Mostrando postagens com marcador horta urbana. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador horta urbana. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 28 de março de 2017

7 dicas para deixar sua horta mais produtiva




Plantar uma horta é uma tarefa recompensadora, mas que exige muita precaução para evitar o fracasso e o desperdício. O Projeto Interagir, patrocinado pelo programa Petrobras Socioambiental, preparou uma lista com cuidados que vão desde o trato das sementes ao uso do adubo correto. Veja abaixo:
1. Use sementeiras
Toda horta começa com uma sementeira, que são bandejas de isopor e plástico ou simplesmente copinhos descartáveis onde você vai produzir suas mudas. A terra , chamada de substrato, é diferente da terra das hortas e pode ser encontrada em lojas agrícolas. No substrato úmido devem ser plantadas, no mínimo, três sementes para garantir que pelo menos uma vingue.
2. Bom solo é fundamental
O local da implantação da horta deve ser plano, com disponibilidade de água e bem iluminado, o ideal é que fique exposto ao sol de quatro a cinco horas durante o dia. Para que a terra fique fofa, ela precisa ser revirada a cerca de 15 com de profundidade e precisa estar livre de pedras, mato e qualquer tipo de lixo.

Foto:©nixoncreative/iStock
3. Use brita e bidin
É aconselhado colocar uma camada de bidin (material que pode ser comprado em lojas agrícolas) sobre um pouco de brita no fundo do canteiro para melhorar a drenagem da água. Tomando essas preocupações, evita-se o endurecimento e o desmanche da terra.
4. Canteiros são práticos
Plantar as hortaliças em canteiros, ao invés de longas fileiras, é a maneira mais prática de cultivar sua horta. Os canteiros devem ser elevados entre 10 e 15 cm do chão e estar a, no mínimo, 40 cm de distância um do outro.
5. Plante na vertical
Se existe a possibilidade de plantar na vertical, não perca tempo.  Você pode apoiar frutas, legumes e vegetais como tomate, feijão, ervilhas, abóbora, melão em treliças, cercas e estacas. As plantas que crescem na vertical recebem mais circulação de ar ao redor das folhas, diminuindo assim a possibilidade de doenças provocadas por fungos.
6. Intercale culturas
Intercalar cultivos só traz vantagens ao jardineiro, uma vez que ele consegue colher variadas culturas em um mesmo canteiro. É preciso pesquisar, entretanto, quais plantios são compatíveis. Por exemplo, a colheita de alface pode ser seguida pela de rúcula, a de manjericão pode ser seguida por cebola e assim por diante.

Foto:©iStock/Zocchi2
7.  Use adubo orgânico
Para adubação de canteiros, os adubos químicos por serem prejudiciais à saúde e a natureza, portanto devem ser evitados. Recomenda-se o uso apenas de adubos orgânicos como húmus de minhoca, esterco curtido e terra vegetal.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

EPAMIG estimula hortas em pequenos espaços

Extraído do blog da EPAMIG 

????????????????????????????????????
Horta agroecológica implantada na EPAMIG Sudeste em Viçosa. Foto: Fernanda Fabrino
(Viçosa, 07.02.2017) – Um cantinho esquecido em uma casa e até uma varanda de apartamento pode ganhar um destino saudável e sustentável. A implantação de hortas agroecológicas em pequenos espaços vem sendo estimulada pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) e já chegou a instituições de ensino como alternativa de produção de alimentos em pequena escala.
Pesquisadores da Unidade Regional de Viçosa (MG) – EPAMIG Sudeste – instalaram uma unidade demonstrativa de cultivo de hortaliças construída sob uma área cimentada, com 30 metros quadrados, utilizando diferentes recipientes para mostrar a possibilidade do plantio em vasos e em embalagens recicladas, como garrafas PET. Segundo a pesquisadora Wânia dos Santos Neves, que coordena a atividade, o objetivo é mostrar que é possível cultivar em pequenos espaços.
“Com o crescimento da população na zona urbana, as residências estão cada vez menores e com espaço muito reduzido de áreas externas. Isso faz com que as pessoas percam o interesse ou se achem impossibilitadas de cultivar qualquer tipo de planta. Por isso é necessário que as pessoas tomem conhecimento que mesmo em pequenos espaços é possível o cultivo de hortaliças e plantas ornamentais com a construção de hortas de várias formas e tamanhos e em diferentes espaços”, explica.
Modelo para escolas e instituições
Na horta agroecológica implantada na EPAMIG, em Viçosa, foram cultivadas hortaliças, como pimentas malagueta, dedo de moça e biquinho, berinjela, jiló, espinafre, alface, agrião, couve, cenoura; ervas medicinais e aromáticas, como cebolinha, salsinha, orégano, camomila, hortelã, arruda, boldo, melissa; além de hortaliças não convencionais: taioba, capuchinha, jequeri e ora-pro-nobis. A pesquisadora Cleide Maria Ferreira teve a ideia de utilizar a área na EPAMIG e forneceu o apoio financeiro para reparos na estrutura física.
Durante todo o ano serão programadas visitas de escolas do ensino fundamental e médio do município para apresentar o modelo e incentivar o cultivo, ressalta Wânia. A ideia já ganhou adeptos. Em parceria com uma equipe de alunos do curso de Licenciatura em Educação do Campo da Universidade Federal de Viçosa (UFV) a EPAMIG implantou uma horta em um centro de recreação e educação de crianças no bairro Santa Clara, em Viçosa. As próprias crianças cuidam das plantas e acompanham o crescimento da horta, estimulando o consumo de alimentos saudáveis desde a infância.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Como o manuseio com a terra pode melhorar a qualidade de vida nas cidades

Veja exemplos de quem construiu uma horta, mesmo em pequenos espaços, e algumas dicas para fazer a sua própria

Como o manuseio com a terra pode melhorar a qualidade de vida nas cidades Bruno Alencastro/Agencia RBS
Foto: Bruno Alencastro / Agencia RBS
Suba as escadarias do viaduto da Avenida Borges de Medeiros. Entre no número 727. Vá até o terraço. O que irá encontrar é inusitado para o prédio de nove andares, encravado na região mais quente e barulhenta da cidade. Uma horta com culturas agrícolas reúne borboletas, passarinhos e minhocas, reproduzindo um cenário campestre em meio ao concreto do centro de Porto Alegre.
Em um antigo prédio do INSS, ocupado por moradores de baixa renda por meio de um financiamento de crédito solidário do governo federal, 42 famílias dão exemplo de como o verde pode ganhar espaço em meio ao cinza. No alto do residencial Utopia e Luta, o local a céu aberto, antes em desuso, recebeu antigas banheiras transformadas em vasos onde estão plantados tomate, rúcula, figo, alecrim, radite, uva e muito mais.
A iniciativa surgiu a partir de uma parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que auxiliou na escolha dos gêneros alimentícios, no plantio e na irrigação. A partir dali, foi diagnosticada a necessidade de uma cobertura para proteger a horta das variações rigorosas do clima gaúcho. Os responsáveis são os próprios moradores. Há três anos, o projeto foi contemplado por um edital da Petrobras para geração de renda. Então, as famílias conseguiram financiar e construir o primeiro jardim hidropônico em terraço do Brasil.
— As alfaces estão um pouco sofridas, mas rúcula, radite e manjericão estão indo de vento em popa — diz a socióloga Anna Simão, umas das administradoras do local.
Fertilizar a terra e espantar as pragas também fazem parte da lida. O trabalho requer paciência. O fato de estar na cidade não dispensa os cuidados da roça, mesmo sob o sol de quase 40°C. E como nem todos os vasos são irrigados pelos dutos automáticos da hidroponia, é necessário regar manualmente três vezes por dia. Anna transpira enquanto põe as mãos na terra para mostrar, orgulhosa, as plantas que já cresceram por ali. Depois de germinadas, as mudas podem servir para doação, venda e consumo próprio. Para os moradores do prédio, elas representam muito mais do que apenas plantas.
— Queremos mostrar que é possível transformar o cenário e o convívio entre as pessoas das grandes cidades — diz Anna.
O jardineiro fiel
Foto: Adriana Franciosi/Agência RBS 

Para compensar a saudade que sente da casa onde nasceu, em Itapuã, o bioconstrutor Clístenes Souza decidiu criar na área de serviço do apartamento em que mora, na Rua Duque de Caxias, um verdadeiro jardim. Com pedras, fontes, leguminosas, plantas medicinais, ornamentais e temperos, ele conseguiu dar ao local um ar fresco e suave de mato.
— É o lugar preferido de todos que vêm aqui. Quem passa pela porta vem direto ao jardim — diz.
Dois anos experimentando mudas de diferentes espécies e ele conseguiu desenvolver variedades de manjerona, cerejeira, pitangueira, alecrim, entre muitos outros. Hoje, são quase cem plantas que vivem no seu apartamento. No meio do caminho, alguns testes deram errado, e a ideia de ter um pé de maracujá e uma parreira, por exemplo, teve de ser abandonada:
— Faz parte de agricultura urbana. A gente vai testando, errando, acertando. A questão é não deixar de cuidar.
No dia a dia do jardineiro, não pode faltar a rega, a poda, o replantio e a adubação. Mexer na terra é uma terapia que torna a vida de Clístenes mais alegre morando no centro da cidade. Filho de agricultores, ele cresceu plantando de tudo um pouco. Depois de adulto, trabalhou em uma propriedade onde fazer jardins foi uma das suas principais missões. As plantas são quase como filhas para ele. Por isso, cuida delas até quando não está em casa, deixando um amigo ou vizinho responsável pela rega quando vai viajar.
Sofá depenado
Luz de menos, calor demais, frio extremo, viagens, pragas, desconhecimento. São vários os desafios de manter um jardim produtivo em grandes cidades. Em bairros da região central, um fator extra desafia o crescimento das hortinhas: os larápios. Na Cidade Baixa, por exemplo, uma horta comunitária de temperos foi criada pelos donos do Consultório Culinário, na Rua da República. Mesmo já tendo sido replantado diversas vezes, o jardim público, instalado dentro do assento de dois sofás na calçada, enfrenta problemas de desenvolvimento devido à ação de vândalos.
— Ou são os mendigos que sentam e dormem ali, enterram coisas, fazem o que não devem, ou são ladrões que vandalizam os temperos — diz Patrícia Guedes, sócia do restaurante.
No bairro Jardim Botânico, a horta comunitária dos moradores do Residencial Paineiras só não está ainda mais bonita porque um homem, já identificado nas câmeras de segurança do prédio, insiste em aparecer na calada da noite para passar a mão nas mudas de manjericão e espinafre.
Mais lúdido do que econômico
Você mora em apartamento ou casa? A horta será colocada em local de muito ou pouco sol? Só depois de responder a essas perguntas será possível começar o cuidadoso planejamento da sua horta. O menor espaço de cultivo pode ser um vaso pequeno. No livro O Prazer de Cultivar, os consultores de planejamento, execução e manutenção de jardins José Arimateas da Silva e Lisandre Figueiredo de Oliveira dão dicas de como você pode amar ter uma horta.
"Uma vez que você tenha ideia do que vai cultivar na horta, será preciso pensar em como monitorá-la. Aperfeiçoe sua capacidade de observação e saiba agir no momento certo", dizem os autores.
Antes de começar, lembre-se de que a função da horta urbana é muito mais lúdica e educativa do que alimentar, explica o engenheiro agrônomo João Manuel Linck Feijó, da Ecotelhado. Levando em conta o espaço, diz Feijó, tempo de cuidado e materiais, produzir alimentos em casa acaba sendo mais caro do que ir no súper e comprá-los. Mesmo assim, o aspecto filosófico justifica a sua execução:
— Um dos principais motivos para construir uma horta é o fato de ter em casa a possibilidade de produzir 5% a 10% da alimentação que se consome. É uma forma de não perder o contato com a natureza e saber de onde vêm os alimentos.
Com o ritmo apressado da vida contemporânea, a comida passou a ser adquirida embalada, congelada, ultraprocessada. Por isso, explica Feijó, a horta tem uma função lúdica e educativa, principalmente para as crianças.
Mesmo nas cidades, as hortas podem ser individuais ou coletivas. Quando em escala reduzida, normalmente no pátio de casa ou no interior dos apartamentos, o plantio ocorre em vasos, potes, latas e bacias. Mas o cuidado compartilhado de uma plantação pode unir as pessoas. É comum ver uma horta surgir ao redor de uma associação comunitária ou de bairro.
Segundo o engenheiro agrônomo Gabriel Specht, a maioria dos tratos culturais que são realizados nas cidades obedece aos preceitos da agricultura orgânica, uma vez que as áreas de cultivo são pequenas e permitem a eliminação de pragas de forma manual, sem o uso de pesticidas. Outra função da horta, esta mais social, é em relação ao significado da produção agrícola.
— Ter de respeitar o ritmo de crescimento de uma alface vai na contramão da lógica da sociedade imediatista em que vivemos, que nos ensina a simplesmente ir ao supermercado e, após passar o cartão, obter em menos de dois minutos a mesma alface — pondera.
Jardim de parede
Para quem quer começar uma pequena horta em casa, separamos três tipos simples, que podem variar de tamanho e preços, ou ser feitos por você mesmo, utilizando material reciclável. Confira, abaixo:


COMO PLANTAR
Escolha vasos com profundidade
Forre o fundo com pedrinhas ou cacos de cerâmica
Fure o fundo
Acrescente a terra ou substrato
Introduza a muda (sem destruir em volta da raiz)
Coloque terra adubada
Aperte com os dedos, sem compactar a superfície
Regue e deixe em local iluminado
COMO CUIDAR
Espaço
A horta pode ser iniciada em vasos ou pequenas bacias, mas preferencialmente deve ser montada em jardineiras. Para uma "horta interna", é importante pensar no espaço que se tem à disposição: se for restrito, o uso de temperinhos é o mais indicado. Se tiver uma boa área, alface, rúcula, espinafre, cenoura, beterraba podem ser opções (até tomateiro também).
Luminosidade
A instalação deve ser perto de uma janela ou na sacada, para permitir boa luminosidade às plantas. O ideal é de três a quatro horas de sol por dia. As hortaliças precisam de mais sol do que alguns temperos.
Água
Cada planta tem suas necessidades próprias, de acordo com espécie, tamanho, habitat e estações do ano. No inverno, recomenda-se que as regas sejam mais espaçadas. Para avaliar a necessidade de rega de modo bastante simples, basta pressionar o solo com os dedos e sentir a umidade da terra.
Podas
Em geral, as podas são feitas com finalidades estéticas, de rejuvenescimento, para dar forma, controlar o crescimento da planta e estimular a floração e a frutificação.
Adubação
Adubo orgânico é o mais completo alimento para as plantas. O adubo químico geralmente tem somente NPK, isto é, nitrogênio, fósforo e potássio, que são os três principais, mas muito pouco daquilo de que as plantas precisam para crescer.
Controle de pragas
Se a sua horta atrair bichinhos em torno das plantas, pode ser um indicativo de qualidade ambiental, pois eles só aparecem em ambiente são. Se tiver praga atacando as suas plantas, é importante controlar para que ela não destrua a produção.
Isto pode ser feito de forma manual ou com o uso de alguns fertilizantes. Há opções químicas e orgânicas.
Fontes: Gabriel Specht, engenheiro agrônomo, José Arimateas da Silva e Lisandre Figueiredo de Oliveira, no livro O Prazer de Cultivar (2009, editora Casa da Palavra)
Confira dicas de como montar uma horta em apartamento:
http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/vida/noticia/2014/02/como-o-manuseio-com-a-terra-pode-melhorar-a-qualidade-de-vida-nas-cidades-4413473.html
http://videos.clicrbs.com.br/rs/zerohora/video/geral/2014/02/dicas-para-montar-uma-horta-apartamento/62147

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Como ter alfaces e outras hortaliças folhosas em mini espaços

Como não tem outro jeito de saber, o Ronaldo, chefe do viveiro, colocou as mãos na massa e resolveu fazer um teste para chegar a uma conclusão definitiva…afinal é com tentativa e erro que obtemos sucesso!
O que foi feito?
Primeiramente, foram colocadas sementes de as alface para germinar nas células das sementeiras (veja como montar uma sementeira aqui), assim como a chicória, as alfaces precisam passar por esta etapa, para que a germinação seja mais garantida.
Depois que as pequenas mudas de alface estavam com aproximadamente 15 dias, foi feito o transplante para pequenos vasos, em vaso foi colocado apenas substrato e no outro substrato + adubo (bokashi). Lembrando que todo vaso, mesmo os pequeninos, devem ter a drenagem e, neste caso, a drenagem deve ser baixa, senão usaremos muito espaço do vaso e não haverá espaço para a raiz crescer. Portanto, coloque um pouco de pedra brita ou argila expandida no fundo do vaso e cubra com manta de drenagem, depois coloque a terra. Se você usar a areia, a drenagem ficará mais alta.
Cada vasinho continha apenas 11 cm de profundidade e 9 cm de boca, costumados dizer que um vaso ideal tem no mínimo 15-20 cm de profundidade, ou seja, estes vaso são considerados bem pequenos.
Alfaces em substrato puro (esquerda) e em substrato adubado (direita) ©Sabor de Fazenda
Alfaces em substrato puro (esquerda) e em substrato adubado (direita) ©Sabor de Fazenda
Depois disto, deixamos as mudas crescerem sob sol pleno e olhem a diferença no desenvolvimento delas após 27 dias do transplante e 42 da semeadura:
Alfaces em diferentes substratos depois de 27 dias do transplante ©Sabor de Fazenda
Alfaces em diferentes substratos depois de 27 dias do transplante ©Sabor de Fazenda
A alface que cresceu em solo não adubado não se desenvolveu direito, porém a outra, sim. Vejam também que o adubo propiciou o desenvolvimento de alguns matos espontâneos, um bom sinal!
Depois de 27 dias o Ronaldo adubou ambos os vasos e deixou novamente as mudas se desenvolverem sob o sol, a única manutenção neste período foram as regas. Elas cresceram por mais alguns dias, porém a adubação tardia não foi suficiente para melhorar o crescimento da alface primeiramente sem adubo, vejam:
Alfaces com 82 dias após a semeadura e 67 após o transplante da sementeira ©Sabor de Fazenda
Alfaces com 82 dias após a semeadura e 67 após o transplante da sementeira ©Sabor de Fazenda
Com isto, a alface adubada desde o início já se encontra em ponto de colheita e consumo, porém a outra não se desenvolveu o suficiente (e não irá muito além). Alfaces demoram, em ambiente propício, 60-80 dias, desde a semeadura, para atingirem o ponto de colheita.
A que conclusão chegamos?
É possível cultivarmos hortaliças folhosas (não de raiz, como beterraba e cenoura) em pequenos vasos, porém só é possível se o substrato estiver adubado durante o plantio. Esta limitação no crescimento acontece porque a parte aérea da planta (as folhas) crescem proporcionalmente ao crescimento da raiz, e, se esse crescimento é limitado pelo pequeno espaço, a planta terá maior dificuldade de realizar seu ciclo de desenvolvimento. Portanto, uma planta crescida em pequenos/mini espaços terá um porte bem menor que as crescidas em recipiente maior ou direto no canteiro, não espere que a alface atinja um tamanho semelhante ao encontrado normalmente, senão você perderá o ponto de colheita e as folhas ficarão amargas.
Resumindo, quais os cuidados para manter hortaliças em mini espaços:
- A adubação inicial é essencial, assim como a adubação a cada 15-20 dias, podendo utilizar o bokashi.
- A rega tem que ser rígida, a hortaliça não pode sofrer por falta ou excesso de água.
- Sol direto em abundância é essencial, no mínimo 5 horas.
Certo pessoal!?
Av. Nadir Dias de Figueiredo, 395 – Vila Maria, São Paulo

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Grátis Manual de agricultura urbana, ensina o passo a passo.

horta_pallet

      Criado pelo Projeto Colhendo Sustentabilidade, a cartilha “Práticas comunitárias de segurança alimentar e agricultura urbana” traz diversas dicas para quem deseja iniciar uma horta, seja ela comunitária ou dentro de sua própria casa.
      O material, disponível gratuitamente on-line, começa falando sobre a importância da agricultura urbana para a produção de alimentos de qualidade e livres de agrotóxicos. Para que isso seja possível, no entanto, o projeto deixa claro que a participação das comunidades é essencial.
      O primeiro tópico abordado na cartilha é a compostagem. O manual fala dos benefícios desta prática para reduzir a quantidade de resíduos descartados inadequadamente e também de como os materiais orgânicos podem ser transformados em ótimos aliados no plantio. Assim, o leitor tem todos os detalhes de como fazer uma composteira caseira para produzir o seu próprio adubo ecológico.
      A segunda leva de dicas inclui a criação de um canteiro tradicionais para o início do plantio, bem como sugestões de um canteiro suspenso e uma horta vertical. Com o local preparado, o passo seguinte é plantar e com isso vem a preocupação com o controle de práticas. A cartilha mostra diversas opções naturais para substituir os venenos e agrotóxicos usados em plantações.
      Para quem quer dar um passo adianta e plantar em um espaço maior, o manual também disponibiliza as informações necessárias para a criação de uma agrofloresta, com os detalhes de quais espécies são ideais, como elas devem ser dispostas e quais resultados este sistema oferece.
      Por fim, o documento também disponibiliza receitas saudáveis e um guia prático sobre as plantas medicinais.
      Clique aqui para acessar a cartilha.               Fonte – Ciclo Vivo

sábado, 3 de setembro de 2016

Horta em casa: pratique uma vida mais saudável!

Vasos com chás e temperos são uma boa pedida para se ter por perto


Em workshops, Paola explica todos os cuidados para quem quer cultivar uma horta em casa | Foto: Instagram / Reprodução / CP

Em workshops, Paola explica todos os cuidados para quem quer cultivar uma horta em casa | Foto: Instagram / Reprodução / CP
  • Comentários
  •  
  • Júlia Endress

Alimentos saudáveis, fresquinhos, plantados e colhidos em casa. Pode até parecer, mas não estamos falando de nenhum grande quintal cheio de frutas e verduras. A ideia é mais simples e prática: hortinhas na sala, na varanda ou na cozinha. Com dois os três vasinhos de diferentes mudas você já faz uma, que, além de ocupar pouco espaço, é bem fácil de manter. Quem afirma é a Paola Salerno Troian, cozinheira e responsável pelo blog Gringa do Dedo Verde, especializado em alimentos orgânicos e em desperdício zero na cozinha.

Ela garante que todo mundo pode encaixar um tempo na rotina, entre uma atividade e outra, para os cuidados básicos das plantinhas. Além de regar e cuidar a exposição ao sol, precisa, basicamente, ficar de olho no desenvolvimento para ver se está tudo certo. “Na medida em que você cuida de uma planta, você vai aprendendo naturalmente, vai descobrindo do que ela precisa, do que ela gosta. Tem aqui um pouco daquela lógica de tentativa e erro”, diz, desmitificando os grandes mistérios por trás do cultivo.

Para quem sempre teve vontade de cultivar/curtir uma horta em casa, chega mais, pois separamos algumas dicas especiais e para todos os gostos:

Nível fácil
O manjericão é o melhor amigo da horta, já que libera gases que auxiliam no crescimento de quase todos os outros vegetais, frutas e temperos. Depois, vale apostar também na salsa/salsão, na manjerona e no alecrim.
Onde comprar? Para priorizar os alimentos orgânicos, compre mudas seguras, ou seja, que não tiveram contato com agrotóxicos. Elas podem ser encontradas em feiras especializadas, como a da Redenção, em Porto Alegre, ou nas floriculturas. Aproveite e já compre a terra também!

Cuidados básicos: Sobre os exemplos específicos, é importante saber que a salsa tem que ser plantada com certa distância das demais porque ela pode atrapalhar o crescimento das outras. A manjerona e o alecrim precisam de um solo um pouco mais seco e arenoso. Não fique mudando as plantas de lugar toda hora porque elas possuem memória e demoram um pouco para se acostumar com a luminosidade e saiba que, para regar, o horário é essencial: deve ser feito pela manhã, bem cedo, ou à tardinha, pois a combinação de água e sol forte é bem perigosa, podendo até queimar as folhas e os frutos. Além disso, crie o hábito de colocar o dedo na terra e sentir a umidade e ver a necessidade de regar, já que as plantas não precisam necessariamente de água todos os dias, vai depender das condições climáticas do ambiente – em semanas chuvosas como as de julho, o cuidado com o regador deve ser ainda maior porque uma quantidade a mais pode resultar no afogamento da planta.

Nível difícil
Tomate, pimentão e alho, por exemplo, já dão um pouco mais de trabalho e pedem certa experiência. Os motivos variam desde uma maior predisposição a fungos até um crescimento muito lento.
Onde comprar? a ideia é a mesma, vá atrás de mudas que não tiveram contato com agrotóxico.

Cuidados avançados: Para evitar bichinhos que podem machucar a planta, como lesmas comilonas, a dica é espalhar borra de café pelo canteiro e fincar cascas de ovo na terra, como se fossem espinhos. Nunca coloque sal da terra porque pode alterar o PH (acidez, neutralidade e alcalinidade da água) e prejudicar o desenvolvimento da horta. E caso o problema seja justamente o desenvolvimento, pesquise um pouco, converse com especialistas e descubra quais as plantas companheiras da horta, pois elas ajudarão o crescimento das demais e ainda vão ajuda a manter tudo mais saudável.

Curtiu? Então, agora que você já sabe um pouco mais sobre as plantinhas, passa lá no Mais Preza para saber como aliar a sua nova horta com a decoração do apê!
fonte: correio do povo 11/08/2015

domingo, 21 de agosto de 2016

O antes e o Depois na av. Frederico Mentz em Porto Algre




Parabéns a comunidade que transformou o foco de lixo em uma linda horta! Exemplo a ser seguido, copiado e multiplicado. Será que a prefeitura deu alguma ajuda?

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Conheça os benefícios proporcionados pelo gengibre



O gengibre é utilizado como um remédio caseiro pelos orientais há pelo menos cinco mil anos. | Foto: Leandro Bierhals/Flickr
Incluir o gengibre na dieta é uma alternativa que pode trazer diversos benefícios à saúde. As propriedades desta raiz chegam a ser consideradas farmacêuticas e atuam em muitas áreas, ajudando desde o controle de uma inflamação até a perda de peso.
O gengibre é utilizado como um remédio caseiro pelos orientais há pelo menos cinco mil anos. Ainda hoje, a eficiência desta raiz pode ser comparada com remédios industrializados, resultantes de diversas misturas químicas.
Em declaração à revista Viva Saúde, a nutricionista Flávia Bulgarelli, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) explica que o chá de gengibre pode ser usado no combate à gripe e resfriados, aliviando a garganta e as vias respiratórias. Além disso, ele também é eficiente no combate à ressaca.
Outros benefícios do gengibre estão diretamente relacionados à boa forma. Ele acelera o metabolismo e a queima de calorias, reduz a gordura localizada, controla a ansiedade e ainda aumenta a sensação de saciedade. Por todos estes motivos ele é um aliado indispensável a quem quer se manter saudável e em dia com a balança.
O gengibre pode ser consumido de diferentes maneiras. O chá é uma das formas eficientes para tratar infecções. Para emagrecer a dica é misturar uma colher de gengibre ralado ao suco de limão. Mas, ele também pode ser consumido em pedaços, da maneira que melhor lhe aprouver.
Redação CicloVivo

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

6 alimentos divertidos para crianças cultivarem em uma horta

Extraído do blog: Teia Orgânica

Hortas urbanas e caseiras, inclusive em vasos, são cada vez mais populares. Soma-se a isso um estudo apontando para o impacto que o contato direto com hortas e cozinhas pode ter sobre as escolhas alimentares das crianças. Aproveitando essa importante relação entre crianças e hortas, confira a lista feita pelo site Inhabitots com seis vegetais que as crianças vão amar plantar e ver desenvolver.

1. Batatas

DSC_0642
Foto: Teia Orgânica

O plantio da batata é divertido porque é como um experimento científico. Comece a batata sob luz, até que as folhas passem a brotar. Então, transplante sua batata para um balde, lata de lixo limpo, cesto de roupa ou seu jardim, qualquer recipiente que a permita crescer.

2. Ervilhas

ervilhas
Foto: divulgação

Ervilhas são muito fáceis de cultivar. O plantio pode começar com recipientes feitos de jornal, composto orgânico e sementes – uma excelente atividade para uma tarde de primavera, por exemplo. Vale destacar que as sementes são tóxicas. Portanto, evite que as crianças as coloquem na boca e lave bem suas mãos logo após o manuseio.

Ervilhas são divertidas porque elas florescem, o que significa que os pequenos podem colher as flores miúdas e enfeitar a mesa de jantar. Mas a melhor parte é que, além de saborosa e docinha, ela cresce durante o verão, possibilitando alguns meses de divertida jardinagem para as crianças.

3. Girassol

girassol-jardim-4
Foto: divulgação

É divertido plantar girassóis porque eles podem alcançar até 3 metros! O tamanho das flores impressiona e incentiva a imaginação das crianças. O girassol precisa de muito sol, o que o torna ideal de plantar no jardim. Além disso, a semente do girassol pode ser comida não apenas pelas pessoas, mas por muitas variedades de pássaros, que visitarão o jardim atraídos por elas.

4. Morango

morangos
Foto: divulgação

Quem não adora morangos? Morangos são perfeitos para crianças porque colhê-los é como uma caça ao tesouro, e os pequenos vão querer todos os dias espreitar por baixo das folhas. Morangos podem ser cultivados em qualquer parte do jardim ou em vasos. Plantá-los em casa ainda garante que eles estarão livres de agrotóxicos. Leia também 3 receitas bem fáceis de fazer com morangos.

5. Repolhos

repolho
Foto: divulgação

O mais legal de plantar repolhos é que, em algumas variedades, eles podem ficar quase do tamanho de uma cabeça, algo que desperta a curiosidade das crianças. Não precisa mais do que dez ou 12 semanas para que cheguem a esse tamanho e possam ir direto para a cozinha.

6. Rabanetes

rabanete
Foto: divulgação

Rabanetes são divertidos porque eles crescem rapidamente – podem ser colhidos em 25 dias – e são super fáceis de cuidar. Lembrando que cada semente produz apenas um rabanete. Então, plante o suficiente para produzir uma colheita saudável. As crianças vão se deliciar em puxar os rabanetes para fora do solo quando eles estiverem prontos.

Procure por sementes orgânicas aqui.

Fonte: Inhabitots