Mostrando postagens com marcador cisterna. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador cisterna. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Cisterna Já: saiba como armazenar a água da chuva na sua casa de um jeito simples e eficaz!


Atenção, católicos: a criação não é só um presente de Deus.

É um compromisso de gestão conjunta!

SHARES
11





Minicisterna domésticaPortal CMais
O papa Francisco, assim como Bento XVI e João Paulo II,manifestou em diversas ocasiões o seu incentivo a uma tomada de consciência mais profunda, entre os católicos, da importância depreservar o meio ambiente. A natureza deve ser entendida não apenas como um magnífico presente de Deus, mas também como um compromisso de gestão conjunta confiado à humanidade.

Um dos aspectos mais delicados dessa tarefa de preservação consciente diz respeito à água. Sua escassez é uma realidade cotidiana há muito tempo em dezenas de países. No Brasil, porém, sempre houve uma ideia generalizada de que a água doce é abundante e de que é pouco provável que ela venha a faltar.

Até que acontecem as crises hídricas...


CONSCIÊNCIA E MUDANÇA DE ATITUDE

A experiência vivida pela população de São Paulo nos últimos meses, por exemplo, acendeu todos os alertas. Como costuma ocorrer em situações críticas, viu-se uma grande mobilização popular para economizar água e tornar mais inteligente a sua captação e armazenamento para usos não potáveis, como descarga sanitária, faxina, irrigação de plantas e, mediante tratamento específico, até uso em máquina de lavar.

Depois que os noticiários passaram a informar que houve uma estabilização e até uma pequena recuperação dos níveis dos principais reservatórios, no entanto, a tendência que já se nota também é a costumeira: relaxar e voltar aos maus hábitos deinconsciência no uso dos recursos disponíveis.

Faz parte da vocação católica usar os recursos naturais e os bens materiais com prudência, responsabilidade e atitude de gratidão a Deus, garantindo que eles sejam compartilhados também pelas próximas gerações.


SOLUÇÕES PRÁTICAS E FÁCEIS

Iniciativas simples, acessíveis e eficazes podem (e devem) fazer parte da nossa mudança de postura, diante das evidências de que não estamos cuidando o suficiente dos recursos da criação. Uma das iniciativas mais práticas vem sendo proposta pelo Movimento Cisterna Já, impulsionado por cidadãos dispostos a participar dasolução e não apenas da lamentação.

O grupo é formado por pessoas ligadas à permacultura e ensina a captar e reaproveitar a água da chuva mediante a construção deminicisternas domésticas. A técnica pode suprir 50% do consumo de uma residência.

A minicisterna sugerida pelo movimento é um projeto desenvolvido por Edison Urbano.

Além da utilidade imediata, a adoção da técnica é um primeiro passo para compreender os cuidados e princípios básicos doarmazenamento de água da chuva de boa qualidade para os usos não potáveis. A partir daí, pode-se avançar para cisternas com maior capacidade de armazenamento e maior impacto sustentável, reservando-se o máximo possível da água tratada para o seu fim mais nobre: ser bebida.

Todas as informações e instruções, inclusive em vídeo, podem ser encontradas na página do Movimento Cisterna Já.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

MINICISTERNA PARA RESIDÊNCIA URBANA

PROJETO EXPERIMENTAL DE
APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA
COM A
TECNOLOGIA DA 
MINICISTERNA
PARA RESIDÊNCIA URBANA
MANUAL DE CONSTRUÇÃO E INSTALAÇÃO
Versão 1.1 (jan 2012)
CLIQUE PARA AMPLIAR
 
Introdução
Preocupados com a preservação do meio ambiente, a escassez cada vez maior de água potável, a grande falta de espaço físico nas residências urbanas e o desejo de fazer com que a população tenha algum sistema correto de Aproveitamento da Água de Chuva em suas casas, tomamos a iniciativa de criar e disseminar o projeto experimental de Aproveitamento da Água de Chuva com a tecnologia da Minicisterna para Residência Urbana.
Os principais objetivos desse projeto são:
  • fazer com que toda casa urbana tenha, pelo menos, uma Minicisterna;
  • usar a água para irrigações nos jardins. Assim, a água vai infiltrar na terra e irá para o lençol freático, preservando o seu ciclo natural;
  • usar a água para lavagens de pisos, carros, máquinas e nas descargas no vaso sanitário;
  • minimizar o escoamento do alto volume de água nas redes pluviais durante as chuvas fortes;
  • ser uma excelente ferramenta didática para as escolas.
Veja no desenho a seguir o esquema conceitual de um sistema correto e básico de Aproveitamento da Água de Chuva, onde é mostrado um modelo bem simples de filtro e separador das primeiras águas de chuva. Nesse modelo é usado uma peneira com malha fina, tipo tela mosquiteiro ou peneira grande de cozinha para barrar as sujeiras maiores; depois a água vai para um recipiente, que pode ser um vaso ou um balde com um registro instalado no fundo e um tubo na lateral conectado com a cisterna. O registro deverá ficar um pouquinho aberto para descartar as primeiras águas da chuva ou águas de chuvas fracas, que são as águas que vão lavar a atmosfera e o telhado. Após alguns minutos de chuva (forte), esse balde estará cheio e vai começar a transbordar a água da chuva, já bem mais limpa, para dentro da cisterna através do tubo lateral.
CLIQUE PARA AMPLIAR
Obs.: A água reservada na cisterna deve receber tratamento para evitar a proliferação de micro organismos que poderão contaminar essa água. O tratamento mais simples, barato e eficaz é com cloro de origem orgânica (cloro usado em piscinas). Quando adquirir o cloro lembre-se de solicitar ao fabricante ou revendedor informações sobre os cuidados e manuseios com esse produto.
IMPORTANTE - Nunca use a água de chuva para fins potáveis (como beber, fazer comida, lavar verduras, legumes, frutas, louças, tomar banho e lavar roupas) sem antes ter um laudo de um técnico sanitarista autorizando esse uso.
No desenho a seguir, é mostrado o esquema do Projeto Experimental da Tecnologia Básica da Minicisterna.
CLIQUE PARA AMPLIAR
Veja a seguir os Manuais de construção das três partes que compõe a Tecnologia da Minicisterna, que são o Filtro de Água de Chuva Auto-limpante, o Separador de Águas de Chuva e a Minicisterna (reservatório):
Obs.: nos Manuais foram usados tubos e conexões de 75mm por serem os mais usados nas tubulações pluviais para as residências urbanas, mas é importante saber que as dimensões dos tubos e conexões, podem ser de qualquer diâmetro, bastando que faça alterações seguindo as mesmas proporções ou conforme a necessidade. Para o reservatório, a Minicisterna pode ser construída com bombona (tambor) ou com caixa de água de qualquer tamanho, desde que tenha onde instalar.

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Tecnologias ajudam agricultores durante a seca no Nordeste

A seca já atinge mais de 700 municípios na região. Estar preparado para o período de estiagem pode fazer toda a diferença.
Jornal Nacional
Beatriz Castro
26/05/2012


Clique em cima da imagem para assistir ao vídeo.
Cumaru, PE - A seca já atinge mais de 700 municípios do Nordeste. Nessa hora de sofrimento por falta de água, estar preparado para o período de estiagem pode fazer toda a diferença.

Em Ibimirim, no sertão de Pernambuco, o Rio Moxotó é só uma lembrança. Em um sítio, em Cumaru, no agreste de Pernambuco, é preciso comprar água e palma, uma espécie de cacto que é a última reserva para os tempos mais difíceis.
Nem tudo é desolação no território da seca. Escassez e fartura convivem lado a lado. Com conhecimento e tecnologias simples e baratas, é possível atravessar o período de estiagem sem tanta necessidade e sofrimento.

No sítio de seu Luiz, a novidade é a cisterna telhadão. Ela consegue armazenar 52 mil litros de água que caem da chuva e seguem das telhas para o reservatório. A cisterna menor é o tesouro da dona Josefa. Tem água para beber e cozinhar por mais quatro meses de estiagem.

Os "canteiros econômicos" consomem pouca água. O solo é forrado com plástico. Só é preciso molhar de quatro em quatro dias através de uma abertura que mantém a umidade por mais tempo.

“O canteiro convencional vai gastar cinco vezes mais que o econômico”, diz o agricultor Luiz Eleutério de Souza.

Em outro caso, o capim cobre uma barragem subterrânea. No período de estiagem, um buraco é cavado de uma margem à outra do riacho com até quatro metros de profundidade. O buraco é coberto com uma lona plástica, como se fosse um paredão. De uma estação para outra, o riacho enche e volta a secar. Mas a barragem mantém a umidade do subsolo, possibilitando a plantação.

“Essas tecnologias têm feito com que os agricultores convivam com essa situação de escassez de água”, diz Adeildo Fernandes, técnico agrícola do Centro Sabiá.

”Vivo no céu, graças a Deus. Vivo bem tranquilo. Depois dessas tecnologias, não existiu mais seca para mim", comemora seu Luiz.

FONTE:  http://www.asabrasil.org.br

Rua Nicarágua, 111 - Espinheiro - 52020-190 - Recife/PE - Brasil
Tel.: (55) 81-2121-7666 - Fax: (55) 81-2121-7629

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Cisterna-calçadão, uma solução para a estiagem no RS?

Como é feita uma cisterna-calçadão? Confira neste vídeo o passo a passo na construção dessa tecnologia que vem sendo difundida no Semiárido, através do Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2), da Articulação no Semi-Árido Brasileiro (ASA).

"Os açudes secaram ou estão secando no interior do RS. As cisternas seriam uma solução?"
Alexandre