Mostrando postagens com marcador jardim na praia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador jardim na praia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 24 de outubro de 2017

Aprenda a Fazer um Jardim no Vaso Encantador

É indiscutível o fato de que um jardim deixa o nosso lar com mais vida. Pena que nem sempre temos um grande espaço com terra para cultivar. Nesse caso, usar um vaso para plantar pode ser a escolha ideal. Além de ser uma ótima forma de levar o verde para pequenos espaços, o jardim no vaso também é perfeito para decorar.
Criar um jardim no vaso é algo que qualquer pessoa pode fazer; afinal, o processo de montagem é bem simples e rápido. Para deixar esse momento ainda mais divertido, as crianças também podem participar. O contato com a natureza não só relaxa os adultos, mas como também contribui para a educação ambiental da criançada.
Por isso, vamos ensinar o passo a passo para que você consiga recriar essa ideia em casa. Vamos mostrar como preparar o solo, como plantar e como decorar o vaso.
O resultado desse tutorial é um mini jardim que mais parece ter saído de um conto de fadas! Se você gostou dessa ideia, continue com a gente para aprender todos os detalhes desse maravilhoso projeto de jardinagem.

Materiais Necessários

jardim no vaso
  • Vaso para plantas – grande e redondo
  • Terra vegetal
  • Substrato para plantas
  • Areia
  • Adubo
  • Gravetos pequenos
  • Flores pequenas – como Calêndulas, Margaridas e Violetas
  • Pazinha para jardinagem
Dicas: A maioria dos materiais necessários para montar o jardim podem ser encontrados em lojas de jardinagem e também em floriculturas.

Elementos decorativos

  • Mini arco feito de arame
  • Vasilha de água para pássaros
  • Borboletas de acetato
  • Musgo
  • Pedras para jardim
Dica: Os elementos decorativos sugeridos acima podem ser substituídos por aqueles que forem mais acessíveis para você. Uma sugestão é utilizar peças e brinquedos em miniatura, como bonequinhas, casinhas e regadores.

Passo a Passo

Prepare o solo

Para evitar carregar peso, prepare o solo no próprio lugar onde ficará o vaso – sugerimos a varanda ou a área privativa, espaço muito comum em apartamentos.
1. Em uma vasilha, misture partes iguais de terra vegetal, substrato e areia até obter a quantidade necessária para encher o vaso.
2. Junte um pouco de adubo e misture para que fique bem distribuído.
Dica: não exagere na quantidade de adubo. Na dúvida, verifique as recomendações de uso na embalagem do produto. 
3. Forre o fundo do vaso com gravetos para auxiliar na drenagem da água. Em seguida, despeje a mistura feita com a terra. Caso necessário, complete com terra vegetal pura.
4. Molhe o solo todos os dias, 15 dias depois ele estará pronto para receber as flores.

Monte o jardim

1. Para montar o jardim, distribua no vaso os elementos decorativos maiores. Em seguida, crie um caminho de pedras.
2. Coloque um pouco de musgo em volta do caminho de pedras. Se não tiver, substitua por serragem ou por brita fina.
Dica: Para segurar o musgo no lugar, até em dias de ventania, pregue o musgo na terra com palitos de dente.

3. Com a pazinha para jardinagem, faça algumas covinhas na terra e plante as flores. Aperte um pouco a terra para que a raiz fique firme.

4. Adicione as decorações menores no final, como mini borboletas de plástico ou pássaros decorativos.

5. Por último, molhe a terra e encha de água a vasilha dos pássaros.
Dica: Não se esqueça de trocar a água e de lavar a vasilha regularmente para evitar problemas com o mosquito da dengue.
Como resultado, você terá um encantador jardim no vaso. Como você deve ter percebido, nem é preciso muito espaço para montar esse pequeno oásis verde. Use nossas dicas, juntamente com sua criatividade, para montar um mini jardim com a sua cara.
Se você gostou desse tutorial de jardinagem, deixe seu recado pra gente nos comentários!

Mariana Barbosa

Formada em Letras pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, redatora na Revista Artesanato. Acredita que o aprendizado tem o poder de transformar a vida das pessoas.

terça-feira, 11 de julho de 2017

Aprenda em 06 passos a ter sucesso no Cultivo de Violetas

Fonte: site terral.agr.br

Há muito tempo as flores exercem um poder especial sobre as pessoas. Em formas de presentes, agradecimentos, pedido de desculpas, declarações de amor ou apenas um jeito de demonstrar carinho, elas falam o que jamais poderia ser dito através de palavras. As flores das violetas fascinam por suas flores, cores e formas e por serem umas das mais belas manifestações da natureza. A violeta africana é uma espécie florífera perene, percentence à família Gesneriaceae, a mesma das gloxíneas, na qual existem cerca de 25 espécies e acima de 8 mil variedades conhecidas, das quais 100 têm sido cultivadas comercialmente.
violeta
Fonte da foto: www.evergreennursery.com

1º Passo: Replantio do vaso

Embora as violetas sejam normalmente comercializadas em vasos de plástico, o ideal é que elas sejam plantadas em vasos de barro. O vaso de barro tem a vantagem de absorver o excesso de água e permitir que as raízes da planta “respirem” adequadamente. As violetas são plantas com tecido interno rico em água e por isso são muito sensíveis ao excesso de umidade elas tendem a melar e apodrecer. 
O ideal é que após adquirir o vasinho de violeta este seja replantado em condicionador de solo "Classe A", produto rico em turfa (matéria orgânica capaz de reter água), nutrientes (as raízes das violetas precisam absorver para um bom desenvolvimento) e esterco (além de ser fonte de matéria orgânica e nutrientes também retém umidade). O substrato que as plantas são comercializadas, são produtos leves, aerados, isentos de matéria orgânica, nutrientes e incapazes de reter água, desidratam a planta rapidamente, dessa forma, é imporante fazer o replantio para que a planta cresça de forma bonita e saudável.
violeta5
Fonte da Foto: www.ipm.iastate.edu

2º Passo: Condições ideais de crescimento

As violetas são flores de interior, não suportam luz solar direta e devem ser mantidas rigorosamente à meia-sombra. Porém é importante que haja claridade e ventilação para que as folhas da planta possa realizar a fotossintese e respiração, caso contrário, as folhas ficam amareladas e as raízes ficam mais susceptíveis ao ataque de pragas e doenças. O contato com o sol direto deixa as folhas queimadas e desidratadas (Foto abaixo).
violeta6
Fonte da Foto: www.missouribotanicalgarden.org

3º Passo: Nutrição mineral

A violeta é uma planta sensível à adubação de fertilizantes químicos, sendo que, apenas os nutrientes contidos no Condicionador de Solo "Classe A" são suficientes para a nutrição de suas raízes. No entanto, se o plantio for feito em terra vegetal, pode-se fazer a complementação dos nutrientes com fontes naturais: cinzas de churrasqueira peneirada, casca de ovo seca e moída no liquidificador, esterco curtido e moído, húmus de minhoca, etc. Caso se use o NPK, deve-se ater às formulações com baixo percentual de nitrogênio, como o 04-14-08 (os percentuais da formulação são: 4% Nitrogênio, 14% Fósforo e 8% Potássio) muito usado para o plantio em geral. O nitrogênio, embora seja o nutriente do crescimento, para a violeta ele queima as raízes das plantas. Esta formulação deve ser misturada no condicionador de solo antes do plantio. Além disso, as folhas das violetas possuem pêlos que impedem o acúmulo de excesso de água em suas folhas, uma medida natural da planta de evitar a mela foliar, dessa forma, caso a adubação seja foliar, o que não for absorvido pelas folhas irá escorrer para o solo e ser absorvido pelas raízes. A adubação foliar é considerada a mais eficiente e por isso a mais indicada para as plantas envasadas.
violeta1
Fonte da Foto: www.seggleston.com

4º Passo: Reprodução

A violeta possui uma forma simples de reprodução vegetativa através do enraizamento da folha. Deve-se cortar o pedúnculo ("cabinho") da folha com faca, tesoura ou mesmo quebrá-la na base do caule. É importante nao deixar um pedunculo comprido pois ele irá apodrescer e há risco de contaminar a planta com alguma doença. O pedúnculo deve ser reduzido ao tamanho de 1 cm próximo à folha. Em um recipiente furado no fundo (caixa plástica comprida e rasa, copo plástico, vaso de cerâmica, etc.), deve-se completar com substrato (o mesmo de hortaliças) até a borda, apertar e molhar. Em seguida deve-se plantar as folhas cobrindo a base da folha com substrato. As folhas podem ser plantadas uma ao lado da outra, deixando uns 5 cm de distância da folha da frente para o crescimento das mudinhas. Esse recipiente deve ficar em um lugar sombreado. A umidade é fundamental para o enraizamento e brotamento das mudas. Para saber a hora de molhas basta enfiar o dedo, se estiver úmido, deve-se molhar. Com o tempo as mudinhas irão nascer na base da folha enraizar e estarão prontas para serem replantadas em vasos individuais. Aguarde o crescimento de mais de 5 folhas para fazer o transplantio. Utilize condicionador de solo "Classe  A" para o transplantio das novas mudinhas, elas precisarão de nutrientes, matéria organica e boa retenção de água no solo para crescerem saudáveis. Faça também uma boa adubação foliar para acelerar o crescimento das mesmas.
violeta2
Fonte da Foto: www.cutoutandkeep.net
violeta3
Fonte da foto: www.indoor-plants.net
violeta4
Fonte da Foto: www.plantcaretoday.com

5º Passo: Controle de pragas

Geralmente, as pragas atacam as plantas nos momentos de debilidade nutricional, excesso ou stress hídrico. É importante que as plantas estejam bem nutridas e regadas adequadamente para que possam tolerar ou rebrotar após o ataque. Além disso, é possível através de alguns produtos naturais, fazer um tratamento preventivo. O produto mais utilizado é o óleo de neem, porém dependendo da dosagem este óleo intoxica e até fecha os estômatos das folhas (pequenas bocas por onde as folhas respiram e se alimentam) prejudicando drasticamente o seu crescimento. Até o momento, para o combate orgânico, o produto mais eficiente disponível no mercado é o Inseticida Spruzit, da Empresa alemã Neudorff. Este produto é distribuído pela Terral em Minas Gerais e pode ser facilmente encontrado nos nossos parceiros. Além deste, seguindo a mesma linha de produtos orgânicos, temos o lesmicida Ferramol (único no mercado tóxico apenas para lesmas, caracóis e caramujos), as Armadilhas de Placas Amarelas (grande e pequena) onde a coloração é um atrativo para insetos voadores que ficam grudados ao pousarem na placa. Soluções simples, orgânicas e muito eficazes no combate de pragas de plantas.
 violeta0
Fonte da Foto: www.en.allexperts.com

6º Passo: Coleção de belas plantas

Há muitas variedades de violetas disponíveis no mercado. É interessante se colecionar a variação de cores, tamanhos e formas de flores e cores de folhas. Um mix de cores que transforma o ambiente trazendo mais paz e harmonia para nossas casas.
violeta7
 Fonte da Foto: www.greenwomanmagazine.com
violeta8
Fonte da Foto: www.suggestkeyword.com
violeta 0
Fonte da Foto: www.flickr.com
violeta 1
Fonte da Foto: www.pinterest.com
violeta 2
Fonte da Foto: www.debalconesyflores.es
violeta 3
Fonte da Foto: www.ruhrnachrichten.de
violeta 4
Fonte da Foto: www.giardinaggio.it
 violeta 5
Fonte da Foto: www.club.anflower.co.kr
violeta 6
Fonte da Foto: www.pinterest.com

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Aprenda como fazer mudas de Brinco-de-princesa

Fonte: blog jardinet

Sementes de flores Feltrin
Como fazer mudas de Brinco-de-princesa

Quer aprender a fazer mudas dessa planta de flores belíssimas e super atrativas para os beija-flores?

       Há duas formas de propagação do brinco de princesa. A primeira e menos indicada é através de sementes. A segunda, e a que mais uso por aqui, é por estaquia da ponta dos ramos. Para a estaquia, ramos de 8 à 10 cm já são suficientes, você pode inclusive utilizar os ramos das podaspara fazer as estacas. Retire as folhas da base deixando apenas umas 2 ou 3 folhas e procure ramos sem flores. Se não conseguir corte os botões florais.
Estaquia do brinco-de-princesa em sementeiras

       Depois é só plantar o raminho num substrato bem úmido protegido do sol direto. Lembre-se também de usar um recipiente com furos no fundo para drenar o excesso de água. Quando a estaca começar a produzir novas folhinhas e raízes é sinal de que ela já "pegou" daí é só transferi-la para um vaso maior e o crescimento dela a partir daí é muito rápido

Como fazer a propagação da brinco de princesa
Uma semana após a transferência para o vaso

Obs: Faça as estacas quando o tempo estiver mais úmido, pois assim ficará mais fácil delas "pegarem". O tempo da chuva é o melhor momento!

       Caso opte pela propagação por sementes, espere até que o frutinho esteja bem maduro, retire as sementes e lave-as em água corrente para retirar a polpa do fruto. Para semeá-las coloque-as numa sementeira ou recipiente com furo no fundo para a drenagem de água e cubra as sementes com uma fina camada de terra. Deixe a sementeira em local bem iluminado sem luz solar direta e boa sorte com suas sementes!

Como semear as sementes do brinco-de-princesa?
Fruto com sementes do brinco-de-princesa

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Como fazer mudas por estaquia


estaquia plantei


        Você sabe o que é a estaquia?
      A estaquia é um dos métodos de propagação de plantas mais utilizados. Muitas plantas inclusive só podem ser multiplicadas economicamente através deste método. Ou porque produzem sementes pouco férteis ou porque raramente produzem sementes.
         O processo de estaquia pode ocorrer de três formas diferentes: pelos caules, ramos ou pelas folhas!
              A estaquia gera uma cópia da planta-mãe, com o mesmo DNA. Logo, produzirá os mesmos frutos e flores. Portanto, é mais indicado escolher uma planta-mãe bem desenvolvida e bonita.
Imagen2
       O processo de estaquia
    Independente do tipo de processo da estaquia, existem dois conselhos de como melhorar o processo.
        Processo de estaquia custo zero: Ao realizar a estaquia, busque terras férteis. As terras férteis são marcadas pela presença de minhocas.
          Processo de estaquia sem custo zero: Não busque terras férteis, você irá compra-las: 2 partes de terra para 1 parte de húmus. Há, também, hormônios que provocam a formação de raízes de forma mais rápida.
     Pós-processo de estaquia: Molhe bastante após o plantio, todos os dias. Procure realizar o processo de estaquia em locais visíveis e de fácil acesso, para não esquecer das regas.
plantas007
Tipos de estaquia
        Por galhos – Procure um galho de mais ou menos 10 cm de comprimento, retire todas as folhas/flores ou outras ramificações. Uma dica é cortar as pontas na diagonal. Enfie na terra e regue todos os dias.
           Retirar as folhas e ramificações irá ajudar a planta a focar as energias para as raízes. Sendo assim, este fator torna-se muito importante.
plantei_mercadoshops
       É fácil perceber quando irá começar o enraizamento no processo de estaquia por galhos: Quando começar a aparecer novas folhas.
        Por ramos – Enquanto na estaquia por galhos, você precisa cortar uma parte do galho, a estaquia por ramos é bem mais prática: Você só precisa plantar a ponta dos galhos com folhas, mas sem flores.
      Estaquia por folhas – Bem frequente nas suculentas, nos cactos e nas violetas também. Algumas plantas criam raízes até com partes cortadas das folhas,outras precisam estar com o talo, como as violetas.
         As estaquias são formas diferentes (e mais rápidas) de se conseguir mudas.
01_04 estaquias crédito radiotirol_com_br
       E aí, gostou da dica? Pronto para realizar mudas através do método de estaquia?
      Deixe seu comentário!😉
Fonte – PlanteUmaSemente
muda

sábado, 28 de janeiro de 2017

Um jardim na Praia é fácil!

Extraído do site:http://www.jardineiro.net/paisagismo-na-praia.html

Muitas pessoas podem acreditar que o jardim na casa de praia é difícil de implantar e manter. Realmente, como passamos a maior parte do ano longe do litoral, o jardim fica praticamente abandonado durante este tempo.

Imagem relacionada
Da mesma forma não queremos desperdiçar o tempo das férias como jardineiros, bem pelo contrário, estamos mais propensos a admirar a natureza e curtir as flores e frutos que ela nos dá.
Além do abandono durante o ano, o jardim está sujeito às adversidades climáticas comuns ao litoral. Como altas temperaturas no verão, chuva, vento e maresia constantes, solos arenosos e com salinidade excessiva, além do frio durante o inverno.
Todos estes detalhes devem ser levados em consideração durante o planejamento do jardim, que também deve apresentar flores ou frutos no verão e ser de baixa manutenção. Afinal, de nada adianta plantarmos uma flor belíssima e adaptada ao litoral se ela floresce apenas no inverno, quando não estamos lá para admirá-la.
Praia
Coqueiros e palmeiras têm ótima
adaptação ao litoral
Foto: Rafael Patro
Planejar o jardim à beira-mar exige mais do paisagista, pois além dos fatores acima listados, a paisagem deve ser harmônica e não contrastar com a beleza natural da orla marítima. É como uma complexa orquestra que precisa ser conduzida com cuidado para que tudo dê certo e os moradores fiquem satisfeitos.
Um regra que vale muito nestes casos: observe atentamente as plantas que ocorrem naturalmente no local, elas estão adaptadas e em condições de suportar as adversidades, uma vez que o litoral gaúcho não é o mesmo que o capixaba; e assim por diante.
Outro cuidado importante é em relação ao relevo. Terrenos muito baixos podem ser invadidos pela maré alta, capaz de destruir o jardim. Caso seu terreno seja à beira-mar, pode ser uma solução elevá-lo um pouco para prevenir o problema.
A maioria dos paisagistas opta por jardins tropicais para adornar as construções litorâneas. As plantas deste jardim são as mais adaptadas às intempéries e combinam bastante com a paisagem da praia. Alternativamente jardins de estilo mediterrâneo ou contemporâneo podem ser executados sem problemas.
É importante que as plantas não bloqueiem a vista para o mar, pelo contrário elas devem valorizá-la e emoldurá-la com harmonia.
Praia
Algumas plantas nativas são boas para conter a erosão
Foto: Rafael Patro
Após análise adequada, o solo deve ser corrigido em pH e nutrientes, de forma que possa receber as novas plantas. Normalmente, por serem muito arenosos, devem ser condicionados com terra mais argilosa e muita matéria orgânica. Não poupe esforços e dinheiro nesta fase, o solo convenientemente preparado pode prevenir futuras dores de cabeça, pois esta etapa é muito difícil de remediar após a implantação do jardim.
Os móveis e acessórios também são muito importantes e devem ser ultra-resistentes. Uma das escolhas mais econômicas e duráveis é o polipropileno. O material é leve, lavável e alguns fabricantes ainda tratam os móveis com resina especial que protege contra a radiação UV.
Para opções mais sofisticadas use madeiras resistentes como a teca, que dispensa manutenção, sempre protegidas com verniz náutico. Fuja de metais, pois eles enferrujam com a maresia. Mesmo o aço inoxidável só deve ser utilizado se convenientemente protegido. Fique longe de fibras naturais como junco ou ratan, hoje em dia já existem materiais sintéticos para substituí-los.
Enfim, não esqueça de que você não vai querer passar o verão trabalhando pesado no jardim, use a sua criatividade e conhecimento para criar o seu paraíso particular, lugar de descanso e contemplação. Obs: Reserve um lugarzinho especial para colocar a rede ou chaise-longue e contemplar a vista do mar.
Praia
Muitas bromélias e cactos são nativos 
do litoral
Foto: Rafael Patro

Dicas de Plantas:

Texto: Raquel Patro
Se este artigo ajudou você. Então compartilhe este artigo e ajude a divulgar essa informação.