Mostrando postagens com marcador bh. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador bh. Mostrar todas as postagens

domingo, 10 de março de 2019

Viver em cidades arborizadas beneficia o cérebro

Imbuia: planta, provedora de sombra, foi incluída na lista de espécies ameaçadas no Brasil | Foto: Zig Koch/Divulgação/CR

Sólidas e serenas, vivas e vibrantes. As árvores produzem nas pessoas um efeito calmante e positivo. Mas viver perto desses gigantes verdes gera impacto muito concreto na saúde, especialmente nos habitantes das cidades, segundo novo estudo, divulgado pela BBC Mundo. E as consequências vão desde mudar a qualidade e a temperatura do ar a influir no funcionamento do cérebro.
O estudo destacou três efeitos saudáveis no corpo humanos ao se viver perto das árvores. O primeiro deles é a redução da matéria particulada, um dos piores tipos de contaminação.
Uma árvore reduz a chamada matéria particulada ao seu redor de 7% e 24%, segundo um estudo publicado recentemente pela The Nature Conservancy (TNC), organização não-governamental que trabalha em escala global para a conservação da biodiversidade. Sediada nos Estados Unidos, tem atuação em 69 países. A investigação avaliou o impacto das árvores em 245 cidades ao redor do mundo.
O contaminante material particulado pode ser classificado em dois tipos. O mais grosso tem 10 ou menos micrômetros (um micrômetro é a milésima parte de um milímetro) de diâmetro, ou PM 10, e resulta do pó da construção e das ruas, entre outras fontes. Mas o tipo mais prejudicial de material particulado é chamado PM 2,5. Ele tem diâmetro de 2,5 ou menos micrômetros e resulta da queima de combustíveis fósseis e madeira, entre outras fontes.
Essas partículas finas em suspensão podem penetrar profundamente nos pulmões e estima-se que causem 3,2 milhões de mortes por ano mundialmente, segundo o estudo. O material PM 2,5 está associado a um risco maior de acidentes vasculares cerebrais, problemas cardíacos e enfermidades respiratórias como a asma.
Trata-se de um problema verdadeiramente global. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou, neste ano, que cerca de 90% da população ao redor do planeta, que vivia em centros urbanos em 2014, foi exposta a níveis de material particulado que excederam as recomendações da organização.
O estudo publicado pela TNC destaca que, em ruas com muito tráfego, as árvores devem ser plantadas de maneira espaçada, para impedir que as copas reduzam a circulação de ar.
Graus - O segundo grande efeito é a redução da temperatura em até 2 graus centígrados. O impacto das árvores na temperatura é crucial, dado que as ondas de calor matam cerca de 12 mil pessoas por ano e dificultam a vida de milhões. “A mudança climática fará com que o impacto dessas ondas de calor nas cidades seja ainda mais severo”, afirma o documento.
A OMS estima que as mortes anuais por ondas de calor nas cidades podem chegar a 260 mil pessoas (leia-se 2015), a menos que os centros urbanos tomem medidas para se adaptar às novas condições.
“Muitos estudos científicos demonstraram que a sombra das árvores, além da transpiração durante a fotossíntese, contribuem para reduzir a temperatura do ar e consequentemente o consumo de eletricidade para ar condicionado”, afirma a investigação da organização não-governamental.
Espírito - O terceiro efeito positivo é o bem-estar psicológico. “Não posso cuidar da minha saúde e do meu espírito a menos que passe ao menos quatro horas por dia na floresta, totalmente livre de compromissos mundanos”, escreveu no século XIX o americano Henry David Thoreau em seu livro clássico Walden, que relata sua experiência de viver dois anos em uma cabana construída por ele mesmo às margens do lago do mesmo nome, em Massachusetts.
Um estudo já conhecido, liderado pelo psicólogo ambiental Roger Ulrich na década de 1980, comparou pacientes de um hospital da Pensilvânia que haviam sido operados da vesícula. Aqueles que estavam em quartos com vista para árvores se recuperaram mais rapidamente que aqueles que estavam em quartos com janelas voltadas para edifícios.
Cérebro - E um estudo recente de Gregory Bratman, da Universidade Stanford, na Califórnia, mediu o impacto no cérebro de caminhar durante 90 minutos na natureza. Um grupo que caminhou em meio a árvores foi comparado com outro que andou em uma rua com muito tráfego. As pessoas que andaram na rua tiveram um aumento da atividade de ‘ruminar’ criticamente sobre si mesmo ou sobre eventos do passado - padrão negativo de pensamento vinculado à depressão.
Aqueles que caminharam entre as árvores tiveram menos tendência de ruminar pensamentos. O estudo também incluiu análise por ressonância magnética do cérebro dos participantes e constatou que os que caminharam na natureza mostraram uma atividade menor na região do cérebro associada à autocrítica e ao isolamento social comum de quem ‘rumina em excesso’.
A importância das árvores nas cidades não pode ser subestimada. Ainda mais levando em conta que atualmente 54% da população mundial é urbana e que essa porcentagem chegará a 66% em 2050, conforme a Organização das Nações Unidas (ONU). “Em muitas cidades o departamento de saúde está de um lado e as árvores do outro”, observa Rob Mc Donald, um dos autores do estudo publicado pela TNC.
“Uma das metas do nosso estudo é recordar às cidades que esses dois departamentos devem colaborar. “Se isso acontecer, minha esperança é que veremos um renascimento das plantações de árvores em centros urbanos”, conclui Mc Donald.
Redação Jornal Correio Riograndense

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Trilhas do Sabor - Matos Comestíveis (#PANCS)- Ep. 46 - Parte 1




 Rusty Marcellini vai às ruas e praças de Belo Horizonte para encontrar 
espécies de plantas que nascem espontaneamente e são comestíveis. 
Descubra as devidas recomendações e cuidados para saber o que colher,
quando colher e como preparar os ditos "matos comestíveis", 
chamados pelos pesquisadores de hortaliças não convencionais.