Mostrando postagens com marcador alecrim. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador alecrim. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Aprenda a cultivar alecrim dentro de casa!!



Nesta segunda-feira, o Dia Dia vai mostrar que é possível ter uma horta dentro de casa ou em algum cantinho do seu apartamento. Para isso, o programa convocou a especialista no assunto, Silvia Jeha.

domingo, 2 de abril de 2017

Alecrim: o chá que alegra a alma e cura o corpo



alecrim-chá
O alecrim (Rosmarinus officinalis) é um arbusto perene, com lindas flores pequeninas (azuis, rosas, brancas), fortemente aromático, originário das encostas ensolaradas da região mediterrânica. O seu nome, rosmarinus, significa “orvalho do mar” e assim foi denominado pelo forte aroma que exala quando cresce livre e espontaneamente. É com esse aroma, e não só, que o alecrim alegra a alma e cura o corpo.
Esta é uma erva solar, não só porque adora estar a pleno sol mas também porque eleva a sensação de bem estar de quem a usa.
Seu uso culinário, medicinal e religioso remonta, pelo menos, à Idade Média, quando já era usado como defumador tanto em rituais como para a cura de determinadas doenças (ou para espantar os espíritos que as originavam) e também como condimento alimentar, em alcoolatos como tônico, temperando vinhos e licores.
É muito fácil de cultivar do alecrim, pois basta você fazer estacas dos ramos mais grossos deixando sem folhas a parte que vai na terra. Esta é uma erva rústica, que não gosta de muita água mas não prescinde dele também, aguenta solos pedregosos e se dá bem em solos calcários, mas não gosta de vento, portanto, mantenha o seu pé de alecrim num canto mais protegido. Alecrim adora sol direto e não aceita poda ou corte de seus ramos, antes dos 2 anos de idade, mesmo que seja para um chazinho (se for preciso, tire sempre só as folhas, de baixo para cima, as mais velhas, nunca as das pontas.
A flor do alecrim é muito procurada pelas abelhas que, com seu néctar produzem um mel de qualidade excepcional e que mantêm as propriedades curativas atribuídas à planta que o origina.
Na medicina popular o alecrim é associado, há séculos, à manutenção da boa memória, fato esse que vem sendo estudado pelo médico Chris Van Tulleken, e que você pode ler no nosso artigo anterior sobre esta planta.
Mas também para “levantar o ânimo”, ajudar você a ultrapassar aqueles momentos mais difíceis e tristes da vida, “dar a volta por cima” e adotar a resiliência como filosofia de “bem viver”. Também é ótimo para “aligeirar o coração pesado” para o que basta você colocar um ramo de alecrim numa jarra de água e ir tomando essa água aromatizada durante o dia.A verdade é que o consumo do chá de alecrim, ou sua água aromatizada, tem um efeito tão bom que, pode-se dizer, “alegra a alma” e, quando a alma se alegra o corpo se cura.
O primeiro perfume que recebeu nome, no século XIII, era feito com alecrim, Trata-se da “Água da Rainha de Hungria”, receita alquímica que, na época, era feita com óleo de terebentina (poderoso antireumático de uso tópico) e alcoolato de alecrim, alfazema e poejo e usado como tônico revigorante que era passado no corpo. Atualmente já não se usa o óleo de terebentina pois este tem efeito acumulativo altamente alergênicos mas, você pode fazer uma “Água de Hungria” modificada com a seguinte receita abaixo:
Receita de “Água da Rainha de Hungria”
  • 4 gotas de óleo de alecrim
    6 gotas de óleo de limão siciliano
    2 gotas de óleo de laranja
    5 ml de água de flor de laranjeira
    5 ml de água de rosas
    40 ml de 90% de álcool de cereais

Propriedades medicinais do alecrim

Vários estudos científicos já comprovam as propriedades medicinais do alecrim, em pó, extrato, óleo, chá ou como condimento alimentar.
Esta planta é usada para tratar doenças do fígado, falta de apetite e fraqueza geral, como antisséptico e adstringentesistema nervoso (estimulante de pessoas enfraquecidas), dores reumáticas, depressãogases intestinais, debilidade cardíaca, falta de apetite, cicatrização de feridas, dor de cabeça de origem digestiva; problemas no fígado, no intestino, nos rins, nos pulmões e na vesícula, além de respiratórios; cansaço físico e mental, celulite, colesterol, azia e insônia.
Já se estuda seu uso também nos tratamentos de câncer da próstata, como antibiótico específico, em problemas como colite e no combate a inflamações acneicas dentre outros vários estudos disponíveis para pesquisa.


Fonte: Greenme - Alice Branco