Mostrando postagens com marcador felicidade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador felicidade. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Condomínio na Grande São Paulo dá exemplo de sustentabilidade e bem estar



Por Marcos Luppi | 

Share on facebooShare on twitterShare on google_plusone_share
Quando nos deparamos com a alegria e simpatia dos moradores do condomínio Granja Viana II, próximo a Cotia, na Grande São Paulo, podemos perceber que eles estão fazendo as coisas de maneira correta. Assim como o bairro alemão Schlierbergque vimos há algumas semanasaqui, eles também têm enraizadas a sustentabilidade e qualidade de vida em seu dia a dia.
Academia, quadras poliesportivas, quadras de tênis, salão de festas, campo de futebol, campo de areia, lago, dois parques infantis, slackline, pista de caminhada, pista de skate, mirante, móveis de madeira espalhados pelo condomínio e mais algumas coisas que elevam e muito a qualidade de vida. O que mais pode fazer de um condomínio um lugar melhor? Ficamos surpresos com a resposta.
Tudo começou há pouco mais de dois anos, quando o então presidente da associação dos condôminos quis implementar algo diferente, uma gestão baseada na Felicidade.
Sim, a pergunta que norteava as decisões a serem tomadas pelo condomínio era:Isso vai trazer felicidade às pessoas? De lá para cá foram mais de duas mil árvores plantadas, espaços comunitários criados e o mais importante: o sentimento de comunidade instaurado nos moradores.
Mas tantas árvores assim geram muitos resíduos, sacos e sacos de folhas e galhos, necessidade diária da poda, e o que antes gerava um gasto altíssimo com destinação, transformou-se em solução, os galhos maiores viram lenha que é disponibilizada gratuitamente para os moradores, assim como os galhos menores e a folhagem que resultam em um riquíssimo adubo orgânico também gratuito e disponível. O adubo também é usado em uma horta comunitária, onde alface, couve e outros vegetais orgânicos e super frescos são consumidos.
horta01
lenha00
Sistemas de troca também são encontrados, é o caso da Estufa Coletiva, onde as pessoas deixam e pegam mudas de plantas, e também de uma biblioteca do condomínio, que fez tanto sucesso que agora conta até com DVDs e revistas.
estufa01
biblioteca01
Os sensos de comunidade e coletividade são reafirmados nas festas mensais realizadas no condomínio, cujo Salão de Festas é exclusivo para as festas coletivas, com temas variados e no bom e velho sistema apelidado de “juntão” onde cada morador leva um alimento de sua escolha.
Além de dar um show na parte ambiental, onde captaram a essência da sustentabilidade, que é encontrar soluções verdes e inteligentes para os problemas cotidianos, gerando até economia para o condomínio, foi impressionante ver a união e o carinho que estes condôminos tem pelo que criaram e ver que conseguiram algo ainda mais importante do que respeitar o meio ambiente, que é respeitar as pessoas e o próximo, vivendo verdadeiramente como uma comunidade.
Animais 1AnimaisLago 4


terça-feira, 8 de agosto de 2017

Como podar e cuidar de suas roseiras



Marcelo Marthe foi ao sítio de um grande produtor do Ceasa para mostrar
como cuidar corretamente das roseiras, desde o plantio até a poda, que
acontece no inverno. Até a posição da tesoura faz diferença.

terça-feira, 27 de junho de 2017

A horta tem importância na terapia ocupacional, educacional, econômica e medicinal.


“Uma dieta à base de produtos orgânicos está relacionada à prevenção de alguns tipos de câncer e doenças coronarianas, dermatites, sequelas neurológicas, Parkinson, esterilidade em adultos e alergias e hiperatividade em crianças”, destaca Círio Parizotto, da Epagri.



As hortaliças agroecológicas são mais nutritivas. São ricas em vitaminas A, C, B, E, K, proteínas, fibras, cálcio e ferro (ver tabela). “Uma dieta à base de produtos orgânicos está relacionada à prevenção de alguns tipos de câncer e doenças coronarianas, dermatites, sequelas neurológicas, Parkinson, esterilidade em adultos e alergias e hiperatividade em crianças”, destaca Círio Parizotto, da Epagri. De acordo com ele, a dieta orgânica é livre de produtos radiolíticos (provenientes de irradiações) de ação carcinogênica. Além dissso, a horta tem importância na terapia ocupacional, educacional, econômica e medicinal.
Em relação à mão de obra a horta de autoconsumo ecológica não difere de uma convencional. “Há diferença quando se trata de grandes plantios, principalmente quanto ao manejo de ervas espontâneas”, diz.


Conhecimentos - A agricultura agroecológica exige mais conhecimentos do que a convencional, por ser mais complexa. Na convencional são usados “pacotes tecnológicos”, os quais poderão ser aplicados em diferentes regiões do país com resultados similares. Não exige muitos conhecimentos por ser simplista. Já na agroecologia isso não é possível, pois não existe uma receita. Cada propriedade possui suas peculiaridades em relação ao clima, solo, exposição, altitude etc. 
Nesse sentido, o conhecimento acumulado sobre a realidade local é fundamental para o sucesso desse sistema, ou seja, o avanço da agroecologia depende da união do saber local com o científico. Por isso, os jovens de Linha Fátima, em Dom Feliciano (RS), participam da Escola de Jovens Rurais, onde aprendem técnicas de agricultura ecológica.


Canteiros obedecem espaçamentos



O preparo dos canteiros é fundamental para o sucesso da horta doméstica. Espécies cultivadas em espaçamentos maiores, como repolho, pepino, abobrinha, cebola, tomate não necessitam formar os canteiros. Nesses casos, prepara-se a cova ou o sulco de plantio.

Há dois tipos de canteiros: temporários e fixos (tijolos, pedras, madeira, embalagem pet e bambu). Eles obedecem as seguintes dimensões: largura: 1 a 1,1 m; altura: 15 a 20 cm; com comprimento variável. A distância entre canteiros deve ser de 40 cm a 50 cm.

A área a ser plantada precisa estar limpa. O produtor deve aproveitar esses resíduos para adubo. Recomenda-se espalhar, por m2, misturando bem a terra, de 15 a 20 litros (ou 15/20 kg) de esterco de curral ou de 8 a 10 litros (8/10 kg) de esterco de galinha.

Após a produção das próprias sementes ou adquiridas de fornecedores orgânicos, elas podem ser semeadas diretamente nos canteiros ou em sementeiras e depois transplantadas. “Quanto aos tratos culturais, dependendo da hortaliça cultivada, deve-se fazer amarrios, desbaste, desbrota ou estaqueamentos”, orienta a agrônoma Neiva Rech.

Para irrigar, a água deve ser de boa qualidade. O sistema de gotejamento é indicado. A água da chuva é uma fonte ideal, por seu conteúdo em nitrogênio e oxigênio. Não utilizar água de rios contaminados. A irrigação de hortaliças folhosas (alface, chicória, rúcula, almeirão...) deve ser diária; nas demais, de três em três dias.




Cobertura - Para cobertura pode-se utilizar casca de arroz, palhas diversas, acículas de pínus e lona plástica. A camada deve ter de 5 a 10 cm. Isso reduz plantas espontâneas e mão de obra, temperatura no verão e doenças, mantém umidade, fertiliza o solo e as hortaliças ficam mais limpas.

Recomendações ao consumidor



  1. Dê preferência a frutas e verduras da época. Fora da estação adequada é quase certo que tenham recebido cargas maiores de agrotóxicos. Como existe pouca fruta produzida organicamente, procurar sempre descascar as frutas, em especial laranjas, pêssegos e maçãs.
  2. Lave bem frutas e verduras em água corrente durante pelo menos 1 minuto ou coloque-as numa solução de água (1 litro) com vinagre (4 colheres), durante 20 minutos.
  3. Retire folhas externas das verduras que, em geral, concentram mais agrotóxicos.
  4. Diversifique nas hortaliças e frutas. Além de propiciar boa mistura de nutrientes, isso reduz a chance de exposição a um mesmo agrotóxico.
  5. Prefira produtos nacionais e de sua região. Alimentos que percorrem longas distâncias normalmente são pulverizados pós-colheita e podem possuir alto nível de contaminação por agrotóxicos. (fonte: Epagri).

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Biólogo - Importância Das Árvores Para Qualidade De Vida - São Paulo





Pois em PORTO ALEGRE já temos locais sem nenhuma árvore e pior sem pavimentação permeável ( piso que não absorve água), por isso ocasiona alagamentos!!