Mostrando postagens com marcador azolla. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador azolla. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Azolla Biofertilizer



Bio fertilizer is a necessary for our future life. So we use bio fertilizer. save our nature. Let us revive organic forming.

Usando biofertilizantes orgânicos vamos salvar a natureza.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Cultivo de Azolla como alimento para o gado e adubação de pomar!

Bom dia! Bem interessante este estudo realizado na India, que traduzi através do google tradutor.
Na barra da esquerda do Blog, tem um vídeo mostrando a utilização da azolla na alimentação de animais e na adubação de pomares e hortas.





A população rural da Índia é mais de 650 milhões. Isso forma 74 por cento da população indiana. Destes 70 milhões de famílias - que constituem 73 por cento dos domicílios rurais - próprio gado ea renda do gado constitui 20 por cento de sua renda total. Nas décadas anteriores, os resíduos agrícolas que usou para formar a maior fonte de alimento para o gado reduziu substancialmente sua participação na proporção de alimentação do gado nacional. Isso é por causa da baixa taxa de palha de grãos de variedades de alto rendimento. A qualidade de palha também é nutricionalmente baixo. Com redução de pastagens e expansão das cidades, os produtores de leite marginal tem que depender mais e mais na alimentação do gado comercial ou pior permitir que o seu gado para eliminar os resíduos.


Azolla uma samambaia aquática que hospeda a alga azul verde - Anabaena um zollae, parece ter a solução

 para esta situação sombria. Durante décadas Azolla tem sido usado como bio-fertilizante em muitos países de arroz crescendo incluindo a Índia, Vietnã e Filipinas. Não obstante o seu potencial como alimento para o gado foi descoberto apenas recentemente. VK-NARDEP (Project Vivekananda Kendra de Desenvolvimento dos Recursos Naturais) Centro de Tecnologia de Recursos fez um estudo detalhado sobre essa dimensão da Azolla e também desenvolveu uma tecnologia de baixo custo para aproveitar plenamente esta dimensão de Azolla que beneficia principalmente os produtores de leite marginal.


A composição nutricional dos Azolla foi estudada por NARDEP equipe liderada por Dr.P.Kamalasanan Pillai e foi confirmado por CFTRI e NDDB, Anand. Azolla é muito rica em proteínas, aminoácidos essenciais, vitaminas (vitamina A, vitamina B12, beta-caroteno), intermediários promotor de crescimento e sais minerais como cálcio, fósforo, potássio, ferro, magnésio, cobre, zinco, etc Em termos de peso seco, Azolla é composto por 25 - 35% de proteína, 10-15% e minerais 7-10% de uma combinação de aminoácidos, substâncias bio-activas e bio-polímeros. Carboidratos e teor de óleo em Azolla é muito baixa. Além disso, Azolla pode ser facilmente digerida pelo gado, devido à sua alta proteína e baixo teor de lignina. Ensaios foram realizados por VK-NARDEP, com Azolla como um substituto alimentar em Tamil Nadu e Kerala. Ensaios em animais leiteiros mostrou um aumento global da produção de leite em 15-20% quando 2-3 Kg de Azolla foi combinada com a alimentação regular. 15-20% da ração comercial pode ser substituído com a mesma quantidade de Azolla em base seca, sem afetar a produção de leite. Constatou-se também que a alimentação Azolla melhora a qualidade do leite, a saúde ea longevidade dos animais. Junto com este potencial de biomassa no alto de Azolla, um rendimento de 1,000 MT / hectare, à taxa de 300 gm. / m² / dia, faz com que este ouvido em forma de anel alimentar samambaia verde ideal.

Fonte: Estudo NDDB em Anand


Em uma área tão pouco quanto 7 x 4,5 pés com folha Silpauline, alguns tijolos e água esterco misturado. O rendimento primeiro vem no sétimo dia seguido de rendimento quase diária de 1 a 1,5 kg. Assim, enquanto em termos de Azolla teor nutricional é quase similar à Spirulina, seu custo de produção é de apenas 25 paise por quilo de biomassa. No exemplo abaixo o uso de cultivo de folha de Azolla silpauline base está sendo julgado como uma intervenção com um fazendeiro que concordou em tentar Azolla em seu terraço própria casa. O objetivo era ver como a tecnologia Azolla, uma vez introduzida, fica integrado com a capoeira e atividades herdade através de resultados sustentados. O seguinte é os dados preliminares dos resultados da intervenção.

Nome do agricultor: Thiru.Manickavachagam

Intervenção começou em: 1 ª semana de Julho de 2005

Village: Kozhikodu pothai, Kanyakumari distrito

Possui: 3 vacas e dois vitelos [variedade híbrida]

Antes da intervenção:

Despesas mensais em alimentos para animais: Rs 3000

Despesas médicas: R $ 250

Quantidade de leite produzido por dia: 15 litros

Uso doméstico: 1 litro

Leite vendido: 14 litros, à taxa de Rs 9 por litro

Geração de renda mensal: R $ 3.780

Lucro líquido: R $ 530

Depois de Intervenção:

Despesas mensais em alimentos para animais: Rs 2700

Quantidade de leite produzido por dia: 18 litros

Uso doméstico: 1 litro

Leite vendido: 17 litros, à taxa de Rs 9 por litro

Geração de renda mensal: R $ 4.590

Lucro líquido: R $ 1.890

Aumento no lucro: 2,7 vezes



quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Azolla: A New Paradigm of the Future of Rice


Mariano Montano's picture
My research in Azolla-Anabaena (AA) began in 1980, when I joined the Institute of Chemical and Environmental Sciences at Escuela Superior Politécnica del Litoral (ESPOL) in Guayaquil, Ecuador. After many years of research and testing with various partners, the World Bank’s Development Marketplace funded “Converting Rice Fields into Green Fertilizer Factories” in 2008. I would like to share with you the successes of this project, which has the potential to change the paradigm of rice production in Ecuador.
Rationale
Rice in Ecuador is an essential and primary food for most of the population. The country harvests more than 300,000 hectares involving more than 140,000 families. Therefore it is important that rice is produced cost-effectively and in an environmentally sustainable manner. The production costs of rice depend on the type of seed, fertilizer and phyto-sanitary package used to control weed and insects, costs of labor, land preparation, rental equipment for seeding and harvest, and irrigation. The majority of fertilizers are chemical-based, involving heavy imports and causing environmental problems. More than 40% of the fertilizer applied is released into the environment, as plants cannot utilize 100%. In addition, purchases of imported chemical fertilizers for agriculture account for about 30% of current production costs.
The application of artificial nitrogenous fertilizer in rice cultivation represents drain of foreign exchange. It also contaminates the soil, surface water and groundwater, affecting the development of beneficial flora and fauna, and decreasing productive potential of the land in the long term. This situation creates a great need and at the same time opens a huge opportunity for an alternative fertilizer based on native resources, like AA, and its technical application.
Principal achievements
Azolla-Anabaena (Figure 1) is a tiny floating fern with small alternating leaves and simple roots that hang beneath the water; the cavities of its leaves shelter microscopic nitrogen-fixing Anabaena cyanobacteria (Figure 2. The AA symbiotic relationship represents a proven green bio fertilizer for rice (Figure 3) and many other Ecuadorian crops, such as bananas (Figure 4).
Figure 1Figure 2
Figure 3Figure 4

For centuries the Azolla-Anabaena fern has been traditionally used as a green fertilizer for rice in the lowlands of Vietnam and China, playing an important role in the economy of these countries. In the last 70 years, commercial agriculture globally has increased dependence on artificial chemical fertilizers, a technologically costly approach which is not sustainable and adversely impacts the environment and public health.
This project has permitted the cultivation of rice with the exclusive use of Azolla-Anabaena as a fertilizer. The trials produced an average production of 4.06 t/ha, an impressive result considering that the national average is 3.14 tons/hectare. Additionally, Azolla improves water quality, soil quality, and the health of workers.
As a result of project fieldwork, seminars, press, radio, television and internet, many citizens now recognize AA as a natural, sustainable and economic alternative to synthetic fertilizer.
Looking towards the future
My new goal is to extend Azolla-Anabaena to more sites, so that eventually it is used in all national rice cultivation, which covers some 400,000 hectares and affects over 140,000 families.
The Azolla-Anabaena story is now unfolding on many different levels in many places. The development and spread of AA in the Guayas Ecosystem (Figure 5) introduces a new paradigm of “tropical knowledge”.
The incorporation of Azolla into rice cultivation in the Guayas Ecosystem will play a strategic role in Ecuador as it will also provide fertilizer for agriculture, food for livestock, water treatment for the Daule, Babahoyo and Guayas Rivers, aquaculture industry improvement in the Guayas Estuary, fisheries stimulation in the Gulf of Guayaquil, soil enrichment, biota recovery, and carbon credits. In fact, several farmers, businesses, and projects focused on rice cultivation, banana cropping, cocoa plantations, cactus cultivation, pig farming and urban agriculture have begun to adopt Azolla in their farming practices.
Figure 5. Azolla: A powerful lever for transforming rice cultivation in Ecuador
Figure 5
In this table, I have also estimated the potential annual economic savings of using Azolla in agriculture, and related goods and services in Ecuador.
Product/ServiceUS$
Millions
Commentary
Fertilizer for agriculture 313 The ecosystem of rice farms along the coast has the capacity to produce fertilizer for all of Ecuadorian agriculture.
Food for livestock 200 The high protein content of Azolla makes it ideal as animal feed.
Water treatment 120 The use of Azolla in rice cultivation will serve as an immense and extraordinary natural water filter for the Daule, Babahoyo and Guayas Rivers.
Aquaculture improvement 150 The purified water will play a substantial role in increasing the value of shrimp mariculture.
Fisheries 60 Fish stocks and catch will increase in the Gulf of Guayaquil due to improving water quality.
Soil enrichment 20 Soil texture, porosity and organic material content will increase, thus raising its economic value.
Biota recovery 100 Decreasing use of agrochemicals will improve natural ecosystems, water quality and flourishing of natural biota.
Carbon credits 88 The application of Azolla in rice cultivation can be incorporated into carbon credit markets decreasing contributions to global warming.

Building on its success, the project has developed partnerships and mobilized additional sources of direct and in-kind funding from public and private sources, mainly local and central government, of an additional $545,000. I am very excited about the potential for scale-up of this project, and the consequent change in paradigm for agriculture in Ecuador.
For more information regarding this, please click here, or contact the author.

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Azolla, fertilizante natural que pode substituir o UREIA


 
Azolla é uma das sete espécies de samambaias aquáticos, único género na família Azollaceae. O que é necessário para a reprodução tem água e algum material orgânico, tal como o estrume de gado.





Ed.21 15 de abril a 15 de maio de 2011

Por: Departamento R.R.P.P. ESPOL programa Azolla

Os altos custos de ureia em algumas áreas agrícolas evitar que os produtores implementar este essencial para o desenvolvimento adequado do ingrediente vegetal, o que levou à Escola Politécnica da Costa de buscar alternativas de baixo custo para os pequenos produtores.

Mariano Montano, diretor do projeto Azolla Anabaena, executado pelo Instituto de Ciências Químicas ESPOL e financiado pelo Banco Mundial, disse que este é um projeto em que a aplicação de nitrogênio na agricultura, naturalmente, é estabelecida.

Research, Montano explicado Anabaena Azolla têm mostrado que pode transformar o azoto em substâncias orgânicas que são fertilizantes para plantas. Azolla é uma samambaia aquática que vive em simbiose com uma bactéria que é a Anabaena, e que os agricultores podem obtê-lo e jogar em seu próprio ambiente.

Tudo que eles precisam para reproduzir o especialista argumenta, é ter água e um pouco de matéria orgânica, como estrume animal.

Azolla, explica o técnico, cresce muito rápido, dentro de duas semanas e pode ter produto suficiente para fertilizar um hectare de arroz.


"Foi realizado um teste, semear arroz na América do Plano, uma parte com uréia, com este 4,5 toneladas por hectare foram alcançados, e outro com Azolla, com o melhor resultado foi obtido 7,7 toneladas por hectare, atingindo 56 % de ganho em peso de arroz ", disse o pesquisador.

As obras estão em exibição na província de Guayas no recinto Las Maravillas, El Mate, San Gabriel, El Porvenir e praias, onde os agricultores têm as suas próprias azollarios.

É uma alternativa ambiental proteger o solo, a água e o ambiente.

Ele pode ser usado em todas as culturas, bem como alimentos para bovinos e suínos, a Azolla tem 7% de nitrogênio em base seca, também serve para manejo do solo, salientou Montaño.

É o início de uma colheita de arroz orgânico e também o desenvolvimento de um novo Equador fertilizantes, uma vez que com isso o agricultor está economizando o custo de ureia samambaia.

Em Polvilhe diz, há uma tese em que foi determinado que o negócio de Azolla poderia dar uma taxa interna de retorno de 51%, é um grande negócio que pode ser aplicado de várias maneiras: é uma maneira de colher-lo e torná-lo seco e colocado broadcast, ou seja, é espalhar com as mãos; outra é deixá-lo desenvolver em conjunto com arroz, numa fase inicial os dois crescem o mesmo, mas em seguida, quando não recebe luz Azolla morre e a morte é transformado em adubo.

Outra pesquisa encontrados no site mostram que esta samambaia também pode ser usado na alimentação de porcos e patos, principalmente devido à sua taxa de crescimento e alta taxa de conversão de azoto para proteínas.





Mais informações:

http://www.cipav.org.co/cipav/resrch/livestk/piedad.
Gerente Dr. Mariano Programa Montaño Polvilhe Azolla
Tel: 097194947
www.azollazo.com

terça-feira, 19 de julho de 2016

Aprenda a fazer compostagem 100% vegetal e gere seu próprio adubo orgânico





Obs: Se você já está produzindo o Composto 100 % Vegetal, mesmo com alguma alteração no processo e nos materiais, ou se pretende iniciar a produção, pode entrar em contato conosco para compartilhar essa experiência pelo e-mail cnpab.monitoramento@embrapa.br

A Compostagem 100% vegetal utiliza matérias-primas renováveis e abundantes para obtenção de fertilizantes e substratos orgânicos, também conhecidos como adubos naturais. Aproveita resíduos e subprodutos de origem vegetal, que são isentos ou apresentam reduzida carga de contaminação química e biológica. É uma técnica muito simples, que pode ser utilizada com baixo custo e com reduzido emprego de mão-de-obra.

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Azolla: a planta que pode ajudar a combater o aquecimento global



0

   

Azolla cultivada em laboratório. IRRI Images via Wikimedia Commons
Artigo original por Jennifer Huizen, em 15/07/14
Há 55 milhões de anos, quando os cientistas acreditam que a terra se encontrava em um estado de quase caos, perigosamente aquecida por gases estufa, o Oceano Ártico também era um lugar muito diferente. Era um grande lago, conectado com oceanos maiores por uma abertura primária: o Estreito de Turgai.
Quando este canal se fechou ou foi bloqueado cerca de 50 milhões de anos atrás, o corpo de água fechado se tornou o habitat perfeito para uma samambaia de folhas pequenas chamada Azolla. Imagine o Ártico como o Mar Morto de hoje: era um lago quente que se tornou estratificado, sofrendo por falta de trocas com águas externas. Isto significa que a água se tornou carregada de nutrientes em excesso.
Azolla tirou vantagem da abundância de hidrogênio e dióxido de carbono, dois de seus alimentos favoritos, e se espalhou. Grandes populações formaram tapetes grossos que cobriram todo o lago. Quando a precipitação de chuvas passou a aumentar, graças a mudanças climáticas, enchentes criaram uma fina camada de água fresca para a Azolla se espalhar para fora, em partes dos continentes nos arredores.
Azolla surgiu e desapareceu em ciclos por aproximadamente um milhão de anos, cada vez acrescentando uma camada adicional de sedimentos ao grosso “tapete” formado por eles, que foi encontrado em 2004 pela expedição Arctic Coring.
O fato de que esta planta só precisa de pouco mais de uma polegada (2,5 cm) de água para crescer faz com que todo o cenário pareça ter sentido – isto é, até você saber o quanto de dióxido de carbono esta planta faminta absorveu no decorrer destes milhões de anos.
“Cerca da metade do CO2 disponível na época” disse Jonathan Bujak, que estuda poeira e partículas finas de plantas como um palinologista. “Os níveis despencaram de 2500-3500 [partes por milhão] para entre 1500 e 1600 PPM.”
Enquanto o que acabou a era Azolla ainda é incerto, os 49 milhões de anos seguintes viram a terra cair em um ciclo que causou ainda mais quedas drásticas nos níveis de CO2.
Os continentes ao sul se separaram, e, enquanto a América do Sul e a Índia migravam para o norte, a Antártica se tornava isolada e cada vez mais fria, absorvendo mais CO2 e criando correntes de ar frio que perpetuavam o gelo. Uma sucessão de eras glaciais foi iniciada assim que o CO2 atmosférico caiu para menos de 600 PPM, há aproximadamente 26 milhões de anos, apenas 200 PPM acima da estimativa atual.
Eras glaciais cíclicas começaram, alternando entre 10 mil anos de glaciação massiva, seguidos de uma pausa de 10 mil anos. Na metade do século 18, o CO2 atmosférico estava a uma concentração de 280 PPM.

Encontrando usos modernos para uma planta heroica
“O que é realmente incompreensível”, disse Bujak, “é que os processos do nosso planeta de resfriamento e queda de CO2 levaram 50 milhões de anos para acontecer. Agora, estamos revertendo isso em uma questão de séculos”.
O que sabemos sobre as funcionalidades da Azolla ainda é superficial, mas pessoas ao redor do mundo, como Kathleen Pryer, uma professora da Duke que idealizou o sequenciamento do genoma desta pequena samambaia, vem encontrando formas criativas para explorar suas possibilidades. Alan Marshall, um ex-radiologista vivendo na Tasmânia, Austrália, é apenas um exemplo de cidadão-cientista que acredita queAzolla pode ajudar o planeta a encontrar um equilíbrio.
Após dois sofridos anos como um radiologista voluntário no leste africano, Marshall começou a ver que os avanços tecnológicos não são sempre conseguidos por um bom preço. Ele passou a pesquisar meios de empregar o que ele chama de tecnologia alternativa apropriada.
“’Alternativa’ significa que, em oposição á tecnologia industrial cara e que só pode estar disponibilizada quando se tem uma equipe de manutenção, você emprega um meio local e mais simples para realizar o mesmo trabalho.” disse Marshall. “’Apropriado’ leva em consideração o que o povo local vai aceitar de acordo com suas necessidades, tradições, religião, capacidade técnica, etc”.
Marshall estava procurando por um método de tratar a água das pias e da banheira de sua casa, para que pudesse ser usada em seu jardim, quando ele encontrou aAzolla.
“Eu estava no jardim de um vizinho, quando notei uma planta rosada nascendo na superfície de sua lagoa; peguei uma amostra, levei pra casa e pesquisei sobre ela na internet.” Disse Marshall. “Quando descobri que era uma espécie de Azolla, e que ela podia remover fosfatos e nitrogênio da água, pensei que isto poderia ajudar.”
Ele começou a experimentar com Azolla como parte de um sistema de filtragem e compartilhava seu projeto na internet com outros entusiastas da planta e de tecnologia alternativa. Marshall criou um sistema de filtragem de três partes que é efetivo em eliminar o cheiro da água suja, mas não em remover patógenos e vírus.
Ele disse que o desenvolvimento desses mecanismos simples e de pequena escala é ideal como uma tecnologia alternativa, mas também pode ser adaptado para um sistema maior. Este é o motivo pelo que se precisa tanto de profissionais da área para guiar trabalhos futuros.

Coma sua Azolla, faz bem pra você
Outros indivíduos experimentaram com os aspectos alimentícios da Azolla, incluindo Andrew Bujak, um chef, filho de Jonathan Bujak. Andrew vem cultivando-as em sua casa, no Canadá. Inicialmente interessado no conceito de slow-food, um movimento italiano que surgiu em oposição à crescente influência das empresas de fast-food, como o McDonald’s, Bujak pensou em um uso pessoal para a Azolla.
“Eu percebi que ela não era apenas uma boa fonte alimentar, sendo nutritiva e praticamente sem sabor, mas também pode ser cultivada por qualquer um, em (quase) qualquer lugar do planeta. Ela é fácil de encontrar, seja online ou em lojas de aquários. É só adicionar água, literalmente”, afirmou Bujak, com uma risada. Quando pedido para descrever o sabor da planta, Bujak a comparou com uma folha de grama.
Azolla cresceu não apenas no Canadá, mas quase em todos os lugares do mundo, segundo Bujak, então, ela é naturalmente adaptada para muitos climas e regiões diferentes. Isto faz com que seja fácil que as pessoas possam simplesmente pegar a planta e usá-la.
“Talvez você seja um pequeno fazendeiro em Alberta e você queira cortar gastos e diminuir a emissão de carbono”, disse Bujak. “Cultive Azolla. Agora você tem um fertilizante valioso, uma fonte de alimentos para seu gado e algo para você mesmo comer.”
Ele adicionou que Azolla também pode ser um superalimento no futuro, tanto por causa de seu valor nutritivo quanto pela quantidade mínima de espaço que ocupa.
“Mesmo se nós as cultivarmos em safra, nós não iriamos estar desperdiçando áreas agricultáveis. Ela seria simplesmente adicionada a sistemas já existentes, como as que são usadas agora em lavras de arroz”, declarou Bujak. “Em situações onde a terra para cultivo de alimentos é extremamente limitada, Azolla oferece muita nutrição para pouco terreno. Já está sendo pesquisado até mesmo seu uso no espaço!”
Bujak relatou que seu próximo projeto é recriar nori, tiras secas e compressas de algas marinhas, utilizando esta planta. Atualmente, Azolla pode ser encontrada como nutracêutico [junção de “nutricional” e “farmacêutico”] no Canadá, em cápsulas ou em pó, com a afirmação de ser um antioxidante e de trazer outros benefícios gerais à saúde, mas ainda não foi aprovada nos Estados Unidos. Bujak afirmou que não vai demorar até que isto aconteça.
“Essa planta é tão incrível, em todos os sentidos”, ele disse. “Eu não ficaria surpreso com nada que fosse descoberto sobre suas capacidades”

A China se torna favorável
Duas semanas atrás, o Instituto de Genômica de Pequim (BGI), dono da plataforma de sequenciamento mais sofisticada do mundo, concordou em adotar o projeto de Pryer para financiar o mapeamento do genoma da Azolla. Até este ano, os mistérios do passado desta planta e suas aplicações para o futuro poderão se tornar dados de acesso aberto.
Gane Ka-Shu Wong, uma das fundadoras do BGI, que também ensina na Universidade de Alberta, no Canadá, disse que a origem pouco ortodoxa do grupo combina, de algumas formas, com o projeto de Pryer. Enquanto trabalhava no projeto Genoma Humano, no final dos anos 90, Wong começou a pensar que o processo de ciência tinha se tornado muito institucionalizado.
“O sistema de recompensa de um governo típico ou de um laboratório universitário é muito focado no indivíduo, não na equipe”, declarou Wong. Se juntando com outros cientistas que pensavam o mesmo, Wong procurou um lugar para abrir suas portas.
“Nós decidimos que, se quiséssemos mudar essa cultura, nós precisaríamos ir para um lugar em que praticamente não houvesse competição, na época”, disse Wong. “Na década de 90, um lugar era muito, muito diferente do que é hoje – esse lugar é a China”.
Sabendo que o genoma humano estava prestes a ser decodificado, a equipe rapidamente se mudou para o outro lado do oceano. Para a surpresa de seus colegas, eles conseguiram terminar sua contribuição de 1% a tempo.
“Nós provamos que conseguíamos, então nós crescemos rapidamente. O governo ficou interessado, empresas privadas ficaram interessadas, e, de repente, nós nos tornamos importantes”, relatou Wong.
Agora fornecendo testes hospitalares, além de oferecer um enorme espectro de outros serviços biológicos, a empresa logo começou a gerar lucro.
“Começamos a usar dinheiro de projetos comerciais para financiar o que chamamos de ‘ciência divertida’”, disse Wong, se referindo aos projetos que despertam a curiosidade de cientistas apenas porque respondem a uma pergunta, não necessariamente servindo a uma função econômica.
“Basicamente, somos um bando de cientistas que amam a ciência e querem ganhar a vida. Até então, está dando certo”, disse Wong. “Nosso objetivo é levar estas informações ao público para que o máximo de pessoas possa ter acesso”.
O BGI também vai focar em desvendar a relação complexa entre Azolla e as cianobactérias que são suas companheiras próximas, algo que o BGI vê como um elemento chave no uso futuro da planta e na extensão dos estudos.
Outros que vêm trabalhando com Azolla por décadas estão entusiasmados com a notícia.

Uma fortuna no futuro de uma plantinha?
“Este conhecimento vai nos dar controle sobre a Azolla de um jeito que não tínhamos antes”, disse Francisco Carrapico, da Universidade de Lisboa. “Nós poderemos aumentar a captura de carbono e a fixação de nitrogênio, ou dar propriedades da Azolla para outras plantas. Até encontramos compostos químicos naAzolla que param a divisão celular. A questão quase chega a ser ‘precisamos encontrar o que esta planta não consegue fazer’”.
Esta planta tem, sim, um problema, que vem dando a ela uma má reputação em partes da Europa e a designação de erva-daninha na América do Norte. Azolla pode,como a maioria das algas, formar enormes proliferações, como ela fez há 49 milhões de anos, no ártico, asfixiando toda a vida de baixo.
Mesmo nesses casos, Jonathan Bujak argumenta, “a proliferação é um sintoma”, normalmente causado por níveis altos de nitrogênio.
Enquanto Pryer diz que suas motivações para pesquisar Azolla são, em maioria, acadêmicas, ela certamente vê o potencial para que o empreendedorismo cresça em volta da planta no futuro.
“Nós queríamos um genoma para o povo, pelo povo”, disse Pryer, com um sorriso. Mas, outros pensam em algo além do aprendizado acadêmico, aplicações ambientais ou industriais que serão possíveis com o trabalho de Pryer.
Azolla me fez perceber que as coisas na vida são muito diferentes do que nos ensinam que seja”, disse Carrapico. “A vida é como a internet: Tudo está conectado invisivelmente, mas nós nos esquecemos disso. Não vemos como impactamos uns aos outros. Podemos olhar para essas conexões e, através da biologia, investir em mudanças que irão melhorar o mundo que deixaremos para o futuro”.
A busca por financiamento para pesquisas adicionais já terminou*, mas este certamente não é o capítulo final na saga da Azolla, uma história que começou muito antes de os humanos habitarem o planeta e, provavelmente, continuará até bem depois de nós irmos embora.

*Azolla genome Project recebeu doações através deste site até o dia 17/07/2014, quando atingiu 147% do valor que era preciso.

Compartilhar
   
Artigo anterior(Sem) escape de Alcatraz

Oi. Tenho 17 anos e sou de Campina Grande, na Paraíba. Aficionado por biologia e (quase) tudo que ela engloba, pretendo me formar em biotecnologia.