Mostrando postagens com marcador como fazer uma horta. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador como fazer uma horta. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 28 de março de 2017

7 dicas para deixar sua horta mais produtiva




Plantar uma horta é uma tarefa recompensadora, mas que exige muita precaução para evitar o fracasso e o desperdício. O Projeto Interagir, patrocinado pelo programa Petrobras Socioambiental, preparou uma lista com cuidados que vão desde o trato das sementes ao uso do adubo correto. Veja abaixo:
1. Use sementeiras
Toda horta começa com uma sementeira, que são bandejas de isopor e plástico ou simplesmente copinhos descartáveis onde você vai produzir suas mudas. A terra , chamada de substrato, é diferente da terra das hortas e pode ser encontrada em lojas agrícolas. No substrato úmido devem ser plantadas, no mínimo, três sementes para garantir que pelo menos uma vingue.
2. Bom solo é fundamental
O local da implantação da horta deve ser plano, com disponibilidade de água e bem iluminado, o ideal é que fique exposto ao sol de quatro a cinco horas durante o dia. Para que a terra fique fofa, ela precisa ser revirada a cerca de 15 com de profundidade e precisa estar livre de pedras, mato e qualquer tipo de lixo.

Foto:©nixoncreative/iStock
3. Use brita e bidin
É aconselhado colocar uma camada de bidin (material que pode ser comprado em lojas agrícolas) sobre um pouco de brita no fundo do canteiro para melhorar a drenagem da água. Tomando essas preocupações, evita-se o endurecimento e o desmanche da terra.
4. Canteiros são práticos
Plantar as hortaliças em canteiros, ao invés de longas fileiras, é a maneira mais prática de cultivar sua horta. Os canteiros devem ser elevados entre 10 e 15 cm do chão e estar a, no mínimo, 40 cm de distância um do outro.
5. Plante na vertical
Se existe a possibilidade de plantar na vertical, não perca tempo.  Você pode apoiar frutas, legumes e vegetais como tomate, feijão, ervilhas, abóbora, melão em treliças, cercas e estacas. As plantas que crescem na vertical recebem mais circulação de ar ao redor das folhas, diminuindo assim a possibilidade de doenças provocadas por fungos.
6. Intercale culturas
Intercalar cultivos só traz vantagens ao jardineiro, uma vez que ele consegue colher variadas culturas em um mesmo canteiro. É preciso pesquisar, entretanto, quais plantios são compatíveis. Por exemplo, a colheita de alface pode ser seguida pela de rúcula, a de manjericão pode ser seguida por cebola e assim por diante.

Foto:©iStock/Zocchi2
7.  Use adubo orgânico
Para adubação de canteiros, os adubos químicos por serem prejudiciais à saúde e a natureza, portanto devem ser evitados. Recomenda-se o uso apenas de adubos orgânicos como húmus de minhoca, esterco curtido e terra vegetal.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Aprenda como plantar e cuidar de uma horta de temperos no jardim, em apartamento ou na casa de praia







Ter temperos fresquinhos sempre à mão faz toda a diferença na hora de cozinhar. Para isso, nada melhor do que ter uma horta em casa. Mesmo quem mora em apartamento pode aproveitar esta facilidade. Também vale construir uma horta no jardim da casa da praia. Os temperos mais comuns para serem plantados são alecrim, manjerona, manjericão, salsinha, cebolinha e sálvia.

Como plantar e regarAs mudas podem ser plantadas em qualquer época do ano, enquanto as sementes têm um período mais propício de vingarem, conforme cada espécie. O ideal é não fazer nenhum tipo de plantio ou rega no horário de sol muito forte, perto do meio-dia. A água fria em contato com a terra aquecida por causa do calor provoca uma diferença de temperatura que não é saudável. Já no inverno, durante dias frios e nublados é possível aguar as plantas no horário de almoço.
Para plantar, o melhor período do dia durante o verão é no final da tarde, quando os raios solares não estão tão fortes. "Nos primeiros dias a muda necessita de mais água", lembra Mônica Meyer, proprietária da Garten Meyer. Para saber a quantidade certa de água que a planta precisa é necessário tocar na terra. Com o dedo indicador mesmo, no melhor estilo "fura-bolo", porém com sutileza.  Em geral, um copo d´água é o suficiente. Se a terra estiver seca, é sinal de que é necessário colocar mais água. Se ainda estiver úmida pode esperar mais algumas horas. Mesmo em vasos, o ideal é que a planta seja regada direto na terra, como ensinam a paisagista Alessandra Bottari da Nacional Jardinagem e a proprietária da Garten Meyer. 
É importante também observar a qualidade da terra. Alessandra recomenda fazer a adubação duas vezes ao ano. Há produtos químicos (NTKS) e adubos orgânicos (húmus de minhoca, esterco de galinha). A paisagista indica a segunda opção. Mônica concorda em não usar os químicos,"porque o tempero será usado na alimentação". Ela destaca ainda outra forma bastante segura de ter uma terra de qualidade para o plantio: providenciar pacotes de terra pronta para uso.
Ao escolher o espaço que será destinado a mini-horta deve ser observada a incidência do sol. Plantas não sobrevivem sem os raios solares, porém se forem muito fortes ou por muito tempo elas podem ser queimadas. Segundo Mônica, o ideal é que sejam até quatro horas diárias de exposição ao sol. "Qualquer tipo de planta, inclusive hortaliças e temperos sempre precisam  ter exposição ao sol, principalmente o sol da manhã que é o ideal", explica a Alessandra. A paisagista afirma que até meio-dia ou uma da tarde ainda é válido. Se for impossível garantir as horas matinais, o sol de final de tarde pode ser uma alternativa.
Horta na casa de praiaA principal diferença de preparar uma horta na praia, além de garantir o sol pelo tempo adequado, é verificar as correntes de vento. "Vento demais prejudica, ele resseca a planta e queima as folhas", salienta a paisagista. Ela explica que se o solo for rico em nutrientes e adequado para o plantio, a areia que vem mesmo com o vento fraco não vai atrapalhar. Mas se houver muita areia junto da terra a muda será prejudicada: "Daí a planta não dura, tem que ser um lugar mais protegido, atrás de um muro por exemplo", indica Mônica. A profissional também sugere fazer a rega duas vezes ao dia se o local recebe muito vento.
Horta em apartamentoQuem deseja ter uma mini-horta em um apartamento vai precisar de vasos e floreiras. É preciso definir um local que pegue sol para acomodá-los. "Qualquer tipo de planta, inclusive hortaliças e temperos precisam ter exposição ao sol, principalmente o sol da manhã que é o ideal", explica a paisagista Alessandra Bottari, da Nacional Jardinagem. Portanto, o local escolhido deve ter ao menos quatro horas de exposição solar, preferencialmente durante a manhã.

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Como ter alfaces e outras hortaliças folhosas em mini espaços

Como não tem outro jeito de saber, o Ronaldo, chefe do viveiro, colocou as mãos na massa e resolveu fazer um teste para chegar a uma conclusão definitiva…afinal é com tentativa e erro que obtemos sucesso!
O que foi feito?
Primeiramente, foram colocadas sementes de as alface para germinar nas células das sementeiras (veja como montar uma sementeira aqui), assim como a chicória, as alfaces precisam passar por esta etapa, para que a germinação seja mais garantida.
Depois que as pequenas mudas de alface estavam com aproximadamente 15 dias, foi feito o transplante para pequenos vasos, em vaso foi colocado apenas substrato e no outro substrato + adubo (bokashi). Lembrando que todo vaso, mesmo os pequeninos, devem ter a drenagem e, neste caso, a drenagem deve ser baixa, senão usaremos muito espaço do vaso e não haverá espaço para a raiz crescer. Portanto, coloque um pouco de pedra brita ou argila expandida no fundo do vaso e cubra com manta de drenagem, depois coloque a terra. Se você usar a areia, a drenagem ficará mais alta.
Cada vasinho continha apenas 11 cm de profundidade e 9 cm de boca, costumados dizer que um vaso ideal tem no mínimo 15-20 cm de profundidade, ou seja, estes vaso são considerados bem pequenos.
Alfaces em substrato puro (esquerda) e em substrato adubado (direita) ©Sabor de Fazenda
Alfaces em substrato puro (esquerda) e em substrato adubado (direita) ©Sabor de Fazenda
Depois disto, deixamos as mudas crescerem sob sol pleno e olhem a diferença no desenvolvimento delas após 27 dias do transplante e 42 da semeadura:
Alfaces em diferentes substratos depois de 27 dias do transplante ©Sabor de Fazenda
Alfaces em diferentes substratos depois de 27 dias do transplante ©Sabor de Fazenda
A alface que cresceu em solo não adubado não se desenvolveu direito, porém a outra, sim. Vejam também que o adubo propiciou o desenvolvimento de alguns matos espontâneos, um bom sinal!
Depois de 27 dias o Ronaldo adubou ambos os vasos e deixou novamente as mudas se desenvolverem sob o sol, a única manutenção neste período foram as regas. Elas cresceram por mais alguns dias, porém a adubação tardia não foi suficiente para melhorar o crescimento da alface primeiramente sem adubo, vejam:
Alfaces com 82 dias após a semeadura e 67 após o transplante da sementeira ©Sabor de Fazenda
Alfaces com 82 dias após a semeadura e 67 após o transplante da sementeira ©Sabor de Fazenda
Com isto, a alface adubada desde o início já se encontra em ponto de colheita e consumo, porém a outra não se desenvolveu o suficiente (e não irá muito além). Alfaces demoram, em ambiente propício, 60-80 dias, desde a semeadura, para atingirem o ponto de colheita.
A que conclusão chegamos?
É possível cultivarmos hortaliças folhosas (não de raiz, como beterraba e cenoura) em pequenos vasos, porém só é possível se o substrato estiver adubado durante o plantio. Esta limitação no crescimento acontece porque a parte aérea da planta (as folhas) crescem proporcionalmente ao crescimento da raiz, e, se esse crescimento é limitado pelo pequeno espaço, a planta terá maior dificuldade de realizar seu ciclo de desenvolvimento. Portanto, uma planta crescida em pequenos/mini espaços terá um porte bem menor que as crescidas em recipiente maior ou direto no canteiro, não espere que a alface atinja um tamanho semelhante ao encontrado normalmente, senão você perderá o ponto de colheita e as folhas ficarão amargas.
Resumindo, quais os cuidados para manter hortaliças em mini espaços:
- A adubação inicial é essencial, assim como a adubação a cada 15-20 dias, podendo utilizar o bokashi.
- A rega tem que ser rígida, a hortaliça não pode sofrer por falta ou excesso de água.
- Sol direto em abundância é essencial, no mínimo 5 horas.
Certo pessoal!?
Av. Nadir Dias de Figueiredo, 395 – Vila Maria, São Paulo

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Biocompostagem Doméstica com Minhocas, transforme lixo em humus!



EcoMinhocas é a empresa de Paulo Diogo.  Pedimos ao Paulo Diogo se nos podia ceder alguma informação para colocarmos aqui no site do Terra Solta, de modo a podermos também contribuir para o conhecimento da Bio-Compostagem com minhocas, um método afinal tão simples, mas que suscita algumas duvidas na sua utilização doméstica como os cheiros, higiene, localização. O texto do Paulo Diogo esclarece-nos sobre essas duvidas.
Colocamos excertos do documento que o Paulo costuma ceder nos seus workshops.
"Através da criação da "Minhoca Vermelha Californiana" em modo intensivo,  fornece soluções para instalação de unidades de produção de "Humus de Minhoca" em explorações agricolas que pretendam substituir os adubos químicos por adubo orgânico, ou melhorar a qualidade do adubo orgânico utilizado, pois o "Humus de Minhoca" é o mais rico fertilizante natural existente, 100% biológico e totalmente higiénico." - Paulo Diogo
Porquê as Minhocas ?
As minhocas alimentam-se de matéria orgânica pútrida, são por isso saprófogas, nunca ingerindo matéria viva (algumas pessoas confundem-nas com lagartas e por isso têm medo que elas comam as raízes das plantas). Ingerem por dia o equivalente ao seu peso, em material húmido, previamente “cozinhado” por bactérias e fungos, tão importantes como as minhocas neste processo, sorvem a matéria pois não possuem dentes (não mordem). Dejectam sessenta por cento do que ingerem, sob a forma de minúsculos grãos negros, o Húmus!
Apesar do ar frágil e indefeso das minhocas, estas segregam através da pele, elementos químicos altamente complexos, que permitem eliminar patogénicos e higienizam o ambiente em que se encontram, eliminando por exemplo o odor.
De notar que da pele das minhocas são extraídos compostos conhecidos na medicina e na farmacologia pela sua grande capacidade de cicatrização e regeneração dos tecidos, bem como no tratamento de bronquite, asma e hipertensão. Até hoje, os cientistas, não descobriram nenhuma doença de que as minhocas possam sofrer.
Na “Biocompostagem Doméstica com Minhocas” assistimos a uma solução ambientalmente correcta em vários aspectos:
  • Os resíduos são reciclados junto ao local onde são produzidos, não criando assim mais custos no seu transporte e sobrecarga nos aterros.
  • Por outro lado, criamos uma forte valorização desses resíduos, tornando-os em produtos biológicos de alto interesse na revitalização dos solos, na fertilização biológica das plantas e protecção integrada de todo o ecossistema.
  • Todo este processo funciona em aerobiose (presença de oxigénio) não contribuindo para emissões de metano, como acontece em processos industriais de compostagem anaeróbica.
  • Tem ainda uma função fortemente reeducadora e responsabilizadora no ser humano, sobre os processos de reciclagem da matéria orgânica na Natureza, dando especial importância ao princípio do retorno (nos processos da Natureza não há lixo nem desperdício).

Biocompostagem de jardim com minhocas

Pode ser realizada em diversas caixas e contentores de diversos materiais e ainda em compostores de jardim em plástico.
Em termos práticos e para um jardim e ou horta, o melhor funcionamento consegue-se com caixas em madeira, podendo-se usar estrados de madeira tratada 1x1m à venda nas lojas de jardinagem e bricolage, estes têm espaços entre as ripas que permitem a respiração.
 É importante que a sua localização permita um fácil acesso, tanto na proveniência dos resíduos, como na utilização do produto final. A distância é um inimigo fata que com o tempo desencoraja a sua regular utilização.
Também muito importante é a disponibilidade de água, esta não tem de ser potável, mas desde que os animais domésticos a bebam, é boa. Nunca serão necessárias quantidades significativas, desde que se adoptem as protecções necessárias tendo em conta o clima da época, no entanto vai ser necessário certamente manter a cama húmida nos meses mais secos. Deve-se dar preferência a um local sombreado no verão e com sol no inverno. O sistema comprovadamente mais prático e que garante uma utilização continua, é constituído por dois biocompostores contíguos, em que as minhocas circulam livremente entre eles pelos intervalos da madeira.

Biocompostagem de interior com minhocas

Para mais Informações :
Ecominhocas - Minhocoeste - Bombarral ecominhocas@gmail.com 

O nosso obrigado ao Paulo , e é esperar que este texto se propague na Internet e contribua de alguma forma para mudar a consciência ecológica da sociedade.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Passo a passo - Horta Caseira Natural


  



Como fazer sua horta caseira de maneira simples e prática
  1. Escolha da área
  • Escolha locais iluminados, que peguem pelo menos o sol da manhã. (Locais escuros e mal iluminados, a planta não realiza a fotossíntese e não cresce adequadamente);
  • Próximo a fonte de água;
  • Distante 15 metros de fossas. (no caso de fossas revestidas com betão, a distância poderá ser menor);
  • Protegido contra ventos fortes.
  1. Vasos
·           Fazer pequenos furos no fundo do vaso para facilitar a drenagem do excesso de água;
·           Cobrir o fundo do vaso com uma camada de 5 cm de brita ou burgau de construção;
·           Colocar a terra;
·           Incorporar o material orgânico (restos vegetais como: capim triturado, restos de folhas secas, restos de culturas: milho, feijão, amendoim, etc);
·           Nivelar a terra;
·           Cobrir com capim seco;
·           Molhar diariamente para manter a umidade durante 15 dias;
Terra pronta para ser semeada;

 Obs: prefira vasos grandes e com profundidade de pelo menos 40 cm, pois permite plantar uma maior diversidade de culturas.
3.     Construção da Horta
  • Limpe o terreno (retire restos de construção, garrafas, latas, lixo, sacolas, etc);
  • Separem para ser incorporada a terra, restos de cultura como: milho, feijão e até mesmo restos de capim;
  • Mexa ou revolva a terra para deixá-la bem fofa;
  • Meça os canteiros com a fita métrica (1 metro de largura e x de comprimento);
  • Coloque as estacas e o fio de nylon ao redor dos canteiros, com objectivo de demarcá-lo;
  • Levante os canteiros;
  • Coloque restos vegetais (restos de folhas, capim, palha do milho, restos de folhas de feijão, amendoim, etc;
  • Revolva a terra;
  • Nivele o terreno;
  • Regue o canteiro;
  • Cubra-o com cobertura morta (capim seco);
  • Regue diariamente o seu canteiro até o 15º dia, período em que deverá estar concluída a decomposição da matéria orgânica;
Após 15 dias, se a terra estiver com cheiro agradável, pode semeá-la.
  
pneu velho canteiro de tijolos garrafa pet

Figura 1. Solução para pequenos espaços
3.     Como plantar e transplantar
Algumas hortaliças são plantadas diretamente nos canteiros, entretanto, existem outras cujas sementes devem ser plantadas em sementeiras (viveiros), para depois serem transplantadas para o canteiro definitivo. O plantio em viveiros oferece maior proteção e melhores condições para a germinação da semente, bem como o desenvolvimento das mudas. 
a.     Plantio direto
·       Após o período de preparo da terra, retire o capim seco e revolva a terra novamente; Consulte a tabela com as indicações do compasso (espaço entre as plantas);
·       Abra linhas de plantio e semeie a cultura desejada, respeitando-se o compasso;
·       Cubra com uma fina camada de capim seco, principalmente nos intervalos entre as linhas;
·       Se após a germinação, as mudas estiverem muito juntas, arranque algumas, tomando-se o cuidado para não danificar as raízes da planta que irá permanecer.
b.    Produzindo mudas
·       O viveiro de mudas pode ser feito em um pequeno canteiro, em bandejas de esferovite, caixote de madeira e copos descartáveis ou de jornal;
·       Consulte a tabela no final desta cartilha para verificar quais culturas necessitam fazer mudas;
·       A terra pode ser preparada da mesma forma indicada para o plantio direto;
·       Abra pequenas linhas de plantio e semeie as sementes em uma profundidade de 3 vezes o seu tamanho. Coloque 2 a 3 sementes em cada espaço da bandeja e/ou copo para garantir a germinação;
·       No caso de canteiros ou caixotes, colocar 2 a 3 sementes e deixar espaço de 3 dedos entre as plantas e 4 dedos entre as linhas de plantio, fechando as linhas em seguida;
·       Cubra com uma fina camada de capim seco;
Quando as mudas estiverem com 3 a 4 folhas definitivas, pode ser transplantado para o local definitivo.
Copinhos de Jornal Bandejas de esferovite e/ou plástico
Caixote de madeira Tubos de PVC
Figura 2. Produção de mudas (Copinhos de jornal, bandejas de esferovite, caixote de madeira e tubos de PVC)
a.     Transplantio
  • Quando as mudas atingirem 10 cm de altura ou apresentarem 3 a 4 folhas definitivas estarão prontas para o transplantio;
  • Retire-as com auxílio da pá de transplante, tomando-se o cuidado para não danificar as raízes e perder a terra;
  • Plante a muda nivelando-a com a terra do seu vaso/canteiro, preenchendo os espaços vazios com terra. Pressione levemente em torno da muda para eliminar os bolsões de ar.
Após o transplantio, cobrir com cobertura morta (capim seco) para proteger as plantas contra a radiação intensa e para manter a umidade da terra por mais tempo.


Figura 3. Fases do transplantio
3.     Escolha o que plantar
·       Para a escolha da cultura, temos que levar em consideração a sua melhor época de plantio, pois cada cultura se adapta a determinada condição (frio, calor, solos arenosos, argilosos, etc).
·       Verifique as condições locais e com auxilio do técnico, escolha a cultura que deverá ser plantada.
4.     Manutenção das hortas
·       Procure manter o vaso levemente húmido, sem nunca encharcar, já que isso poderia matar a planta e causar doenças.
·       Procure regar nos horários mais frescos do dia. A água é menos evaporada nesses períodos, sendo aproveitada melhor pelas plantas, e estocando melhor a água na terra.
·       Não jogue jatos fortes de água na terra nem na planta. Regule a força da água utilizando o dedo, pulverizando-a sobre as plantas e solo. Quando um jato de água é jogado diretamente na terra, a terra se endurece na superfície ao secar, impedindo a penetração de água no solo. O jato forte nas plantas causa quebra de folhas, e danifica as plantas.
·       Faça adubação em cobertura, ou seja, coloque novamente materiais orgânicos ou bokashi ao redor da planta para auxiliar o seu desenvolvimento. Nunca aplique bokashi sobre as folhas, pois pode queimá-las;
·       Procure sempre colocar bons sentimentos em todas as etapas do desenvolvimento da planta;
·       Ao presenciar um início de ataque de insetos, procure agradecer e consulte um técnico para saber a melhor medida a ser tomada para impedir a proliferação do mesmo;
·       Plantio de cenoura: quando as plantas estiverem com cerca de 5 cm de altura, faz-se o desbastamento (operação agrícola que consiste em arrancar, após a semeadura, as plantas em excesso, deixando as distâncias convenientes as que devem permanecer);
·       Tomate/Feijão verde: deve-se fazer o tutoramento (uso de varas para amparar e dar sustentação a arbustos, trepadeiras ou árvores flexíveis). No caso especial do tomate, fazer quando realmente for necessário;
·       Observe atentamente todas as necessidades da sua planta.

Voltar

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Grátis Manual de agricultura urbana, ensina o passo a passo.

horta_pallet

      Criado pelo Projeto Colhendo Sustentabilidade, a cartilha “Práticas comunitárias de segurança alimentar e agricultura urbana” traz diversas dicas para quem deseja iniciar uma horta, seja ela comunitária ou dentro de sua própria casa.
      O material, disponível gratuitamente on-line, começa falando sobre a importância da agricultura urbana para a produção de alimentos de qualidade e livres de agrotóxicos. Para que isso seja possível, no entanto, o projeto deixa claro que a participação das comunidades é essencial.
      O primeiro tópico abordado na cartilha é a compostagem. O manual fala dos benefícios desta prática para reduzir a quantidade de resíduos descartados inadequadamente e também de como os materiais orgânicos podem ser transformados em ótimos aliados no plantio. Assim, o leitor tem todos os detalhes de como fazer uma composteira caseira para produzir o seu próprio adubo ecológico.
      A segunda leva de dicas inclui a criação de um canteiro tradicionais para o início do plantio, bem como sugestões de um canteiro suspenso e uma horta vertical. Com o local preparado, o passo seguinte é plantar e com isso vem a preocupação com o controle de práticas. A cartilha mostra diversas opções naturais para substituir os venenos e agrotóxicos usados em plantações.
      Para quem quer dar um passo adianta e plantar em um espaço maior, o manual também disponibiliza as informações necessárias para a criação de uma agrofloresta, com os detalhes de quais espécies são ideais, como elas devem ser dispostas e quais resultados este sistema oferece.
      Por fim, o documento também disponibiliza receitas saudáveis e um guia prático sobre as plantas medicinais.
      Clique aqui para acessar a cartilha.               Fonte – Ciclo Vivo

sábado, 17 de setembro de 2016

Como criar uma horta orgânica no quintal de casa

Veja como é possível plantar frutos e verduras em casa

Já sabemos que a sustentabilidade está ligada a diversos fatores do nosso dia a dia: hábitos de consumo, mobilidade, estrutura física do prédio… A alimentação saudável também entra na lista de uma vida mais sustentável.  Por esse motivo, muitos estudiosos pregam que plantar os próprios alimentos é parte integrante desse processo, pois oferece uma comida mais fresca, limpa e livre de agrotóxicos. Mas a melhor parte mesmo é não precisar ir até o mercado para comprar, certo? Então hoje a gente mostra como um jovem americano resolveu aderir a esta prática substituindo o jardim que havia no quintal da sua casa por uma horta orgânica.
Confira a evolução da horta através das imagens abaixo:
Antes da horta, o jardim da casa era todo gramado. Colocando molduras de madeira, o proprietário montou pequenos espaços para as plantações e os encheu de adubo.
horta-organica-no-quintal-2
horta-organica-no-quintal-3
Com o crescimento acelerado das sementes, que logo começaram a brotar, foi preciso adaptar um pouco o espaço: o chão foi preenchido com pedaços de madeira, no qual foram semeadas folhas secas.
horta-organica-no-quintal-4
horta-organica-no-quintal-5
A irrigação é toda feita por um processo criado por ele. Na frente da horta, há também pedaços de concreto com sementes plantadas.
horta-organica-no-quintal-6
horta-organica-no-quintal-7
Pouco mais de um mês se passou e os vegetais começaram a parecer… A rúcula foi a primeira folha a brotar. Em seguida, o espinafre, beterrabas, cenouras e diversos outros vegetais: cebolinha, ervilhas, pimentões, pepinos…
horta-organica-no-quintal-vegetais
E a plantação foi crescendo de forma incrível, o que o levou a doar aos vizinhos o excesso que não poderia consumir. Criou então uma caixinha especial na horta orgânica, com o título “Vegetais de graça” para que as pessoas da vizinhança pudessem colher dali mesmo.
horta-organica-no-quintal-12
E não demorou muito para as flores começarem a brotar também, compondo o espaço e o deixando ainda mais verde e bonito.
horta-organica-no-quintal-1
Viram que bacana o exemplo do americano? Hoje ele tem toda essa variedade de alimentos na porta de casa, fresquinhos e na quantidade em que desejar. Tudo isso de forma gratuita e que beneficia a natureza, uma vez que evita o consumo em excesso, a saída de carro para o supermercado, o uso de sacolas plásticas etc.
Quem aí tem um quintal em casa ou no prédio? Uma horta coletiva para condomínios é uma bela pedida! :)
*Fonte e imagens: imgur.com

sábado, 10 de setembro de 2016

Usando a Borra de Café em Cultivo de Cogumelos

Extraído so site: http://flores.culturamix.com/

Dentre os inúmeros benefícios e utilidades citados acima para a borra de café nas plantas, o cultivo de cogumelos também é mais uma opção para utilizar e reaproveitar os restos de grãos de café. Abaixo mais algumas dicas importantes:
1-    Será necessário encontrar um pote de vidro ou recipiente para essa finalidade. Logo em seguida é preciso conseguir pequenas partes e pedaços de muitas plantas que estejam crescendo com os cogumelos já algum tempo. Isso é vendido em muitos locais de plantas.
2-    Aproveite antes de usar a borra, para tomar algumas xícaras de café. Procure colocar ela meio molhada dentro desse pote ou recipiente cuidadosamente e empurrando também os cogumelos com pedaços de plantas para junto da borra de café.
3-    Esse processo deve ser repetido diversas vezes, se possível toda vez que tiver oportunidade em colocar mais planta no local com borra de café. Pode ser feito toda vez que tomar uma quantidade de café.
4-    É importante procurar manter sempre que possível a borra bem úmida.
5-    Em alguns dias é possível ver os pequenos cogumelos crescendo lentamente. Porém, se acontecer mofo crescendo junto da borra, é importante remover esse bolor para que não afete os cogumelos.

Borra de Café: Vale à Pena? 

Vale muito a pena utilizar a borra de café para essa finalidade. O processo acaba sendo de certa forma bem econômico pois para comprar um adubo em uma loja de jardinagem, isso acaba sendo um pouco mais caro.
Ter a chance de tomar um delicioso café e reaproveitar os restos para conseguir uma plantação mais saída, forte e resistente é o sonho de qualquer um que adora cultivar plantas. O que é sempre bom lembrar é ter uma boa dose de equilíbrio para não deixar o elemento prejudicar a oxigenação do ambiente onde essas plantas irão ficar como já foi dito anteriormente.
De uma forma geral qualquer pessoa pode fazer uso de um pouco de borra de café para sua plantação. Quem nunca experimentou esse adubo natural e prático com certeza jamais irá se arrepender!