segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Biofertilizante para recuperação de solos chega a cidades do Agropolo Rio Tocantins

verdao1334

Sagrima já distribuiu mais de 60 mil litros de biofertilizante nos agropolos. (Foto: Divulgação)
Depois da grande aceitação entre os produtores dos Agropolos da Ilha e do Rio Tocantins, o Biofertilizante Verdão, desenvolvido pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima), chegou ao Agropolo Rio Tocantins – composto pelos municípios de Imperatriz, Governador Edison Lobão, João Lisboa e Buritirana.
Os produtores assistidos receberam o biofertilizante para uso nas propriedades e, também, tiveram a oportunidade de aprender a produzir o insumo, em oficina ministrada na Exposição Agropecuária de Imperatriz (Expoimp), junto aos técnicos agrícolas dos municípios. Mais de 60 mil litros do Biofertilizante Verdão já foram distribuídos nos Agropolos.
“O biofertilizante tem sido um sucesso nos demais Agropolos já implantados e certamente será um reforço importante para o aumento da produção e da produtividade dos agricultores do Agropolo Rio Tocantins, onde a hortifruticultura tem enorme potencial”, reforça o secretário da Sagrima, Márcio Honaiser.
Composto de adubos orgânicos (como esterco bovino e de frango), vegetais diversos (como bananeira e cana de açúcar), rapadura e aceleradores biológicos de compostagem, o Verdão deixa as frutas mais robustas, suculentas e atraentes e as hortaliças com verde mais vivo.
Oficina de produção de biofertilizante realizada durante a Expoimp. (Foto: Divulgação)
Oficina de produção de biofertilizante realizada durante a Expoimp. (Foto: Divulgação)
O adubo especial surgiu da necessidade de uma solução de baixo custo e alta rentabilidade para recuperação de solos desgastados. Com o uso contínuo do Verdão é possível obter produtos agrícolas mais saudáveis, manter o equilíbrio da natureza, preservando a fauna e os mananciais de águas e aumentar a resistência da planta contra a ocorrência de pragas.
O agrônomo Antônio Paulo Anderson, de Governador Edison Lobão, ressaltou a transformação que o uso do biofertilizante representa. “Geralmente, os agricultores ficavam sem adubar porque não tinham condições de comprar um adubo químico, sem contar que o bio é orgânico e não vai prejudicar a lavoura deles”, disse.