Mostrando postagens com marcador frutas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador frutas. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Como plantar manga, a rainha das frutas tropicais

Mesmo plantada em fundo de quintal, a fruteira oferece oportunidade de rendimentos se for cultivada com irrigação e adubação corretas

Por João Mathias



como_plantar_manga (Foto: Shutterstock)
Dadas as características que possuem, muitas mangueiras plantadas em fundo de quintal e sítios, se bem trabalhadas, têm condições de produzir comercialmente. Chamada de rainha das frutas tropicais, a manga tem bom potencial de vendas no varejo graças ao seu aspecto atrativo, com diferentes formas, cores, aromas e sabores, resultado dos cruzamentos de plantas que ocorrem espontaneamente no campo e que geram novas variedades.

Uma das primeiras frutas introduzidas aqui, logo após o descobrimento das terras brasileiras, a manga tem hoje o Brasil como seu terceiro maior produtor global. A produção nacional perde somente para a da Índia, de onde a planta foi trazida para cá pelos colonizadores portugueses, e a da China. Além de atender ao mercado interno, e por ser muito apreciada no mundo inteiro, a manga também é exportada para vários destinos, principalmente para Europa, Japão e Estados Unidos.
Com manejo correto e cuidados necessários, como irrigação e adubação adequadas, a mangueira tem cultivo fácil, crescimento rápido e capacidade produtiva de norte a sul do país. Embora seja uma árvore vigorosa, podendo chegar a 20 metros de altura, em plantios comerciais recomenda-se, por meio da execução de podas, mantê-la com 3 metros a altura.

A mangueira também pode ser cultivada em vasos com capacidade para, no mínimo, 50 litros de solo. O plantio em vasos pode, inclusive, produzir alguns frutos se contar com boa drenagem e adubação parcelada durante o ano todo, principalmente orgânica. A muda também deve ser proveniente de enxertia; até o século XIX, o processo de propagação era feito apenas por semente e as plantas demoravam muito para produzir.

Por serem mais fáceis de cuidar e se desenvolverem com rapidez, as mudas enxertadas são as mais indicadas para o plantio de mangueira. No segundo ano de cultivo, elas já produzem os frutos com as mesmas características das mangas geradas pela planta-mãe. Por outro lado, plantas oriundas de sementes levam sete ou mais anos para frutificar e, ainda, são vulneráveis ao surgimento de mangas com características diferentes do tipo que as originou.
No varejo, o preço das mudas enxertadas varia de R$ 5 a R$ 10 cada. Podem ser compradas de viveiros locais, preferencialmente daqueles que tenham referências no mercado.
como_plantar_manga (Foto: Shutterstock)

Mãos à obra
 
 INÍCIO
Entre as variedades de manga mais comuns e comercializadas no mercado interno estão bourbon, coração de boi, keit, haden, adam, extrema e outras mais rústicas, como carlota, espada, coquinho e rosinha, além de diversas conhecidas regionalmente. Tommy atkins e palmer são consideradas as melhores para exportação.

 PROPAGAÇÃO Recomenda-se fazer por enxertia, método que garante fidelidade das características da planta-mãe aos frutos e produção precoce. Por meio de sementes, a propagação só é importante para trabalhos de melhoramento genético, pois pode resultar em plantas e frutos bem distintos da variedade utilizada, devido aos cruzamentos espontâneos no campo.

AMBIENTE Como trata-se de planta de clima tropical, o ideal é que o cultivo de mangueira ocorra em locais de temperatura quente, onde a planta tem melhor capacidade de produção, principalmente quando irrigada corretamente. No entanto, poder ser desenvolvida em todos os Estados do país.

 PLANTIO Pode ser realizado em qualquer tipo de solo, embora o encharcado não seja tolerado pela planta, pois provoca apodrecimento das raízes e morte. Em solo arenoso e muito seco, no entanto, precisa de irrigação, como é o caso da região de Petrolina, no interior de Pernambuco.

 ESPAÇAMENTO Conduzida com poda, para mantê-la baixa e com a copa aparada, a mangueira tem nos dias de hoje um plantio mais adensado, com medida sugerida de 7 x 6 metros a 6 x 4 metros. O tamanho das covas recomendado é de 40 x 40 x 40 centímetros.

 CUIDADOS Misture com a terra 20 litros de esterco de curral curtido, ou orgânico similar, mais 250 gramas de superfosfato simples e 250 gramas de calcário, para a adubação. A poda deve ser feita desde o primeiro ano de plantio, dando forma à copa. Proteja o ramo podado com pincelamento de pasta à base de cobre ou tinta látex. Atenção ao ataque de pragas como cochonilhas nas folhas e no tronco da mangueira, além de perfurações por brocas nos ramos. Procure por um engenheiro agrônomo da região para obter as orientações sobre o controle químico. Quando os frutos começarem a amadurecer, proteja-os do ataque de moscas-dasfrutas ensacando-os com saco de papel, método que evita a necessidade de aplicação de agrotóxicos.

 PRODUÇÃO É possível de ser obtida no segundo ano de cultivo quando o p
lantio é realizado com uso de mudas enxertadas. Cada variedade tem suas características que definem o ponto ideal de colheita “de vez”. Em geral, se colhida muito verde, a manga não fica saborosa e tem gosto azedo. Quando retirada da árvore muito madura, a fruta machuca-se facilmente e tem menos tempo de duração para o consumo.
Raio x
Solo: qualquer tipo, desde que não seja encharcado
Clima: quente
Área mínima: fundo de quintal
Colheita: segundo ano após o plantio se a muda for de enxertia
Custo: mudas enxertadas são vendidas entre R$ 5 e R$ 10
*José Antonio Alberto da Silva  é pesquisador em fruticultura da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, tel. (17) 3341-1400
Onde comprar: em viveiros idôneos, que podem ser indicados por casas de agricultura da região
Mais informações: portal Toda Fruta (todafruta.com.br)

http://revistagloborural.globo.com/vida-na-fazenda/como-plantar/noticia/2013/12/como-plantar-manga.html

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Brasília é um verdadeiro pomar com frutas a qualquer alcance



Brasília, na primavera e no verão, é um verdadeiro pomar com frutas ao alcance de qualquer pessoa. Basta um passeio na esplanada dos ministérios ou mesmo perto de casa. São mais de um milhão de árvores com pés carregados de frutas à disposição de todos.

domingo, 12 de março de 2017

MIRTILO → 1001 PROPRIEDADES E BENEFÍCIOS PARA SUA SAÚDE




Fonte site 

mirtilo

Mirtilo, uma frutinha azul, pequena, redonda e saborosa. Dizem ser ótima para melhorar a visãoideal para os diabéticos e muito mais. Sim, essa fruta rica em antocianinas e resveratrol é mesmo uma dádiva da natureza tanto para a alimentação quanto para a saúde humana.

Que fruta é o mirtilo?

O mirtilo é um arbusto baixo da família das Ericaceae, nativo da Europa e Ásia, onde abunda nos campos e nas cidades. É uma planta de inverno forte, com gelo e neve, que rebrota na primavera e se enche de frutinhas azuis. O mirtilo também é conhecido como uva-do-monte ou arando (ou arándano, pois o nome é espanhol) é medicinal, extremamente nutritivo e muito gostoso.
Existem diversas espécies de Vaccinium conhecidas como mirtilo - na América do Sul, em regiões frias, são cultivadas as espécies americanas, Vaccinium ashei, cujas frutas são mais avermelhadas e melhor adaptado a climas temperados, o Vaccinium myrtillus, de origem europeia, que só resiste onde há inverno forte (precisa de frio e neve, com uma primavera explosiva, para brotar) e também o Vaccinium corymbosum, conhecido como “olho de coelho”.

Propriedades nutricionais dos mirtilos

* Estas frutinhas, menores que uma uva, têm baixas calorias - 60 calorias por cada 100 gramas da fruta fresca.
* Também contêm carboidratos, açúcar e fibra alimentar.
* São uma excelente fonte de vitaminas (A, B, C, E e K) e
* minerais (potássio, cálcio, magnésio, ferro, zinco, selênio, manganês e fósforo).
* Frutas azuis, em geral, são ricas em antioxidantes - antocianinas, flavonóides e compostos fenólicos - e os mirtilos são um exemplo desta riqueza nutricional e medicinal.

Propriedades medicinais

Desde o século XVI o mirtilo é usado na alimentação humana e na medicina por suas propriedades antioxidantes e antibacterianas.
Segundo o Plantas que Curam um site muito sério de pesquisa sobre ervas medicinais, os mirtilos atuam, principalmente, na tonificação dos vasos sanguíneos periféricos e, é desta sua propriedade que resultariam muitos dos benefícios curativos desta planta - especificamente, se refere à recuperação da visão, a recuperação da vascularização dos pés em diabéticos, varizes e hemorróidas. Porém, no mundo todo o mirtilo é reconhecido também como:
* antioxidante
* combate radicais livres
* antibacteriano
* antidiarreico
* febrífugo
* antiinfeccioso
* anticancerígeno
* vasodilatador

Seu uso medicinal é reconhecido nos casos de:

* diabetes - reduz a taxa de açúcar no sangue, cura retinopatia diabética e pé diabético
* falta de visão noturna
* problemas de pressão arterial
* problemas coronarianos
* problemas renais
* colesterol elevado
* circulação sanguínea, varizes e hemorroidas
“O mirtilo é uma das maiores fontes de antioxidantes que temos ao nosso dispor, com a vantagem de nos ser apresentado em doses fisiológicas, ou seja, às quais o nosso organismo está habituado, e não em "megadoses” como existem em muitos suplementos. Com um potencial antioxidante superior ao da maioria dos frutos e legumes mas também do vinho tinto e do chá verde, o mirtilo tem sido associado à prevenção de patologias como a hipertensão, diabetes tipo II, doenças cardiovasculares e vários tipos de cancro. Também na diminuição do declínio cognitivo associado ao envelhecimento e na diminuição dos danos cerebrais em vítimas de AVC o mirtilo tem efeitos positivos e comprovados cientificamente”, informa Pedro de Carvalho, da Faculdade de Ciências e Nutrição do Porto, Portugal.

Chá de mirtilo (benefícios e como fazer)

chá das folhas de mirtilo é usado para casos de infecção urináriacistite, problemas digestivos, inflamações da boca, prevenção de diarreia, gases intestinais e colite.
Segundo os entendidos, as folhas do mirtilo são muito mais ricas em antioxidantes e princípios curativos do que as frutinhas azuis.

Receita de chá de folhas de mirtilo

Para fazer o chá de folha de mirtilo use o processo de infusão (colocar as folhas em água fervente e abafar) ou o de decocção (ferver as folhas junto com a água) pois o resultado é semelhante.
A quantidade de folhas que você vai usar para seu chá dependerá do tão concentrado que o queira tomar (eu indico um punhado de folhas frescas para 1 litro de água, ou a metade das folhas se estas forem secas).
Mas, as folhas de mirtilo, para chá, deverão ser colhidas na primavera e secadas à sombra para não perderem seu potencial curativo.

Receita de chá de mirtilo (frutas)

cha mirtilo
Caso prefira, ou não tenha folhas e sim frutos, faça o chá com frutas inteiras, com semente e tudo, por decocção, usando meia xícara de mirtilos amassados para meio litro de água.
Deixe ferver por até 10 minutos, abafe, coe e beba. Indica-se de 3 a 4 xícaras ao dia.

Suco de mirtilo

O suco de mirtilo, feito com as frutas frescas, tem os mesmos usos indicados para o chá, acrescentando-se todos aqueles em que as antocianinas sejam eficazes mas, principalmente, o consumo de frutas frescas de mirtilo é muito eficaz na recuperação da visão noturna.

Mirtilo na cozinha (geleia, iogurte e doces)

Você pode usar mirtilos no café da manhã, junto com iogurte ou salada de frutas; como suco ou em vitaminas; em tortas, bolos ou para preparar geleias.
Na indústria alimentar o mirtilo entra em iogurtes, sorvetes e sucos de cor roxa, azulada. Esta é uma das “frutas vermelhas”, tão ricas em sabor e saúde.
As frutas frescas podem ser congeladas ou batidas em polpa, para uso futuro.
Também é possível secar as frutinhas sem que percam suas qualidades.

Cultivar mirtilos é possível no Brasil?

Bom, se você morar em um dos estados do sul do Brasil, em região elevada, onde as temperaturas de inverno cheguem praticamente ao zero graus, você terá sucesso no cultivo de mirtilos, especialmente os da espécie Vaccinium aschei.
Se for este o seu interesse, dê uma olhada neste material da Embrapa aqui.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Abacate: Arma para reduzir o colesterol



Por em 11.10.2008 as 0:22

Um estudo brasileiro descobriu que um abacate por dia tem um papel importante para reduzir o colesterol.
As pessoas costumam ter uma imagem negativa do abacate: “O abacate é muito gorduroso, vai piorar seu colesterol”, dizem uns, “Abacate engorda“, falam outros.
O abacate é calórico sim, tem um alto valor energético, pois cada 100g da fruta tem 160 calorias.
Mesmo assim é um alimento que não deve faltar na alimentação dos atletas, pois contém altos teores de polifenóis, potássio e outros nutrientes valiosos. Sem falar que um estudo recente descobriu que o abacate reduz o colesterol total.
Um reportagem do Globo Repórter mostrou o estudo brasileiro realizado sobre o abacate que teve policiais militares como voluntários.
Amostras de sangue dos participantes foram colhidas antes e depois do período do estudo. Durante a pesquisa os soldados tinham que comer abacate todo dia. Um abacate pequeno: metade pela manhã e outra no almoço.
O estudo concluiu que o abacate ajuda muito no controle do colesterol, pois 99% dos policiais que participaram do estudo tiveram melhora no HDL (o ‘colesterol bom’), que combate o LDL ‘colesterol ruim’. O efeito final foi de baixar o colesterol total.
Segundo o médico nutrólogo que conduziu o estudo duas colheres de sopa de abacate por dia são a medida ideal para que você tenha benefícios reduzindo os riscos de desenvolver doença cardíaca, pois ele é tão bom para o organismo quanto o azeite de oliva extra virgem é no controle do colesterol.
http://hypescience.com

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Frutíferas em Espaldeira ou cerca viva, aproveite seu espaço.


Atualmente, cresce a procura por jardins  que possam ter plantas que tenham alguma função, não se restringindo apenas ao aspecto ou beleza.

amora preta uma bela cerca viva


Medicinais e frutíferas são muito procuradas. Plantas como a jabuticabeira (Myrcia cauliflora), ou a nespereira (Eriobotrya japonica) estão sendo cada vez mais freqüentes em bordas de estradas ou canteiros centrais em ruas de mão dupla.
Videira
Foto: Kelly Nigro
Cercas vivas que impeçam que se olhe para dentro de um jardim ou que diminuam o impacto do ambiente externo ajudam a criar um clima de intimidade e diminui o efeito do barulho externo. Essa barreira psicológica que se cria ao se impedir o contato do interior com o exterior pode ser feita através de plantas arbustivas com uma poda adequada, ou com o uso de plantas trepadeiras de folhagem densa conduzidas no sistema de espaldeiras.
Neste sentido, o maracujá azedo (Passiflora edulis) é uma ótima alternativa. Possui uma bela e densa folhagem no verão e tem uma pequena queda de folhas no inverno. Na primavera começa a emitir suas belíssimas flores e seu cheiro forte, além de nos fornecer frutos durante um longo período.
A lagarta Dione juno juno é a principal desfolhadora e pode ser controlada pelo esmagamento dos grupos, pois é um inseto gregário na fase de larva.
O maracujá doce (Passiflora alata) pode ser usado em pequenos aramados ou em pergolados pequenos associado a alguma outra planta. É mais susceptível a percevejos e possui uma aparência mais suave e menor quantidade de folhas.
Maracujazeiro
Foto: Dave Italy
Outra planta trepadeira que pode ser utilizada é a videira. Muitas plantas do gênero Vitis podem ser empregadas para sombra se conduzidas da forma latada ou para cercas, se conduzidas em espaldeiras. É pouco provável que haja uma grande produção de uva neste caso. Uma videira produtiva vem acompanhada de um grande aporte de inseticidas e fungicidas. Porém, com um pouco de cuidado e adequada adubação orgânica, podemos produzir alguns cachos com boa aparência e saborosos.

A videira na forma latada pode formar uma densa sombra no auge do verão, perdendo suas folhas no inverno. Porém, tanto na forma latada quanto na espaldeira, uma poda adequada e muito mais refinada do que no maracujá deve ser feita no final do inverno ou na entrada da primavera.

Uma outra planta que pode ser utilizada da mesma forma é o chuchu (Sechium edule). É mais simples de ser conduzida e no inverno sua parte aérea seca completamente. Não é muito adequada para locais que necessitem de mais limpeza ou de plantas mais delicadas, pois é rústica e perde grande quantidade de folhas. Para a manutenção de um ano para outro, é preciso que se mantenham alguns frutos no solo para que brotem novamente.
Colaborador: Rafael Meirelles

sábado, 18 de junho de 2016

Cultivando frutas no jardim. POMAR DOMÈSTICO

 Texto da Eng.Agr.Miriam Stumpf.



Cultivo de frutiferas Lembranças de infância de subir na laranjeira ou jabuticabeira para pegar frutas?
Retirar do pé e comer, mesmo sem lavar, nada fazia mal e a gente nem se preocupava com isto, somente em espiar e ver se a goiaba não tinha bichinhos caminhando.

O tempo passou, lugares com quintais grandes diminuiram e somente no interior ainda é possível achar pomares domésticos com produção para a família.
Para quem possui o desejo de fazer do seu espaço um local aprazível, belo e de repente produtivo, estamos trazendo a idéia para dar início a este desejo.

Vamos fazer um pomar! Para a família saborear frutas produzidas sem agrotóxicos, amadurecidas no pé, com mais sabor. Para fazer doces, geléias e sucos das frutas colhidas em casa.


O que é preciso para fazer um pomar caseiro?
Para iniciar um pomar, devemos pensar em diversos fatores antes de sair a comprar mudas.
Primeiro, se estará disposto a cuidar do pomar, mantendo as plantas sadias e produtivas, limpando o terreno de inços e frutas caídas.

Nada mais triste que um pomar abandonado, com as plantas sem regas e doentes, com insetos, frutas apodrecidas no chão e o mato tomando conta de tudo.
Depois em fatores externos, como clima, luminosidade, solo e água disponível.

O fator clima na escolha das frutíferas

Vamos estudar o clima da região. Isto determinará que tipo de árvore frutífera iremos plantar.
As espécies de clima tropical não podem ser cultivadas em regiões de invernos frios e sujeitos às geadas.

As frutíferas de clima temperado necessitam de um período de temperaturas mais baixas no inverno para que entrem em dormência, que é o seu repouso vegetativo para depois voltarem a se desenvolver, florescer e frutificar.
Então, o que é importante conhecer: temperatura, umidade relativa, luminosidade e ventos.
As plantas frutíferas são separadas em grupos de clima tropical, subtropical e temperado.
Cada um deles tem exigências diferentes para crescimento, florescimento e frutificação.

Quer saber mais sobre pomar doméstico?
abraço
alexandre panerai

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Cultivo de banana no Sul Gaúcho, como o sr. Maneco





Uma das frutas mais consumidas no mundo, a banana é produzida em regiões de clima tropical. Mas no sul do Rio Grande do Sul, onde o clima é temperado, alguns produtores têm conseguido produzir mesmo com temperaturas mais baixas.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Cultivo de oliveiras aponta crescimento no Brasil

Revista globo rural

Produção de azeite, já consolidada em países da Europa, na Argentina, Uruguai e Chile, começa a ganhar fôlego no Brasil

por Luciana Franco

Editora Globo
Na Grécia, a importância do azeite é tamanha que a erradicação de uma oliveira já foi sentenciada com pena de morte. Não é à toa que o país europeu se tornou nos últimos séculos o maior consumidor mundial de azeite, com 21,6 litros por habitante ao ano. Com uma produção de 400 mil toneladas e consumo de 250 mil toneladas, a Grécia se posiciona como terceiro maior produtor mundial. No país estão 120 milhões de oliveiras – dos 750 milhões existentes em todo o mundo. E o grande destaque para a capital mundial do azeite é a qualidade de sua produção, integralmente de extravirgem: o azeite de melhor qualidade que existe.

A história da Grécia se confunde com a da azeitona, que começou a ser cultivada na Ilha de Creta. O azeite é tão importante para o país que responde pela renda de 13,5% da população. O produto, que já foi usado na fabricação de perfume e de pomada com fins medicinais, foi utilizado por Hipócrates, o pai da medicina, para a cura de cólicas, surdez e queimaduras.


Editora Globo
Inspirados na antiga tradição grega, vários vizinhos europeus iniciaram o cultivo de oliveiras e investiram na produção de suas próprias marcas de azeite. Hoje, a Itália ostenta o título de maior produtora do mundo, seguida pela Espanha. A qualidade da produção desses dois países serve de modelo para quem quer iniciar o cultivo de oliveiras e extrair um azeite de primeira. Na América do Sul, Chile, Uruguai e Argentina já colhem gordas safras de azeitonas e têm a qualidade de seus azeites reconhecida no mercado internacional.

No Brasil, a oliveira chegou há muitos séculos, trazida por imigrantes europeus. Apesar disso, o cultivo se manteve restrito no país. Mas essa situação começa a mudar, com iniciativas espalhadas por diversos estados brasileiros. O Rio Grande do Sul é atualmente o polo mais desenvolvido, graças, entre outros fatores, à iniciativa do empresário José Alberto Aued, que implantou, em 2005, um centro de produção de 12 hectares de oliveiras no município de Cachoeira do Sul. Após cinco anos testando diversas variedades, o empresário realizou neste ano a primeira extração de um azeite brasileiro: o Olivas do Sul.


.Editora Globo
José Aued colhe a quinta safra e produz neste ano o primeiro azeite brasileiro
Além do Rio Grande do Sul, o cultivo se expande também nos estados do Paraná, Minas Gerais e São Paulo. Em Minas, a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) ajudou a disseminar pequenas lavouras em diversas regiões do estado. Já em São Paulo, um grupo de estudos foi criado para pesquisar a cadeia da oliva. O aumento das ações nessa área reflete a crescente demanda pelo produto, já que o Brasil gasta anualmente R$ 400 milhões na importação de azeitonas de mesa e azeite. O volume de compras dobrou nos últimos cinco anos, e a maioria das aquisições é feita na União Europeia (85%) e na Argentina (13%).

Como ainda é uma atividade nova no país, são poucas as estatísticas disponíveis sobre a cadeia, no entanto, os recentes cultivos mostram que as variedades utilizadas – oriundas da Europa – são aptas ao clima e solo brasileiros. “Trouxemos seis variedades, sendo que a mais cultivada é a arbequina, originária da Espanha”, avalia Gabriel Bertozzi, da Agromillora, única empresa que importa mudas de oliveira para o Brasil. Pelos cálculos de Bertozzi, são cultivadas cerca de 130 mil mudas por ano no país. A maior parte dessas lavouras vai render sua primeira colheita no próximo ano. “Acreditamos que o Brasil tem grande potencial para produzir um azeite de qualidade”, diz Fernando Rotondo, produtor e consultor, que cultivou em sua propriedade, em Santana do Livramento (RS), 12 mil mudas.


Editora Globo
A oliva deve ser processada até 12 horas após a colheita
Alguns entraves, porém, ainda precisam ser solucionados, entre os quais destaca-se o espaçamento do plantio. “O cultivo muito adensado eleva os custos, pois requer a poda das árvores, que é uma operação cara. Os menos adensados também têm se mostrado mais produtivos”, afirma Bertozzi. Os pomares de Aued contam com 300 plantas por hectare, enquanto que na Europa alguns plantios contabilizam até 1.800 árvores por hectare. Outra questão ainda em estudo se refere ao clima. As variedades cultivadas no Brasil foram trazidas da Europa, onde o clima é temperado, e estão sendo cultivadas em áreas de clima similar. “Mas existem azeites excelentes em Marrocos, na Grécia e em Israel, regiões quentes, e isso nos leva a crer que também poderíamos testar variedades dessas regiões“, avalia Angélica Prela Pântano, pesquisadora do Instituto Agronômico de Campinas (IAC).

O IAC, em parceria com o Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), o Instituto de Economia Agrícola (IEA), a Coordenadoria de Assistência Técnica Integrada (Cati) e a Agência de Serviço Settore Agroalimentare Marche (Assam), da Itália, está realizando um zoneamento em São Paulo para descobrir quais áreas são indicadas para o cultivo no estado. “Municípios próximos à Serra da Mantiqueira e no sul do estado apresentam boas condições de cultivo de oliveiras”, diz Angélica.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Tempo de amora e pitanga! Saiba os benefícios das frutas vermelhas

Além de saborosas e saudáveis previnem o envelhecimento e combatem doenças

Saiba os benefícios das frutas vermelhas stock.xchng/Divulgação
Frutas vermelhas têm efeito benéfico para a visão, e possuem alta quantidade de vitamina C, fósforo, cálcio e vitaminas do complexo B Foto: stock.xchng / Divulgação
Melancia, cereja, framboesa, morango, amora entre outras frutas com a tonalidade avermelhada ou até mesmo roxa estão no grupo das frutas vermelhas. Elas são ricas em antioxidantes e vitaminas B, que retardam o envelhecimento e ajudam no funcionamento das células do nosso corpo. De acordo com a nutricionista Fatima Corradini Domingues, de um modo geral todas as frutas são benéficas à saúde por serem fontes de nutrientes, vitaminas e fibras. Entre as vermelhas ganham destaque por sua quantidade de vitaminas as frutas acerola, morango, melancia, maçã, cereja e goiaba.
— Em geral elas possuem a propriedade antioxidante, esta substância combate aos radicais livres que são responsáveis pela oxidação e envelhecimento das células do nosso organismo. Também são ricas em fibras que auxiliam no funcionamento do intestino e na redução do colesterol prejudicial à saúde, por isso falamos que elas atuam na proteção contra doenças cardiovasculares — explica a nutricionista.
Elas também têm efeito benéfico para a visão, e possuem alta quantidade de vitamina C, fósforo, cálcio e vitaminas do complexo B. Fátima explixa que algumas frutas apresentam boa concentração de água, tendo efeito diurético. A melancia, muito apreciada no calor, é um bom exemplo.
Para quem se pergunta qual a melhor forma de consumo das frutas vermelhas a nutricionista explica.
— É muito importante fazer a higienização correta e, se possível consumir a fruta in natura. Se preferir há outras maneiras de aproveitar seus nutrientes, como sucos (desde que natural e consumido logo após o preparo) e geleias — reforça a nutricionista.
No caso de sucos, a especialista orienta higienizar as frutas vermelhas na quantidade exata para a semana e utilizar sacos plásticos próprios para o armazenamento de alimentos. Após isso reserve as frutas em cada saquinho, já na porção ideal para que o suco fique do seu gosto. Assim no café da manhã ou lanche, fica mais prático utilizar a fruta gelada ou congelada para bater no liquidificador com água ou leite.
Segundo a nutricionista, é necessário ter muita atenção quanto à origem das frutas, pois algumas podem conter alta concentração de agrotóxicos.
— Faça uma correta higienização antes de seu consumo e procure escolher frutas variadas assim você tem um consumo de nutrientes mais completo — finaliza.
BEM-ESTAR ZERO HORA

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

A poda da Jabuticabeira - aproveite o inverno

no verão antes da poda


O melhor período para fazer a poda da jaboticabeira é no inverno antes da floração. Como instrumentos podem ser utilizados tesoura de poda, tesourão e serrote de poda. O importante é que a árvore não seja danificada,lascada. Também pode ser utilizada uma serra elétrica que auxilia no rendimento do trabalho.

no verão antes da poda
A poda é muito útil para indivíduos muito sombreados e varia de planta para planta porque depende do crescimento da árvore.

Os cortes auxiliam no controle de pragas e doenças, como a ferrugem da jabuticaba. A pode pode ser feita uma vez ao ano, com a retirada de até 30% da copa da árvore. Mais que isso pode trazer prejuízos à planta.

inverno após a poda
Os ramos retirados pode ser aproveitados como lenha (parte mais grossa) e como adubo (parte mais fina repicada). No caso da jabuticabeira, pode ser dispensado o uso de fungicida nos cortes.

Fonte: poda de frutíferas - EMBRAPA

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Comer um abacate por dia pode controlar o colesterol "ruim"

Pesquisa testou três grupos de pacientes com dietas diferentes


Comer um abacate por dia pode controlar o colesterol "ruim" freeimages/divulgação
Foto: freeimages / divulgação
Pesquisadores da Pennsylvania State University descobriram que comer um abacate por dia traz benefícios para o controle do colesterol "ruim" (LDL).
O estudo analisou 45 pacientes saudáveis, com excesso de peso ou obesos, com idades entre 21 e 70 anos. Todos os participantes tinham níveis de colesterol e pressão arterial saudáveis no início da pesquisa, mas os cientistas se ativeram nos níveis do colesterol LDL.
Na primeira etapa, todos tiveram, durante duas semanas, uma dieta com 34% de calorias vindas de gorduras, 51% de carboidratos e 16% de proteínas. Depois, por cinco semanas, os pacientes foram divididos em três grupos.
O primeiro grupo teve uma dieta com gordura e sem abacate. O segundo, com gordura moderada e também sem abacate. Já o terceiro, com gordura moderada e um abacate por dia.
Segundo o estudo, o grupo que comeu um abacate por dia teve uma redução de 13,5 mg/dL no colesterol LDL, enquanto que o grupo que não ingeriu a fruta, mas manteve uma dieta de gordura moderada, diminui 8,3 mg/dL o nível.
fonte: zero hora

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Colheita do pêssego abre nesta terça em Porto Alegre


Foto: Luciano Lanes / PMPA
Cheios de sabor. Pomares carregados de pêssegos dão colorido à área rural
Cheios de sabor. Pomares carregados de pêssegos dão colorido à área rural
O ato de abertura da Colheita do Pêssego será realizado nesta terça-feira, 4, na propriedade de Julio Antonio Martine Pereira, rua Granja Bela Vista, 215, bairro Campo Novo, com a presença do prefeito José Fortunati, o secretário da Produção, Indústria e Comércio (Smic), Humberto Goulart, e representantes do setor agrícola.
Tradicional produtor de pêssego de Porto Alegre, seu Julio, de 68 anos, é proprietário de 12 hectares ocupados com frutíferas e hortigranjeiros. “Comecei a cuidar dos pomares desde que me conheço por gente, junto com meu pai”, lembra. Hoje, a área ocupada com plantação de pêssego chega a três hectares, mas este ano a colheita foi prejudicada pelo granizo e chuva. “Perdemos quase metade da safra”, lamenta.

Porto Alegre é líder na produção de pêssegos entre as capitais do país. Os pomares ocupam 120 hectares da área rural da cidade. Entre as variedades plantadas destacam-se as de polpa amarela (Maciel, Granada, Vanguarda e Peach) e de polpa branca (Premier, Pampeano, Charme e Sulina). Estima-se que, este ano, Rio Grande do Sul terá uma safra de aproximadamente 750 toneladas, inferior aos últimos anos devido a fatores climáticos que deverão provocar uma quebra de 50 por cento da colheita.

Comercialização – Parte da produção será vendida durante a 30ª Festa do Pêssego Municipal e 23ª Festa Estadual do Pêssego, eventos tradicionais em Porto Alegre, com abertura oficial marcada para o próximo sábado, 8, a partir das 10h, no Centro de Eventos Vereador Ervino Besson, na avenida João Salomoni, 1340, bairro Vila Nova. 
O evento contará com 16 bancas, onde serão comercializadas frutas, flores, produtos da agroindústria familiar, artesanato, além da praça de alimentação. A festa, que será realizada nos finais de semana de novembro (dias 8 e 9, 15 e 16, 22 e 23) das 9h às 20h, contará ainda com atrações artísticas e culturais.
A primeira Festa do Pêssego de Porto Alegre foi realizada por iniciativa de fruticultores interessados em ampliar o mercado consumidor e promover a produção agrícola da Capital. Hoje, o evento é uma promoção conjunta da Prefeitura de Porto Alegre, por meio da Divisão de Fomento Agropecuário da Secretaria Municipal da Produção, Indústria e Comércio, Sindicato Rural de Porto Alegre, Governo do Estado, por meio da Emater – Ascar, e pelo Sistema Farsul.

http://www2.portoalegre.rs.gov.br/portal_pmpa_novo/default.php?p_noticia=173662&COLHEITA+DO+PESSEGO+ABRE+NESTA+TERCA+EM+PORTO+ALEGRE

/festas
Texto de: Agnese Schifino
Edição de: Andrea Brasil
Autorizada a reprodução dos textos, desde que a fonte seja citada.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Quem Sabe Responde: Como cuidar de um pomar com calda bordalesa


Fonte: Ana Brito / Rural Centro
Editoria: Agricultura

Quem Sabe Responde: Como cuidar de um pomar com calda bordalesa

A Série Quem Sabe Responde desta semana atende às dúvidas do leitor Pedro Paulo Sperb Wanderley:
"Estou com um problema no pomar da propriedade rural de minha família.
Todos os pés de frutas existentes (abacate, laranja, limão e jaca) estão apresentando o mesmo sintoma: existência de várias "casas" de algum animal (tipo coró).
Isso esta afetando também as frutas, apodrecendo-as em partes, ou até mesmo por inteira (uma espécie de "broca").
Nota-se a diferença, também, nos troncos e galhos das árvores, uma espécie de ressecamento excessivo, aumentando a casca.
Envio à equipe da Rural Centro diversas fotos para análise e um possível solução".
Quem responde é o técnico Agrícola, educador do SENAR-MS, especialista em fruticultura, olericultura e seringueira, Antônio Minari Júnior, que além de analisar todo o material enviado pelo leitor, dá indicações de procedimento:
Tronco, Laranjeira, Leveduras, Algas, ApodrecimentoAparentemente é uma parte de tronco de laranjeira com idade avançada com leveduras e algas instaladas, que apresenta apodrecimento e soltura da casca, provocado provavelmente por fungos oportunistas, que em caso de exploração econômica, normalmente não surgem em função de manejo do pomar. Nesse caso, pincelar o tronco e as lesões com calda bordalesa mensalmente.
Tronco, laranjeira, ovos, largatas
Colônia de ovos de lagartas secundárias, que também não aparecem em pomares comerciais. O tratamento é o mesmo;



Tronco, apodrecido, casca seca
Aparentemente é um tronco já apodrecido, com a casca totalmente seca. Serrar próximo ao tronco, caso a planta ainda apresente sintomas de estar vivo, o que na foto, não é possível perceber e pincelar com a mesma calda;


mofo da laranja
Fruto de laranja com aparente cobertura de mofo cinzento que não caracteriza lesão. Baixa definição da foto não permite precisão no diagnóstico;



laranjeira, fase terminal, lesõesLaranjeira em fase terminal, com lesões no colo da planta, que aparentemente é gomose, uma doença que ataca principalmente plantas de limão cravo (também conhecidos como limão rosa ou limão china), que é o apodrecimento da casca no colo da planta, bem no local onde a planta define o que fica enterrado e o que fica pra fora do chão.
Causa provável do aparecimento da doença: aterramento de colo, encharcamento do solo ou dano físico no tronco ou raízes.
Controle: raspar o colo da planta com escova de aço e pincelar mensalmente com calda bordalesa. Vale dizer que o tratamento é paliativo e por tentativa, pois aparentemente a lesão está quase que em volta de todo o tronco;
 
Abacate, antracnose
Fruto de abacateiro com lesão de dano físico (algo raspou a casca do fruto) e mais a direita da foto, lesão de antracnose. Essa doença aparece com temperatura elevada e alta umidade relativa do ar, que é o que acontece nessa época do ano.


Abacates, Antracnose
Frutos de abacateiro com lesão de antracnose em alto grau de desenvolvimento, já com podridão avançada.



Abacate, Antracnose
Fruto de abacateiro com lesão de antracnose.Essa doença se manifesta com aparecimento de lesões arredondadas e em depressão. Quando tomam a coloração castanha escura ou enegrecida, formam uma espécie de tumor em depressão que podem ser retirados inteiros com uma colher. Claro que quando a lesão toma essa proporção, o fruto está praticamente perdido, mas pode ser parcialmente aproveitado, desde que não apresente cheiro característico de podridão.
Controle da antracnose: pulverização mensal com calda bordalesa e pincelamento do tronco;
 
Largatas Secundárias, Ovos Largatas, OvosLargatas, ovos
Fotos acima: de lagartas secundárias, com colônia de ovos, que em manejo comercial, não aparecem no pomar. Pincelar com calda bordalesa mensalmente, controlam as colônias;
 
Jaca, antracnose, pulverizaçõesjaca, antracnose
Fotos acima: Fruto da jaqueira, com lesões iniciais aparentemente de antracnose. A planta da jaqueira, como não é para a nossa região, uma cultura economicamente explorada, os controles são paliativos, pois é possível a convivência com a doença, sem a necessidade de pulverizações. Caso seja de interesse, pulverizar a planta toda com calda bordalesa.
Calda bordalesa: para que serve
Trata-se de produto recomendado pela agricultura orgânica, que não deixa resíduo e pode ser preparado pelo próprio produtor.
Calda bordalesa receita:
100 gramas de cal virgem (tem que ser virgem. Cal hidratada não da a eficiência necessária);
100 gramas de sulfato de cobre;
01 litro de água;
02 vasilhames de plástico, vidro ou louça. Não pode ser lata, latão ou alumínio.
No período da tarde, misturar metade da água com a cal e mexer bem, até apresentar boa diluição (não vai conseguir diluir tudo). E a outra metade da água, misturar com o sulfato de cobre e mexer bem. Também não vai diluir tudo nesse momento. Para cada vasilhame, usar uma pá ou estaca ou madeira para mexer. Não mexer as duas com a mesma pá ou madeira.
Na manhã do dia seguinte, tornar a mexer, até atingir o máximo da diluição dos dois produtos.
Após mexer bem, iniciar a mistura, adicionando a solução de sulfato de cobre sobre a solução de cal, aos poucos e mexendo sempre.
NUNCA misturar a cal sobre o sulfato de cobre, pois isso acontecendo, o produto talha (como leite estragado) e perde efeito.
Para pincelar, o produto está pronto. Para pulverizar, diluir 400 ml para cada 10 litros de água.
Após misturar as soluções de cal com sulfato de cobre, usar em no máximo 48 horas. Passado esse período, a mistura perde o efeito.

sábado, 17 de maio de 2014

Podas em frutíferas, pessegueiro, kiwi e videira

Algumas plantas que necessitam de podas mais elaboradas para obter boas produções:
pessegueiro
Pessegueiro
Os pessegueiros somente frutificam nos ramos novos, formados na última estação de crescimento ou nas pontas de ramos que já frutificaram. A poda de frutificação fazemos quando a planta está em repouso vegetativo, eliminando os ramos que já produziram, os ramos vegetativos (que não irão produzir) e desbastando o excesso de ramos floríferos. Um sistema que dá bons resultados é o de eliminar, no inverno, os ramos que já produziram e floresceram, podando-os bem rente ao tronco. Esse mesmo sistema se aplica às nectarineiras.
figueira
Figueira
É uma árvore muito sensível a doenças como a ferrugem das folhas e a broca da figueira. Devido a esse fator  aliado ao figo só frutificar em ramos novos, adota-se uma poda drástica depois da colheita de cada safra. De julho a agosto todos os ramos velhos devem ser podados até o tronco. Devemos deixar apenas duas ou no máximo três gemas de onde brotarão os ramos novos.
Fruta-kiwi
Kiwi
O kiwi apresenta uma vegetação muito densa e vigorosa, devendo ser feita no inverno a eliminação dos brotos ladrões e a limitação dos braços frutíferos. Mantenha em cada braço de seis a oito borbulhas. recomenda-se um desbaste no período vegetativo para reduzir um pouco a folhagem. Cuidar para que os ramos não cheguem muito próximos do chão.
uva
Videira
Para as videiras são indispensáveis dois tipos de poda: a poda de inverno e a poda verde. A poda de inverno é feita durante o período vegetativo da videira, para decidir sobre o momento mais adequado, exige-se um olho bem tarimbado. É quando as gemas dos ramos que serão podados se mostrarem inchadas ou quando através do corte da ponta do ramo a videira começa a “chorar”. Usa-se como prática, podar as videiras durante a fase da lua minguante de agosto, porque neste período a seiva da planta se concentra nas raízes, não ocorrendo o perigo de a planta “chorar” demais, enfraquecendo-se.
Quem não fizer a poda de inverno se arrisca a ver brotarem todas as gemas da planta, formando um número excessivo de ramos que vão carregar até três cachos, como resultado teremos ramos e frutos de mau aspecto. A poda de inverno disciplina o  crescimento, criando um equilíbrio na planta, com produção de qualidade.
A poda de inverno pode ser curta, longa ou mista. A poda curta é indicada para as variedades Niágara (de mesa) é uma poda que preserva apenas uma ou duas gemas, cada ramo brotado da gema produzirá de um a três cachos. A poda longa é praticada nas culturas de uva Itália e Rubi. Ela preserva um ramo mais longo com um limite de doze gemas conforme o vigor da planta, faz-se isso porque a Itália só produz cachos a partir da terceira gema. A poda mista mantém alguns ramos curtos e outros longos. Pode ser utilizada com sucesso em todas as variedades de mesa. O critério da poda é do produtor que irá estabelecer quais os ramos que devem permanecer curtos ou longos para uma produção equilibrada.
Em qualquer caso deve-se pincelar as gemas um ou dois dias após a poda com calciocianamida ou cianamida nitrogenada para estimular uma brotação mais uniforme das gemas.
A poda verde inclui todas as operações realizadas durante o período vegetativo da videira, desde a brotação até a colheita, para que a planta produza melhor. Na desbrota deixe apenas dois brotos onde houver aglomerados deles, também elimina-se os brotos do tronco da videira até a altura do arame da espaldeira.
Após, eliminar os ramos que nascem nas axilas das folhas conhecidos por ramos netos. Devemos cortar a extremidade dos ramos herbáceos do ano, que devem ficar, no máximo, com seis folhas após o último cacho, isso favorecerá e estimulará o desenvolvimento dos frutos. Os cachos não podem ficar encobertos por folhas que impeçam a passagem do ar e da luz ou que dificultem a nossa visão sobre o cacho. Finalmente promova o desbaste, quando as bagas estiverem ainda pequenas eliminando os grãos que se apresentem defeituosos permitindo cachos de muito mais qualidade.

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Como produzir mudas de manga

Através da enxertia garantimos as características genéticas da planta à ser propagada. Existem algumas variedades de mangas que podem ser propagadas através de semente ( as poliembriônicas como por exemplo; a manga Rosa, manga Espada, manga Ouro, dentre outras) mas através da enxertia pode-se diminuir o tempo para inicio da produção, reduzir o porte da planta além de outras vantagens. Já as mangas mono embriônicas necessariamente devem ser propagadas através de enxertia, é o caso das mangas Palmer, Tommy Atkins, Keite e muitas outras. Uma curiosidade, quando plantamos sementes dessas mangueiras surgem novos cultivares, uma grande quantidade delas produzirão frutos sem nenhum valor comercial e agronômico, mas também poderá surgir plantas que produzirão excelentes frutos.

sábado, 29 de março de 2014

Conheça os benefícios e nutrientes das frutas do outono


Conheça os benefícios e nutrientes das frutas do outono Jonny Vieira/Divulgação
Foto: Jonny Vieira / Divulgação
Outono é conhecido como a estação das frutas, alimentos importantes para a nutrição. Elas desempenham funções essenciais para o organismo, além de possuírem baixo valor calórico, auxiliando no emagrecimento. Essa é a época do ano em que elas ficam mais bonitas e saborosas.
— As frutas são fontes de água, vitaminas, sais minerais, açúcares, carboidratos, fibras e proteínas. No mês de março elas ganham vivacidade, por isso esse é um ótimo período para aproveitar os frutos maduros, no ponto certo para o consumo — afirma a nutricionista Bruna Murta.
A nutricionista lista os benefícios de diversas frutas facilmente encontradas. Confira:
Abacate: é fonte de ômega 9, que auxilia na redução e controle do colesterol. Seu consumo ajuda na redução do cortisol, hormônio relacionado à compulsão alimentar e ao acúmulo de gordura na região abdominal. Deve ser consumido com moderação devido ao alto valor calórico, especialmente para quem quer perder peso.
Açaí: rico em antioxidantes como a antocianina, combate a ação dos radicais livres, prevenindo contra câncer e retardando o envelhecimento. Assim como o abacate, também é fonte de ômega 9. É uma excelente fonte de energia para o organismo. Consuma moderadamente, pois o açaí possui alto valor calórico.
Abacaxi: fonte de bromelina, uma enzima que ajuda na digestão. Possui, ainda, efeito diurético, ajudando na eliminação dos líquidos retidos.
Maçã: Possui propriedade adstringente, por isso é excelente para a garganta e cordas vocais. Em sua casca ela possui a pectina, que auxilia na redução do colesterol, da glicose e evita a constipação intestinal. Fonte de antioxidantes que retardam o envelhecimento das células.
Mamão: contém papaína, uma enzima que melhora a digestão. Seu consumo contribui para a melhora do funcionamento intestinal. Fonte de betacaroteno, auxilia no bronzeamento da pele.
Melão: rico em potássio, mineral que ajuda na redução da pressão arterial. Fonte de bioflavonóides que possuem excelente ação antioxidante e antiinflamatória. Suas sementes são excelentes fontes de cálcio. Contém grande quantidade de água, ajudando na hidratação do organismo e contribuindo para a saúde e beleza da pele.
Morango: fruta rica em ácido elágico, antioxidante que protege contra o câncer e retarda o envelhecimento. Rico em vitamina C, aumenta a imunidade, dá resistência aos tecidos, auxilia a cicatrização de ferimentos, evita hemorragias, atua contra infecções e melhora a memória.
Uvas vermelhas: sua composição é rica em substâncias que ajudam na redução e controle do colesterol e da pressão arterial. Seu consumo previne contra doenças cardiovasculares. Ricas em resveratrol, antioxidante que protege contra câncer.
Banana: fonte de potássio, mineral que auxilia na redução da pressão arterial. Contém triptofano, aminoácido que estimula a produção de serotonina, neurotransmissor responsável pelo bem estar. Por isso, pode ajudar na melhora do humor.
Goiaba: fruta rica em vitamina C, fortalece o sistema imune. Contém licopeno, antioxidante relacionado à prevenção contra o câncer de próstata e estimula o bronzeamento.
Laranja: fonte de vitamina C, reforça as defesas do organismo e possui ação antioxidante.
Maracujá: fonte de vitamina A e C, além de fibras solúveis que contribuem para o controle do colesterol e da glicose. Possui baixo valor calórico.