Mostrando postagens com marcador flores. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador flores. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Como podar e cuidar de suas roseiras



Marcelo Marthe foi ao sítio de um grande produtor do Ceasa para mostrar
como cuidar corretamente das roseiras, desde o plantio até a poda, que
acontece no inverno. Até a posição da tesoura faz diferença.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Aprenda como fazer mudas de Brinco-de-princesa

Fonte: blog jardinet

Sementes de flores Feltrin
Como fazer mudas de Brinco-de-princesa

Quer aprender a fazer mudas dessa planta de flores belíssimas e super atrativas para os beija-flores?

       Há duas formas de propagação do brinco de princesa. A primeira e menos indicada é através de sementes. A segunda, e a que mais uso por aqui, é por estaquia da ponta dos ramos. Para a estaquia, ramos de 8 à 10 cm já são suficientes, você pode inclusive utilizar os ramos das podaspara fazer as estacas. Retire as folhas da base deixando apenas umas 2 ou 3 folhas e procure ramos sem flores. Se não conseguir corte os botões florais.
Estaquia do brinco-de-princesa em sementeiras

       Depois é só plantar o raminho num substrato bem úmido protegido do sol direto. Lembre-se também de usar um recipiente com furos no fundo para drenar o excesso de água. Quando a estaca começar a produzir novas folhinhas e raízes é sinal de que ela já "pegou" daí é só transferi-la para um vaso maior e o crescimento dela a partir daí é muito rápido

Como fazer a propagação da brinco de princesa
Uma semana após a transferência para o vaso

Obs: Faça as estacas quando o tempo estiver mais úmido, pois assim ficará mais fácil delas "pegarem". O tempo da chuva é o melhor momento!

       Caso opte pela propagação por sementes, espere até que o frutinho esteja bem maduro, retire as sementes e lave-as em água corrente para retirar a polpa do fruto. Para semeá-las coloque-as numa sementeira ou recipiente com furo no fundo para a drenagem de água e cubra as sementes com uma fina camada de terra. Deixe a sementeira em local bem iluminado sem luz solar direta e boa sorte com suas sementes!

Como semear as sementes do brinco-de-princesa?
Fruto com sementes do brinco-de-princesa

terça-feira, 18 de abril de 2017

Conheça onze plantas que crescem mesmo sob a sombra

Veja como conciliar uma rotina corrida e manter uma planta dentro de sua casa

Plantas
Talvez você conheça a seguinte história: você compra ou ganha uma linda planta, mas graças à rotina corrida (o que significa a falta de tempo para cuidados com jardim), ela fica sem o sol necessário para conseguir sobreviver. Conclusão: logo a planta estará morta e sua casa perderá um pedacinho de verde.
Se você se identificou com a história e acha que ter uma planta dentro de casa é quase impossível, essa matéria irá renovar suas esperanças. Confira abaixo a relação de algumas espécies que são aptas a sobreviverem sem muita exposição ao sol.

Espada de São Jorge

Espada de São Jorge
De origem africana, a espada de São Jorge é uma planta que exige pouca manutenção e apresenta grande resistência. Deve ser plantada em lugares com meia sombra, tolerando tanto ambientes iluminados quanto sem luz alguma. Consegue aguentar situações de extremo calor ou extremo frio, e deve ser regada sempre que seu solo estiver seco.

Aglaonema

Aglaonema
Essa planta originária na Ásia, Filipinas e Oceania, possui cerca de 50 espécies. Ela consegue aguentar baixas temperaturas, e precisa apenas ficar na sombra. Deve ser plantada em um solo bem drenado, e sempre regada quando a terra parecer seca. É ótima para ter em casa pois filtra toxinas presentes no ar.

Jiboia ou pothos

Jiboia ou pothos
Essa planta possui cerca de oito espécies, sendo originária nas Ilhas Salomão,Oceania. É muito prática, pois consegue se adaptar ao ambiente em que se encontra. Não precisa de muita luz, e é outra planta ótima por purificar o ar e retirarformaldeído dele.

Lírio-da-paz

Lírio-da-paz
Original da América Central, é uma planta que combina beleza com cuidados simples. Resiste a climas de baixa temperatura, e precisa de uma umidade moderada. No caso dela, é preciso evitar o uso de prato com água sob o vaso. Assim como as outras, também remove formaldeído e monóxido de carbono do ar.

Antúrio

Antúrio
Original da Colômbia, essa planta é tradicional no paisagismo por sua beleza e por ser de fácil cultivo e manutenção. Deve sempre estar a meia sombra e ser regada regularmente, porém sem encharcar.

Zamioculcas

Zamioculcas
Original da Tanzânia e de Zanzíbar, é considerada popular para ambientes internos por ser uma planta decorativa. Ela é bem resistente por conseguir aguentar alta exposição solar ou falta dela, além de poder ficar muito tempo sem ser regada. Só tome cuidado para não colocar a planta em um vaso com muita água - ela deve ter o solo apenas ligeiramente úmido.

Camedórea-elegante

Camedórea-elegante
Se você tem uma sala com sombra indireta, essa é a sua planta. Com origem na América Central, ela apenas necessita de um vaso e água quando seu solo parecer seco.

Babosa-de-pau

Babosa-de-pau
Planta brasileira, é conhecida por seus efeitos em produtos como tonificantes do bulbo capilar, hidratante e condicionador do cabelo. Por ser tipicamente tropical, é necessário que ela fique à meia sombra. É uma planta que não suporta temperaturas baixas e deve ser regada sempre que seu solo estiver seco.

Bambu da sorte

Bambu da sorte
Considerada sinônimo de boa sorte quando dado de presente, essa planta tem em seu nome bambu, porém não possui bambu algum. Para manutenção, é necessário trocar a água uma vez por semana e expô-la a luz solar indireta. Com origem no Taiwan, é uma planta importante no feng shui.

Singônio

Singônio
Original da Nicarágua, é uma planta de folhagem decorativa. Por não ser tolerante ao frio, deve estar sempre em uma sombra úmida e ser regada com frequência, sempre que seu solo estiver seco, porém sem encharcá-lo.

Peperômia

Peperômia
Essa planta cresce com luz solar de forma moderada ou luz florescente, tornando-se assim uma opção popular em escritórios. Nativa da América do Sul, precisa de água de forma moderada e de condições de ambiente úmido.

sábado, 14 de maio de 2016

Época de cuidar das Rosas e Roseiras


RosaPodar envolve a remoção de qualquer rosa danificada, doente ou morta, para aprimorar a aparência, estimulando o crescimento e o controle de pestes e doenças. Podar de um jeito impróprio ou erroneamente poderá afetar a floração e o crescimento. O “como e quando” de cortá-las é determinado pelo tipo da mesma. Aqui irei dar alguns passos básicos para aparar sua rosa.

As plantas estarão prontas para serem podadas quando o arbusto começar a ficar sem folhas, ou então com algumas folhas durante a estação de inverno. Use uma faca afiada ou tesouras de poda e lembre-se de que deverá cortá-las aproximadamente a um centímentro abaixo do botão de rosa. Remova todas os cabinhos velhos, doentes ou danificados. Tire fora os caules que atravessam direto ao centro e reduza o centro da planta.
Reduza em 1/3 a parte crescida na última estação. Os cortes finais ajudam a determinar a forma da planta. Depois que limpar o resto da sujeira na planta, cheque se há insetos ou algum tipo de doença.

Fertilização

Ainda que algumas roseiras possam florescer sem fertilização, elas precisam dos nutrientes para chegar ao máximo de sua performance. Então, para isto se torna necessária a aplicação de fertilizantes de sua preferência. Os três nutrientes básicos para um crescimento saudável de qualquer tipo de planta são: Nitrogênio, Fósforo e Potássio.
Não fertilize novamente as rosas até que os botões floresçam. Evite usar fertilizantes químicos, tente as seguintes alternativas orgânicas: Torta de mamona, farinha de ossos, esterco curtido, cinzas sem sal, compostos orgânicos, emulsão de peixe (adubo feito com água de aquário mais resto composto de peixes de água doce), adubo comum, húmus de minhoca, alga marinha ou adubo vegetal.

Irrigação

RosaA quantia e a freqüência de irrigação irão depender to tipo de solo, tamanho do arbusto, e da precipitação pluviométrica de sua área. Se você vive em uma área empoeirada, deverá limpar as folhas de sua rosa pelo menos uma vez por semana (você irá fazê-las um grande favor!), e isso também ajuda a retirar pequenos insetos que grudam debaixo das folhagens. Alguns outros tipos de rosas precisam de irrigação toda manhã, mas evitando que deixe cair gotinhas de água nos botões e na folhagem, e providenciando forração na base de sua planta, para que o solo segure a umidade.
O uso da forração em volta das roseiras ajuda a deixar o solo umedecido, e também atrasa o crescimento das ervas daninhas. A forração pode ser feita de muitos materiais, como: Pedaços de madeiras, palhas ou grama seca recortada em pedacinhos. Materiais decorativos como madeira dura retalhada, casca de pinus, casca de coco podem ser usadas também. Quando aplicar qualquer forração, não amontoe na base dos caules, e sim espalhe por todo o vaso, com mais ou menos 3,4 centímetros de espessura (Sempre recoloque caso precise!).

Pragas e Doenças

Insetos e doenças nas folhagens poderão afetar suas rosas. Existem três tipos de problemas, a saber: Fungos, poeira e ferrugem. Para os fungos, você deverá limpar perfeitamente os restos de folhagem velha caídas durante as podas, e pulverizar com um fungicida que você tenha preferência.
O saneamento do jardim é a melhor maneira de acabar com a ferrugem que pode surgir em suas folhas e pode ser controlada com fungicida. Insetos e ácaros, como pulgões, tripes, besouros, larvas, moscas, lagartas e vermes, também causam problemas em suas plantas. Os Ácaros são os que mais causam danos às rosas. Os inimigos naturais dos ácaros e muito bem recomendados são as joaninhas. Elas comem os pulgões, que consequentemente poderiam deixar suas flores murchas e deformadas. Os pulgões gostam de sugar a seiva das plantas, e produzem uma excreção levemente doce que atraem formigas, outras inimigas das plantas.
Para um melhor controle de besouros, lagartas e vermes mate-as manualmente usando luvas. Os tripes deformam as pétalas das rosas. Para controlá-las use inseticida debaixo das pétalas, fazendo uma certa cobertura para todas as pétalas e botões abertos. O controle é fácil e a prática da prevenção, com o uso regular dos produtos adequados, controla a maioria dos problemas com fungos, ácaros e insetos.
Texto e Fotos: Christiane Calderan


Raquel Patro é a criadora e administradora do site Jardineiro.net. Formou-se em Veterinária em 2006, quando curiosamente passou a se dedicar ao estudo das plantas e sua interação com os jardins.
Categorias: Cuidados e Dicas, Jardinagem

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Flores comestíveis: descubra estas delícias



Na chegada da primavera, conhecça os benefícios das flores comestíveis, plantas ricas nutrientes



A maior parte das plantas aromáticas ou medicinais que conhecemos têm flores que são comestíveis. É o caso da manjerona, coentro, cebolinho, hortelã, rosmaninho, rúcula e salvia entre outras.

.
Lista de Flores Comestíveis e seus nomes científicos


Planta                                   Parte comestível                                                       Nome Cientifico

Abóbora                              Flores e fruto                                                            Curcubita máxima

Beldroega                            Flores e folhas                                                           Portulacea oleracea

Calendula                             Flores e Folhas                                                         Calêndula officinalis

Capuchinha                         Flores, botões de flor, folhas e sementes                     Tropaeolum majus

Dente-de-Leão                    Flores e folhas                                                          Taraxum officinale

Feijão                                 Flores, fruto                                                               Phaseolus vulgaris

Girassol                                Flores                                                                      Helianthus annus

Hibisco                                Flores (pétalas)                                                        Hibiscus rosa-sinensis

Pepino                                  Flores e fruto                                                           Cucumis sativus

Perpétua                              Flores                                                                        Centaurea cyanus



.  Além destas, podem também comer-se as folhas e flores do Amor-perfeito (viola), das zinias, das videiras e de muitas outras plantas. Já é possível encontrar no mercado uma variedade razoável de flores comestíveis.

Nota Importante

Existem aromas culinários naturais, como flor de laranjeira, geranium, jasmin, rosa e até violeta que se utilizam sobretudo em pastelaria e são originários de plantas perfeitamente comestíveis. Existem no entanto também aromas de plantas que são muito tóxicas, como por exemplo o Lírio-de-Maio (Convallaria maialis) e não deverão NUNCA os aromas ser tomados como referência para comer determinada flor.

Colher as Flores do meu Jardim

É preferível colher as flores abertas no dia, de manhã, depois de secas naturalmente do orvalho e sobretudo que sejam consumidas rapidamente.

É possível secar pétalas, ou até pequenas flores inteiras para utilizar durante o Inverno na decoração de sobremesas ou na composição de molhos. Depois de bem secas ao abrigo da luz, para não perderem a cor, devem ser guardadas em boiões herméticos.

Quando escolher flores muito perfumadas, colha-as na altura em que estão mais perfumadas: violetas sem cheiro não perfumarão intensamente os seus pratos, o mesmo se aplica às rosas, cravos, cravos-da-índia, etc.

Tenha sempre muito cuidado com uma possível contaminação, quer por produtos químicos (pode não utilizar nenhum, mas os seus vizinhos podem fazê-lo e o vento transporta facilmente os produtos até ao seu jardim). No caso das flores selvagens, colha-as sempre longe de fontes de contaminação (carros, bermas tratadas quimicamente, animais, etc…)

Segurança

É indispensável assegurar-se, antes de comer qualquer tipo de flor, que é de fato comestível. O fato de certas partes da planta o serem não implica que outras o sejam, como no caso das batatas e do tomate, cujo fruto é perfeitamente comestível sendo, as folhas muito tóxicas.

Procure um bom guia botânico, com imagens e descrições minuciosas das plantas e, em caso de dúvida desista ou procure conselho profissional. Lembre-se também que as flores são uma fonte de pólen e que há pessoas alérgicas ao mesmo.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

FLORES COMESTÍVEIS

Que tal servir flores no jantar?

Espécies comestíveis como a capuchinha, o amor-perfeito, o hibisco, a calêndula, o borago e a rosa são cada vez mais usadas no preparo de saladas ou pratos quentes

Texto Janice Kiss
Fotos Leo Drumond
Ilustrações Filipe Borin


Há 20 anos, praticamente ninguém comia flores no brasil. a não ser brócolis, alcachofra ou couve-flor, espécies cultivadas e consumidas como verduras - na verdade, são inflorescências ou pedúnculos florais, mais próximas, portanto, do capítulo botânico das floricultura, não das hortaliças. Então, na esteira do sucesso de mercado das ervas frescas, também recente, as flores comestíveis começaram a atrair a atenção de gourmets e chefs de restaurantes sofisticados, interessados na beleza de suas pétalas ou nos sabores sutis, ou incomuns, para compor saladas, pratos quentes, molhos, temperos ou essências para sopas, caldos, etc. Hoje, constituem mercado ainda restrito, mas crescente.
As irmãs Graziela e Renata Dei Falci (sentada) abastecem restaurantes de Belo Horizonte, MG, com 60 tipos de flores
Em São Paulo, maior produtor do país, o Grupo Pão de Açúcar comercializa mensalmente 300 bandejas de 7 a 18 gramas cada, ao preço médio de 5 reais, de capuchinha, amor-perfeito e hibisco. 'É uma linha requintada. Cuidamos desse abastecimento de forma regular nos últimos três anos', comenta Renato Generoso, gerente de FLV (Frutas, Legumes e Verduras) da rede de supermercados. Antes, a procura era pequena, quase nula, segundo ele. Agora, atendendo ao aumento da demanda, as flores comestíveis estão em oferta constante nos balcões de legumes e verduras - sim, FLV, como o cargo de Renato indica. Elas não constituem ramo da floricultura. São alimentos. E nessa condição dividem prateleiras com outras hortaliças em supermercados e lojas especializadas. Como o Empório Santa Luzia, loja sofisticada da capital paulista. Segundo o gerente Geraldo Lima, 300 bandejas mensais têm saída garantida no Santa Luzia. Nesse caso, a preferida é a calêndula, cujo sabor lembra muito o gosto do legítimo açafrão, que custa mais de 50 reais o grama. Geraldo tem ciência de que as flores comestíveis têm vida útil curtíssima - duram no máximo três dias se embaladas e refrigeradas. Ele sabe que o cultivo exige muita atenção e cuidados, que o calor e as chuvas de verão castigam os canteiros, mas acredita que o produtor está marcando touca. 'O consumidor compraria mais se houvesse mais oferta', pensa.
Amor-perfeito (à dir.) e capuchinha são as mais requisitadas pelo colorido das pétalas
Flor de manjericão, para sabor mais acentuado no prato (à esq.), e estrelinha, novidade na culinária
As irmãs Renata e Graziela Dei Falci, assim como outras dezenas de produtores de verduras, não perderam tempo. Há 19 anos, elas cultivam 60 tipos de ervas e flores em um hectare da centenária propriedade da família, em Contagem, a 21 quilômetros de Belo Horizonte, MG . Os 38 hectares totais da Fazenda Vista Bonita são um dos poucos remanescentes da área rural desse município, um dos principais polos industriais do estado. Ao decidirem deixar o caminho das artes plásticas e da decoração, respectivamente, elas investiram inicialmente no cultivo de macela para forrar travesseiros - dormir com o perfume da planta já era hábito de infância na fazenda - e de ervas medicinais para farmácias homeopáticas. Como muitas delas também servem para a cozinha, Graziela decidiu fazer uma pequena amostra para alguns restaurantes de culinária internacional de BH. Aí o negócio mudou de rumo. Quando, na última década, as flores comestíveis viraram objeto do desejo de chefs e restaurantes nos grandes centros urbanos do país, elas já tinham experiência no ramo. Bastou a Renata aperfeiçoar a pequena lavoura colorida e perfumada. Para não trancar suas ervas e flores em estufas (a não ser as do viveiro) e conter o excesso de luminosidade, ela formou canteiros à sombra das árvores. A terra está sempre fértil porque é renovada com a rotação de culturas (o composto utilizado para adubar os canteiros é produzido na própria fazenda). Renata usa todo o receituário da produção orgânica - o caruru, por exemplo, serve de alimento para os insetos, e a presença da sojinha perene, típica da região, é fonte de nitrogênio para as plantas. A colheita é feita de manhã bem cedo, com o sol ainda fraco. As flores são lavadas e secas com muito cuidado antes de ser entregues três vezes por semana na capital mineira. 'Levamos aroma, saúde e beleza para a cidade', comenta Renata.
CANTEIROS EM EXPANSÃO
Comparar os mercados de flores comestíveis e flores em geral (usadas apenas com função decorativa) é equívoco na certa, comenta Hélio Junqueira, da consultoria Hórtica, de São Paulo. O primeiro é muito pequeno - não há dados concretos a respeito. O segundo movimentou 3,3 bilhões de reais no mercado interno no ano passado, com chances de crescer 15% até o final deste ano. Em 2008, o Brasil faturou 35,5 milhões de dólares com vendas de flores para Europa e Estados Unidos. Segundo pesquisa da Hórtica, o mercado interno de flores convencionais cresce em torno de 10% por ano porque o Brasil não foi tão afetado pela crise financeira quanto os países para onde exporta, a exemplo de EUA, Europa e Japão. As principais flores de corte negociadas por aqui são rosas, crisântemos, lisianthus, lírios, etc., e as envasadas são orquídeas, violetas, azaleias, bromélias, entre outras. Os estados de São Paulo (53%), Minas Gerais (13%) e Rio Grande do Sul (5%) lideram a produção nacional. De acordo com a economista Marcia Peetz, sócia da Hórtica, o futuro dos cultivos nacionais tendem a ser focados quase que exclusivamente nas vendas internas. 'Com o alarde da crise, as pessoas deixaram de consumir bens e serviços de valores elevados e gastaram mais com paisagismo e jardinagem', compara. Marcia reitera que o consumo per capita brasileiro (R$ 17,46) ainda é baixo. 'Ele denota uma alta capacidade de crescimento futuro', acredita. Segundo ela, a prova está na expansão de outras regiões de cultivo, como Nordeste e Norte do país, sinalizando a descentralização da produção exercida pelo estado de São Paulo, concentrada nos municípios de Holambra, Campinas e Atibaia.

sábado, 3 de outubro de 2015

Como replantar a orquídea na árvore




Replantar uma orquídea que temos em casa e que já floresceu, em uma arvore, é devolve-la a seu habitat natural . Fixando esta planta no tronco ela poderá desenvolver o seu sistema radicular e viver em harmonia com a árvore e florescer novamente. A Orquídea não é uma planta parasita e portando não vai tirar os nutrientes da árvore. Ela simplesmente usa a casca da árvore para prosperar suas raízes que vão retirar do ambiente (ar úmido e chuvas) sua sobrevivência e esplendor !!

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Uma das orquídeas mais populares!

Extraído do  blog Jardim de Helena em www.gaucha.com.br/jardimdehelena

Eng. Agr. Helena  Schanzer

Dendrobium nobile Foto: Helena SchanzerConheça a orquídea que mais floresce

14 de setembro de 20150
Uma das orquídeas mais populares é a espécie Dendrobium nobilechamada de olho-de-boneca. É uma epífita perene originária da China e Himalaia e se adaptou bem aqui no sul por ser tolerante ao clima frio. A floração é espetacular. As cores das flores são variadas: tons de rosa, brancas, amarelas e duram mais que um mês. Podem ser cultivadas em vasos de fibra de coco ou de cerâmica, a pleno sol ou a meia-sombra. O sol da manhã é o mais apreciado por elas. Pode ser fixada a ramos de árvores e irrigada quando o clima estiver seco.
Dendrobium nobile Foto: Helena Schanzer
 São mais de 15 cultivares diferentes desta espécie. Para fazer mudas , basta dividir a touceira da planta, deixando brotações com raízes. Amarre em árvores ou em troncos de palmeiras com barbante de algodão até que a orquídea emita novas raízes que se fixem sozinhas.  A orquídea Dendrobium dispensa maiores cuidados: precisa de sol suave e pulverizar água em períodos secos. Deve ser cultivada na rua e pode também ser cultivada em sacadas ensoladaras.
Dendrobium nobile 1
Dendrobium nobile

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Salve uma planta que está morrendo

Com dicas simples você pode prolongar por muito tempo a vida de suas "companheiras"

Ter plantas em casa é uma ótima "desculpa" para dar uma pausa na correria do dia a dia. Além disso, elas absorvem poluentes do meio ambiente (muitos deles presentes devido a produtos de limpeza domésticos) e, claro, embelezam a sua casa. Para começar seu jardim, não é preciso muita coisa: basta um vaso, um pouco de terra e algumas sementes. Para fertilizá-las, você pode usar adubo oriundo de uma composteira (veja mais aqui).
Mas as plantas, assim como os seres humanos, têm momentos ruins. Às vezes, é possível identificar a causa - quando as folhas estão murchas, o problema deve ser falta d'água. Ocorre que nem sempre é fácil verificar com precisão qual é o problema. Algumas possibilidades são: excesso ou falta de sol, clima seco ou pobreza de nutrientes no solo. Se você não sabe o que fazer, experimente esses truques rápidos abaixo que podem salvar suas plantinhas.
Pode demorar até três meses para você começar a notar uma melhora na saúde das suas "companheiras", por isso, tenha paciência e acredite nos seus esforços. Aí vão as dicas:

Apare as folhas mortas 

Com uma tesoura de poda, apare todas as folhas mortas de sua planta de modo cuidadoso. Caso não tenha a tesoura específica, use uma tesoura normal, sem ponta, ou um alicate. Tome cuidado com os brotos. Mesmo eles tendo um aspecto estranho, possuem grande potencial de crescimento.

Apare os galhos e caules mortos

Quando for cortar os galhos, comece pelo topo e apare uma pequena quantidade por vez. Para cada pedaço de galho cortado, verifique a cor do centro do caule. Às vezes, o caule parece morto, mas você encontrará a coloração esverdeada no centro dele, à medida em que o corte for se aproximando das raízes. Quando isso ocorrer, pare de cortar. Após um mês, galhos novos começam a crescer sobre os antigos.

Troque de vaso a sua planta

Muitas vezes, ao plantarmos uma semente, utilizamos vasos pequenos. Mas se a planta crescer muito, é necessário aumentar também o tamanho do vaso para que haja mais espaço para o desenvolvimento do organismo. É possível saber a hora em que o replantio é necessário atentando para as raízes. Quando elas começarem a ficar visíveis e "saírem" do vaso (como cabelinhos), troque o recipiente por um maior e que possua furos na parte inferior para ajudar na drenagem. Pesquise sobre a sua espécia antes e veja se existe algum requisito especial nesse processo, e lembre que talvez seja preciso colocar mais terra.

Cheque os níveis de umidade de sua casa

A maioria das espécies gosta de um ambiente úmido, afinal elas vivem em florestas e bosques (com exceção do cacto que você ganhou no último amigo secreto). Se você perceber que o solo em que sua planta está colocada fica continuamente seco, mesmo regando diariamente, significa que os níveis de umidade de sua casa podem ser muito baixos. Para corrigir isso, coloque uma panela rasa cheia de cascalho e pedrinhas debaixo de sua planta. Adicione um pouco de água à panela e certifique-se que a água não vai ultrapassar o cascalho. Como a água evapora, ela vai aumentar a umidade em torno de sua queridinha.

Controle a luz solar

Se a sua planta tem folhas queimadas e amareladas (sinais de muita exposição ao sol) ou pouca ou nenhuma floração (sinais de pouco sol), você deve alterar a quantidade de luz que ela recebe no dia a dia. Teste colocá-la nas proximidades de diferentes janelas se o local atual não estiver fazendo sua planta feliz. Fique atento se você morar em uma região com muita incidência de luz solar.

Adicione nutrientes

Assim como as pessoas, as plantas também precisam de nutrientes para se manterem saudáveis. Alguns deles estão presentes em saquinhos de chá (veja aquicomo reutilizá-los), que podem ser colocados na terra, junto com as folhas secas do chá, que também são fertilizantes. A borra do café também é muito eficiente para a nutrição de suas plantas - e um centímetro de espessura é suficiente (veja aqui cinco usos dela para o seu jardim).
Veja o vídeo abaixo (em inglês) a respeito de uma dica sobre como aumentar a umidade do ar para as plantas:

terça-feira, 16 de junho de 2015

Borra de café: cinco usos que podem ajudar as plantas do SEU jardim

Conheça cinco dicas para dar um destino mais eficiente e sustentável às sobras do café

O café é uma das bebidas preferidas dos brasileiros, afinal, somos o segundo maior consumidor desse estimulante no mundo. Mas além de delicioso, o café também é um ótimo fertilizante para a terra, pois torna o solo mais fértil, rico em nutrientes, contribuindo para o bom desenvolvimento das plantas. Abaixo, listamos cinco fins que você pode dar para a borra do café, que, quando jogada no lixo, se decompõe e libera metano, gás cujo efeito é 20 vezes mais potente que o CO2 no desequilíbrio do efeito estufa (veja mais aqui). Com essas simples atitudes, portanto, você dará uma cara mais bonita ao seu jardim sem agredir o meio ambiente. Confira:
Na fertilização
A borra de café oferece vários nutrientes para o solo, além de proteger (elimina bactérias e outros micro-organismos danosos ao solo) e tornar as plantas mais produtivas. Mas antes de colocá-la na terra, é aconselhável adicionar um pouco de fósforo (farinhas de sangue e ossos ou esterco de aves) e potássio (esterco de outros animais), para que ela não roube o nitrogênio para se decompor, podendo, com isso, criar fungos;
Na compostagem
Com a borra de café adicionada à pilha de compostagem, esta emanará um cheiro mais ameno, ficará mais quente e conservará a umidade. Para maior eficácia, é recomendável adicionar folhas secas, que evitam o mau cheiro, e serragem, para reduzir a umidade (veja mais sobre compostagem aqui);
Como repelente de pragas
Ao usar o repelente químico é preciso considerar que, embora eficaz no combate às pragas, ele tem uma sobrevida maior na terra, pode matar outros insetos que são benéficos para a plantação, além de prejudicar a qualidade da planta. Para evitar esses transtornos, uma boa opção é utilizar a borra de café como repelente, principalmente se você mesmo tiver moído o café - ele se torna ainda mais efetivo no combate às pragas;
Para atrair minhocas
Minhocas adoram borras de café. Por isso, além de grãos de café, adicione restos de alimento e serragem. Desse modo, você convidará uma leva de minhocas para o seu jardim, o que o deixará mais rico em termos nutritivos. Dica preciosa: as minhocas adoram borras de café antigas. O cheiro de fermentação e de mofo é o preferido delas;
Na mudança ou alteração do solo
Se você estiver pensando em construir ou aumentar um canteiro ou ainda em consertar alguma seção do seu jardim, a borra de café é uma boa pedida. O solo e a terra devem ser misturados numa proporção de 50/50. Após efetuar a mistura, espere aproximadamente 60 dias para plantar alguma semente ou vegetal.

fonte; site ecycle