quarta-feira, 15 de março de 2017

Agricultura com a força das rochas

Fonte: jornal Zero Hora

Pesquisa indica culturas que se beneficiam com insumo abundante no Estado

Por: Cadu Caldas
06/01/2017 - 
Pesquisas desenvolvidas pela Embrapa e o Serviço Geológico do Brasil (CPRM) vem apontando vantagens na utilização de pó de rocha para a produção agrícola. Mais do que uma prática de nicho, voltada a produtores de orgânicos, a economia gerada com a diminuição do uso de fertilizantes convencionais também deve chamar atenção de proprietários de grandes lavouras. Além de diminuir a dependência brasileira de insumos vindos do Exterior, a adoção da matéria-prima ajuda a reduzir a presença de substâncias químicas nos alimentos.
Délcio Donemann nota que não há diferença visível entre o morango cultivado com pó de rocha e outro adubo Foto: Omar Freitas / Agencia RBS
Parte da pesquisa é desenvolvida no Rio Grande do Sul, na propriedade de 22 hectares de Délcio Donemann, no interior de Pelotas. Lado a lado com a produção de aproximadamente 8 mil plantas de morangos do produtor, técnicos da Embrapa Clima Temperado cultivam a fruta adotando o mesmo manejo, mas utilizando o pó de rocha para fertilização.
— No ano passado, produzimos, em média, 400 gramas por planta, resultado semelhante ao que o produtor alcançou no sistema convencional, ambos impactados pelo clima. Por isso, é fundamental o cultivo próximo — explica Vanessa Fernandes Araujo, que analisou os efeitos do uso do fertilizante natural na produção de morangos no mestrado e no doutorado.
— Fizemos levantamento de custo de produção de um hectare de morango. Nosso manejo de adubação custou R$ 5 mil. Seu Délcio gastou aproximadamente R$ 15 mil, três vezes o valor — completa Vanessa.
Desenvolvida há pelo menos seis anos, a pesquisa respeita a rotação de culturas na propriedade e também é aplicada no cultivo de melão e alface, com resultados de produtividade semelhantes.
Leia mais:
Incêndio atinge unidade da Vale Fertilizantes em Cubatão
Ação do MP combate falsificação de fertilizantes no RS, PR e SC
Yara mantém investimento de R$ 1 bilhão no Rio Grande do Sul

De acordo com os pesquisadores, a técnica logo poderá ser replicada para produção familiar no Estado que, em geral, cultiva o morango no solo. Para a produção industrial da fruta, porém, bastante comum em municípios como Feliz e Montenegro, ainda é cedo para falar em fertilização natural. A adubação em estufas costuma ser diferente.
Redução de custos é atrativa
Em um primeiro momento o uso do pó de rocha como adubo natural atrai agricultores que cultivam orgânicos, nicho de mercado cada vez mais lucrativo para trabalhadores do campo graças ao interesse crescente dos consumidores. Mas, ao mostrar a alternativa mais barata abre-se novas oportunidades, principalmente para os produtores de grãos do Centro-Oeste, que têm grandes custos de logística para transportar o fertilizante do porto até a fazenda.
Remineralização das lavouras é uma das vantagens, segundo os pesquisadores Adilson Bamberg, Vanessa Araujo e Carlos Posser (d) Foto: Omar Freitas / Agencia RBS
Ao adotar fontes naturais, a perda de produtividade, observada em um primeiro momento, seria compensada pela redução de despesas com insumos.
— Produzir pensando só na produtividade está com os dias contados. O consumidor quer saber como é cultivado o alimento que consome, o que abre espaço para outros tipos de insumos, com menos químicos. Isso tanto nas lavouras de grãos quanto nas de frutas — afirma o pesquisador da Embrapa, Carlos Augusto Posser, um dos orientadores de Vanessa.
Retorno às origens - Hoje totalmente disseminado no cultivo de grandes culturas, o uso de fertilizantes solúveis só começou a ser empregado na agricultura brasileira a partir de 1960. A "descoberta" de produtos que ajudavam a tornar o solo mais fértil só aconteceu na década de 1940 a partir da pesquisa do uso de nitrogênio e enxofre para armamento durante a 2ª Guerra Mundial. Até então, a única alternativa de produtores para fertilizar a lavoura era investir na adoção de insumos naturais, entre os quais o pó de rocha. A prática é adotada até hoje em larga escala em países africanos, muito populosos e sem grande volume de recursos para investir em produção.
Cuidado com falsificados
Produtores interessados em utilizar pó de rocha para fertilizar o solo encontram dificuldades para comprá-lo no país de maneira legal.
Até o momento, apenas uma empresa, de Minas Gerais, tem o produto liberado para comercialização pelo Ministério da Agricultura. Pelo menos outras oito indústrias, entre as quais, duas gaúchas, a Fida, de Caçapava do Sul, e a Caxiense, de Caxias do Sul, contam com insumos em fase final de testes junto a órgãos de fiscalização. No entanto, ainda não estão disponíveis no mercado.
É comum encontrar no interior do Estado pessoas vendendo pó extraído de pedreiras como insumo para agricultura. Mas sem um selo oficial é impossível garantir a qualidade do fertilizante comercializado.
No médio prazo, produtividade semelhante
Os resultados obtidos nas pesquisas desenvolvidas pela Embrapa até agora indicam que no médio prazo os solos onde o pó de rocha é aplicado alcançam índices de produtividade semelhantes a terrenos onde são adotados fertilizantes convencionais. No longo prazo, o efeito é mais positivo: propicia a remineralização das lavouras, estimulando a formação de novos minerais em solos antigos, que já tinham perdido boa parte dos seus nutrientes. Maior qualidade nutricional dos frutos também tem sido observado.
Outra vantagem apontada por pesquisadores é a redução do impacto ambiental. Ao privilegiar o uso de rochas encontradas na região, produtores evitariam o gasto energético empregado no deslocamento do insumo ao redor do mundo. Hoje, a maior parte dos fertilizantes usados no país vem do outro lado do oceano, de países como Marrocos e Alemanha.
O projeto seria usar pedreiras regionais para ajudar na agricultura local, assim o produtor não precisaria se deslocar mais de 100 quilômetros para adquirir o insumo.
— Não acho que o pó de rocha vá substituir totalmente o uso de fertilizantes solúveis algum dia. Mas é uma alternativa importante. Aliás, um não exclui o outro. Pelo contrário, o uso de diferentes fontes orgânicas aumenta o seu potencial — explica o pesquisador Carlos Augusto Posser.
Segundo Posser, o pó de rocha pode ser usado associado à compostagem, por exemplo, misturado com esterco de aves ou de suínos. Exemplo é a Cooperativa dos Citricultores Ecológicos do Vale do Caí (Ecocitrus), de Montenegro, que mistura resíduos orgânicos ao pó de rocha encontrado no município.
AS ETAPAS DA PESQUISA
Coleta das rochas — Junto com profissionais do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), pesquisadores da Embrapa saem a campo em busca de rochas com indícios de potencial nutritivo para a agricultura. Investigação prévia mostra alvos potenciais.
Análise do material — Após a coleta, é feita a caracterização do material, com levantamento das propriedades da pedra. São apontados os nutrientes presentes e descrito o tipo de solo que se forma sobre a rocha, por exemplo.
Pesquisa em estufas — Começam os estudos em estufas. Pesquisadores conferem se o potencial nutritivo se confirma na prática, ou seja, se a planta consegue, de fato, absorver os nutrientes presentes na pedra. Outro ponto importante observado é a velocidade de absorção das substâncias. É preciso que o tempo de sucção seja compatível com a produção agrícola. Quando muito lento, o efeito é bastante limitado.
Ensaios de granulometria — São realizados ensaios para descobrir a forma mais efetiva de colocar a planta em contato com os nutrientes presentes na rocha. Em alguns casos, o indicado é transformar a pedra em pó, em outros, em pequenas partículas (grânulos).
Teste de comparação — Depois de uma triagem de pelo menos quatro anos nas estufas, o pó de rocha começa a ser aplicado em uma propriedade. São levados a campo apenas os materiais que apresentaram alto desempenho. Em alguns canteiros são aplicados fertilizantes convencionais e em outros, próximos, o pó de rocha. Assim, fica mais fácil para o pesquisador analisar a qualidade do fruto e custos de manejo das duas práticas.
Pedido de registro — Se o resultado é satisfatório, é encaminhado um pedido de registro do fertilizante ao Ministério da Agricultura. Só depois disso, o produto começa ser fabricado em escala e chega ao mercado.
Rochas amigas da agricultura
Dacito

Comum na Serra gaúcha, é rica em potássio.
Xisto
Potencializa a disponibilidade de nutrientes de outras rochas.
Fonolito
É uma fonte alternativa ao cloreto de potássio.