Mostrando postagens com marcador #humus. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador #humus. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 13 de maio de 2019

Fertilizante natural é fonte de nutrientes e reduz custos no cultivo da horta

Como transformar resíduos de alimentos em adubo para horta?

composteira - foto alexandre panerai

Fertilizante natural é fonte de nutrientes e reduz custos no cultivo de hortaliças


Qual destino você dá para os restos de alimentos na sua casa? Sabia que eles podem virar adubo para as plantas? Cascas que seriam descartadas no lixo, como de frutas, leguminosas, vegetais, borra de café, além de substratos provenientes de poda e limpeza do jardim, funcionam como fertilizantes naturais e dão vida às hortas. 
Os resíduos, quando submetidos à técnica de compostagem realizada por micro-organismos, geram nitrogênio, fósforo e potássio — os três principais nutrientes necessários para o cultivo. A técnica ainda dá origem a dois produtos estimulantes: húmus e chorume. O primeiro, de acordo com o engenheiro agrônomo e assistente técnico estadual de manejo de recursos naturais da Emater, Ari Uriartt, melhora a estrutura do solo. Já o chorume, parte líquida resultante da decomposição, ao ser diluído em água, serve como biofertilizante. 
Benefícios dos nutrientes para as plantas
  • Potássio: Favorece a formação de raízes e amadurecimento dos frutos.
  • Nitrogênio: Atua no crescimento, floração e frutificação.
  • Fósforo: intervém na formação de compostos orgânicos, produção de energia, na respiração, divisão celular e em outros processos metabólicos.
 Fonte: Professora Magnólia da Silva, da Faculdade de Agronomia da UFRGS
— Se simplesmente dispensarmos os resíduos, sem a utilização do método de compostagem, estaremos favorecendo a proliferação de vetores, como moscas, baratas e ratos — afirma Uriartt. 
O único insumo que pode ser utilizado sem passar pelo processo, de acordo com a professora do Departamento de Horticultura e Silvicultura, da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Magnólia da Silva, é a casca de ovo. Porém, o alimento, que fornece cálcio às plantas, precisa estar “bem moído e em pouca quantidade”. 
A professora também alerta para os riscos de uso de produtos como laranja, limão e bergamota, que baixam o pH (acidez) do solo, e folhas de eucalipto, que podem matar microrganismos importantes na fermentação da compostagem
Evite utilizar na compostagem 
  • Laranja
  • Limão 
  • Bergamota
  • Folha de eucalipto
  • Alimentos cozidos com sal e/ou gordura
  • Laticínios 
  • Esterco de cães e gatos
  • Papel
Fonte: Professora Magnólia da Silva, da Faculdade de Agronomia da UFRGS
Karen Viscardi / Agencia RBS
Chorume, resultado da compostagem, serve como biofertilizante para a salsa

Quais as vantagens?

Utilizar restos de alimentos na terra traz benefícios, como a redução de custos com químicos, pois o adubo é “gratuito”. A aplicação do fertilizante natural, segundo a professora da UFRGS, Magnólia da Silva, também melhora a qualidade do solo e evita excesso de nutrientes solúveis causadores de doenças. 
A iniciativa possibilita ainda o reaproveitamento do lixo, minimizando o impacto dos resíduos no ambiente. 
— Melhora a qualidade do solo pelo acréscimo de matéria orgânica e pela retenção de água para as plantas — detalha a professora. 
De acordo com o engenheiro agrônomo Ari Uriartt, este adubo também é fonte de micronutrientes essenciais para o desenvolvimento do cultivo. Ou seja, são medidas fáceis de colocar em prática que beneficiam as plantas, a população e o planeta.
Colaborou Leticia Szczesny 

sexta-feira, 10 de maio de 2019

FAZENDO MUDAS DE MANJERICÃO!!

O manjericão é uma erva muito fácil de fazer mudas e multiplicar. Vai muito bem no parapeito de uma janela ensolarada.
Você pode optar em fazer mudas através de sementes que em cinco semanas já estarão prontas para usar e também podemos fazer mudas através de pequenas estacas  da própria planta adulta que já temos em casa e assim podemos renovar sempre nosso plantio.

Assim que Faz

Em uma planta adulta, cortar de 1o a 15 cm de um galhinho novo ( verde).  Retirar todas as folhas na parte de baixo do caule. Deixando apenas umas poucas folhas na parte superior deste galhinho.
Retirar esse excesso de folhas é bom para que o galhinho não perca muita energia em alimentar essas folhas e direciona todos os nutrientes para a formação de novas raizes.
Estes galhinhos cortados se Chama ESTACAS ou estaquias.
fazer muda de manjericão
Colocar estas pequenas estacas em um copo de água e esperar uns dias até que saia as primeiras raizes.  É conveniente trocar a água deste copo todos os dias.
Ao passar sete dias, as raizes ja estarão grande o suficiente para ser plantadas na horta ou num vaso .
muda de manjericão enraizando
mudas de manjericão plantada em vasos

Como plantar sementes de manjericão

É muito fácil aprender a plantar sementes de manjericão.
O manjericão deve ser cultivado em um lugar que tenha sol pelo menos seis a oito horas por dia.
O solo deve ser bem drenado com um pH de 6-7,5.  Veja mais sobre pH de solos AQUI
Você pode se perguntar: “Quando plantar sementes de manjericão?” Basicamente, a melhor época para plantar sementes de manjericão é  na primavera quando todo o perigo de geada passou. Mas sabemos que cada área tem um clima diferente, então quando plantar as sementes de manjericão pode diferir de estado para estado. Se o clima da sua cidade é sempre ameno, você pode plantar o ano inteiro.
Cultivar sementes de manjericão não é nada difícil. Apenas semeia uniformemente as sementes das plantas de manjericão cobrindo-as com cerca de 0.5 cm de solo.
Mantenha o solo úmido e certifique-se de remover quaisquer ervas daninhas. As sementes de manjericão  devem germinar dentro de uma semana.
folhas de manjericão sobre tomates
Se você plantar várias sementes, deixe um espaço de 24 cm entre plantas .
Regar o manjericão a cada sete a 10 dias para se certificar de que suas plantas recebem água suficiente. Isso depende, obviamente, da quantidade de chuva na sua área. Lembre-se que, ao cultivar sementes de manjericão, as plantas nos vasos secarão mais rápido do que as que você planta no jardim, então lembre-se de regá-las também.
Uma vez que suas sementes de plantas de manjericão estejam completamente crescidas, é bom colher as folhas e deixá-las secar para que você possa usá-las em molhos e sopas.
O manjericão é maravilhoso com tomates, por isso, se você tem uma horta, não se esqueça de incluir o plantio de sementes de manjericão entre os vegetais. Além disso, nenhum jardim de ervas está completo sem manjericão, e é uma das ervas mais fáceis de cultivar e manter saudáveis.

sexta-feira, 26 de abril de 2019

Biomassa - importância da matéria orgânica e do húmus para as propriedades físicas do solo

A biomassa, ao ser incorporada em práticas agrícolas, transforma-se em matéria orgânica (húmus), importante material para a produtividade agrícola e para a manutenção do solo



foto de mulher segurando um punhado de terra de boa qualidade (e com uma plantinha) nas mãos
biomassa, ao ser incorporada em práticas agrícolas, é influenciada por fatores como manejo do solo, climáticos, edáficos, fisiológicos, espécies vegetais, entre outros, e transforma-se em matéria orgânica (húmus), material este de grande importância não só para a produtividade agrícola como  para a manutenção das boas propriedades do solo. Entre os benefícios físicos da biomassa (matéria orgânica) e do húmus para o solo, citam-se:

- Melhoria da estrutura física do solo

O húmus e a matéria orgânica (biomassa) concorrem para o estabelecimento de uma estrutura adequada ao solo, permitindo maior circulação de ar e água. É importante salientar que o húmus atua como agente cimentante das partículas do solo.

- Aumento da capacidade de infiltração de água da chuva

A matéria orgânica do solo aumenta a capacidade de infiltração de água da chuva, pois o húmus e a matéria orgânica incorporada evitam a formação de uma crosta impermeável e aumentam a agregação e a estruturação do solo.

- Aumento da aeração

aeração do solo permite a troca entre o CO2 expirado pelas raízes e pelos microrganismos do solo, que se encontram nos espaços porosos do solo, e o oxigênio do ar atmosférico. Essa aeração do solo é melhorada com a incorporação de matéria orgânica, em decorrência do aumento da porosidade.

- Redução da plasticidade e da coesão do solo

O húmus atenua o efeito negativo da consistência plástica e pegajosa excessiva dos solos argilosos, que se manifesta quando se apresentam molhados.

- Aumento da capacidade de retenção de água

A fração representada da matéria orgânica pelo húmus pode reter de quatro a seis vezes mais água que seu próprio peso. Como resultado prático, pode diminuir a erosão.

- Diminuição da variação da temperatura diária do solo

O húmus e a matéria orgânica (biomassa) são maus condutores de calor e isso vem contribuir para impedir a elevação demasiada da temperatura do solo, produzida pela radiação solar.

Segundo o professor Shiro Miyasaka, do Curso CPT Agricultura Natural , “A importância da matéria orgânica, dado o papel que desempenha no aumento da produtividade do solo, é reconhecida tanto na prática como nos estudos laboratoriais. O problema é que, atualmente, não é generalizada a prática de incorporação de matéria orgânica ao solo, apesar da sua importância”.

Conheça os Cursos CPT da área Agricultura Orgânica.
Por Silvana Teixeira.

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Consórcios de espécies: lucro certo para pequenas propriedades



Milho mais leguminosa
O plantio de culturas consorciadas é uma prática da qual, principalmente o agricultor familiar não pode abrir mão. Com o consórcio o produtor minimiza os riscos de seu trabalho, em especial, onde as condições climáticas não são regularmente favoráveis. A monocultura não deve existir para ele, diversificar é uma questão de sobrevivência.

O cultivo de duas espécies numa mesma área, entre uma gramínea e uma leguminosa, conhecido como consórcio, é uma forma de aumentar a quantidade de nitrogênio no solo, através da fixação biológica do nitrogênio atmosférico pela leguminosa, com evidente aumento de produtividade pelas duas culturas.

Milho e feijão formam o consórcio mais antigo e também conhecido por pequenos agricultores, no entanto a incorporação de nitrogênio é pequena e as duas culturas têm ciclo curto, deixando o solo descoberto pelo restante do ano. O consórcio de milho com mucunas, feijão de porco ou feijão guandu tem se mostrado eficiente em diversos aspectos, principalmente para pequenos agricultores, no sentido de manter o solo coberto durante o ano todo, evitando a incidência de plantas daninhas e melhorando as propriedades do solo.
Gessi Ceccon, pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, participa do programa e destaca  que, com o consórcio, o agricultor terá a produção de grãos e de sementes de adubo verde além dos benefícios que a leguminosa traz para o solo da sua propriedade. “Um dos grandes problemas das pequenas propriedades é adquirir essa semente de adubo verde. É difícil alguém que seja produtor de sementes de adubo verde. Aí está o diferencial que garante um lucro certo nesse modelo de consórcio”, explica.
crotalária
A produção de sementes de adubos verdes em consórcio com milho é uma tecnologia que pode viabilizar o cultivo de grãos nas pequenas propriedades, além de aumentar o aporte de matéria orgânica ao solo, com maior fornecimento de nitrogênio e incremento na produtividade das culturas.

2007/07/16
15
Dalízia Aguiar
Email: dalizia@cpao.embrapa.br
Telefone: (67) 3425-5122
Embrapa Agropecuária Oeste

Transforme seu lixo em HUMUS! Excelente adubo orgânico!

Coletando biofertilizante na composteira.

A compostagem é o processo aplicado para controlar a decomposição de materiais orgânicos, para se obter um material estável, rico em nutrientes. 
A maneira mais comum de realizar a compostagem doméstica é a composteira.







Que bom se pudéssemos, além de separar o lixo reciclável, utilizar o material orgânico para nosso próprio proveito? Bom, isso é possível e fácil de se conseguir.
Apesar de existirem há algum tempo, a compostagem tem ganho cada vez mais espaço nas residências. Se antes precisava-se de um espaço grande para podermos realizar o processo em casa, hoje em dia, os equipamentos estão cada vez mais adaptáveis à vida urbana. Basta querer.

A compostagem é o processo aplicado para controlar a decomposição de materiais orgânicos, para se obter um material estável, rico em nutrientes. Existem várias maneiras de ser realizar a compostagem do lixo orgânico, mas o mais comum utilizado em casas e apartamentos é a composteira.

A composteira é um local onde é colocado o material orgânico para que minhocas o decomponham. Na maioria das vezes, ela é feita de um conjunto ou apenas uma caixa, onde ficam minhocas que serão responsáveis pelo processo de decomposição. Depois que o material orgânico é decomposto, sobra um material que parece terra e o chorume, que é um líquido resultante do processo. Esses subprodutos são usados como adubo orgânico para colocar em jardins, hortas ou qualquer tipo de planta. Se você não tiver jardim, pode até vender para quem se interessar, pois são altamente nutritivos para o solo. E o melhor: a maioria das composteiras modernas já fazem esse processo sem cheiro, graças à espécie de minhoca utilizada. E existem algumas bem pequenas, que você pode usar na sua cozinha ou lavanderia, se não tiver um espaço maior.

Se tiver interesse, pode verificar alguns sites:

Faço compostagem a 10 anos e produzo uma quantidade considerável de humus, que utilizo em meus vasos e canteiros. Todo o lixo orgânico que produzo , mais de alguns vizinhos, trona-se um excelente adubo orgânico.Utilizo a minhoca vermelha da califórnia, que se reproduz muito bem em nosso ambiente.

 Forneço as minhocas para Porto Alegre e região.
email: agropanerai@gmail.com

Quer saber mais sobre compostagem? acesse http://estagiositiodosherdeiros.blogspot.com.br/p/blog-page.html

sábado, 20 de abril de 2019

A Unidade de Triagem e Compostagem de Porto Alegre transforma lenhas de podas em adubo

Fonte: jornalismo ambiental uniritter



Máquina montando as leiras (monte) - Crédito: Dan Gonçalves
Máquina montando as leiras (monte) – Crédito: Dan Gonçalves

A Unidade de Triagem e Compostagem de Porto Alegre opera na finalização de todo o lixo da capital. São centenas de resíduos descarregados diariamente em uma balança eletrônica.

Por Dan Gonçalves
Jornalismo Ambiental / Noite
A reportagem de Jornalismo Ambiental, do blog da Uniritter, visitou a UTC (Unidade de Triagem e Compostagem) de Porto Alegre, que está localizada no Bairro Lomba do Pinheiro, na Estrada Afonso Loureiro Mariante. O local foi fundando em julho de 2000. Nestes 16 anos, ela é a única em toda capital. Quando a equipe chegou no local não havia homens trabalho no momento, apenas uma máquina operava um monte de podas, preparando-as para a compostagem.
Na UTC são sete pessoas trabalhando na parte operacional da compostagem. Deste quadro, cinco são da Cootravipa e dois concursados. Além destes, ainda tem a engenheira ambiental Mariza Reis, responsável pela parte técnica, e Manoel Antônio, que cuida de toda parte operacional da unidade.Manoel contou sobre os horários em que a equipe trabalha:
“Iniciamos as 07:00 horas da manhã e terminados às 15:00 da tarde. Têm os dias em que temos plantões que são segunda-feira e quinta-feira, que trabalhamos até às 19h. Os sábados intercalamos: em um trabalhamos até ao meio-dia no outro até às 15h”, certifica Manoel Antônio.
A compostagem é uma forma de reaproveitar os resíduos orgânicos, gerando adubo para plantações.  A base do composto é a parcela dos resíduos domiciliares, das sobras de alimentos, do resto de jardins, entre outros. O processo é a decomposição natural dessa mistura.
Em baixo temos o esquema:


Crédito: Site da Prefeitura de Porto Alegre
Crédito: Site da Prefeitura de Porto Alegre
Segundo a engenheira Química do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), Mariza Reis, responsável pela parte técnica da UTC desde 2009, a compostagem não é mais com resíduos orgânicos e sim feita apenas com podas de árvores, devido às leis ambientais e também à coleta seletiva. O lixo de Porto Alegre, nos dias atuais, é recolhido e distribuído para 16 unidades de triagem e mais a UTC. Todo resíduo é separado e passa pela estação de transbordo, que fica no mesmo local da unidade de compostagem. Depois, é separado e vai para o aterro sanitário, localizado no munícipio de Minas de Leão, a 105 Km da capital:
“Mudou um pouco a situação aqui, porque aumentou muito o resíduo da coleta seletiva. Hoje fazemos a compostagem basicamente de podas urbanas, porque mudou a legislação ambiental, então exige uma cobertura da parte de compostagem para tratar outros resíduos orgânicos, por isto estamos trabalhando apenas com podas”, afirma Mariza Reis.



Leira (monte), que é feito na UTC - Crédito: Dan Gonçalves
Leira (monte), que é feito na UTC – Crédito: Dan Gonçalves
Além das mudanças das leis em 2009, a maneira de não deixar a UTC sem utilidade é também pelo fechamento de aterros que recebiam as podas. A solução encontrada foi a compostagem com as podas:
“Porque em 2009 fechou os aterros que recebiam as podas urbanas, então nós tivemos aqui espaço para recebê-las”, ratifica Mariza Reis.
Com as mudanças, as etapas também se alteraram:
A 1°  recolhe as podas e as mistura com a terra preta para fazer montes misturadas que são chamadas de leiras.
O 2° passo é esperar naturalmente estas leiras virar adubo, o que demora cerca de seis meses a oito messes.
Já o 3°passo é recolher esse material para depois passar por uma peneira, que já é o composto final.


A compostagem pronta para uso - Crédito: Dan Gonçalves.
A compostagem pronta para uso – Crédito: Dan Gonçalves.
Segundo dados fornecidos pelo DMLU, o total de podas recolhidas é de 400 toneladas por mês. Deste número, 200 toneladas são destinadas a compostagem, onde é produzido 100 toneladas por mês de adubo.
O destino final desse adubo é a venda, para qualquer cidadão comprar. Para fazer a compra basta entrar em contanto com o DMLU. O dinheiro arrecado é para investimentos na cidade.
A compostagem de lixo orgânico também pode ser preparada em casa. Para fazê-la, o cidadão pode encontrar mais informações no site da prefeitura.
A região tem 10 hectares de terras a disposição do DMLU, onde se encontra também a Unidade de Triagem (UT). Esta unidade é responsável por receber o lixo domiciliar e separar o lixo orgânico. No local se recebe parte do lixo hospitalar. Devido ao grande tamanho da área, é possível realizar todos esses procedimentos. Dezenas de caminhões passam diariamente nas unidades, tanto para descarregar quanto para carregar dezenas de quilos de lixo e podas de árvores recolhidas pela SMAM.

quinta-feira, 11 de abril de 2019

Como fazer uma Horta Suspensa incrível – Dicas Práticas

Fonte: https://www.homify.com.br/livros_de_ideias/5362076/como-fazer-uma-horta-suspensa-incrivel-dicas-praticas

Terraço: Jardins  por Blacher Arquitetura
Ter a natureza dentro de casa sempre é uma medida inteligente de bem-estar para toda a família. Uma das formas de se fazer isso são os jardins verticais. Entre eles, um merece atenção especial: É a horta suspensa, que propicia o cultivo de condimentos, temperos e ervas aromáticas que, além de deixarem as preparações culinárias mais frescas, cheirosas e saborosas, se oferecem como uma deliciosa e delicada forma de decoração.
O ideal é que se consulte um profissional qualificado, como um arquiteto paisagista ou um jardineiro de sua confiança, para se obter informações como: plantas que podem ser cultivadas em hortas suspensas em ambientes internos e externos, materiais e estruturas existentes no mercado ou que podem ser feitos de forma artesanal para abrigar vasinhos, vidros e caixas, cuidados com as condições de plantio, solo, luz e adubo, entre outros tópicos de interesse.
Neste livro de ideias, apresentamos vários deles, incluindo um passo a passo para a sua horta suspensa. Você vai descobrir que é muito fácil ter um jardim em casa, especialmente um jardim aromático que cabe na sua cozinha, na sua varanda ou no seu quintal!

1. O que são hortas suspensas

Lindas e versáteis, as hortas suspensas são uma alternativa excelente para quando se tem pouco espaço em caso para o cultivo de hortaliças, verduras e ervas aromáticas. Como o próprio nome já diz, a sua principal característica é a instalação de vasos em estruturas ou objetos elevados, que têm a vantagem de não ocupar espaço nas áreas úteis, podendo se adaptar a qualquer cantinho, dos menores aos maiores. Assim, uma horta suspensa, que nada mais é que um tipo de jardim vertical, pode ser colocada no alto das paredes ou mesmo pendurada no teto em qualquer canto da casa que esteja livre e tenha condições de luz. Entre as possibilidades de colocação, as mais comuns são as que permitem que sejam fixadas com parafusos nas paredes ou suspensas no teto por ganchos ou cordas.
Hoje em dia, em que as pessoas têm cada vez menos contato com a natureza por viverem nas grandes cidades, geralmente em apartamentos, as hortas suspensas podem suprir essa falta e colocar todos, das crianças aos adultos, em contato com a terra. Sem falar do prazer de ver germinar e crescer plantinhas que podem ser utilizadas fresquinhas nas preparações culinárias do dia-a-dia, concorrendo para uma alimentação mais rica e saudável.

2. Onde instalar uma horta suspensa

Apartamento Gávea: Terraços  por Espaço Tania Chueke
Espaço Tania Chueke

Apartamento Gávea

Espaço Tania Chueke
Se se tem a sorte grande de viver em uma casa com quintal, seja ele grande ou pequeno, as hortas suspensas são uma maneira muito prática e rápida de otimizar e organizar o espaço dessa área, com o aproveitamento da superfície dos muros para cultivar em recipientes os mais variados temperos e chazinhos apreciados pela família.
Mas os apartamentos são especialmente beneficiados pelas hortas suspensas, já que o espaço disponível para plantio é quase sempre muito pequeno. Então, espaços como a sacada, a varanda, o terraço e a cozinha (este também é ideal em casas) são indicados para a sua instalação, pois geralmente têm janelas maiores, que permitem a entrada da luz natural necessária. Na imagem acima, vemos uma linda horta suspensa com estrutura em madeira instalada no terraço de um apartamento, que demonstra ainda que ela pode ser super decorativa ao trazer vida, cores e formas ao espaço.

3. Materiais que podem ser usados

PAISAGISMO: JARDINS VERTICAIS BY MC3: Jardins  por MC3 Arquitetura . Paisagismo . Interiores
MC3 Arquitetura . Paisagismo . Interiores

PAISAGISMO: JARDINS VERTICAIS BY MC3

MC3 Arquitetura . Paisagismo . Interiores
Os materiais usados para se montar uma horta suspensa são os mais variados e escolhidos em função dos gostos dos seus usuários, do estilo do espaço e das necessidades referentes às plantas que se quer cultivar. Um material bem comum em hortas suspensas são os vasinhos, que são pendurados por pregos ou ganchos separadamente ou, ainda, dispostos em prateleiras de madeira. Eles podem ainda ser encaixados, por exemplo, em portas e janelas antigas usadas como suporte. O importante é evitar aqueles de barro ou cerâmica e dar preferência aos de plástico ou alumínio, que são mais leves.
Uma alternativa artesanal é usar canos de PVC ou garrafas PET, sendo que estas últimas são econômicas e fáceis de manejar. Basta cortar uma lateral da garrafa, enchê-la com terra e semeá-la, fixar um gancho nas extremidades e pendurá-las no muro. Outra ideia é utilizar vidros (ou vasos sofisticados) iguais ou diferentes pendurados por ganchos no teto ou por mão-francesa na parede.
Mas no mercado existem outras possibilidades decorativas, como jardineiras suspensas em cimento ou cerâmica, como esta da imagem. Em fileiras alternadas, a estrutura tem nichos arredondados que podem receber separadamente uma grande variedade de ervas aromáticas, sempre bem à mão. Esses recipientes são indicados para os muros do quintal, da varanda ou do terraço.
A cozinha, por sua vez, dispõe no mercado de diversos tipos de horta suspensa em diferentes materiais e formatos, como por exemplo estruturas plásticas em forma de colmeia que podem ser facilmente penduradas em qualquer cantinho, inclusive na lavanderia. Essas peças já são pensadas como itens decorativos e apresentam designs diversificados. Um profissional paisagista pode recomendar os melhores para cada espaço destinado à horta suspensa.

4. Hortas suspensas de madeira

Projeto: Jardins  por feltrini
feltrini

Projeto

feltrini
Mas há um material que encanta pela simplicidade, aconchego e naturalidade: a madeira. As hortas suspensas de madeira ficam lindas quando feitas com caixotes de feira fixados à parede, recebendo vasinhos em seu interior. A horta suspensa de pallet também é uma opção interessante com seu ar industrial, uma excelente ideia para quem aprecia este estilo.
A disposição de vasinhos em painéis de ripas de madeira por meio de ganchos, assim como sobre prateleiras ou nichos no mesmo material, também é uma boa pedida para quem gosta de uma aparência natural e orgânica para o seu jardim vertical. Outra forma de deixar a horta suspensa em madeira mais bonita é lançar mão da pintura com cores vivas, fortes e vibrantes que, ao envelhecerem e descascarem, terão um outro charme. 

5. O que plantar nas hortas suspensas

MÃO NA TERRA, Belo Horizonte, 2015: Jardins  por Luiza Soares - Paisagismo
Luiza Soares – Paisagismo

MÃO NA TERRA, Belo Horizonte, 2015

Luiza Soares - Paisagismo
É claro que, quando se tem uma horta suspensa, sonha-se em plantar um pouco de tudo. Mas isso não é nem prático nem possível: muitas espécies de hortaliças, verduras e ervas aromáticas não se adaptam às condições existentes nesses sistemas de cultivo. Assim, o negócio é ser objetivo e escolher temperos e condimentos de uso cotidiano e que sejam de fácil cultivo.
Entre as ervas aromáticas que costumamos consumir no Brasil, o manjericão é das mais apreciadas em carnes brancas, omeletes, molhos para massas e carnes. Mas exige temperatura superior a 18 graus, exposição ao sol, plantio em vasos individuais e rega diária. Deve ser colhido dois a três meses após o plantio e sempre dando preferência aos galhos com as maiores folhas.
Já o orégano, que pode ser usado em molhos, assados e pizzas, apresenta uma particularidade; quanto mais suas folhas são expostas ao sol, mais aromáticas elas ficam. Ele também precisa ser regado diariamente e deve ser exposto a pelo menos quatro horas diárias de sol, sendo que a temperatura ideal para ele é entre 21 e 25 graus. A colheita deve ser feita quando a planta atingir 20 cm de altura.
Por sua vez, o cultivo do alecrim – que vai bem com diferentes tipos de carnes, peixes e batatas – não exige muito tempo, adaptando-se a diferentes temperaturas desde que não sejam extremas. No plantio, ele deve ser regado com frequência, mas, após se desenvolver, pode ficar até três dias sem rega. É uma planta que não exige muita água: regar duas vezes por semana é o suficiente. Já a colheita deve ser feita 90 dias após o plantio, cortando apenas as pontas dos ramos. 
Já a salsinha, que é usada em omeletes, sopas, saladas, suflês e assados de carne, deve ser cultivada em temperatura que não ultrapasse os 22 graus e mantida em sombra parcial para absorver a luminosidade sem se expor demais, assim como estar em solo úmido, mas não encharcado. A planta deve ser colhida quando atingir entre 12 e 16 cm de altura, após dois a três meses do plantio.
Fiel companheira da salsinha, a cebolinha tem a vantagem de não precisar de espaço para crescer, podendo ser cultivada junto com outras ervas. Ela cresce melhor em temperaturas entre 13 e 24 graus e em solo bem drenado e rico em matéria orgânica, irrigado com frequência. Após 75 a 120 dias após o plantio, pode-se colher a cebolinha inteira ou as folhas pela base e não pela metade da haste. 

6. Passo a passo de como fazer uma horta suspensa

Vamos agora a um check list que podemos tomar como um passo a passo para uma horta suspensa.
  1. Escolha plantas de fácil cultivo, em especial se for inexperiente na formação de hortas ou jardins. Ervas como salsinha, cebolinha, orégano e manjericão são um bom começo. 
  2. Pesquise tudo. Não basta apenas pesquisar plantas, embora elas já envolvam muitas variáveis importantes como aplicações, condições de temperatura, solo e rega, época e forma de colheita, necessidades de plantio e manutenção, entre outros itens. Lembre-se ainda de pesquisar materiais e estruturas para receber os vasos com as plantas ou as próprias plantas, considerando as necessidades deles e também suas necessidades e gostos em termos de estilo e outros fatores. O design também merece atenção e, tendo tudo isso em vista, a consulta com um arquiteto paisagista ou jardineiro de sua confiança poderá elucidar todas as suas dúvidas e fornecer dicas de todos os tipos no que se refere às hortas suspensas. 
  3. Adube bem a terra para obter melhores resultados no plantio, mas não exagere na fertilização, dando ainda preferência a fertilizantes orgânicos. 
  4. Use ferramentas adequadas para revolver e arear a terra das suas plantinhas e adquira o hábito de identificá-las com algum marcador escrito que inclua a espécie plantada e a data do plantio. 
  5. Siga à risca as orientações dos profissionais quanto ao cronograma diário, semanal e mensal de cuidados. A rega das plantas, por exemplo, deve seguir horários definidos. O ideal que elas sejam regadas no começo da manhã ou no final da tarde, quando as temperaturas são mais amenas. 
  6. Divirta-se com a sua horta suspensa tanto na hora de utilizá-la para aperfeiçoar os seus pratos, quanto na hora de decorar a casa com essas belezuras frescas e cheias de vida!

segunda-feira, 8 de abril de 2019

O que é compostagem e como fazê-la em casa


Fonte: revista Globo Rural

Com ou sem minhoca, a compostagem doméstica é uma opção para quem quer dar um melhor fim para o lixo orgânico

Por Karina Campos com edição de Cassiano Ribeiro
compostagem doméstica  (Foto: Thinkstock)
 A compostagem, conhecida como o processo de reciclagem do lixo orgânico, transforma a matéria orgânica encontrada no lixo em adubo natural, que pode ser usado na agricultura, em jardins e plantas, substituindo o uso de produtos químicos. 

O processo também contribui para a redução do aquecimento global. Só em 2015, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente, foram geradas cerca de 32 milhões de toneladas de resíduos orgânicos no Brasil, o que equivale a 88 mil toneladas de lixo diário. Todo este material quando entra em decomposição, seja nos lixões ou aterros sanitários, gera o gás metano, um dos principais causadores do efeito estufa.


Produzir uma composteira doméstica pode ser uma ótima opção para quem quer dar um melhor fim para o lixo orgânico e contribuir para o meio ambiente. Mas, existem algumas regras que devem ser seguidas durante o processo e por isso a Globo Rural montou um manual para quem se interessa pelo assunto. 
Composteira com minhocas

Quem procura um processo de compostagem mais rápido pode optar pela compostagem com minhocas, ou vermicompostagem, que também pode ser feita em casas e apartamentos com o uso da composteira doméstica.  O vermicomposto, adubo orgânico gerado a partir desse processo, conhecido também como o húmus de minhoca, é rico em flora bacteriana e ajuda a fornecer às plantas uma nutrição equilibrada e maior resistência a doenças.


Como fazer
Para montar uma vermicomposteira doméstica são necessárias 3 caixas plásticas escuras (sendo uma com tampa), folhas secas e galhos pequenos e cerca de 100 minhocas. (veja abaixo como montar uma composteira sem minhocas).
As caixas deverão ser empilhadas em três níveis. Nas duas superiores devem haver pequenos furos, que serão responsável pela comunicação entre uma caixa e outra. São nessas caixas que será feita a compostagem (processo de decomposição natural). A última caixa será utilizada apenas para coletar o resíduo líquido orgânico, que, se diluído, pode ser utilizado para regar plantas e hortas.

O primeiro passo é forrar o fundo da caixa superior com folhas secas e pequenos galhos ou serragem. Esta primeira camada vai funcionar como dreno para a composteira. Em seguida deve-se colocar a terra com as minhocas e logo acima os resíduos orgânicos.
É importante que os resíduos sejam cobertos com outra camada de folhas secas para contribuir com a oxigenação. Isso também garante que não se gere um mal odor pelo processo.
Composteira sem minhocas
Outra opção é a compostagem sem minhocas. O processo é quase o mesmo, mas ela pode, diferente do outro receber casca de alho e cebola. Porém, o desenvolvimento do adubo tende a ser mais lento e pode desenvolver um cheiro não tão agradável, principalmente caso o processo dê errado. É comum que a falta de oxigenação nesse tipo de compostagem gere mofo e a falta de material seco pode causar o mal cheiro.


Dicas
Os depósitos de lixo orgânico devem ser feitos diariamente.
Quando a caixa de cima estiver cheia é necessário trocar as posições, passando-a para baixo e colocar a vazia em seu lugar para recomeçar o processo. Não é necessário colocar novas minhocas.
O adubo orgânico pode ser coletado em média a cada três meses.
Na hora de escolher o que colocar na composteira é necessário ficar atento. Alguns materiais comprometem a degradação da matéria orgânica e prejudicam o desenvolvimento do adubo. Confira o que você deve colocar ou não em sua composteira:
info-compostagem-doméstica (Foto: Redação Globo Rural)
Gosta das matérias da Globo Rural? Então baixe agora nosso aplicativo e receba alertas de notícias no seu celular, além de acessar todo o conteúdo do site e da revista. E se você quiser ler todas as publicações da Globo, baixe agora o Globo Mais.

Fornecemos minhocas e minhocários. agropanerai@gmail.com

quarta-feira, 3 de abril de 2019

A poda da Jabuticabeira - aproveite o inverno

no verão antes da poda


O melhor período para fazer a poda da jaboticabeira é no inverno antes da floração. 

Como instrumentos podem ser utilizados tesoura de poda, tesourão e serrote de poda. O importante é que a árvore não seja danificada,lascada. Também pode ser utilizada uma serra elétrica que auxilia no rendimento do trabalho.

no verão antes da poda
A poda é muito útil para indivíduos muito sombreados e varia de planta para planta porque depende do crescimento da árvore.

Os cortes auxiliam no controle de pragas e doenças, como a ferrugem da jabuticaba. A pode pode ser feita uma vez ao ano, com a retirada de até 30% da copa da árvore. Mais que isso pode trazer prejuízos à planta.

inverno após a poda
Os ramos retirados pode ser aproveitados como lenha (parte mais grossa) e como adubo (parte mais fina repicada). No caso da jabuticabeira, pode ser dispensado o uso de fungicida nos cortes.

Fonte: poda de frutíferas - EMBRAPA

segunda-feira, 25 de março de 2019

4 passos para fazer adubo com lixo orgânico em casa



Flores mais bonitas e um jardim saudável pode vir sem nenhum custo extra para
você. O segredo é a compostagem, que não só reduz a quantidade de lixo em
aterros, como também enriquece o solo do seu quintal com um material rico em
nutrientes. Listamos 5 passos simples para você começar a fazer compostagem
doméstica:
1. Escolha um recipiente
Escolha um espaço ao ar livre e um recipiente para depositar seu composto.
Pode ser uma lata de lixo grande ou um balde de plástico, por exemplo.
  É importante que você faça furos no fundo do recipiente para que o chorume
(material orgânico em decomposição) possa passar.
Embaixo da composteira deve haver outro recipiente para armazenar o chorume.
Pode ser uma bacia mais rasa, por exemplo. Ela só não pode ficar em contato
 direto com a composteira para que o chorume tenha espaço para escorrer.
reprodução/Howtocompost
Lata de lixo ou de tinta pode virar uma composteira caseira
2. Recolha o lixo da sua casa
Recolha o lixo da sua cozinha e jardim e misture os materiais. É necessário ter
duas vezes mais resíduos marrons (serragem, folhas secas, papelão e folhas de
 jornal) do que verdes (frutas, vegetais, grama, borra de café).  Esse equilíbrio é
 importante, pois os elementos marrons são ricos em carbono, enquanto que os
 verdes contribuem com nitrogênio.
Além disso, seu composto também precisa de oxigênio e umidade. Caso o
material fique muito seco, pode acrescentar um pouco de água para umedecer.
3. Distribua o material na composteira
Para acelerar o processo de decomposição, você deve distribuir o material em
 camadas: uma de nitrogênio (material úmido) para três camadas de carbono
 (material seco, como folhas, papelão e serragem).
4. Espere a mágica acontecer
Ao longo das próximas semanas, você vai ver os seus restos de comida se
transformarem em solo. Seu composto estará pronto quando tiver aspecto e
cheiro de terra. Lembre-se que ele não é um substituto para o seu solo, mas,
sim, age como um fertilizante natural para nutri-lo.
istock
Em poucas semanas, aquilo que iria para o lixo vira adubo natural
O que você NÃO deve colocar na composteira:
  • Produtos de origem animal
  • Gorduras
  • Óleos
  • Resíduos de animais de estimação
  • Comida temperada
  • Cinzas e bitucas de cigarro
  • Vegetais doentes
O que pode ir para a composteira:
  • Restos e cascas de frutas, legumes e verduras
  • Raízes e capim seco
  • Folhas secas e restos de podas
  • Serragem de madeira
  • Papel de jornal
  • Papelão
  • Saquinho de chá
  • Pó de café com coador de papel
  • Grama seca