terça-feira, 10 de julho de 2012

Pequenos Produtores colhem noz-pecã no RS



Em um hectare é possível faturar até R$ 22,5 mil, com o plantio de cem árvores



A colheita de noz-pecã, que ocorre entre maio e junho no Rio Grande do Sul, está no auge. O município de Anta Gorda concentra o maior contingente de pequenos produtores gaúchos envolvidos no cultivo da planta - originária do Sul dos Estados Unidos. Hoje, são mais de 300 famílias que produzem cerca de 300 toneladas por ano. Os pomares de nogueira representam renda complementar à obtida com a produção de leite, suínos, milho, fumo e laranja.

O produto tem colocação garantida a um preço médio de R$ 4,50 por quilo pago pelos atacadistas ou intermediários de vários municípios do Estado, onde existem fábricas de beneficiamento. Parte da produção é comprada pela Agroindústria Pitol, localizada em Anta Gorda. Luiz Pitol, proprietário da fábrica e também o maior produtor do município, diz que a vantagem da nogueira é o seu baixo custo de manutenção. "É preciso contabilizar somente a mão de obra para colher a noz." O produtor tem um viveiro de mudas de quatro variedades da planta. Além disso, possui mais de 30 hectares cultivados com árvores de nogueira. No viveiro, são produzidas anualmente mais de 60 mil mudas enxertadas.

Pitol explica que em um hectare é possível plantar até 100 árvores. Com produção média de 50 quilos por árvore, isso representa cinco toneladas por hectare. Considerando o preço médio de R$ 4,50/kg, a receita é de R$ 22,5 mil por hectare/ano.

Segundo o secretário da Agricultura de Anta Gorda, Vanildo Roman, a revitalização da cultura levou a prefeitura a implementar, em 2006, um programa de incentivo ao plantio, no qual são doadas mudas aos produtores. O trabalho inclui assistência técnica em parceria com a Emater-RS, sendo que a meta é atender todas as propriedades rurais do município. "Atualmente, praticamente 100% das famílias rurais têm uma ou mais árvores de nogueira em sua propriedade, representando uma renda extra muito interessante", afirma o secretário.

A atividade iniciou em 1945, quando o então prefeito, Armínio Miotto, trouxe de São Paulo as primeiras mudas de variedades originárias do Sul dos Estados Unidos.


Fonte: correio do povo - PORTO ALEGRE, DOMINGO, 10 DE JUNHO DE 2012




A nogueira pecã (ou pecan) é uma ÁRVORE originária do sudeste dos Estados Unidos. Suas amêndoas normalmente são consumidas na forma in natura, em bolos, tortas, entre outros e são ricas em óleos e proteínas.

Na medicina natural são usadas as SEMENTES e, entre suas propriedades, podem ser citadas:

- redução das taxas de colesterol;

- redução da formação de coágulos no sangue;

- ação antiinflamatória;

- redução dos problemas relacionados à menopausa;

- prevenção do câncer.

Suas AMÊNDOAS e FOLHAS também podem ser utilizadas, ajudando a tratar de apatia, cansaço físico e mental, debilidade orgânica, escrófula, falta de energia, fraqueza generalizada e intestino preguiçoso.

http://karla-medeiros.blogspot.com.br/2010/05/uma-oleaginosa-vai-bem.html