Mostrando postagens com marcador exóticas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador exóticas. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Conheça as frutas mais exóticas do mundo

Papples, em foto da Marks & Spencer cedida à PA

Papples são importadas pela Grã-Bretanha da Nova Zelândia
Uma nova fruta tem sido anunciada nas prateleiras de supermercados britânicos: a "papple", que apesar do nome - que soa como mistura de pera (pear) e maçã (apple) -, é na verdade o resultado de várias combinações de peras.
Recém-importada da Nova Zelândia, a T109 - nome da "papple" até que ela ganhe uma nomenclatura oficial - se soma a uma longa lista de frutas de estranhas cores, formas e sabores que o homem criou, por meio de cruzamentos e outros métodos, ao longo dos séculos.

Variações de ameixas

Muitas variações das ameixas foram criadas a partir do cruzamento dos frutos dos arbustos do gênero prunus, que inclui ameixeiras, cerejeiras, pessegueiras, damasqueiras e amendoeiras.
Os híbridos das misturas dessas árvores tendem a produzir frutas muito mais doces.
Uma delas é conhecida em inglês como aprium (mistura de damasco, do qual herdou o aspecto, e ameixa) e tem sabor de frutas variadas.

A mão de Buda

Originária do nordeste da Índia e da China, é um dos cítricos cultivados há mais tempo e tradicionalmente usado para fins medicinais - contra indigestão e dores de garganta - entre os chineses.
A mão de Buda (Foto: Kaldari - Wikimedia Commons)
Mão de Buda é usada para fins medicinais na China
A fruta tem dedos longos, crosta grossa e aroma forte. Não é consumida em várias partes do mundo porque não tem um centro carnoso.
A planta produz numerosas folhas de cor verde intenso e pequenas flores brancas perfumadas. O arbusto dá frutos do final da primavera até o final do verão.
Além das aplicações medicinais, a fruta serve para fazer marmelada e para condimentar pratos salgados ou doces. Na China também é um símbolo de felicidade e longevidade, e por isso é usada como presente no Ano Novo chinês.

Durian

Nativa do sudeste da Ásia, é conhecida por seu poderoso aroma, adorado por alguns e considerado repulsivo por outros.

A durian tem um aroma adorado por alguns e considerado repulsivo por outros
Mas não é apenas o odor que repele alguns consumidores: a fruta é cheia de espinhos em sua casca.
Em países como a Malásia, onde o durian é abundante, chamam-no de "o rei das frutas", por causa de seu complexo sabor - dizem que parece com uma mescla entre caramelo e queijo francês.
Quanto mais intenso seu odor, mais forte é o sabor.
Para alguns, esse cheiro é tão repugnante que algumas cidades asiáticas proibiram que o durian fosse comido no transporte público.
Existem 30 espécies diferentes de durian, que é rico em potássio, em outros minerais e vitaminas e que tem valor nutritivo semelhante ao abacate e à manga.

Lima dedo

Há quem diga que essa fruta se assemelha ao caviar, mas com sabor de lima.
A Citrus australasica é conhecida em alguns países como "caviar de lima", por causa das pequenas esferas suculentas com sabor de lima, que "explodem" na boca ao serem comidas.

A lima dedo é conhecida como "caviar de lima"
Tem a aparência de uma lima comprida, semelhante a um pepino. E tem várias cores: verde, preto, laranja, amarelo e rosa. É cultivada na Austrália e nos EUA, sendo usada por chefs famosos para temperar seus pratos e drinques.

Fruta milagrosa

Originária de Gana (oeste da África), essa fruta tem sido cultivada há séculos.
O gosto da "fruta milagrosa" faz com que as comidas mais insípidas se tornem mais doces - isso ocorre porque a polpa dessa pequena fruta contém miraculina, uma glicoproteína que engana as papilas gustativas, fazendo com que quem a prove perceba os alimentos como sendo mais doces do que realmente são.
Esse efeito se prolonga por 30 minutos a 1 hora após sua ingestão.
Em 1968, houve uma tentativa de extrair essa glicoproteína e processá-la em forma de pílula. Mas a agência americana que regula alimentos e medicamentos proibiu sua comercialização até que se realizem mais testes.
No Japão, a frutinha é usada como adoçante por pessoas que estão de regime.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Espécies exóticas invasoras boas ou más ? Globo Ecologia







Espécies exóticas invasoras são segunda maior causa de perda de biodiversidade no planeta

O Paraná foi o primeiro estado brasileiro a desenvolver um programa para controle e regulamentação da retirada de espécies exóticas invasoras, como forma de proteção da biodiversidade nativa e silvestre. As espécies trazidas de fora do país – chamadas espécies exóticas – são consideradas por organizações internacionais como a segunda maior causa de perda da biodiversidade no planeta.
“Elas dominam o espaço das espécies nativas, diminuindo a multiplicidade da flora e também da fauna”, disse o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Jorge Augusto Callado Afonso. O trabalho começou em 2005, com uma portaria do IAP, que permite a extração das espécies exóticas de Unidades de Conservação.
O Paraná foi o primeiro estado brasileiro a publicar uma lista com 57 espécies de plantas e 26 de animais considerados exóticos aos ecossistemas paranaenses. A portaria número 95, que reconhece oficialmente a lista, também aponta os tipos de plantios comerciais de espécies exóticas que devem adotar medidas preventivas de controle para que não se transformem em vegetação invasora.
“Hoje estas iniciativas são referências em toda América Latina”, afirma o diretor de Biodiversidade da Secretaria do Meio Ambiente, João Batista Campos, que coordenou o estudo pelo Instituto Ambiental do Paraná. Por meio da página do IAP na internet é possível ver a lista atualizada das espécies exóticas invasoras para o Paraná.


“Muitas pessoas não fazem idéia do quanto espécies exóticas comprometem a biodiversidade no Paraná. O papel dos órgãos ambientais é reforçar as iniciativas para proteção da biodiversidade nativa do nosso Estado”, disse o presidente do IAP, Volnei Bisognin.
Monitoramento – segundo a coordenadora do Programa de Espécies Invasoras para a América do Sul da organização não-governamental “The Nature Conservancy” e fundadora do Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental, engenheira florestal Silvia Ziller, o Paraná é o estado mais avançado da América Latina na erradicação de espécies exóticas invasoras.
“O Paraná é o estado brasileiro mais avançado em termos legais e no estabelecimento de procedimentos técnicos para a erradicação de espécies invasoras. Além disso, estamos orientando Santa Catarina, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Rio Grande do Sul a adotarem medidas semelhantes com base no Programa paranaense”, disse Sílvia Ziller.
Exemplos – especialistas do mundo têm visitado o Parque Estadual de Vila Velha para conhecer a ação pioneira do IAP na erradicação de pinus – espécie exótica que ameaça as características naturais da área. No ano de 2009, em apenas 70 dias de trabalho foram retiradas quase 500 mil árvores.
O objetivo da erradicação é devolver aos parques suas características naturais. “Queremos que a natureza seja o mais próxima possível do que era quando o parque foi criado, quando a vegetação predominante era o campo”, afirma a diretora de Biodiversidade e Áreas Protegidas do IAP, Márcia Pires Tussolino. A ação inclui a orientação dos produtores rurais da região e o monitoramento contínuo para evitar novas contaminações.
Outro bom exemplo é a parceria entre o IAP, Ibama e uma multinacional norueguesa que está resultando no maior programa de erradicação de espécies exóticas do Brasil em área de Mata Atlântica. Com orientação e apoio dos órgãos ambientais, a empresa irá recuperar uma área de 1.300 hectares de Mata Atlântica na Serra do Mar, no Litoral do Paraná.
O projeto Serra Nativa é desenvolvido na propriedade Fazenda Arraial, no município de Morretes. A fazenda integra uma Área de Preservação Permanente e faz divisa com a Área de Preservação Ambiental de Guaratuba, o Parque Estadual do Marumbi e o Parque Estadual do Pau Oco. A segunda fase do projeto, que inclui o monitoramento da área, para evitar que as exóticas se reconstituam, terá seis anos de duração.

domingo, 29 de abril de 2012

Produtores da serra catarinense apostam na fruta Physalis


Na serra catarinense, é época de colheita da fisális. A fruta é uma das apostas da região, que iniciou há quatro anos as pesquisas dessa cultura, que tem muito valor no mercado.


Para falar mais sobre frutas raras e exóticas, o Bom Dia Campo recebe o pesquisador e coordenador de projetos estação experimental Santa Luzia, doutor Arnaldo Moschetto.

fonte: canal rural