantas existentes. Apresentam muitíssimas e variadas formas, cores e tamanhos e existem em todos os continentes, exceto na Antártida, predominando nas áreas tropicais

APRENDA CULTIVAR ORQUÍDEAS CLICANDO AQUI: http://bit.ly/2cvdb7O

1 - Onde Plantar Orquídeas ?

Para quem está iniciando na arte do cultivo às orquídeas a situação nem sempre é fácil, parece que encontramos um pouco de informação em cada lugar mas nunca temos acesso a informações completas sobre o assunto! 

Existem muitas espécies de orquídeas e cada uma delas parece possuir uma personalidade própria, com necessidades e exigências especiais. 

2 - Orquídeas - Como Cuidar? 

Quantas pessoas ganham orquídeas de presente para ver a florzinha morrer em breve, simplesmente pelo fato de não saber como cuidar? Cuidar de orquídeas é fácil e prazeroso, basta ter acesso às informações corretas; 

A maior parte das orquídeas acaba morrendo ou não dando flores por causa de erros bastante simples que cultivadores cometem. Estes erros podem ser evitados facilmente.

Para saber cuidar de orquídeas é preciso entender os sinais que a plantinha lhe fornece e você pode aprender a identificar o que precisa ser feito antes da planta sofrer. 

Existem métodos comprovados e que funcionam sempre para cuidar desta linda flor. Estes métodos podem ser utilizados por quem está começando agora ou mesmo por aqueles que já possuem algumas orquídeas! 

Cada orquídea tem uma personalidade especial e se você dedicar sua atenção para conhecê-la ela lhe retribuirá com as mais lindas flores que já viu! 

3- Onde Comprar Orquideas?

Descubra todos os SEGREDOS de como comprar a orquidea certa, saudável, além de cultivar orquídeas facilmente com explicações passo a passo! Transforme as orquídeas de seu jardim em orquídeas lindas de exposição.

Conheça o Manual Completo Como Cuidar de Orquídeas, feito por Alberto Schuman, cultivador de Orquideas a mais de 20 anos, o material é de ótima qualidade, completo, ilustrado e cheio de dicas especiais. 

CLIQUE AQUI E CONHEÇA AGORA: http://bit.ly/2cvdb7O

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Assunto de Primeira: cultivo e mercado de orquídeas

 



As orquídeas pertencem a uma das maiores famílias de plantas, com uma grande variedade de gênero e espécies. Suas plantas e flores possuem muitas formas, cores e tamanhos.

Sobre o cultivo e o mercado de orquídeas, o apresentador Marcelo Espíndola conversa com a produtora da espécie, Erica Shirozu. Confira!

sexta-feira, 17 de março de 2017

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Extrato pirolenhoso, o resíduo da fumaça que é útil na agricultura - Pro...




Um resíduo da produção de carvão é reaproveitado em viveiros de mudas no município de Pareci Novo. O uso do extrato pirolenhoso já apresenta bons resultados a mais de 30 famílias, que contam agora com uma produção mais bonita, sadia e de rápido desenvolvimento. Isto melhorou a renda familiar e a qualidade de vida, por não usarem produtos químicos.


Os agricultores interessados em conhecer mais a técnica ou começar a utilizá-la, podem procurar o escritório municipal da Emater de Pareci Novo. Fica junto à prefeitura na Rua João Inácio Teixeira, número 70. Ou entrar em contato pelo telefone (51) 3633-9131, ou pelo e-mail empareci@emater.tche.br .
Jornalista Taline Schneider 
Cinegrafista Aldir Marins
Pareci Novo - RS

ESTOU TESTANDO ESTE ADUBO NAS ORQUÍDEAS. 

VAMOS VER OS RESULTADOS!

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Loucos cultivam orquídeas nas árvores das ruas de Porto Alegre

Encontrei outro maluco ou maluca, que como eu está fixando orquídeas na av Wenceslau Escobar em Porto Alegre. Fixou as mudas em um pinus e eu estou fixando nas plameiras e tipuanas. Parabéns!!




Cultivar orquídeas é uma tarefa que não exige muito esforço, apesar disso, se a ideia for colocá-la em uma árvore, os cuidados iniciais podem aumentar. Durante a fase de adaptação, o importante é garantir que a planta tenha como obter nutrientes. Para que isso ocorra, o substrato próximo às raízes deve ser mantido no suporte preso à árvore.
Confira de perto o passo-a-passo do cultivo na árvore:
Edu Cesar/Fotoarena
Veja o que será preciso para começar o plantio

Material necessário:
1 Placa de fibra de coco
6 Pregos (tamanho 17 x 21)
1 Martelo comum
1 Tesoura
1 Par de luvas de vinil
1 Orquídea phalaenopsis

Bonita, a phalaenopsis  tem raízes fortes e largas que se agarram fortemente aos galhos. Foto: Edu Cesar/Fotoarena
O nome da orquídea tem relação à semelhança de suas flores com o formato de mariposas em voo. Prepare-se, vai começar o passo-a-passo. Foto: Edu Cesar/Fotoarena
Com cuidado, retire a orquídea do vaso. Preste atenção para não deixar o substrato cair e a planta ficar com suas raízes expostas. Foto: Edu Cesar/Fotoarena
Antes de cortar a placa de fibra de coco, meça a largura do bloco com as raízes da planta (será de aproximadamente 20 cm). Foto: Edu Cesar/Fotoarena
Corte o material em linha reta para obter a faixa que envolverá a orquídea. Foto: Edu Cesar/Fotoarena
Para que a fibra de coco se adapte melhor, amasse a placa e dê o formato de um cachepô . Foto: Edu Cesar/Fotoarena
Encoste a planta no tronco da árvore e cubra o substrato com a placa. Deixe para fora apenas as folhas e o caule. Foto: Edu Cesar/Fotoarena
Ao fixar na árvore, bata um prego de cada lado da orquídea. Foto: Edu Cesar/Fotoarena
No fundo do suporte, bata mais dois pregos e os deixe voltados para baixo, aumentando a fixação da placa. Foto: Edu Cesar/Fotoarena
Tome cuidado para não sufocar a planta com o suporte. Lembre-se de deixar a borda com um espaço maior do que o fundo . Foto: Edu Cesar/Fotoarena
Caso a orquídea seja muito pesada, o ideal é fixar também seu caule na árvore. Para isso, coloque um prego de cada lado e amarre uma fita. Foto: Edu Cesar/Fotoarena
No destaque, a orquídea catleya é um exemplo de sucesso na fixação em troncos. Foto: Edu Cesar/Fotoarena
As árvores podem receber mais de uma espécie de orquídea em seus troncos sem qualquer tipo de dano. Foto: Edu Cesar/Fotoarena
Bonita, a phalaenopsis tem raízes fortes e largas que se agarram fortemente aos galhos. Foto: Edu Cesar/Fotoarena
1/13
A importância de não deixar as raízes expostas sem nutrientes se justifica porque a orquídea demora, em média, dois meses para se fixar no tronco. Mas os cuidados também devem ser voltados para a quantidade de regas, sempre observando as características de cada planta e o clima local.
Na hora de escolher a árvore, o ideal é selecionar espécies com troncos rugosos - para facilitar a fixação da orquídea - e de, no mínimo, 60 centímetros de diâmetro. Entre as mais indicadas estão árvores frutíferas e espécies como Salix babylonica (chorão), Delonix regia (flamboyant), Ficcus spp. (falsas seringueiras) e Chorisia speciosa (paineira).
Quanto à luminosidade ideal para o cultivo, uma maneira de “regular” a incidência de luz é observar o tamanho da copa antes de amarrar a planta. Copas pequenas e de poucas folhas favorecem o crescimento de espécies que necessitam de bastante sol (cattleya, dendrobium, laelia, vanda, catasetum e cyrtopodium). Já as árvores mais frondosas atendem às necessidades das flores típicas de meia sombra (miltonia, oncidium e phalaenopsis).
Edu Cesar/Fotoarena
Como epífita, a espécie cymbidium também consegue se desenvolver no tronco de árvores
Como plantas epífitas, as orquídeas conseguem se desenvolver sobre outras espécies e dispensam adubação periódica, já que se nutrem de materiais em decomposição presentes nos troncos.
Outro ponto que merece atenção ao cultivarem árvores é o material do suporte. Placas de fibra de coco ou ainda cachepôs prontos são boas opções, mas também dá para fazer o cultivo colocando a planta dentro da própria bifurcação do tronco.
Depois que a orquídea estiver fixada – com raízes presas à casca e musgos encobrindo a superfície – será chegada a hora de retirar o suporte. Mas fique atento porque formigas podem atacar a planta e, para que isso não ocorra, aplique um formicida cerca de 20 centímetros ao redor da árvore. Siga as orientações e bom plantio

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Como dividir e replantar orquídeas



As vandas apresentam crescimento monopodial e é bem mais difícil dividi-las. Foto de  Maja Dumat
Multiplicar as próprias orquídeas é o desejo de todo jardineiro aplicado. Elas crescem devagar e é muito difícil multiplicá-las por sementes, o que torna a tarefa de dividi-las um verdadeiro acontecimento que, se cercado dos cuidados necessários, resultará em belas e saudáveis orquídeas.
As vandas apresentam crescimento monopodial e é bem mais difícil dividi-las. Foto de Maja Dumat
Tenha em mente que a divisão somente é possível nas orquídeas com crescimento simpodial, como catléias e laelias, e de orquídeas cespitosas como cimbídios e dendróbios. Plantas com crescimento monopodial, como vandas e falenópsis são um pouco mais complicadas de multiplicar por divisão e exigem muita experiência e um tanto de sorte.
Em primeiro lugar, saiba que o cuidado mais importante ao se dividir uma orquídea é verificar se está no momento certo para isso. Se dividida antes do tempo, na ânsia de se obter novas orquídeas rapidamente, corre-se o risco de atrasar a floração, ou pior, deixar a planta fraca e suscetível as doenças. Esse é um erro frequente dos iniciantes na orquidofilia, eu mesma cometi esse erro no começo, retrocedendo diversas orquídeas adultas para o estágio de seedlings.
O fato de sua orquídea não estar cabendo mais no vaso, não é motivo para divisão. Neste caso, o simples replantio resolve. Então, como saber o momento de dividir? Conte os pseudobulbos. A planta deve ter pelo menos três pseudobulbos bem desenvolvidos, e ao menos dois brotos guias bem separados, de forma que cada nova muda tenha três pseudobulbos e uma guia (eu particularmente prefiro deixar quatro pseudobulbos em cada nova muda – deve ser trauma). Ahhh… entendi, mas e se sobrar dois pseudobulbos posso fazer uma nova muda? Não! Corte a orquídea de forma que estes pseudobulbos acompanhem as novas mudas formadas. Resista a tentação de uma mudinha “extra”, definitivamente não vale à pena.
Se minha orquídea nunca floresceu posso dividir? Até pode, mas não recomendo. Uma orquídea com tantos pseudobulbos e que ainda não floresceu pode estar com problemas, geralmente falta de luminosidade ou fertilizante. A floração é a garantia de que sua planta está adulta e saudável. Portanto esperar ela alcançar este estágio é como um teste de suas habilidades com orquídeas. E você só pode passar para a próxima fase após completar a anterior.
As raízes novas com a ponta verde denunciam o momento de replantar ou dividir. Foto de Josef Makower
As raízes novas com a ponta verde denunciam o momento de replantar ou dividir. Foto de Josef Makower
Posso dividir em qualquer momento do ano? Pode sim! Vai depender mais da espécie de orquídea do que da sua vontade. Quando ela estiver começando a emitir novas raízes (aquelas com as pontinhas verdes) somente então será o momento ideal, seja inverno ou verão. Isso geralmente ocorre logo após a floração.
Pegue uma tesoura ou faca bem afiados, esterilize em água clorada, álcool ou calor e comece por remover os pseudobulbos secos, murchos ou doentes. Preserve o máximo de raízes possível, mas não deixe de cortar as raízes secas e mortas. Esterilize os instrumentos a cada orquídea, evitando assim a transmissão de eventuais doenças entre elas. Não é necessário remover todo o substrato velho que estiver emaranhado nas raízes, remova apenas o excesso e o que estiver mais fácil. Aliás, quanto menos as raízes forem manipuladas melhor, pois elas se quebram com muita facilidade. Limpe a orquídea com uma escova bem macia, sabão neutro e sob água corrente, mas somente se ela estiver muito suja ou infestada com pragas, como cochonilhas por exemplo.
O vaso pode ser de qualquer material, mas é primordial que seja bem drenável, com furos grandes na base e se possível nas laterais. Vasos de cerâmica costumam ser os mais indicados, por serem mais frescos, ventilados e duráveis, mas atualmente até garrafas pet podem ser utilizadas com sucesso. Esqueça o pratinho, ele é totalmente contraindicado no cultivo de orquídeas.
Esta orquídea leva no substrato apenas casca de pinus e isopor. Foto de Maja Dumat
Esta orquídea leva no substrato apenas casca de pinus e isopor. Foto de Maja Dumat
A escolha do substrato deve levar em consideração a espécie de orquídea e a disponibilidade de material na sua região. Você pode usar materiais como pedra britada, cacos de cerâmica, fibra de coco, argila expandida, carvão vegetal, casca de coco, casca de pinus, esfagno, caroços de coquinhos (de palmeiras como açaí, butiá), sabugo de milho, casca de arroz carbonizada, etc. Eu gosto de juntar ramos secos finos que caem no jardim, ou devido à poda das árvores, picá-los em pedaços com 1 a 3 cm de diâmetro. Obtenho assim um substrato natural, barato e bem próximo do que as orquídeas epífitas apreciam. A mistura de materiais é uma boa pedida para equilibrar a capacidade de retenção de água com a drenagem. Alguns retém muita água, enquanto outros praticamente nada. Case a espécie de orquídea com a frequência das regas e descubra o que funciona melhor para você. Não esqueça que orquídeas rupícolas e terrestres pedem substratos apropriados ao seu habitat.
Com suas mudas já devidamente limpas e separadas proceda o envase. Aqui vem as dicas para o replante também. Sempre coloque a ponta do rizoma mais antigo o mais próximo possível da parede do vaso. Assim sobra mais espaço para a guia crescer e se desenvolver. O rizoma deve ser sobreposto ao substrato e jamais ser enterrado. Essa tarefa é um tanto árdua, pois a orquídea tende a ficar completamente solta no vaso. A tentação de enterrar um pouquinho é forte! Mas resista, pegue barbante e tutores de bambú, madeira, arame ou plástico e vá amarrando sua orquídea ao tutor. Cuidado para não apertar demais. Se possível arame o rizoma ao vaso, pois também ajuda.
Fique de olho na nova muda. Folhas amareladas indicam sol em excesso, e folhas verde-escuras demais, indicam sombra demais. Regue normalmente, o enraizamento é um tanto lento e há que se ter paciência.

 Boa Sorte nas suas multiplicações!

Raquel Patro é a criadora e administradora do site Jardineiro.net. Formou-se em Veterinária em 2006, quando curiosamente passou a se dedicar ao estudo das plantas e sua interação com os jardins.