Mostrando postagens com marcador #permacultura. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #permacultura. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Livro sobre abelhas sem ferrão no RS



Há centenas de espécies de abelhas sem ferrão em regiões tropicais e subtropicais do mundo. Possuem grande diversidade de formas, cores e tamanhos, com exemplares medindo de 0,2 centímetro de comprimento até próximo de 2 centímetros. Aqui, são conhecidas algumas delas, destacando-se a jataí, a arapuá e a tiúba.

Também chamadas de meliponíneos, as abelhas sem ferrão formam colônias perenes habitadas tanto por algumas dezenas quanto por vários milhares de indivíduos. Em geral, constroem os ninhos dentro de cavidades já existentes, sendo que a maioria vive dentro de ocos de árvores. Algumas espécies gostam de instalar seus ninhos no solo, em cupinzeiros e em lugares altos.

Em cativeiro, as abelhas sem ferrão são criadas em caixas pequenas, que não exigem esforço físico e ocupam menos espaço. Por outro lado, com uma população reduzida, a produtividade da colônia da maioria das espécies, de 1 a 4 litros de mel por ano, é menor se comparada com a das abelhas com ferrão, que registra de 20 a 40 litros por ano.

Contudo, além de ter 10% menos de açúcar, o mel de abelha sem ferrão apresenta tipos diferentes de acordo com cada espécie produtora, ampliando o leque de opções para o mercado e agregando valor ao alimento, cujos preços no varejo variam de R$ 30 a R$ 100 por litro. Enquanto alguns são mais viscosos e doces, outros são mais líquidos e azedos.

segunda-feira, 30 de julho de 2018

Como fazer um minhocário funcional com uma geladeira usada.


Permacultura - A nova floresta

“As minhocas se  enterram no chão para não cair de amor para as estrelas.” Yvan Audouard


old fridge used to make the worm farm
Remover todos os equipamentos, só guardar a caixa.
liquid casting evacuation on the fridge
Instalar uma saída para coletar excedente de água. Obturar todas as outras saídas com silicone. Nivelar a geladeira com um leve declive para orientar os resíduos líquido pela saída.
connection of the tap for worm casting liquid evacuation
Tubulação para colheita.
tap for monitoring the worm casting liquid evacuation
A geladeira (e torneira) deve estar suficientemente alta para colocar um balde embaixo. Os resíduos líquidos formam o chorume. O chorume orgânico é um fertilizante líquido, rico em nutrientes. Diluir em água até 1/10 antes de dar nas plantas. Para evitar que o chorume torna se anaeróbico no fundo da geladeira verse água pura de vez em quando na camada de drenagem através da telha de filtração e colheita a mistura diluída em um balde, vai permitir de diluir o chorume e purificar a camada de drenagem.
filtering the worm casting
Recyclagem de uma peneira de chuveiro
positioning the filter
Para prevenir a obstruacao da tubulacao.
layer for drainage of worm casting
Pedras para drenagem (aproximadamente 3/4 cm de espessura) e reduzir contato entre matéria orgânica e água.
Isso evita a decomposição anaeróbica no fundo do minhocário.
making the separation filter between the drainage and the worm bed
Estrutura de alumínio de suporte para a telha de separação entre drenagem e a cama das minhocas.
making the separation filter between the drainage and the worm bed 2
As partes transversal são aqui para evitar deformação. Outras técnicas usam grampos para fixar a telha ao compartimento de plástico, mas este tipo de solução não permite desmontar o minhocário, o que não é na filosofia Cradle to Cradle.
making the separation filter between the drainage and the worm bed 3
Dobrar para obter 3 ou 4 camadas de filtro.
positionning the filter of separation with the drainage layer
Colocar em cima da camada de drenagem.
removing the fridge rubber to allow worm farm ventilation
Remover a borracha de vedação para criar um sistema onde o ar (oxigeno) pode circular dentro do minhocário.
cutting the fridge rubber
Cortar pedaços de borracha.
removing the
Remover a banda magnética que fica dentro da borracha. Pode ter duvida sobre a influencia de um campo magnético no sistema de orientação das minhocas.
magnets
Essas bandas flexíveis podem ser utilizadas como magnet na porta duma geladeira (e também em cima do minhocário para notar informações sobre as minhocas)
filling the holes between the filter and the fridge body
Obstruindo os buracos entre o filtro e a caixa utilizando os pedaços de borracha.
design_do_tubo_de_ventilacao
Fazer um tubo de ventilacao com cana de 8 e um T, nao precisa de colla
ventilacao
Colocar a ventilacao sobre o filtro en cima do drainagem para reduzir degradacao anaerobica.

Recuperar a parte externa do côco e producir fibras.

Cuidando com o falcão.

Deixar as fibras de coco dentro da água o mínimo por um dia.
fibras_de_coco_humidas
As fibras são agora cheias de umidade, que vai ser uma fonte estável de umidade. As minhocas respiram através da pele e precisam de um ambiente úmido. As fibras vão permitir de guardar a umidade e respeitar a presencia de ar e oxigeno.
camada_de_fibras_de_coco
Camada de fibras de coco separando o drenagem da cama das minhocas
papelao humido
Utilizar velho papelão e colocar na água para se hidratar (1 dia mínimo no caso de papelão). Se você utiliza papel só umidificar e não deixar na água.
camada_de_papelao_humido
Triturar o papelão e fazer uma camada bem úmida e ventilada
Colocar_separacao_en_cima_do papelao
Utilizar a estrutura da geladeira para criar 3 compartimentos no minhocário (pode ser 2, 3 o 4 compartimentos). As minhocas pode utilizar a camada de papelão para mover entre os compartimentos.
composte
Um compartimento recebe adubo (ou composto, ou húmus)
esterco_de_galihna
O outro compartimento recebe mistura de esterco de galinha, terra e folhas que vem do galinheiro. Se você utiliza estrume de cavalo tem que verificar que ele não recebeu um tratamento contra vermes.
Regar_esterco_de_galinhas
Umidificando o lixo das galinhas que é muito seco
3_compartimentos
Agora temos 3 compartimentos. O compartimento do meio que só tem papelão (celulosa úmida) vai receber as minhocas para elas se aclimatar e quando vão começar a procurar para comida elas vão migrar ate os outros compartimentos.

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Iniciando a criação de minhocas Gigante Africana!




Hoje iniciamos a criação de mais uma espécie de minhoca, visando a produção de humus e venda de iscas para pesca!!

As minhocas Gigante Africana servem para ser utilizadas em compostagem?

Sim. As minhocas Gigante Africana são largamente utilizadas em compostagens comerciais e domésticas com a finalidade de produção de húmus, como também de minhocas para pesca, alimentos vivos para peixes e pássaros e ração animal.

As minhocas Gigante Africana servem para pesca?

Das minhocas de criatórios comerciais, a minhoca Gigante Africana é excepcional em pesca pela sua mobilidade, tamanho e palatabilidade, além de evitar o uso de minhocas nativas em extinção como os minhocuçus.

Em 1 litro de minhoca, quantas unidades tem?

Em média 400 minhocas, pois a quantidade pode variar de acordo com o tamanho em que estão no momento da seleção, já que uma minhoca adulta pode ter de 10 até 30 cm.de comprimento.

O que devo oferecer de alimento paras as minhocas Gigante Africana?

Em grandes criatórios comerciais, geralmente é utilizado o esterco bovino, mas pode-se utilizar estercos de outros animais desde que observadas as características de cada um. Pode –se utilizar também restos de frutas e verduras, aparas de jardinagem e uma gama infinita de matérias orgânicas vegetais em decomposição.

Minhocas comem terra?

As minhocas utilizadas em criatórios comerciais não comem terra, elas se alimentam de matéria orgânica em decomposição, às vezes, por motivo da terra estar misturada à matéria orgânica, acidentalmente a terra será ingerida pela minhoca, porém isso não servirá de alimento prá ela.

Posso criar a minhoca Gigante Africana em casa?

Uma pequena criação pode acontecer dentro de caixas ou pequenos  tambores. Devendo estar abrigados do sol e com a umidade em torno de 75%. Uma dica é manter o esterco(substrato) úmido sem encharcar, isso pode ser testado, apertando o substrato com as mãos até que escorra um pouco de água entre os dedos. Com um pouco de experiência pode-se criar até em apartamentos.

Quais são as pragas que atacam a minhoca Gigante Africana?

As minhocas são procuras por uma infinidade de animais. Rãs, sapos lagartixas, pássaros, galinhas, ratos e até porcos utilizam a minhoca em seus cardápios. Porém nos canteiros devemos tomar cuidado com a proliferação e outras 3 pragas principais: A Planária, que é uma minhoca comprida e visguenta com listras no corpo e que adere ao corpo da minhoca para sugar seus nutrientes até a morte. Outra praga é chamada de sanguessuga e que se assemelha a uma minhoca, tendo em uma de suas extremidades uma ventosa que usa também para sugar o sangue e os nutrientes da minhoca até a morte e por fim algumas variedades de formigas carnívoras que costumam se instalar nos criatórios. Dificilmente teremos um criatório isento de alguma praga, porém um acompanhamento periódico e a retirada manual dessa pragas será o suficiente para que elas não comprometam a criação.

Quantas minhocas preciso para um criatório de 3m x 1m x 30cm?

O ideal para se começar uma criação desse porte é de cerca de 2 litros.

Qual a quantidade mínima para venda?

2 litros  

Quando sei que o húmus já está pronto?

As minhocas Gigante Africana tem por hábito depositar suas fezes(húmus) na parte superior do canteiro ou da caixa. Essas fezes são facilmente identificadas, uma vez que formam pequenos grânulos pretos ou marrons entre 2 e 3 mm  Quando perceber que a parte de baixo está igual a parte de cima é porque o alimento está acabando e já está na hora de preparar um novo substrato.

O húmus de minhoca pode ser utilizado em qualquer planta?

O húmus de minhoca é um dos mais fantásticos adubos orgânicos, podendo ser utilizado em hortas, pomares, vasos e gramados.

Quais as vantagens do húmus de minhoca na agricultura?

Retém a umidade e promove a aeração do solo. É rico em nutrientes  e se apresenta de uma forma que é assimilado mais rapidamente pelas plantas do que o esterco. O húmus também melhora a condição microbiológica do solo e tende a corrigir a acidez.

As minhocas Gigante Africana atacam as raízes das plantas?

As minhocas Gigante Africana só se alimentam de matéria orgânica em decomposição, portanto se a raiz está viva ela não será atacada. Caso a raiz esteja morta por qualquer outro motivo, assim que ela começar a se decompor, será consumida pelas minhocas.

Qual o tamanho que as minhocas Gigante Africana podem atingir?

Geralmente as minhocas já estão adultas com um tamanho de cerca de 8 cm, quando são comercializadas como matrizes, porém para quem quer criar para pescaria pode se conseguir minhocas com até 30 cm.

Posso usar as minhocas Gigante Africana na alimentação de pássaros e peixes?

Muitos criadores de pássaros utilizam as minhocas para alimentação de filhotes de sabiás, trinca-ferros e faisões. Peixes também como acarás, carpas e betas são ávidos no consumo de minhocas. Iguanas e rãs também apreciam muito.

Devo tampar as caixas ou canteiros para que as minhocas Gigante Africana não fujam?

Desde que atendidas as necessidades de umidade, temperatura, pH , oxigenação e densidade, dificilmente as minhocas irão abandonar ou fugir do criatório, mesmo que  seja aberto. As minhocas são fiéis ao bom trato.

Quanto tempo as minhocas Gigante Africana gastam para se reproduzir?
O ciclo de acasalamento, postura e desenvolvimento das larvas até o tamanho adulto varia em geral entre 45 e 60 dias.

Qual a temperatura ideal para criar as minhocas Gigante Africana?

O substrato deve estar entre 18°C e 25 °C

As minhocas Gigante Africana toleram chuvas?

Toleram, desde que a quantidade seja suficiente para manter a umidade desejada do canteiro. O excesso e conseqüente encharcamento levará as minhocas à morte ou à fuga.

terça-feira, 3 de julho de 2018

Framboesa do campo ou morango do mato


Framboesa (Rubus idaeus) da família das rosáceas, tem origem na Europa e na Ásia. Os frutos são redondos, formando um conjunto de até oitenta minúsculos gomos em tons de vermelho e têm sabor "azedo-doce".
A produção mundial atinge 524,2 mil toneladas, liderada pela Rússia (33,4%).

Geléia

No Brasil são produzidas 30 toneladas. Apenas 10% se comercializa in natura. O restante vira geléia.
Não confundir framboesa com amora. Framboesa é oca; amora, não.

Frio

A framboeseira deve ser cultivada em regiões frias, pois necessita de cerca de 600 horas de frio por ano.

A propagação se faz por estaquia, retiradas a partir das raízes e dos ramos.

Saiba mais

Tecnologia da Produção/Embrapa

Informações técnicas/IAC
http://goo.gl/2Eu3K

Associação de Produtores de Pequenas Frutas de Vacaria/RS
http://goo.gl/aBWzC

Cultivo da Framboesa/Rafael Pio
http://goo.gl/kNXEF

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Utilize Borra de café na sua horta








A borra de café é uma excelente fonte de nitrogénio  e pode ser utilizada diretamente em volta das plantas, principalmente vegetais de crescimento rápido. Também se pode misturar na terra dos canteiros ou dos vasos novos. Para conseguirmos um líquido fertilizante, basta diluir umas 100-150 gramas de borra em dez litros de água. Em alternativa, pode-se compostar, o que vai adicionar nitrogénio à pilha.
Como se não bastasse, certas pragas não gostam de café (cafeína para ser exato), entre elas os caracóis e lesmas. Uma solução muito concentrada de cafeína — 1 a 2%, mata 60% ou 95% dos caracóis e lesmas respectivamente (um café expresso tem cerca de 0,1% de cafeína). A borra não mata, mas actua como repelente.
A borra de café é bastante ácida, dependendo do seu tipo de solo, pode ter que contrariar esta questão, por exemplo com cinza, folhas ou serragem.
Por fim, não encontrei estudos científicos que confirmem todas estas técnicas, mas já arranjei um café que me irá fornecer a borra (que habitualmente vai para o lixo) para experimentar.

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

COMO SE FAZ E COMO SE UTILIZA O CHORUME NAS PLANTAS EM GERAL –SP SP





CURSO DE VITICULTURA TOTALMENTE GRATUITO –
( A ARTE DE PLANTAR, CULTIVAR , PULVERIZAR , ADUBAR UMA PARREIRA DE UVAS NA SUA CASA, NA SUA CHACARA, NO SEU SITIO E ETC ); MINISTRADA PELO VITICULTOR SERGIO SEMERDJIAN

E NOSSOS CURSOS CONTINUAM , GRATUITOS : - NO BAIRRO DO JABAQUARA , EM SÃO PAULO,

MAIS INFORMAÇOES PELO EMAIL:-
Virgilio.teixeira@gmail.com
OU PELO WHATSAPP 11-98759-5136 da tim VIRGILIO
DO SERGIO 11-99812-4626 da vivo
E PARTICIPEM DO NOSSO GRUPO NO FACE:-
FANATICOS POR PARREIRAS DE UVAS EM CASA, CHACARA , SITIO E ETC
E veja nossos vídeos no youtube : - VITICULTURA SERGIO SEMERDJIAN COM VIRGILIO FERREIRA

sábado, 6 de janeiro de 2018

Húmus líquido aumenta produtividade em até 20% - EMBRAPA


 -
Estudos conduzidos por pesquisadores da Embrapa demonstraram que produtos oriundos do húmus podem exercer atividades bioestimulantes responsáveis pelo crescimento vegetal e podem aumentar a produtividade em até 20%. Também conhecido por vermicomposto, o húmus é o produto que resulta de um processo de compostagem, no qual minhocas aceleram o processo de degradação da matéria orgânica. Outro produto desse processo é o chorume (ou lixiviado), um líquido que, quando diluído em água, pode ser aproveitado como biofertilizante.
 
Contudo, produtos de ação bioestimulante não necessariamente atuam como fertilizantes, e sim potencializam sua ação, por isso, funcionam melhor em situações em que o solo dispõe de uma nutrição adequada e balanceada. "Nessas condições, foi observado um aumento de produtividade de 5% até 20%, dependendo da espécie", quantifica o agrônomo Daniel Zandonadi, que pesquisa a ação do húmus líquido na fisiologia das plantas, principalmente hortaliças.
 
No caso do húmus, além de ser um importante fertilizante orgânico, que fornece nutrientes essenciais para o desenvolvimento da planta, ele possui moléculas semelhantes à auxina, um hormônio vegetal que contribui para o enraizamento mais vigoroso, com maior quantidade de pelos absorventes e raízes laterais. A vantagem de se aumentar a área superficial das raízes das plantas está relacionada a uma maior facilidade de absorção de nutrientes e de água, o que torna as plantas mais tolerantes à seca. 
 
Há diversas categorias de substâncias que possuem ação bioestimulante, além do húmus, entre elas: inoculantes microbianos (bactérias, fungos, leveduras), aminoácidos ou hidrolisados de proteínas, e extrato de algas. Em geral, os bioestimulantes comerciais estão sendo utilizados para aumentar a tolerância das plantas aos estresses ambientais e melhorar a eficiência de absorção de nutrientes.
 
Nas pesquisas realizadas no Laboratório de Nutrição de Plantas da Embrapa Hortaliças (DF), o húmus foi produzido por meio da decomposição de restos vegetais, especialmente hortaliças e frutas, pelas minhocas. Nesse processo, observou-se uma concentração desejável de auxina.
 
Utilização criteriosa
 
Em todo caso, nessa etapa, foi constatado que a quantidade do hormônio vegetal presente no húmus ocasiona um efeito positivo nas plantas. "Porém, a utilização desse fertilizante não pode ser trivial, visto que uma concentração inadequada pode causar efeitos inibitórios ao invés de ação estimulante. Assim, recomendações específicas são necessárias para evitar resultados indesejáveis para o agricultor, como inibição do crescimento vegetal e da absorção de nutrientes", pondera Zandonadi. 
 
Para definir o mecanismo de ação do bioestimulante oriundo do vermicomposto e comprovar os efeitos benéficos para o desenvolvimento das plantas, uma enzima chamada ATPase foi a chave para a resolução do problema. A ativação dessa enzima é indispensável para o enraizamento das plantas e, por isso, ela foi o ponto de partida para averiguar a atividade bioestimulante do húmus líquido.
 
De acordo com o agrônomo, o grande diferencial do estudo foi a proposição de um método rápido e simples de detecção da atividade bioestimulante do vermicomposto. "O processo de identificação da auxina é complexo e difícil de ser realizado em larga escala. Por isso, adaptamos um método para relacionar o aumento da atividade da enzima ATPase às ações bioestimulantes do hormônio vegetal auxina presente no húmus", explica. 
 
A partir de procedimentos bioquímicos realizados no laboratório, foi possível confirmar que os produtos testados ocasionaram a ativação da enzima ATPase. "A proposta de mecanismos de ação para bioestimulantes dessa natureza passa pela ativação dessa enzima que, por sua vez, vai estimular a absorção de nutrientes e o enraizamento vigoroso. Em linhas gerais, se a enzima for ativada, é sinal de que há atividade bioestimulante no húmus", recapitula Zandonadi, cujas perspectivas futuras consistem em compreender mecanismos de ação de diferentes fertilizantes orgânicos para propor à comunidade científica métodos para identificar as ações supostamente estimulantes desses produtos.
 
Morango por três anos ininterruptos
 
Fertilizantes orgânicos alternativos, fáceis de produzir nas propriedades rurais e de alto valor nutricional e biológico, são muito demandados por horticultores que optam pela produção de base ecológica. A utilização de húmus líquido, aplicado via fertirrigação ou por pulverização foliar, pode contribuir para o melhor desenvolvimento e maior produtividade de hortaliças. 
 
O produtor orgânico de morango Carlos Castro, do Distrito Federal, teve um resultado muito satisfatório ao adicionar o húmus líquido na água de irrigação por gotejamento da lavoura suspensa da hortaliça. "Além de a produtividade ter aumentado em torno de 40%, as plantas de morango, que possuem uma longevidade aproximada de um ano, ficaram três anos produzindo sem interrupção", comemora o agricultor, ao acrescentar que as plantas são saudáveis e sem deficiência de qualquer nutriente.
 
Para o agrônomo Daniel Zandonadi, o uso do húmus líquido resulta em um aumento de produtividade porque, além de fornecer todos os nutrientes que a planta precisa para completar seu ciclo, ele também contribui para a melhoria das condições do solo, principalmente em relação às características físicas, químicas e biológicas, que são deterioradas com as técnicas intensivas de preparo e manejo do solo. "Somado a isso, há ainda a ação bioestimulante de moléculas promotoras do crescimento que facilitam a ativação de mecanismos da planta responsáveis pela absorção dos nutrientes", sintetiza ao pontuar que para reduzir o impacto ambiental das atividades agrícolas, é preciso adotar práticas que contribuam para a sustentabilidade dos sistemas produtivos.
 
Premiação
 
A pesquisa conduzida na Embrapa Hortaliças sobre a ação bioestimulante do húmus líquido foi contemplada com a menção de trabalho mais relevante da 16ª edição do Congresso Mundial de Fertilizantes, realizada em outubro de 2014, no Rio de Janeiro (RJ). O pôster foi apresentado pela bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) Lisanne Caixeta, que é orientada pelo agrônomo Daniel Zandonadi. 
 
"O cenário atual exige práticas sustentáveis e a proposta inovadora foi determinante para o destaque do trabalho no Congresso", opina Lisanne, ao se referir ao novo método para detecção da atividade bioestimulante do húmus líquido. Essa linha de pesquisa já havia sido contemplada com o primeiro lugar na 4ª Jornada Científica da Embrapa Hortaliças, em agosto do ano passado. Na ocasião, a equipe apresentou a avaliação da atividade hormonal de bioestimulantes no tomateiro.
 
Paula Rodrigues (MTb 61.403/SP) 
Embrapa Hortaliças 
Telefone: (61) 3385-9109
Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)

domingo, 12 de novembro de 2017

Black Maca, Mashua, and the Richness of Andean Tubers! A riqueza das batatas andinas!


FONTE:https://permaculturenews.org/2017/11/09/black-maca-mashua-richness-andean-tubers


For thousands of years, the ancient Incan empire developed a strong, resilient agriculture system that thrived even in the tough climate of the highlands of the Andes Mountains. One of the principles of their agricultural development was the diversification of different species that were well adapted to the local climatic conditions. In fact, the Food and Agriculture Organization of the UN considers the Andes region to be one of the centers in the world for food diversity.
Tubers made up an essential part of the Incan diet, with well over 3,000 types of different tubers cultivated throughout their territory. One of the most commonly cultivated and eaten of these tubers was the maca root which wasn´t discovered by westerners until the mid-1800´s. While the medicinal and nutritional properties of the maca root were well known by people throughout the Andes region for thousands of years, only recently have people in industrialized societ8ies begun to discover the true benefits of this magical plant.
Similarly, mashua is another of the most commonly cultivated tubers in the Andes. This long, white, carrot-like root is a relative of the edible flower nasturtium. The quick vegetative growth above ground mimics the rapid growth of these peppery-flavored tubers that are both healthy and delicious.
Both maca and mashua can be easily grown in several different climate zones and offer several health-related benefits.

What is Black Maca?

Black Maca is known as Lepidium meyenii in Latin. It is a tuber that was originally grown in the highlands of the Andes Mountain in Peru, principally near the Lake Junin region. While this crop was only adapted to the cooler mountainous regions, it was traded extensively throughout the ancient Incan Empire with the highlands indigenous peoples trading black maca root for other lowland stale crops such as corn and quinoa.
For thousands of generations, then, the Andean peoples have known of the numerous health benefits associated with the black maca plant. Similar in size to a large radish or small turnip, this root vegetable also loosely resembles a type of white carrot. The small green leaves never grow more than 20 cm of the ground, making this a unique plant in that the majority of the growth occurs underground.
The actual roots of the maca plant, which are the edible part of the plant, vary in size and shape and can be spherical, rectangular and even triangular. Furthermore, the color of the root can range from a gold or cream color to darker hues of reds, purples, and blacks. Black maca is by far the most common and the most recognized by the outside world for its health benefits.
Photo Credit: cdn1.bigcommerce.com

What is Mashua?

Mashua, or Tropaeolum tuberosum in Latin, is a perennial tuber that grows throughout the year in places without severe frosts. The abundant tubers have a rich, peppery flavor and can be cooked several different ways. Furthermore, this tuber is known as a natural repellant and can be combined with other crops to deter insects, nematodes, and others. The vegetative growth above ground offers unique climbing vines and beautiful flowers that are often grown for ornamental purposes.
While mashua roots are most often white in color, you can also find Mashua roots that are yellow, red, and other colors.

Health Benefits of Black Maca and Mashua

Black Maca is high in Protein and Essential Vitamins
While many people take black maca as a supplement for its health properties that we will explore below, it is actually one of the most overall nutritious foods on the market. One ounce of black maca will give you over 130% of your vitamin C, 4 grams of protein, and 85% of your daily copper intake. It is also a good source of other essential vitamins and minerals such as iron, potassium, and manganese.
Black Maca is a Libido Enhancer
Daily consumption of black maca has also been proven to boost sexual desire in both men and women. The enhanced fertility that supposedly comes with consuming black maca is most likely due to the increased libido that comes with this unique plant. One recent study confirmed that black maca root does improve the sex drive in healthy, middle-aged men.
Black Maca Increases Endurance
Many professional athletes, bodybuilders, and weightlifters have recently begun taking black maca supplements because of the increased endurance that it offers during extreme physical activity. Swimmers especially have found that regular consumption of black maca allows them to go longer and farther during training.
Black Maca Reduces Prostate Size
The prostate gland causes all sorts of problems in aging men. From difficulty with urinating to prostate cancer, many men fear the problems that come with aging. Regular consumption of black maca might very well help to reduce the size of the prostate gland in men. Since larger prostate glands can cause problems passing urine and potentially lead to cancer, black maca consumption is encouraged in aging men, not to mention that it can also help induce sexual desire.
Mashua has Diuretic Properties
If you are looking for a quality natural diuretic to add to your diet, mashua is known to help get rid of excess fluids in the body. While most natural diuretics are taken as a tea, this one can be eaten.
Mashua is a Natural Lice Killer
Everyone deals with lice at some time during their life. Instead of buying chemical-laden shampoos to kill off the lice running around your head, the peppery flavor of mashua is known to kill and repel lice. You can make a simple powder from dried mashua root to apply to your hair or boil the mashua root to make an extract that you then use to wash your hair.
Both mashua and maca roots are unique tubers that offer several advantages both to the ecological resiliency of your piece of land and to your overall health and wellbeing.

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Turbine sua horta com humus feito em casa



Benefícios do Húmus de minhocas para o solo:
– Melhora a aeração do solo;
– Enriquece o solo com micro-organismos;
– Melhora a capacidade de retenção de água;
– O húmus atrai outros animais benéficos presentes nas camadas mais profundas do solo;
– É rico em ácidos húmicos, que condicionam o solo e contribui para equilíbrar o pH reduzindo a acidez do solo;
– Melhora a reciclagem de nutrientes

Benefícios do Húmus de minhocas para o crescimento das plantas:
– Melhora a germinação, o crescimento das plantas e produtividade da cultura
– Melhora o crescimento e estrutura das raizes;
– Enriquece o solo com micro-organismos
– Fornece nutrientes essenciais para as plantas e ajuda na supressão de doenças;
– Contêm os principais minerais necessários para o crescimento das plantas tendo 5 vezes mais nitrogênio, 7 vezes mais fósforo e 11 vezes mais potássio do que o solo comum.
Com um minhocário caseiro você irá produzir húmus e biofertilizante (chorume) em sua casa a partir dos resíduos orgânicos como cascas de frutas, talos e folhas de verduras e legumes, grãos, sementes, borra de café e chás, entre outros!
Utilize o húmus (composto sólido) produzido em seu minhocário colocando um “punhado” deste húmus diretamente no solo ao redor do “pé” da planta. Para isso você pode utilizar uma pazinha, uma colher ou as próprias mãos. Repita este procedimento periodicamente (a cada 2 ou 3 meses). Após a plicação regue o solo.
O Biofertilizante (composto líquido) produzido em seu minhocário também pode ser utilizado em todos os tipos de plantas. Para isso você deve diluir este composto na proporção 10 partes de água para 1 uma parte do biofertilizante. Regue sua horta, plantas de vasos, gramados e jardins com este composto a cada 5 a 10 dias dependendo da planta.

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Agrofloresta como opção para recuperar solos




Estudo da Unesp avalia benefícios da produção rural conjugada com espécies nativas.



Quando um agricultor realiza uma mesma atividade por muito tempo sem o manejo adequado, o solo vai perdendo nutrientes e, aos poucos, fica infértil. Grandes produtores podem utilizar quantidades expressivas de adubos, mas o custo é muito alto para os pequenos proprietários – e também para o meio ambiente, ao receber insumos sintéticos que podem poluir o solo e os lençóis freáticos. Uma alternativa para recuperar a fertilidade do solo é o sistema agroflorestal, que está sendo avaliado por um projeto da Universidade Estadual Paulista (Unesp) no âmbito da agricultura familiar.

A agrofloresta combina árvores nativas e produção rural. O cultivo é sustentável em relação ao ambiente e à economia, pois garante a fertilidade permanente do solo sem o uso de adubação química e permite a obtenção de uma maior diversidade de produtos ao longo do ano. É o que afirma a coordenadora do projeto, engenheira agrônoma Francisca Alcivânia de Melo Silva: "A produção de cada item por unidade de área pode diminuir, mas a variedade aumenta e é possível ter colheitas diferentes o ano inteiro".

O projeto "Recuperação da Fertilidade do Solo por Sistemas Agroflorestais – Estudos de Casos no Vale do Ribeira" começou em outubro de 2009, com a participação de acadêmicos do curso de Agronomia da Unesp. Eles recolhem para análise amostras do solo e serrapilheira – restos de vegetação, como folhas, ramos, caules e cascas de frutos. "Não vamos comparar a qualidade da terra entre as propriedades, mas entre os talhões da mesma fazenda, incluindo áreas agroflorestais recentes e até porções onde a agricultura tradicional ainda é promovida", explica a pesquisadora.

Os resultados, ainda preliminares, apontam que os lotes com adoção da agrofloresta por mais tempo têm o solo mais nutrido. "Com dados científicos, será mais fácil orientar um número maior de famílias", prevê a professora.

Daninhas do bem
Para empregar o sistema, o terreno é divido e, em alguns lotes, o agricultor planta espécies que pretende comercializar e árvores nativas da Mata Atlântica. A implantação é feita aos poucos e permite manter o cultivo tradicional em parte da propriedade, garantindo a renda dos produtores enquanto o modelo se estabelece por completo. A tática varia de acordo com as características das plantas escolhidas, como período de safras, reação à luminosidade e capacidade de produzir sombra para outras culturas.

"Até as ervas daninhas, que tradicionalmente demandam agrotóxicos e são grandes preocupações do meio rural, na agrofloresta são manejadas para se tornar adubação 'verde'", diz Alcivânia. Para isso, essas plantas invasoras são capinadas com intensidade no início, o que controla seu crescimento. Aos poucos, diminuem e se tornam uma proteção natural para o solo, que passa a acumular mais água e nutrientes.

Os produtores também utilizam outros tipos de adubos naturais, como o feijão-de-porco e a mucuna, leguminosas que agrupam bactérias em suas raízes capazes de fertilizar o solo por meio da retenção do nitrogênio presente no ar.


Produtor agroecológico Renato Leal cultiva bananas, açaí e espécies nativas em agrofloresta no litoral do RS. Na foto, ele mostra o biofertilizante que utiliza (canto esquerdo). Foto: Dilenio Enderle - Vida Orgânica

Alimentos orgânicos
Com a adoção do sistema, os agricultores já pensam em conquistar certificados de produtores orgânicos. A classificação é dada por empresas particulares de auditoria que estabelecem exigências específicas para a concessão dos selos. Uma das plantações está localizada no município paulista de Sete Barras, onde a terra foi usada por anos para a plantação de banana e gengibre, esta última muito degradante para o solo. Atualmente, os produtores permanecem cultivando a banana, mas introduziram outras frutíferas, espécies madeireiras e a juçara, que fornece uma polpa energética semelhante ao açaí.

A pesquisa também recolheu terra de uma localidade em Cananéia, cujo solo tinha "empobrecido" no passado por cultivos agrícolas intensivos e pastagem. Há doze anos, o produtor passou a empregar o sistema agroflorestal, mas ainda há lotes fora do sistema e outros recém incorporados. Lá, são produzidas variedades de citrus (laranja, limão, etc), além de maracujá, café, banana, pupunha, variedades frutíferas e espécies nativas da Mata Atlântica. O mesmo caminho é seguido pela terceira propriedade do estudo, em Cajati, que será a próxima a ter amostras coletadas.

Fonte: Informe da Unesp

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Mais um minhocário em porto Alegre II ! #Humus


Aos poucos semeando minhocários por Porto Alegre, transformando lixo em luxo!
 Acredito que é uma forma de levar o ser humano a encontrar-se com a natureza, é menos lixo sendo transportado para o aterro sanitário (apenas 130 km desta capital), são jardins e hortas adubadas com humus, produzindo flores e frutos.

Quer um? fale comigo agropanerai@gmail.com


Não tem verba para gastar com minhocário? 
Faça um modelo baratinho com baldes http://cadicominhocas.blogspot.com.br/

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Conheça as caraterísticas dos adubos orgânicos!

Extraído do blog Mundo da Horta
O objetivo da adubação orgânica é manter ou aumentar a fertilidade do solo e da sua atividade biológica.  Devemos “nutrir o solo para alimentar a planta”. Adubar não é simplesmente fornecer nutrientes para as plantas. Adubar é uma ação global que tem como objetivos simultâneos  melhorar a fertilidade e a saúde do solo e garantir a nutrição das plantas.  A adição de adubos orgânicos melhora, consideravelmente, as características físicas e biológicas do solo.

Adubos orgânicos humus de minhoca
É o produto resultante da decomposição da matéria orgânica digerida pelas minhocas. É  a forma mais decomposta de matéria orgânica, o que facilita a sua degradação por micro-organismos do solo e facilita a liberação de nutrientes. Entre suas qualidades estão:
– Bons teores de macronutrientes (nitrogênio, potássio, fósforo,  enxofre, cálcio e magnésio) e especialmente de micronutrientes (cobre, molibdênio, zinco, ferro, e cloro)
– Durante seu processo digestivo as minhocas promovem um aumento da população de micro-organismos, principalmente bactérias benéficas, sendo o húmus de minhocas uma excelente fonte de micro-organismos para o solo.
– Não tóxico para as plantas, os animais e o homem.
– Proporciona um equilíbrio nutricional às plantas, pois as substâncias que contém são liberadas lentamente.
– Antecipa e prolonga os períodos de florada e frutificação das plantas.

bokashi horta em casa
Produto da agricultura natural japonesa, o Bokashi é um fermentado com organismos vivos que acelera a decomposição da matéria orgânica, colocando a disposição das plantas minerais importantes ao seu desenvolvimento. É um recurso que associado a práticas de incorporação de matéria orgânica, auxiliando o processo de recuperação da vida do solo e da sua fertilidade.
Melhora as condições físicas, químicas e biológicas do solo, proporcionando às plantas as condições ideais para o pleno desenvolvimento. Favorece o ambiente para que as raízes e microrganismos se beneficiem mutuamente. As raízes, além de absorver nutrientes do solo, secretam substâncias nutritivas, sendo que esta secreção ocorre na rizosfera, onde os microrganismos atuam. Estes por sua vez, absorvem substâncias de difícil assimilação e as transformam em substâncias assimiláveis pelas plantas, proporcionando uma nutrição equilibrada e fortalecendo aplanta contra o ataque de pragas e doenças.
O adubo orgânico pode ser aplicado via foliar ou via gotejamento (Bokashi líquido) ou diretamente no solo (Bokashi líquido e/oufarelado)

adubo carvão vegetal - Copia
fino de carvão é uma forma bastante estável da matéria orgânica do solo utilizado na composição de substratos orgânicos. É um material poroso, o que permite aumentar a capacidade de retenção de água e de absorção de compostos orgânicos solúveis.  Facilita a proliferação de organismos benéficos, além de possuir em sua composição elementos minerais como: magnésio, boro, silício, cloro, cobre, manganês, molibdênio e, principalmente, potássio.
No Brasil, um exemplo do efeito benéfico do carvão são os solos da Bacia Amazônica chamados Terra Preta de Índio . Eles teriam sido produzidos com a combinação de carvão vegetal, cerâmica e matéria orgânica de origem vegetal e animal.. Se estima que a produtividade dos solos pretos é 15% maior do que os outros solos.

farinha ossos
É um produto oriundo de ossos bovinos que são incinerados a mais de 500 graus de temperatura até a queima total. Após um período de resfriamento estas cinzas são moídas.
A farinha de ossos é um adubo orgânico rico em fósforo e cálcio, elementos essenciais ao crescimento, floração e frutificação das plantas. É o principal fertilizante orgânico fonte de fósforo, elemento absorvido pelas raízes das plantas e determinante para o aumento da produtividade. Outra vantagem da farinha de osso é que sua solubilização é lenta, o que garante o suprimento de fósforo as plantas por um bom tempo, diferente que os superfosfatos (fertilizantes inorgânicos) que tem uma rápida solubilização em água.

torta de mamona
           A torta de mamona, produzida durante a extração do óleo, é um importante subproduto da cadeia produtiva da mamona. Se trata de uma rica fonte de nitrogênio de lenta liberação que também funciona como condicionador de solo, elevando o nível de matéria orgânica. Outro efeito bem documentado da torta de mamona é o controle de fitonematóides, quer seja pelo efeito nematicida direto quando aplicada no solo, pela liberação de substâncias tóxicas decorrentes do processo de decomposição, ou mesmo pela estimulação da microbiota natural do solo antagônica a estes fitopatógenos.

calcareo de cochas
Os calcários são rochas sedimentares com quantidades acima de 30% de carbonato de cálcio. Quando o calcário é um aglomerado formado da natureza por conchas e fragmentos de conchas é denominado  calcário de conchas ou conquífero. O calcário de conchas na agricultura orgânica é utilizado para corrigir a acidez do solo. Ao mesmo tempo em que faz  essa correção, o calcário também fornece cálcio e magnésio indispensáveis para a nutrição das plantas.  A aplicação do calcário aumenta a disponibilidade de  nutrientes para as plantas e permite a maximização dos efeitos dos fertilizantes, e consequentemente o aumento substancial da capacidade  produtiva da terra.

estercol de origem animal
O esterco é a designação dada ao material orgânico em avançado estado de decomposição proveniente de excrementos de animais utilizados para fertilizar plantas. Às vezes o esterco consiste em mais de um resíduo orgânico, tal como excrementos de animais e restos das camas, como acontece com a palha. Os estercos, em função de suas características químicas, têm um alto potencial fertilizante, podendo substituir, quando são adicionados com outro adubo orgânico, totalmente a adubação química e contribuir significativamente para o aumento da produtividade das culturas. É muito importante que o esterco esteja bem fermentado para inativar os microrganismos patogênicos e o risco de contaminação. Os adubos orgânicos de origem animal mais utilizados  são o esterco bobino, o esterco de galinha e o esterco de porco.

COMPOSTOS DE LIXO DOMÉSTICO
adubo do lixo domestico
O composto é o produto final do processo de compostagem do lixo doméstico. A compostagem é um processo natural de transformação da matéria orgânica do lixo em compostos mais simples que podem ser utilizados como nutrientes pelas plantas. A compostagem é realizada pelos próprios microorganismos presentes nos resíduos, em condições ideais de temperatura, aeração e umidade. Esses micro-organismos vão descompor e estabilizar os compostos constituintes dos materiais liberando dióxido de carbono e vapor de água.

po de rocha
Os solos mais férteis do mundo tiveram sua origem nas erupções vulcânicas. Apesar do constante perigo  dos vulcões, as pessoas continuam a viver próximas aos mesmos devido à fertilidade do solo vulcânico.
pó de rocha é um produto originário das rochas vulcânicas utilizado para rejuvenescer solos pobres. O pó de rocha contém cerca de 60 a 70 elementos químicos, entre micro e macro nutrientes, além dos oligoelementos úteis.
Entre suas qualidades e benefícios estão:
– É pouco solúvel, diminui os riscos de perdas do produto.
– Presença de macro e micronutrientes essenciais.
– Corrige o pH (acidez) do solo.
– Em conjunto com a matéria orgânica, incentiva a vida do solo.
– Proporciona um equilíbrio nas plantas, fortificando-as e diminuindo assim a necessidade de defensivos agrícolas.

extracto pirolenhoso
extrato pirolenhoso, também conhecido como ácido pirolenhoso, líquido pirolenhoso ou vinagre de madeira,  é extraído da queima da madeira e atua tanto no controle de pragas como na adubação. Originário do Japão, onde é utilizado há séculos, é um líquido resultante da condensação da fumaça composto por mais de 200 substâncias que interagem entre si.
É  condicionador do solo, bioestimulante vegetal, indutor de enraizamento e repelente de insetos. É um excelente fertilizante para orquídeas,  já que  promove um aumento no número de brotos, garantindo o aumento do número de flores.

aubação orgânica na planta
Os aminoácidos ativam o metabolismo geral do solo e da planta, melhorando a fotossíntese e outros processos fisiológicos vitais. Usado como adubo para todo tipo de plantas, o aminoácido favorece a capacidade de absorção das raízes e otimiza as transformações químicas, dando como resultado um melhor aproveitamento de nutrientes, maior brotação, floração e principalmente melhor resistência a pragas e doenças. É um excelente adubo para orquídeas.
A utilização de aminoácidos via solo ou via foliar além de fornecer a planta uma fonte direta para que esta sintetize as proteínas, fornece também energia adicional necessária para suprir as demandas nos momentos críticos do ciclo vegetativo.
As vantagens do uso de aminoácidos são:
– Proporciona um metabolismo mais equilibrado das plantas
– Ativação da fotossíntese das plantas resultando em plantas mais verdes e com maior conteúdo de açúcar
– Redução de fitotoxicidade de determinados defensivos agrícolas
– Maior tolerância das plantas a pragas e doenças (papel imunológico)
– Aumenta a absorção e a translocação dos nutrientes aplicados na parte aérea das plantas
– Sistema radicular mais desenvolvido e vigoroso
– Regulador da atividade hormonal das plantas
– Maior tolerância das plantas ao stress hídricas e geadas
– Aumento do florescimento das plantas
– Alimento para a micro-vida do solo contribuindo dessa forma para a melhoria da estrutura física do solo

Autor: Miguel Lancho Jiménez