segunda-feira, 23 de maio de 2011

Um terço dos alimentos é desperdiçado




O congresso internacional “Save Food” (Economize Comida), realizado nesta semana em Düsserdorf, Alemanha, começou com uma péssima notícia: pelo menos um terço de todos os alimentos produzidos no mundo para consumo humano é desperdiçado. Ou seja: joga-se no lixo ou se perde pelo caminho quantidade de comida que poderia erradicar completamente a fome no planeta, drama que atinge atualmente mais de 900 milhões de pessoas.



O dado impressionante consta no relatório divulgado parcialmente na semana passada e apresentado integralmente no congresso pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). O desperdício ocorre de forma diferenciada nos países ricos e nos pobres. Nos ricos, parte dos alimentos vai para o lixo antes do vencimento da data de validade, enquanto nos pobres o desperdício ocorre nas fases de produção, colheita e processamento.


Na América Latina, o maior índice de desperdício se dá na produção de frutas e vegetais. Segundo a FAO, mais de 40% das frutas e vegetais produzidos são desperdiçados durante o processo de produção, pós-colheita e embalagem.

De acordo com o estudo, denominado “Global Food Losses and Food Waste” (Perdas e Desperdício de Alimentos no Mundo) e elaborado entre agosto de 2010 e janeiro deste ano pelo

instituto sueco de alimentos e biotecnologia (SIK), 1,3 bilhão de toneladas de alimentos são desperdiçados por ano. A quantidade equivale a mais da metade de toda a colheita de grãos no mundo. Representa, para uma comparação local, oito vezes toda a produção brasileira de grãos em um ano, lembrando que o país deve colher em 2011 safra recorde de 160 milhões de toneladas. Imaginem oito “brasis” produzindo alimentos para descarte total.

O estudo afirma ainda que o mundo emergente e os países desenvolvidos desperdiçam aproximadamente a mesma quantidade de alimentos: 670 milhões de toneladas por ano nos países ricos e 630 milhões nas nações em desenvolvimento.



Diferenças - O relatório da FAO revela ainda que nos países ricos muitos alimentos vão para o lixo antes mesmo de expirar a data de validade. Seriam, portanto, ainda aproveitáveis As médias de desperdício per capita também são muito maiores em países industrializados. Na Europa e América do Norte, cada pessoa desperdiça entre 95 a 115 quilos de alimentos por ano. Na África Subsaariana, a média per capita é de 6 a 11 quilos. No Brasil, segundo a Embrapa, uma família de classe média joga fora o equivalente a 182,5 quilos de alimentos por ano.

As frutas e hortaliças, assim como as raízes e tubérculos, são os alimentos com a maior taxa de esbanjamento, e a quantidade de mantimentos que se perde ou desperdiça a cada ano equivale a mais da metade da colheita mundial de cereais (2,3 bilhões de toneladas em 2009-2010). “A produção total de alimentos ‘’per capita’’ para o consumo humano se situa em cerca de 900 quilos anuais nos países ricos, praticamente o dobro dos 460 quilos produzidos nas regiões mais pobres”, afirma relatório da FAO.

O estudo das Nações Unidas destaca o impacto negativo do desperdício no meio ambiente. “Isso invariavelmente significa que grande parte dos recursos empregados na produção de alimentos é usada em vão, e que os gases que provocam o efeito estufa causados pela produção de alimentos que são perdidos ou desperdiçados também são emissões em vão”, afirma o documento apresentado no congresso da Alemanha.

O levantamento da FAO informa ainda que no mundo emergente o problema maior é a falta de estrutura produtiva. Já nos países ricos, o principal fator é o comportamento dos consumidores. A quantidade total de alimentos desperdiçados nos países industrializados apenas pelos consumidores (222 milhões de toneladas) é quase equivalente ao volume de alimentos produzidos em toda a África Subsaariana (230 milhões de toneladas).



Reduzir perdas - “Reduzir as perdas pode significar um impacto imediato e significativo nos meios de subsistência e na segurança alimentar”, indica o documento da FAO. Especialistas oferecem diversas propostas para reduzir perdas e desperdício. Segundo o estudo, são desperdiçadas grandes quantidades de alimentos devido às normas de qualidade que dão excessiva importância à aparência. “As pesquisas indicam que os consumidores estão dispostos a comprar produtos que não cumpram as exigências de aparência caso não sejam nocivos e tenham um bom sabor”, indica a agência das Nações Unidas. O relatório também recomenda aos países a adoção de projetos de educação das crianças nas escolas e apoia iniciativas políticas para mudar a atitude dos consumidores.



Brasil joga fora toneladas de comida

O volume de alimentos desperdiçados no Brasil pode variar de acordo com a fonte, mas em nenhum dos casos ele deixa de ser gigantesco. A Associação Prato Cheio calcula que cerca de 30% dos alimentos produzidos no Brasil vão parar no lixo - sem qualquer chance de aproveitamento. Pesquisa de ONG que combate a fome e o desperdício de comida apontou as principais causas desse desperdício: problemas no manuseio de frutas, verduras e legumes durante a colheita e o transporte. No centro da discussão está a falta de treinamento da mão-de-obra.
Segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), o Brasil desperdiça, por ano, comida que poderia alimentar 62 milhões de pessoas. Mais de 60% do que é plantado se perdem entre colheita, transporte, processamento e hábitos alimentares. Mas esses números referem-se a 2008. Presume-se que tenham crescido. O que não mudou muito é a divisão por fases: do total de desperdício no país, 10% ocorrem durante a colheita; 50% no manuseio e transporte dos alimentos; 30% nas centrais de abastecimento; e 10% diluídos entre supermercados e consumidores.

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) informa que só no transporte rodoviário de grãos o prejuízo anual é de pelo menos R$ 2,7 bilhões. Os produtores e distribuidores não são os únicos culpados. Dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) indicam que família de classe média joga no lixo, por ano, 182,5 quilos de alimentos próprios para o consumo.

Conforme Embrapa, são desperdiçados por ano no Brasil só nas centrais de abastecimento nacionais 26 milhões de toneladas de alimentos, volume suficiente para abastecer 35 milhões de brasileiros, mais do que o dobro dos 14 milhões que, segundo o IBGE, estão em situação de fome crônica no país.

Um outro importante palco de desperdício é formado por restaurantes, lancherias e outros estabelecimentos do gênero. Não há estudos conclusivos que determinem o volume, mas estima-se que a perda no setor de refeições coletivas atinja 15%. Já nas casas, o índice sobe para 20%. No caso dos restaurantes há um atenuante para os donos: por lei, eles não podem doar sobras.

FONTE; CORREIO RIOGRANDENSE
Edição 5.244 – Ano 103 – Caxias do Sul - RS, 18 de maio de 2011.