Mostrando postagens com marcador dicas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dicas. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

COMO CUIDAR DA SUA ORQUÍDEA PHALAENOPSIS


fonte: blog flores i flores
OrqudeaOlá a todos, esta semana diversos clientes que compraram nossas orquídeas Phalaenopsis nos fizeram a mesma pergunta: - Como faço pra cuidar dela? Devido a isso decidi postar hoje sobre "Como cuidar da sua Phalaenopsis".
Decidi escolher esta orquídea para fazer parte do banner da loja devido à sua beleza incomparável. Vamos saber mais sobre ela.
O gênero Phalaenopsis foi criado em 1825 por Karl Ludwig von Blume , ela foi batizada com esse nome a partir de duas palavras gregas “phalaina” (falena, mariposa) e “ópsis,-eos” (visão, ação de ver) . segundo Karl suas flores sparecem com as asas de mariposas.
Na época ele fez o estudo o exemplar utilizado na pesquisa foi da espécie Phalaenopsis amabilis, descrita algum tempo antes (1741 e 1750) pelo botanista holandês Georg Ebehard Rumpf (ou Rumphius).
No gênero Phalaenopsis estão catalogadas cerca de 50 espécies, a maioria epífita e ocasionalmente litófitas, distribuídas por toda Ásia tropical, sudeste da Índia e Nepal, Nova Guiné, norte da China, Taiwan e Austrália, mas é nas Filipinas que está concentrada maior riqueza de espécies nativas.

CARACTERISTICAS  DA ORQUÍDEA PHALAENOPSIS

Orqudea PhalaenopsisApresentam caule praticamente nulo com folhas largas e suculenta, onde é armazenada sua reserva nutricional, é monopodial, de crescimento sucessivo, possui raízes longas, grossas e flexíveis.
Sua floração ocorre a partir de uma haste que parte de seu caule e desenvolve suas flores no decorrer da mesma.

SUBSTRATO

O substrato pode ser composto por fibra de coco destratada, casca de pinus, carvão, casca de arroz carbonizada, semente de açaí carbonizada ou até mesmo uma mistura deles.
Deve ser mantido levemente úmido, não devendo ser encharcado, caso isso aconteça suas raízes apodrecerão e a planta morrerá.

LOCAL

É ideal para cultivo em ambientes fechados ou apartamentos, desde que o local tenha uma mínimo de ventilação natural e principalmente boa luminosidade indireta e esteja exposta a um mínimo de luminosidade solar filtrada entre 7 e 9 horas da manhã ou das 16hs até o anoitecer. Resolve-se isso colocando seu vaso sobre aparadores junto de janelas. No habitat de origem, as Phalaenopsis vegetam em baixas altitudes de florestas tropicais asiáticas onde a temperatura média diurna varia entre 28 e 35º C e noturna na faixa dos 20 a 24º C e sob luminosidade natural filtrada pela copa das árvores, sem incidir diretamente nas folhas, a não ser aquela ainda fraca do amanhecer ou anoitecer. Baseado nisso fica mais fácil seu cultivo em interiores ou exteriores.

REGAS E ADUBAÇÃO

A orquídea Phalaenopsis, como a maioria das orquidáceas, se desenvolve bem com boa umidade ambiente no substrato em vaso ventilado (vasos com furos nas laterais, mas nunca encharcado. Regas uma vez ao dia, preferencialmente no amanhecer ou entardecer, quando os estômatos (micro orifícios localizados na parte de baixo das folhas) nas folhas estão abertos e receptivos a nebulização úmida do ar absorve os nutrientes, o mesmo ocorrendo com os velames micro porosos que compõem todo o enraizamento da planta.
Para evitar acúmulo de água na junção de suas folhas, o ideal é cultivar a planta um pouco inclinada, principalmente nos casos em que se tenha muitos vasos, regando-os com esguicho ou aspersores.
Orqudea PhalaenopsisNa adubação de manutenção e crescimento há quem faça o uso de ADUBO CRISTALIZADO SOLÚVEL EM ÁGUA e que deve envolver além dos micronutrientes já incorporados na fórmula química, os macronutrientes N-P-K na proporção 10-10-10 ou 20-20-20. Para floração a composição muda para reforço maior em Fósforo (P) e pouca coisa a mais em Potássio (K)– válido para a maioria das orquídeas – na fórmula 10-30-20. Se na região onde você residir não tem a fórmula com esses valores, não é problema, compre o que encontrar desde que tenha proporção parecida ainda que apresente esses números reduzidos (aliás é o que mais encontramos no interior do Brasil nas lojas de jardinagem ou produtos agropecuários).
Adubação orgânica composta pela mistura de torta de mamona substituindo o Nitrogênio (ureia) químico (N), a farinha de osso ou de ostras substituindo o Fósforo(P) e cinzas de madeiras diversas no lugar do Potássio (K), são excelente variante de adubação para orquídeas. Apesar de orgânico, esses componentes devem ser usados com a mesma cautela ou cuidado quando usamos adubação química, tendo em consideração que o ideal é usar em quantidade mínimas ou homeopáticas a fim de evitar danos à sua planta.
Orqudea Phalaenopsis AlbaExemplificando: Se no folheto ou modo de usar do frasco diz uma colher de chá para um litro de água, diminua para uma colher de café, ou naquela quantidade maior, aumente em três vezes a quantidade de água, guardando em frasco plástico fechado (garrafa pet por exemplo) e com essa água molhe a planta uma vez ao dia, até que essa solução nutricional acabe. Lembre-se apenas de agitar o frasco antes do uso.
Agindo assim a orquídea não terá problema de super dosagem e intoxicação.

FLORAÇÃO E NOVAS MUDAS

A Phalaenopsis apresenta flores vistosas, coloridas, que variam do branco ao vermelho, passando pelo amarelo, creme-esverdeado, roxo, estriadas e incontáveis nuances de cores, pintalgadas ou não, principalmente nas espécies híbridas, plantas mais usadas para embelezar interiores.
São sempre trilobadas e podem apresentar diferenças de forma, considerando a origem de sua origem genética nos cruzamentos. Apesar da exuberância de suas florações seu perfume, se existir é praticamente nulo. Ainda não encontrei durante o dia uma Phalaenopsis híbrida perfumada. Diz-se que ela seria polinizada na madrugada por um tipo de mariposa (falena) que aliás, são insetos de hábitos noturnos, diferentes das borboletas que possuem hábito diurno. Qualquer dia desses vou acordar durante a madrugada para verificar e conto a você na próxima postagem (risos)!
Muda de orqudea Phalaenopsis
As orquídeas Phalaenopsis costumam nos presentear com uma nova floração na mesma haste floral onde tenha tido floração anterior, soltando nova inflorescência nos nódulos velhos (ou gemas), por isso, mesmo depois da floração recomenda-se não cortar a haste até que ela esteja totalmente ressecada.
Em algumas situações a planta pode desenvolver nesses nódulos velhos, novas mudas.
Alguns orquidófilos após a floração anterior, costumam medir cerca de um palmo (cerca de 22 cm) na haste floral a partir da base da planta, cortando ali. Em seguida cauterizam o ferimento com uma colher quente e/ou passam pasta de canela em pó úmida evitando germes oportunistas como fungos e bactérias.
Nesse pedaço de 22 cm de haste que ficou na planta costuma nascer outra haste floral. Borrifar solução de água filtrada com complexo vitamínico B ou hormônio enraizador (tiamina de boro ou 2 comprimidos de BENERVA esmagados e dissolvidos num litro de água - e ácido giberélico). Com o tempo poderá surgir novas mudas nos nódulos dessa haste. Somente destacar as novas mudas quando estas estiverem com as folhas duplas crescidas e apresentando enraizamento, replantando-as conforme já explicado acima.
DICAS FINAIS: Muitos orquidófilos usam canela em pó colocada na palma da mão e soprando-a sobre as raízes das Phalaenopsis, visando proteção contra fungos e bactérias, e dizem, obtendo melhor floração com a planta mais saudável.
Em breve postaremos como fecundar a flor da Phalaenopsis para ela criar o bulbo e gerar sementes
Caso queira aprofundar seus conhecimentos a respeito do cultivo de orquídeas leia também nossa postagem sobre Adubação de orquídeas

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Dicas bacanas para evitar a erosão do barranco


erosao
Hoje é dia de dicas bacanas – e de lidar com o risco de erosão em terrenos que sofreram cortes

Tânia Rabello
O pessoal que faz terraplanagem – ou terraplenagem? – geralmente não está nem aí. Quando fazem cortes no terreno como o da foto – que, inclusive, devem ser autorizados pela entidade ambiental oficial local, é bom lembrar -, deveriam pensar em um meio de evitar a erosão natural do terreno cortado. Fazem o corte e deixam tudo lá, aí o barranco cortado, a terra nua, vira literalmente um escorregador de água. E de terra. Estou falando isso porque no sítio de uma amiga minha ela estava enfrentando um problemão no barranco, quando chovia. A terra vinha abaixo mesmo, ajudando a assorear os cursos d’água da região. Com algumas dicas, inclusive do colaborador do Portal Orgânico, o Guaraci Diniz (que escreve todas as quintas-feiras neste blog, contando a rotina do seu sítio, o Sítio Duas Cachoeiras), está sendo possível evitar a erosão do barranco e ainda fazer um paisagismo bacana por ali. A foto mostra o barranco já em fase de recuperação, com degraus cortados na própria terra, que em breve receberão vegetação. Já falo da vegetação, aliás.

 
Amendoim forrageiro
Amendoim forrageiro
Bem, o jeito certo de fazer é o seguinte: deve-se medir a altura máxima do barranco, dividir esta altura em 4 e marcar as linhas onde deverão ser feitos vários degraus neste barranco. Com enxada mesmo é possível fazer isso. A largura do degrau deve ser de uns 40 centímetros. O grande segredo é que a plataforma de cada degrau deve ser inclinada para dentro do barranco. Isso porque quando a água desce morro abaixo e cai no degrau, em vez de escorrer pro próximo degrau (formando uma cachoeira na escada), ela fica represada no degrau e sua infiltração na terra fica facilitada. Ou seja, mais água escorre para o fundo da terra, o que ajuda a encher o lençol freático e facilita a conservação da água e o surgimento de nascentes. Essa inclinação também serve para diminuir a velocidade da água – água que corre veloz carrega mais terra e ajuda no processo da erosão.
gramado de amendoim forrageiro

Feitos os degraus, agora é hora de plantar. Guaraci Diniz recomendou semear, em linhas, aveia preta e amendoim forrageiro. Uma linha de aveia preta e na linha seguinte, a 20 cm de distância uma da outra, o amendoim forrageiro. A aveia preta cresce rápido, vai enraizar, cobrir o barranco e protegê-lo rapidamente enquanto o amendoim forrageiro, de crescimento mais lento, porém perene, trata de se espalhar sobre a superfície. O amendoim forrageiro é inclusive ornamental. Dá umas florzinhas amarelas lindas. Quando o barranco estiver lindo, já “reflorestado”, mando outra foto para vocês verem a diferença. Se tiverem alguma dúvida e quiserem fazer o mesmo, é só entrar em contato com a gente, no Portal Orgânico.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

CULTURA DA ABOBRINHA-ITALIANA



abobrinha

1 – INTRODUÇÃO
A abobrinha-italiana, também conhecida como abóbora-de-tronco, abóbora-de-árvore ou abóbora-de-moita, é uma planta com hábito de crescimento ereto, porém com caule herbáceo semelhante ao das demais plantas da família das cucurbitáceas.
1.1 Dicas culinárias
A abobrinha contém Fósforo, Cálcio, Ferro e celulose, além de pequenas quantidades de vitamina A, importante à visão e à pele, e vitaminas do Complexo B, que ajudam no desenvolvimento e crescimento.
O Cálcio e o Fósforo participam da formação de ossos e dentes, evitam a fadiga mental e ajudam na transmissão dos impulsos nervosos. O Ferro forma os glóbulos vermelhos do sangue e produz energia. Já a celulose é importante para o bom funcionamento das funções intestinais.
Na hora de comprar, dê preferência a abobrinhas bem firmes, de cor verde-brilhante ou amarelada, conforme o tipo. Evita as que estejam com rachaduras ou picadas de insetos.
Quando for preparar, evite descascar a abobrinha. No máximo raspe a casca com uma faca. Pequenos ferimentos na casca, sem apodrecimento, não comprometem sua utilização. Remova a parte ferida com faca e utilize o restante. Os frutos são consumidos com as sementes quando estas estão bem pequenas e macias.
Esse tipo de legume deve ser cozido no máximo por 10 a 15 minutos, sem acrescentar água, pois a própria água da abobrinha é suficiente para cozinhá-la, sendo que ela fica mais saborosa e mais nutritiva quando mais consistente.
Coloque água apenas na preparação de sopas e caldos.
Incremente o sabor do macarrão acrescentado pequenos pedaços de abobrinha cozida ao molho.
Os seguintes temperos combinam com a abobrinha: alho, cebola, pimenta, cebolinha verde, azeite, limão, vinagre, gergelim, manjericão.
A abobrinha é bastante empregada em saladas, refogados, suflês, frita à milanesa, recheada com outras hortaliças, queijo, ovos cozidos ou qualquer tipo de carne. E é excelente nas papinhas dos bebês, por sua consistência e fácil digestão.
Cem gramas de abobrinha fornecem média de 20 calorias.
Quando a abobrinha está bem nova e pequena, pode ser servida crua e ralada em salada ou com patês à base de ricota, maionese ou requeijão cremoso.
 abobrinha
abobrinha1
2 – VARIEDADES E HÍBRIDOS
Os frutos das cultivares existentes possuem coloração verde-clara e devem ser colhidos ainda imaturos, pois possuem maior aceitação por parte do consumidor. O mercado dispõe de seleções melhoradas da cultivar  caserta, bem como de híbridos. A principal vantagem dos híbridos é a maior precocidade em relação às variedades selecionadas.
As plantas das variedades e dos híbridos apresentam folhas mosqueadas e vigoroso crescimento vegetativo em forma de moitas. Ao comprar as sementes, é importante verificar qual a cultivar mais indicada para a época do plantio.
No grupo das abóboras de moita (abobrinha), as que melhor se prestam para o cultivo são: “Caserta”, “Cocozelli” e “Zucchini”.

Abobrinha "Caserta"
Abobrinha “Caserta”
Abobrinha "Zucchini"
Abobrinha “Zucchini”
3 – ESCOLHA DO LOCAL
Preferir solos com boa drenagem, ricos em matéria orgânica, com baixa acidez – pH entre 5,5 e 6,5 – e, de preferência, locais que já tenham sido cultivados com outras hortaliças (prática de rotação de culturas).

Germinação
Germinação
4 – ÉPOCA DE PLANTIO
Como a abobrinha-italiana não tolera temperaturas baixas, a época ideal de plantio é de agosto a março, podendo ser plantada o ano todo em regiões de clima quente ou ameno.

5 – CORREÇÃO DA ACIDEZ
Para corrigir a acidez do terreno (calagem), fazer antes a análise do solo para saber a quantidade de calcário a ser aplicada. A abobrinha-italiana é muito exigente em cálcio e magnésio e não produz bem em solos ácidos (pH abaixo de 5,5). Por essa razão, usar calcário dolomítico de boa qualidade e procedência.
O calcário pode ser esparramado a lanço na área toda ou nos sulcos de plantio, com antecedência de 30 a 60 dias do plantio.

Correção do solo
Correção do solo
6 – PREPARO DO SOLO
Uma aração bem-feita é suficiente. Gradear, se necessário, principalmente se for incorporar calcário ao solo. Em casos de terreno com declividade superior a 5%, recomenda-se adotar práticas de conservação do solo, como plantio em nível e construção de terraços em nível ou em gradiente, ou até construir faixas de retenção (terraços ou curvas em nível).
Abrir sulcos com espaçamento de 1,5 m entre as fileiras e 20 a 25 cm de profundidade.
Fazer as covas de plantio a cada metro linear de sulco, de forma que o espaçamento seja de 1,5 m x 1,0 m.
No plantio do período seco poderá ser utilizado o espaçamento de 1,50 m entre as fileiras e 70 a 80 cm entre as plantas, colocando duas plantas por cova.
abobrinha

7 – ADUBAÇÃO BÁSICA DE PLANTIO
A adubação deve ser calculada em função do resultado da análise de solo. Na ausência da análise, de modo geral, recomenda-se a seguinte adubação por cova:
- 1,5 kg de composto orgânico;
- 70 g de termofosfato ou de superfosfato simples ou, então, 100 g de fertilizante NPK 04-14-08 ou 04-16-08.
Misturar bem os adubos com a terra das covas. Fazer irrigação e aguardar 3 a 4 dias para efetuar o plantio.
Plantas 37 dias após o plantio
Plantas 37 dias após o plantio
8 – PLANTIO
 A propagação da abobrinha-italiana é feita pela semeadura direta, utilizando-se de 3 a 4 sementes por cova. A profundidade é de 4 a 5 cm. Tempo de germinação: 3 a 5 dias.
O semeio também pode ser feito em bandejas de isopor de 128 e 200 células, as quais deverão estar abrigadas em estufas. As mudas estarão prontas para o transplante quando tiverem de 4 a 6 folhas definitivas.
Como em todas as plantas da família das cucurbitáceas, primeiro surgem às flores masculinas, depois aparecem às femininas. Isso acaba provocando problemas de polinização e aborto de frutos. Para melhorar o processo de polinização, faz-se o plantio em fileiras alternadas, de modo que haja uma diferença de 17 a 20 dias entre as datas das semeaduras das fileiras. Isso permite uma melhor polinização e, consequentemente, um aumento da produção e produtividade.
Dica: mergulhe as sementes na água e só plante as que afundarem, descartando as que boiarem.
Germinação
Germinação

Broto
Broto
Muda em desenvolvimento em bandeja
Muda em desenvolvimento em bandeja
Planta em desenvolvimento
Planta em desenvolvimento
Flor feminino
Flor feminino
Flor masculino
Flor masculino
Fruto vigando
Fruto vigando
8.1 Plantio em vaso, você precisa de:
Vaso 40 x 40 cm  (1 para cada duas plantas)
Perlita  (quantidade necessária)
Terra preta ou húmus quantidade necessária
Sementes de abobrinha (6 a 8 por vaso)
Passos
1 – Misture partes iguais de terra preta e perlita para manter o substrato poroso e rico em nutrientes.
2 – O vaso deve ter um furo no fundo para permitir a drenagem necessária.
3 – Encha o vaso com a mistura. Faça dois pequenos buracos equidistantes no centro e coloque de três a quatro sementes em cada um.
4 – Cubra as sementes com um pouco da mistura. As sementes devem ficar a uma profundidade três vezes maior do que o seu tamanho.
5 – Regue abundantemente e mantenha o substrato úmido durante todo o ciclo de crescimento da planta.
6 – Depois de dois meses as plantas terão a primeira floração, darão os primeiros frutos e entre os três e cinco meses as abobrinhas mudarão de cor e a casca endurecerá.
7 – Colha os frutos quando eles já estiverem com a cor e a consistência de uma abobrinha madura. Corte-os deixando um pedúnculo de 2 a 3 cm.
Plantio em vaso
Plantio em vasoPlantio em vaso
Plantio em vaso

9 – ADUBAÇÃO DE COBERTURA
É importante que a adubação de cobertura seja feita de acordo com a recomendação baseada na análise de solo. Na ausência da análise, recomenda-se fazer quatro adubações, com intervalos de 15 dias entre uma e outra.
Na primeira adubação, aos 15 dias após o plantio, usar 20 gramas de sulfato de amônio ou nitrocálcio, por cova, e, nas demais, adubar com fertilizante NPK 12-06-12, aplicando 20 gramas por cova. Espalhar o adubo ao redor da planta, após a irrigação.
plantio 2
10 – TRATOS CULTURAIS
Quando o plantio for direto na cova, fazer o desbaste das plântulas quando elas tiverem 2 folhas definitivas, deixando 1 a 2 , mais vigorosas, por cova.
Manter a lavoura no limpo para evitar a concorrência de ervas daninhas.
Irrigar com frequência, assegurando a umidade do solo e o bom desenvolvimento das plantas. Manter a água da irrigação sob controle, evitando o encharcamento.
Fazer controle de pragas e doenças somente com produtos registrados para a cultura.
Obedecer às dosagens e à carência dos produtos utilizados de acordo com as recomendações do fabricante e ou orientações de um técnico.
A rotação de culturas pode ser feita com hortaliças folhosas, quiabo, feijão e outras leguminosas. Não faça consorciação com outras cucurbitáceas e com as solanáceas (pimentão e batata), mas sim com milho, acelga, amendoim, taioba, vagem e chicória.
Irrigação
Irrigação
11 .PRAGAS E MOLÉSTIAS
Entre as pragas a serem combatidas destacam-se os PuIgões; a Broca das hastes (Margaronia nitidalis); vaquinhas, lagarta-rosca ou a minadora. A doença mais comun é o Oídio, representada por manchas brancas com pó nas folhas e no caule; folhas murchas e amareladas é sinal da Podridão das raízes; placas verdes nos frutos representa a Antracnose e folhas novas deformadas e pouco crescimento da planta significa o Mosaico.

Mosaico Amarelo
Mosaico Amarelo
Mosaico Amarelo _ Fruto com deformações, tipo bolhas superficiais
Mosaico Amarelo _ Fruto com deformações, tipo bolhas superficiais
Podridão de Fruto
Podridão de Fruto
12 – COLHEITA
Inicia-se aos 40 a 50 dias após o plantio quando os frutos atingirem cerca 20 a 22 cm de comprimento e 4 a 5 cm de diâmetro com os frutos verdes ou verdes-claros e tenros. Recomenda-se fazer 2 apanhas por semana. Mas vc pode colher sua abobrinha do tamanho que desejar.
Lembrando que a abobrinha é desenvolvido corretamente é que abobrinha precisam de uma temperatura entre 20 e 30°C a crescer bem e dar frutos.
Colheita
Colheita
13 – CLASSIFICAÇÃO E EMBALAGEM
A classificação da abobrinha deve ser em função do tamanho e da qualidade  do fruto, conforme orientação a seguir:
- Extra, quando a boca da caixa contiver mais de 10 frutos.
- Especial, quando a boca da caixa contiver 8 a 10 frutos.
As abobrinhas devem ser acondicionadas em caixas de madeira tipo k, com peso de 18 kg.
A arrumação dos frutos deve ser feita em camadas. Novas alternativas de embalagens como caixas de papelão ou de plástico devem ser testadas e utilizadas.
EmbalagemClassificação
Classificação
Embalagem
Fonte:
CULTURA DA ABOBRINHA-ITALIANA (Eng. Agr. Georgeton S. Ribeiro Silveira; Eng. Agr. Sérgio Pereira de Carvalho; Departamento Técnico da Emater–MG)