Mostrando postagens com marcador jardim na praia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador jardim na praia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 11 de junho de 2019

LINDAS FLORES TROPICAIS PARA TER EM CASA JÁ

Aline Matsumoto, florista que estará no Casa Vogue Experience, dá dicas para usá-las

Com a primavera exalando suas cores por aí, que tal aproveitar para encher a casa com as flores que mais se encaixam no nosso clima – as tropicais? Vibrantes, essas espécies vão bem não só nos ambientes residenciais, mas também nos corporativos e em festas, inclusive as infantis. “Além de precisarem de poucos cuidados, essas flores proporcionam um efeito gráfico, por isso vão bem em todos os ambientes. Dá para combinar elementos secos, sementes, compor com arranjos variados e, algumas, vão bem até sozinhas em cima de um prato, por exemplo”, conta Aline Matsumoto, florista que estará no Casa Vogue Experience 2017 ensinando num workshop a fazer belos arranjos com esses tipos coloridíssimos. Clique aqui para fazer sua inscrição – as vagas são limitadas! A seguir, ela lista 5 flores tropicais que você precisa conhecer! 

Bromélia

Flowering plants Guzmania is a genus of the botanical family Bromeliaceae, subfamily Tillandsioideae. Bromeliad mix, Bromeliaceae (Foto: Getty Images/iStockphoto)
Extremamente resistentes e adaptáveis em diversos ambientes, as bromélias são conhecidas por seu formato que lembra um cálice.

Helicônia

Close-up of a heliconia flower (Foto: Getty Images/Purestock)
Com folhagens que lembram a bananeira e atingem até três metros, a helicônia se destaca pela sua flor em cachos que misturam dois tons: um vermelho-alaranjado e um amarelo bem vibrante.

Estrelícia

5 flores tropicais para ter em casa já (Foto: Getty Images/Hemera)
Strelitzia reginae também é apelidada de ave do paraíso graças a seu formato que lembra o bico de um pássaro. Com 15 cm e um caule comprido, a flor varia entre tons de laranja e azul.

Alpínia

5 flores tropicais para ter em casa já (Foto: Thinkstock)
Com formato que lembra um chocalho, ela tem um tom vermelho vibrante (embora haja outras variações mais rosadas) que contrasta bem com suas folhagens grandes. Também é conhecida como vindecaá ou colônia.

Flor de banana

Ornamental banana flower in the nature. (Foto: Getty Images/iStockphoto)
Você sabia que além do fruto, a bananeira dá flores lindas? Elas geralmente possuem tons rosados, mas há outros tons puxados para o verde e também vinho.

POR AMANDA SEQUIN | FOTOS THINKSTOCK E FILIPPO BAMBERGHI
Visto primeiro em CASA VOGUE

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Cultivando o verde na praia ou cidades costeiras

Plantas para Lugares de Praia  Fonte:site fazfacil

Escrito por 
As plantas para projetos de jardins de praia devem ser resistentes e tolerar a maresia e o vento intenso na maior parte do ano. Conheça algumas espécies.
É perfeitamente possível fazer e manter um jardim bonito e bem cuidado na sua casa de praia. Basta selecionar as plantas adequadas.
Dentre tantas espécies de árvores e arbustos possíveis sugerimos algumas. Confira a seguir.

Árvores que se Adaptam Bem à Praia

amendoeira
Amendoeira
A escolha para árvores para uma região próxima ao mar deve ser feita pensando na sua utilidade, como a criação de sombra ou fornecimento de frutas.
As árvores com flores chamativas nem sempre estarão florescidas no verão. Muitas não resistem aos ventos fortes nem ao ar salino.
Poderemos optar então pelas árvores que propiciem sombra para o lazer familiar e para os carros estacionados, como a capororoca (Rapanea ferruginea) e a amendoeira de praia (Terminalia catappa) para jardins, ruas e praças.
Dentre as frutíferas, as nativas são as mais indicadas. A pitangueira (Eugenia uniflora), cultivada no jardim ou quintal, produz frutinhos que são atração para os residentes e pássaros da região.
São encontradas no tamanho padrão de 1,50 a 2,20 m em floriculturas do litoral, já adaptadas ao meio ambiente do litoral.
Pinheiros e outras coníferas de porte arbóreo têm bom desenvolvimento no litoral, como o cipreste-de-monterey (Cupressus macrocarpa) e o kaisuka (Juniperus chinensis “Torulosa”).

Palmeiras: Ideais para Regiões Costeiras

Dypsis decaryi
Palmeira-triangular
Palmeiras são um excelente adendo ao paisagismo da praia, conferem um ar tropical, não exigem cuidados e são apreciadas por todos. Além disto produzem também frutinhos avidamente disputados pela fauna selvagem.
Algumas são de alto custo, havendo opções para todos os tipos de orçamento.
Recomendamos o jerivá (Syagrus romanzoffianum)areca-bambu (Dypsis lutescens)palmeira-triangular (Dypsis decaryi) e butiazeiro (Butia capitata).
As palmeiras devem ter o plantio semelhante, somente que a cova terá maior diâmetro que profundidade, já que as raízes deste tipo de planta se desenvolvem mais para os lados.
O tutoramento deverá ser feito com duas ou três estacas, deixando pelo menos uns 6 meses para firmar bem a planta no local.

Arbustos em Cidades Litorâneas

Muitas vezes um terreno pequeno não permite a colocação de uma árvore. Ele acaba sendo destonado para cultivar o gramado e permitir o estacionamento para os carros da família.
A opção de ornamentação fica por conta dos arbustos, havendo alguns de alto porte, como a árvore-polvo (Schefflera actynophylla), o viburno (Viburnum suspensus)e o hibisco (Hibiscus rosa sinensis).
tibouchina
Nativa brasileira – Orelha de onça (tibouchina grandifolia)
Cercas vivas são excelente opção para o jardim da praia, permitem maior privacidade e filtram o vento, criando um ambiente mais agradável.
Arbustos recomendados: os nativos lanterninha-chinesa (Abutilon megapotamicum), a orelha-de-onça (Tibouchina grandifolia) e a quaresmeirinha (Tibouchina stenocarpa) e o exótico laurotino (Viburnum tinus).
Podem ser cultivados isolados como atração no jardim, sobre gramado bem aparado ou como cercas vivas.
Mas nem todas as plantas neste paisagismo necessitam ter flores chamativas.
Alguns arbustos perenifólios tolerante ao ar salino podem ser usados, os tons diversos e texturas diferenciadas de folhagem também podem fazer parte do projeto, tais como a dracena-de-madagascar (Dracaena marginata) e a cica (Cyca revoluta).
Algumas coníferas de caráter arbustivo também se desenvolvem bem, como opinheiro-azul (Chamaecypares psifera “Boulevar”) e o pinheiro-budista (Podocarpus macrophyllus).

Plantas Herbáceas que se Adaptam ao Litoral

planta onze-horas
A suculenta onze-horas.
Muitas das herbáceas são anuais, servindo de ornamentação para canteiros de verão, como petúnias (Petunia x hybrida )onze-horas (Portulaca grandiflora) e beldroegas (Portulaca oleracea).
As herbáceas de maior porte e perenes como strelítzias (Strelitzia reginae e S. juncea) também apresentam bom desempenho no litoral, desde que em jardins protegidos do vento.
Para o plantio de herbáceos e forrações em canteiros, delineie-o revolvendo a terra, retirando inços ou grama. Adicionar composto orgânico e adubo animal na proporção de 3:1.
Caso o canteiro seja para cultivo de hortaliças ou aromáticas para chás, substituir o composto por húmus de minhoca.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Como plantar a linda onze-horas Portulaca Grandiflora

Imagem relacionada

      A onze-horas é uma pequena planta nativa da América do Sul (Brasil, Uruguai e Argentina), de crescimento rápido, normalmente atingindo menos que 30 cm de altura.
      Suas folhas são suculentas e suas flores têm entre 2 e 3 cm de diâmetro, podendo ser vermelhas, laranjas, amarelas, brancas, rosas ou violetas. As flores se abrem apenas quando a luz do sol é intensa, motivo pelo qual recebem o nome popular onze-horas. É uma planta muito fácil de manter em vasos e jardineiras, e é adequada para jardins de rochas, mas também é apreciada para formar tapetes floridos em áreas do jardim.


Nome científico: Portulaca Grandiflora
Origem: América do Sul (Brasil, Argentina e Uruguai).
Clima: Prefere um clima moderadamente quente, sendo o ideal temperaturas entre 19 e 30 °C. Não suporta temperaturas muito baixas.
Iluminação: Luz solar direta.
Irrigação: Para plantas jovens ou florescendo, o solo deve permanecer levemente úmido, sem ficar encharcado. Quando bem desenvolvida é resistente a curtos períodos de seca.
Solo: Bastante tolerante quanto ao solo, desde que seja bem drenado. O ideal é um solo fértil e leve, que não retém demasiadamente a umidade, com pH entre 5,6 e 7.
Resultado de imagem para onze horas
Época de floração: Depende da época de plantio e do clima da região, podendo florescer na primavera, no verão e no outono.
Ciclo de cultivo: Plantas anuais.
Propagação: Por sementes, que devem ficar na superfície do solo, pois precisam de luz para germinarem, embora possam ser cobertas com uma fina camada de terra peneirada ou serragem. As sementes normalmente germinam em uma ou duas semanas.
Por estaquia, pedaços de ramos saudáveis enraízam se plantados em solo úmido.
Espaçamento recomendado entre plantas para o plantio em solo: 10 a 40cm.

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

Será o momento de renovar as suas mudas? 5 dicas.

    Fonte: jardim de ideias sthill
    Ter um jardim em casa não é apenas uma maneira de decorar o ambiente.  Elas nos trazem diversos benefícios, auxiliam na qualidade do ar e temperatura do ambiente, fornecem energia, são umidificadoras naturais, além de, é claro, deixar a casa mais convidativa e aconchegante. 

    É possível ter muitos tipos de plantas como palmeiras, samambaias, flores, suculentas e para elas sempre se manterem com uma boa aparência, separamos essas dicas para você identificar qual é o melhor momento para renovar suas mudas. 

    Folhas e caules murchos:
    Quando a planta apresentar esse aspecto, verifique se a terra não está seca demais. Caso estiver, afofe a superfície com um garfo de jardineiro. Se a muda estiver inserida no vaso, mergulhe-o numa bacia cheia de água e use o borrifador para umedecer as plantas. Após um tempo, retire-o e deixe escorrer o excesso de água.  

    Apodrecimento da raiz: 
    Quando a planta sofre dificuldades de drenagem, sua raiz pode apresentar sinais de apodrecimento; se você enxergar faça um replantio imediato.  Para evitar você deve usar vasos que possuem furos na parte inferior, para facilitar na drenagem e assim a planta poder respirar.

    Manchas nas folhas:
    Pode ser a consequência de excesso de nutrientes, e ele pode resultar em folhas manchadas e malformadas. O aparecimento de uma crosta branca na superfície da terra ou nos vasos de cerâmica são sinais também. 

    Queda de flores, botões e folhas:
    É reflexo da iluminação inadequada. Determinadas espécies não produzem floração quando colocadas em locais com baixa luminosidade. A queda das flores pode ser também pela condição de temperatura. O calor excessivo para as plantas de clima temperado ou ameno pode reduzir o tempo de floração e provocar a queda de botões e flores. 

    Folhas amareladas e crescimento lento: 
    A escassez de fertilizantes provoca a falta de nutrientes e por isso a planta pode apresentar um crescimento lento, hastes fracas e folhas amareladas. Neste caso é necessário que você troque de vaso e cuide para não sufocar a raiz, mantendo a planta regada e com nutrientes. 

    Observar é a melhor maneira de notar os primeiros sinais – que podem ser tratados rapidamente para que não se tornem muito graves –. Curtiu as dicas? Elas podem auxiliar você a cuidar melhor do seu jardim. Compartilhe com seus amigos e fique de olho no nosso blog! Até a próxima.

    segunda-feira, 2 de abril de 2018

    Como cuidar do jardim no outono!!

    postado por

    cuidados outono
    Em março o outono começa oficialmente. É hora de fazer as mudanças necessárias no seu jardim para que ele continue saudável e bonito. Nesse post vamos dar dicas como cuidar do jardim no outono.

    Muitas flores de jardins anuais continuam sua floração até o outono, já os jardins sazonais de primavera e verão precisarão ser trocados e suas plantas retiradas, pois não suportarão a mudança de temperatura e níveis de umidade. Se você vai montar um novo jardim, a sugestão é plantar hibisco, quaresmeiras do outono, prímulas e amores-perfeitos. Elas vão se desenvolver com mais facilidade durante essa estação.

    Faça uma limpeza cuidadosa no jardim, eliminando ervas daninhas que possam se proliferar no seu espaço durante as estações mais frias e se tornarem um grande problema com a chegada da primavera. É importante fertilizar bem o jardim durante o outono, pois assim as plantas terão tempo para absorver a matéria orgânica e ficarão protegidas durante o inverno (ressaltando que o inverno afeta o Brasil de maneiras completamente diferentes de acordo com a região, então, busque informações com um técnico para se certificar do tipo de fertilizante e a quantidade).

    As folhas que caíram estão incomodando você? Os sopradores BGE 71, BG 86 C-E e BGA 85 da STIHL são ótimos para fazer a limpeza do seu jardim. Conheça os produtos clicando aqui.
    O outono é uma época ótima para desbastar trepadeiras, desembaraça-las e podar as extremidades. Se você possui arbustos decorativos, o começo do outono marca a última poda até a primavera. Se cortados durante as estações mais frias, os arbustos não conseguem se restabelecer tão bem. Não faça as chamadas “podas educativas” também, elas podem afetar a floração da planta.

    Cuidado redobrado com a quantidade de água no solo! Diferentemente do verão, a temperatura e as condições de umidade no ar do outono são mais amenas. A quantidade de regas deve ser diminuída, pois a evaporação de água durante o outono é menor e o encharcar o solo pode resultar no apodrecimento das raízes.

    Tem mais alguma dica para cuidar do jardim no outono? Conte para a gente nos comentários!

    terça-feira, 26 de dezembro de 2017

    Conviva com a areia, a maresia e o vento e cultive um jardim na praia .

    Para não errar na composição do jardim 
    use plantas nativas da região

    Simone Sayegh
    Fonte Site: Do UOL, em São Paulo

    Quem tem casa na praia sabe que muitas plantas perfeitamente adaptadas às condições urbanas “distantes do mar”, não aguentam o solo arenoso, a maresia ou o vento marítimo. Além disso, as espécies ideais para um jardim no litoral do nordeste podem não ser as mesmas indicadas para o cultivo no extremo sul do país.
    Assim, a regra é optar por plantas nativas da respectiva região para a composição de um jardim litorâneo.

     Desta forma, coníferas, azaleias, rododendros, hortênsias, íris, glicínias e todas as variedades típicas de climas frios devem ser evitadas, pois terão seu desenvolvimento prejudicado, com floração menos expressiva, por exemplo. Outra dica é eleger espécies com florada no verão, para que se possa apreciar a beleza das flores na época em que mais se desfruta das praias.

    • Veja boas espécies para um jardim à beira-mar e saiba como cultivá-las
    • Getty Images
    • Getty Images
    • Getty Images
    • Getty Images
    • André Guimarães/ Divulgação
    • Getty Images
    O local onde o jardim será implantado também é importante: terrenos baixos, que podem ser invadidos pela maré, comprometem o resultado final, sendo necessário elevá-los e /ou dotá-los de elementos de contenção. Além disso, adequações do substrato podem ser necessárias, bem como do regime de regas e adubação.

    Solo arenoso
    Em princípio, quando falamos de jardins à beira-mar, tratamos de solos arenosos. Portanto é mais adequado dar preferência a espécies que sejam bem adaptadas a este tipo de substrato ou, ao menos, tolerantes a tal condição. Para cultivar plantas que preferem terrenos argilosos, deve-se substituir o solo das áreas de plantio - o que tem custos financeiro e ambiental muito maiores e resultado estético potencialmente inferior.
    Alternativas são a adição de terra argilosa e muita matéria orgânica para manter a umidade por mais tempo e, em conjunto, aplicar adubos que contenham macros e micronutrientes com o cálcio (Ca) já disponível. Assim o próprio insumo promove a correção do pH.

    Vento salino
    Há grande variação da incidência de ventos nas diversas regiões do litoral brasileiro, mas onde as rajadas são mais intensas, as plantas devem estar mais preparadas para essa condição, pois a exposição ao vento pode provocar rápida desidratação em plantas não-adaptadas, com um agravante: o “spray” salino (maresia) intensifica processo da perda de água.
    Espécies que se adaptam ao vento litorâneo geralmente apresentam camada de cera protetora nas folhas; espessamento da estrutura (para maior acúmulo de água em seu interior); forma mais compacta/ modificada e/ou a redução da superfície foliar (folhas pequenas).  Portanto, observe tais características ao escolher os espécimes.

    Regime de baixa manutenção
    Muitas vezes os jardins à beira-mar são instalados em casas de veraneio e a manutenção tende a ser menos frequente e as inspeções mais esparsas. Nesse caso, plantas delicadas ou mais exigentes quanto ao zelo não são recomendáveis. O uso de variedades mais rústicas facilita o trato cotidiano e previne danos maiores se houver interrupções imprevistas dos cuidados com o jardim, mesmo que mais prolongadas.

    Fontes: Heloiza Rodrigues, bióloga e paisagista, e Marcos Malamut, paisagista.

    sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

    A escolha perfeita para plantar flores, arbustos e diversas plantas em vasos!


    A vermiculita expandida

    08 de dezembro de 2015 • Por Sidnei Trindade, em CuriosidadesJardinagemPaisagismo


    Usar o substrato correto é um dos segredos de um jardim bem cuidado e de plantas devidamente fixas em vasos ou no próprio solo. Já falamos do bokashi, muito usado por quem preza pelas suas orquídeas, e agora falaremos sobre a vermiculita expandida.
    A vermiculita é um mineral que é submetido a altas temperaturas para sofrer a expansão que a torna apta para uso em diversas atividades, como a construção civil e a siderurgia. Por razões óbvias, nos ateremos ao uso na jardinagem.
    A vermiculita expandida graças à exposição ao aumento da temperatura é um excelente substrato e um corretor de pH de solos. Por ter pH neutro, ela consegue corrigir a acidez da terra. Sua grande capacidade de absorver água faz com que o solo não fique demasiado encharcado mas permaneça devidamente úmido e próprio para manutenção de plantas perenes.
    vermi2
    A leveza da vermiculita expandida faz com que ela seja a escolha perfeita para plantar flores, arbustos e diversas plantas em vasos e cachepôs, além de ser muito usada para a confecção de mudas. A raiz das plantas não encontram dificuldade para se expandir nem para drenar os nutrientes necessários à nutrição das plantas. Quando a vermiculita expandida é acrescentada ao solo arenoso, ele ganha mais capacidade de aeração e retenção de líquidos.
    Quem opta por preencher jardins com grama tem na vermiculita expandida um aliado, pois suas características servem para que o crescimento radicular seja favorecido. Campos de futebol e hípicas usam o mineral na manutenção do solo gramado e obtêm bons resultados, principalmente com as gramíneas mais usadas nesses locais.
    A vermiculita expandida também evita a chamada lixiviação, ou a retirada de nutrientes do solo pela força das águas pluviais ou quaisquer problemas semelhantes.
    Consulte sempre um especialista para saber onde e como usar a vermiculita em seu jardim ou vasos.

    terça-feira, 24 de outubro de 2017

    Aprenda a Fazer um Jardim no Vaso Encantador

    É indiscutível o fato de que um jardim deixa o nosso lar com mais vida. Pena que nem sempre temos um grande espaço com terra para cultivar. Nesse caso, usar um vaso para plantar pode ser a escolha ideal. Além de ser uma ótima forma de levar o verde para pequenos espaços, o jardim no vaso também é perfeito para decorar.
    Criar um jardim no vaso é algo que qualquer pessoa pode fazer; afinal, o processo de montagem é bem simples e rápido. Para deixar esse momento ainda mais divertido, as crianças também podem participar. O contato com a natureza não só relaxa os adultos, mas como também contribui para a educação ambiental da criançada.
    Por isso, vamos ensinar o passo a passo para que você consiga recriar essa ideia em casa. Vamos mostrar como preparar o solo, como plantar e como decorar o vaso.
    O resultado desse tutorial é um mini jardim que mais parece ter saído de um conto de fadas! Se você gostou dessa ideia, continue com a gente para aprender todos os detalhes desse maravilhoso projeto de jardinagem.

    Materiais Necessários

    jardim no vaso
    • Vaso para plantas – grande e redondo
    • Terra vegetal
    • Substrato para plantas
    • Areia
    • Adubo
    • Gravetos pequenos
    • Flores pequenas – como Calêndulas, Margaridas e Violetas
    • Pazinha para jardinagem
    Dicas: A maioria dos materiais necessários para montar o jardim podem ser encontrados em lojas de jardinagem e também em floriculturas.

    Elementos decorativos

    • Mini arco feito de arame
    • Vasilha de água para pássaros
    • Borboletas de acetato
    • Musgo
    • Pedras para jardim
    Dica: Os elementos decorativos sugeridos acima podem ser substituídos por aqueles que forem mais acessíveis para você. Uma sugestão é utilizar peças e brinquedos em miniatura, como bonequinhas, casinhas e regadores.

    Passo a Passo

    Prepare o solo

    Para evitar carregar peso, prepare o solo no próprio lugar onde ficará o vaso – sugerimos a varanda ou a área privativa, espaço muito comum em apartamentos.
    1. Em uma vasilha, misture partes iguais de terra vegetal, substrato e areia até obter a quantidade necessária para encher o vaso.
    2. Junte um pouco de adubo e misture para que fique bem distribuído.
    Dica: não exagere na quantidade de adubo. Na dúvida, verifique as recomendações de uso na embalagem do produto. 
    3. Forre o fundo do vaso com gravetos para auxiliar na drenagem da água. Em seguida, despeje a mistura feita com a terra. Caso necessário, complete com terra vegetal pura.
    4. Molhe o solo todos os dias, 15 dias depois ele estará pronto para receber as flores.

    Monte o jardim

    1. Para montar o jardim, distribua no vaso os elementos decorativos maiores. Em seguida, crie um caminho de pedras.
    2. Coloque um pouco de musgo em volta do caminho de pedras. Se não tiver, substitua por serragem ou por brita fina.
    Dica: Para segurar o musgo no lugar, até em dias de ventania, pregue o musgo na terra com palitos de dente.

    3. Com a pazinha para jardinagem, faça algumas covinhas na terra e plante as flores. Aperte um pouco a terra para que a raiz fique firme.

    4. Adicione as decorações menores no final, como mini borboletas de plástico ou pássaros decorativos.

    5. Por último, molhe a terra e encha de água a vasilha dos pássaros.
    Dica: Não se esqueça de trocar a água e de lavar a vasilha regularmente para evitar problemas com o mosquito da dengue.
    Como resultado, você terá um encantador jardim no vaso. Como você deve ter percebido, nem é preciso muito espaço para montar esse pequeno oásis verde. Use nossas dicas, juntamente com sua criatividade, para montar um mini jardim com a sua cara.
    Se você gostou desse tutorial de jardinagem, deixe seu recado pra gente nos comentários!

    Mariana Barbosa

    Formada em Letras pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, redatora na Revista Artesanato. Acredita que o aprendizado tem o poder de transformar a vida das pessoas.

    terça-feira, 11 de julho de 2017

    Aprenda em 06 passos a ter sucesso no Cultivo de Violetas

    Fonte: site terral.agr.br

    Há muito tempo as flores exercem um poder especial sobre as pessoas. Em formas de presentes, agradecimentos, pedido de desculpas, declarações de amor ou apenas um jeito de demonstrar carinho, elas falam o que jamais poderia ser dito através de palavras. As flores das violetas fascinam por suas flores, cores e formas e por serem umas das mais belas manifestações da natureza. A violeta africana é uma espécie florífera perene, percentence à família Gesneriaceae, a mesma das gloxíneas, na qual existem cerca de 25 espécies e acima de 8 mil variedades conhecidas, das quais 100 têm sido cultivadas comercialmente.
    violeta
    Fonte da foto: www.evergreennursery.com

    1º Passo: Replantio do vaso

    Embora as violetas sejam normalmente comercializadas em vasos de plástico, o ideal é que elas sejam plantadas em vasos de barro. O vaso de barro tem a vantagem de absorver o excesso de água e permitir que as raízes da planta “respirem” adequadamente. As violetas são plantas com tecido interno rico em água e por isso são muito sensíveis ao excesso de umidade elas tendem a melar e apodrecer. 
    O ideal é que após adquirir o vasinho de violeta este seja replantado em condicionador de solo "Classe A", produto rico em turfa (matéria orgânica capaz de reter água), nutrientes (as raízes das violetas precisam absorver para um bom desenvolvimento) e esterco (além de ser fonte de matéria orgânica e nutrientes também retém umidade). O substrato que as plantas são comercializadas, são produtos leves, aerados, isentos de matéria orgânica, nutrientes e incapazes de reter água, desidratam a planta rapidamente, dessa forma, é imporante fazer o replantio para que a planta cresça de forma bonita e saudável.
    violeta5
    Fonte da Foto: www.ipm.iastate.edu

    2º Passo: Condições ideais de crescimento

    As violetas são flores de interior, não suportam luz solar direta e devem ser mantidas rigorosamente à meia-sombra. Porém é importante que haja claridade e ventilação para que as folhas da planta possa realizar a fotossintese e respiração, caso contrário, as folhas ficam amareladas e as raízes ficam mais susceptíveis ao ataque de pragas e doenças. O contato com o sol direto deixa as folhas queimadas e desidratadas (Foto abaixo).
    violeta6
    Fonte da Foto: www.missouribotanicalgarden.org

    3º Passo: Nutrição mineral

    A violeta é uma planta sensível à adubação de fertilizantes químicos, sendo que, apenas os nutrientes contidos no Condicionador de Solo "Classe A" são suficientes para a nutrição de suas raízes. No entanto, se o plantio for feito em terra vegetal, pode-se fazer a complementação dos nutrientes com fontes naturais: cinzas de churrasqueira peneirada, casca de ovo seca e moída no liquidificador, esterco curtido e moído, húmus de minhoca, etc. Caso se use o NPK, deve-se ater às formulações com baixo percentual de nitrogênio, como o 04-14-08 (os percentuais da formulação são: 4% Nitrogênio, 14% Fósforo e 8% Potássio) muito usado para o plantio em geral. O nitrogênio, embora seja o nutriente do crescimento, para a violeta ele queima as raízes das plantas. Esta formulação deve ser misturada no condicionador de solo antes do plantio. Além disso, as folhas das violetas possuem pêlos que impedem o acúmulo de excesso de água em suas folhas, uma medida natural da planta de evitar a mela foliar, dessa forma, caso a adubação seja foliar, o que não for absorvido pelas folhas irá escorrer para o solo e ser absorvido pelas raízes. A adubação foliar é considerada a mais eficiente e por isso a mais indicada para as plantas envasadas.
    violeta1
    Fonte da Foto: www.seggleston.com

    4º Passo: Reprodução

    A violeta possui uma forma simples de reprodução vegetativa através do enraizamento da folha. Deve-se cortar o pedúnculo ("cabinho") da folha com faca, tesoura ou mesmo quebrá-la na base do caule. É importante nao deixar um pedunculo comprido pois ele irá apodrescer e há risco de contaminar a planta com alguma doença. O pedúnculo deve ser reduzido ao tamanho de 1 cm próximo à folha. Em um recipiente furado no fundo (caixa plástica comprida e rasa, copo plástico, vaso de cerâmica, etc.), deve-se completar com substrato (o mesmo de hortaliças) até a borda, apertar e molhar. Em seguida deve-se plantar as folhas cobrindo a base da folha com substrato. As folhas podem ser plantadas uma ao lado da outra, deixando uns 5 cm de distância da folha da frente para o crescimento das mudinhas. Esse recipiente deve ficar em um lugar sombreado. A umidade é fundamental para o enraizamento e brotamento das mudas. Para saber a hora de molhas basta enfiar o dedo, se estiver úmido, deve-se molhar. Com o tempo as mudinhas irão nascer na base da folha enraizar e estarão prontas para serem replantadas em vasos individuais. Aguarde o crescimento de mais de 5 folhas para fazer o transplantio. Utilize condicionador de solo "Classe  A" para o transplantio das novas mudinhas, elas precisarão de nutrientes, matéria organica e boa retenção de água no solo para crescerem saudáveis. Faça também uma boa adubação foliar para acelerar o crescimento das mesmas.
    violeta2
    Fonte da Foto: www.cutoutandkeep.net
    violeta3
    Fonte da foto: www.indoor-plants.net
    violeta4
    Fonte da Foto: www.plantcaretoday.com

    5º Passo: Controle de pragas

    Geralmente, as pragas atacam as plantas nos momentos de debilidade nutricional, excesso ou stress hídrico. É importante que as plantas estejam bem nutridas e regadas adequadamente para que possam tolerar ou rebrotar após o ataque. Além disso, é possível através de alguns produtos naturais, fazer um tratamento preventivo. O produto mais utilizado é o óleo de neem, porém dependendo da dosagem este óleo intoxica e até fecha os estômatos das folhas (pequenas bocas por onde as folhas respiram e se alimentam) prejudicando drasticamente o seu crescimento. Até o momento, para o combate orgânico, o produto mais eficiente disponível no mercado é o Inseticida Spruzit, da Empresa alemã Neudorff. Este produto é distribuído pela Terral em Minas Gerais e pode ser facilmente encontrado nos nossos parceiros. Além deste, seguindo a mesma linha de produtos orgânicos, temos o lesmicida Ferramol (único no mercado tóxico apenas para lesmas, caracóis e caramujos), as Armadilhas de Placas Amarelas (grande e pequena) onde a coloração é um atrativo para insetos voadores que ficam grudados ao pousarem na placa. Soluções simples, orgânicas e muito eficazes no combate de pragas de plantas.
     violeta0
    Fonte da Foto: www.en.allexperts.com

    6º Passo: Coleção de belas plantas

    Há muitas variedades de violetas disponíveis no mercado. É interessante se colecionar a variação de cores, tamanhos e formas de flores e cores de folhas. Um mix de cores que transforma o ambiente trazendo mais paz e harmonia para nossas casas.
    violeta7
     Fonte da Foto: www.greenwomanmagazine.com
    violeta8
    Fonte da Foto: www.suggestkeyword.com
    violeta 0
    Fonte da Foto: www.flickr.com
    violeta 1
    Fonte da Foto: www.pinterest.com
    violeta 2
    Fonte da Foto: www.debalconesyflores.es
    violeta 3
    Fonte da Foto: www.ruhrnachrichten.de
    violeta 4
    Fonte da Foto: www.giardinaggio.it
     violeta 5
    Fonte da Foto: www.club.anflower.co.kr
    violeta 6
    Fonte da Foto: www.pinterest.com

    segunda-feira, 5 de junho de 2017

    Aprenda como fazer mudas de Brinco-de-princesa

    Fonte: blog jardinet

    Sementes de flores Feltrin
    Como fazer mudas de Brinco-de-princesa

    Quer aprender a fazer mudas dessa planta de flores belíssimas e super atrativas para os beija-flores?

           Há duas formas de propagação do brinco de princesa. A primeira e menos indicada é através de sementes. A segunda, e a que mais uso por aqui, é por estaquia da ponta dos ramos. Para a estaquia, ramos de 8 à 10 cm já são suficientes, você pode inclusive utilizar os ramos das podaspara fazer as estacas. Retire as folhas da base deixando apenas umas 2 ou 3 folhas e procure ramos sem flores. Se não conseguir corte os botões florais.
    Estaquia do brinco-de-princesa em sementeiras

           Depois é só plantar o raminho num substrato bem úmido protegido do sol direto. Lembre-se também de usar um recipiente com furos no fundo para drenar o excesso de água. Quando a estaca começar a produzir novas folhinhas e raízes é sinal de que ela já "pegou" daí é só transferi-la para um vaso maior e o crescimento dela a partir daí é muito rápido

    Como fazer a propagação da brinco de princesa
    Uma semana após a transferência para o vaso

    Obs: Faça as estacas quando o tempo estiver mais úmido, pois assim ficará mais fácil delas "pegarem". O tempo da chuva é o melhor momento!

           Caso opte pela propagação por sementes, espere até que o frutinho esteja bem maduro, retire as sementes e lave-as em água corrente para retirar a polpa do fruto. Para semeá-las coloque-as numa sementeira ou recipiente com furo no fundo para a drenagem de água e cubra as sementes com uma fina camada de terra. Deixe a sementeira em local bem iluminado sem luz solar direta e boa sorte com suas sementes!

    Como semear as sementes do brinco-de-princesa?
    Fruto com sementes do brinco-de-princesa

    quinta-feira, 4 de maio de 2017

    Como fazer mudas por estaquia


    estaquia plantei


            Você sabe o que é a estaquia?
          A estaquia é um dos métodos de propagação de plantas mais utilizados. Muitas plantas inclusive só podem ser multiplicadas economicamente através deste método. Ou porque produzem sementes pouco férteis ou porque raramente produzem sementes.
             O processo de estaquia pode ocorrer de três formas diferentes: pelos caules, ramos ou pelas folhas!
                  A estaquia gera uma cópia da planta-mãe, com o mesmo DNA. Logo, produzirá os mesmos frutos e flores. Portanto, é mais indicado escolher uma planta-mãe bem desenvolvida e bonita.
    Imagen2
           O processo de estaquia
        Independente do tipo de processo da estaquia, existem dois conselhos de como melhorar o processo.
            Processo de estaquia custo zero: Ao realizar a estaquia, busque terras férteis. As terras férteis são marcadas pela presença de minhocas.
              Processo de estaquia sem custo zero: Não busque terras férteis, você irá compra-las: 2 partes de terra para 1 parte de húmus. Há, também, hormônios que provocam a formação de raízes de forma mais rápida.
         Pós-processo de estaquia: Molhe bastante após o plantio, todos os dias. Procure realizar o processo de estaquia em locais visíveis e de fácil acesso, para não esquecer das regas.
    plantas007
    Tipos de estaquia
            Por galhos – Procure um galho de mais ou menos 10 cm de comprimento, retire todas as folhas/flores ou outras ramificações. Uma dica é cortar as pontas na diagonal. Enfie na terra e regue todos os dias.
               Retirar as folhas e ramificações irá ajudar a planta a focar as energias para as raízes. Sendo assim, este fator torna-se muito importante.
    plantei_mercadoshops
           É fácil perceber quando irá começar o enraizamento no processo de estaquia por galhos: Quando começar a aparecer novas folhas.
            Por ramos – Enquanto na estaquia por galhos, você precisa cortar uma parte do galho, a estaquia por ramos é bem mais prática: Você só precisa plantar a ponta dos galhos com folhas, mas sem flores.
          Estaquia por folhas – Bem frequente nas suculentas, nos cactos e nas violetas também. Algumas plantas criam raízes até com partes cortadas das folhas,outras precisam estar com o talo, como as violetas.
             As estaquias são formas diferentes (e mais rápidas) de se conseguir mudas.
    01_04 estaquias crédito radiotirol_com_br
           E aí, gostou da dica? Pronto para realizar mudas através do método de estaquia?
          Deixe seu comentário!😉
    Fonte – PlanteUmaSemente
    muda