domingo, 30 de outubro de 2016

Plantas que purificam o ar, absorvendo toxinas em ambientes fechados

Espécies comuns são capazes de absorver toxinas em ambientes fechados


23/10/2016 às 00:00 (atualizado em 20/10/2016 às 09:14)
VARIEDADES CASA
Espada-de-São-Jorge: espécie libera oxigênio durante a noite, ao contrário da maioria das plantas
Espada-de-São-Jorge: espécie libera oxigênio durante a noite, ao contrário da maioria das plantas
Foto: Divulgação/CR


















Engana-se quem pensa que o trabalho da Nasa se resume à análise do espaço. Muitas vezes, a agência espacial norte-americana se dedica a pesquisar coisas bem úteis para aplicação aqui, na Terra! Um de seus estudos indica espécies comuns de plantas que conseguem absorver toxinas em ambientes fechados, ajudando a melhorar a qualidade do ar dentro de casa ou nos escritórios.
A pesquisa iniciou quando a Nasa buscava encontrar melhores maneiras de limpar o ar em estações espaciais. Como os astronautas vivem confinados em um pequeno espaço com ar reciclado, precisava haver uma solução para remover as substâncias tóxicas de tais ambientes. A solução veio da natureza. A seguir, as dez plantas indicadas.
Lírio-da-paz (Spathiphyllum) - Está no topo da lista da Nasa para a remoção das três substâncias tóxicas mais comuns – formaldeído, benzeno e tricloroetileno. Além disso, pode combater o tolueno e xileno. É uma das melhores para se ter dentro de casa, já que não exige muita manutenção. É recomendado mantê-la longe de correntes de ar. O lírio deve ser cultivado em lugares que não recebam a luz do sol diretamente, já que suas folhas ficam danificadas caso isso aconteça.
Babosa (Aloe vera) - Ajuda na limpeza de poluentes encontrados em produtos químicos de limpeza e tintas, como o formaldeído e benzeno. O mais legal é que, quando a quantidade de substâncias nocivas no ar torna-se excessiva, as folhas da planta apresentam manchas em tom castanho.
Samambaia (Nephrolepis exaltata) - Funciona como um verdadeiro umidificador natural, melhorando as condições de ar dentro de casa. Por conta dessa liberação de umidade no ar, a planta remove poluentes como benzeno, formaldeído e xileno, além de fornecer ar limpo dentro das residências. Ela cresce melhor sob a luz do sol e em condições úmidas.
Gerbera (Gerbera jamesonii) - É eficaz na remoção de tricloroetileno, presente em carpetes e móveis, por exemplo. É também boa para filtrar o benzeno que vem em tintas. Pode ser colocada na lavanderia, sala ou quarto, mas é preciso deixar na luz solar diretamente.
Crisântemo (Chrysantheium morifolium) - As flores coloridas podem fazer muito mais do que iluminar a sala de estar. O Crisântemo ajuda a filtrar o benzeno, que é comumente encontrado em colas, tintas, plásticos e detergentes. Esta planta gosta de luz, portanto é bom deixá-la perto de uma janela aberta.
Ficus (Ficus benjamina) - Ter um na sala de estar pode ajudar a filtrar poluentes que normalmente acompanham carpetes e móveis, tais como formaldeído, benzeno e tricloroetileno. 
Seringueira (Hevea brasiliensis) - Não dá para plantar a árvore em qualquer lugar, mas ela tem suas vantagens. É um poderoso eliminador de toxinas e purifica bem o ar. É eficiente na eliminação do benzeno, xileno e tolueno e também age contra o formaldeído e o tricloroetileno. Também pode possui grânulos que reduzem a poeira ao seu redor.
Espada-de-São-Jorge (Sansevieria trifasciata) - Eficiente na absorção de dióxido de carbono, além de liberar oxigênio durante a noite (enquanto a maioria das plantas faz este processo durante o dia). Um bom local para deixá-la é o banheiro.
Azaleia (Rhododendron simsii) - Tem a capacidade de filtrar os poluentes presentes no ar como o formaldeído proveniente de madeiras compensadas ou espumas de isolamento.
Jiboia (Scindapsus aures) - Capaz de limpar impurezas do ar, absorve o formaldeído, xileno e benzeno. É uma planta benéfica para ter na sala de estar ou pendurada, pois as folhas crescem para baixo, em cascata. É também indicada para a garagem, por causa do escapamento do carro (formaldeído). Cuidado: é venenosa e deve ser mantida longe de crianças pequenas e animais de estimação.
Redação Jornal Correio Riograndense