sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Sementes crioulas, difíceis de encontrar.


Agradecemos ao técnico Carlos da Emater RS, escritório Novo Hamburgo distrito Lomba Grande , que forneceu sementes de milho crioulo , para produção do Sítio Nena Baroni.

Segundo o chefe do escritório da Emater/RS-Ascar em Novo Hamburgo, Carlos Rocha, o resgate e a manutenção das mudas e sementes crioulas são práticas agrícolas incentivadas pela Instituição para a sustentabilidade nas pequenas propriedades familiares, visando à ampliação da variabilidade de cultivares utilizadas pelos agricultores em sua alimentação, à comercialização dos excedentes e à preservação ambiental. 

Obrigado!



Foto-Roger-Smith-sob-licença-Creative-Commons
Foto: Roger Smith sob licença Creative Commons
O primeiro elo da cadeia alimentar é a semente. Houve um tempo em que a semente sintetizava o percurso de vida de cada espécie, do jeito que a natureza criou e aprimorou. Hoje essa palavra traz outras opções: o ato de semear pode ocorrer por meio de uma semente crioula, de uma semente orgânica ou tratada e de uma semente geneticamente modificada pela ação do homem.
As sementes crioulas são um tipo antigo, que guarda um repertório de seleção natural de milhares de anos. Adaptadas aos ambientes locais, são mais resistentes e menos dependentes de substâncias sintéticas. Elas contribuem para a diversidade alimentar e para a biodiversidade dos sistemas de produção. São resultado, também, do trabalho de gerações de agricultores que selecionaram, multiplicaram e as compartilharam. A disponibilidade e continuidade dessas sementes tornou-se uma missão para a agricultura familiar e camponesa, fundamental para a independência e asegurança alimentar dos povos.
milho crioulo
Milho crioulo. Foto: reprodução
Para alcançar uma produção padronizada e mecanizada, o crescente empobrecimento genético das variedades de culturas resultou em espécies cada vez mais vulneráveis. A baixa adaptabilidade a diferentes condições de solo e clima também são características deste processo. As variedades modernas tendem a dar seus melhores resultados em condições de crescimento artificiais, com adição de insumos químicos. A produção de espécies crioulas ajuda a frear o processo de degradação do conhecimento local causado pelo agronegócio com sua monocultura, agrotóxicos, erosão do solo e degradação da biodiversidade.
Uma prática antiga ainda bem presente entre os agricultores é a troca de mudas, sementes ou animais reprodutores. O mercado de sementes é extremamente regulamentado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O MAPA estabeleceu mecanismos para a organização, sistematização e controle da produção e comercialização de sementes e mudas, e instituiu, por meio da Portaria n° 527, de 30 de dezembro de 1997, o Registro Nacional de Cultivares – RNC. Assim, fica restrita a comercialização de sementes produzidas fora desse registro. Este registro sistematiza a produção nacional, mas possui uma legislação que contempla a produção agrícola em escala industrial. Ele exige características específicas das sementes, como um alto nível de uniformidade genética, que não existe nas variedades crioulas. Desse modo, o RNC afeta negativamente muitos produtores da agricultura familiar e a disseminação das sementes crioulas e sementes orgânicas.
Assim, os agricultores começaram a se articular regional e nacionalmente. A Articulação Nacional de Agroecologia (ANA) é uma rede não-governamental que reúne movimentos, redes e organizações engajadas em experiências concretas de promoção da agroecologia, de fortalecimento da agricultura familiar e de construção de uma agricultura sustentável. Segundo Naidison Baptista, coordenador executivo da ASA (Articulação Semiárido Brasileiro) pelo estado da Bahia, essa prática guarda uma relação de pertencimento com a comunidade. O produtor é protagonista do processo, tem autonomia e não depende de qualquer grande firma de produção de sementes. Ele não depende de adubos químicos desses processos, constrói sua história com respeito às características do meio ambiente onde vive.
Para serem considerados orgânicos, os alimentos precisam ser livres de mudanças genéticas e do uso de insumos químicos. No entanto, a atual legislação brasileira permite a utilização de tratamentos com fungicidas ou inseticidas nas sementes, as chamadas sementes tratadas.

Guardiões de sementes

mostruario_sementes
Banco de sementes. Foto: reprodução
Como não podem ser comercializadas, a troca e o crescimento das redes entre os agricultores são saídas para a produção via semente crioula. Os bancos de sementes são espaços de armazenamento e de troca, conservados de forma adequada física e ambientalmente. Aqueles que protegem e armazenam sementes crioulas são chamados de guardiões e guardiãs. Nos bancos comunitários, os participantes promovem, recorrentemente, feiras de permuta de sementes, garantindo a circulação e troca de conhecimento das variedades crioulas dentro e fora da comunidade. Esta rede proporciona a interdependência e autonomia dos agricultores e agricultoras que produzem alimentos, manejam florestas e trabalham com produção de mudas orgânicas. Os guardiões protegem as sementes, compartilham, multiplicam e mantém viva a história cultural dos povos.
A Rede de Sementes Livres Brasil surge para fortalecer, promover e articular as iniciativas de sementes crioulas no cenário nacional. Em ressonância a um movimento mundial, junto com a Rede de Sementes Livres da América Latina, com outros parceiros e apoiadores, a Rede desenvolveu um mapa colaborativo dos Bancos de Sementes e Guardiões de Sementes no Brasil. Ou acesse www.teiaorganica.com.brpara encontrar quem comercializa sementes crioulas e orgânicas.

Postar um comentário