Mostrando postagens com marcador espécies exóticas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador espécies exóticas. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Assunto de Primeira: mercado de frutas exóticas



No quadro Assunto de Primeira, Otávio Ceschi Jr. conversa com o empresário do setor de frutas, Valdemar Makoto Aoki, que há mais de 40 anos trabalha com frutas exóticas como a pitaia, achachairu e uvas gourmet. Acompanhe!

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Colheita no Sítio 5 Irmãos e a primeira flor da jabuticabeira

Após mais de dez anos , a jabuticabeira apresentou a sua primeira flor 
Mudas de semente demoram para frutificar, as vezes mais de dez anos, diferente das mudas enxertadas que em dois anos já produzem, desde que adubadas e irrigadas.



Rebaixamento de copa do abacateiro produziu frutos






Segunda produção de carambolas no sítio
A carambola é um fruto de sabor doce e azedo de uma espécie de árvore nativa da Indonésia e Índia, denominada Averrhoa carambola. Esta árvore também é cultivada em outras regiões do mundo, como Colômbia, Guiana, República Dominicana, Brasil, Estados Unidos, no sul da Flórida e do Havaí.
A fruta tem coloração verde ou amarela e possui muitas vitaminas, minerais, antioxidantes e outros importantes nutrientes para a nossa saúde. É cultivada principalmente durante os meses de junho, julho e agosto e as suas formas de consumo são variadas e típicas de acordo com cada região.

As propriedades da carambola

Além de ser uma fruta muito saborosa e com poucas calorias (aproximadamente 35 calorias em 100g), a carambola é rica em nutrientes que fazem muito bem à saúde, como sais minerais (cálcio, fósforo e ferro); vitaminas A, do complexo B (tiamina, niacina, riboflavina, vitamina B6) e C; e substâncias antioxidantes que ajudam a combater a ação maléfica dos radicais livres.

Os benefícios da carambola

A riqueza de nutrientes da carambola proporciona inúmeros benefícios à saúde, dentre os quais podemos citar os seguintes:

  • Por ser rica em substâncias antioxidantes, o consumo regular da carambola pode retardar o processo de envelhecimento, combatendo os radicais livres que causam danos às células;
  • A carambola é rica em flavonoides que possuem efeitos anti-inflamatórios. Por este motivo, tem sido utilizada no tratamento de doenças de pele, como a psoríase e a dermatite atópica. Além das substâncias antioxidantes, a fruta também possui elevado teor de água, que ajuda a hidratar a pele, e propriedades anti-microbianas que atuam na prevenção da acne, espinhas e outras infecções de pele;
  • Rica fonte de fibra solúvel, a carambola ajuda a melhorar o processo de digestão, atuando nos movimentos intestinais e na prevenção da constipação;
  • Por ser uma fruta de baixo teor de açúcar, a carambola é uma boa escolha para pessoas que sofrem de diabetes;
  • A carambola fornece quase 57% da necessidade diária de vitamina C e, por isso, atua no fortalecimento do sistema imunológico, protegendo o organismo contragripes e resfriados;
  • A carambola também auxilia no combate à febre e atua contra escorbuto. Além disso, as suas sementes trituradas são usadas como um sedativo em casos de asma e cólicas.

Como consumir?

Geralmente, as frutas maduras são utilizadas em saladas, sucos e no preparo de gelatinas, geleias e caldas; já o suco de carambola é usado como tempero.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Espécies exóticas invasoras boas ou más ? Globo Ecologia







Espécies exóticas invasoras são segunda maior causa de perda de biodiversidade no planeta

O Paraná foi o primeiro estado brasileiro a desenvolver um programa para controle e regulamentação da retirada de espécies exóticas invasoras, como forma de proteção da biodiversidade nativa e silvestre. As espécies trazidas de fora do país – chamadas espécies exóticas – são consideradas por organizações internacionais como a segunda maior causa de perda da biodiversidade no planeta.
“Elas dominam o espaço das espécies nativas, diminuindo a multiplicidade da flora e também da fauna”, disse o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Jorge Augusto Callado Afonso. O trabalho começou em 2005, com uma portaria do IAP, que permite a extração das espécies exóticas de Unidades de Conservação.
O Paraná foi o primeiro estado brasileiro a publicar uma lista com 57 espécies de plantas e 26 de animais considerados exóticos aos ecossistemas paranaenses. A portaria número 95, que reconhece oficialmente a lista, também aponta os tipos de plantios comerciais de espécies exóticas que devem adotar medidas preventivas de controle para que não se transformem em vegetação invasora.
“Hoje estas iniciativas são referências em toda América Latina”, afirma o diretor de Biodiversidade da Secretaria do Meio Ambiente, João Batista Campos, que coordenou o estudo pelo Instituto Ambiental do Paraná. Por meio da página do IAP na internet é possível ver a lista atualizada das espécies exóticas invasoras para o Paraná.


“Muitas pessoas não fazem idéia do quanto espécies exóticas comprometem a biodiversidade no Paraná. O papel dos órgãos ambientais é reforçar as iniciativas para proteção da biodiversidade nativa do nosso Estado”, disse o presidente do IAP, Volnei Bisognin.
Monitoramento – segundo a coordenadora do Programa de Espécies Invasoras para a América do Sul da organização não-governamental “The Nature Conservancy” e fundadora do Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental, engenheira florestal Silvia Ziller, o Paraná é o estado mais avançado da América Latina na erradicação de espécies exóticas invasoras.
“O Paraná é o estado brasileiro mais avançado em termos legais e no estabelecimento de procedimentos técnicos para a erradicação de espécies invasoras. Além disso, estamos orientando Santa Catarina, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Rio Grande do Sul a adotarem medidas semelhantes com base no Programa paranaense”, disse Sílvia Ziller.
Exemplos – especialistas do mundo têm visitado o Parque Estadual de Vila Velha para conhecer a ação pioneira do IAP na erradicação de pinus – espécie exótica que ameaça as características naturais da área. No ano de 2009, em apenas 70 dias de trabalho foram retiradas quase 500 mil árvores.
O objetivo da erradicação é devolver aos parques suas características naturais. “Queremos que a natureza seja o mais próxima possível do que era quando o parque foi criado, quando a vegetação predominante era o campo”, afirma a diretora de Biodiversidade e Áreas Protegidas do IAP, Márcia Pires Tussolino. A ação inclui a orientação dos produtores rurais da região e o monitoramento contínuo para evitar novas contaminações.
Outro bom exemplo é a parceria entre o IAP, Ibama e uma multinacional norueguesa que está resultando no maior programa de erradicação de espécies exóticas do Brasil em área de Mata Atlântica. Com orientação e apoio dos órgãos ambientais, a empresa irá recuperar uma área de 1.300 hectares de Mata Atlântica na Serra do Mar, no Litoral do Paraná.
O projeto Serra Nativa é desenvolvido na propriedade Fazenda Arraial, no município de Morretes. A fazenda integra uma Área de Preservação Permanente e faz divisa com a Área de Preservação Ambiental de Guaratuba, o Parque Estadual do Marumbi e o Parque Estadual do Pau Oco. A segunda fase do projeto, que inclui o monitoramento da área, para evitar que as exóticas se reconstituam, terá seis anos de duração.

sexta-feira, 6 de março de 2015

Dia de Campo na TV - Controle e combate ao capim annoni

Capim-annoni, este é o nome mais conhecido do Eragrostis plana, uma das espécies invasoras de maior poder de infestação nos campos sul-brasileiros e que tem trazido prejuízos ao produtor rural. A infestação de pastagens por plantas invasoras, além de muito prejudicial aos animais, traz prejuízos econômicos. Para oferecer ao produtor uma alternativa para o controle de invasoras, a Embrapa Pecuária Sul desenvolveu a máquina Campo Limpo, projetada para o controle seletivo de plantas daninhas, inclusive gramíneas invasoras como o capim-annoni, espécie de alto poder de infestação nas pastagens.


Produção: Embrapa Informação Tecnológica e Embrapa Pecuária Sul
Responsável pelo conteúdo técnico: Naylor Bastiani Perez- pesquisadores
Produção e Roteiro: Manuela Bergamim- Jornalista
Cinegrafista: Rogério Monteiro e José Alves Tristão
Editor de imagem: Sérgio Figueiredo
Editor de arte: Joniel Sergio
Contatos: (53) 3240 4670
cppsul.sac@embrapa.br
www.cppsul.embrapa.br

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Espécies exóticas ao nosso ecossistema causam sérios riscos ao equilíbrio ambiental da natureza. RS



Publicado em 23/10/2012
Espécies exóticas ao nosso ecossistema causam sérios riscos ao equilíbrio ambiental da natureza. Principalmente porque estabelecem concorrência às espécies nativas. Nesta reportagem vamos conferir alguns casos de plantas exóticas e invasoras da flora gaúcha, presentes no nosso Bioma Pampa.

Jornalista Guilherme Castelli
Cinegrafista José Cabral
Viamão - RS