Mostrando postagens com marcador alegria. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador alegria. Mostrar todas as postagens

domingo, 2 de abril de 2017

Alecrim: o chá que alegra a alma e cura o corpo



alecrim-chá
O alecrim (Rosmarinus officinalis) é um arbusto perene, com lindas flores pequeninas (azuis, rosas, brancas), fortemente aromático, originário das encostas ensolaradas da região mediterrânica. O seu nome, rosmarinus, significa “orvalho do mar” e assim foi denominado pelo forte aroma que exala quando cresce livre e espontaneamente. É com esse aroma, e não só, que o alecrim alegra a alma e cura o corpo.
Esta é uma erva solar, não só porque adora estar a pleno sol mas também porque eleva a sensação de bem estar de quem a usa.
Seu uso culinário, medicinal e religioso remonta, pelo menos, à Idade Média, quando já era usado como defumador tanto em rituais como para a cura de determinadas doenças (ou para espantar os espíritos que as originavam) e também como condimento alimentar, em alcoolatos como tônico, temperando vinhos e licores.
É muito fácil de cultivar do alecrim, pois basta você fazer estacas dos ramos mais grossos deixando sem folhas a parte que vai na terra. Esta é uma erva rústica, que não gosta de muita água mas não prescinde dele também, aguenta solos pedregosos e se dá bem em solos calcários, mas não gosta de vento, portanto, mantenha o seu pé de alecrim num canto mais protegido. Alecrim adora sol direto e não aceita poda ou corte de seus ramos, antes dos 2 anos de idade, mesmo que seja para um chazinho (se for preciso, tire sempre só as folhas, de baixo para cima, as mais velhas, nunca as das pontas.
A flor do alecrim é muito procurada pelas abelhas que, com seu néctar produzem um mel de qualidade excepcional e que mantêm as propriedades curativas atribuídas à planta que o origina.
Na medicina popular o alecrim é associado, há séculos, à manutenção da boa memória, fato esse que vem sendo estudado pelo médico Chris Van Tulleken, e que você pode ler no nosso artigo anterior sobre esta planta.
Mas também para “levantar o ânimo”, ajudar você a ultrapassar aqueles momentos mais difíceis e tristes da vida, “dar a volta por cima” e adotar a resiliência como filosofia de “bem viver”. Também é ótimo para “aligeirar o coração pesado” para o que basta você colocar um ramo de alecrim numa jarra de água e ir tomando essa água aromatizada durante o dia.A verdade é que o consumo do chá de alecrim, ou sua água aromatizada, tem um efeito tão bom que, pode-se dizer, “alegra a alma” e, quando a alma se alegra o corpo se cura.
O primeiro perfume que recebeu nome, no século XIII, era feito com alecrim, Trata-se da “Água da Rainha de Hungria”, receita alquímica que, na época, era feita com óleo de terebentina (poderoso antireumático de uso tópico) e alcoolato de alecrim, alfazema e poejo e usado como tônico revigorante que era passado no corpo. Atualmente já não se usa o óleo de terebentina pois este tem efeito acumulativo altamente alergênicos mas, você pode fazer uma “Água de Hungria” modificada com a seguinte receita abaixo:
Receita de “Água da Rainha de Hungria”
  • 4 gotas de óleo de alecrim
    6 gotas de óleo de limão siciliano
    2 gotas de óleo de laranja
    5 ml de água de flor de laranjeira
    5 ml de água de rosas
    40 ml de 90% de álcool de cereais

Propriedades medicinais do alecrim

Vários estudos científicos já comprovam as propriedades medicinais do alecrim, em pó, extrato, óleo, chá ou como condimento alimentar.
Esta planta é usada para tratar doenças do fígado, falta de apetite e fraqueza geral, como antisséptico e adstringentesistema nervoso (estimulante de pessoas enfraquecidas), dores reumáticas, depressãogases intestinais, debilidade cardíaca, falta de apetite, cicatrização de feridas, dor de cabeça de origem digestiva; problemas no fígado, no intestino, nos rins, nos pulmões e na vesícula, além de respiratórios; cansaço físico e mental, celulite, colesterol, azia e insônia.
Já se estuda seu uso também nos tratamentos de câncer da próstata, como antibiótico específico, em problemas como colite e no combate a inflamações acneicas dentre outros vários estudos disponíveis para pesquisa.


Fonte: Greenme - Alice Branco 

sábado, 3 de setembro de 2016

Horta em casa: pratique uma vida mais saudável!

Vasos com chás e temperos são uma boa pedida para se ter por perto


Em workshops, Paola explica todos os cuidados para quem quer cultivar uma horta em casa | Foto: Instagram / Reprodução / CP

Em workshops, Paola explica todos os cuidados para quem quer cultivar uma horta em casa | Foto: Instagram / Reprodução / CP
  • Comentários
  •  
  • Júlia Endress

Alimentos saudáveis, fresquinhos, plantados e colhidos em casa. Pode até parecer, mas não estamos falando de nenhum grande quintal cheio de frutas e verduras. A ideia é mais simples e prática: hortinhas na sala, na varanda ou na cozinha. Com dois os três vasinhos de diferentes mudas você já faz uma, que, além de ocupar pouco espaço, é bem fácil de manter. Quem afirma é a Paola Salerno Troian, cozinheira e responsável pelo blog Gringa do Dedo Verde, especializado em alimentos orgânicos e em desperdício zero na cozinha.

Ela garante que todo mundo pode encaixar um tempo na rotina, entre uma atividade e outra, para os cuidados básicos das plantinhas. Além de regar e cuidar a exposição ao sol, precisa, basicamente, ficar de olho no desenvolvimento para ver se está tudo certo. “Na medida em que você cuida de uma planta, você vai aprendendo naturalmente, vai descobrindo do que ela precisa, do que ela gosta. Tem aqui um pouco daquela lógica de tentativa e erro”, diz, desmitificando os grandes mistérios por trás do cultivo.

Para quem sempre teve vontade de cultivar/curtir uma horta em casa, chega mais, pois separamos algumas dicas especiais e para todos os gostos:

Nível fácil
O manjericão é o melhor amigo da horta, já que libera gases que auxiliam no crescimento de quase todos os outros vegetais, frutas e temperos. Depois, vale apostar também na salsa/salsão, na manjerona e no alecrim.
Onde comprar? Para priorizar os alimentos orgânicos, compre mudas seguras, ou seja, que não tiveram contato com agrotóxicos. Elas podem ser encontradas em feiras especializadas, como a da Redenção, em Porto Alegre, ou nas floriculturas. Aproveite e já compre a terra também!

Cuidados básicos: Sobre os exemplos específicos, é importante saber que a salsa tem que ser plantada com certa distância das demais porque ela pode atrapalhar o crescimento das outras. A manjerona e o alecrim precisam de um solo um pouco mais seco e arenoso. Não fique mudando as plantas de lugar toda hora porque elas possuem memória e demoram um pouco para se acostumar com a luminosidade e saiba que, para regar, o horário é essencial: deve ser feito pela manhã, bem cedo, ou à tardinha, pois a combinação de água e sol forte é bem perigosa, podendo até queimar as folhas e os frutos. Além disso, crie o hábito de colocar o dedo na terra e sentir a umidade e ver a necessidade de regar, já que as plantas não precisam necessariamente de água todos os dias, vai depender das condições climáticas do ambiente – em semanas chuvosas como as de julho, o cuidado com o regador deve ser ainda maior porque uma quantidade a mais pode resultar no afogamento da planta.

Nível difícil
Tomate, pimentão e alho, por exemplo, já dão um pouco mais de trabalho e pedem certa experiência. Os motivos variam desde uma maior predisposição a fungos até um crescimento muito lento.
Onde comprar? a ideia é a mesma, vá atrás de mudas que não tiveram contato com agrotóxico.

Cuidados avançados: Para evitar bichinhos que podem machucar a planta, como lesmas comilonas, a dica é espalhar borra de café pelo canteiro e fincar cascas de ovo na terra, como se fossem espinhos. Nunca coloque sal da terra porque pode alterar o PH (acidez, neutralidade e alcalinidade da água) e prejudicar o desenvolvimento da horta. E caso o problema seja justamente o desenvolvimento, pesquise um pouco, converse com especialistas e descubra quais as plantas companheiras da horta, pois elas ajudarão o crescimento das demais e ainda vão ajuda a manter tudo mais saudável.

Curtiu? Então, agora que você já sabe um pouco mais sobre as plantinhas, passa lá no Mais Preza para saber como aliar a sua nova horta com a decoração do apê!
fonte: correio do povo 11/08/2015

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Razões para plantar hortelã em casa

Extraído do portal ecycle.com.br

Confira os benefícios dessa erva tão popular e os motivos pelos quais você deveria plantá-la em sua casa

hortelã
Hortelã é uma erva bastante popular. Presente em balas e chicletes, drinks como o mojito, além de diversos cosméticos. Mas você conhece os poderes dessa super plantinha?  A hortelã contém antioxidantes poderosos, vitaminas A, B6, C, E, K, ácido fólico e a riboflavina. Ingerida ou apenas inalada, a planta proporciona muitos benefícios. Segundo estudo da University of Maryland, nos EUA, a hortelã tem poderes antibacterianos, antifúngicos e anti-inflamatórios.
De acordo com um recente estudo da Wheeling Jesuit University, o cheiro e o sabor da hortelã têm profundos efeitos em funções cognitivas. Isso inclui funções como raciocínio, resolução de problemas, formação de conceitos, julgamentos, atenção, e até mesmo memória.
Hortelã não é uma erva difícil de achar e nem de plantar; você pode encontrá-la fresca em qualquer supermercado ou plantá-la em um vasinho em casa.
Confira no vídeo abaixo um tutorial de como plantar hortelã na sua casa:
Alguns dos muitos benefícios que a hortelã proporciona são:

1. Melhora a digestão

Segundo um estudo da Unesp, as espécies do gênero Mentha apresentam indicação etnofarmacológica para distúrbios gastrointestinais. Hortelã relaxa os músculos do estômago e melhora o fluxo de bile, que o corpo usa para digerir gorduras. Para melhores resultados, beber chá de hortelã.

2. Alivia a síndrome do intestino irritado

Diversos estudos revelaram que a hortelã é muito eficiente no tratamento dos sintomas da síndrome do cólon irritado. Pesquisas comprovam que cápsulas entéricas revestidas de hortelã-pimenta podem ajudar no tratamento de sintomas como dor, inchaço, gases, e diarreia.

3. Ajuda a aliviar sintomas da asma e outros problemas respiratórios

Seu aroma tem efeito benéfico, pois ajuda a "abrir" as vias aéreas. Pessoas que sofrem com asma e alergias podem se beneficiar do uso da erva. Realizar inalações com hortelã ou beber chá de hortelã pode ser bem útil para aliviar os sintomas. Asmáticos devem adicionar hortelã em suas inalações e também beber um pouco de chá. Para facilitar a respiração instantaneamente, adicione cerca de cinco folhas de hortelã em um pouco de água quente e inale.

4. Ajuda a aliviar sintomas de gripes e resfriados

menthol que existe na hortelã é um eficiente descongestionante, além de ser um bom expectorante: ajuda a expelir muco e a diminuir a tosse. Tomar chá de menta é uma boa pedida para diminuir a dor de garganta e a tosse seca.

5. Alivia coceira e irritações da pele

A hortelã tem propriedades anti-inflamatórias e é antipruriginosa. Por isso pode ser utilizada para aliviar áreas que coçam. Quando aplicada topicamente, tem efeito calmante e refrescante em irritações causadas por urticária, hera venenosa ou carvalho venenoso .

6. Melhora a saúde bucal

Hortelã neutraliza o mau hálito e também destrói bactérias que causam cáries. Por esse motivo a erva é comumente acrescentada em produtos como creme dental, enxaguante bucal e sprays que refrescam hálito.

7. Alivia a dor

Folhas de hortelã podem aliviar dores musculares, dores de cabeça e até mesmo dores de estômago. Para relaxar os músculos, combine uma xícara de sal marinho, um terço de xícara de azeite e cerca de oito gotas de óleo essencial de hortelã. Massageie o local por dez minutos e enxague.

8. Alivia náuseas

O cheiro de óleo essencial de hortelã ou folhas de hortelã frescas pode ajudar a aliviar a sensação de enjoo e ânsia.

9. Melhora a memória

Em 2008, pesquisadores ingleses examinaram o poder da essência de menta no cérebro. Eles descobriram que a essência aumenta o estado de alerta e a memória.

10. Previne o câncer

Hortelã contém menthol, cujo poder tem sido estudado na prevenção de diferentes tipos de câncer, especialmente câncer de próstata.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

“As #plantas têm #neurônios, são seres #inteligentes”


Graças aos nossos amigos do Redes, o programa de Eduard Punset, pesquisadores incansáveis de diversas áreas do conhecimento científico buscam ampliar os limites do saber. Dentre esses que se questionam sobre quem somos e qual papel desempenhamos nesta sopa de universos, descobrimos Mancuso, que nos explica que as plantas, vistas pela câmera rápida, se comportam como se tivessem cérebro: elas têm neurônios, se comunicam mediante sinais químicos, tomam decisões, são altruístas e manipuladoras. Há cinco anos era impossível falar de comportamento das plantas, hoje já podemos começar a pensar em falar sobre sua inteligência... Pode ser que logo comecemos a falar de seus sentimentos. Mancuso estará no Redes no próximo dia 02. Não percam.
A entrevista é publicada pelo jornal La Vanguardia, 29-12-2010. A tradução é do Cepat.
Eis a entrevista.
Quais são as novidades?
As plantas são organismos inteligentes, mas que se movem e tomam decisões em um tempo mais longo que o homem.
Você já suspeitava.
Hoje sabemos que elas têm famílias e parentes e que reconhecem sua proximidade.  Comportam-se de maneira totalmente diferente se ao seu lado há parentes ou estranhos. Se forem parentes não competem: através das raízes, dividem o território de maneira equitativa.
Uma árvore pode voluntariamente mandar seiva a uma pequena planta?
Sim. As plantas necessitam de luz para viver, e para que uma semente chegue até a luz são necessários muitos anos; enquanto isso, são nutridas por árvores de sua mesma espécie.
Curioso.
Os cuidados parentais só ocorrem em animais muito evoluídos e é incrível que existam entre as plantas.
Então, elas se comunicam.
Sim, em uma selva todas as plantas estão em comunicação subterrânea através das raízes. E também fabricam moléculas voláteis que avisam as plantas distantes sobre o que está acontecendo.
Por exemplo?
Quando uma planta é atacada por um agente patogênico, imediatamente produz moléculas voláteis que podem viajar quilômetros e que avisam a todas as outras para que preparem suas defesas.
Quais defesas?
Produzem moléculas químicas que se tornam indigestas e podem ser muito agressivas. Há dez anos, em Botsuana introduziram em um grande parque 200 mil antílopes, que começaram a comer as acácias com intensidade. Após poucas semanas muitos morreram e ao final de seis meses morreram mais de 10 mil, e não sabia-se o porquê. Hoje sabemos que foram as plantas.
Uma grande predação.
Sim, e as plantas aumentaram a tal ponto a concentração de taninos em suas folhas, que se tornaram um veneno.
As plantas também tem empatia com outros seres?
É difícil dizer, mas uma coisa é certa: as plantas podem manipular os animais. Durante a polinização produzem néctar e outras substâncias para atrair os insetos. As orquídeas produzem flores que são muito parecidas com as fêmeas de alguns insetos, que, enganados, vão até elas. E há quem afirme que até o ser humano é manipulado pelas plantas.
Como assim?
Todas as drogas que o homem usa (café, tabaco, ópio, marijuana...) derivam das plantas, mas por que as plantas produzem uma substância que torna os humanos dependentes? Porque assim as propagamos. As plantas utilizam o homem como transporte. Há pesquisas sobre isso.
Incrível.
Caso amanhã as plantas do planeta desaparecessem, em um mês toda a vida se extinguiria, visto que não haveria nem comida, nem oxigênio. Todo o oxigênio que respiramos vem delas. Mas se nós desaparecêssemos, nada iria ocorrer. Somos dependentes das plantas, mas as plantas não são de nós. Quem é dependente está em uma situação inferior, ou não?
...
As plantas são muito mais sensíveis. Quando algo muda no ambiente, como elas não podem escapar, devem ser capazes de sentir com muita antecedência qualquer mínima mudança para se adaptarem.
E como percebem?
Cada ponta da raiz é capaz de perceber simultaneamente pelo menos quinze parâmetros físicos e químicos diferentes ( como temperatura, luz, gravidade, presença de nutrientes, oxigênio).
É sua grande descoberta, e é sua.
Em cada ponta das raízes existem células similares aos nossos neurônios e sua função é a mesma: comunicar os sinais mediante impulsos elétricos, igual ao nosso cérebro. Em uma planta pode haver milhões de pontas de raízes, cada uma com sua pequena comunidade celular; e trabalham em rede como a internet.
Encontrou o cérebro vegetal.
Sim, sua zona de cálculo. A questão é como medir sua inteligência. Mas de uma coisa estamos certos: são muito inteligentes, seu poder de resolver problemas de adaptação é grande. Hoje 99,6% de tudo o que está vivo sobre o planeta são plantas.
… E só conhecemos 10% delas.
E nessa porcentagem temos todo nossa alimentação e os remédios. O que os 90% restantes fazem?... Diariamente, centenas de espécies de vegetais desconhecidas se extinguem. Talvez possuam a capacidade de uma cura importante, nunca o saberemos.  Devemos proteger as plantas pela nossa sobrevivência.
O que sobre as plantas o emociona?
Alguns comportamentos são muito emocionantes. Todas as plantas dormem, acordam, buscam a luz com suas folhas; tem uma atividade similar a dos animais. Filmei o crescimento de alguns girassóis, e se vê de maneira muito clara como brincam entre eles.
Brincam?
Sim, estabelecem o comportamento típico da brincadeira que se vê em tantos animais. Pegamos uma dessas pequenas plantas e a fizemos crescer sozinha. Quando adulta, ela tinha problemas de comportamento: custava-lhe girar em busca do sol, faltava a ela a aprendizagem obtida através do jogo. Ver estas coisas é emocionante.


terça-feira, 1 de setembro de 2015

Videira: dicas simples podem ajudar no desenvolvimento.


Saiba o que fazer para manter a saúde da planta sempre em dia

por Hanny Guimarães I Design Filipe Borin I Ilustração Paula Ceco
Nas redes sociais, no site ou mesmo via carta, sempre recebemos perguntas de leitores que desejam conhecer melhor o cultivo da videira e manter a saúde da planta. Quais as variedades mais indicadas, como deve ser feito o plantio e qual a melhor época, como deve ser feita a poda e como evitar pragas são apenas algumas das questões.

Antes do plantio, seja um pé para fazer sombra no quintal ou para iniciar uma produção maior, é necessário entender cuidados básicos para que a planta possa se desenvolver de forma saudável. Por isso, preparamos algumas informações gerais, focadas no cultivo de uvas de mesa, que poderão auxiliar o trabalho.
Editora Globo

Desing Filipe Borin I Ilustração Paula Ceco
Desing Filipe Borin I Ilustração Paula Ceco

Desing Filipe Borin I Ilustração Paula Ceco

Desing Filipe Borin I Ilustração Paula Ceco

Desing Filipe Borin I Ilustração Paula Ceco
Desing Filipe Borin I Ilustração Paula Ceco
Desing Filipe Borin I Ilustração Paula Ceco

Desing Filipe Borin I Ilustração Paula Ceco
Desing Filipe Borin I Ilustração Paula Ceco
Desing Filipe Borin I Ilustração Paula Ceco
fonte: revista globo rural