Mostrando postagens com marcador irrigação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador irrigação. Mostrar todas as postagens

sábado, 1 de abril de 2017

Ciência Sem Limites | Veja como fazer irrigação de baixo custo eficiente





No Brasil, menos de 7% de toda área agrícola cultivada é irrigada. Um dos motivos disso está no alto custo de implementação de um sistema de irrigação satisfatório.

No câmpus da Unesp de Lajeado, em Botucatu, o pesquisador Edmar Scaloppi desenvolve sistemas de irrigação de baixo custo que usam materiais alternativos, encontrados facilmente, como garrafas pet e canos de esgoto.

Scaloppi também mostra que é possível criar modelos alternativos para diversos tipos de sistemas de irrigação, como a aspersão, os sulcos, o gotejamento e os carneiros hidráulicos.

quinta-feira, 2 de março de 2017

Cinco mandamentos para salvar sua horta no verão





O excesso de sol, a seca e as chuvas fortes no verão podem colocar sua horta em risco. 

A drenagem, o uso do sombrite e o horário das regas são alguns dos cuidados 

que ajudarão no cultivo das suas hortaliças na estação mais quente do ano.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Barraginhas. Estratégia na estiagem de chuva ou seca



Um sistema simples que retém a água da chuva, evita erosão e alagamento. As Barraginhas têm feito sucesso entre os produtores da região de Magé, no Rio de Janeiro. A tecnologia social criada pela Embrapa está sendo reaplicada pela Fundação Banco do Brasil junto com outros parceiros. Conheça mais esta solução que ajuda a mudar a vida no campo. Saiba mais pelo site www.fbb.org.br

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Sensibilidade da couve-flor ao excesso de água no solo

No cenário agronômico poucas hortaliças são adaptadas a variações extremas de temperatura e umidade como inundações temporárias e continuas, ocasionadas por precipitações ou irrigações excessivas, inundações e presença de camadas superficiais compactadas ou mesmo pela proximidade do nível do lençol freático (NF). Condições de excesso de umidade no solo implicam em redução da taxa de oxigênio uma vez que apresentam aeração deficiente, pois a água ocupa os poros do solo, fazendo com que os rendimentos das culturas se reduzam (Kerbauy, 2004; SÁ et al., 2004). 

Com a saturação do solo, a respiração das raízes das plantas torna-se significativamente comprometida devido à diminuição ou falta de oxigênio (Kerbauy, 2004), transformando-se em anóxico com ausência total de oxigênio. Essa deficiência pode afetar diretamente as culturas, ocasionando principalmente em solos ácidos um aumento da disponibilidade de ferro para as plantas, assim como enxofre, cálcio, molibdênio, níquel, chumbo e cobalto gerando toxidez as plantas, pelo acumulo de ferro e manganês e acumulando substâncias toxicas (Shapiro, 1959; Rodrigues et al., 1993). 

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

MINICISTERNA PARA RESIDÊNCIA URBANA

PROJETO EXPERIMENTAL DE
APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA
COM A
TECNOLOGIA DA 
MINICISTERNA
PARA RESIDÊNCIA URBANA
MANUAL DE CONSTRUÇÃO E INSTALAÇÃO
Versão 1.1 (jan 2012)
CLIQUE PARA AMPLIAR
 
Introdução
Preocupados com a preservação do meio ambiente, a escassez cada vez maior de água potável, a grande falta de espaço físico nas residências urbanas e o desejo de fazer com que a população tenha algum sistema correto de Aproveitamento da Água de Chuva em suas casas, tomamos a iniciativa de criar e disseminar o projeto experimental de Aproveitamento da Água de Chuva com a tecnologia da Minicisterna para Residência Urbana.
Os principais objetivos desse projeto são:
  • fazer com que toda casa urbana tenha, pelo menos, uma Minicisterna;
  • usar a água para irrigações nos jardins. Assim, a água vai infiltrar na terra e irá para o lençol freático, preservando o seu ciclo natural;
  • usar a água para lavagens de pisos, carros, máquinas e nas descargas no vaso sanitário;
  • minimizar o escoamento do alto volume de água nas redes pluviais durante as chuvas fortes;
  • ser uma excelente ferramenta didática para as escolas.
Veja no desenho a seguir o esquema conceitual de um sistema correto e básico de Aproveitamento da Água de Chuva, onde é mostrado um modelo bem simples de filtro e separador das primeiras águas de chuva. Nesse modelo é usado uma peneira com malha fina, tipo tela mosquiteiro ou peneira grande de cozinha para barrar as sujeiras maiores; depois a água vai para um recipiente, que pode ser um vaso ou um balde com um registro instalado no fundo e um tubo na lateral conectado com a cisterna. O registro deverá ficar um pouquinho aberto para descartar as primeiras águas da chuva ou águas de chuvas fracas, que são as águas que vão lavar a atmosfera e o telhado. Após alguns minutos de chuva (forte), esse balde estará cheio e vai começar a transbordar a água da chuva, já bem mais limpa, para dentro da cisterna através do tubo lateral.
CLIQUE PARA AMPLIAR
Obs.: A água reservada na cisterna deve receber tratamento para evitar a proliferação de micro organismos que poderão contaminar essa água. O tratamento mais simples, barato e eficaz é com cloro de origem orgânica (cloro usado em piscinas). Quando adquirir o cloro lembre-se de solicitar ao fabricante ou revendedor informações sobre os cuidados e manuseios com esse produto.
IMPORTANTE - Nunca use a água de chuva para fins potáveis (como beber, fazer comida, lavar verduras, legumes, frutas, louças, tomar banho e lavar roupas) sem antes ter um laudo de um técnico sanitarista autorizando esse uso.
No desenho a seguir, é mostrado o esquema do Projeto Experimental da Tecnologia Básica da Minicisterna.
CLIQUE PARA AMPLIAR
Veja a seguir os Manuais de construção das três partes que compõe a Tecnologia da Minicisterna, que são o Filtro de Água de Chuva Auto-limpante, o Separador de Águas de Chuva e a Minicisterna (reservatório):
Obs.: nos Manuais foram usados tubos e conexões de 75mm por serem os mais usados nas tubulações pluviais para as residências urbanas, mas é importante saber que as dimensões dos tubos e conexões, podem ser de qualquer diâmetro, bastando que faça alterações seguindo as mesmas proporções ou conforme a necessidade. Para o reservatório, a Minicisterna pode ser construída com bombona (tambor) ou com caixa de água de qualquer tamanho, desde que tenha onde instalar.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA DE BAIXO CUSTO PARA RESIDÊNCIAS URBANAS


CLIQUE PARA AMPLIAR
PROJETOS EXPERIMENTAIS DE BAIXO CUSTO
IMPORTANTE - Como essa água será só para fins não potáveis, aconselhamos usar apenas o cloro 
de origem orgânica (cloro usado em piscinas) para evitar qualquer tipo de proliferação de bactérias, 
germes, vírus, etc. Solicite ao fabricante ou revendedor, mais informações sobre os cuidados e manuseios
 com esse cloro.
Introdução
A superfície do nosso planeta é composta por 70% de água. Essa água tem um ciclo natural, que começa 
com sua evaporação, formando as nuvens que depois vão retornar para a terra através das chuvas. Porém, 
de toda água existente no planeta, 97,5% estão nos oceanos e dos 2,5% restantes, 1,5% estão nos pólos 
(geleiras e icebergs), ficando apenas 1% disponível para nosso consumo, sendo que a maior parte esta 
em leitos subterrâneos, atmosfera, plantas e animais. Atualmente usamos para nosso consumo as 
águas de nascentes, lagos, rios e extrações de leitos subterrâneos, os aqüíferos.
Com a poluição cada vez maior do ar, da terra, das nascentes, dos lagos, dos rios e dos oceanos, essas 
águas estão ficando contaminadas, exigindo uma enorme preocupação para sua preservação, pois sem água
 natural a vida como conhecemos não tem como existir.
IMPORTANTE! Para que o planeta seja realmente preservado, não basta economizarmos água "limpa";
 muito mais importante é tratarmos a água que sujamos (com uma ETE = Estação de Tratamento de 
Esgoto) e devolvê-la limpa para a natureza, perpetuando o ciclo natural da água. Esse é um 
compromisso que toda empresa distribuidora de água deve ter perante a natureza.
De nossa parte, os consumidores, o melhor que podemos fazer é economizar ao máximo, evitando que mais
 e mais águas sejam retiradas da natureza para nosso consumo. Veja a seguir algumas dicas para
 diminuir esse consumo.
Formas simples para economizar água potável:
  • Fechar a torneira enquanto escovar os dentes, fazer a barba, ensaboar a louça, etc.;
  • Não usar mangueira para lavar pisos, calçadas, automóveis, etc.;
  • Trocar as válvulas hidro-assistidas de descargas por caixas acopladas ao vaso sanitário com 
  • limitador(es) de volume(s) por descarga;
  • Diminuir o tempo no banho, e ajustar o fluxo da água;
  • Procurar usar a máquina de lavar roupas apenas quando tiver uma quantidade de roupas (sujas)
  •  suficiente para usar o volume máximo da máquina;
  • Se tiver que lavar mais de uma leva de roupas, e se a máquina permitir, antes da máquina jogar fora a 
  • água do enxágue, dê uma pausa, tire a roupa limpa, coloque a segunda leva de roupas sujas e
  •  reinicie o trabalho da máquina. Depois quando a máquina for centrifugar, dê uma pausa e junte as
  •  roupas da primeira leva para centrifugar tudo junto. Assim você economiza um tanque de água;
  • Reúso da água originada do enxágue da máquina de lavar roupas para lavar o chão do quintal;
  • Reduzir a vazão de água do seu chuveiro ou ducha (Um chuveiro normal gasta em média
  •  3,5 litros por minuto);
  • Reduzir ou eliminar o consumo de carne (segundo o conceito de água virtual que leva em 
  • consideração toda a água usada para fabricar um produto industrial ou um alimento, uma dieta básica 
  • com carne consome cerca de 4.000 litros de água virtual por dia, enquanto a dieta vegetariana requer
  •  em torno de 1.500 litros).
Uma outra forma de economizar água é fazer o Aproveitamento de Água da Chuva, e para isso você pode 
construir e instalar um sistema usando a tecnologia da Minicisterna, que foi criada e desenvolvida baseada 
na norma ABNT NBR 15.527:2007 "Água de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para
 fins não potáveis".
Os principais objetivos do Aproveitamento de Água da Chuva são:
  • incentivar a população a fazer o aproveitamento correto da água de chuva;
  • fazer com que toda casa urbana tenha pelo menos um sistema simples de Aproveitamento da Água de
  •  Chuva;
  • minimizar o escoamento do alto volume de água nas redes pluviais durante as chuvas fortes;
  • usar a água para irrigações nos jardins e lavagens de pisos externos. Assim, essa água vai infiltrar na 
  • terra e ir para o lençol freático, preservando o seu ciclo natural;
  • usar a água para lavagens de pisos, carros, máquinas e nas descargas no vaso sanitário.
Antes de iniciar a construção de um sistema de Aproveitamento da Água de Chuva, conheça um pouco mais
 sobre as chuvas que caem em sua região, e os princípios e componentes básicos de um sistema de 
Aproveitamento da Água de Chuva.
Conhecendo as chuvas que caem em sua região:
Para familiarizar-se com as atividades pluviométricas de sua região, compre ou construa um pluviômetro.
O pluviômetro é um equipamento super simples, e serve para medir a quantidade de água que caiu durante uma chuva. Veja mais detalhes a seguir.
CLIQUE PARA AMPLIAR
Para construir um pluviômetro caseiro, conforme a foto ao lado, você vai precisar de uma garrafa PET lisa, uma régua de plástico, uma fita adesiva larga e transparente, e um punhado de areia com cimento.
Primeiro corte a parte de cima da garrafa logo abaixo onde termina a curva, fazendo assim um funil. Veja foto ao lado.
Depois misture a areia com cimento e coloque um pouco de água, formando uma massa, sem deixar ficar muito aguado. Depois coloque no fundo da garrafa até ficar levemente acima da linha entre a parte lisa e a curvatura da base. Dê várias batidinhas nas laterais da garrafa para assentar bem a massa. Quando ver que chegou na linha, jogue um pouquinho de cimento sobre a água que deve ter empoçado, dê mais algumas batidinhas e deixe secar por umas 12 horas. Depois verifique se a superfície do cimento ficou bem plana. Caso não tenha ficado, jogue um pouquinho de cimento com água para deixar a superfície bem plana. Depois deixe secar por uns dois ou três dias.
Agora prenda a régua verticalmente e do lado de fora da garrafa com a fita adesiva, de maneira que o "0" da régua fique exatamente rente a superfície do cimento. Depois coloque o funil na boca conforme a foto ao lado. Pronto, você já tem um pluviômetro caseiro.
CLIQUE PARA AMPLIAR
A condição ideal para instalar um pluviômetro é em campo aberto e pelo menos a 1,5m de altura.
Veja exemplo na figura ao lado =>
CLIQUE PARA AMPLIAR
Na régua do pluviômetro, cada milímetro vai indicar que caiu 1L/m2 (um litro de água por metro quadrado)
. Veja detalhes no desenho a seguir:
CLIQUE PARA AMPLIAR
Com essa informação, mais a área de captação de água da chuva, como por exemplo 
o seu telhado, podemos calcular quanto de água da chuva seu telhado foi capaz de coletar
. Para isso, basta multiplicar a área do telhado pelos milímetros de chuva registrado
s no pluviômetro. O resultado vai ser sempre X litros
Calculando a área para captação da água de chuva
formas geométricas básicas
CLIQUE PARA AMPLIAR
 
Para calcular a área de uma superfície, é
 preciso saber como calcular a área de
 alguns formatos geométricos básicos 
como o retângulo, o triângulo e o círculo.
   
Área do Retângulo
Fórmula:
Largura x Comprimento

Exemplo:
Se a largura = 6m e comprimento = 4m Então a área vai ser: 6m x 4m = 24m² Ou seja, a área desse retângulo é de 24m²
 
CLIQUE PARA AMPLIAR
   
Área do Triângulo

Fórmula:
Área = Base x Altura ÷ 2Exemplo:
Se a base = 6m e altura = 4m
Então a área vai ser: (6m x 4m) dividido por 2 = 12m²
Ou seja, a área desse triângulo é de 12m²
 
CLIQUE PARA AMPLIAR
   
Área do Círculo

Fórmula:
Área = pi x r²
Área = pi x r x r
Obs.: pi = 3,1416

Exemplo:
Se o raio da circunferência é 2m
Então a área vai ser: 3,1416 x 2m x 2m = 12,5664m²
Ou seja, a área desse círculo é: 12,57m²
 
CLIQUE PARA AMPLIAR
Agora, suponhamos que o pluviômetro registrou 20mm. Então multiplique a área do 
telhado por 20 e terá o volume de água captado durante essa chuva.
 Exemplo: 25m2 x 20mm = 500 litros.
Obs.: se registrar todas as chuvas durante um certo período, vai poder calcular a 
média da precipitação naquele período. É aconselhável você acompanhar essas 
medições durante todo o ano. Assim você estará mais familiarizado com os períodos 
mais ou menos chuvosos. Conhecendo melhor esses períodos, você poderá programar
 melhor suas atividades durante o ano. Veja exemplo na tabela a seguir:
CLIQUE PARA AMPLIAR


FONTE: http://www.sempresustentavel.com.br/hidrica/aguadechuva/agua-de-chuva.htm

terça-feira, 14 de outubro de 2014

4 dicas para regar corretamente as plantas



As plantas levam frescor e vida a qualquer ambiente, mas requerem cuidados para permanecerem bonitas e viçosas. Algumas dicas devem ser seguidas na hora de regar para que enfeitem os jardins ou vasos dentro de casa por mais tempo. Confira as dicas do designer floral Clóvis Souza, fundador da Giuliana Flores:
Horário correto: O período da manhã e o fim da tarde, após as 15h, são os ideais. O calor do meio-dia pode fazer com que a água acabe evaporando rápido demais; já o anoitecer não permite que as plantas consigam absorver a quantidade adequada de água, que se acumula nas folhas e gera fungos.
Frequência: O apropriado é avaliar as condições climáticas do dia antes de regar as plantas. Dependendo do calor ou do frio, as plantas precisam de quantidades diferentes de água. Dica: mexer a terra com o dedo e verificar se está seca ou úmida antes de regar. Se ainda estiver molhada, deixe para regar depois.
Quantidade: É importante não encharcar a terra, pois o excesso de água deixa as raízes submersas e sem ar, o que propicia doenças e fungos. Dica: regar lentamente e atentar à penetração da água na terra – caso demore, o correto é fazer pequenos intervalos enquanto ocorre a absorção.
Folhas e água: o ideal é, quando possível, aplicar água apenas na base da planta ou no pratinho para reduzir a possibilidade de doenças.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

CULTURA DA ABOBRINHA-ITALIANA



abobrinha

1 – INTRODUÇÃO
A abobrinha-italiana, também conhecida como abóbora-de-tronco, abóbora-de-árvore ou abóbora-de-moita, é uma planta com hábito de crescimento ereto, porém com caule herbáceo semelhante ao das demais plantas da família das cucurbitáceas.
1.1 Dicas culinárias
A abobrinha contém Fósforo, Cálcio, Ferro e celulose, além de pequenas quantidades de vitamina A, importante à visão e à pele, e vitaminas do Complexo B, que ajudam no desenvolvimento e crescimento.
O Cálcio e o Fósforo participam da formação de ossos e dentes, evitam a fadiga mental e ajudam na transmissão dos impulsos nervosos. O Ferro forma os glóbulos vermelhos do sangue e produz energia. Já a celulose é importante para o bom funcionamento das funções intestinais.
Na hora de comprar, dê preferência a abobrinhas bem firmes, de cor verde-brilhante ou amarelada, conforme o tipo. Evita as que estejam com rachaduras ou picadas de insetos.
Quando for preparar, evite descascar a abobrinha. No máximo raspe a casca com uma faca. Pequenos ferimentos na casca, sem apodrecimento, não comprometem sua utilização. Remova a parte ferida com faca e utilize o restante. Os frutos são consumidos com as sementes quando estas estão bem pequenas e macias.
Esse tipo de legume deve ser cozido no máximo por 10 a 15 minutos, sem acrescentar água, pois a própria água da abobrinha é suficiente para cozinhá-la, sendo que ela fica mais saborosa e mais nutritiva quando mais consistente.
Coloque água apenas na preparação de sopas e caldos.
Incremente o sabor do macarrão acrescentado pequenos pedaços de abobrinha cozida ao molho.
Os seguintes temperos combinam com a abobrinha: alho, cebola, pimenta, cebolinha verde, azeite, limão, vinagre, gergelim, manjericão.
A abobrinha é bastante empregada em saladas, refogados, suflês, frita à milanesa, recheada com outras hortaliças, queijo, ovos cozidos ou qualquer tipo de carne. E é excelente nas papinhas dos bebês, por sua consistência e fácil digestão.
Cem gramas de abobrinha fornecem média de 20 calorias.
Quando a abobrinha está bem nova e pequena, pode ser servida crua e ralada em salada ou com patês à base de ricota, maionese ou requeijão cremoso.
 abobrinha
abobrinha1
2 – VARIEDADES E HÍBRIDOS
Os frutos das cultivares existentes possuem coloração verde-clara e devem ser colhidos ainda imaturos, pois possuem maior aceitação por parte do consumidor. O mercado dispõe de seleções melhoradas da cultivar  caserta, bem como de híbridos. A principal vantagem dos híbridos é a maior precocidade em relação às variedades selecionadas.
As plantas das variedades e dos híbridos apresentam folhas mosqueadas e vigoroso crescimento vegetativo em forma de moitas. Ao comprar as sementes, é importante verificar qual a cultivar mais indicada para a época do plantio.
No grupo das abóboras de moita (abobrinha), as que melhor se prestam para o cultivo são: “Caserta”, “Cocozelli” e “Zucchini”.

Abobrinha "Caserta"
Abobrinha “Caserta”
Abobrinha "Zucchini"
Abobrinha “Zucchini”
3 – ESCOLHA DO LOCAL
Preferir solos com boa drenagem, ricos em matéria orgânica, com baixa acidez – pH entre 5,5 e 6,5 – e, de preferência, locais que já tenham sido cultivados com outras hortaliças (prática de rotação de culturas).

Germinação
Germinação
4 – ÉPOCA DE PLANTIO
Como a abobrinha-italiana não tolera temperaturas baixas, a época ideal de plantio é de agosto a março, podendo ser plantada o ano todo em regiões de clima quente ou ameno.

5 – CORREÇÃO DA ACIDEZ
Para corrigir a acidez do terreno (calagem), fazer antes a análise do solo para saber a quantidade de calcário a ser aplicada. A abobrinha-italiana é muito exigente em cálcio e magnésio e não produz bem em solos ácidos (pH abaixo de 5,5). Por essa razão, usar calcário dolomítico de boa qualidade e procedência.
O calcário pode ser esparramado a lanço na área toda ou nos sulcos de plantio, com antecedência de 30 a 60 dias do plantio.

Correção do solo
Correção do solo
6 – PREPARO DO SOLO
Uma aração bem-feita é suficiente. Gradear, se necessário, principalmente se for incorporar calcário ao solo. Em casos de terreno com declividade superior a 5%, recomenda-se adotar práticas de conservação do solo, como plantio em nível e construção de terraços em nível ou em gradiente, ou até construir faixas de retenção (terraços ou curvas em nível).
Abrir sulcos com espaçamento de 1,5 m entre as fileiras e 20 a 25 cm de profundidade.
Fazer as covas de plantio a cada metro linear de sulco, de forma que o espaçamento seja de 1,5 m x 1,0 m.
No plantio do período seco poderá ser utilizado o espaçamento de 1,50 m entre as fileiras e 70 a 80 cm entre as plantas, colocando duas plantas por cova.
abobrinha

7 – ADUBAÇÃO BÁSICA DE PLANTIO
A adubação deve ser calculada em função do resultado da análise de solo. Na ausência da análise, de modo geral, recomenda-se a seguinte adubação por cova:
- 1,5 kg de composto orgânico;
- 70 g de termofosfato ou de superfosfato simples ou, então, 100 g de fertilizante NPK 04-14-08 ou 04-16-08.
Misturar bem os adubos com a terra das covas. Fazer irrigação e aguardar 3 a 4 dias para efetuar o plantio.
Plantas 37 dias após o plantio
Plantas 37 dias após o plantio
8 – PLANTIO
 A propagação da abobrinha-italiana é feita pela semeadura direta, utilizando-se de 3 a 4 sementes por cova. A profundidade é de 4 a 5 cm. Tempo de germinação: 3 a 5 dias.
O semeio também pode ser feito em bandejas de isopor de 128 e 200 células, as quais deverão estar abrigadas em estufas. As mudas estarão prontas para o transplante quando tiverem de 4 a 6 folhas definitivas.
Como em todas as plantas da família das cucurbitáceas, primeiro surgem às flores masculinas, depois aparecem às femininas. Isso acaba provocando problemas de polinização e aborto de frutos. Para melhorar o processo de polinização, faz-se o plantio em fileiras alternadas, de modo que haja uma diferença de 17 a 20 dias entre as datas das semeaduras das fileiras. Isso permite uma melhor polinização e, consequentemente, um aumento da produção e produtividade.
Dica: mergulhe as sementes na água e só plante as que afundarem, descartando as que boiarem.
Germinação
Germinação

Broto
Broto
Muda em desenvolvimento em bandeja
Muda em desenvolvimento em bandeja
Planta em desenvolvimento
Planta em desenvolvimento
Flor feminino
Flor feminino
Flor masculino
Flor masculino
Fruto vigando
Fruto vigando
8.1 Plantio em vaso, você precisa de:
Vaso 40 x 40 cm  (1 para cada duas plantas)
Perlita  (quantidade necessária)
Terra preta ou húmus quantidade necessária
Sementes de abobrinha (6 a 8 por vaso)
Passos
1 – Misture partes iguais de terra preta e perlita para manter o substrato poroso e rico em nutrientes.
2 – O vaso deve ter um furo no fundo para permitir a drenagem necessária.
3 – Encha o vaso com a mistura. Faça dois pequenos buracos equidistantes no centro e coloque de três a quatro sementes em cada um.
4 – Cubra as sementes com um pouco da mistura. As sementes devem ficar a uma profundidade três vezes maior do que o seu tamanho.
5 – Regue abundantemente e mantenha o substrato úmido durante todo o ciclo de crescimento da planta.
6 – Depois de dois meses as plantas terão a primeira floração, darão os primeiros frutos e entre os três e cinco meses as abobrinhas mudarão de cor e a casca endurecerá.
7 – Colha os frutos quando eles já estiverem com a cor e a consistência de uma abobrinha madura. Corte-os deixando um pedúnculo de 2 a 3 cm.
Plantio em vaso
Plantio em vasoPlantio em vaso
Plantio em vaso

9 – ADUBAÇÃO DE COBERTURA
É importante que a adubação de cobertura seja feita de acordo com a recomendação baseada na análise de solo. Na ausência da análise, recomenda-se fazer quatro adubações, com intervalos de 15 dias entre uma e outra.
Na primeira adubação, aos 15 dias após o plantio, usar 20 gramas de sulfato de amônio ou nitrocálcio, por cova, e, nas demais, adubar com fertilizante NPK 12-06-12, aplicando 20 gramas por cova. Espalhar o adubo ao redor da planta, após a irrigação.
plantio 2
10 – TRATOS CULTURAIS
Quando o plantio for direto na cova, fazer o desbaste das plântulas quando elas tiverem 2 folhas definitivas, deixando 1 a 2 , mais vigorosas, por cova.
Manter a lavoura no limpo para evitar a concorrência de ervas daninhas.
Irrigar com frequência, assegurando a umidade do solo e o bom desenvolvimento das plantas. Manter a água da irrigação sob controle, evitando o encharcamento.
Fazer controle de pragas e doenças somente com produtos registrados para a cultura.
Obedecer às dosagens e à carência dos produtos utilizados de acordo com as recomendações do fabricante e ou orientações de um técnico.
A rotação de culturas pode ser feita com hortaliças folhosas, quiabo, feijão e outras leguminosas. Não faça consorciação com outras cucurbitáceas e com as solanáceas (pimentão e batata), mas sim com milho, acelga, amendoim, taioba, vagem e chicória.
Irrigação
Irrigação
11 .PRAGAS E MOLÉSTIAS
Entre as pragas a serem combatidas destacam-se os PuIgões; a Broca das hastes (Margaronia nitidalis); vaquinhas, lagarta-rosca ou a minadora. A doença mais comun é o Oídio, representada por manchas brancas com pó nas folhas e no caule; folhas murchas e amareladas é sinal da Podridão das raízes; placas verdes nos frutos representa a Antracnose e folhas novas deformadas e pouco crescimento da planta significa o Mosaico.

Mosaico Amarelo
Mosaico Amarelo
Mosaico Amarelo _ Fruto com deformações, tipo bolhas superficiais
Mosaico Amarelo _ Fruto com deformações, tipo bolhas superficiais
Podridão de Fruto
Podridão de Fruto
12 – COLHEITA
Inicia-se aos 40 a 50 dias após o plantio quando os frutos atingirem cerca 20 a 22 cm de comprimento e 4 a 5 cm de diâmetro com os frutos verdes ou verdes-claros e tenros. Recomenda-se fazer 2 apanhas por semana. Mas vc pode colher sua abobrinha do tamanho que desejar.
Lembrando que a abobrinha é desenvolvido corretamente é que abobrinha precisam de uma temperatura entre 20 e 30°C a crescer bem e dar frutos.
Colheita
Colheita
13 – CLASSIFICAÇÃO E EMBALAGEM
A classificação da abobrinha deve ser em função do tamanho e da qualidade  do fruto, conforme orientação a seguir:
- Extra, quando a boca da caixa contiver mais de 10 frutos.
- Especial, quando a boca da caixa contiver 8 a 10 frutos.
As abobrinhas devem ser acondicionadas em caixas de madeira tipo k, com peso de 18 kg.
A arrumação dos frutos deve ser feita em camadas. Novas alternativas de embalagens como caixas de papelão ou de plástico devem ser testadas e utilizadas.
EmbalagemClassificação
Classificação
Embalagem
Fonte:
CULTURA DA ABOBRINHA-ITALIANA (Eng. Agr. Georgeton S. Ribeiro Silveira; Eng. Agr. Sérgio Pereira de Carvalho; Departamento Técnico da Emater–MG)

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Barragem Subterrânea - UEP-Recife, vinculada a Embrapa Solos

Este vídeo apresenta os benefícios que a tecnologia barragem subterrânea, disseminada pela UEP-Recife, vinculada a Embrapa Solos (RJ), por meio do projeto "Barragem subterrânea: promovendo o aumento ao acesso e usos da água em agroecossistemas de base familiar do Semiárido do Nordeste brasileiro", leva até a sociedade.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

No Semiárido baiano, famílias agricultoras fazem brotar vida no solo com água de tecnologias da ASA


Núcleo de Comunicação do Cedasb
10/12/2013

http://www.asabrasil.org.br/portal/Default.asp
Fotos: Rodrigo de Castro / Arquivo Cedasb
Dona Minelvina de Jesus vive na comunidade de Bom Jesus de Cima, no município baiano de Bom Jesus da Serra.  Ela possui um barreiro-trincheira em sua propriedade, que guardou água proveniente das poucas chuvas ocorridas na região durante os primeiros meses de 2013, possibilitando, assim, que ela cultivasse hortaliças e verduras. Já são nove meses de produção nos canteiros com a água armazenada do início do ano.

Desde que começou a produzir nos canteiros colocados ao lado do barreiro, a família de Minelvina conquistou o direito de consumir alimentos sempre frescos, cultivados sem o uso de agrotóxicos e adubos químicos. Cuidar das hortas todo dia à tarde passou a ser um momento lúdico com toda a família. Suas netas, a sobrinha e o esposo se envolvem na lida com os canteiros. “Pro meu marido mesmo, é uma terapia, pois ele não gosta de sair de casa. Deu quatro da tarde, pode procurar: tá ele aqui junto com a gente cuidando dos canteiros. Quando falo de viajar, ele diz que não vai, porque não ficaria ninguém pra cuidar das hortas”.

A cinco quilômetros de distância da propriedade de Minelvina, mora seu Clemente, que também conquistou um barreiro-trincheira. Ele, que já cultivava feijão, fava e milho, passou a plantar também cebolinha, alho, couve, alface e girassol nos canteiros montados ao lado do barreiro. Ele também cria suas cabeças de gado e se orgulha da disposição que tem, mesmo aos 88 anos: “Eu cuido de três tarefas de roça aqui e mais outras ali embaixo, tem as hortas e o gado. Eu monto a cavalo, me ralo todo nos espinhos pra cuidar deles, e tudo isso com essa idade toda que eu tenho”.

O barreiro-trincheira garante a água que faltava a seu Clemente, para cultivar fora dos períodos de chuva. “A máquina chegou pra abrir isso aqui. Mas rapaz, tinha muita pedra! Deu um trabalho arretado, mas no fim, (o barreiro) deu mais de 30 metros, e mais de três de fundura. Uma chuva só que deu encheu ele quase todo!”, relembra feliz, seu Clemente, da chuva ocorrida em janeiro, a única mais intensa ocorrida no inverno deste ano. A construção do barreiro está garantindo independência na labuta com seu pedaço de terra. “Isso aqui foi o maior benefício que eu já recebi na vida!”, afirma.

A Articulação Semiárido Brasileiro (ASA) dissemina pelo Semiárido várias tecnologias sociais que captam e estocam a água da chuva, através do Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2). O barreiro-trincheira é uma dessas tecnologias. Um tanque longo, estreito e fundo escavado no solo. De implementação simples, ele parte do saber tradicional acumulado pelas famílias do Semiárido. Construído em área plana, armazena no mínimo 500 mil litros de água. Como é estreito, ele sofre menos com a ação do sol e do vento, diminuindo a evaporação.

Em Bom Jesus da Serra, 16 famílias conquistaram essa tecnologia social em 2012, por intermédio do Centro de Convivência e Desenvolvimento Agroecológico do Sudoeste da Bahia (Cedasb), que implementa na região o P1+2 com financiamento do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate Fome (MDS).

No total, foram 91 famílias atendidas com todas as tecnologias, que envolvem, além do barreiro: as cisternas-calçadão, cisternas-enxurrada, barraginhas, tanques de pedra e bombas d’água populares (BAP). Em 2013, mais 39 famílias conquistando meios de garantir água para o período seco.

Mudança de mentalidade – Apesar das inúmeras experiências inspiradoras de convivência com a estiagem, a ideia geral que se tem acerca do semiárido brasileiro ainda está ligada as privações decorrentes da seca. Minelvina conta um exemplo ocorrido dentro da própria família. Seus filhos foram morar em SP, e eles duvidavam que fosse possível cultivar verduras e hortaliças na terra da mãe. Acreditavam que a falta de água inviabilizava qualquer possibilidade de se produzir qualquer coisa que pedisse água diariamente.

Mas Minelvina provou o contrário. Com água armazenada no barreiro, comer com qualidade e diversidade se tornou algo comum na rotina da casa. Ela não ficou contente em apenas mostrar aos filhos as fotos, indo pessoalmente levar os frutos da sua terra. “Eu já ia visita-los em SP, e aproveitei pra mostrar a eles como estava a minha horta. Eu tirei bastante coisa pra levar. Couve, cebola, maxixe, quiabo, cenoura, fiz o tempero com o coentro... eles ficaram impressionados com o tamanho da cabeça da beterraba, foi uma festa!”.

Aproveitando a carona de carreta dada por um conhecido, Minelvina viajou um dia inteiro com seu sortimento de verduras e hortaliças, que chegaram perfeitas, como ela mesma conta: “Eu levei as coisas assim não muito fechado, pra não abafar, e chegou tudo bonito lá, nada murcho. Mesmo a alface, que é mais fraca, chegou boa pra consumo. A família toda se reuniu só pra comer a feira que eu levei”.

Desenvolvimento comunitário - Para a vice-presidente da associação comunitária, Gessi Soares, a comunidade onde mora experimentou um salto na produção de alimentos após a chegada das tecnologias sociais do P1+2. “Quase todas as famílias que receberam o projeto têm seus canteiros, suas hortaliças. Algumas têm mais, outras têm menos, mas todo mundo tem ao menos, a alface, a couve, o tomate em casa”, afirma.

Para Everaldo Mendonça, presidente do Cedasb e agricultor da comunidade Pedra Branca, as tecnologias do P1+2 já fazem muita diferença para as famílias que as receberam. Ele afirma que é nítida a melhoria na qualidade da alimentação delas, e percebe a motivação para trabalhar em suas propriedades. O incremento na renda de algumas famílias é outro fator positivo, principalmente se levando em conta a escassez de chuvas nos últimos anos. “É de chamar atenção a diversidade no cultivo dessas famílias, que estão levando suas tradições adiante, de agricultores e agricultoras familiares. Ver as pessoas recuperando sua autoestima de gente do campo, garantindo a segurança alimentar e muitas outras famílias interessadas em conquistar suas cisternas de produção, seus barreiros, só demonstra que esse é um caminho bom para se seguir.”

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Sistema utiliza esgoto e chuva para regar paredes e telhados verdes de edifícios



Um novo sistema criado pela empresa brasileira Ecotelhado traz uma inovação para o mercado da construção civil mundial. Chamado de “Sistema Integrado Ecoesgoto”, ele trata todos os resíduos orgânicos do edifício, provenientes das descargas de sanitários, papel higiênico e restos de alimentos, e os reutiliza na irrigação de jardins, assim como nas coberturas e paredes verdes.
Enquanto nos EUA e na Europa, o sistema é alternativa sustentável para descentralizar o tratamento de esgoto e reaproveitar a água em caso de calamidade, no Brasil e em outros países da América Latina, África e Ásia, a tecnologia pretende resolver problemas de saneamento básico, ainda tão presentes. Além disso, hoje, a água vem de lugares distantes, e, após ser usada, é enviada também para longe para ser tratada, ou, simplesmente, é despejada em rios e córregos sem tratamento algum.

Imagem: Ecotelhado
O sistema integra o tratamento de resíduos orgânicos dentro do próprio empreendimento. A água tratada por um filtro biológico é utilizada para regar telhados verdes e jardins verticais. O sistema também prevê a captação e reutilização da água da chuva.
O projeto, que não usa produtos químicos e necessita de pouca manutenção, também economiza energia, pois o processo evaporativo – por meio da parede e da cobertura verde – cria uma barreira contra o frio e o calor, gerando economia em sistemas de condicionamento.
Por ser tão completo e sustentável, um edifício que utiliza o sistema integrado pontua em todas as exigências para obtenção dos principais selos de construção sustentáveis do mundo.
Veja nos vídeos abaixo como o sistema funciona:

http://ciclovivo.com.br/noticia/sistema-utiliza-esgoto-e-chuva-para-regar-paredes-e-telhados-verdes-de-edificios

fonte Ciclo vivo

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Aguas cinzas e negras, como aproveitar na horta !

Aguas cinzas e negras, para sua horta !

Re-utilização das águas não tratadas

A reciclagem de águas é uma prática usada e significa o uso de águas sem qualquer tipo de tratamento, vindo direto da captação para o uso em diversas situações.
Algumas delas: uso de água em parques, cemitérios, cinturões verdes, para efeitos paisagísticos apenas.
As águas não tratadas são usadas também na irrigação de plantas forrageiras para a alimentação do gado, na produção de grãos, como arroz,trigo e cevada, e na produção de plantas ornamentais.
A indústria usa muitas vezes estas águas não tratadas para resfriamento de caldeiras, captando direto de cursos d’água; para apagar incêndios, para descarga de vasos sanitários, lavagem de veículos, como frotas de ônibus e caminhões, lavagem de ruas.
Também para manter pântanos e áreas alagadas necessárias à vida selvagem de aves e outros animais em reservas.
A indústria de construções também usa água não tratada para o preparo de concreto e lavagem de veículos de transporte do mesmo.

Aguas cinzas e negras - Vantagens no re-uso das águas

Aguas cinzas e negras  rega-hortaHá várias vantagens no re-uso de águas.
Ela deve ser bem direcionada de forma a beneficiar também o meio ambiente do local, pois propicia controle de poluição, efluentes de diversos tipos, inclusive com a reciclagem de águas provenientes de esgotos, diminuindo assim seu impacto nas águas de cursos hídricos.
Também com o reúso de águas a demanda das águas subterrêneas de aquiferos tende a dimiuir, preservando assim água limpa para outros usos.
As regiões onde a água das chuvas é mais escassa ou sazonal são assim beneficiadas.
No entanto devemos ter em conta que o uso destas águas não tratadas tem diversas necessidades de gerenciamento com técnicas adequadas para diminuir o risco de contaminações.

Não abra mão da água potável para as hortas

Aguas cinzas e negras  rega-horta agua potavelNuma propriedade a água de consumo potável,é  fornecida pelas companhias de abastecimento do município.
A água potável tem várias qualidades, que a tornam apta para consumo humano nas diversas funções necessárias, como limpeza, preparo de alimentos, higiene pessoal, etc.
Não deve ter gosto ou odor e seu pH deve se neutro.
Também não deve ter impurezas ou organismos prejudiciais à saúde.
Para regar a horta devemos usar a mesma água usada para beber, já que águas contaminadas também tornarão o alimento impróprio para o consumo, colocando em risco a saúde de todos.

Sustentabilidade e o re-uso das águas servidas ou águas cinzas

agua cinzaAs águas servidas, também chamadas de águas cinza, são provenientes da lavagem de roupas, da pia da cozinha, do chuveiro e pias do banheiro.
No caso da pia da cozinha estas águas contêm resíduos orgânicos, sabões, óleos, gorduras, defensivos agrícolas, adubos químicos e orgânicos, poluição oriunda do transporte e manuseio e, no pior dos casos, patógenos perigosos à saúde como viroses e coliformes fecais
As águas do chuveiro, da pia e do tanque ou máquina de lavar contêm também óleos, sabões e coliformes fecais e podem afetar seriamente a saúde caso estas águas sejam usadas sem a devida filtragem e despoluição.
A contaminação das plantas e do solo será inevitável sem a devida limpeza.
As águas cinza podem, depois da purificação e filtragem serem usadas para plantas ornamentais, sem problema.